Você está na página 1de 11

Índice

1. Introdução..................................................................................................................2
2. Objetivo......................................................................................................................3
2.1 Objetivo Geral:............................................................................................................3
2.2 Objetivos Específicos:.................................................................................................3
3. Metodologia...............................................................................................................4
4. Elasticidades da Procura e da Oferta..........................................................................5
4.1 Elasticidade - Preço da Procura...................................................................................5
4.2 Elasticidade-Preço da Oferta.......................................................................................7
5. Conclusão.................................................................................................................10
6. Referencias Bibliografias............................................................................................11

1
1. INTRODUÇÃO

A microeconomia estuda os factores que determinam os preços relativos dos bens e


serviços. Frequentemente é importante saber como as variações numa variável afectam
outra variável qualquer, pois as variações de uma e outra podem estar muito ou pouco
relacionadas, sendo o conhecimento dessa relação útil para a tomada de políticas da
empresa ou do Estado.

Por exemplo, pode-se querer saber se o aumento do combustível para a circulação viária
ou a baixa do rendimento disponível, devido à subida de impostos, afecta o número de
acidentes, de mortos e de feridos na circulação rodoviária. O aumento do preço da tutela
judiciária pode afectar a procura pela resolução de litígios pelos tribunais ou o aumento
do preço dos serviços de saúde pode diminuir a procura por este bem, tendo como
consequência uma maior morbidade da população, sobretudo dos indivíduos com
rendimentos baixos.

Interessa descrever o modo como se mede a sensibilidade da procura e da oferta de


vários bens a variações dos preços desses bens, de bens complementares e substitutos e
do rendimento. Essa medida entre as variações percentuais designa-se por
ELASTICIDADE, a qual é igual ao
quociente da variação percentual da quantidade pela variação percentual da variável que
provocou a variação na quantidade, seja o preço ou o rendimento.

A fim de se abstrair do modo como os bens são medidos utilizam-se as variações


percentuais das variáveis a serem estudadas, permitindo ultrapassar as medidas
diferentes das variáveis, pois não se podem comparar variáveis que são medidas em
diferentes unidades. Ao compararem-se as variações percentuais de duas variáveis
poderá conhecer-se a existência de uma relação causa-efeito entre as mesmas.

Começamos por analisar a elasticidade-preço da procura. As variações percentuais de


cada variável são independentes das unidades em que são medidas as variáveis. O rácio
de duas percentagens é um número sem unidades.

2
2. OBJETIVO

2.1 Objetivo Geral:


Objetivo geral da disciplina é possibilitar que o aluno compreenda as formulações
teóricas estudadas na microeconomia e criar nos mesmos as competências para
aplicações na organização.

2.2 Objetivos Específicos:

 Desenvolver no aluno a capacidade de raciocinar criticamente por meio das


análises microeconômicas.
 Possibilitar ao aluno a compreensão do funcionamento do mercado, bem como
da formação dos preços dos bens e serviços em diferentes estruturas de mercado.
 Levar ao aluno entendimento dos fundamentos teóricos dos mercados eficientes
e das intervenções do governo para corrigir as falhas na economia.

3
3. METODOLOGIA
A metodologia foi desenvolvida a partir da unificação dos dois modelos de regulação
econômica. As considerações finais apontam que referida metodologia identifica o nível
de desequilíbrio em relação ao contrato assinado, a possibilidade da unificação dos
modelos de regulação bem como, que é possível a sua aplicação nas empresas de
distribuição de energia do setor elétrico, pois que a regulação econômica se aplica a
todas as concessionárias. Com algumas adaptações, também é possível a aplicação desta
proposta nas revisões tarifárias periódicas, que ocorrerão futuramente.

4
4. ELASTICIDADES DA PROCURA E DA OFERTA
Elasticidade é o tamanho do impacto que a alteração em uma variável (ex.: preço)
exerce sobre outra variável (ex.: demanda).

"Em sentido genérico, é a alteração percentual de uma variável, dada a alteração


percentual em outra, ceteris paribus. Assim, elasticidade é sinônimo de sensibilidade,
resposta, reação de uma variável, em face de mudanças em outras variáveis".

Uma variável "elástica" responde bastante a pequenas mudanças de outras variáveis. Do


mesmo modo, uma variável "inelástica" não responde a mudanças em outras variáveis.

4.1 ELASTICIDADE - PREÇO DA PROCURA


A elasticidade-preço da procura mede a sensibilidade da quantidade procurada de um
bem relativamente a variações do seu preço. Define-se formalmente a elasticidade da
procura de um bem em relação a variações do seu preço, que designamos por η, como o
cociente da variação percentual da quantidade de um bem X (efeito) em relação a uma
variação percentual do seu preço (causa), do seguinte modo:

ou, mais formalmente:

onde η representa a elasticidade, Δx representa a variação da quantidade (o significado


da letra grega Δ representa uma variação que pode ser positiva, negativa ou nula), x
significa a quantidade procurada, ΔP representa a variação do preço e P representa o
preço.

Pode ainda representar-se a elasticidade da seguinte forma

Nesta última fórmula podemos observar que a elasticidade pode ser entendida como o
rácio da derivada da função procura, dx/dP, (função marginal) pela divisão da função

5
procura pelo preço (função média). Assim, a derivada de uma função num ponto é igual
a:

Por exemplo, considere-se a função procura dada pela expressão X=100- 2P. a função
marginal será

e a função média será

Pelo que a elasticidade será dada por

Se neste caso o preço for igual a 5, o valor absoluto da elasticidade será

sendo a procura rígida.

A elasticidade diz-nos qual a variação do montante relativo da quantidade procurada em


resposta a uma variação do preço de um determinado bem X. Por exemplo, considere-se
que uma subida de 10% do preço do combustível leva a uma redução da quantidade
procurada de 1%.

Substituindo na fórmula estes valores obtém-se

Uma elasticidade da procura de -0,1 significa que 1% de aumento do preço do


combustível leva apenas a 0,1% de diminuição da procura por combustível. Note-se que
na fórmula da elasticidade tem-se em consideração as variações percentuais, que são
quantidades relativas, porque as variações percentuais são independentes das unidades
escolhidas, como referimos.

6
No caso da elasticidade-preço da procura, o preço e a quantidade procurada, para os
bens normais e superiores, estão inversamente relacionados, de acordo com a lei geral
da procura. Assim, quando o preço aumenta de P0 para P1, (tem-se a variação ΔP = P1-
P0), a quantidade procurada diminui de x0 para x1 (sendo a variação dada por Δx = x1-
x0), o que está evidenciado no gráfico seguinte:

Como a quantidade procurada varia inversamente com as variações do preço, a


elasticidade- preço da procura é negativa. Contudo, para efeitos práticos, interessa saber
qual é o valor da elasticidade em valor absoluto (ou em módulo), o que significa que
não se atende ao sinal negativo. É o valor da elasticidade em termos absolutos que nos
indica a sensibilidade da quantidade procurada de um bem a variações do preço desse
bem.

Porque uma variação positiva no preço leva a uma variação negativa na quantidade
procurada, o valor da elasticidade da procura-preço é um valor negativo (excepto para
os bens Giffen). Mas é a magnitude, ou o valor absoluto, da elasticidade da procura
preço que nos indica quanto a quantidade procurada de um bem reage a uma variação
do preço. Assim, para comparar as elasticidades-preço da procura usa-se a magnitude, o
valor absoluto, da elasticidade, ignorando-se o sinal negativo.

4.2 ELASTICIDADE-PREÇO DA OFERTA

Elasticidade é um conceito importante dentro da microeconomia, referindo-se ao


tamanho do impacto que a alteração em uma variável exerce sobre outra variável.
Recebe o nome de elasticidade-preço da oferta a alteração percentual na quantidade
oferecida, que ocorre em resposta a uma variação de 1% no preço de certo bem ou

7
serviço. Ela medirá o grau de sensibilidade da quantidade oferecida perante variações
no preço.
A elasticidade-preço da oferta é útil para verificar o quão sensível o fornecimento de um
bem apresenta-se diante de uma mudança de preço: quanto maior a elasticidade-preço,
os produtores e vendedores mais sensíveis estão às mudanças de preço. Um cenário de
elasticidade-preço elevado sugere que quando o preço de um determinado bem sobe, os
vendedores irão fornecer uma quantidade bem menor do bem que produzem; quando o
preço do mesmo bem cai, os vendedores passarão a ofertar quantidades bastantes
superiores do mesmo bem. Se a elasticidade-preço for muito baixa, a situação será
exatamente oposta, ou seja, que as mudanças nos preços exercem pouca influência sobre
a oferta.

Dependendo do comportamento das variáveis presentes no cálculo da elasticidade-preço


da oferta, esta pode se apresentar de várias maneiras, a saber:
 Oferta unitária - a elasticidade-preço da oferta unitária (igual a 1) quando a
uma variação de 1% no preço, corresponde a uma variação de 1% na quantidade
oferecida.
 Oferta rígida - ocorre oferta rígida quando a uma variação de 1% no preço
corresponde uma variação inferior a 1% na quantidade oferecida.
 Oferta elástica - verifica-se uma situação de oferta elástica quando a uma
variação de 1% no preço correspondente a uma variação superior a 1% na
quantidade oferecida.
Constituem casos extremos da elasticidade-preço da oferta a oferta infinitamente
elástica, cujo gráfico é uma simples linha horizontal, partindo de algum ponto da
grandeza preço.

O extremo a esta situação é chamado de oferta perfeitamente rígida, onde a quantidade


oferecida não responde a variações de preço. Seu gráfico constituirá uma linha
perpendicular partindo de um ponto qualquer da grandeza quantidade.

Para melhor compreensão do significado das variações na elasticidade-preço da oferta,


bem como suas outras formas, é sempre importante notar que:

8
 Se EPO > 1, então a oferta é elástica (uma oferta é sensível a variações de
preços)
 Se EPO = 1 então a oferta é elástica unitária
 Se EPO < 1, então a oferta é inelástica, ou rígida (uma oferta não-sensível a
variações de preços)
É sempre importante ignorar o sinal negativo quando se analisa a elasticidade de preços,
sendo as EPOs sempre positivas.

9
5. CONCLUSÃO

Conforme Adam Smith, autor da celebre obra A riqueza das Nações, “O consumo é o


objetivo e o desígnio único de qualquer produção”.

Nada mais direto para adentrar uma reflexão sobre como agem dois dos mais
importantes mecanismos por trás das tendências da economia de mercado, oferta e
procura, figuras tidas como responsáveis pela quantidade, disponibilidade e preço de
tudo o que é produzido e/ou comercializado.

Seus efeitos se manifestam a partir de decisões, abstenções ou restrições de consumo.


Entretanto, apesar de sofrer influências no campo das escolhas individuais, mesmo
sendo tais predisposições coadjuvantes significativos no desdobramento das coisas, o
mercado é igualmente vulnerável a outros tipos de ações cuja ocorrência é mais
frequente do que seria razoável admitir.

10
6. REFERENCIAS BIBLIOGRAFIAS
1. ↑ VASCONCELOS, Marco Antonio Sandoval de. Economia Micro e Macro. São
Paulo. Editora Atlas (2001)
2. ↑ a b c Mankiw, N. Gregory (2020). Introdução à economia . São Paulo: [s.n.] OCLC
1265042696

MANKIW, N. Gregory. Introdução à Economia. São Paulo: Pioneira Thomson


Learning, 2009. Caps. 1
e 2.
PINHO, D. B.; VASCONCELLOS, M. A. S. de (Orgs.). Manual de Economia: equipe
de professores da
USP. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2004. Cap.1.

MOFFATT, Mike. Price Elasticity of Supply (em inglês). Disponível em


<http://economics.about.com/cs/micfrohelp/a/supply_elast.htm>. Acesso em: 11 set.
2011.
SIMÕES, Patrícia Alexandre Pereira. Elasticidade da Oferta e da Procura Disponível
em <http://prof.santana-esilva.
pt/economia_e_gestao/trabalhos_06_07/ppt/Elasticidade%20da%20Oferta%20e%20da
%20Procura.pdf>. Acesso em: 11 set. 2011.

11

Você também pode gostar