Você está na página 1de 12

219

O (Mau) Uso das Ferramentas CAD, CAM e CAE


Ademar Welter Júnior
DEE-CCT-UDESC, 89223-100, Joinville, SC, awj22@bol.com.br

Marcelo da Silva Hounsell, PhD.


DCC-CCT-UDESC, 89223-100, Joinville, SC, marcelo@joinville.udesc.br

Copyright © 2002 Society of Automotive Engineers, Inc

RESUMO Dentro de um mercado altamente competitivo como o


que se apresenta hoje em nível mundial, o pronto
Este trabalho mostrará o resultado de um desenvolvimento e lançamento de produtos que venham a
levantamento sobre o grau de conhecimento das tecnologias atender as necessidades e os anseios dos consumidores tem
CAD, CAM e CAE, a formação acadêmica dos usuários, a se mostrado imprescindível ao crescimento e à própria
freqüência no uso das ferramentas, o grau de experiência sobrevivência das empresas, que lutam por formas de
dos usuários, as funcionalidades mais utilizadas das responder o mais rápido possível às tendências verificadas
ferramentas, dentre outras. entre os consumidores e usuários de seus produtos.

Uma discussão com base no cruzamento dos dados Nesta perspectiva, os responsáveis pelos setores de
nos levou a conclusões alarmantes sobre o grau de projeto e desenvolvimento de novos produtos assumem um
disseminação e aculturação tecnológica. Estes dados e suas papel fundamental para o sucesso (ou fracasso) de suas
interpretações serão apresentados no final, seguidos de empresas. A atividade projetual assume desta forma
conclusões que apontam possíveis motivos e causas. características próprias, específicas da nossa época.

INTRODUÇÃO O objetivo final do designer não pode ser reduzido


somente à produção de desenhos para a aprovação do
A característica essencial mais marcante das cliente e a orientação do fabricante, mas ao
atividades empresariais de hoje é a necessidade que têm as desenvolvimento de um produto que seja adequado aos
empresas de se adaptarem às rápidas mudanças que diversos níveis de usuários, como o próprio cliente, os
ocorrem no ambiente dos negócios. A intensa competição, fornecedores de matérias-primas, o pessoal envolvido na
aliada à globalização dos mercados e aos requisitos cada produção, os distribuidores, os vendedores, os
vez mais rigorosos de qualidade tem levado muitas consumidores e a própria sociedade, em sua forma mais
empresas a reexaminarem a natureza de suas operações ampla. Para que isto ocorra de forma satisfatória, em muito
comerciais e industriais. auxilia (ou deveria auxiliar) a utilização de recursos
informatizados.
Na tentativa de explorar novas oportunidades de
mercado frente à acirrada competição, muitas delas têm Grande ênfase comercial tem sido dada entretanto aos
levado a uma reavaliação de seus processos de negócios e o softwares de CAD (Computer Aided Design), CAM
controle de suas atividades de produção para atendimento a (Computer Aided Manufacturing) e CAE (Computer Aided
seus clientes. Numerosas formas de administrar e produzir Engineering) [2] [8]. O que sugere um limitado
que levam ao enxugamento da empresa e à supressão do entendimento e/ou disseminação das funcionalidade e
desperdício. Freqüentemente, a terceirização de potencialidades de outros sistemas. Esta ênfase se justifica
determinadas atividades tem sido vista como condição pois percebe-se que estes sistemas são soluções
necessária para simplificar e promover melhorias importantíssimas para as atividades técnico operacionais da
substanciais nos processos de negócios. Assim, as empresas empresa. Estes softwares (Siglas) serão melhor definidos
industriais vem tentando vencer desafios e perspectivas de adiante.
melhorias, seguindo avanços da tecnologia da informação e
métodos padronizados presentes em diversas metodologias. Além disso, diversas referências tem dado conta da
distância entre o apregoado e ensinado pela academia e

1
aquilo que é a prática e o usual no meio fabril . conjuntos de instruções para as atividades de produção,
Especificamente no Brasil, isto acontece no que concerne como uma base de dados gráfica de peças, desenhos,
aos sistemas computadorizados relacionados as áreas simulação gráfica interativa, armazenamento e acesso a
técnicas da manufatura. O mal entendimento da natureza documentos, edição de documentos técnicos, etc.
dos métodos, principalmente na área de Projeto de Produto,
tem sido apontados como uma das principais causas do CAM (COMPUTER AIDED MANUFACTURING) -
baixo nível de sucesso dos respectivos métodos na prática Manufatura Auxiliada por Computador - É um sistema
[1]. Esta dissociação ocorre quanto ao entendimento dos baseado em máquinas de controle numérico, comandadas
conceitos, quanto a profundidade do seu entendimento, a por computador (CNC). O sistema é bastante utilizado no
sua utilização prática ou quanto a sua dificuldade de monitoramento das funções de produção, manipulação,
implantação. transporte e armazenagem. Desenvolve as atividades de
geração, transmissão e controle de execução dos programas
Este artigo busca identificar até que ponto as de comando numéricos aplicados às máquinas, ferramentas
ferramentas CAD, CAM e CAE estão sendo utilizadas e robôs, sistemas de manipulação de materiais, inspeção e
coerentemente ou se estão tendo problemas (pouca teste da produção.
disseminação e pouco entendimento) no sul do Brasil,
notadamente na região de Joinville e São Bento do Sul do CAE (COMPUTER AIDED ENGINEERING) -
Estado de Santa Catarina. Esta região é tida como um pólo Engenharia Auxiliada por Computador - Como o próprio
da indústria metal-mecânica, em especial na fabricação de nome indica, consiste em empregar um sistema
moldes e matrizes para industrias de manufatura de computacional para desenvolver e auxiliar as
produtos da linha branca (geladeiras, fogões, exaustores, especificações funcionais de produtos, peças componentes
etc.) e também pólo da indústria moveleira no país. e processos de fabricação.

O artigo detalha e estende os dados e conclusões que A METODOLOGIA UTILIZADA


foram previamente publicados [4] quando somente
dispunha-se dos dados preliminares desta pesquisa. De A forma adotada para se obter as informações sobre
qualquer forma, os dados e o cruzamento destes vão muito as empresas e seus profissionais foi a do uso de um
além das ferramentas aqui apresentadas e, caso o leitor se questionário. Estes foram preparados e aplicados a diversas
interesse pela íntegra dos dados e da pesquisa, poderá fazer empresas das áreas de ferramentaria, usinagem,
o requerimento através do email dos autores. fornecedores de produtos e ferramentas para industrias da
linha branca na região de Joinville e outras industrias de
AS FERRAMENTAS manufatura na região de São Bento do Sul (Santa Catarina)
da área de atuação da industria moveleira. Os formulários
Existe uma série de dúvidas e equívocos quanto à foram distribuídos a grupos de alunos que então os
utilização de siglas relacionadas às formas de utilização de aplicavam e tentavam interpretar os resultados da tabulação
sistemas informatizados nos meios de produção. Na dos dados parciais que obtinham. Isto foi prático e didático
verdade, estas siglas podem ser consideradas mais como pois envolveu os alunos na pesquisa e na análise dos dados.
fruto de questões de natureza mercadológica do que de uma Entretanto, esta solução nos deixou impossibilitados de
real necessidade de diferenciação entre sistemas. controlar o tipo de empresa, o tipo de respondente pois
estes não estavam restritos a serem de áreas gerenciais ou
As diferentes formas de tecnologia ligadas ao projeto técnico-operacionais, apenas que deveriam ser de áreas
auxiliado por computador trouxeram uma dificuldade relacionadas a manufatura. Os questionários foram
adicional para sua compreensão e, muitas vezes, seu uso. A entregues impressos, aplicados via entrevistas e,
utilização de diferentes siglas, como CAD, CAM, CAE, principalmente, enviados e respondidos por email, ou seja,
etc., na maior parte das vezes confunde de forma bastante sem nenhum tipo de supervisão, acompanhamento ou
significativa e prejudicial os futuros usuários em potencial esclarecimento.
ou qualquer um que deseje conhecer algo sobre o assunto
[3]. Existem na verdade duas dimensões que foram
avaliadas pelo questionário (ver Tabela D).
CAD (COMPUTER AIDED DESIGN) - Projeto
Auxiliado por Computador - Trata-se de um sistema que • a primeira é a dimensão empresarial; o panorama
permite, através de suas facilidades de hardware e de utilização das ferramentas nas empresas;
software, auxiliar o processo de projeto nos aspectos de • a segunda é a dimensão profissional; o quanto o
concepção, análise, dimensionamento, validação, profissional usa e conhece os diversos tipos de ferramentas.
representação final, simulação e testes. Mais
especificamente, é um sistema computacional empregado
na elaboração de desenhos, lista de materiais e outros

2
Na dimensão profissional, questionou-se a idade, a O número de empresas envolvidas na pesquisa
experiência e a formação do respondente. Quanto a também foi bastante expressivo, totalizando 59 (cinqüenta e
formação, esta foi depois agrupada conforme Tabela A. nove). Estas foram classificadas pelo número de
funcionários segundo os critérios adotados pela
Tabela A: Formação do profissional usuário. AJORPEME (Associação Joinvillense da Pequena e Média
Empresa). A Tabela C identifica o número de empresas
Formação Agrupada Formação Original envolvidas de acordo com o seu porte e quantos
Superior Superior funcionários daquele tipo de empresa participaram da
Técnica Técnico de 2º Grau ou pesquisa.
Curso Superior Incompleto
Básica Técnico Incompleto Tabela C: Distribuição de empresas participantes.
Nível Médio
Outro inferior

Respondeu
Pequeno
Grande

** Não
Médio

Micro
Para mensurar a utilização das ferramentas foram
elaboradas perguntas abertas sobre quais sistemas estavam Porte (%) 47,0 34,0 8,5 7,0 3,5
sendo usados, sobre a satisfação no uso desta, etc. Também Número de +120 51-120 6-50 1-5 -
foram elaboradas perguntas específicas com respostas de Funcionários
múltiplas escolhas sobre a freqüência de uso (Tabela F). Número de 56 22 4,5 2,3 15,2
Funcionários
Para mensurar quais os recursos que tem sido usado Respondentes *
de uma determinada ferramenta e portanto, a complexidade * Funcionários que trabalham em empresas daquele porte
do uso da mesma, foram listadas algumas características respectivo.
funcionais específicas de cada ferramenta de diferentes ** A coluna Não Respondeu refere-se ao número de
graus de complexidade tecnológica conforme a literatura respostas deixadas em branco.
[7][3][9] e cujas respostas poderiam ser múltiplas. Esta
tabela também serve para dar uma indicação do quanto o A Tabela D mostra com que tipo de ferramenta os
usuário conhece e entende dos recursos da ferramenta (ver usuários trabalham efetivamente e se este uso é exclusivo
Tabela N a Tabela R). ou combinado com outras ferramentas. Os percentuais são
relativos aos números totais de respondentes e empresas.
RESULTADOS OBTIDOS
Tabela D: Uso profissional das ferramentas.
O número de profissionais respondentes envolvidos
na pesquisa foi bastante expressivo chegando ao total de
(%) Profissionais Empresas
261 (duzentos e sessenta e um). Este grande número de
envolvidos garante a esta pesquisa a confiança para exarar Usam Somente Dentre Somente Dentre
conclusões que serão mostradas nas seções conclusivas. Outras Outras
CAD 38,7 87,7 57,6 96,6
A média geral de anos de experiência na atividade CAE 0,3 19,0 1,7* 18,6
profissional relatada por estes profissionais foi de 9 (nove) CAM 2,7 39,0 1,7* 50,8
anos. Dentre eles a idade média de idade foi de 31 (trinta e * Respostas incoerentes pois as empresas envolvidas
um) anos. A experiência do respondente no uso de uma sabidamente não usam CAM ou CAE exclusivamente.
determinada ferramenta específica foi levantada como Supõe-se que aconteceram problemas de entendimento da
sendo menor que a sua experiência profissional, como pergunta ou limitação do conhecimento sobre a empresa
mostra a Tabela B: e/ou ferramenta.

Tabela B: Média de idade e de experiência. A Tabela E mostra a relação do uso “casado” de duas
ou mais ferramenta e o respectivo porte da empresa. Esta
(anos) CAD CAM CAE tabela leva a uma reflexão quanto a importância e a
Média de anos 6 6 6 necessidade de integração entre as ferramentas.
de experiência

Tabela E: Uso casado versus porte da empresa.


Todos os valores são percentuais relativos ao total de
respondentes, usuários da ferramenta respectiva. (%) CAD CAD CAD &
& & CAM &

3
CAM CAE CAE Usa

Respondeu
Grande 25,4 15,2 11,9 Diariamente

Superior

Básico
Médio
Nível

Nível

Nível

Não
Média 11,9 1,7 1,7 (%)
Pequena 10,2 1,7 1,7
/Micro
NR* 5,0 0,0 0,0 CAD 35 50 10 5
Total 52,5 18,6 15,2 CAM 45,2 42,8 4,7 7,1
CAE 72,2 16,6 0 11,1

Tabela F: Freqüência no uso da ferramenta.


Tabela J: A formação acadêmica dos respondentes versus
Você utiliza intensidade de uso.
Esporadicamente
a
Algumas vezes

Algumas vezes

Não respondeu
(Intensamente)

ferramenta
Diariamente

CAD (%)
por semana

Respondeu
(%)

Superior
Não uso

Básico
Médio
por mês

Nível

Nível

Nível

Não
CAD 61,1 16,6 3,9 8,3 2,6 7,4
CAM 60,8 12,7 2,9 7,8 5,9 9,8 Diariamente 35 50 10 5
CAE 66,0 16,0 2,0 8,0 4,0 4,0 Eventualmente * 63,8 23,4 4,2 8,5
Esporadicamente 68,4 31,5 0 0
Não Respondeu 64,7 23,5 11,7 0
Na Tabela G apresenta-se o resultado obtido de Não Uso 16,6 66,6 16,6 0
respostas múltiplas e espontâneas sobre problemas * Eventualmente significa uma vez por semana ou por mês.
associados a ferramenta CAD. Os percentuais são relativos
ao número total de respondentes usuários de CAD. Tabela K: A autoconfiança nas ferramentas usadas
diariamente.
Tabela G: Problemas com o uso do CAD (%).
Usa

Aprendizado
Integração 5,2

Respondeu
Diariamente Experiente

Novato
Expert

Modelagem 3D 3,5 (%)

Não
Em
Superfícies Complexas 2,6
Não tem problemas 0,8
Compatibilidade entre versões 0,8
Precisão 0,4 CAD 8,5 64,2 5,7 12,8 8,5
Interface Homem-Computador 0,4 CAM 9,5 64,2 4,7 14,2 7,1
Impressão 0,4 CAE 22,2 55,5 5,5 11,1 5,5
Simulação de Movimentos 0,4

Tabela L: A autoconfiança versus a formação


Tabela H: A utilização diária das ferramentas pelos acadêmica.
respondentes.
CAD (%) Nível Nível Nível Não
Ferramenta CAD CAM CAE Superior Médio Básico Respondeu
Usa Diariamente (%) 61,1 41,1 36 Expert 35,7 42,8 14,2 7,1
Experiente 44,6 42,9 8,2 4,1
Novato 63,6 31,8 0 4,5
Em Aprendizado 43,2 35,1 10,8 10,8
Não Uso 0 80 20 0
Não Respondeu 50 43,3 6,6 0
Tabela I: A formação acadêmica versus ferramenta.
Tabela M: Treinamento e experiência.

4
CAD Média Carga Respostas Média Anos CAD (%) Nível Nível Nível Não
Horária Experiência Superior Médio Básico Respond.
Expert 62,8 14 10,07 Modelagem 2D 43,4 42,8 8,3 5,3
Experiente 47,93 121 9,31 Model. Sólida 55,1 38,7 1,7 4,3
Novato 36,36 22 5,9 Model. Wireframe 35,9 46,8 7,8 3,5
Em Aprendizado 34,05 37 3,64 Model. Paramétrica 45,2 67,1 8,2 6,8
Model. Features 50,8 43,8 1,7 3,5
A Tabela N, Tabela Y e Tabela Z indicam quais Model. Bezier/ 68,7 6,2 9,3 15,6
funcionalidades são mais utilizadas para cada tipo de B-spline
ferramenta em relação ao total de usuários da mesma sendo Model. NURBS 43,1 43,1 4,5 9
que um respondente pode ter assinalado mais de um item
Model. Variacional 32 48 16 4
(resposta múltipla). Os valores apresentados são
percentuais em relação ao número de usuários daquele tipo
de ferramenta em questão.
Tabela Q: As funcionalidades do CAD mais utilizadas
Tabela N: Funcionalidades mais usadas do CAD. pelas empresas.

Modelagem 2D 77,1 CAD

Variaciona
Wireframe

Paramétric
Modelage

Features

NURBS
(%)

Bezier/
Model.

Model.

Model.

Model.

Model.

Model.

Model.
Sólida
Modelagem Sólida 47,8

m 2D

l
Modelagem Wireframe 35
Modelagem Paramétrica 32,8
Modelagem Features 28,5 Empr 92,9 59,6 43,8 35 29,8 29,8 26,3 15,7
Modelagem Bezier/B-rep 22,8 esas
Modelagem NURBS 22,1
Modelagem Variacional 13,5
Tabela R: Porte da empresa versus funcionalidades
Tabela O: A autoconfiança versus uso das usadas do CAD.
funcionalidades.
CAD (%) Micro Pequena/ Grande Não
CAD (%) Média Respondeu
Aprendizad

Respondeu
Experiente

Novato
Expert

Não

Modelagem 2D 5,6 41,5 52,8 13,2


Em

Model. Wireframe 2,9 55,8 41,1 17,6


Model. Sólida 4 32 64 20
Modelagem 2D 6,7 53,6 9,7 20,1 9,7 Model. Paramétrica 0 45 55 25
Model. Sólida 11,7 58,5 7,4 4,2 18 Model. Bezier/ 5,8 41,1 52,9 35,2
Model. Wireframe 10 55 13,3 15 6,6 B-spline
Model. Paramétrica 11,1 68 6,9 9,7 4,1 Model. Features 0 47 52,9 11,7
Model. Features 10,5 54,3 7 5,2 22,8 Model. NURBS 6,6 16,6 46,6 26,6
Model. Bezier/B-spline 16,3 46,9 6,1 16,3 14,2 Model. Variacional 0 55,5 44,4 44,4
Model. NURBS 13,6 43,1 6,8 18,1 18,1
Model. Variacional 8 60 8 8 16

Tabela P: A formação acadêmica versus funcionalidades.


Tabela S: CAD mais utilizado nas empresas.

5
CAD (%) Empresas CAD (%) Usuários
AUTOCAD 94,7
AUTOCAD 70,3
MECHANICAL DESKTOP 26,3
PRÓ-ENGINEER 25,7
CIMATRON 14
MECHANICAL DESKTOP 11,3
MICRO STATION 14
CIMATRON 10
PRÓ-ENGINEER 12,2
MICRO STATION 8,7
POWERSHAPE 8,7
IDEAS 5,2
CATIA 7
CATIA 4,3
IDEAS 3,5
POWERSHAPE 3
UNIGRAPHICS 3,5
DUCT 3
SOLIDWORKS 3,5
EUCLIDE 2,1
DUCT 1,7
UNIGRAPHICS 1,3
VERSACAD 1,7
SOLIDWORKS 0,8
EUCLIDE 0
VERSACAD 0,4

Tabela T: Porte da empresas versus CAD mais utilizado.


Tabela V: CAD versus formação acadêmica.
CAD (%)
Respondeu

CAD (%) Nível Nível Nível Não


Pequena/

Grande
Média
Micro

Superior Médio Básico Respondeu


Não

AUTOCAD 46,5 41,6 8 3,7


PRÓ-ENGINEER 59,3 38,9 0 1,6
AUTOCAD 5,5 33,3 42,5 18,5 MECHANICAL 37,5 45,8 12,5 4,16
MECHANICAL 6,6 40 33,3 20 DESKTOP
DESKTOP CIMATRON 52,3 33,3 0 5,8
CIMATRON 12,5 37,5 37,5 12,5 MICRO 42,1 36,8 10,5 10,5
MICRO STATION 12,5 25 50 12,5 STATION
PRÓ-ENGINEER 0 28,5 57,1 14,2 IDEAS 41,6 58,3 0 0
POWERSHAPE 20 0 40 40 CATIA 50 40 0 10
CATIA 0 0 75 25 UNICAD 0 100 0 0
IDEAS 0 50 50 0 POWERSHAPE 28,5 14,2 0 28,5
UNIGRAPHICS 0 0 100 0 DUCT 0 85,7 0 14,2
SOLIDWORKS 0 0 100 0 EUCLIDE 60 40 0 0
DUCT 0 100 0 0 UNIGRAPHICS 100 0 0 0
VERSACAD 0 0 100 0 SOLIDWORKS 50 50 0 0
EUCLIDE 0 0 0 0 VERSACAD 100 0 0 0

Tabela U: CAD mais utilizado pelos respondentes. Tabela W: Importância e conferência.

6
CAD (%)

Aprendizado
Aprendizado

Respondeu
Experiente
Respondeu
Experiente

Novato
Novato

Expert
Expert

Não
CAD (%)

Não

Em
Em
Conheço bem esta 85.7 84.2 63.6 64.8 66.6 AUTOCAD 5,7 59,8 7,6 17,8 8,9
ferramenta PRÓ-ENGINEER 12 46,5 10,3 5,1 25,8
Este sistema é muito 85.7 88.4 81.8 91.8 86.6 MECHANICAL 11,5 46,1 3,8 23 15,3
importante para a DESKTOP
empresa CIMATRON 4,3 43,4 0 13 39,1
Na verdade este 8.3 15.7 9 16.2 20 MICRO STATION 0 40 0 15 45
sistema não é tão IDEAS 10 60 10 0 20
poderoso assim CATIA 0 30 0 10 60
Não é necessário para 21.4 18.1 13.6 16.2 13.3
UNICAD 0 62,5 25 12,5 0
a empresa que esta
ferramenta seja tão POWERSHAPE 0 100 0 0 0
sofisticada/complexa DUCT 0 28,5 0 71,4 0
A atividade da 0 10.7 13.6 2.7 3.3 EUCLIDE 20 60 0 0 20
empresa não requer UNIGRAPHICS 0 100 0 0 0
grande conhecimento SOLIDWORKS 0 100 0 0 0
sobre esta ferramenta VERSACAD 100 0 0 0 0
Este software não 8.3 17.3 9 13.5 16.6
precisa
necessariamente se Tabela Y: Funcionalidades mais usadas do CAE.
integrar com outros
Esta tecnologia já está 42.8 66.1 68.1 75.6 66.6 Análises Estruturais Estáticas 48,0
estabilizada Análises Estruturais Dinâmicas 38,0
Acho que preciso 42.8 18.1 27.2 21.3 20 Análise de Fluidos 40,0
conhecer mais sobre Análises Térmicas 30,0
isso Análises Cinemáticas 14,0
Os melhores sistemas 42.8 38.8 40.9 37.8 36.6 Problemas de contato 24,0
são os mais caros Problemas de Grandes Deformações 20,0
Todos os softwares 8.3 5.7 4.5 13.5 30 Problemas Interação Fluido/Estrutura 18,0
desta categoria são
iguais
O que é preciso para 14.2 17.3 4.5 24.3 3.3 Tabela Z: Funcionalidades mais usadas do CAM.
usar este software é só
prática Prog. de Máq. 2 eixos simultâneos 51,0
Esta ferramenta é 35.7 13.2 13.6 13.5 6.6 Prog. de Máq. 3 eixos 37,2
muito difícil de usar Prog. de Máq. 4 eixos 17,6
Este software 42.8 37.1 22.7 48.6 13.3 Prog. de Máq. 5 eixos 8,8
"conversa" facilmente Prog. de Máq. de Fresamento 29,4
com outros Prog. de Máq. de Torneamento 16,7
Este software precisa 57.1 22.3 27.6 27 23.3 Prog. de Máq. de Eletro-Erosão 19,6
de outros para que seja Prog. de Máq. Retíficas 4,9
útil para a empresa ou Prog. de Máq. Puncionadeiras 12,7
minha atividade

Tabela X: Autoconfiança versus CAD.


DISCUSSÃO

7
EXPERIÊNCIA DOS RESPONDENTES - caracteriza que entre as empresas que utilizam CAD para
Constatou-se que a média de idade dos respondentes é modelagem 2D, 41% são pequenas e médias empresas e
relativamente baixa, 31 anos, sendo porém de 9 anos o 52% são empresas de grande porte.
tempo médio de experiência profissional (significativo para
este público). Entretanto, avaliando a experiência média no GRANDE DIFUSÃO - De posse de todos os dados já
uso da ferramenta (6 anos, conforme Tabela B) pode-se obtidos e das informações levantadas anteriormente através
inferir que o uso da mesma é recente e que os profissionais das tabelas mencionadas, detectamos que a ferramenta mais
usuários tiveram que passar pelo processo de mudança, do difundida atualmente entre profissionais e empresas é sem
uso de metodologias tradicionais e manuais para o trabalho dúvida alguma a ferramenta CAD. Além disso, verificamos
auxiliado pelo computador. que os usuários de sistemas CAD possuem formação de
nível superior ou médio e consideram-se experientes no
Verifica-se pela Tabela H que a ferramenta utilizada assunto (Ver Figura 1).
diariamente pela maioria (61,1%) dos respondentes é a
ferramenta CAD, seguida do CAM (41,1%).
Nível
CAD Superior Experientes
Pela Tabela J, detectou-se que entre os respondentes Médio
que utilizam o CAD diariamente, a metade (50%) possui
formação de nível médio e 35% possui formação de nível
superior. Além disso, analisando os dados da Tabela K, Ferramenta Formação Auto-
verificou-se que a maioria (64,2%) dos usuários que fazem confiança
uso intensivo ou diário da ferramenta consideram-se
experientes no assunto. As demais ferramentas Figura 1. A grande difusão do CAD
mantiveram-se na mesma proporção em relação ao uso
diário, ou seja, cerca da metade ou mais dos respondentes A Tabela S mostra que há uma disponibilidade
que usam a ferramenta diariamente, consideraram-se muito grande do software AutoCAD entre as empresas,
experientes. A Tabela L confirma esses dados, mostrando pois a grande maioria delas (94,7%) dispõe deste software
que entre os usuários de CAD que se consideram como ferramenta de trabalho (provavelmente pelo fato do
experientes, a grande maioria representa profissionais com AutoCAD ser mais adequado para modelagem 2D). A
formação de nível superior (44,6%), ou nível médio Tabela T demonstra que esta disponibilidade é maior em
(42,9%). Fica claro a grande e esmagadora difusão da empresas maiores. Entre os usuários, o software mais
ferramenta CAD em relação as demais, sendo que tais utilizado também é o AutoCAD (70,3 % conforme a Tabela
usuários possuem uma boa formação acadêmica, e além do U). Apesar de ocorrer uma pulverização na disponibilidade
mais consideram-se experientes no assunto. da maioria dos demais softwares mencionados na pesquisa,
detectamos pela Tabela V que além do AutoCAD, o Pró-
Porém, a partir de uma análise da Tabela M, verificou- Engineer seguido do Mechanical Desktop, CIMATRON,
se que a confiança do usuário na sua própria qualificação, Micro-Station e Ideas estão relativamente difundidos. A
progride linearmente conforme a carga horária de Tabela X mostrou que a maioria (59,8%) dos usuários de
treinamento em patamares de 10 a 15 horas, sendo que a AutoCAD se considera experiente.
média de anos de experiência parece não afetar tanto e a
formação acadêmica também não parece estar diretamente PRANCHETA ELETRÔNICA – Na subutilização da
relacionada (ver Tabela L). ferramenta CAD, os usuários parecem não estar cientes das
potencialidades e aplicações desta ferramenta, pois apesar
FERRAMENTAS COMPLEXAS – A Tabela N que de apresentarem uma boa formação acadêmica, afirmarem
apresenta as principais funcionalidades utilizadas ser experientes no assunto, utilizam massivamente o
diariamente do CAD, mostrou que quanto mais complexa a software AutoCAD para a modelagem 2D.
funcionalidade, menor será seu grau de utilização, sendo
que a modelagem 2D foi apontada pela grande maioria A Tabela W, que relaciona perguntas abertas, mostra
(77,1%) dos respondentes como a principal finalidade de o ponto de vista dos respondentes em relação a ferramenta
utilização do CAD. A Tabela O e a Tabela P confirmam e CAD. A grande maioria (84,2%) dos usuários de CAD que
reúnem tudo aquilo que já foi levantado até aqui. A maioria se consideram experientes, afirmaram conhecer bem esta
(53,6% segundo a Tabela O) dos respondentes que utilizam ferramenta e 88,4% disseram estar cientes de que este
CAD para a modelagem 2D, se consideram experientes. Já sistema é muito importante para suas empresas. Além disso,
a Tabela P mostrou que a formação da grande maioria dos apenas uma pequena parcela (18,1%) dos profissionais que
usuários de CAD para modelagem 2D é de nível médio se julgam experientes, tiveram a humildade de admitir que
(42,8%) ou superior (43,4%). A Tabela Q demostra que, precisam saber mais sobre a ferramenta. Lembramos que
entre as empresas, a modelagem 2D também é a principal como já foi detectado, o CAD vem sendo subtilizado, e
funcionalidade CAD utilizada (92,9% das empresas portanto uma necessidade de maiores conhecimentos
utilizam CAD para modelos 2D). Além disso, a Tabela R

8
deveria estar presente entre os usuários. Porém, quando se CAM mal chegue aos 50% e do CAE, nem chegue aos
questionou se o que era preciso então para a utilização do 20%. Isto mais uma vez reforça a importância da
sistema era só prática, apenas uma minoria (17,3%) afirmou ferramenta CAD e do seu uso efetivo.
que sim. Poderia-se pensar que conhecimento teórico e
prático seriam parâmetros complementares, mas como foi CONCLUSÃO
detectado, isto não está ocorrendo. O mais estranho é que,
independentemente da experiência do respondente, seja ele A conclusão a que se chega pela análise dos dados é
um expert ou esteja em fase de aprendizagem, a humildade que a formação acadêmica, tanto a nível técnico quanto de
de achar que precisa conhecer mais sobre a ferramenta, terceiro grau, está ainda bastante omissa nos aspectos de
tanto na prática como na teoria, apareceu muito reduzida, qualificação (embasamento teórico abrangente) quanto
com valores percentuais muito baixos. treinamento (conhecimento específico, profundo e prático
em um sistema específico). Isto pode ser avaliado pois
Infere-se pela visão dos respondentes, que os somente os usuários que tiveram treinamento significativo
profissionais se consideram experientes por usarem diária e (mais de 60 horas) tem usado as ferramentas de forma
intensivamente a ferramenta CAD para modelagem 2D. consciente e produtiva. Ao contrário, aqueles que
Além disso, de um modo geral, tanto aprendizes quanto receberam pouco treinamento tem usado as ferramentas de
experientes, demonstram desconhecimento sobre as forma bastante básica.
potencialidades e utilidades dos sistemas CAD, uma vez
que afirmam a pouca necessidade de mais prática e mais Há uma disseminação significativa em relação ao uso
conhecimento teórico, mesmo subtilizando o sistema. da ferramenta CAD mas esta tem sido usada basicamente
como “prancheta eletrônica”, ou seja, para substituir pelo
Das demais ferramentas a que mais se sobressai na computador o trabalho que antes era feito em pranchetas,
região é o CAM seguida pela ferramenta CAE, não não trazendo tantos benefícios a nível de produtividade, por
contrariando a origem do CIM quando objetivava-se exemplo.
basicamente a integração das ferramentas CAD e CAM [7].
Para todas as ferramentas entretanto, e também para o Oliveira [6] relata que “não subsistem muitas dúvidas
CAM, o seu uso tem sido maior onde os recursos estão quanto a superioridade dos sistemas de CAD sobre os
mais bem solidificados transparecendo também uma métodos tradicionais de projeto de engenharia, entretanto,
relativa subutilização da ferramenta (ver Tabela Y e Tabela ele ressalta que as bases continuam sendo as mesmas, ou
Z). Porém, tanto para o CAM quanto para o CAD, a seja, o desenho técnico científico com as devidas
subutilização da ferramenta é compensada pelo alto grau de adaptações e complementações relacionadas a edição
disseminação das mesmas. gráfica nos sistemas informatizados, ainda é pré-requisito
para o uso efetivo e produtivo da ferramenta.
É interessante notar na Tabela E que há um grande
percentual de uso casado das ferramentas CAD e CAM. Uma conclusão a que pode se chegar é que ainda não
Entretanto, observa-se que pelas respostas espontâneas da se está no nível de aculturação e adaptação tecnológica para
Tabela H ainda persiste um alto percentual de problemas entender as benesses das ferramentas. Ainda predomina o
relacionados a integração dos dados gerados pelo CAD pensamento de que a disciplina de desenho técnico deve ser
para serem aproveitados pelas demais ferramentas. aprendida com esquadros e transferidores. Como se para se
usar um editor de texto tivessemos que conhecer uma
Acredita-se entretanto que os dados sobre a utilização máquina de datilografar mecãnica. O que é necessário para
das ferramentas CAM e CAE possam ainda ser piores pois ambos os casos, entretanto, é saber datilografar.
quando certos respondentes foram questionados sobre qual Semelhantemente, o que é necessário sempre (com ou sem
ferramenta específica de CAM usava, foram obtidas o computador) é ter técnica apropriada (conhecimento) e
respostas como CAD/CAM, CNC, FREZA, PCP, metodologia (bons procedimentos). O computador não faz
TORNEAMENTO, PRENSA, dentre outras. Isto milagres. Ele é uma ferramenta que precisa ser entendida
demonstra, mais uma vez, um certo desconhecimento para ser realmente útil.
conceitual sobre o escopo e funcionalidade de cada
ferramenta. Os treinamentos que as empresas fornecedoras devem
oferecer poderiam ser cada vez mais direcionados e focados
Deve-se considerar ainda que a subutilização da para a solução do problema do usuário/empresa. Isto só
ferramenta CAD como mera ´prancheta eletrônica´ pode será verdade se o usuário já vier com conhecimento prévio
estar repercutindo no uso limitado das demais ferramentas, e abrangente sobre a tecnologia (seja da Universidade seja
notadamente o CAM e o CAE, uma vez que estas se da Escola Técnica ou ainda de sua experiência acumulada).
utilizam mais das informações 3D oriundas do CAD.
Considerando ainda a complexidade inerente destas duas Um bom plano de treinamento para empresas grandes
ferramentas e aos problemas de transferencia de dados continua a ser recomendado entretanto, mesmo que as
entre os sistemas faz com que os índices de utilização do

9
Universidades e Escolas Técnicas implantem processos Modelagem Paramétrica, esta tem interpretações diferentes
sérios de qualificação nas respectivas tecnologias. Isto se no meio acadêmico e profissional, ou seja, além de tudo,
deve ao fato de que as industrias tem maior capacidade de cada funcionalidade precisaria ser melhor definida para
adquirir softwares nas versões mais atualizadas, na qual o evitar interpretações por parte do respondente.
profissional vai efetivamente trabalhar.
Os conceitos de expert e experiente foram
Talvez fosse interessante criar um índice que pudesse respondidos, segundo a nossa inferência, no montante de
refletir a relação entre o nível tecnológico de uma industria carga horária de treinamento e não, como deveria ser, em
específica em relação a média das industrias do seu relação ao efetivo conhecimento do usuário. Os resultados
setor/porte. Isto serviria como indicador de benchmarking alcançados foram muito subjetivos. Num próximo
entre as empresas. questionário, esta questão deverá ser removida ou esses
conceitos deverão ser claramente definidos para o
DIGRESSÃO SOBRE O ENSINO – Pode-se dizer respondente.
que ao se ensinar o desenho técnico/cientifico, em especial
quando bem consolidados princípios da Geometria Um problema encontrado em relação a pergunta
Euclidiana e Mongeana entre outros, possibilita-se ao aberta sobre qual software é mais utilizado, foi que isto
educando o desenvolvimento do raciocínio geométrico levou a uma variedade muito grande e até erros nas
espacial além da base matemática. Este ensino não precisa respostas, tanto de caligrafia (CMOLD ou SIMOLD),
ser realizado necessariamente com régua e esquadro mas, quanto de conceito (CAD/CAM como resposta de: Qual
no momento não vejo nenhuma ferramenta computacional ferramenta de CAM usava?). Como proposta para um
que possibilite este resultado de forma satisfatória. Isto é próximo questionário, os softwares deverão ser
devido ao fato de que os sistemas CAD são concebidos previamente listados no questionário.
justamente para que não exista a necessidade de saber que
ferramentas geométricas (conceitos fundamentais) devem AGRADECIMENTOS
ser utilizados, e sim o resultado obtido. Uma metodologia
eficiente de ensino de Geometria utilizando CAD’s não é Aos alunos de graduação e pós-graduação que
do meu conhecimento neste momento. Acredito que o ajudaram a aplicar os questionários. Especial
mercado de Software educacional, este sim está carente de agradecimento ao colega Roberto Sílvio Ubertino Rosso Jr.
uma ferramenta para este fim. Realizar a educação básica pelos valiosos comentários sobre o texto. Também gostaria
em princípios geométricos em ferramentas CAD, se por um de agradecer ao CNPq por ter financiado parte desta
lado pode levar a um uso mais rápido e, aparentemente pesquisa.
mais eficiente das ferramentas, por outro lado pode levar o
educando a se bitolar ao uso de determinados tipos de CAD REFERÊNCIAS
e dificultar uma posterior migração, que certamente ele
terá que fazer, quando chegar na industria. Não por usar [1] ARAÚJO, Claudiano Sales de. An Investigation of
CAD X ou Y, mas porque não sabe os fundamentos the Use of Design Methods, 1996.
geométricos.
[2] COSTA, L. S. Salles; CAULLIRAUX, Heitor.
Assim, para este momento, defender o ensino de Manufatura Integrada por Computador. Editora
desenho apenas no computador pode parecer uma solução Campus. Rio de Janeiro. 1995.
avançada. Entretanto, os desdobramentos desta filosofia
podem levar a uma geração de usuários CAD sem a menor [3] FILHO, R. F. CAD na Industria: Implantação e
sensibilidade geométrica/espacial e sem entender a Gerenciamento. Editora da UFRJ. 1996.
correlação do que fazem com princípios matemáticos.
Corre-se o risco de ter se criado uma geração de [4] HOUNSELL, Marcelo S.. O estado-do-ofício da
“operadores de CAD” ao invés de usuários da ferramenta. automação e da integração da manufatura. 3º
E aí teremos menor eficiência na industria. Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento
de Produto. Florianópolis, SC – 25-27 Setembro de
AUTO-CRÍTICA - A intensidade do uso das 2001.
funcionalidades acabou por ser subjetivo, pois não
corresponde claramente ao número de horas efetivas [5] MCMAHON C and BROWNE, J. CAD/CAM: From
durante o uso da ferramenta, que era o objetivo inicial desta Principles to Practice. Addison-Wesley. 1993.
análise, porém isto seria difícil de ser respondido e
averiguado. A classificação dos diversos tipos de [6] OLIVEIRA, Vanderli Fava de, SOUZA, Glauco
funcionalidades embutidas nos softwares é evolutiva, Singulani de, MARESGUIA, Erike Caputo. Prancheta
mutável e vem crescendo, o que torna esta avaliação difícil, x computador: diferenças conceituais e vantagens
sazonal e obsoleta rapidamente. Especificamente sobre projetuais. In: 11º Simpósio Nacional de Geometria

10
Descritiva e Desenho Técnico, 1994, Recife. Graphica
94. v.2. p.231-238. 1994.

[7] REMBOLD, U.; NNAJI, B. O. and STORR, A.


Computer Integrated Manufacturing and
Engineering. Addison-Wesley. 1993

[8] SCHEER, A. W.. CIM Evoluindo para a Fábrica do


Futuro. Editora Qualitymark. Rio de Janeiro. 1993.

[9] SLACK, Nigel ; CHAMBERS, Stuart; HARLAND,


Christine; HARRISON, Alan; JOHNSTON, Robert.
Administração da Produção. São Paulo: Editora
Atlas S.A. 1997

11
12