Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

Faculdade de Letras e Ciências Sociais


Departamento de Línguas – Secção de Português
Português II – Semestre II – 2021
Aula Nº 02
TÓPICO: Concordância Nominal (CN)
Objectivos: no final da aula, o estudante deve se capaz de:
(i) Reconhecer as regras geral e específicas de concordância nominal;
(ii) Identificar os problemas relacionados com a CN;
(iii) Analisar com linguagem apropriada os diferentes casos de CN.

1. Introdução
A língua portuguesa é, em regra, uma língua com um sistema flexional muito rico, e isso deve-se
à língua de que ela é originária – o latim. Nesta língua havia concordância entre nome e adjectivo
que o qualifica ou que está com ele relacionado, tanto em termos de género como de número. Os
estudos indicam que o Português, embora tenha evoluído ao longo dos séculos, manteve essas
regras. No português de Portugal e no registo culto dos outros países de língua portuguesa, como
por exemplo Moçambique, respeitam-se estas regras de concordância, que, no entanto, não têm
carácter universal.
Em Português II é nosso interesse assimilar estas regras uma vez que, quer no contexto escolar
quer no contexto de trabalho usamos o Português na sua norma culta. Por isso precisamos garantir
que a nossa comunicação seja coesa. Isto quer dizer que a concordância nominal é um dos
elementos que garantem a coesão no Português.

2. Aspectos teóricos
Quando falamos de concordância nominal há um conjunto de termos que nos vêm à cabeça.

Termos: substantivo (ou pronome, numeral substantivo), artigos, adjectivos, pronomes


adjectivos, numerais adjectivos e particípios.
O substantivo é o termo central (é o núcleo de um termo da oração).
Exemplo de uma oração: [O Efigénio] [é colaborador do Ministério da Justiça].
[O Efigénio] – é o que linguisticamente chamamos de sintagma nominal [SN].

SINTAGMA: (i) qualquer tratado cujo assunto está metodicamente dividido em classes; (2)
combinação de unidades linguísticas de dois ou mais morfemas1.
Assim, chamamos sintagma nominal à combinação de unidades linguísticas de dois ou mais
morfemas de natureza nominal.
➢ Mas o que significa dizer que o substantivo é núcleo 2 de um termo de oração ou, se agora
quisermos, de um sintagma nominal?
No sintagma nominal [O Efigénio], temos dois constituintes: o artigo – o, e o nome – Efigénio.
Destes dois, o nome é que é o constituinte essencial, central.

Ora, este núcleo, este substantivo, geralmente aparece ligado a outras palavras. No exemplo em
causa, aparece associado ao artigo. Mas também pode estar ligado a um adjectivo, a um pronome
(adjectivo); a um numeral (adjectivo) ou a um particípio, para lhe caracterizá-lo.
Exemplos:
(i) Substantivo + adjectivo → banana madura;
(ii) Pronome adjectivo + substantivo → outro dia;
(iii) Numeral adjectivo + Substantivo → primeira vez;
(iv) Substantivo + particípio → dinheiro guardado.

Dos exemplos apresentados nota-se facilmente que entre o núcleo e as palavras a ele associadas
há partilha dos mesmos traços gramaticais:
Por exemplo:
Outro dia → outro [+Masc] [+Sing]; dia [+Masc] [+Sing]

Assim, pode-se chegar à conclusão de que a CN tem a ver com a relação entre os nomes e os
seus complementos.

11
Morfema: unidade mínima de significação.
2
Núcleo: Centro, ponto essencial, essência, entre outros sentidos.
E olhando para os quatro exemplos apresentados mais acima, diríamos, como regra geral que: O
adjetivo, pronome, artigo e numeral concordam em número (singular ou plural) e gênero
(masculino ou feminino) com o substantivo, isto é, com o nome a que se referem.
Ou ainda, a concordância nominal baseia-se na relação entre um substantivo (ou pronome, ou
numeral substantivo) e as palavras que a ele se ligam para caracterizá-lo (artigos,
adjectivos, pronomes adjectivos, numerais adjectivos e particípios). Basicamente, ocupa-se da
relação entre nomes.

Lembre-se: normalmente, o substantivo funciona como núcleo de um termo da oração, e


o adjectivo, como adjunto adnominal.
Adnominal -

Mas existem diversos casos específicos descritos nas diversas gramáticas da língua portuguesa.

3. Alguns exercícios
Servindo-se de qualquer gramática3 de língua portuguesa, analise todos os casos que
envolvem a concordância nominal.

a) Muita das vezes não consigo entender os rumos académicos proporcionados nas nossas
instituições de ensino.
b) Se quisermos nos livrar do vícios das drogas precisamos aceitar, primeiro, que somos
toxicodependente.
c) Encontrei-os, ontem, no pátio da escola, apáticos.
d) O Paulo e a esposa vêm de um lugar e casa desconhecida.
e) O Paulo e a esposa vêm de um lugar e casa desconhecido.
f) O Paulo e a esposa vêm de um lugar e casa desconhecidos.
g) Batata-doce é bom para a pele.
h) Encontre tudo o que quer na primeira e segunda esquina.
i) A prateleira segunda e terceira é onde ficam as panelas.

3
No semestre passado, coloquei â vossa disposição uma gramática no formato digital.
j) É proibido o consumo de bebidas alcoólicas no recinto escolar.
k) Posso imaginar o que está a sentir. Já passei por experiências semelhante.

Você também pode gostar