Você está na página 1de 5

Choque Hipovolêmico

O choque hipovolêmico é a perda de grandes quantidades de sangue e líquidos, que


pode levar à morte rapidamente. Pode ser causada por diarreia, vômito, hemorragias,
inflamações, em casos de doenças como a cólera ou acidentes.Numa situação de choque
hipovolêmico o coração recebe uma menor quantidade de sangue que é distribuída em
menor quantidade para o corpo afetando o funcionamento dos órgão vitais.A morte
causada por redução brusca da quantidade de líquidos do corpo só ocorre se a
quantidade de sangue e líquido perdida corresponder a 1/5 do volume total da
quantidade de sangue de um ser humano. Significa que se um pessoa perde
aproximadamente 1 litro de sangue, ela estará em choque hipovolêmico.

O choque hipovolêmico resulta da perda de líquidos e fluídos corporais, quando


relacionado com perda de sangue, é conhecido como Choque Hemorrágico.

Fisiopatologia

A isquemia miocárdica leva a uma deficiência na contratilidade cardíaca, causando um


baixo débito, o que resulta em hipotensão e baixa perfusão sistêmica. É muito comum a
associação com o IAM, onde já se tem área de necrose e a contratilidade está
prejudicada. A hipoperfusão e o débito prejudicados levam a hipóxia e ao aparecimento
de várias substâncias endógenas que debilitam ainda mais a função cardíaca, podendo
levar a um aumento da área de necrose e aparecimento de arritmias. A função
ventricular pode ser ainda mais prejudicada pelo desenvolvimento de mecanismos
compensatórios que levam a um maior consumo de oxigênio.

Sinais e Sintomas

 Respiração e pulso rápido;


 Palidez ou pele azulada;
 Lentidão no repreenchimento capilar;
 Pele úmida e fria;
 Transpiração forte;
 Pupilas dilatadas;
 Olhos escuros e fundos;
 Ânsia, vômito e náusea;
 Perda da consciência em choque profundo.
Tratamento:

Visa restaurar o volume intravascular, redistribuir o volume hídrico e corrigir a causa


básica.

Tratamento da causa básica: se o paciente estiver num processo de hemorragia, esta


deve ser interrompida o mais rápido possível, através da pressão sobre o local do
sangramento ou pode ser necessário uma cirurgia para estancar o sangramento intenso.
Se a causa da hipovolemia for diarréia ou vômito, devem ser administrados
medicamentos.

Reposição hídrica e sangüínea: primeiramente, devem ser instalados dois acessos


intravenosos que permitem a administração simultânea de líquidos e derivados do
sangue. É necessário administrar líquidos que permaneçam dentro do compartimento
intravascular, evitando assim, criação de deslocamento de líquidos do compartimento
intravascular para o compartimento intracelular.

• Ringer lactato e cloreto de sódio: são líquidos cristalóides, isotônicos, que se deslocam
livremente entre os compartimentos líquidos do corpo, não permanecendo no sistema
vascular.

• Colóides: albumina e dextran a 6 %. O dextran não é indicado se a causa do choque


hipovolêmico for hemorragia, pois ele interfere com a agregação plaquetária. E a
albumina, expande rapidamente o volume plasmático, porém depende de doadores
humanos.

• Derivados do sangue: só podem ser usados se a causa do choque for uma hemorragia.
A papa de hemácia é dada para melhorar a capacidade de transporte de oxigênio do
paciente e juntamente com outros líquidos que irão expandir o volume.

• Auto transfusão: coleta e retransfusão do próprio sangue do paciente, e pode ser


realizada quando o paciente está sangrando para dentro de uma cavidade fechada, como
tórax ou abdome.

Redistribuição de líquidos: o posicionamento do paciente, corretamente, ajuda na


redistribuição hídrica (posição de Trendelemburg modificada - eleva-se as pernas do
paciente e o retorno venoso é favorecido pela gravidade.

As calças militares anti-choque (CMAC) podem ser usadas nas situações de extrema
emergência, quando o sangramento não pode ser controlado, como nos casos de
traumatismo ou sangramento retro peritoneal. Este dispositivo é um torniquete de três
câmaras, que é enrolado nas pernas e tronco do paciente, e depois inflado no sentido de
forçar o sangue das extremidades inferiores para a circulação superior. O dispositivo
ajuda a controlar a hemorragia, aplicando pressão sobre o local do sangramento.
Obs.: Uma vez inflada, as CMAC não devem ser esvaziadas bruscamente por causa do
risco de uma queda rápida e grave da pressão arterial. Devem ser esvaziadas lentamente
(durante 30 a 60 minutos) ao mesmo tempo que se administram líquidos.

Medicamentos: Caso a administração líquida falhar na reversão do choque, deve-se


fazer uso dos mesmos medicamentos dados no choque cardiogênico , porque o choque
hipovolêmico ao não ser revertido evolui para o choque cardiogênico (o "círculo
vicioso).

Se a causa clássica da hipovolemia tiver sido desidratação serão prescritos


medicamentos como insulina que será administrada aos pacientes com desidratação
secundária a hiperglicemia, desmopressina (DDVP) para diabetes insípidus, agentes
anti-diarréicos para diarréia e anti-eméticos para vômito.(BRUNNER, 1998).

CHOQUE

O choque é uma síndrome caracterizada por uma incapacidade do sistema


circulatório em fornecer oxigênio e nutrientes aos tecidos de forma a atender
suas necessidades metabólicas. Essa incapacidade pode ser causada por
diferentes motivos, caracterizando o tipo de choque, que pode ser:
hipovolêmico, séptico ou toxêmico, neurogênico ou cardiogênico, sendo que em
algumas bibliografias podem ser encontrados outros tipos de classificações.

Na emergência o tipo de choque mais comum é o hipovolêmico; os primeiros


cuidados serão baseados nessa possibilidade.

O paciente chega na emergência

– Com história de perda volêmica significativa por sangramento interno

ou externo, vômitos excessivos, diarréia,

desidratação, diabete insípido,

queimaduras, ascite, entre outras

situações.

– Pode referir sede e mal-estar ou

– Estar tão agitado e confuso ou inconsciente


que não possa expressar

sintomas.

40 SOARES, GERELLI E AMORIM

Você percebe no paciente

– Inquietação, agitação.

– Taquipnéia.

– Palidez cutânea.

– Sudorese.

– Extremidades cianóticas.

Possível diagnóstico médico

Choque hipovolêmico.

Cuidados de enfermagem imediatos

t Posicionar o paciente em decúbito dorsal e cabeceira reta ou em


Trendelenburg.

– Obter um (ou mais) acesso venoso calibroso e instalar solução fisiológica, se


protocolo.

– Medir e comunicar alterações na freqüência cardíaca, como;

• taquicardia;

• bradicardia.

– Monitorar e comunicar alterações respiratórias, como:

• taquipnéia;

• dispnéia e tiragens.

– Medir PA e comunicar hipotensão.

– Observar e comunicar alterações do nível de consciência, como:

• agitação;
• sonolência;

• apatia;

• inquietação;

• desconforto e mal-estar.

– Observar e comunicar alterações na perfusão periférica, como:

• cianose;

• palidez cutânea;

• pele fria;

• sudorese.

– Monitorar a infusão de líquidos.

– Aguardar a avaliação e a prescrição médica e realizar rigorosamente os itens


prescritos.

t Quando a evolução do choque torna-se grave, as intervenções terapêuticas

podem tornar-