Você está na página 1de 27

Algas

Características Próprias:

9 Organismos Fotoautotróficos (alguns crescem


heterotroficamente)
9 Se diferenciam das plantas por não
necessitarem de sistema vascular para
transporte de nutrientes
9 Muitas são móveis.
9 A coloração também é muito variada: verdes,
amarelas, vermelhas, pardas, azuis, castanho-
douradas, etc.
9 A reprodução é tão variada quanto as formas e
cores, envolvendo mecanismos vegetativos,
assexuados e sexuais, freqüentemente
caracterizados pela produção de esporos e
gametas flagelados.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Habitat Natural
Distribuição universal: presentes na superfície da Terra em todos os tipos
de solos, sobre o gelo permanente, tendo o seu maior centro de
distribuição nas águas que cobrem 70% da superfície da Terra, i.e., rios,
represas, lagos, lagoas, empoçados e pântanos.

Ficoflora de águas continentais – cosmopolitismo:


muitas espécies são encontradas em todas as partes do mundo, dos
trópicos às regiões polares, em uma variedade de ambientes.
outras são restritas a certos ambientes.

Ambientes constantemente úmidos como troncos de árvores, paredes,


sargetas, rochas, etc.

Locais de condições extremas e "pouco usuais": endofíticas e epifíticas


(interior e em cima de vegetais), epizoárias (em cima de animais), etc.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Taxonomia

As algas são geralmente classificadas conforme:

9 Natureza e propriedades dos pigmentos


9 Natureza dos produtos de reserva e
armazenamento
9 Composição química e características físicas
da parede celular
9 Morfologia e características das células e
talos
9 Tipo, número, inserção (ponto de fixação) e
morfologia de flagelos

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Características Diferenciais dos Principais Grupos
Divisão Habitat Morfologia Pigmentos Reservas Composição da
parede celular
Algas verdes Muitas (90%) de Uni ou multicelulares; Clorofila a e b; Amido Celulose e
(Chlorophyta) água doce, algumas microscópicas; carotenóides pectina
algumas de dois ou mais flagelos iguais
ambientes apicais ou subapicais
marinhos
Algas marrons Quase todas Multicelulares e Clorofila a e c; Laminarina e Celulose e
(Phaeophyta) marinhas macroscópicas; zoósporos carotenóides gorduras ácidos algínicos
com dois flagelos laterais
Algas A maioria é Multicelulares e Clorofila a e d Amido Celulose e
vermelhas marinha, algumas macroscópicas; sem flagelo em algumas; pectina
(Rhodophyta) de água doce carotenóides;
ficobilinas
Algas douradas Maioria presente Unicelulares e Clorofila a e c; Crisolaminarina; Compostos
diatomáceas em ambiente microscópicas; um ou dois carotenóides óleo pécticos com
(Chrysophyta) marinho flagelos apicais iguais ou material silicioso
desiguais
Dinoflagelados Ambiente marinho Unicelulares e Clorofila a e c; Amido; óleo Sem parede
(Pyrrophyta) e água doce microscópicas; dois flagelos carotenóides celular
laterias
Euglenóides Água doce Unicelulares e Clorofila a e b; Paramilon; óleo Sem parede
(Euglenophyta) microscópicas; um a três carotenóides celular
flagelos apicais

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Algas Macroscópicas

Microcladia sp.

Sargassum vulgare

Macrocystis sporophylls

Caulerpa racemosa Caulerpa taxifolia


Ulva lobata
_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Algas Marrons (Phaeophyta)
9 Reprodução - pode haver formação de zoósporos e de aplanósporos (rep.
assexuada) e de gametas característicos (rep. sexual por iso, aniso ou oogamia).

1. Macrocistis
2. Fucus vesiculosus.
3. Laminaria digitala.
4. Laminaria sacharina (Fucus azucarado).
5. Laminana polyschides (alga rizada).
6. Seytosiphon.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Algas Vermelhas (Rhodophyta)
9Vivem geralmente fixas a rochas ou a outras algas
(necessitam do movimento das marés para realizar as trocas gasosas eficientemente).
9Apresentam uma morfologia filamentosa, embora existam algumas unicelulares.

9A presença do pigmento
vermelho permite-lhes
absorver a luz azul,
podendo sobreviver a
profundidades muito
superiores às das outras
algas.
9Algumas espécies de
algas vermelhas reforçam
a formação de recifes de
coral - metabolismo
necessário à deposição
de carbonato de cálcio

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Algas Microscópicas

Spirogyra sp.

Euglena sp.
Chlamydomonas sp.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Algas Verdes (Chlorophyta)
formas unicelulares, coloniais, filamentosas e parenquimatosas.

Tetraselmis
prasinocladus
Dunaliella sp.
Scenedesmus opoliensis
Micrasterias sp. Pediastrum sp.

Tetraedron trigonum
Platydorina volvocales
Oedogonium sp. Aphanochaete sp.

Haematococcus sp.
Ulothrix sp. Volvox sp.
_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Reprodução Assexuada
A reprodução vegetativa ocorre por divisão celular
simples, fragmentação.
As algas verdes também podem se reproduzir
assexuadamente através da formação de esporos
(zoósporos ou aplanósporos). Chorella sp.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Reprodução Sexuada

Chlamydomonas sp.

Gametas móveis: zoogametas


Gametas imóveis: aplanogametas

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Algas Diatomáceas (Chrysophyta)
9 Suas paredes celulares de sílica apresentam uma diversidade de formas intrincadas e
ornamentadas que as tornam num dos seres vivos microscópicos que mais atenção
despertam.
9 Existem em mais de 200 gêneros, não extintos, estimando-se que as espécies atuais
perfaçam cerca de 100 000

Gravuras de Ernst Haeckel (1904) Kunstformen der Natur


(Formas artísticas da Natureza)
_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Algas Diatomáceas (Chrysophyta)

Asterionella sp. Caloneis lewisii

Cyclotella sp.

Gomphonema sp. Tabellaria sp.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Algas Diatomáceas (Chrysophyta)
Parede celular impregnada de sílica formando uma “carapaça” (frústula), dividida
em duas valvas, coberta de poros. As duas metades encaixam uma na outra
como as metades de uma placa de Petri

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Algas Diatomáceas (Chrysophyta)
Reprodução assexuada por cissiparidade ou sexuada por conjugação.

A valva original sempre dá origem à tampa da “placa de petri” de sílica:


um dos novos pares de células-filhas tende a ser menor do que a célula parental
_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Dinoflagelados (Pyrrophyta)
9 Presença de bioluminescência.
9 Reprodução assexuada por cissiparidade.
9 Responsáveis pela maré vermelha.
9 Alguns produzem neurotoxinas

Ceratium sp.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Dinoflagelados (Pyrrophyta)
9 Locomoção por dois flagelos localizados no interior de dois sulcos: um rodeia a
célula como uma cintura, enquanto outro é perpendicular ao primeiro - provoca
movimento circular da célula, como o de um pião.
9 Placas celulósicas rijas (teca) em vesículas dentro da membrana plasmática:
aspecto de armadura antiga

Peridinium sp.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Euglenóides (Euglenophyta)
10 a 500 µm - alongadas
Vacúolo contrátil para controle osmótico.
Estigma para percepção de luz.
Locomoção por um flagelo.
Reprodução assexuada por cissiparidade

Euglena sp

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Citologia
Células eucarióticas
Estruturas específicas:
• Cloroplastos – dispersos no
citoplasma; circundados por dupla
membrana; abrigam as membranas
tilacóides (pigmentos)
• Pirenóide – estrutura proteica
responsável pela síntese de produtos
de reserva
• Estigma – granulação rica em
pigmentos (caroteno-lipídeo);
responsável pelo fenômeno de
fototaxia

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Esquema Simplificado - Fotossíntese

6CO2 + 12 H2O + energia luminosa Æ C6H12O6 + 6 O2 + 6H2O

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Exigências Fisiológicas e Nutritivas

Fonte de Energia: luz


Fonte de Carbono: Inorgânico (CO2) – Chlamydomonas sp., Chlorela sp., Peridinium sp.
Orgânico (ácidos graxos, acetatos, carboidratos, etc.) –
Chlorogonium sp., Euglena sp., Navicula sp.

Fonte de Nitrogênio: NO3- , Uréia


Fonte de Fósforo: inorgânico
Exigente em vitaminas
Micronutrientes: Mn2+, Mg2+, Na+, K+, Cl-

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Aplicações
• Síntese de vitaminas (A e D)
• Como alimentos (Chlorella sp.): ricas vitaminas B1, C e K
• Produção de alginato e agar
• Material filtrante (terras diatomáceas)
• Tratamento de efluentes industriais
• Aqüicultura

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Cianofíceas ou Cianobactérias

Conhecidas vulgarmente como algas


verde-azuladas: presença dos
pigmentos clorofila-A (verde),
carotenóides (amarelo-laranja),
ficocianina (azul) e a ficoeritrina
(vermelho)

Como as bactérias, são organismos


procariotos, cujas células não
apresentam sistemas de membranas
internas nas organelas citoplasmáticas.

Possuem um sistema fotossintetizante


semelhante ao das algas (vegetais
eucariontes), ou seja, são bactérias
fotossintetizantes.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Semelhanças morfológicas entre
algas verde-azuladas e bactérias

Anabaena sp.
Aphanothece sp.

Arthrospira sp.
Merismopedia sp.

Nostoc sp. Spirulina sp.


_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Principais diferenças

Cyanophyta Bactérias

Clorofila a: Presente Ausente


O2 por fotossíntese: Sempre Nunca
Flagelo: Ausente Presente
Complexidade morfológica: Grande Pequena

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Cianofíceas ou Cianobactérias
Habitat: amplamente distribuídas no solo, água doce e em ambientes
marinhos. Podem viver em associação (fixadoras de nitrogênio) e em
condições extremas como em águas de fontes termais, resistentes a alta
salinidade até em períodos de seca.

Morfologia: grande variedade de formas e arranjos, de cocos unicelulares


a bacilos e mesmo filamentos longos e multicelulares.

Comportam-se como bactérias Gram-negativas - possuem paredes


celulares pouco permeáveis aos antibióticos.

Produzem neurotoxinas ou hepatotoxinas

Reprodução: assexuada, por divisão binária, semelhante à das bactérias.


As formas filamentosas podem reproduzir-se assexuadamente por
fragmentação

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ
Oscillatoria limosa Cylindrospermum majus

Anabaena planktonica Gloeotrichia echinulata

Acinetos: esporos resistentes de algumas formas coloniais filamentosas


Heterocisto: indícios de que sejam células fixadoras de nitrogênio; auxiliem na
sobrevivência e flutuação dos organismos sob condições desfavoráveis.

_________________________________________________________________________________
EQB353 – Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ