Rodrigo Otávio Rocha de Alvarenga

Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos para capacitar o ortodontista ao tratamento do paciente disfuncionado.

CIODONTO Belo Horizonte – MG 2009

Alvarenga, Rodrigo Otávio Rocha, Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos para capacitar o ortodontista ao tratamento do paciente disfuncionado./ Rodrigo Otavio Rocha de Alvarenga. – 2009. 78 f. : il. color. Orientador: Patrícia Valério. Monografia (Especialização em Ortodontia) Clínica Integrada de Odontologia. 1.Ortodontia. 2. DTM. 3. Tratamento. I Patrícia Valério. II Clinica Integrada de Odontologia III. Titulo Black D2

Rodrigo Otávio Rocha de Alvarenga

Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos para capacitar o ortodontista ao tratamento do paciente disfuncionado.

Monografia

apresentada

à

Clínica Integrada de Odontologia como pré-requisito para obtenção do título de especialista.

Orientador: Profa. Dra. Patrícia Valério.

Belo Horizonte – MG 2009

Monografia apresentada à Clínica Integrada de Odontologia para a obtenção do título de especialista em ortodontia.

Data da Aprovação: Belo Horizonte:_____/____/ ______

___________________________________________________________ Profa. Patrícia Valério – Orientadora - Doutora em fisiologia – Instituto Modal

___________________________________________________________ Prof. Anderson Mamede - Mestre em ortodontia - CIODONTO

___________________________________________________________ Prof. Saulo Gribel - Mestre em ortodontia - CIODONTO

Exemplo de perseverança. À minha esposa Cornélia e meus filhos Bruno e João Pelos dias longe de vocês e pelo grande carinho e apoio. Pela vivencia e aprendizado. minha mãe e irmãos Pelo apoio e incentivo de continuar a lutar e crescer. Pela amizade conquistada. Pela amizade conquistada e admiração. . Ao Prof. Aos Amigos e colegas do curso pelos conhecimentos. perspicácia e vontade de aprender e ensinar. Ao Prof. Pela felicidade de ensinar e aprender e pelo muito que me ensinou e aprendi. Patrícia Valério. Amo Vocês. Ao meu pai .AGRADECIMENTOS À Profª. Saulo Gribel . experiências e companheirismos compartilhados. Anderson Mamede.

sintomas. quadro sintomatológico sistêmico. Devido ao pouco entendimento pelos ortodontistas sobre quadro de DTM.RESUMO A Disfunção temporo mandibular. ortodontia. O uso de Placas interoclusais se mostra o método de tratamento mais prático e eficaz para os ortodontistas tratarem seus pacientes disfuncionados. origens e tratamento. está presente em grande parte da população e se torna mais comum nos consultórios dos ortodontista. . suas causar. emocionais. Vimos que fatores oclusais. vemos necessidade de buscar na literatura existente dados para capacitar melhor os profissionais. multifatorial e etiológico. Palavras-chave: DTM. funcionais e genéticos podem induzir a um quadro de DTM e o tratamento ortodôntico em si pode influenciar negativa ou positivamente os fatores desencadeantes da disfunção mas não pode se falar que o tratamento provoque ou curar o quadro de DTM.

. symptoms. We saw that factors occlusal. we see need to search the literature for data better train the professionals.ABSTRACT The temporo mandibular dysfunction. orthodontic. and multifactorial etiology. emotional. The use of Plates are inter occlusal shows the method of treatment more practical and effective for treating their orthodontists dysfunctional patients Key-words: TMA. Due to little Understanding the framework for Orthodontists on TMD. is present in much of the population and becomes more common in offices of orthodontist. their cause. treatment and origins. symptoms Systemic. functional and genetic factors may lead to a framework for TMD and orthodontic treatment in you can positively or negatively influence the factors triggers the disorder but can not talk that the treatment or cure the cause of the TMD.

. ATM = Articulação Temporomandibular. μm = Micrometro. DVO = dimensão vertical de oclusão. RC = Relação Centrica. DTM/DOF = Disfunção Temporomandibular. N = newtons. dor orofacial. COMT = enzima catecol-O-metiltransferase.Índice de abreviaturas DTM = Disfunção temporomandibular.

..17 Ilustração 2 Estruturas da ATM.............. O estrato superior (2) e estrato inferior (3) podem ser facilmente identificados pg...26 ............................................ Atlas digital NETTER lamina 10A.............músculo masseter recorte da figura do Atlas anatômico digital do netter lamina 48A.....detalhe do músculo temporal ........ Página 70 do livro TMJ Disorders and Orofacial Pain de Axel Bumann and Ulrich Lotzmann (2002).corte da ATM...pág..............................zona bi laminar .............Atlas eletrônico Netter lamina 48b....25 Ilustração 11 ........ Patrícia Valério)...............Ligamentos da ATM .............................Na boca aberta a genu vasculosum (1) enche com sangue..... Atlas digital Netter lamina 11B..........................24 Ilustração 10 ...................................... 22 Ilustração 8 ................................ 18 do livro TMJ Disorders and Orofacial Pain de Axel Bumann and Ulrich Lotzmann (2002)................................................................................................Músculos da Mastigação ...................................................................Estruturas da ATM – Slides Curso DTM ABO-MG (Profª......................... .....20 Ilustração 6 ........Mandíbula vista posterior..18 Ilustração 5.. 21 Ilustração 7 Estruturas da mandíbula.......... ... 24 do livro TMJ Disorders and Orofacial Pain de Axel Bumann and Ulrich Lotzmann...Atlas anatômico digital Netter lamina 48ª..18 Ilustração 4 Dimensões media do côndilo mandibular ...... Atlas digital Netter lamina10B...................23 Ilustração 9 .............................Atlas anatomio do Nette lamina11a..................17 Ilustração 3 ..........................Lista de Figuras Ilustração 1 ...

Placas Oclusais e Miorrelaxantes ....52 Ilustração 17 .............também denominada front-plateau...........................................................com..........................53 Ilustração 18 .....................30 Ilustração 14 Nervos mandibulares.....laboratorioalianca.....................................................Placa oclusal miorrelaxante superior com cobertura parcial anterior............Placa oclusal miorrelaxante superior com cobertura parcial posterior.....Placa oclusal superior de reposicionamento anterior – retirada Retirado do site LABORATÓRIO ALIANÇA ..27 Ilustração 13 ..laboratorioalianca..........................56 ................................53 Ilustração 19 ...Músculos da Mastigação ..........2A e 6............htm...........htm ...........br/placas_oclusais_miorrelaxantes_p.................................br/placas_oclusais_miorrelaxantes_p..........Aparelho de Michigan ......... Retirado do site LABORATÓRIO ALIANÇA ..............Vista oclusal com os contatos cêntricos em preto e os contatos excêntricos em vermelho....................com.......49 Ilustração 16 .Ilustração 12 ..laboratorioalianca....Atlas anatômico digital Netter lamina 48A........54 Ilustração 20 . Atlas anatômico digital Netter lamina 41B....... Retirado do site http://www............................6.................................................detalhe mo músculo pterigóideo medial Atlas digital Netter lamina 49B...........Atlas anatomia digital Netter lamina 47A...................músculos do assoalho bucal ...................2B: Placa oclusal miorrelaxante superior com cobertura total Retirado do site http://www.....com..............htm .........................................................31 Ilustração 15 ...........................br/placas_oclusais_miorrelaxantes_p.........Placas Oclusais e Miorrelaxantes http://www.................

.........Aparelho Soft ...................57 Ilustração 23 .............................................58 .............gráfico eficiência de vários tipos de placas interoclusais tirada da monografia .......Vista oclusal....................guia canino na placa de Michigan.......... de Alves sobre Análise epidemiológica da síndrome da disfunção craniomandibular em alunos do curso de odontologia da Universidade Federal do Pará em 2001.......56 Ilustração 22 .....Ilustração 21 ...............................................

.....15 Definição...............................................................13 Justificativa..............................................................................................................................66 Conclusão......................................................................................12 OBJETIVO............................................................................................................................................34 Disfunção ___ Temporomandibular: Revendo conceitos .........................16 Os músculos envolvidos na abertura mandibular..................................................................42 Incidência............................................31 Etiologia.............................................................................................................................................................................46 Diagnóstico.......................................................................................49 Ortodontia..............................................................................................14 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA...............27 Movimentos da ATM e Mandíbula..................................................................15 Estruturas anatômicas................................................................................................................... ...........................................................................................12 Características da DTM..............13 PROPOSIÇÃO.................................72 Referencia Bibliográfica................................74 ....................................................................................................58 Discussão........Sumário Introdução........................................................47 Tratamento.................................................................................................................................

.

Nos pacientes em tratamento ortodôntico de 30% a 40% compensaram os distúrbios funcionais e não possuem antecedentes de disfunção.. 1996). tais como os processos traumáticos. LOTZMANN. 30% da população tem sinais e sintomas de DTM (SINAMOTO.. (OKESON. onde se observa um grande número de sintomas e problemas locais e sistêmicos que afetam a musculatura mastigatória. (LOBBEZOO. Na atualidade. a articulação temporomandibular e suas estruturas correlatas (SINAMOTO. . alterações anatômicas. 2002). (MCNEILL. nos consultórios e na sociedade. fatores patofisiológicos e psicológicos (DWORKIN. Sua incidência está entre adultos na faixa etária de 20 a 45 anos (BIASOTTO-GONZALEZ. et al. 2005) e grande parte dos portadores desconhecem estar com DTM. Contudo a movimentação de dentes ou reposicionamento da mandíbula é sempre acompanhada de um stress que aumenta as sobrecargas nocivas no sistema e podem levar a um quadro de DTM (BUMANN. 1993). 2003). Vários fatores iniciam e desencadeiam a DTM. ___ 12 Introdução A Disfunção Temporomandibular (DTM) é um quadro de alterações clínicas. 2003). 1992).Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . et al. 1997).

É preciso.. Por isso vemos a importância de estarmos bem informados e cientes dos transtornos causados pela DTM. sintomas e formas de tratamento. melhor avaliar as necessidades de nossos clientes e seu quadro clínico. 2005). Para isso temos que possuir melhores informações e dados para embasar nossas decisões de quando e como tratar os clientes portadores de DTM em tratamento ortodôntico. decisão terapêutica e avaliação dos resultados do tratamento das DTM/DOF.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . ___ 13 OBJETIVO Revisar a literatura para verificar os conceitos vigentes sobre etiologia e tratamento da DTM e sua inter-relação com a Ortodontia. seus sinais .. Estes também não se sentem seguros com relação ao diagnóstico. Mais de 50% dos ortodontistas sentem necessidade de um especialista em DTM/DOF em sua região para encaminhamento do paciente e a promoção de educação continuada para estes casos (FILHO. porém crêem que o mesmo pode ser uma forma de prevenção e tratamento destas disfunções. visando assim o melhor atendimento aos nossos clientes ortodônticos que são potenciais desenvolvedores desse quadro clínico. Acreditam que o tratamento ortodôntico não leva a uma maior incidência da DTM/DOF. . também. Justificativa A maioria dos dentistas que se dedicam a ortodontia relatam ter obtido conhecimentos em nível básico ou mesmo nenhum conhecimento em DTM/DOF durante seu curso de pós-graduação em ortodontia.

O tratamento ortodôntico trata a DTM? .Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . na clínica ortodôntica sob os seguintes aspectos: .O tratamento ortodôntico previne a DTM? ..Qual tratamento é mais prático e eficaz aos portadores de DTM durante o tratamento ortodôntico? ..A má oclusão pode causar DTM? . ___ 14 PROPOSIÇÃO Este trabalho se propôs a estudar a Disfunção Temporomandibular.

. 2002)..Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . desarmonia e problemas que afetam a musculatura estomatognática. Mas. ___ 15 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Definição A Classificação Internacional de Cefaléias denomina as Disfunções Temporomandibulares (DTM) como “Disfunções Oromandibulares”. atualmente a DTM é definida como.AAOP desordens temporomandibulares (DTM) é um termo coletivo que abrange vários problemas clínicos que envolvem a musculatura da mastigação. os suprimentos vasculares e nervosos destes tecidos. (SIQUEIRA. Segundo a ACADEMIA AMERICANA DE DOR OROFACIAL . Adiciona-se também ao quadro de DTM os fatores psicológicos (YAP et al. a articulação temporomandibular (ATM) e estruturas associadas ou ambas. e as considera como condições dolorosas que se assemelham as cefaléias primárias (tipo tensão) e cita causas odontológicas como possíveis elementos etiológicos das cefaléias secundárias. a articulação temporomandibular e suas estruturas correlatas e ainda associação de ambas (McNEILL. sua estrutura de suporte.. 2001). um quadro clínico onde observamos sintomas. 1993). as relações funcionais dos dentes.

que divide a ATM em duas partes funcionalmente diferentes. Côndilo mandibular Partes moles 1.1992).. ___ 16 Estruturas anatômicas Articulação temporomandibular (ATM) (ILUSTRAÇÃO 1 e 2) A ATM é classificada como Junta sinovial triaxial complexa. É a articulação mais complexa do corpo humano. 4. Estruturas da ATM As estruturas de ATM se dividem em duas partes: Duras e Moles. Eminência articular (porção posterior e porção anterior).Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Sinovial – tem em seu interior uma membrana sinovial e líquido sinovial. 3. 2. rotação e translação. Músculo Pterigóideo lateral. o disco. Disco articular. (OKESON. .. Tecidos retro discais. Complexa – porque tem um terceiro componente. Cavidade articular superior e inferior. 2. Com esse tipo de articulação a mandíbula pode ter movimentos de abertura e fechamento. Triaxial – movimenta em três planos. Partes duras 1.

Estruturas da ATM – Slides Curso DTM ABO-MG (Profª. Patrícia Valério).Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Cavidades Articulares As superfícies internas das cavidades articulares são revestidas por células endoteliais especializadas formando uma membrana sinovial. líquido sinovial. que visa diminuir o atrito entre os côndilos. Ilustração 2 Estruturas da ATM. ___ 17 Ilustração 1 . (ilustração 3) .. Atlas digital Netter lamina 11B. Essas cavidades são preenchidas com um líquido polissacarídeo não sulfatado..

O medial geralmente é mais proeminente. um lateral e um medial. 18 do livro TMJ Disorders and Orofacial Pain de Axel Bumann and Ulrich Lotzmann (2002)... ___ 18 Ilustração 3 . Côndilo Mandibular O côndilo é a parte mais superior do ramo ascendente da mandíbula e tem uma dimensão látero-mediana total de 15 a 20 milímetros e antero-posterior de aproximadamente 8 a 10 milímetros (OKESON.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . .pág.corte da ATM. Página 70 do livro TMJ Disorders and Orofacial Pain de Axel Bumann and Ulrich Lotzmann (2002). Ele possui dois pólos. (Ilustração 4) Ilustração 4 Dimensões media do côndilo mandibular . Ambos têm uma forma elíptica e são recobertos por uma capa fibrocartilaginosa. 1992).

fornece informações posturais. 2002). ele pode atenuar e amortecer picos de força.. informa sobre força muscular e movimento. e atua em inibição reflexiva dos músculos antagonistas. . 2. 3. Tipo I: de baixo limiar de dor. Tipo IV: são receptores para a percepção da dor (BUMANN AND LOTZMANN. ajudam a estabilizar o disco sobre côndilo mandibular (BUMANN AND LOTZMANN. Devido a sua estrutura única de tecido. há quatro tipos de receptores divididos em: 1. As células sinoviais formam o líquido sinovial. (BUMANN AND LOTZMANN. 2002). Aumento da carga funcional pode resultar tanto no alongamento ou contração da cápsula. convexo. e a parte posterior. Tipo III: de elevado limiar de dor. adapta lentamente.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . No seu estrato inferior. determina o relaxamento muscular. Tipo II: de baixo limiar de dor e rápida adaptação. 2002). ___ 19 Disco interarticular e cápsula articular O disco interarticular é constituído por tecido conjuntivo denso e fibroso. O disco interarticular funciona como "fossa móvel" acomodando o côndilo. As principais funções da cápsula são: propriocepção e nutrição das superfícies fibrocartilaginosas. Na propriocepção. exibindo propriedades visco elásticas quando em compressão de cargas. A superfície interior da cápsula é coberta por membrana sinovial.. lenta adaptação. que serve para trazer nutrientes para a cartilagem avascular da superfície da articulação e reduzir a fricção. 4.

Na boca aberta a genu vasculosum (1) enche com sangue. (BUMANN AND LOTZMANN. Além de prover nutrientes e propriocepção. o estrato inferior é importante estabilizador do disco no plano sagital. A zona bi laminar Na região posterior do disco. O estrato superior (2) e estrato inferior (3) podem ser facilmente identificados pg. Aumento da carga funcional pode levar à sua fibrose. (ILUSTRAÇÃO5) Ilustração 5. 2002). nervos e células adiposas.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . .zona bi laminar . ___ 20 A carga crônica excedendo o limite fisiológico ativa os receptores tipo IV por inflamação ou ruptura (BUMANN AND LOTZMANN. de não ocorrer em 10% a 36% das articulações.. zona bi laminar. 2002). 24 do livro TMJ Disorders and Orofacial Pain de Axel Bumann and Ulrich Lotzmann. entre suas duas lâminas fica o genu vasculosum com inúmeros vasos..

Atlas anatomio do Nette lamina11a Os ligamentos do sistema mastigatório (ilustração 6) Como em articulações móveis livres. Os ligamentos mastigatórios são divididos em funcionais e acessórios. Orientar. Colateral 2.Ligamentos da ATM .. ___ 21 Ilustração 6 .. Temporomandibular . Limitar movimento é a fisiologia mais importante.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Limitar. São ligamentos funcionais: 1. os ligamentos apresentam três funções principais quanto ao movimento: • • • Estabilizar. Capsular 3.

Os ramos. Esfenomandibular 2. A mandíbula Mandíbula é osso único.. cada um é formado pelo côndilo. auxiliares da movimentação mandibular. (ilustração 7 e 8) Ilustração 7 Estruturas da mandíbula. Atlas digital NETTER lamina 10A .. suporte dos dentes. ligamentos e outros tecidos moles. apóio aos dentes inferiores.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . direito e esquerdo. A mandíbula é sustentada por músculos. em forma de arco. em vários planos espaciais. processo coronóide e ângulo da mandíbula. Estilomandibular (MOFFET et al. base. Esse osso é dividido em: corpo e dois ramos mandibulares. No corpo estão os processos alveolares. O corpo se presta também de pontos de inserções dos músculos da cavidade peri-oral. 1964). ___ 22 Ligamentos acessórios se dividem em: 1.

responsáveis pelos movimentos rápidos e precisos da mandíbula. As fibras musculares de ação rápida são longas.Mandíbula vista posterior. ___ 23 Ilustração 8 . As funções musculares de movimentos dependem de estímulos do Sistema Nervoso Central. 1979). o pterigóideo lateral e o digástrico.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .. se orientam longitudinalmente e têm a capacidade de encurtar-se em um grau máximo. nos limites impostos pelos ligamentos. Exemplo de músculos compostos por estas fibras é o músculo temporal. . (Rocabado. Atlas digital Netter lamina10B Músculos mastigatórios Os músculos mastigatórios ordenam direcionalmente os movimentos articulares..

Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . ___ 24 Ilustração 9 .. .Músculos da Mastigação .Atlas anatômico digital Netter lamina 48ª Músculos elevadores da mandíbula Os músculos elevadores da mandíbula são: • • • Masseter (Ilustração 10) Temporal (Ilustração 11) Pterigóideo Medial (Ilustração 12) O Músculo Masseter possui dois feixes musculares: • • Superficial (maior) Profundo (menor)..

músculo masseter recorte da figura do Atlas anatômico digital do netter lamina 48A O Músculo Temporal possui três áreas anatômicas (Ilustração 11): • • • Anterior. Ilustração 10 . a) O músculo temporal se origina na fossa temporal e na superfície lateral do crânio. de fibras de direção quase horizontal... c) Seus dois feixes são inervados pelo nervo trigêmio (V par craniano). Média.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . de fibras de direção obliqua. b) Inserindo-se no processo coronóide e na borda anterior do ramo ascendente da mandíbula . d) Sua função é promover a protrusão mandibular e o levantamento da mandíbula. ___ 25 a) Este músculo origina-se no arco zigomático b) Insere-se no ângulo da mandíbula e no ramo mandibular. passando sob o arco zigomático. Posterior. de fibras de direção quase vertical.

.detalhe do músculo temporal . Quando contrai a parte média e posterior. Ilustração 11 . d) Sua função é elevar a mandíbula.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . b) Inserindo-se na superfície interna do ângulo mandibular.. c) É inervado pelo trigêmio. quando o ventre anterior se contrai. ocorre à retração mandibular. que se move na direção das fibras contraídas. V Par Craniano. O feixe do músculo pterigóideo: a) Origina-se na fossa pterigóide do osso esfenóide. ___ 26 c) É inervado pelo Nervo Trigêmio. a mandíbula é elevada verticalmente. V Par Craniano.Atlas eletrônico Netter lamina 48b O Músculo Pterigóideo Medial (Ilustração 12). . isto é.

apresentam maior força e resistência..Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . temporal e pterigóideo medial são mais curtos e grossos. ___ 27 d) Ilustração 12 . Digástrico. de dois feixes musculares. resistentes à fadiga.. de dois ventres musculares. sendo suas fibras direcionadas mais transversais. Milohióideo Geniohióideo Estilohióideo .detalhe mo músculo pterigóideo medial Atlas digital Netter lamina 49B Os músculos masseter. Os músculos envolvidos na abertura mandibular Os músculos envolvidos na abertura da mandíbula são (ilustração 11 e 12): • • • • • Pterigóideo Lateral. possuidoras de maior número de unidades motoras de baixo limiar.

a) Origina-se na asa do osso esfenóide. d) Atua na estabilização do disco intra-articular. d) Vascularizado por ramos da carótida externa e pela artéria lingual (ventre anterior). Entretanto. • Feixe Superior é bem menor que o inferior. se a contração é unilateral. ocorre movimento lateral da mandíbula para o lado oposto da ação muscular.. • Feixe Inferior é maior que o Feixe Superior. se contraem. c) É inervado pelo V par craniano. c) Inervado pelo V Par craniano e pelo nervo Milohióideo. a) Origina-se na superfície externa da placa lateral pterigóide. daí o seu nome: • Ventre Posterior: a) Origina-se no mastóide. os côndilos são puxados para baixo e a mandíbula se protui. c) É inervado pelo V par craniano.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Quando os pterigóideos laterais inferiores. b) Inserindo-se no disco articular e no côndilo. b) Insere-se anteriormente ao colo da mandíbula.. ___ 28 Músculo Pterigóideo Lateral apresenta dois feixes. Músculo Digástrico é formado por dois ventres. b) Insere-se no tendão intermediário preso no osso hióide. . direito e esquerdo.

O Músculo Milohióideo: a) Origina-se na superfície medial do corpo da mandíbula.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .. ___ 29 e) Sua função é abaixar a mandíbula e elevar o osso hióide. d) Vascularizado pela artéria lingual. d) Vascularizado por ramos da carótida externa e pela artéria lingual (ventre anterior). formando o assoalho da boca. c) Inervado pelo V Par Craniano e pelo nervo Milohióideo. b) Insere-se no corpo do osso hióide. • O Ventre Anterior: a) Origina-se na superfície lingual da mandíbula. c) Inervado pelo V par Craniano e pelo nervo Milohióideo. b) Sua inserção se dá no tendão intermediário preso ao osso hióide. b) Insere-se anterior ao corpo do osso hióide. c) Inervado pelo nervo Hipoglosso (XII Par Craniano). O Músculo Geniohióideo: a) Origina-se nas espinhas mentais inferiores do processo geniano da mandíbula.. .

Atlas anatomia digital Netter lamina 47A . c) Inervado pelo nervo Facial VII (Par Craniano).músculos do assoalho bucal . Ilustração 13 . O Músculo Estilohióideo: a) Origina-se atrás no processo estilóide. b) Insere-se no osso hióide. d) Vascularizado por ramos da carótida externa. ___ 30 d) Vascularizado pela artéria lingual.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos ...

A articulação temporomandibular pode realizar movimentos de rotação (côndilos giram em torno de seu próprio eixo) e de translação (côndilos deslizam na cavidade articular. a mandíbula se retrai ao realizar a abertura e o fechamento..Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . a ATM se movimenta. . girando-se ao redor do eixo que passa pelos côndilos. • Deslocamento vertical. vertical e sagital.. no sentido póstero-anterior e vice-versa) (DOUGLAS 1988). Os deslocamentos mandibulares ocorrem sob três eixos: horizontal. mastiga ou deglute. Movimentos da ATM e Mandíbula Cada vez que se fala. ___ 31 Ilustração 14 Nervos mandibulares. Atlas anatômico digital Netter lamina 41B.

A zona central do disco se interpõe entre o côndilo. Os feixes superior e inferior do pterigóideo lateral se contraem e levam essas estruturas para frente. protrusão e retração. fechamento. 1983). Ao abrirmos a boca ocorre rotação e translação. Serra e Ferreira (1981) concordam que a combinação dos movimentos de rotação e translação da ATM. O músculo pterigóideo lateral superior relaxa. . HOBO E WHITSETT. Com abertura maior (amplitude além de 20 mm) ocorre deslizamento do complexo côndilo-disco sobre a eminência articular do osso temporal. 1986). lateralidade.. permite a mandíbula realizar movimentos de abertura. ___ 32 • Deslocamento horizontal. No início da abertura bucal.25 milímetros de abertura bucal e no compartimento articular inferior da ATM.. • Deslocamento sagital. fazendo com que os ligamentos se alonguem dentro dos limites fisiológicos. a eminência articular. (SHILLINBURG. Ele vai em direção à eminência articular. os côndilos realizam rotação no interior do compartimento inferior da ATM.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . entre a parte superior do côndilo mandibular e a parte inferior do disco articular (ROBOCADO. avançando até a parte delgada do disco intra-articular. A rotação ocorre até 20 . a mandíbula vai para um lado. movendose simultaneamente para baixo. a mandíbula realiza o movimento de lateralidade e o centro desta rotação está no eixo que passa através do côndilo do lado de trabalho (lado oposto ao movimento de lateralidade). O côndilo do lado oposto ao da direção do movimento se desloca anteriormente. o pterigóideo lateral inferior contrai e os ligamentos permanecem em estado de repouso funcional.

As fibras elásticas dentro do disco servirão. principalmente.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Isso acontece por cerca de 15 milímetros. (ROBOCADO. Inicia o deslizamento anterior e inferior do complexo côndilo-discal em direção à eminência articular do osso temporal. 1986). para restaurar a forma do disco após a remoção da carga (Christensen 1975).. Termina a rotação entre o côndilo e o disco. 1983). (FELICIO. A abertura fisiológica bucal varia de 40 a 45 milímetros. Nas aberturas inferiores a 30 milímetros pode-se suspeitar de alteração músculo-articular. Experiências demonstram que. Cargas contínuas não fisiológicas resultarão em inflamação da articulação (Bumann and Lotzmann. . Na oclusão fisiológica a força mastigatória é parcialmente interceptada pela oclusão dos pré-molares e molares. 2002). 1983). 1991). A abertura máxima que a boca faz é de aproximados 50 milímetros (ROBOCADO. aliviando a carga articular (Pullinger. as superfícies da ATM estão sujeitas a cargas não patológicas de 5-20 N (Christensen et al. ___ 33 A translação ocorre quando os ligamentos posteriores da articulação se esticam. Este movimento ocorre no compartimento articular superior da ATM (entre a parte superior do disco articular e a superfície inferior da fossa mandibular) e é produzido pela contração do músculo pterigóideo lateral na protrusão e pelo músculo temporal posterior na retrusão da mandíbula. 1994)..

e estas podem atingir um estado de equilíbrio fisiológico. o somatório das influências nocivas no decurso de um determinado período de tempo for superior a um limiar individualmente variável. 2002). 1964). agindo por outro lado. ___ 34 O côndilo da ATM. podem produzir dor. Esta condição tem sido referida como descompensação ou regressiva adaptação e é acompanhada por sintomas clínicos mais ou menos graves (MOFFET et al. A adaptação regressiva do osso pode ser vista em radiografias (BATES et al. desencadeantes e perpetuantes (OKESON.. Em repouso. não pode permanecer na região posterior da articulação. 1998). . A adaptação regressiva nos tecidos moles se expressa como dor (BUMANN LOTZMANN. com a boca fechada. Sendo assim existem influências negativas para desencadear a DTM. (CORREIA 2006). Etiologia Para uma patologia se instalar são necessários fatores predisponentes. o côndilo se mantém em contato com as zonas intermediária e posterior do disco. e a capacidade de adaptação progressiva. 1993). no entanto.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . ou se a adaptabilidade de um sistema torna-se geralmente diminuída. quando pressionadas. o sistema vai sair do equilíbrio. não desencadeando o quadro de DTM. O local ideal para o côndilo se posicionar é entre a eminência articular e a fossa mandibular do osso temporal. Existem estruturas localizadas aí e. Mas se. agindo por um lado..

deglutição e mastigação e o surgimento da DTM articular.724 crianças. Um grande trespasse horizontal também pode ser considerado um fator predisponente (AL-HADI. que geraria uma sobre mordida e conseqüentemente. Num estudo realizado em 2002 com 4. causando compressão do nervo aurículo-temporal.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . 1993). deveria haver uma harmonia entre a oclusão dentária e o equilíbrio muscular. ___ 35 James Costen (1934) acreditava que a causa dos sintomas da DTM estava relacionada com a perda dos dentes posteriores. mordida aberta anterior. 2002). 1998). (OKESOM. O relacionamento intercuspidal influencia consideravelmente a fala. Mas. de 5 a 17 anos de idade foram encontradas associações significantes entre diferentes sinais e sintomas de DTM. maloclusão Classe III de Angle e trespasse horizontal excessivo (THILANDER et al. alguns estudiosos propõem que a presença de certas alterações oclusais geram maiores riscos de surgimento de DTM.. Foi considerado fator predisponente de DTM a mordida cruzada posterior. A DTM é mais prevalente nos lados preferenciais de mastigação (trabalho) bem como no lado de não trabalho (balanço) na presença de contatos deletérios nesse lado. uma pressão dos côndilos sobre a área retro discal.. Sendo assim. Jarabak (1956) já havia concluído em que para haver uma correta função da ATM. gerando dor. bem como do meato acústico externo. . o restabelecimento da condição oclusal torna-se uma terapia importante e necessária para o retorno do paciente à normalidade.

quinze por cento (15%) são Classe II esquelético. estudo com cinqüenta e seis pacientes que procuram tratamento para uma dor crônica complexa desordem temporomandibular (DTM) foram incluídos em um estudo retrospectivo para avaliar a relação esquelética dos pacientes com DTM. Estes resultados foram comparados com os dados publicados pelo National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES) Proffit no texto da Ortodontia Contemporânea. ___ 36 Em um estudo para investigar a prevalência e características clínicas de disfunção temporomandibular em uma população antes do tratamento ortodôntico e para avaliar os possíveis fatores de risco para DTM foram analisados 9. Oxford DE. e 1.. Chegaram a conclusão que pacientes com DTM tem uma maior prevalência de Classe II esquelética do que a população em geral. Simmons HC 3rd.6 por cento foram esquelético Classe II.909 pacientes e chegou-se a conclusão que o envelhecimento..8 por cento foram esquelética classe III. Este estudo indica que na população em geral oitenta a oitenta e cinco por cento (8085%) são Classe I esquelético. 2008). em comparação com a distribuição dos padrões esqueléticos encontrados na média da população. gênero feminino e maloclusão classe II de angle foram fatores de risco para a ocorrência de DTM na população (SUN et all.6 por cento dos pacientes foram esquelético Classe I. Com base nos resultados da análise Wits. Hill MD (2008) .Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Em. 63. e um por cento (1%) são Classe III esquelética. 34.

com um limar de sensibilidade entre 8 e 60μm. um importante fator no sistema neuromuscular oclusal é a sensibilidade tátil dos dentes. hábitos parafuncionais. 1995). 1999). A sensibilidade tátil oclusal corresponde à habilidade das pessoas de detectar objetos entre os dentes na oclusão intercuspidal.. A combinação de anormalidades da oclusão dentária e de fatores a ela relacionados (perdas dentárias.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . sendo de extrema importância na regulação das forças oclusais e no controle dos movimentos mandibulares. Embora essa relação possa ocorrer só em 10% dos casos. Por isso (PULLINGER & SELIGMAN.01mm de espessura.035mm e 0. principalmente na abertura reflexa da mandíbula (ASH. . pois pode aumentar o risco de disfunção e DOR. Os receptores sensoriais associados a esse processo estão localizados no periodonto.008mm). Tryde et al (1962) observaram que os limiares de sensibilidade tátil oclusal em indivíduos dentados variava entre 0. Porem outro grupo de estudiosos relata que as alterações da oclusão dentária seriam uma causa isolada de DTM dolorosas. ___ 37 E com relação à oclusão e a DTM. 2000) colocaram os fatores oclusais como co-fatores da DTM e diziam que a variação oclusal poderia ser mais uma conseqüência do que uma causa da DTM. Foi verificado por Siirila.. principalmente em indivíduos biologicamente susceptíveis (SIQUEIRA. ATMs (mecanorreceptores) e músculos (fusos musculares). Laine (1963) que indivíduos dentados podem detectar tiras metálicas de até 8μm (0. restaurações e próteses alteradas) exerce papel marcante na evolução dessas condições dolorosas. e ela ainda exerce papel relevante contribuinte para desencadear ou perpetuar a DOR nas DTM.

Sobre maloclusões e DTM. 2003) num período de 20 anos em pacientes com os mais diferentes tipos de maloclusão. 2003) relatou haver muita controvérsia em relação ao papel da oclusão como fator etiológico das disfunções tempo mandibulares. que não é um simples fator oclusal o mais importante para o desenvolvimento da DTM. as forças laterais em RCP e posição de intercuspidação são um fator potencial de risco ao surgimento de DTM. ___ 38 (BARBOSA. Entretanto. não houve estatisticamente diferença de prevalência de sinais e sintomas de DTM entre pacientes com ou sem experiência prévia de tratamento ortodôntico. Em algumas situações.. 1996) relata que os hábitos parafuncionais podem ser causas suficientes para o desenvolvimento da DTM.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .. fatores iatrogênicos. observando-se que estes. mas. (VANDERAS. Concluindo-se então. MAGNUSSON. piora da função mastigatória e maior índice de disfunção do que pacientes dentados (MERCADO & FAULKMER. as mordidas cruzadas unilaterais. possuindo também um índice maior de disfunção se comparados aos que não possuem maloclusões. por um longo período de tempo tendem a reportar mais sintomas de DTM. instabilidade das próteses. pacientes desdentados totais podem apresentar hábitos parafuncionais. 1991). pesquisas realizadas por (EGERMARK. . alterações oclusais. CARLSSON.

faciais estéticas e funcionais podem apresentar conseqüências que iriam além dos fatores físicos. embora pareça improvável que a atividade muscular emocionalmente induzida seja um fator necessário. escreveu o papel dos estados emocionais na etiologia das cefaléias. ___ 39 Moulton (1955) apontou uma possível etiologia psicológica para DTM. dentre outras doenças psicossomáticas.. esta poderia ser uma das razões pela qual a dor nessa região é tão especialmente sentida. . comportamentais e sociais em conjunto. gerando tensão muscular e hábitos parafuncionais e. além de extremamente ansiosos. Relatou que sendo a boca à primeira fonte de prazer corporal. SOLBERG. Dessa forma. tendiam a expressar essa ansiedade através de sintomas físicos. E diante de tais observações concluiu-se que a tensão e ansiedade foram construídas durante a vida e que em um determinado momento crítico. Embora os fatores psicológicos tenham um importante papel na etiologia das DTM. somente 4 foram considerados normais. E concluiu que esses pacientes. 20 extremamente ansiosos e 11 psicóticos ou pré-psicóticos.1976).Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . uma abordagem mais confiável seria considerar a etiologia como sendo de natureza multifatorial. medo. frustração e raiva) desempenham um papel significativo na etiologia das DTM. deveriam ser sempre considerados também os fatores emocionais. as alterações orais. é provável que ela seja suficiente para causar a DTM (RUGH. Sendo psiquiatra desenvolveu seus trabalhos em conjunto com um cirurgião-dentista avaliando 35 pacientes com DTM através de entrevistas. Mais tarde Moulton (1966). das úlceras gástricas e asma. fatores emocionais (ansiedade.. das dores nas costas. os fatores psicológicos operantes nas DTM não podem ser entendidos dentro de uma única linha de pensamento. os sintomas dentais apareceram nos pacientes. e sim. A partir da análise psiquiátrica.

como depressão – (78%). quando comparados com pacientes com DTM aguda – (45%). apenas coincidir ou coexistir.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . confirmaram que a ansiedade tem sido proposta como um fator etiológico das DTM.1997). através de hábitos parafuncionais e tensão muscular. e com população em geral – (5 a 26%). Dahlstrom (1993) . compararam psicologicamente 50 pacientes com DTM crônica e 51 pacientes com DTM aguda e observaram que os pacientes com DTM crônica apresentaram uma maior porcentagem de desordens afetivas. na verdade. Woods. Oliveira.. mas. quando comparados ao grupo com DTM crônica – (24%) e população em geral – (1 a 25%).. Já os pacientes com DTM aguda apresentaram uma maior porcentagem de distúrbios de ansiedade – (52.9%). Muitos pacientes com DTM relatam aumento da dor muscular diante de alterações emocionas (RUF. Gatchel et al (1996). Bermudez et al (2003) avaliaram o impacto da dor e da DTM sobre a vida das pessoas e concluíram que a dor da DTM tem um impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes. . independente da disfunção e não haver uma relação entre elas. Em uma revisão da literatura feita por Rugh.(2002). Lindroth et al. às vezes. em alguns casos. ___ 40 Dentre fatores psicológicos. ansiedade e o estresse são os mais analisados. em outros casos pode ser conseqüente à DTM e finalmente. a ansiedade pode ser um fator etiológico.

função cognitiva e humor. Estudos têm relatado que os portadores do haplótipo gene baixa-dor que codifica para COMT parecem ter 2.. as alterações anatômicas.GREENE. . (KLASSER. (LOBBEZOO.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Foi então proposto que a melhora da auto-estima deveria ser um critério para se propor um tratamento ortodôntico. os traumas oclusais e de tecido mole. existia uma alta prevalência de maloclusão em crianças na fase escolar na cidade de Belo Horizonte. As implicações destes achados para o manejo de pacientes com dor pode vir a adequar as abordagens de tratamento individual ou fornecer farmacêutica dirigida a agentes específicos receptores.3 vezes menos risco de desenvolver DTM.. Alguns pesquisadores tem observado a catecol-O-metiltransferase (COMT). Sendo assim são considerados fatores desencadeantes das DTM. que em certo período de tempo são superiores aos processos adaptativos do organismo e geram a DTM. ___ 41 Vale relatar que segundo estudos de Marques (2004). Observou-se uma alta correlação com alterações emocionais principalmente por deficiência de auto-estima. uma enzima que é responsável pelo metabolismo da catecolamina e está envolvido na percepção da dor. 1997). 2009). os processos patofisiológicos e psicológicos. estas com idades entre 10 e 14 anos.

esta variante genética potencialmente poderia ajudar a identificar pacientes com risco de desenvolvimento de DTM e por conseguinte. 1993). nos músculos do aparelho estomatognático. Embora mais estudos sejam necessários para investigar a etiologia da DTM.2008). servir como um marcador de risco úteis para o planejamento ortodôntico. A etiologia das DTM advém de vários fatores (STEENKS E WIJER.. nos maxilares. 2002). uma enzima associada a dores. Fatores psicológicos podem se associar ao desenvolvimento das DTM (YAP et al. Características da DTM Como Disfunção Temporo Mandibular entende-se qualquer desarmonia que ocorra nas relações funcionais dos dentes. (SLADE ET ALL. o risco de desenvolvimento de DTM foi significativamente maior para os indivíduos que relataram uma história de tratamento ortodôntico. ___ 42 Pesquisa realizada com 186 mulheres para uma avaliação da influência genética na etiologia DTM. nas articulações temporomandibulares. As DTM podem ser divididas em três grupos básicos: . em comparação com indivíduos que não sofreram intervenção ortodôntica. na estrutura de suporte.. chegou a conclusão de interação gene-ambiente no aparecimento da DTM. Entre as pessoas com uma variante do gene que codifica catecol-O-metil-transferase. 1980). A etiologia da DTM é multifatorial (MC NEILL et al. nos suprimentos vasculares e nervosos (McNEILL.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . 1996).

cansaço mandibular. James Costen (1934) descreveu alguns sintomas que envolvem as DTM. zumbidos no ouvido e vertigens.. como outros sintomas além da dor. ___ 43 1. esses pacientes portadores de DTM podem apresentar cefaléia. ET AL. BERTOZ. Desordens articulares aonde se incluem deslocamento de disco. que os sinais e sintomas mais freqüentes nas DTM foram o hábito de ranger os dentes (bruxismo) com 35%. dificuldade de abertura. artralgias. artrites e artroses.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . limitação dos movimentos. Desordens dos músculos mastigatórios como Espasmo Muscular. ruídos articulares. dificuldade de mastigação. Distensão e Tendinite. Miosite Miofibrose. Steenks e Wijer (1996) relatam que. 2. . seguido de dores de cabeça e ruídos na ATM. como dor e zumbido no ouvido. sensibilidade dentária. dor e fadiga dos músculos mastigatórios. sendo estas subdivididas em desordens congênitas e adquiridas (OKESON. sensação de queimação na garganta como sendo estes característicos nas DTM.. reforçam e completam o quadro de sintomas com a adição do desconforto oclusal. dor de cabeça. Contratura. dor facial. (SANTOS. 1996). podendo haver variação em relação ao seu grau e intensidade. Também se verifica em estudos feitos em 2006. 3. bruxismo e dor de ouvido. com crianças. 2006). Desordens dos ossos cranianos e mandibulares. Os estudos de Niemi et al (2006). ruídos articulares.

hábito de ranger os dentes com 20. diminuição do ângulo tíbio-társico. durante e depois do tratamento ortodôntico.. respectivamente. 1997). A prevalência para o grupo pré-tratamento foi de 40.5%. hiperextensão de joelho. Os sintomas mais freqüentemente relatados por toda a amostra foram os ruídos articulares e as dores de cabeça com 15. além da diminuição da mobilidade de tronco e coluna cervical (TANAKA E FARAH.5%. sendo ambos influenciados por fatores psicológicos (CANNISTRACI. 176 durante o tratamento ativo e 73 pós-tratamento. (1985) examinaram 98 pacientes pré-ortodônticos.8% para o grupo em tratamento e 68. DTM leve em 34%.5% e 10%. (VALLE.5% (41) da amostra e hábito de apertamento com 18. Com relação ao ruído articular Sadowsky et al. 1987). Concluíram que os sons provenientes da ATM são muito comuns antes. DTM moderada em 3.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . antepulsão de pelve. Os hábitos para funcionais mais freqüentes eram: onicofagia com 46% (92) da amostra.. e observou-se prevalência de ruídos articulares e sua possível relação com a Ortodontia. ___ 44 Em estudo com 200 indivíduos brasileiros.5% (37) da amostra. sendo de 60.8%. . 2000) Também podem se observados nas DTM alterações posturais como a protração de cabeça. FRIEDRICH. Bruxismo O bruxismo e as DTM estão intimamente relacionados. observou-se que a DTM era ausente em 62.5% para os jovens já tratados.

Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos ...

___

45

A Academia Americana de Dor Orofacial – AADO3 (1996) definiu o bruxismo como uma atividade parafuncional diurna ou noturna, que inclui apertamento ou ranger dos dentes. Sendo um fator principal para a caracterização das DTM, o quadro da parafunção chamado de Bruxismo é descrito como uma contração rítmica ou permanente dos músculos mastigatórios, acompanhados por contato dental. Pode ocorrer tanto em vigília (voluntário ou involuntário e silencioso) quanto noturno (involuntário e com força 3 vezes maior) (DAHL et al. 1995). O bruxismo é uma parafunção diurna e noturna. Ocorrendo um apertamento dos dentes superiores contra os inferiores classifica-se como bruxismo cêntrico. No caso de ranger, raspar os dentes superiores contra os inferiores classifica-se como bruxismo excêntrico. Quanto ao bruxismo noturno não há definição de qual fase do sono ocorre o processo, se na fase REM ou Não REM. (OKESON, 2003). O bruxismo é também uma desordem de sono relacionada com expressões de estados emocionais vivenciados durante o dia, principalmente situações estressantes ou então correlacionadas com a ansiedade. (OKESON, 1998). Bader e Lavigne, (2000) relataram que é freqüente a inconsciência do hábito de bruxismo do sono. A prevalência do mesmo é difícil de ser estimada, e não difere entre os sexos, sendo mais freqüente entre os jovens e tende a reduzir com a idade. Os sintomas reconhecidos na infância podem persistir na idade adulta. Sua origem pode estar associada a interferências oclusais, fatores psicológicos, ambientais, neurotransmissores e disfunção dos gânglios basais.

Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos ...

___

46

Em uma revisão sobre aspectos neurobiológicos do Bruxismo, Lavigne et al (2003) relatam os seguintes aspectos: A prevalência do bruxismo diurno é 60% e do bruxismo do sono é 80%. As queixas de ranger de dentes durante o sono reduzem-se com o tempo, 14% nas crianças, 8% nos adultos e 3% em pessoas acima de 60 anos. Em pacientes com DTM, os músculos estão com suas capacidades de força e função diminuídas, isso se deve principalmente ao esforço excessivo da parafunção bruxismo (YAMADA 2000).

Incidência

Observou-se que mais de 30% da população apresenta sintomas relacionados a DTM: sensibilidade nos músculos mastigatórios, cabeça e pescoço, dor na ATM (Articulação Temporo Mandibular), movimentos mandibulares limitados, ruídos articulares, deformidades faciais (SINAMOTO, ET ALL,2003). A maior incidência da DTM está situada entre 20 e 45 anos. Entre 15 e 30 anos, as causas mais freqüentes são as de origem muscular e, a partir de 40 anos, as de origem articular (BIASOTTO-GONZALEZ, 2005). A DTM tem prevalência sobre as mulheres na ordem de 65% a 80% (BARNET, 1998). Nos casos de DTM a sua proporção é de cinco mulheres para um homem. (BIASOTTO-GONZALEZ, 2005)

Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos ...

___

47

Estudos realizados em Araçatuba, pela UNESP com 440 crianças de 7 a 14 anos de idade, que foram entrevistadas e examinadas clinicamente, revelaram que 36% apresentavam sintomas de DTM. Thilandre et al (2002) em estudos com uma amostra de 4.724 crianças, de 5 a 17 anos de idade, verificaram que um ou mais sinais clínicos foram registrados em 25% dos indivíduos e que as prevalências aumentaram durante os estágios de desenvolvimento dentários. De 30% a 40% dos pacientes encaminhados para tratamento ortodôntico compensam os distúrbios funcionais. No entanto o stress gerado pela ortodontia deve ser considerado como potencial fator gerador de DTM. (BUMANN, LOTZMANN,2002).

Diagnóstico
O exame de sensibilidade dos músculos é importante porque permite detectar um possível sinal de parafunção onde o Masseter é mais sensível em pacientes que tenham o hábito de apertar os dentes, bruxismo cêntrico, e o temporal em pacientes que tenham bruxismo excêntrico. (GRAY; DAVIES; QUAYLE,1994).

Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos ...

___

48

Dworkin; Le Resche; De Roben, (1988) avaliaram a confiabilidade dos inter-examinadores na mensuração clínica das DTM. Analisaram 48 pacientes, sendo 18 com sintomas de DTM e 30 assintomáticos, distribuídos em idade e gênero. Quatro examinadores treinados e três sem treinamento examinaram cada paciente. Foi avaliado medições de abertura bucal, inter-arcos, padrões oclusais, palpação muscular e sons da ATM. Foi concluído que o treino dos examinadores é extremamente importante para uma avaliação confiável dos sinais das DTM. Em 1992 foi criado um conjunto de critérios de diagnóstico para pesquisa das DTM, rotulada de RDC/TMD, com a finalidade de permitir uma padronização e reprodução de resultados entre os pesquisadores. Incluíram nesse estudo alguns critérios em relação à palpação muscular e da articulação como: especificações sobre os locais que deverão ser palpados. • No músculo Temporal Posterior, deverão ser palpadas as fibras posteriores, atrás das orelhas, diretamente acima das mesmas; • No músculo Temporal Médio, deverão ser palpadas as fibras localizadas dois centímetros lateralmente ao bordo lateral da sobrancelha; • No músculo Temporal Anterior, deverão ser palpadas as fibras acima da fossa infratemporal, imediatamente acima do processo zigomático; • Na Origem do Masseter, deverão ser palpadas as fibras localizadas em uma área um centímetro mediatamente à frente da ATM e abaixo do arco zigomático;

Músculos da Mastigação . . LERESCHE. desencadeantes e perpetuantes. • Na Inserção do Masseter. (DWORKIN. e para isso um trabalho educativo sempre se faz necessário. 1992). na borda anterior do músculo. ressaltaram a importância da palpação digital no diagnóstico das DTM e a dificuldade de se quantificar a pressão ideal. deverão ser palpadas as fibras em uma área localizada um centímetro superior e anterior ao ângulo da mandíbula.. deverão ser palpadas as fibras logo abaixo do arco zigomático.Atlas anatômico digital Netter lamina 48A Bendstsen et al (1994).Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .. ___ 49 • No Corpo do Masseter. devendo-se então evitar os dois últimos. Ilustração 15 . Tratamento Okeson (1998) relata que para uma patologia se instalar são necessários fatores: predisponentes.

sendo necessária após a estabilização do quadro clínico e realização de ajustes oclusais. Desordem intra-articular (artrogênico) com o uso de placas interoclusais segmentada. E existe uma infinidade de modelos destes aparelhos interoclusais. ___ 50 A literatura. tem relatado que os aparelhos oclusais apresentam grande eficiência na remissão de sinais e sintomas da DTM. (SOLBERG 1975). Aparelhos ortopédicos funcionais (para pacientes em crescimento). (TANAKA . Overlays long-term para situações crônicas. ligado normalmente a um conceito etiológico e a eficiência em proporcionar alívio e/ou agravamento da DTM por seu uso. de maneira geral. Placa segmentada permitindo movimentos efetivos ortodônticos. Aparelho transversal ou sagital em conjunto com aparelho fixo.. ARITA .Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Grummons (1994) dividiu o tratamento para pacientes com DTM em duas categorias: 1. É possível observar melhora total (70%) ou parcial (22. 2. A placa estabilizadora é o mais difundido método de tratamento das DTM. Stop cêntrico nos molares pode ser efetivo (com resina na oclusal dos dentes).5%) da sintomatologia dolorosa e o restabelecimento da função do complexo crâniomandibular.. Desordem muscular (miogênicos) Placas interoclusais estabilizadoras com acrílico ou silicone. SHIBAYAMA. 2004). . Cada aparelho apresenta um desenho específico.

modificar fatores psicológicos responsáveis pela disfunção e a dor. a sobre mordida deve ser tratada antes do trespasse horizontal. 2006).. utilizar placas interoclusais quando necessário. (CORRÊA. destravar a maloclusão liberando a correta movimentação da mandíbula. E seu uso moderno como placas de mordida e splints oclusais para eliminar as interferências oclusais temporariamente e permitir a acomodação ideal dos côndilos foi iniciado por Posselt nos anos 50 (POSSELT 1995). assim os dentes anteriores não terão contato oclusal durante a máxima intercuspidação. Conceito .2006). (CORREIA. manter a posição mandibular em um estado equilibrado e funcional.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . As mordidas profundas severas fazem com que a posição mandibular fique mais retruída comprimindo as ATM. não sobrecarregar as ATM com movimentos mecânicos. PLACAS OCLUSAIS As placas interoclusais foram introduzidas por Karolyi (1901) há mais de cem anos para o tratamento do bruxismo.. Devemos então ter os seguintes cuidados durante o tratamento ortodôntico: Eliminar ou reduzir hábitos parafuncionais. manter a musculatura com tônus adequado. evitar desvios mandibulares laterais. ___ 51 No caso dos pacientes em tratamento ortodôntico.

htm ..2B: Placa oclusal miorrelaxante superior com cobertura total Retirado do site http://www. simultânea e uniforme.Os côndilos ficam livres para excursionar sem restrições de movimentos. criando um contato oclusal adequado com os dentes antagonistas e/ou um melhor relacionamento côndilo-disco. Durante os movimentos excursivos (protusão e lateralidade). química ou termicamente ativada.laboratorioalianca.6. 2000). ___ 52 A placa ou splint oclusal é um aparelho removível. incolor. ocorre desoclusão dos dentes posteriores com guia no canino (OKESON. A placa miorrelaxante quando em posição na boca faz com que os côndilos se situem em sua posição músculo-esqueletico estável (Relação Cêntrica) ao mesmo tempo em que ocorre contato dental de forma bilateral. • Placas Miorrelaxantes (estabilizadora) de cobertura total (ilustração 16).Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . com pequenas modificações: • Placa Permissiva . que recobre as superfícies incisais e/ou oclusais dos dentes em um dos arcos.. geralmente confeccionado com resina acrílica. Ilustração 16 .com.br/placas_oclusais_miorrelaxantes_p. Tipos Usaremos a classificação estabelecida por Dawson (1995).2A e 6.

Placa oclusal miorrelaxante superior com cobertura parcial anterior.. Ilustração 17 .. ___ 53 • Placa miorrelaxante de cobertura parcial anterior (ilustração 17) e posterior (ilustração 18).Tem por objetivo posicionar a mandíbula numa relação especifica com a maxila.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .Placa oclusal miorrelaxante superior com cobertura parcial posterior.laboratorioalianca. Retirado do site http://www. Ilustração 18 .também denominada front-plateau. Retirado do site LABORATÓRIO ALIANÇA .htm. • Placas de reposicionamento anterior (ilustração19) . alinhando côndilo e disco.com.Placas Oclusais e Miorrelaxantes • Placa Directiva .br/placas_oclusais_miorrelaxantes_p.

reduzindo ou eliminando todas as atividades musculares anormais. ___ 54 Ilustração 19 ..Placas Oclusais e Miorrelaxantes http://www. 4. Teoria do desengrenamento oclusal que proporciona ao paciente.Placa oclusal superior de reposicionamento anterior – retirada Retirado do site LABORATÓRIO ALIANÇA .(1984). Teoria do realinhamento maxilo-mandibular que preconiza o alinhamento da posição mandibular em relação à maxila através de placas interoclusais baseando-se em detalhes anatômicos que orientariam a montagem dos modelos em articulador. Teoria da restauração da dimensão vertical que devolveria ao paciente a dimensão vertical de oclusão (DVO) que foi perdida.br/placas_oclusais_miorrelaxantes_p.laboratorioalianca. num artigo de revisão enumera 5 teorias que explicam o mecanismo de ação das placas interoclusais: 1. uma oclusão "ideal".Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Mecanismo de Ação Clark. Teoria do reposicionamento da ATM para uma posição determinada através de exames radiográficos.com. 3.htm . através da placa. .. 2.

(1965)..1992). Relacionou a harmonia dos arcos e estabilidade oclusal com a diminuição de interferências na movimentação da mandíbula melhorando os sintomas da DTM. Se a redução de sintomas também ocorre como resultado da eliminação de interferências oclusais permanece ainda como fato a ser debatido (HANSSON. apresentou uma eficiência maior do que outro tipo de aparelho. Características e tratamento Mathews. ___ 55 5. Teoria da consciência cognitiva que se baseia no conceito de que a presença de qualquer tipo de aparelho interoclusal na boca alerta o paciente constantemente a alterar os comportamentos anormais ou danosos ao sistema estomatognático. . (1972). Talvez a redução dos sintomas relatada pela maioria dos pacientes após o uso de uma placa seja obtida pelo estabelecimento de um novo esquema oclusal. relatou a importância da estabilidade oclusal nos casos de DTM e relatou a dificuldade de se encontrar a relação cêntrica nesses pacientes. segundo Greene & Laskin.. O aparelho interoclusal de Michigan (ILUSTRAÇÃO-20 e 21). com melhor capacidade de lidar com forças parafuncionais excessivas.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .

Ilustração 21 .Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . (OKESON 1987).macios (ILUSTRAÇÃO .Vista oclusal com os contatos cêntricos em preto e os contatos excêntricos em vermelho. ___ 56 Ilustração 20 . .Aparelho de Michigan .22) que não possuem comprovação científica. porém relatam grande índice de sucesso..guia canino na placa de Michigan Utilizam-se também os aparelhos softs ..

Todos os aparelhos interoclusais demonstram gerar algum tipo de melhora nos pacientes com dor (FIG 23). Quarenta pacientes com sinais e sintomas de disfunções temporomandibulares foram tratados com as placas estabilizadoras por um período médio de 12 meses. devido à eliminação dos fatores etiológicos. SHIBAYAMA.. (2001) analisaram os resultados de uso de placa em 30 pacientes. Após a estabilização do quadro clínico foram realizados ajustes oclusais. 2004). ARITA. Robinson. fisioterapia ou cirurgia e o autor afirma que o ajuste oclusal isoladamente não pode aliviar os transtornos da DTM. (ALVES 2001). incluem ajuste oclusal.. porem alguns são mais efetivos que outros. com controles periódicos quinzenais. .Vista oclusal Pereira e Conti. amenizando o quadro de sinais e sintomas das DTM. placas. O tratamento das DTM preconizado por Koh. O tratamento com placas oclusais aumentava o número de contatos oclusais no grupo sintomático. Os pacientes foram avaliados por meio de Ressonância Magnética e ficou constatado que o uso de placas estabilizadoras proporciona condições para o organismo desenvolver os processos de recuperação e remissão da DTM. agravantes psicológicos e trismo.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .Aparelho Soft . ___ 57 Ilustração 22 . quando tratados com front-plateau em conjunto com tratamento ortopédico-ortodôntico melhoram o quadro clínico. (2003). e observaram que o número de contatos oclusais era diminuído nos pacientes com DTM. Havia uma correlação estatisticamente significante entre a redução dos níveis de dor e o aumento dos contatos oclusais. (TANAKA . Sinamoto (2003) observou que pacientes com DTM com alteração severa da oclusão.

seus índices anamnésico e clínicos de disfunção. Luz (1999). de serem portadores ou não de DTM. Marques (2004).gráfico eficiência de vários tipos de placas interoclusais . Teixera. Marcucco.. ___ 58 Ilustração 23 . . As maloclusões são alterações na inter-relação entre as arcadas. idade..Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Utilizando-se uma amostra de 110 pacientes e estes selecionados independentemente de sexo. Encontraram uma relação no índice anamnésico nos casos em que aparecia um overjet maior que dois milímetros com presença de sintomas de leve a intenso de disfunção temporomandibular. de Alves sobre Análise epidemiológica da síndrome da disfunção craniomandibular em alunos do curso de odontologia da Universidade Federal do Pará em 2001 Ortodontia A Sociedade Brasileira de Ortodontia define a ortodontia como uma especialidade odontológica que tem por objetivo diagnosticar. analisaram a relação de freqüência das maloclusões. os dentes e suas bases ósseas. que tecnicamente são denominadas maloclusões.tirada da monografia . prevenir e tratar as irregularidades dento-faciais. Afirmaram então haver uma relação estatisticamente significante para os índices clínicos de disfunção nos casos de pacientes com Classe II de Angle e sobremordida.

. em um estudo comparativo da oclusão e da sua relação com as Disfunções Temporomandibulares (DTM) em 200 jovens com e sem tratamento ortodôntico relatou que não se observou associação entre a severidade de DTM e a realização do tratamento ortodôntico. overjet. avaliaram a discrepância entre Relação Cêntrica. isoladamente. avaliou 251 pacientes.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Concluiu-se que a realização do tratamento ortodôntico não se relaciona com a presença de sinais e sintomas de DTM e que a oclusão não pode ser considerada. Seligman. overbite e desvio de linha média. Observaram então que a oclusão pode ser um co-fator para a identificação de pacientes com DTM mas que algumas maloclusões se revelam uma conseqüência da disfunção. Na avaliação da oclusão. em 381 pacientes do gênero feminino.. Geering (1974). Máxima Intercuspidação Habitual. comparando com um grupo controle de 98 mulheres. . verificou uma possível relação entre o deslize de Relação Cêntrica para Máxima Intercuspidação Habitual. o grau de DTM foi associado apenas à ausência de guia anterior. Em 70 pacientes havia sinais e sintomas de DTM. Para avaliar o potencial que as variáveis oclusais têm como sinal diferenciador dos pacientes com e sem DTM. (2000). ___ 59 Valle (2000). mas relatou que 40% dos pacientes apresentaram interferências oclusais não associadas ao deslize e que estes não demonstraram sinais ou sintomas de disfunção. mordida cruzada posterior. independente do tipo de maloclusão. Pullinger. como fator etiológico.

foi avaliado a reação à introdução de interferências no lado de não-trabalho em relação à DTM. sendo que a DTM poderá se desenvolver sem a existência de interferências oclusais. Estes foram comparados a um grupo de adultos com maloclusão. e que a reação individual aos fatores locais para se criar a disfunção é mais importante. . realizado com 24 mulheres divididas em 2 grupos de 12. Embon. enquanto no outro foi apenas simulada a introdução do contato. Concluíram então que não existe uma simples relação entre a interferência oclusal e a DTM... A prevalência de deslocamento mandibular entre Relação Cêntrica e Máxima Intercuspidação Habitual foi evidente em ambos os grupos e significantemente maior no grupo de adultos com má oclusão. Um dos grupos recebeu a introdução de um contato. Após duas semanas. ___ 60 Sadowsky & Begole (1980) realizaram um estudo utilizando 75 pacientes entre 25 e 55 anos de idade e que receberam tratamento ortodôntico com aparelho fixo durante a adolescência. (1984). observou-se que o sintoma mais comum encontrado foi a dor de cabeça e o sinal mais freqüente foi a sensibilidade à palpação muscular. não tratados ortodonticamente.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . A prevalência de sinais e sintomas de DTM e de contatos oclusais não funcionais foi similar entre os dois grupos. porém estes se apresentaram em ambos os grupos. Em outro estudo realizado por Magnusson.

___ 61 Estudos com pacientes em tratamento ortodôntico com a finalidade de verificar DTM além da oclusão funcional após o tratamento ortodôntico. adultos com má oclusão.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Utilizaram 207 pacientes divididos em duas cidades. Illinois com 96 pacientes e Eastman com 111 pacientes ambos tratados com aparelhos fixos e estes foram comparados com um grupo controle formado de 103 pacientes de Illinois e 111 de Eastman. 1984). Pullinger (1991). podem ser resumidas da seguinte forma: . A presença de tratamento ortodôntico prévio e o desgaste oclusal foram introduzidos na análise estatística como duas variáveis independentes. As conclusões da investigação feita em 1997 sobre a relação entre tratamento ortodôntico e desordens temporomandibulares. sobre a influência das relações oclusais e a DTM. sensibilidade da ATM à palpação e sensibilidade muscular). não submetidos a tratamento ortodôntico. Os achados encontrados nos dois grupos sugeriram que o tratamento ortodôntico realizado durante a adolescência geralmente não aumenta nem diminui o risco de desenvolver DTM futuramente (SADOWSKY & POLSON.. LIEBERMAN et al (1985) analisaram 369 estudantes israelenses entre 10 e 18 anos de idade. relacionando certas características morfológicas da maloclusão e a presença de três sinais cardinais de DTM (sons articulares.. Concluíram então que o desgaste oclusal e a sobremordida excessiva foram os únicos fatores que aumentaram significativamente a presença de disfunção. verificou-se que o overbite e o overjet não exercem um papel importante nas disfunções musculares e que a mordida cruzada parece não induzir sintomas na ATM. Em revisão publicada por Seligman.

portanto. 4. não alcançar uma oclusão ideal perfeita não ira resultar em sinais e sintomas de DTM. . 3. sinais e sintomas de DTM aumentam com a idade. ___ 62 1. até à menopausa. 6. não existe um aumento do risco de DTM associados com um determinado tipo de mecânica ortodôntica. 1997). o tratamento ortodôntico na adolescência não aumenta ou diminui as chances de desenvolvimento de DTM em fases posteriores da vida. sinais e sintomas de DTM podem ocorrer em pessoas saudáveis.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . e 7. embora uma oclusão estável seja uma meta razoável para o tratamento ortodôntico. em geral. as disfunções que se originam durante o tratamento ortodôntico não pode ser relacionadas com o tratamento. e. embora o resultado da correção da mordida cruzada posterior unilateral em crianças justifique uma investigação mais aprofundada sobre o caso. a extração de dentes como parte de um plano de tratamento ortodôntico não aumenta o risco de DTM. 2.. especialmente durante a adolescência. há poucos indícios de que o tratamento ortodôntico previne DTM. (MCNAMARA. 5..

E foi aplicado um questionário anamnésico. Não se mostrou qualquer relação entre DTM com tratamento ortodôntico realizado com ou sem extração. é significante. Por outro lado. Em revisão da literatura sobre estudo dos sinais de DTM em pacientes ortodônticos assintomáticos realizada por Delboni.. Tratamento ortodôntico não está associado a sinais e sintomas de DTM..Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . passados 10 anos depois do tratamento. Conti et al (2003) realizaram um estudo para verificar a prevalência de disfunção temporomandibular (DTM) em indivíduos antes e depois do tratamento ortodôntico. . incluindo inspeção da ATM. A porcentagem de pacientes que apresentam DTM. Observou-se que 34% da amostra foi considerada como tendo DTM. ___ 63 Mas Di Paolo (2004) relata em estudo realizado com 46 pacientes portadores de DTM. Foram comparados 200 indivíduos divididos em quatro grupos. foi encontrada uma associação positiva entre DTM e hábitos parafuncionais e tensão emocional. seguido de cefaléia (13%) constituíram os sintomas mais freqüentes relatados. contendo perguntas sobre os mais freqüentes sintomas de DTM juntamente com um exame clínico. com valores em torno de 32%. Ruídos (15. Abrão (2005) afirmou-se que: 1.5%). 38 dos 46 pacientes foram então reavaliados e em 98% deles apresentavam total remissão de sintomas da disfunção e com isso presumiu que o restabelecimento da relação oclusal correta parece ser efetivo no tratamento das DTM a longo prazo. que submetidos à reabilitação ortodôntico-protética. assintomáticos. palpação muscular e amplitude de movimento mandibular. de acordo com o tipo de má oclusão (classe I ou II) e do tratamento ortodôntico realizado.

. nem piora sinais e sintomas do pré-tratamento. Além disso. 4.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . A ausência de ruídos articulares não indica. A prevalência de ruídos articulares em pacientes assintomáticos está em torno de 15 a 65%. indivíduos com um histórico de tratamento ortodôntico não correm um maior risco de desenvolver DTM mais tarde na vida. Não foram encontradas diferenças na prevalência de DTM entre indivíduos com ou sem experiência prévia de tratamento ortodôntico. 15 anos. necessariamente. uma ATM saudável. Carlsson. A literatura mostra-se concordante de que somente o exame clínico não indica todos os defeitos estruturais em pacientes préortodônticos. comparados com indivíduos sem essa experiência. 6. 11. sendo que 85% dos indivíduos normais produzem algum tipo de som. 5 a 10 anos depois refizeram o questionário e exames clínicos novamente. Após 20 anos de tratamento foram encontrados 100 pacientes e verificou-se que a correlação entre os sinais e sintomas de DTM e diferentes maloclusões foi fraca. com idades entre 7. 5. Ge et al (2005) em 402 estudaram pacientes tratados ortodonticamente. ___ 64 2. O tratamento ortodôntico não aumenta e nem diminui os riscos para DTM. 3. embora por vezes estatisticamente significativa. uma vez que deslocamento de disco sem redução não provoca ruídos. Deslocamento de disco foi considerado um achado comum em pacientes assintomáticos... através de um questionário e exames de sinais e sintomas de DTM.

pesquisados no Medline e Cochrane Library entre 1966 e 2005 constataram que os artigos falharam em identificar associação significante entre qualquer tipo de maloclusão e desenvolvimento de sinais e sintomas de DTM. não tratados) e apresentaram idade média de 12. sendo que 100 deles constituíram os grupos I (Classe I. mordida cruzada posterior. (HIRSCH.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .2009).. Outros 100 constituíram os grupos III (Classe I. não tratados) e II (Classe II.011 crianças e adolescentes com idades compreendidas entre os 10 e os 18 com o objetivo de investigar o risco de DTM e bruxismo durante o tratamento ortodôntico observou-se que não houve aumento do risco de DTM ou diagnósticos de DTM durante o tratamento ortodôntico. Não houve relação entre a DTM e a oclusão morfológica (mordida aberta anterior. não se encontrou relação estatisticamente significante entre pacientes tratados ortodonticamente ou não. . tratado) e IV (Classe II. Em pesquisa feita com 1. c) Contatos no lado de não trabalho. nos seguintes aspectos: a) Número de contatos na posição de MIH..3 e 17.4 anos. d) Tipo de guia lateral. overjet e overbite) e o ajuste oclusal e a presença de facetas de desgaste não se apresentaram relacionados ao grau de DTM. b) Discrepância entre as posições de Relação Cêntrica e Máxima Intercuspidação Habitual. ___ 65 Valle (2000) estudou 200 indivíduos brasileiros. tratado) com idade média de 17. Concluiu que não houve diferença significante na prevalência de DTM entre os grupos estudados. Möhlin et al (2008) em uma revisão sistemática de artigos. Encontrou-se relação estatisticamente significante entre a ausência de guia anterior e a presença de sinais e sintomas de DTM.4 respectivamente.

mordida cruzada posterior. conforme dados de THILANDER et al. Valle (2000) e Bumann. Observa-se também. . Fatores oclusais como a perda de dentes posteriores. LOTZMANN.. Um fato interessante é a porcentagem de pacientes com DTM assintomáticos que é de 32% conforme nos relatam Delboni. Lotzmann (2002).Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Seligman (2000). Ash (1995) justifica o porquê das alterações nos processos de oclusão serem causa das DTM. Abrão. Teixeira. trespasse horizontal excessivo e a ausência de guia anterior. mordida aberta anterior.2002).(2003). interferências no relacionamento intercuspidal. uma incidência maior no sexo feminino na ordem de 65% a 80% dos casos (BARNET. (2005) aliado a esse fato temos que 30% a 40% dos pacientes em tratamento ortodôntico compensam os seus distúrbios funcionais e que a alteração oclusal e o stress gerado pelo tratamento ortodôntico devem ser considerados como potenciais fatores geradores de DTM conforme relatam (BUMANN.(2002)e SINAMOTO.. ao fato da propriocepção dos dentes regular as forças oclusais e controlar os movimentos mandibulares. mas isso ainda não possui uma explicação cientifica para essa comprovação. são considerados causa da DTM defendidos por Pullinger. 1998). Luz (1999). James Costen (1934). Marcucco. et all. ___ 66 Discussão A DTM incide na população como a prevalência de 30% em media. AlHadi (1993). Thilander et al (2002).

___ 67 Mas Siqueira (1999) relata que a relação oclusal como causa da DTM ocorreu em seus estudos em apenas 10% dos casos. entretanto não podemos descartar por completo a interferência dos processos oclusais no sistema estomatognático.. Magnusson. tanto na sua formação e em sua estabilidade e equilíbrio. . pesquisados no Medline e Cochrane Library entre 1966 e 2005 constataram que os artigos falharam em identificar associação significante entre qualquer tipo de maloclusão e desenvolvimento de sinais e sintomas de DTM.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . são um fatores potenciais de risco ao surgimento de DTM. mas ressaltando que a mesma atua como fator desencadeante e perpetuante da dor assim como Pullinger & Selignar (2000) as colocaram como co-fatores no desencadear da DTM.. 1991). as forças laterais em RCP e posição de intercuspidação. observamos assim que essas parafunções podem ocorrer independentemente da presença de estruturas dentais. como sendo esta uma parte isolada e que não interage com o ser humano . Os hábitos parafuncionais podem ser causas suficientes para o desenvolvimento da DTM conforme afirma Vanderas (1996) e que estes hábitos podem surgir até em pacientes desdentados totais (MERCADO & FAULKMER. Mas conforme Möhlin et al (2008) em uma revisão sistemática de artigos. sofrendo e gerando influencias diversas no conjunto. Egermark. Não podemos separar oclusão do sistema ser humano. mas que as mordidas cruzadas unilaterais . Carlsson (2003) e Barbosa (2003) ponderam que não é um simples fator oclusal o mais importante ou que vá desenvolver da DTM.

(1955) e (1966).. SOLBERG.1995). (OKESON. ambientais. com isso temos o aumento no leque de fatores e co-fatores que influenciam o aparecimento das DTM interferindo positiva ou negativamente na estabilidade do sistema estomatognático e do ser humano.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . . alteração de neurotransmissores. 2003). 2000). WOODS. gerando tensão muscular e hábitos parafuncionais. ___ 68 Um hábito parafuncional marcante. (RUGH. Temos um grupo de estudiosos formados por Moulton. sendo provável que elas sejam suficientes para causar a DTM. a tensão e a ansiedade em um determinado momento crítico. Sua origem está associada a fatores oclusais. psicológicos. tendendo a diminuir com a idade. DAHLSTROM 1993). E este se apresenta mais freqüente durante o sono e acomete mais as pessoas jovem. 1976). desempenham um papel significativo na etiologia das DTM. (RUGH. Devido à parafunção (bruxismo) os músculos mastigatórios estão com suas capacidades de força e função diminuídas. 2000). sintomático e caracterizante da DTM é o bruxismo (DAHL et al. comportamentais e sociais em conjunto. (YAP et al. gerando também os quadros de dor muscular presentes nas DTM. (YAMADA 2000). esse mecanismo dos processos emocionais se dá pela alteração no sistema límbico que interfere no sistema reticular aumentando o tônus muscular e desencadeando o bruxismo. (OKESON.. (BADER E LAVIGNE. geram a DTM. frustração e raiva). (BADER E LAVIGNE.. disfunção dos gânglios basais e expressões de estados emocionais vivenciados durante o dia (stress e ansiedade). isso se deve ao acúmulo de ácido lático nos mesmos. medo. Aonde os fatores emocionais (ansiedade. 2002) os quais relatam que. 1998).

fatores. (1980) e Steenks e Wijer (1996). Então vemos que o quadro de DTM é um processo aonde a entropia do sistema estomatognático e do ser humano estão desviando-se pra a não estabilidade. (OKESON. Solberg.. 1997).Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Estes fatores agem contra balanceando com a capacidade adaptativa do sistema ortognático. as alterações anatômicas. Mc Neill et al. (1976). conforme relatam.. desencadeantes e perpetuantes.1964). independente da disfunção e não haver uma relação entre elas (RUGH. Então podemos entender que a DTM é uma patologia de origem multifatorial complexa. os traumas de tecido mole. demonstrando assim a complexa inter-relação entre causas.. os processos patofisiológicos e psicológicos. WOODS. (LOBBEZOO. Rugh. que em certo período de tempo são superiores aos processos adaptativos do organismo e geram a DTM e os traumas oclusais sendo co-fatores desse processo. e que estes oscilam no tempo e modulam de intensidade. às vezes. apenas coincidir ou coexistir. Pode-se então afirmar que são fatores desencadeantes das DTM. a ansiedade pode ser uma conseqüência da DTM e. 1993). (MOFFET et al. cofatores e sintomas da DTM. 1998). em alguns casos observados. E para a DTM se instalar são necessários fatores predisponentes. DAHLSTROM. ___ 69 Entretanto. .

5% dos mesmos (TANAKA. QUAYLE. proporcionando condições para o organismo desenvolver os meios para se restabelecer.. Isso se deve a sua facilidade de confecção. (CORRÊA. Entre os aparelhos interoclusais. DAVIES. 1994). (TANAKA . 2001). ARITA. SHIBAYAMA. 2003) e (ALVES 2001). as placas estabilizadoras permitem uma melhora total em 70% dos pacientes e melhora parcial em 22. LE RESCHE. e a sua confiabilidade não varia de examinador para examinador mas o treino dos examinadores é importante para uma avaliação mais confiável do caso (DWORKIN. 1992). aplicação e de ser a melhor escolha para o tratamento conforme relatam estudos de (SOLBERG 1975). DE ROBEN. . ARITA. possuindo alguns critérios para palpação muscular e selecionam-se os seguintes músculos para tal: Temporal e Masseter (DWORKIN. SHIBAYAMA. (PEREIRA E CONTI.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . 1994). ___ 70 Para diagnosticar DTM o exame de sensibilidade dos músculos é importante porque permite detectar um possível sinal de parafunção (GRAY. 2004). 2006).. (SINAMOTO. LERESCHE. 2004). Isso ocorre pela eliminação dos fatores etiológicos da DTM. Como tratamento das DTM e em especial durante a movimentação ortodôntica a literatura relata que os aparelhos interoclusais apresentam grande eficiência para o tratamento e na remissão de sinais e sintomas da DTM. Por isso deve-se utiliza de protocolos de pesquisa de DTM. 1988) pois a pressão ideal ao exame é difícil se quantificar (BENDSTSEN et al.

(CONTI et al. Dentre os aparelhos interoclusais a placa de Michigan tem se mostrado a de maior eficiência.(1992) permitindo também o desengrenamento oclusal . nem como causa nem como conseqüência.. Entretanto. Consequentemente o tratamento ortodôntico não aumenta nem diminui o risco de desenvolver DTM (SADOWSKY & POLSON.(1984) . GE et al (2005) relatam que não se pode associar DTM e tratamento ortodôntico. realinhamento do postura mandíbula maxila. 1997). GE et al (2005). (1972). Quanto ao tratamento ortodôntico Sadowsky & Begole (1980). Além das placas interoclusais. McNamara. Embon. reposicionamento das ATMs e aumento da consciência cognitiva do sistema. Mas o restabelecimento da relação oclusal correta parece ser efetivo no tratamento das DTM a longo prazo (DI PAOLO. 2003) CARLSSON.. um tratamento mal conduzido pode provocar alterações e desarmonias que façam com que o organismo entre em desequilíbrio. (2003). 2004). CARLSSON. isso conforme relata Clark. (MCNAMARA. (DELBONI. ___ 71 Proporcionam um novo esquema oclusal com melhor capacidade de lidar com forças parafuncionais excessivas conforme Hansson.(1984). Robinson. ABRÃO. fisioterapia ou cirurgia como parte do tratamento das DTM e o autor ainda afirma que o ajuste oclusal isoladamente não pode aliviar os transtornos da DTM.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . segundo Greene & Laskin. Koh. a restauração da dimensão vertical. incluem ajuste oclusal. 1984). (1997) conclui em seus estudos que: 1. Sinais e sintomas de DTM podem ocorrer em pessoas saudáveis. .Valle (2000). Magnusson. 2005).

embora o resultado da correção da mordida cruzada posterior unilateral em crianças justifique uma investigação mais aprofundada sobre o caso. 4. as disfunções que se originam durante o tratamento ortodôntico não podem ser relacionadas com o tratamento. A extração de dentes como parte de um plano de tratamento ortodôntico não aumenta o risco de DTM. Conclusão Podemos concluir que: 1. portanto.. ___ 72 2. e. 5. Embora uma oclusão estável seja uma meta razoável para o tratamento ortodôntico. 6. até à menopausa. .Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Não se pode associar qualquer tipo de maloclusão e desenvolvimento de sinais e sintomas de DTM.. especialmente durante a adolescência. 3. Sinais e sintomas de DTM aumentam com a idade. Há poucos indícios de que o tratamento ortodôntico previne DTM. Não existe um aumento do risco de DTM associados com um determinado tipo de mecânica ortodôntica. o não alcançar uma oclusão ideal perfeita não irá resultar em sinais e sintomas de DTM.

Os fatores emocionais são fortes co-fatores para o aumento da probabilidade de surgimento das DTM. 5. O tratamento ortodôntico não aumenta nem diminui o risco de desenvolver DTM e nem trata a mesma. 6. 4. .. ___ 73 2. As placas interoclusais são o tratamento de melhor escolha para tratar pacientes com DTM durante o tratamento ortodôntico.. 3. As maloclusões aumentam a intensidade dos sinais e sintomas da DTM. As maloclusões podem ser tratadas como co-fatores aumentando a probabilidade de surgimento das DTM.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .

BENDTSEN L. No. BARNET. AMERICAN ACADEMY OF OROFACIAL PAIN: Orofacial pain: guidelines for assessment. São Paulo: Quintessence. REIMONDO. 287 p. S. 73.M. Revista cubana de ortodoncia.. M. 1994 Nov.: Range of jaw opening in an elderly non-patient population. 1996. CASTELO P M.. p. The Angle Orthodontist: Vol. Belém. ROSA. BIBB. JENSEN R. an overview of an oromandibular sleep movement disorder. 7. 4. Treatment of Malocclusion of the Teeth. et al.. ANGLE..: Relationship Between Signs and Symptoms of Temporomandibular Disorders and Orthodontic Treatment: A Cross-sectional Study. C. 223-68 apud KATO. 4. BITTAR. Saunders. Sleep bruxism. ANGELA.4. OLESEN J. Pain. AND GUILHERME JANSON. n. p. W.4(1):27-43.bireme. Sleep Med Rev. Cuba. ATCHINSON. BONJARDIM L R. B... Mandibular Movementes in Children with and without Signs and Syntoms of Temporomandibular Disorders . 2005.1. 9. ANA CONTI. n.01.B. C. pp. 2001. 10. Philadelphia. 12(1): 39-44. 4ed.. ACADEMIA AMERICANA DE DOR OROFACIAL (AAOP). 1998.2000 Feb. diagnóstico e tratamento. M.59(2):235-9. 1907. Chicago IL. RAMFJORD. 6. ___ 74 Referencia Bibliográfica. p. The SSW Co. Bruxism and orofacial movements during sleep. Acesso em: janeiro de 2008 . G. das 2. classification. 1997. 411–417 2003. GAVIÃO M B D. REVIEW ARTICLE. Por Kátia Dmytrazenko Franco. Dor orofacial – guia de avaliação. Universidade de Federal do Pará. 12. 1. LAVIGNE G. E. J Appl Oral Sci 2004. A.. Monografia (Graduação) .1995 BADER G.P. DOMÍNGUEZ. PULLINGER. Trad. Disponível em: < http://www. ALVES.7-12.13. ROCHA. 7a Ed. Muscle palpation with controlled finger pressure: new equipment for the study of tender yofascial tissues.45. [Abstract]. H. 1991. Quintessence.. PEREIRA L J. MUGUERCIA. T. . v.br . 3. Análise epidemiológica da síndrome da disfunção craniomandibular em alunos do curso de odontologia da Universidade Federal do Pará. JOSÉ HENRIQUES.M. Dent Clin North Am. Occlusion. K. and management. Frecuencia y sintomatologia de las disfunciones temporomandibulares. 11. Philadelphia. v. 5. J Dent Res 70: 419. São Paulo: Manole. 657-85. A. Abordagem Interdisciplinar DisfunçõesTemporomandibulares.. MARCOS FREITAS. Oct. 54p. JENSEN NK. 1998.T. cap.Faculdade de Odontologia. Ramón. PAULO CONTI. LÁZARO. BIASOTTO-GONZALEZ DA.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . 8. ASH.

REID KI.. T. BOSMAN F. 16. 74. Lippincott... CANNISTRACI AJ. . F. Ruídos articulares e atividade de disfunção temporomandibular: um estudo comparativo por meio de palpação manual e vibratografia computadorizada da ATM. CORRÊA. 1987 Oct. N Y State Dent J. S.Am. BUMANN LOTZMANN.. 15. TMJ Disorders and Orofacial PainThe Role of Dentistry in a Multidisciplinary Diagnostic Approach. KOPP. 24. GETZOFF. 14. J. M. Pain. Assoc.108. New definition for relating occlusion to varying conditions of the temporomandibular joint. B. BUSH.619-627. CARLSSON. N.: Computed tomography of the normal temporo¬mandibular joint. HELDERS PJ. THOMPSON. A.364-368. 1995.53(8):31-4. Symptoms of thecervical spine in temporomandibular and cervical spine disorders. STEENKS MH. Mar. 43(1): 1. 18. Thieme. Scand J Dent Res 95: 499-509. M. HINSHAW. 73. DE LEEUW JR. CARLSON CR. D. STUDTS J. ___ 75 13. 3. Dec. Rhinology. E. R. Prosthet. 21. J. The Angle Orthodontist: Vol.2002. H. 1998 Jun... Syndrome of ear and symptoms dependent upon disturbet function of the temporomandibular joint. CHAN. J Rehabil 1996. 14(4): 367. ORNELAS F. DISFUNÇAO TEMPORO MANDIBULAR -Monografia 2006. No.1987. G. T. The Temporomandibular Joint and Related Orofacial Disorders. Rev Odontol Univ São Paulo 2000. P.. 1995.Stuttgart • New York. J. CLARK. DE WIJER A. J. CURRAN SL. and Laringology 1934.E.Dent. p. A.T. Cássia de Paula Ribeiro. 20.76(3):297-307. L.6. 2. 23. n. CHRISTIANSEN.1984. p. CONTI PCR. J. 1996. 22. DAWSON. 17. COSTEN JB. 109–115. Annals of Otology. HASSO. 19. Psychological and physiological parameters of masticatory muscle pain. A 20-Year Follow-up of Signs and Symptoms of Temporomandibular Disorders and Malocclusions in Subjects With and Without Orthodontic Treatment in Childhood.71. FRIEDRICH JA. GE et al. Dent. 23:742. FALACE D. v.: Chiropractic/dental cotreatment of lumbosacral pain with temporomandibular joint involvement. J Manipulative Physiol Ther 19: 607-612. Philadelphia. DOLWICK.15... JR. CHINAPPI. A critical evaluation of orthopedic interocclusal appliance therapy: effectiveness for specific symptoms. A multidimensional approach to bruxism and TMD. ISBN 3-13-127161-2 (GTV). v. n. et al. MIRANDA JES.. B. pp. OKESON JP. 25.. S. F.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .

DAVIES SJ. 27. A clinical approach to temporomandibular disorders. 1988. CARAMÊS J. Estudo dos sinais de dtm em pacientes ortodônticos assintomáticos. 3. 30. p. ABRÃO./ago. São Paulo. DELBONI. 1988. Schulte W.M. Rev Port Estomatol Cir Maxilofac 2008. v. 2005. – Alterações auditivas relacionadas ao zumbido nos distúrbios otológicos e da articulação têmporo-mandibular.10(1):54-65.. Estephan José Moana.4(2). C. G. 65 (2): 141-46. Orthodontics and the temporomandibular joint. Ellis E.. DE LUCA M. PRAGOSA A. 10. São Paulo. 1994 Jul 9. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. OLIVEIRA.1996 Sep. n. 1993. Levantamento das atitudes e crenças dos ortodontistas com relação à disfunção têmporo-mandibular e dor orofacial.: A clinical observation: A relationship of occlusal contacts to distal musculature. 32. 179p. R. Olsen T. Postura e Disfunção Temporo-Mandibular: Controvérsias Actuais. j Craniomandib Practice 11: 55-61. – Fisiologia aplicada à prática odontológica. . FELÍCIO. 2005. GOLE. 38. 1991 Aug. 10. 4.F. L. P. of 35.jul. NUNES. Minerva Stomatol 2004 Oct. Examination of the articulatory system: the muscles. J Am Dent Assoc. E. Maringá. 37. J. 74. J Orofac Pain. DE ROUEN T. L.. v. CROCITTO P. PANTI F. DOUGLAS./ago.52. JERONYMO. QUAYLE AA. FLOR H. p. 39.terapêutica. DWORKIN SF. Pain. 60-75.G.Pancast. 1994. ___ 76 26. 31. Roos R. D.A. FELÍCIO. 1996 Winter. 4. 29. 36.177(1):25-8. CHARLES S..127(9):1365-70. Long term follow-up of patients affected by temporomandibular joint dysfunction treated with orthodontic and/or prosthetic occlusal therapy. J. Major psychological disorders in acute and chronic TMD: an initial examination. 33. SOUSA S. GREENE.A. LE RESCHE L. M.R. Maringá. FRICTON JR. The Angle Orthodontist of 1982 vol.243-56.. R. C. 34. GRADE R. Revista Dental Press Ortodon Ortop Facial. 2 166-172. GRAY RJ.49:111-117. CARVALHÃO J. No.F. JERONYMO. n. 28. Reliability of clinical measurement in temporomandibular disorders. R Dental Press Ortodon Ortop Facial . Predictors of outcome for treatment temporomandibular disorders. Pancast. Garofalo JP.M. jul. 53(10):555-70. Clin J Pain.46(2):145-52... Birbaumer N. Stress-related electromyographic responses in patients with chronic temporomandibular pain. R. 1999. 88-96.. Br Dent J. Fonoaudiologia nas desordens temporomandibulares: uma ação educativa. C. 72. FILHO.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . GATCHEL RJ. Holt C. DI PAOLO C.

LIEBERMAN. Chicago: Quintessence. H. p.273. J. 47. Lobbezoo F. Do bruxism and temporomandibular disorders have a cause-and-effect relationship? J Orofac Pain. R. orthopedic appliances.3. 52. 1994.: Temporomandibular Disorders. In McNeill.. CARLSON CR. LOUIS A.M.11(1):15-23. Carlson.. Quintessence.60.. American Journal of Orthodontics and Dentofacial OrthopedicsPages 84-87 (January 1992). v. GRUMMONS. LOUGHNER. JARABAK. C: Science and Practice of Occlusion. 1992. p. 1997. 159161. S. 42. KAROLYL. RUDOLPH. W.13. Issue 1. LOBBEZOO F. J.11(1):15-23. L: Physical therapy management of TMD. B. 95-110) 43. ___ 77 40. In: Mc NEILL C (ed).. Volume 101. 45. T. LUNDH. Angle Orthodont 1956.209-14. 51. n. Lavigne GJ. 50. R. LOTZMANN. LAVIGNE GJ. . J Oral Maxillofac Surg 55: 363-369. v. PAULA. Arizona: Wright & Co. New York 1994 (pp. Saint Louis. Beobachtungen uber pyorrhea alveolaris. KOBES.. Do bruxism and temporomandibular disorders have a cause-and-effect relationship? J Orofac Pain.: Effect of Function on Growth and Remodel¬ing of the Temporomandibular Joint.131136. Current controversies in temporomandibular disorders. 53. P.17. 44. E. 2002 Fall. M. v. L W.Publishers. 161215).1989. HANSSON. SCHMIDT JE. MAHAN.: Der EinfluBderOkklusionaufdieKopfhaltung . May/June 1985.DtschZahnarztlZ44:162-164. NORTON A AND THOMAS GAY. 46. LINDROTH JE. et al. Chicago 1997 (pp. et al. R. A. oral Rehab.. HINTON. U. D. Aug. 48.L. 1985. 23(3):170-90. J Orofac Pain.. H. An electromyographic analysis of muscular and temporomandibular joint disturbances due to imbalances in occlusion. GREMILLION. TMD Patient. 1997 Winter. JR. 49..Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . p. D. 1997 Winter.: The medial capsule of the human temporomandibular joint. p. Oesterreich-ungarische vieteljahrssebrift fur Zahnheilkunde. KRAUS. In Kraus. Churchill Livingstone. E.. Mandibular dysfunction in 10-18 year old school children as related to morphological malocclusion. M. 41. Oral Surg. L. S. Orthodontics For the TMJ. 1901.16(4):277-83. A comparison between masticatory muscle pain patients and intracapsular pain patients on behavioral and psychosocial domains. Orthodontic treatment and temporomandibular joint disorders. J..A. Anterior repositioning splint in the treatment of temporomandibular joints with reciprocal clicking: comparison with a flat occlusal splint and na untreated control group. WATSON.2. JILL K. S.. n. RENDELL A. A.

: The effect of craniovertebral fusion an occlusion. São Paulo: Quintessence. Acta Odontol Scand. Orofacial Pain Guidelines for assessment. A. diagnosis. C. B. 64. OKESON JP. MOULTON RE. 62.. 1955 Oct. T.and management. CARLSSON. Dores Bucofaciais de Bell. 2006 Oct. N. Am J Anat 115. 58. ___ 78 54..Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod .1997. Rodney . American Academy of Orofacial Pain. Rio de Janeiro. v. R. 1993. J. ZARB. ed Mosby. 2004. ASKEW. Chicago: Quintessence.. Functional considerations of the temporomandibular articulation and orthodontic implications. MOHL. RUGH. J. MATHEWS. AXELSSON SUSANNA. Oclusões e afeções tempora mandibulars. L C. Dent Clin North Am.42. 2 ed. 56. MARQUES LS. H. 67.83:107-17. 65. D. Guidelines for classification. Emotional factors in non-organic temporomandibular joint pain. JAMSA T. 63. 5.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . 61. No. KYLMALA M. MAGNUSSON.. The Angle Orthodontist 2007: Vol. W. 1966 Nov:609-20. Universidade Federal de Minas Gerais. 60. Quintessence. C: Articular remodeling in the adult human temporomandibular joint. L.Jeffrey P. MOULTON RE. MCNAMARA. B. p. 542–548. Scand. 119142. assessment and management.Jr. Repercussão estética da má-oclusão em adolescentes de Belo Horizonte [Dissertação de Mestrado]. Temporomandibular Disorders. MCNEILL C. Chicago. MAKOFSKY. 68. . H. Tradução de Milton Edson Miranda. 449p. Psychiatric considerations in maxillofacial pain. Psychological factors and responses to artificial interferences in subjects with and without a history of temporomandibular disorders. NIEMI PM. The Angle Orthodontist of 1965 -8193. E. ALANEN P. SEXTON... MCCABE. G.1994.64(5):300-5. 66.129-35. 57. Belo Horizonte: Faculdade de Odontologia. J Am Dent Assoc..T. . 77. 3.1964. ed. LE BELL Y. JOHNSON. Fundamentos de oclusão. Signs and symptoms of mandibular dysfuncyion aafter introduction of experimental balancing-side interferences. James A. J. 59. Cranio 12: 38-46. 1984. pp. 1996. ENBON.51(4):408-14.. D. 1991. 1998. TMD in Relation to Malocclusion and Orthodontic Treatment A Systematic Review. MÖHLIN BENGT.. 55. 2 ed. 2003. MOFFET. Acta odont. OKESON JP. ET ALl. OKERSON.Orthodontic treatment and temporomandibular disorders. G.

L. ALTERAÇÕES OCLUSAIS E A SUA RELAÇÃO COM A DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR.P. Woods BJ. cervical and hyoid regions. PEREIRA LJ. Tratamento da desordens temporomandibulares e oclusão.Tradução de Milton Edson Miranda. 1997 Jan. P. ROCABADO. 78. Artes Médicas. .. SOLBERG WK. OKESON.Biomechanical relationship of the cranial. MARCENES W.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . RUF S. Porto Alegre.55(1):44-8. BERMUDEZ. M. 1983./dez. OKESON.1985 73. FOBV. Fundamentos de oclusão e desordens temporomandibulares. RUGH JD. K. J.139-144. TRAEBERT ESA.158 Rugh JD.: A tomographic study of mandibular condyle position in an asymptomatic population. BÉRZIN. W. São Paulo.Cabeza y cuello: tratamento articular. Rev. GAVIÃO MBD. R. 1977 Sept.7(2):127-36. C.. J Oral Rehabil 12: 279-293.1992. Cran.. n. C. A.. POMP MA. 36:230-6. ROCABADO. 4º ed. 3 : 62-6. 449p. PULLINGER. Oral Sci Rev.. CECERE F. 81. Artes Médicas. .9. Diferenças entre autopercepção e critérios normativos na identificação das oclusopatias.55(1):44-8.170p. W.República Argentina. 71. DIAS.: The disc of the human temporomandibular joint: design. PANCHERZ H. M. Rev Saúde Pública 2002. . function and failure. CASTRO. 1993 Aug. 1979. Acta Odontol Scand. 1997 Jan.J Appl Oral Sci 2003. Adv Dent Res. jul. p. Buenos Aires. J Amer DentAss. CONTI. Braz Oral Res2004. OSBORN. Stress-induced changes in the functional electromyographic activity of the masticatory muscles. RUF S. 75. J. Tomographic evaluation of TMJ in adolescents with temporomandibular disorders. J Prosthet Dent 53: 706-713. 77. 2000.. 82. J. PETERSSON. OLIVEIRA. Acta Odontol Scand. Psychological implications in Temporomandibular pain and dysfunction. ___ 79 69. Temporomandibular disorders : assessment of psychological factors. SOLBERG.7:3-30. J. A. KUPFER J. 2001. R. J. PANCHERZ H.18(3):208-14.P. 1976. CECERE F. 70. PEREIRA. 1985.. PERES KG.89:629-32. Inter-médica editorial. HOLLENDER. Stress-induced changes in the functional electromyographic activity of the masticatory muscles. 74. 11(2): 138-43 72. 80. 76. Psychotherapy for the myofascial pain-dysfunction syndrome: a study of factors coinciding with symptom remission. KUPFER J.3/4. 79. Prac. Dahlstrom L.

A. C: The relationship between the temporomandibular joint capsule. v.5. BERTOZ. F. p. H.G.T. v. . v. 1985. articular disc and jaw muscles. SELIGMAN..D. ___ 80 83. ATM Dor Orofacial..T.A. Orthodont.. Psychological implications in Temporomandibular pain and dysfunction. – Fundamentos de prótese fixa. Amer. BEGOLE.. MUHL. p. Oxford. 1991.. CLARK. RUGH. 1976. n. 6. J. 11.. 1976. Temporomandibular disorders and functional occlusion after orthodontic treatment: results of two long-term studies. p. v.193-207.. 87. Acta Odontol Scand.47.n. Long-term status of temporomandibular joit function and functional acclusion after orthodontic treatment. P. 89. n. LAINE. p. Z.5. Ocl. no. Temporomandibular joint sounds in orthodontic patients. p. 84.. SADOWSKY. mar.7(2):127-36.7:3-30. p. SOLBERG WK. 91. SHILLINBURG. C.386-90.Tradução de Maria Terezinha F. craniomandibular dis. 29-34.78. SOLBERG. Aug. Santos.2.. Nocturnal electromyographic evaluation of bruxing patients undergoing short term splint therapy.K. v. 86. The tactile sensibility of the periodontium to slight axial loading of the teeth. 88. Woods BJ. 2. v. Dahlstrom L. 85. SINAMOTO JÚNIOR. H.7:3-30. Set 1963. T. P. Orthodont. The role of intercuspal occlusal relationship in temporomandibular disorders: a review. J. Rugh JD./abril 2006. J Dent Res.. P. WHITSETT. 95. Temporomandibular disorders : assessment of psychological factors.21. Nov. Adv Dent Res. 96. oral Rehabil. 1980. SIIRILÄ.Maringá. J.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . Psychological implications in Temporomandibular pain and dysfunction.M. SANTOS. n. W. J. POLSON.D. E. Solberg WK.. 1993 Aug.415-29.5.201-12. Y. C. SHENGYI. oral pain.. J. 1986.S.65.A.86.2. Oral Sci Rev.C.1984. v. 93.. HOBO. n. Orthop. PULLINGER.. RUGH JD. SADOWSKY. n.. et al Disfunção Temporomandibular (DTM): diagnostico e tratamento – relato de caso associado a trismo. J. L. S. Dec. I. SADOWSKY.. ano 2003. Avaliação clínica de sinais e sintomas da disfunção temporomandibular em crianças -R Dental Press Ortodon Ortop Facial . J Craniomandib Disord 5: 28-34. J Anat 184: 335-345. JBA: J. Gross anatomy and collagen fiber orientation of the discs. Rio de Janeiro.A. 94.D.1991.2. 92. July 1975. et all.3. Dentofac. G. Amer.: Biomechanical properties and collagen fiber orientation of TMJ discs in dogs: Part 1.1994. p. 90.96-106. Chicago.D.. Orthop.E. XU.215-223. SCHMOLKE. Oral Sci Rev. Rugh JD. Dentofac. 5. Bras. SOMMERVILLE. M. SAKOLS. fac. de Oliveira..

n. VALERIO. 61-5. 413–421. Rev Ass Paul Cirurg Dent 1997. THILANDER.. Estudo comparativo da oclusão e da sua relação com as Disfunções Temporomandibulares (DTM) em jovens com e sem tratamento ortodôntico / Karyna Martins do Valle.1996.G. LUZ. p. no. VEDOLIN. 2007.J. 108. jul. Karyna Martins do .1962.. em pacientes com disfunção da articulação temporomandibular. 12(3): 238-43. TANAKA E E.Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos . no. An assessment of tactile sensibility in human teeth. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 16: 572-577. Dissertação (Mestrado)]. STEENKS MH.A. 102. 27. Angle Orthod. ___ 81 97. C S. Postura e mobilidade da coluna cervical e do tronco em portadores de alterações miofuncionais orais. et al. 99.. G. 3. BRILL. Prevalência das má oclusões e dos índices anamnésicos e clínicos. P. Gabriela Modesti. v. 109.C. TRYDE. . Appleton. Na evaluation of a quantitative method. TANAKA C. MARCUCCI. FARAH EA. Odont. 51 (2): 171-4. Kresnoff. 2007. J. USP. B.G. Aug. N. Curso de DTM ABO-MG ano 2000.. Prevalence of temporomandibular disfunction and its association with malocclusion in children and adolescents: an epidemiologic study related to specifed stages of dental development. YAMADA. Oxford.C. Rev. The relationship between frontal facial morphology and occlusal force in orthodontic patients with temporomandibular disorder. 104. Gabriela Modesti. Acta Odontol Scand. VEDOLIN. 103. v. 2000. Jan.3. J Appl Oral Sci 2004.. ARITA E S. 101. 98.Patrícia .. WIJER A. p.1963. S. 72. – Bauru. M. 1996. Apr. FRYDENBERG. 106./set.B.. TEIXEIRA. v. Evaluation of Its Efficacy in The Treatment of Temporomandibular Diorders. 2000. et al.20. 107. K. 1. São Paulo: Editora Santos.233-256. Ceballos. 100.251-6. 105. VALLE. v. O. Bauru: USP. 1999. VANDERAS. p. Bauru: USP.13. SHIBAYAMA B – Occlusal Stabiliztion Appliance... 2.. v. Participação do stresse e ansiedade na alteração do limiar de dor à pressão (LDP) em pacientes com DTM miogênica:um estudo comparativo. J Oral Rehabil. Synergic effect of malocclusion and parafunctions on craniomandibular dysfunction in children with and without unpleasant life events. Participação do stresse e ansiedade na alteração do limiar de dor à pressão (LDP) em pacientes com DTM miogênica:um estudo comparativo. Yale.: Some ob¬servations on the classification of mandibular condyle types. D. J Oral Rehabil. 146-54. 2002. p. Disfunção da articulação temporomandibular do ponto de vista da fisioterapia e da odontologia: diagnóstico e tratamento. H. Dissertação (Mestrado)]. Hauptfuehrer. p. A.

Vol. SLADE. GARY D. HIRSCH C. ZOU. GARY D. 2008 June. 114. No Increased Risk of Temporomandibular Disorders and Bruxism in Children and Adolescents during Orthodontic Therapy. RICHARD OHRBACH. BING SHUANG. OXFORD DE. 2003. LUDA DIATCHENKO. The Changing Field of Temporomandibular Disorders: What Dentists Need to Know JADC • www. HILL MD. 111..Disfunção Temporomandibular: Revendo conceitos .ca/jadc • Février 2009. KATO T. The Chinese Journal of Dental Research . CHARLES S. Neurobiological mechanisms involved in sleep bruxism. KLASSER. Crit Rev Oral Biol Med. 75. 115. LAVIGNE GJ. Orthodontic Treatment. ___ 82 110. quiz 18-9. Year 2008 Volume 11.70:39–50. Genetic Factors and Risk of Temporomandibular Disorder.. 14(2): 146–156. XU CHEN . KOLTA A. SESSLE BJ.cdaadc.nº 1 . 112. The prevalence of skeletal Class II patients found in a consecutive population presenting for TMD treatment compared to the national average. AND WILLIAM MAIXNER. MA. Semin Orthod. A Retrospective Study on the Prevalence of Temporomandibular Disorders in 9. No 1. 49-53. 2008 Fall.909 Chinese Subjects with Malocclusions Prior to Orthodontic Treatment . SUN. SIMMONS HC 3RD. J Tenn Dent Assoc. J Orofac Orthop 2009. ZHAO.88(4):16-8. GREENE. Journal of Orofacial Orthopedics. ZHI PENG . . YAN PING . 113. Issue 1 Pages: 36 – 41.14(1):30-46.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful