Você está na página 1de 11

1

1. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA QUE FIXA OBRIGAÇÃO DE PAGAR


QUANTIA CERTA.

1.1. MULTA DO 475-J CPC – 10% sobre o valor da dívida se após 15 dias não ocorrer
pagamento espontâneo:

(a) Trânsito em Julgado da Sentença  Marinoni, Gusmão Carneiro, Araken de Assis,


Ernane Fidelis.
Informativo nº 0373 - Período: 20 a 24 de outubro de 2008.
(b) Intimação do devedor por iniciativa do magistrado
(c) Intimação por advogado do devedor após requerimento do credor Scarpinella
Buneo, Freitas Câmara, Didier Jr.
Ag 1136836/RS – STJ - QUARTA TURMA, julgado em 04/08/2009.
(d) Intimação pessoal do devedor após requerimento do credor

É possível incidência da multa no cumprimento de sentença provisório?


Sim, para Scarpinella Bueno, Wambier, Freitas Câmara, Marcelo Abelha, Gusmão Carneiro,
Marinoni, Araken de Assis.  multa se destina a coação do devedor, é medida de celeridade
da tutela executiva
Não, para Didier Jr, Theodoro Jr, Carmona, Zavaski, Nery Jr.  multa é elemento da
evidência do crédito e indiscutibilidade do crédito, é medida de efetividade do processo.

1.2. Penhora de bens  não há momento para que o devedor indique bens penhoráveis
Realizada a penhora o devedor será intimado para que posso fluir seu prazo para
apresentar impugnação, na pessoa do seu advogado (475-J, § 1º)
2

2. DEFESA DO EXECUTADO

2.1. EXECUÇÃO POR TÍTULO EXTRAJUDICIAL - EMBARGOS À EXECUÇÃO

2.1.1. NATUREZA JURÍDICA – escopo  defesa através da impugnação: (1) do título


executivo; (2) dívida exequenda; (3) procedimento executivo

2.1.2. INSTRUMENTALIZAÇÃO  ação de conhecimento – observância do art. 282 e


283 CPC
pedido declaratório  Didier Jr, Montenegro Filho;
pedido constitutivo negativo/desconstitutivo  Leibman, Theodoro Jr., Freitas Câmara, etc.
ônus de prova das alegações é do Embargante

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO
1ª Fase (opostos no prazo que se inicia logo após a citação do executado – 738 CPC); 15 dias
da juntada do mandado de citação.
2ª Fase (opostos para impugnação da adjudicação, alienação particular ou arrematação, prazo
a contar da realização destes atos).
ATENÇÃO: É possível a interposição de 2 embargos do devedor pelo mesmo executado, um
questionando vício no título e outro vício na penhora? Não, a outra questão deverá se
analisada por simples petição ao juízo competente.

2.1.4. COMPETÊNCIA  juízo competente para a execução  competência absoluta


(Súmula 46 STJ e art. 474 CPC). Poderão ser oferecidos no juízo deprecado, mas julgados
sempre pelo juízo deprecante, salvo se vícios forem resultantes da penhora, avaliação ou
alienação do bem.

2.1.5. LEGITIMIDADE:
ATIVA: executado e responsável patrimonial.
Atenção: Súmula 196 STJ - Ao executado que, citado por edital ou por hora certa,
permanecer revel, será nomeado curador especial, com legitimidade para apresentação de
embargos. O enunciado contém erro, pois não é o curador o legitimado ativo para propor os
embargos, ele não o faz em nome próprio, mas em nome do EXECUTADO!
PASSIVA: aquele que figura como exequente, não depende aqui ser o exequente o
verdadeiro legitimado ativo para a execução.

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: apenas ASSISTÊNCIA, pois as demais implicam


decisões de natureza condenatória ou reipersecutórias.

2.1.6. VALOR DA CAUSA  não coincide necessariamente com o valor do débito!


(a) Se voltam-se contra a totalidade do crédito – deixar de pagar tudo o que se demanda
 valor da causa dos embargos = valor da execução
(b) Excesso de execução  valor da causa = diferença entre o demandado e o
reconhecido pelo embargante como devido
(c) Erro na penhora  valor da causa é igual ao valor do bem penhorado
(d) Erro na avaliação  diferença de valores entre o atribuído na avaliação e o valor que o
embargante entende como devido.
3

2.1.7. PRAZO  prazo de 15 dias a contar da juntada aos autos do mandado de citação –
738 CPC; não dependem de garantia do juízo ou de penhora
+ 1 executado  contagem do prazo é individual, não há prazo em dobro!

EXCEÇÃO – 738, § 1º CPC  cônjuges como litisconsortes passivos  art. 241, III CPC;
prazo da juntada do último mandado cumprido aos autos

CARTA PRECATÓRIA -738, § 2º CPC  juntada aos autos da comunicação do juiz


deprecado de que a citação se realizou.

2.1.8. EFEITOS DOS EMBARGOS: não há efeito suspensivo automático, mas ope judicis,
isto é, apenas quando o juiz verificar no caso o preenchimento de requisitos especiais  art.
739-A CPC
Natureza dos requisitos: cautelar (Didier Jr.) ou antecipatórios da tutela (Barbosa Moreira /
Marinoni)? (a) perigo da demora; (b) relevância dos fundamentos; (c) garantia do juízo; (d)
requerimento prévio do executado.

Art. 739-A, § 6º CPC: “A concessão de efeito suspensivo não impedirá a efetivação dos atos
de penhora e de avaliação dos bens”. (Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006). Melhor leitura:
Todavia, a suspensão da execução não impede substituição de bem penhorado ou nova
avaliação

2.1.9. OBJETO DOS EMBARGOS: ART. 745 CPC, rol exemplificativo.

I - nulidade da execução, por não ser executivo o título apresentado;


II - penhora incorreta ou avaliação errônea;
III - excesso de execução1 ou cumulação indevida de execuções;
IV - retenção por benfeitorias necessárias ou úteis, nos casos de título para entrega
de coisa certa (art. 621);
V - qualquer matéria que lhe seria lícito deduzir como defesa em processo de
conhecimento.

2.1.10. REQUERIMENTO DE PARCELAMENTO DE CRÉDITO E PRECLUSÃO


LÓGICA PARA OPOSIÇÃO DE EMBARGOS DO DEVEDOR.
ART. 745-A CPC: No prazo para embargos, reconhecendo o crédito do exeqüente e
comprovando o depósito de 30% (trinta por cento) do valor em execução, inclusive custas e
honorários de advogado, poderá o executado requerer seja admitido a pagar o restante
em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e juros de 1% (um
por cento) ao mês.

Natureza dessa requerimento: direito POTESTATIVO do executado.

E como fica a OBJEÇÃO DE NÃO-EXECUTIVIDADE? Igualmente afetada, pois entende-se


que aqui há a renúncia ao direito de discutir, só sendo possível alegar questões
supervenientes.

1
743 CPC - Há excesso de execução: I - quando o credor pleiteia quantia superior à do título; II - quando recai
sobre coisa diversa daquela declarada no título; III - quando se processa de modo diferente do que foi
determinado na sentença; IV - quando o credor, sem cumprir a prestação que lhe corresponde, exige o
adimplemento da do devedor (art. 582); V - se o credor não provar que a condição se realizou.
4

Não pagamento do parcelamento provoca vencimento antecipado das parcelas e multa de 10%
sobre o valor não pago. A partir desse ponto, prossegue-se a execução.
PERGUNTA: poderá o executado se valer de EMBARGOS em caso de entender viciada a
nova penhora, avaliação, etc.? SIM, mas no que concernem as questões supervenientes.

14.1.11. PROCESSAMENTO:

(a) distribuição por dependência;

(b) possibilidade de rejeição liminar (art 739, I)  I - quando intempestivos; II - quando


inepta a petição (art. 295); ou III - quando manifestamente protelatórios.
RECURSO: apelação – art. 296 CPC com possibilidade de retratação.

(c) processamento do processo de conhecimento

(d) sentença  APELAÇÃO; se acolhidos, duplo efeito (suspensivo e devolutivo); se


rejeitados, apenas devolutivo (art. 520, V CPC)
5

2.2. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA – OBRIGAÇÃO DE PAGAR 


IMPUGNAÇÃO

2.2.1. NATUREZA JURÍDICA


(a) Instrumento de defesa/exceção (Freitas Câmara, Ernane Fidelis, Scarpinella Bueno,
Wambier, Medina, Didier Jr.)  exercício de um direito de resistência
(b) Ação Incidental (Araken de Assis e Arruda Alvim)  semelhança aos antigos
embargos à execução de sentença
(c) Ação de Nulidade (Leonardo Greco)  declaração de inexistência

2.2.2. PRAZO: 15 dias contados da intimação do auto de penhora e avaliação (art. 475-J, § 1º
CPC). Intimação pode-se dar pelo diário oficial ou pessoalmente (oficial de justiça ou via
postal). Litisconsórcio com procuradores diferentes: prazo em dobro (art. 191 CPC).

2.2.3. OBJETO – art. 475-L CPC

I – falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia


II – inexigibilidade do título;
III – penhora incorreta ou avaliação errônea;
IV – ilegitimidade das partes;
V – excesso de execução;
VI – qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como
pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que
superveniente à sentença.
§ 1o Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se
também inexigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados
inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou
interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como
incompatíveis com a Constituição Federal.

2.2.4. NECESSIDADE DE PENHORA PARA OFERECIMENTO DA IMPUGNAÇÃO?


(a) Sim  pressuposto processual (Marcelo Abelha)
(b) Não  penhora é pressuposto para efeitos suspensivo (posição majoritária)

2.2.5. PRAZO PARA RÉPLICA: não há prazo legal previsto, logo questiona-se se não seriam:
(a) 5 dias, prazo legal (185 CPC) – Freitas Câmara; (b) 10 dias (327 CPC) – Leonardo Greco;
(c) 15 dias – Araken de Assis, Scarpinella Bueno e TJ/RJ em. 11/2006.

2.2.6. DECISÃO  recorrível por AGRAVO DE INSTRUMENTO, salvo de extinguir o


cumprimento, quando será atacada por APELAÇÃO (475-M, § 3º CPC)

 Cumprimento iniciado no Tribunal? Não há que se falar em AGRAVO ou


APELAÇÃO, mas apenas Rex ou REsp.

2.2.7. POSSIBILIDADE DE PARCELAMENTO?


(a) SIM  Marinoni, pela aplicação subsidiária das normas sobre execução
(b) NÃO  Theodoro Jr
6

2.3. OBJEÇÃO DE NÃO-EXECUTIVIDADE / EXCEÇÃO DE PRÉ-


EXECUTIVIDADE
2.3.1. NATUREZA JURÍDICA - INVENÇÃO DE PONTES DE MIRANDA em 1975,
Parecer n. 95 do Caso Mannesmann.
(a) Atipicidade – não há previsão legal
(b) Limitação probatória – matéria de direito ou apenas provável documental
(c) Informalidade – feita por mera petição

 Defesa processual peremptória: provoca a extinção do procedimento.

2.3.2. OBJETO: matérias passíveis de conhecimento ex officio: pressupostos processuais e


condições da ação  prescrição, pagamento, compensação, ausência de título,
impenhorabilidade, novação, t/ransação, etc.

2.4. AÇÕES AUTÔNOMAS OU DEFESAS HETERÔNOMAS: ação rescisória da


sentença; ação de anulação de negócio jurídico; consignação em pagamento; etc.

3. PROBLEMA DA FALTA DE BENS ARA CONCLUSÃO DA TUTELA


EXECUTIVA

 CPC autoriza a suspensão da tutela executiva, mas não fixa prazo para tal situação;
com base na dignidade humana, o STJ entende que deve haver um prazo.
 Nos casos dos juizados especiais – art. 53, § 4º Lei 9.099/95, não havendo bens
para saudar crédito igual ou inferior a 40 salários mínimos, há automática extinção
do processo. No direito português o prazo é geral de 6 meses.
 STJ: REsp 327.329/RJ, 2001, 4ª T. Prazo de suspensão máxima é igual ao prazo
prescricional do débito demandado.

4. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E EXECUÇÃO DE TÍTULO EXECUTIVO


EXTRAJUDICIAL – OBRIGAÇÕES DE DAR COISA CERTA/FAZER/NÃO FAZER

- Súmula 410 STJ - astreintes


- Conversão em perdas e danos.
7

5. EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA

5.1. IMPENHORABILIDADE DOS BENS PÚBLICOS: Para a Fazenda Pública não se


aplicam as regras de expropriação de bens do devedor, haja vista que os bens públicos são
impenhoráveis e inalienáveis.
Pagamento por PRECATÓRIO.

5.2. PROCEDIMENTO ÚNICO: não depende da natureza do título executivo  art. 730
CPC. Há, todavia, aplicação das normas sobre Liquidação de Sentença, se necessário (art.
475-A até 475-H CPC).

5.3. TÍTULO  judicial ou extrajudicial (ver. S. STJ 279)

5.4. PROCEDIMENTO:
Petição inicial  Citação para opor Embargos no prazo de 30 dias (Lei n. 9.494/97, art. 1º-B,
com redação da MP n. 2.180-35/2001).

Embargos não apresentados ou se rejeitados, juiz determina expedição de PRECATÓRIO ao


Presidente do respectivo Tribunal. (instrumento  cópias das peças principais e da certidão
da trânsito em julgado).

 EMBARGOS DO DEVEDOR – FAZENDA PÚBLICA (741 CPC)

Art. 739-A, § 1º não se aplica para a execução contra a fazenda pública: (a) não há penhora,
condição pára o efeito suspensivo; (b) precatório ou requisição de pequeno valor pressupõe o
total.

Logo, os Embargos da Fazenda tem efeito suspensivo para Didier. Não tem para Daniel
Assumpção.

Objeto: Art. 741. Na execução contra a Fazenda Pública, os embargos só poderão versar
sobre:
I – falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia;
II - inexigibilidade do título;
III - ilegitimidade das partes;
IV - cumulação indevida de execuções;
V – excesso de execução;
Art. 743. Há excesso de execução:
I - quando o credor pleiteia quantia superior à do título;
II - quando recai sobre coisa diversa daquela declarada no título;
III - quando se processa de modo diferente do que foi determinado na sentença;
IV - quando o credor, sem cumprir a prestação que Ihe corresponde, exige o
adimplemento da do devedor (art. 582);
V - se o credor não provar que a condição se realizou.

VI – qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como


pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à
sentença; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005)
Vll - incompetência do juízo da execução, bem como suspeição ou impedimento do juiz.
8

Parágrafo único. Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se
também inexigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados
inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação
da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a
Constituição Federal. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005)

Art. 742. Será oferecida, juntamente com os embargos, a exceção de incompetência do


juízo, bem como a de suspeição ou de impedimento do juiz.

Sua sentença não está sujeita ao reexame necessário, já que a decisão anterior que transitou
em julgado, já teve essa análise.
9

5.5. EC n. 62/2009  alteração do art. 100 da CR/88

Prioridade:

(1) DÉBITOS DE NATUREZA ALIMENTÍCIA CUJOS TITULARES TENHAM 60


(SESSENTA) ANOS DE IDADE OU MAIS NA DATA DE EXPEDIÇÃO DO
PRECATÓRIO, ou sejam portadores de doença grave, definidos na forma da lei, serão pagos
com preferência sobre todos os demais débitos, até o valor equivalente ao triplo do fixado
em lei para os fins do disposto no § 3º deste artigo, admitido o fracionamento para essa
finalidade, sendo que o restante será pago na ordem cronológica de apresentação do
precatório.
(2) DÉBITOS ALIMENTÍCIOS GEARAIS: decorrentes de salários, vencimentos,
proventos, pensões e suas complementações, benefícios previdenciários e indenizações por
morte ou por invalidez, fundadas em responsabilidade civil, em virtude de sentença judicial
transitada em julgado, e serão pagos com preferência sobre todos os demais débitos, exceto
sobre aqueles referidos no § 2º deste artigo.

OBRIGAÇÕES DE PEQUENO VALOR  § 3º, ART. 100 CR/88


§ 3º O disposto no caput deste artigo relativamente à expedição de precatórios não
se aplica aos pagamentos de obrigações definidas em leis como de pequeno valor
que as Fazendas referidas devam fazer em virtude de sentença judicial transitada
em julgado.
§ 4º Para os fins do disposto no § 3º, poderão ser fixados, por leis próprias, valores
distintos às entidades de direito público, segundo as diferentes capacidades
econômicas, sendo o mínimo igual ao valor do maior benefício do regime geral de
previdência social.
§ 8º É vedada a expedição de precatórios complementares ou suplementares de
valor pago, bem como o fracionamento, repartição ou quebra do valor da execução
para fins de enquadramento de parcela do total ao que dispõe o § 3º deste artigo.

No caso de litisconsórcio? Será considero o valor devido a cada litigante,


individualmente, expedindo-se para cada um requisição de pagamento ou a
inscrição do precatório.

 INCLUSÃO

§ 5º É obrigatória a inclusão, no orçamento das entidades de direito público, de


verba necessária ao pagamento de seus débitos, oriundos de sentenças transitadas
em julgado, constantes de precatórios judiciários APRESENTADOS ATÉ 1º DE
JULHO, fazendo-se o pagamento até o final do exercício seguinte, quando terão
seus valores atualizados monetariamente.
10

SEQUESTRO DE BENS  § 6º As dotações orçamentárias e os créditos abertos


serão consignados diretamente ao Poder Judiciário, cabendo ao Presidente do
Tribunal que proferir a decisão exequenda determinar o pagamento integral e
autorizar, a requerimento do credor e EXCLUSIVAMENTE PARA OS CASOS DE
PRETERIMENTO DE SEU DIREITO DE PRECEDÊNCIA OU DE NÃO ALOCAÇÃO
ORÇAMENTÁRIA DO VALOR NECESSÁRIO À SATISFAÇÃO DO SEU DÉBITO,
O SEQUESTRO DA QUANTIA RESPECTIVA

Mas sobre de quem?


Dos bem do Fura-Fila  Marinoni
Da Fazenda  Araken, Greco
Ambos!

 SISTEMA DE COMPENSAÇÃO

§ 9º No momento da expedição dos precatórios, independentemente de regulamentação, deles


deverá ser abatido, a título de compensação, valor correspondente aos débitos líquidos e
certos, inscritos ou não em dívida ativa e constituídos contra o credor original pela Fazenda
Pública devedora, incluídas parcelas vincendas de parcelamentos, ressalvados aqueles cuja
execução esteja suspensa em virtude de contestação administrativa ou judicial. (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 62, de 2009).

§ 10. Antes da expedição dos precatórios, o Tribunal solicitará à Fazenda Pública devedora,
para resposta em até 30 (trinta) dias, sob pena de perda do direito de abatimento, informação
sobre os débitos que preencham as condições estabelecidas no § 9º, para os fins nele
previstos. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 62, de 2009).

§ 11. É facultada ao credor, conforme estabelecido em lei da entidade federativa devedora, a


entrega de créditos em precatórios para compra de imóveis públicos do respectivo ente
federado. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 62, de 2009).

 CORREÇÃO

§ 12. A partir da promulgação desta Emenda Constitucional, a atualização de valores de


requisitórios, após sua expedição, até o efetivo pagamento, independentemente de sua
natureza, será feita pelo índice oficial de remuneração básica da caderneta de poupança, e,
para fins de compensação da mora, incidirão juros simples no mesmo percentual de juros
incidentes sobre a caderneta de poupança, ficando excluída a incidência de juros
compensatórios.

 CESSÃO
11

§ 13. O credor poderá ceder, total ou parcialmente, seus créditos em precatórios a


terceiros, independentemente da concordância do devedor, não se aplicando ao
cessionário o disposto nos §§ 2º e 3º

§ 14. A cessão de precatórios somente produzirá efeitos após comunicação, por


meio de petição protocolizada, ao tribunal de origem e à entidade devedora

 Execução Provisória contra a Fazenda Pública?

Não. RESP n. 447.406/SP, Rel. Eliana Calmon, 2003.

Sim. Zavaski, Didier Jr. RESP n. 702.264/SP, 12/2005. A execução provisória é


possível, a inscrição do precatório e da RPV não!