Você está na página 1de 3

Sociologia Clássica

A Sociologia volta-se o tempo todo para os problemas que o homem


enfrenta no dia-a-dia de sua sociedade. Ela pretende ser um conhecimento
científico sobre a realidade social e, enquanto tal, visa estabelecer teorias,
bem como confrontá-las com a realidade.

Cientificismo e organicismo de Comte

A primeira corrente teórica sistematizada de pensamento sociológico foi


o positivismo. Seu primeiro representante foi Auguste Comte. Tinha a
crença no poder exclusivo e absoluto da razão humana em conhecer a
realidade e traduzi-la sob forma de leis naturais.Seu conhecimento
pretendia substituir as explicações teológicas, filosóficas e de senso comum
por meio das quais – até então – o homem explicava a realidade.

Essa tentativa de derivar as ciências sociais das ciências físicas é patente


nas obras dos primeiros estudiosos da realidade social. O próprio Comte
deu inicialmente o nome de “física social” às suas análises da sociedade,
antes de criar o termo Sociologia.

A própria sociedade foi concebida como um organismo constituído de


partes integradas e coesas que funcionavam, harmonicamente, segundo um
modelo físico ou mecânico. Por isso o positivismo também foi chamado de
organicismo.

Defendia o ponto de vista de somente serem válidas as análises das


sociedades quando feitas com verdadeiro espírito científico.

O positivismo exaltava a coesão social e a harmonia dos indivíduos em


sociedade. Foram teorias que abriram as portas para uma nova concepção
da realidade social com suas especificidades e regras.

Durkheim e os fatos sociais

Para o filósofo francês Émile Durkheim, na vida em sociedade o homem


defronta com regras de conduta que não foram diretamente criadas por ele,
mas que existem e são aceitas na vida em sociedade, devendo ser seguidas
por todos.

Seguindo essas ideias, Durkheim afirma que os fatos sociais, ou seja, o


objeto de estudo da Sociologia, são justamente essas regras e normas
coletivas que orientam a vida dos indivíduos em sociedade.
Esses fatos sociais têm duas características básicas que permitirão sua
identificação na realidade: são exteriores e coercitivos.

Exteriores, porque consistem em ideias, normas ou regras de conduta,


foram criadas pela sociedade e já existem fora dos indivíduos quando eles
nascem.

Coercitivos, porque essas ideias, normas e regras devem ser seguidas pelos
membros da sociedade. Se alguém desobedece a elas, é punido pelo resto
do grupo.

Outro conceito importante para Émile Durkheim é o de instituição. Para


ele, uma instituição é um conjunto de normas e regras de vida que se
consolidam fora dos indivíduos e que as gerações transmitem umas as
outras. Ex.: a Igreja, o Exército, a família, etc.

As instituições socializam os indivíduos, fazem com que eles assimilem as


regras e normas necessárias à vida em comum.

Weber e a ação social

Para o sociólogo alemão Max Weber a análise deve concentrar-se nos


atores e em suas ações; a sociedade não é algo exterior e superior aos
indivíduos, como para Durkheim. Para ele é qualquer ação que o indivíduo
pratica orientando-se pela ação de outros.

Só existe ação social quando o indivíduo tenta estabelecer algum tipo de


comunicação, a partir de suas ações, com os demais.

Ele estabelece quatro tipos de ação social:

 Tradicional: aquela determinada por um costume;


 Afetiva: aquela determinada por afetos;
 Racional com relação a valores: determinada pela crença
consciente num valor considerado importante;
 Racional com relação a fins: determinada pelo cálculo racional que
estabelece fins e organiza meios necessários.

Marx e as classes sociais

Diferentemente de Durkheim e Weber, Karl Marx considerava que não se


pode pensar a relação indivíduo-sociedade separadamente das condições
materiais em que essas relações se apoiam.
Para viver, os homens têm de, inicialmente transformar a natureza Para
Marx, a produção é a raiz de toda a estrutura social.

O objetivo maior de Marx era estudar a sociedade de seu tempo – a


sociedade capitalista.A produção na sociedade capitalista só se realiza
porque capitalistas e trabalhadores entram em relação.

Marx considerava que há um permanente conflito entre essas duas classes –


conflito que não é possível resolver dentro de sociedade capitalista.

Para ele, a ciência tem um papel político necessariamente crítico em


relação à sociedade capitalista.

A ideia de alienação

Marx desenvolve o conceito de alienação mostrando que a industrialização,


a propriedade privada e o assalariamento separavam o trabalhador dos
meios de produção que se tornaram propriedade privada do capitalista.

Marx mostrou, entretanto, que na sociedade de classes esse Estado


representa apenas a classe dominante e age conforme o interesse desta.

Você também pode gostar