Você está na página 1de 4

AO DOUTO JUÍZO DA ___ VARA CÍVEL DA COMARCA DO RIO DE JANEIRO – RJ

Marcelo Alves, brasileiro, casado, engenheiro, com CPF Nº 699.298.987-20 e RG 789.245


/ SSP – RO, com endereço eletrônico marc_alves_eng@gmail.com, telefone celular (21) 9 9222-
6666 onde também faz uso do mensageiro instantâneo WhatsApp, residente e domiciliado a
Rua Rio de Março, 1111, CEP 20.900-01, bairro Itapemerim, Rio de Janeiro – RJ, por intermédio
de seu Advogado Vitor Thiago Camargo, com CPF Nº 713.015.822-04 OAB 2345/RO, endereço

eletrônico vitorthiagocamargo@gmail.com, telefone celular (69) 9 9271 0099, onde

também faz uso dos mensageiro instantâneos WhatsApp e Telegram, com endereço profissional
á Av. Matruz com leite, 789, CEP 202221-00, bairro Defesa, Rio de Janeiro – RJ, onde recebe
intimações e notificações de estilo, vem à Vossa Excelência nos termos do artigo 186 e 927 CC
ajuizar:

AÇÃO DE IDENIZAÇÃO, em face de:

G.S.A tecnologia LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com CNPJ 09.002.829/0001-
32, com sede na Av 25 de Agosto, 1458, CEP 76.900-00, bairro Centro, São Paulo/SP, pelas
razões de fatos e fundamentos “de direito” a seguir expostas:
1 – Dos fatos
Em 15 de dezembro de 2021, o autor efetuou a compra de um aparelho de ar-
condicionado fabricado pela Ré. O produto fora entrega devidamente e externamente
apresentava condições perfeitas de novo, instalado atendendo as condições de garantia e
especificações técnicas requeridas para perfeito funcionamento, porém após findar a instalação,
essa realizada pela equipe técnica especializada da RÉ, passou a apresentar problemas
desarmando e não refrigerando o ambiente.
Em virtude dos problemas apresentados o autor fez contato com o fornecedor no dia
25 de Dezembro de 2021 relatando o fatídico mau funcionamento e solicitando assistência
técnica, essa que fora realizada em tempo hábil e realizada a troca da peça termostato,
supostamente responsável pelo defeito, sem sucesso, o problema persistiu, razão pela qual o
autor por diversas vezes entrou em contato coma Ré a fim de solucionar definitivamente a
situação amigavelmente, ocorre que na ausência de prontidão da Ré, transcorreu o prazo de 30
dias em a resolução do vício e desta maneira o sentindo-se lesado diante do descaso sofrido o
autor solicitou a substituição do produto.
O Réu por sua vez negou a substituição do aparelho e afirmou que enviaria outro técnico
para analisar novamente o produto no prazo de 15 dias devido a grande quantidade de
demandas no período do verão.
Registra-se que o autor comprou o aparelho de ar-condicionado exatamente em função
da chegada do verão e a substituição do mesmo faz-se necessária em caráter de urgência, posto
que as temperaturas já vem atingindo níveis alarmantes e a previsão de uma temporada ainda
mais quente.
2 – Dos fundamentos
(da relação de consumo faltou.... estabelecer a relação de consumo, e fundamentar o
pq da de ser regido pelo CDC. Obs ( sempre que abrir com a relação de consumo deve-se fechar
com tópico de inversão do ônus da prova)

a) Do dano material (meta quando se trata de dano material é ressarcimento em


dinheiro.) no texto eu pedi substituição do aparelho, desta maneira seria melhor o tópico se
chamar – DA SUBSTITUIÇÃO DO APARELHO).

Em 15 de Dezembro de 2021 o autor realizou a compra de um aparelho de ar


condicionando no estabelecimento da Ré, este que logo ao ser instalado já apresentou vício de
mau funcionamento, este desarmava e na refrigerava o ambiente. Em 25 de dezembro de 2021
a assistência técnica foi acionada e a mesma realizou a troca de uma peça que possivelmente
seria a responsável pelo mau funcionamento do equipamento, sem sucesso pois o vício
continuou, diante da situação o autor tentou por inúmeras vezes contato solicitando a resolução
do problema. Passados os 30 dias e não resolvida a situação, o autor solicitou a
troca/substituição do aparelho defeituoso, pedido este negado pela Ré que agendou nova visita
de um técnico para analisar novamente o produto só que só dispunha de data a partir de 15 dias
de espera, visto que estavam em período de verão e a demanda é muito alta para sua equipe.
Alicerçado ao artigo 6º, X do CDC, é um direito do consumidor possuir a adequada eficaz
prestação dos serviços e art. 18 CDC, onde determina a responsabilidade do fornecedor pelos
vícios de qualidade e no mesmo artigo no § 1º, I, II, III o vício deverá ser sanado em 30 dias e o
consumidor pode exigir a substituição.
Desta maneira como o vício não fora sanado dentro do prazo de 30 dias, o autor pleiteia
que seja cumprido o disposto no inciso I, a substituição do produto por outro da mesma espécie,
em perfeitas condições de uso.

b) Do dano moral (minha fundamentação ao dano moral, ficou falha)


Após realizar a compra de um aparelho defeituoso no último dia 15 de dezembro de
2021, este que após a devida instalação, apresentou mau funcionamento, pois não gelava o
ambiente, função que se espera ao adquirir um ar-condicionado. Em 25 de dezembro, diante da
frustação do mau funcionamento solicitou reparo no mesmo, a ré realizou o atendimento
trocando uma peça, chamada de termostato supostamente responsável pelo vício de
funcionamento do mesmo, só que o mesmo permaneceu sem gelar. O autor, ainda no calor,
tentou por diversas vezes contato com a ré a fim de tentar resolver da maneira mais rápida e
amigável, também sem sucesso.
Passou-se mais de 30 dias e diante da não solução da situação o autor requereu a
substituição do produto, conforme disposto no art 18, § 1º e art, 20 § º 2 CDC.
Após negar o pedido do autor, a ré informou que em o mesmo teria que aguardar mais
15 dias para uma nova visita da assistência técnica para reanalisar o aparelho, justificando-se
que o prazo estava estendido devido a alta demanda de atendimentos em virtude de período
de verão.
Nota-se que a ré penaliza o autor por sua própria ineficiência em proporcionar o
atendimento de assistência técnica eficiente e em desconformidade com a relação de consumo
disposta e regulamentada no CDC no art. 4º da lei 8078/90 e art 6º, VI CDC.
Do Quantum

Visto que o autor realizou a compra do aparelho justamente para sanar o problema
climático com altas temperaturas no verão, sendo imprescindível o perfeito funcionamento do
aparelho, o autor fora prejudicado com este vício sem resolução do problema, e sem qualquer
presteza ou prontidão da ré em atender o autor na condição de consumidor, ferindo os direitos
do mesmo, conforme determina o art. 4º da lei 8078/90 e art 6º, VI CDC.
Faz-se o autor juz a indenização moral pelo ocorrido no valor de R$ 1900,00 ( Mil e
novecentos reais), visto que até o presente momento a Ré não tomou nenhuma atitude do
ocorrido, nem substituiu e muito menos reparou o aparelho.

3 – Dos Pedidos

Diante de todo o exposto, requer a este Douto Juízo:

a) Seja o réu citado (art 238 CPC) para, querendo, apresentar contestação sob pena
revelia (art 344 cpc)
b) Seja a presente demanda julgada procedente – art. 487, I CPC.
c) Condenação do réu para que seja substituído o aparelho de ar condicionado no
valor de R$ 1812,00 ( mil oitocentos e doze reais) a título de dano material.
d) Condenação do réu no valor de R$1900,00 (mil e novecentos reais) a título de
dano moral - art. 4º da lei 8078/90 e art 6º, VI CDC.
e) Condenação em custas e honorários (art. 82 e 85 cpc)

f) Manifesta-se o autor o interesse a designação de conciliação ou mediação – art. 319,


VII CPC.

g) Protesta provar o alegado por todos os meios de provas em direito admitido, como
depoimento pessoal, testemunhas, documental e outras cabíveis. (art. 369 CPC)

Valor da Causa – R$ 3.712,00 (três mil setecentos e doze reais)- Art 282 CPC , sendo R$
1900,00 (mil e novecentos reais) em virtude de danos morais e R$1812,00 em virtude a
substituição do aparelho de ar condicionado .

Nestes termos, pede deferimento.

Rio de Janeiro, 21 de fevereiro de 2022

Vitor Thiago Camargo


OAB 2345/RO

Você também pode gostar