Você está na página 1de 7

Museus Universitários Brasileiros: novas perspectivas1

Maria Célia T. Moura Santos2

Introdução

Em 2000, reunimo-nos em Natal, oportunidade em que participei de uma mesa-redonda


abordando o tema “Concepções pedagógicas: abordagens e perspectivas para os museus
universitários. Considero que alguns aspectos discutidos a partir do tema sugerido para aquele
evento ainda continuam em pauta. Entretanto, as transformações ocorridas nos últimos anos
foram muito profundas, e não se limitaram à mercadorização da educação superior, envolveram
transformações nos processos de conhecimento e na sua contextualização social. Fazendo esta
constatação, e propondo enfrentar o novo com o novo, Boaventura de Sousa Santos (2005,
p.167), em trabalho intitulado: “A Universidade no Século XXI: para uma reforma democrática
e emancipatória da universidade”, enfatiza que não se pode enfrentar o novo contrapondo-lhe o
que existiu antes, porque, em primeiro lugar, as mudanças são irreversíveis, e em segundo lugar,
porque o que existiu antes não foi uma idade de ouro ou, se o foi, o foi para a universidade sem
ter sido para o resto da sociedade, e, no seio da própria universidade, o foi para alguns e não
para outros.

Trazendo essa reflexão para o campo dos museus universitários brasileiros, que são parte
integrante dessa mesma universidade, podemos constatar que a idade de ouro ainda não
aconteceu nem do ponto de vista interno de gestão e infra-estrutura para o seu funcionamento
nem em relação ao processo de interação com a sociedade. Muitos dos que estão aqui presentes
venciam e podem constatar, por meio de uma análise das ações cotidianas desenvolvidas nos
museus das nossas universidades, o quanto ainda estão distantes da tão sonhada idade de ouro.
Entretanto, é importante destacar que talvez nunca consigamos alcançar esse grau de satisfação,
o que considero salutar.

Cultivar a insatisfação, transformado-a em agendas propositivas, formatadas a partir de


políticas, de programas e projetos construídos por meio de parcerias palpáveis, capazes de
retroalimentar pessoas e setores, como resultado de uma reflexão constante sobre os museus que
estamos construindo, respeitando diferentes saberes, compartilhando informações e
experiências, é uma proposta de trabalho que desejo dividir com vocês, nesse IV Encontro do
Fórum Permanente de Museus Universitários.

Em 2004, ao participar do Seminário: “Museólogo – 20 Anos de Profissão, no Brasil”, realizado


em São Paulo, de 22 a 24 de setembro, organizado pelo Conselho Regional de Museologia –
COREM, 4a Região, para fundamentar a minha apresentação, realizei uma pesquisa, analisando
depoimentos, papers, relatórios, notas de jornais, cartas de eventos, documentos
reivindicatórios, propostas de políticas públicas para a Área da Museologia, leis, decretos e
currículos de cursos de formação, buscando extrair as expressões-chave – idéias centrais,
ancoragens –, com o objetivo de organizar um discurso-síntese, capaz de revelar como vem
ocorrendo a aplicação das ações museológicas e o movimento dos profissionais de museus, no

1
Texto apresentado no IV Encontro do Fórum Permanente de Museus Universitários e II Simpósio de
Museologia na UFM “Museus Universitários – Ciência, Cultura e Promoção Social”, realizado em Belo
Horizonte – MG, no período de 24 a 28 de agosto de 2006.

2
Maria Célia Teixeira Moura Santos é Profa. Aposentada da Universidade Federal da Bahia – Curso de
Museologia, Museóloga, Mestre e Doutora em Educação.
Contato: mcmourasantos@uol.com.br.
2

período compreendido entre 1969 e 2000, buscando as interfaces entre a práxis e a formação. A
idéia foi organizar um texto de referência para, posteriormente, preencher as lacunas, dar
continuidade à pesquisa. Na análise realizada, a partir dos dados coletados constatei, dentre
outros aspectos, que os Encontros de Museus Universitários, realizados nos anos 90, e os Fóruns
Nordestinos de Museologia abriram uma ampla discussão sobre a importância das instituições
museológicas como espaço de produção e difusão de conhecimento, destacando o seu papel na
democratização dos resultados da produção científica, em várias áreas, bem como na
participação das atividades de ensino e de extensão universitária.

Percebe-se, também, que, nesse período, as discussões teóricas iniciadas por Waldisa Rússio,
nos anos 80, irão florescer e vão influenciar na revisão do conceito de museu, que passa a ser
considerado como um processo, um fenômeno social, que deve ser avaliado constantemente e
que busca a participação do usuário, que tem um compromisso com o homem e com a melhoria
da qualidade de vida.

Na pesquisa referida, também pude constatar que temos um diagnóstico claro do nosso campo
de atuação, que indicamos as estratégias necessárias para sanar os pontos críticos, mas não
conseguimos, ainda, tornar a nossa ação eficaz, para minimizar pontos críticos, que permanecem
em todos os momentos pesquisados, e que, sabemos, continuam até a atualidade.

Não pretendo e nem teria a competência necessária para apontar soluções imediatas para os
problemas que envolvem as instituições museológicas e, conseqüentemente, os museus
universitários. Entretanto, aprendi com o Mestre Paulo Freire que devemos olhar e conceber a
História como possibilidade e não como determinação. Acreditando em nossa capacidade de
ousar e de criar novas perspectivas apresentarei algumas proposições para a ação conjunta,
compreendendo este Fórum como espaço de abertura de possibilidades, um estímulo para
construção conjunta de políticas universitárias, com a inserção dos museus nesse contexto,
buscando uma nova perspectiva de ação entre a comunidade acadêmica, os museus e a
sociedade, dando continuidade ao diálogo, iniciado há 14 anos, quando da realização do I
Fórum, que aconteceu em Goiânia, de 26 a 30 de julho de 1992.

Os Museus Universitários: novas perspectivas

Considero que a minha contribuição ao debate em torno das questões relacionadas com os
museus universitários, buscando novas perspectivas de ação, devam girar em torno da inserção
dessas instituições no contexto da universidade, no momento presente, a partir da nossa
experiência, ao longo dos anos, com o objetivo de destacar a missão dos museus, no processo de
construção e reconstrução da instituição, no momento em que se busca a construção de projetos
pedagógicos inovadores, articulados à produção crítica do conhecimento, integrados a ações
criativas de mudança, tentando alargar as bases do compromisso social da universidade.

Compreendo que a atuação de um museu universitário deve ser parte de uma política
universitária sistêmica e estruturante, resultado de um processo de planejamento estratégico,
envolvendo o coletivo dos museus. É certo que a construção dessa política só será possível se a
considerarmos como uma aventura coletiva, estendendo-a a mais pessoas, buscando torná-la
mais profunda, mais abrangente, mais plural, a partir dos encontros e trocas, incorporados ao
cotidiano dos nossos museus, dos nossos departamentos, das nossas salas de aula, dos
segmentos responsáveis pela gestão universitária e, sobretudo, da nossa disponibilidade em nos
abrir para outros segmentos da sociedade, buscando novas alternativas a partir de outros olhares
e saberes.

Vivemos um rico momento de reconhecimento da interdependência entre cultura e


desenvolvimento, inclusive como instrumento de superação das nossas desigualdades, com
ampliação dos direitos fundamentais individuais e coletivos, nos aspectos socioambientais,
econômicos e culturais. Reconheço que a produção do conhecimento, no campo museológico,
3

assim como os nossos museus têm muito a colaborar nesse processo. Incluo a Museologia na
mesma dimensão atribuída por Gadoti (2005, p.46) à Educação: uma ciência transversal, aberta
a todas as ciências, que analisa a cultura e o conhecimento sob todas as perspectivas científicas.
Atribuo, portanto, à Museologia, as dimensões social e educativa. Desse modo, o processo
museológico será sempre construído e reconstruído por meio da ação dialógica, dinâmica,
complexa e criativa. Reconheço que somos atores sociais responsáveis por criar contextos
educativos para a integração criativa e cooperativa permanente, entre diferentes sujeitos e
contextos sociais e culturais.

Esse olhar pedagógico e transversal sobre a Museologia e sobre os nossos museus nos instiga a
vislumbrar novas perspectivas para os museus universitários. Em relação à gestão museológica,
por exemplo, amplas possibilidades de comunicação e de integração criativa e cooperativa são
abertas, a partir dessa concepção. Nesse sentido, chamamos a atenção para o fato de que para
que haja uma troca efetiva, por parte de todos que estejam envolvidos com as ações
museológicas, é necessário que haja clareza de concepção, de objetivos e da missão que devem
alcançar, a partir do trabalho dos diversos setores e da relação que o museu estabelece com a
sociedade. O conhecimento da Museologia e de seus processos é, aqui, de fundamental
importância. Discutindo a Museologia como um campo de conhecimento, Ivo Marievic (2000,
p.6) destaca que o staff do museu deve compreender a Museologia como uma disciplina que
trata dos aspectos teóricos relacionados com o trabalho prático em que estão envolvidos.
Portanto, eles devem ser capazes de absorver a teoria e estar preparados para sua aplicação, na
prática. Comenta que este é um pré-requisito para o sucesso de qualquer processo de
comunicação, o que implica, também, estar seguro e ser capaz de resolver os problemas, com
apoio na teoria.

Assim, compreendemos que olhar o museu como espaço aberto e propício à aplicação de
saberes de diferentes campos do conhecimento é, também, compreender a importância do
processo museológico para a definição das políticas, dos programas, dos projetos e da definição
do perfil da instituição. Assim, compreendemos que os avanços no campo museológico estão
diretamente relacionados com o desenvolvimento dos nossos museus e com a qualidade do
trabalho desenvolvido na instituição, internamente, e na relação que estabelece com a sociedade.
Daí, considerarmos como de extrema urgência a necessidade de implantação de Cursos de
Museologia, em nível de Graduação e Pós-Graduação, em nossas Universidades, buscando uma
articulação direta e permanente com os museus universitários, com a sociedade, com
universidades das diversas regiões do Brasil e de outros Países. Dessa forma, compreendo que o
planejamento e a reestruturação dos cursos não poderão ocorrer, como é prática corrente,
somente no interior dos Departamentos e Colegiados. A interação entre estes, as Pró-Reitorias
de Extensão, os museus e outros segmentos da sociedade, desde a fase de estruturação dos
currículos e programas, facilitará o comprometimento e as condições necessárias para o
desenvolvimento de projetos integrados. Considero que um dos grandes problemas que temos,
hoje, do ponto de vista operacional, é que elaboramos os nossos programas olhando para nós
mesmos. Para a sua execução, queremos que os museus e outros departamentos e unidades
sejam nossos parceiros. É necessário, pois, uma mudança interna, em cada um de nós, para que
a parceria e a integração desejada aconteçam de modo efetivo, desde o planejamento dos nossos
cursos e projetos.

Do mesmo modo, destaco, também, a importância da Museologia na aplicação de processos


museais a serem desenvolvidos fora dos museus, junto a organizações da sociedade civil, dos
movimentos populares, das redes de ensino de primeiro e segundo graus, empresas, irmandades,
quilombos, pequenas associações, Memoriais de Casas-de-Santo, Centros Culturais, campo
fértil para o compartilhamento de informações e de conhecimento, que, por meio da pesquisa-
ação, poderá alimentar uma rede de interação, formando verdadeiras comunidades de
aprendizagem. Defendendo a proposta de formulação de currículos intertranscultural, Gadoti,
(2005, p.48) destaca que, para a sua formulação, é necessário enfrentar a tradição monocultural
dos nossos currículos, as manifestações etnocêntricas das nossas práticas, enfrentar a tradição
4

“escolar” dos nossos currículos que desprezam o informal como “extra-escolar”, como “não-
formal” e conclui destacando que a informalidade é uma característica fundamental da educação
do futuro. Conseqüentemente, este novo olhar e este novo fazer não só são necessários como
urgentes, sobretudo na estruturação dos novos cursos, na formulação das nossas políticas, dos
nossos programas e projetos.

Dessa forma, estaremos crescendo juntos e contribuindo para que nossos alunos tenham uma
nova concepção sobre a gestão museológica, uma nova concepção de como organizar a
produção do conhecimento e a ação museal, por meio da atuação em redes, capazes de articular
diversos saberes e práticas, em diferentes contextos. Com certeza, nesse novo caminhar, será
impossível trabalhar a pesquisa, o ensino e a extensão, de forma dissociada. Considero que a
área de extensão, nesse novo contexto, terá uma importância vital na construção da
pluriuniversidade, e será responsável por promover transformações importantes na organização
dos currículos dos cursos das diversas áreas, na formação e na carreira docente.

Comentando a importância da extensão para a universidade do séc. XXI, (Santos, 2005, p. 175)
registra que a reforma da universidade deve conferir uma nova centralidade às atividades de
extensão e concebê-las de modo alternativo ao capitalismo global, atribuindo às universidades
uma participação ativa na construção da coesão social, no aprofundamento da democracia, na
luta contra a exclusão social e a degradação ambiental e na defesa da diversidade cultural.
Considero que os museus universitários são partes integrante desse contexto e não poderão ficar
ausentes dos programas e projetos de extensão, pois possuem um grande potencial a ser
explorado.

Ainda em relação aos aspectos de gestão, quero chamar a atenção para a necessidade de atribuir
ao planejamento as dimensões social e educativa. O planejamento que estamos propondo é
compreendido como um ato de encontro, de relação e também de poder. É espaço de conflitos,
que implica opções e decisões. Discutir o planejamento museológico é discutir o museu e a
universidade que queremos. O ato de planejar como um ato educativo é uma tarefa vital, união
entre vida e técnica para o bem-estar do homem e da sociedade (Danilo Gandin, 1983). O
planejamento não é apenas uma técnica com o objetivo de melhorar a ação dos museus. É,
sobretudo, um processo de crescimento humano. É um processo educativo de ação e reflexão,
que deve ser alcançado com a participação, deve ser uma prática incorporada ao cotidiano dos
nossos museus e exercitada por todos que estão envolvidos com a sua missão.

Destaco a construção do projeto museológico como um dos processos mais importantes no


sentido de colocar em prática esse novo olhar da gestão museológica, essa nova forma de
planejar. É um instrumento de fundamental importância para se atingir a eficácia, pois fornece o
aporte necessário para que as ações a serem executadas levem em consideração um fim
previamente estabelecido e coerente com a concepção adotada – a Museologia –, contribuindo
para um determinado tipo de homem e de sociedade. A sua construção, a partir do envolvimento
de todas as pessoas e setores é um momento único, de aprendizagem e de crescimento conjunto.
É produção de conhecimento, é relação entre teoria e prática, é exercício de reflexão crítica e
criativa, e é comprometimento.

Entretanto, chamo a atenção para a necessidade de articulação do projeto museológico com a


política da universidade e com a política museológica, que devem apontar as diretrizes para o
desenvolvimento dos programas de pesquisa, preservação e comunicação dos museus. É
necessário deixar claro de qual projeto de universidade e de museus estamos falando, conforme
já foi explicitado, anteriormente. O que eu estou propondo é algo que vai muito além dos
projetos elaborados pelos técnicos, em seus gabinetes, para justificar a existência da instituição,
captar recursos ou apresentar objetivos e metas para atender à burocracia. O projeto
museológico, na concepção aqui apresentada, é algo que extrapola a ação interna da instituição e
incorpora diferentes saberes e fazeres, que olha o museu a partir de muitos olhares, para, em
seguida, dar-lhe vida. É o momento de seduzir os vários segmentos, envolvendo-os pela beleza
5

e não pela técnica da manipulação. Conceber o planejamento museológico com afetividade e


encantamento exige de todos nós a motivação que vem de dentro e que é capaz de mobilizar
pessoas para uma leitura compartilhada do mundo, da universidade e dos museus. Portanto,
compreendo que somente institucionalizar e planejar não são o suficiente, é necessário querer
participar e abrir possibilidades para novas intervenções pois, somente assim, poderemos dar
vida e renovação à universidade e a aos museus.

A oportunidade que tive de participar da construção dos projetos Museológicos do Museu


Sacaca, no Amapá, do Centro de Cultura e Memória Bovesba, do Museu Nacional da Cultura
Afro-Brasileira e do Museu Eugênio Teixeira Leal, em Salvador – BA, bem como do
planejamento e da implantação das ações de Formação e Capacitação do Projeto-Piloto da
Política Nacional de Museus, desenvolvido no Estado da Bahia, permitiu-me vivenciar, na
prática, o quanto é rico e criativo o processo de planejamento que nasce do movimento dos
atores sociais, que cria uma rede de interação, estimulando o nascimento de comunidades de
aprendizagem, e que concebe a gestão como um sistema orgânico, criando espaços para o
estímulo e a prática de uma cidadania multicultural. A partir dessas vivências, consigo, hoje,
lançar um novo olhar sobre a Museologia, sobre os museus e sobre a formação em nosso campo
de atuação, e sinto-me estimulada a iniciar novos processos de ação-reflexão junto com outros
atores sociais.

Na UFBA, estamos vivendo um momento de novas propostas de ação. O Curso amplia a sua
atuação junto à sociedade, no momento em que se envolve nas ações do Projeto-Piloto de
Formação e Capacitação em Museologia, Eixo 3 da Política Nacional de Museus, e o acolhe
como projeto permanente de extensão, que continuará tendo o apoio do MINC-DEMU-IPHAN.
As ações do Projeto-Piloto, resultado de uma ampla parceria, do envolvimento de profissionais
e estudantes de diferentes áreas, além de criarem uma rede de interação entre os museus da
Capital e do interior do Estado, proporcionaram a oportunidade de abertura de um canal de
comunicação com a Pró-Reitoria de Extensão, cujo compromisso é implantar, na próxima
gestão do Reitor Naomar de Almeida, uma Coordenadoria de Museus da Universidade, com
proposta de construção de uma política museológica para a Universidade, cujos primeiros
passos foram dados na gestão do Pró-Reitor de Extensão, Prof. Manoel José Ferreira de
Carvalho, que, com entusiasmo, mobilizou os Núcleos de Memória, os Museus da UFBA e o
Curso de Museologia para dar os primeiros passos nesse sentido, e que permanece em pauta na
atual gestão do Prof. Álamo Pimentel. A elaboração do projeto de Mestrado em Museologia,
formulado, também, no contexto do Projeto-Piloto, da PNM, está contribuindo para repensar a
graduação e estimulando a criação de núcleos de pesquisa. No interior dos museus, percebe-se o
início de um movimento no sentido de trabalhar de forma mais cooperativa e solidária. A
construção de uma escada interligando os espaços do Museu Afro-Brasileiro e do Museu de
Arqueologia e Etnologia, que estão atuando com loja e bilhete único de entrada, talvez seja mais
uma iniciativa importante dessa nova fase de interação e construção conjunta.

Assim, posso destacar que a flexibilidade, a sinergia e a cooperação, exercitadas ao longo do


caminhar, nos dão, hoje, a possibilidade de apontar alguns aspectos importantes para a aplicação
desse processo museológico transversal, social e educativo, que poderão abrir novas
perspectivas para os museus universitários:

• Abertura de espaços democráticos;


• Compartilhamento de poder e de saberes;
• Abertura de novos espaços de participação;
• Articulação de setores sociais distintos, heterogeneidade de atores e lugares;
• Construção coletiva;
• Criação de novos espaços de comunicação e utilização da tecnologia da informação –
TI, para a democratização da ação museal;
6

• Produção de resultados parciais palpáveis, alimentando setores e pessoas, por meio de


um processo contínuo de avaliação;
• Integração entre pesquisa, ensino e extensão;
• Circuitos abertos de produção, com a realização de ações multiprofissionais,
interinstitucionais e intersetoriais;
• Contextualização social do conhecimento;
• Compreensão do planejamento como um ato educativo e de participação.

Este Fórum é o resultado da iniciativa de um grupo que vem, ao longo dos anos, repensando e
buscando novas perspectivas para a universidade e para os museus universitários. Ele está
acontecendo em um rico momento de revitalização do campo museológico e de reestruturação
das universidades públicas. Momento em que tanto a pesquisa-ação quanto a ecologia de
saberes situam-se na procura de uma reorientação solidária da relação universidade-sociedade.
Aposto na continuidade da troca, a partir da iniciativa, da criação de espaços de convivência e
da nossa inserção nesse rico processo, de forma prazerosa, considerando as diferentes
identidades e reconhecendo as diferenças. A permanência desse Fórum, por exemplo, é o
resultado do movimento de atores sociais comprometidos com a universidade, com os museus e,
conseqüentemente, com um novo modelo de sociedade.É nossa responsabilidade dar
continuidade a esse debate, tornando-o cada vez mais abrangente e enriquecido por outros
olhares e que possamos criar as condições necessárias para que possa ser revertido em ganhos
reais para a universidade, para os museus e para a sociedade, resultado de um exercício de
prazer e encantamento, que brotará de cada um de nós e dos muitos sujeitos sociais que conosco
estarão envolvidos nessa bela missão.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, Adriana Mortara. Museus e Coleções Universitárias : por que museus de arte na
Universidade de São Paulo? (Tese de Doutorado apresentada à Escola de Comunicações e
Artes da Universidade de São Paulo.) 2001.

GADOTTI, Moacir. Informação, Conhecimento e Sociedade em rede: que potencialidades?.


Educação Sociedade e Cultura. Revista do Centro de Investigação e Intervenção Educativa.
No 958. Porto: Edições Afrontamento, Ltda. Dez. 2005. p. 48.

GANDIN, Danilo. Planejamento como Prática Educativa. São Paulo: Edições Loyola, 1983,
p.17.

ICOM International Committee for Museology. Study Series (8) 2000.

ICOM NEWS. Newsletter of the International Council of Museums. Museums and


Globalization. (Vol. 55. No 1, 2002).

ICOM International Committee for the Training of Personnel. Study Series (10) 2003.

ICOM International Committee for University Museums and Collections. Study Series. (11)
2003.

ICOM International Committee on Management. Study Series. (12) 2006.

MAROEVIC, Ivo. Museology as a Field of Knowledge. In: ICOM International Committee for
Museology. Study Series (8) 2000, p.6

Museum International. (Unesco, Paris), University Museums (1) No 206 (vol.52, No 2, 2000).

Museum International. (Unesco, Paris), University Museums (2) No 207 (vol.52, No 3, 2000).
7

POLÍTICA NACIONAL DE MUSEUS: Programa de Formação e capacitação em Museologia –


Eixo 3/ Ministério da Cultura do Brasil, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico
Nacional, Departamento de Museus e Centros Culturais; organizado por Maria Célia T.
Moura Santos. – Salvador: MINC\IPHAN\DEMU, 2005. (Relatório 2003-2005) 147p.