Você está na página 1de 4

Psicologia do Consumidor – super resumo, palavras

chaves.

Raquel Ribeiro

Consumo: Traço central da sociedade, + recursos disponíveis, + oferta de

mercadorias, satisfação material ou não material, base de troca,

necessidades e desejos, comunicação social, padrões de superioridade e

inferioridade, simbolismo de poder e sucesso.

Motivos subjacentes (idéias de nós mesmos):

Aspectos:

Vontade do indivíduo, tendência cultural, decisão racional da compra,


decisões inconscientes.

Correntes:

1. Teoria da Ação Racional: Escolha individual e utilitária, vantagens e


desvantagens, benefícios.

2. Papel da Estrutura social nas escolhas: Produto social com necessidades


geradas e satisfeitas com diversos grupos (família, escola, grupos).

3. Pós-Modernismo: Consumo como instrumento de afirmação individual,


realça poder criativo e libertador do consumo, expressar sentimentos, auto-
afirmar.

Duas Preocupações na corrente 2:

1. Estruturalistas: Mecânica social aos difames sociais (troca compulsiva por


novos celulares) conscientes e inconscientes.

2. Significações e atribuições simbólicas das escolhas: Bens valorizados pelo


valor simbólico, valor além do produto, ursinho que comprei para minha
namorada.
Maslow

“Maslow não conheceu a sociedade de consumo e isso faz toda a diferença”.

Quando o ciclo motivacional não se realiza, emerge a frustração, a


agressividade, a insônia, a passividade. Indivíduos te várias necessidades
que não tem a mesma importância, não tendo estruturação para as
hierarquias. Depois de satisfeita, procura nova necessidade. Consumo se
transforma no mais importante ideal de afirmação social, econômica e de
status. Constroem identidades sociais mais pelos estilos de consumo.

Consumistas: necessidades de ordem psicológica ou emocional assumem


como necessidade básica.

Sociedade de Consumo: Cultura de consumo, oferta de crédito, spam,


publicidade, promoções, telemarketing, neofilia (desejo por novidades),
oniomania (febre por compras).

Narcisismo
Primário: Auto-Erotismo, toda sua pulsão está no corpo, centro das atenções.

Secundário: Satisfação pelo ideal (vem de fora) de eu transmitida pelo pai,


quando vira excessivo, vira patológica, buscamos aquilo que somos,
procuramos prazer, libido para nutrir nosso narcisismo.

Lash
Mínimo EU

Exercício de sobrevivência (psíquica) = vida cotidiana.

Individualidade (necessidade de proteção e não como egoísmo (quer


desfazer a confusão)).

Bem de luxo (sob stress, núcleo defensivo) – dependente ao outro


(sociedade narcísica)

Insegurança (objetos duráveis por imagens oscilantes – realidade e fantasia


(propagandas)).

Duas preocupações

1. Individualidade e não egoísmo.

2. Diferenças sexuais, sem relação com masculino ou feminino.


Cultura de Massa

EUA, anos 20 – início da cultura de consumo.

Divisão do trabalho: projeto depois execução (cada um faz parte de um


todo).

Desencoraja: iniciativa, autoconfiança.

Incentiva: dependência, passividade.

Sloanismo, marketing, mobilização para o consumo, recrutamento na força


de trabalho, dependentes do mercado, submissão (não entendemos nada),
vigilância da própria sociedade, descrença nas próprias decisões,
reconhecimento pelas posses e não pelo caráter.
Tecnologia industrial e democracia

Democracia = banalização das idéias, rebaixamento do gosto, declínio da


civilidade.

Tecnologia = diminui partes do trabalho (automatização), funcionário


depende de computadores para fazer o trabalho – destrói a autoconfiança e
a autonomia – vitimação das pessoas – reação inesperadas com a natureza,
controle ilusório sobre seu meio.

Lash - narcisismo primário e secundário

Dispõem de ver o mundo como um espelho, ou como projeções de nossos


medos e desejos. A imagem pode ser revestida na ausência do objeto real.

Não porque torna as pessoas gananciosas ou agressivas, mas porque tornam


frágeis e dependentes.

Recriação dos sentimentos infantis de desproteção – padrões orais = mundo


como extensão do seio (aquele que gratifica e frustra).

Lash – Mínimo EU, mentalidade da sobrevivência

Sociedade atual obcecada por idéias de catástrofes.

EUA, anos 60 = início da guerra fria e depois dela = estamos sempre prontos
para o pior.

Catástrofe ecológica, corrida armamentista nuclear, genocídio nazista,


apocalipse, orçamento apertado, envelhecimento, câncer, drogas,
casamento falida, “nada dura muito tempo”, somos todos sobreviventes,
vítimas e vítimas em potencial.

Busca do sucesso (revista Você S.A), vigilância e dinheiro com estratégia de


sobrevivência.
Organizações é criatura indefesa que pratica trapaça para se safar das
ameaças invisíveis que o cercam, ambiente de campo de concentração
nazista.

Cartilhas manuais de adaptação ao mundo sobrevivente (esquadrão da


moda, datena)

A vida cotidiana implica – crise moderna: crise de identidade

Concentração nos obstáculos pequenos e imediatos – manuais de sucesso –


falso moralismo criado pela projeção que faço num outro – observar
acontecimentos da vida ocorrendo com os outros (isto me ajuda a me
proteger contra a dor) – indivíduo comente pequenos delitos, corrupções e
só critica as ações dos outros (políticos) = o que acontece no macro
acontece também no micro – não nos permitimos estar mal (desempenhar
papéis) – projetar uma imagem adequada – proteger contra inimigos
invisíveis (fofoca, assaltos) – sentimentos sob controle – controlar situações
ameaçadoras – identidade adaptável – desvinculo emocional (proteger
contra a dor e a perda).