Você está na página 1de 15

SIMULADO DE MATEMÁTICA

TURMA 9 ANO MILITAR


ESTILO EPCAR
25 QUESTÕES OBJETIVAS
DATA 20 DE MARÇO DE 2010

QUESTÃO 1
Sabendo que n!  1 2  3  4    n 1  n para n  1 , a quantidade de zeros consecutivos no final da
expansão decimal do número  8!! é
a) 249
b) 1000
c) 5038
d) 10000
e) 10076

RESPOSTA: e

RESOLUÇÃO:
8!!  40320!
O número de zeros consecutivos ao final de 40320! é
 40320   40320   40320   40320   40320   40320 
 5    25    125    625    3125    15625  
 8064  1612  322  64  12  2  10076

REFERÊNCIA: SMT 2009

QUESTÃO 2
Quando se acrescenta ao numerador e ao denominador de uma fração irredutível, a quarta parte do
denominador, o valor da fração aumenta em sua sétima parte. A soma do numerador e do denominador da
fração original é:
a) 7
b) 9
c) 11
d) 19
e) 21

RESPOSTA: d

RESOLUÇÃO:
MDC  p,q   1
q
p
4  p  1  p  4p  q  p  p  28p  7q  35p  5p  12p  7q  p  7
q q 7 q 5q q 7q q 12
q
4
p  q  7  12  19

REFERÊNCIA: Olimpíada Nacional Escolar de Matemática 2005 (Peru)

QUESTÃO 3
A sucessão infinita 1234567891011121314151617 é obtida escrevendo-se os números inteiros
positivos em ordem.Qual o 2005-ésimo dígito desta sucessão?
a) 4
b) 5
c) 6
d) 7
e) 8

RESPOSTA: d

RESOLUÇÃO:
Números de 1 algarismo  1 a 9   9  1  1  9  9 1  9
Números de 2 algarismos  10 a 99   99  10   1  90  90  2  180
Números de 3 algarismos  100 a 999   999  100  1  900  900  3  2700
Logo, o último número da sucessão deve possuir 3 algarismos. Seja N esse número, devemos ter:
 N  100   1  3  2005  180  9  3N  297  1816  N  704 1
3
Logo, escrevemos 2004 dígitos ao escrever os números até 704. Logo, o 2005 dígito será o primeiro
algarismo do número 705, ou seja, 7.

REFERÊNCIA: Olimpíada Nacional Escolar de Matemática 2005 (Peru)

QUESTÃO 4
O número de cinco dígitos 32a1b é múltiplo de 156, Calcule ab  a  b .
a) 57
b) 55
c) 33
d) 21
e) 36

RESPOSTA: a

RESOLUÇÃO:
156  22  3 13
4 | 32a1b  4 | 10  b   b  2  b  6
156  205  31980  32a1b  33072  156  212
156  206  32136

156  207  32292  32a1b  32916
156  211  32916

a  9  b  6  ab  a  b  9  6  9  6  57

REFERÊNCIA: Olimpíada Nacional Escolar de Matemática 2005 (Peru)

QUESTÃO 5
Para quantos valores inteiros e positivos de n, o número n 4  n 2  1 é primo?
a) 0
b) 1
c) 2
d) 4
e) infinitos

RESPOSTA: b

RESOLUÇÃO:
n 4  n 2  1  n 4  2n 2  1  n 2   n 2  1  n 2   n 2  n  1 n 2  n  1
2

Para que esse número seja primo o menor dos fatores deve valer 1 e o outro ser primo.
n2  n 1  1  n  0  n  1
n 2  n  1  12  1  1  3

REFERÊNCIA: SMT 2009

QUESTÃO 6
A quantidade de primos positivos p, para os quais o número p1994  p1995 é um quadrado perfeito, é:
a) 0
b) 1
c) 2
d) 4
e) infinitos

RESPOSTA: b

RESOLUÇÃO:
p1994  p1995  p1994 1  p 
é um quadrado perfeito
 1  p  deve ser um quadrado perfeito
 1  p  k2  p  k  1k  1  k  1  1  k  2  p  3
Logo, só existe um primo p que satisfaz a condição do enunciado.

QUESTÃO 7
Ao dividir 1976 por um número inteiro e positivo k, se obtém quociente 18 e o resto correspondente. O
número de valores que k pode assumir é:
a) 10
b) 9
c) 7
d) 6
e) 5

RESPOSTA: e

RESOLUÇÃO:
1976  k 18  r , com 0  r   k  1
r  1976 18k  0  1976 18k   k 1  18k  1976  19k 1  105  k  109
Logo, há 5 valores para k.

REFERÊNCIA: Olimpíada Nacional Escolar de Matemática 2005 (Peru)

QUESTÃO 8
João escolhe dois números do conjunto {1, 2,..., 17} tais que o produto desses dois números é igual à
soma dos 15 números restantes. Sobre os dois números escolhidos, pode-se afirmar que:
a) um deles é um quadrado perfeito
b) a soma deles é um quadrado perfeito
c) a soma deles é um número primo
d) os dois são números primos
e) os dois são pares

RESPOSTA: c

RESOLUÇÃO:
1  17   17
1 2   17   153
2
Sejam os números escolhidos x e y.
xy  153  x  y  xy  x  y  1  153  1   x  1 y  1  2  7  11
Como x e y não ultrapassam 17, devemos ter
x  1  11  x  10
y  1  14  y  13
 x + y = 23 que é um número primo.

QUESTÃO 9
2x 3  3x 2  27
Simplificando a fração algébrica , encontramos
2x 4  3x 3  9x 2  27x  81
a) x + 3
1
b)
x3
c) x – 3
1
d)
x 3
x3
e)
x 3

RESPOSTA: b

RESOLUÇÃO:
2x 3  3x 2  27 2x 3  3x 2  27
 
2x 4  3x 3  9x 2  27x  81 2x 4  3x 3  27x  6x 3  9x 2  81
2x 3  3x 2  27 2x 3  3x 2  27 1
  
x  2x 3  3x 2  27   3  2x 3  3x 2  27   x  3  2x 3  3x 2  27  x  3

REFERÊNCIA: CMRJ 2000

QUESTÃO 10
Analise as igualdades a seguir:
a b c
I)   0
(a  b).(a  c) (b  c).(b  a) (c  a).(c  b)
(x+y)2  (y+z) 2  (z+x) 2  (x 2  y 2  z 2 )
II) 1
(x+y+z) 2
2 bc 2 ca 2 ab
III)      1
b  c (c  a).(a  b) c  a (a  b).(b  c) a  b (b  c).(c  a)
a 2  ab a 2  ab+b2  2a 3   2ab  b
IV)    3 3  1  1  2 2 

a b a b   a  ab+b  a  b
3 3
a+b
A quantidade de igualdades verdadeiras é:
a) 4
b) 3
c) 2
d) 1
e) 0

RESPOSTA: b

RESOLUÇÃOl
I) VERDADEIRA
a b c a  b  c  b a  c  c a  b
   
(a  b)  (a  c) (b  c)  (b  a) (c  a)  (c  b) a  b   a  c  b  c
ab  ac  ab  bc  ac  bc
 0
a  b  a  c  b  c
II) VERDADEIRA
(x+y) 2  (y+z) 2  (z+x) 2  (x 2  y 2  z 2 )

(x+y+z) 2
 x  y  z  x  y  z    x  y  z   x  y  z    x  y  z  x  y  z 
 
(x+y+z) 2
x  y  zx  y  z  x  y  z  x  y z   (x+y+z)2  1

(x+y+z) 2 (x+y+z) 2
III) FALSA
2 bc 2 ca 2 a b
     
b  c (c  a)  (a  b) c  a (a  b)  (b  c) a  b (b  c)  (c  a)
2  c  a  a  b    b  c   2  b  c  a  b    c  a   2  b  c  c  a    a  b 
2 2 2
 
a  b  b  c  c  a 
 c  a    a  b 2   b  c   b  c   2  a  b   2  c  a   b  c 2   b  c 2
  0
a  b  b  c  c  a  a  b  b  c  c  a 
IV) VERDADEIRA
a 2  ab a 2  ab+b 2  2a 3   2ab 
   3 3  1  1  2 2 

a b
3 3
a+b a b   a  ab+b 
a a  b a 2  ab+b 2  a  b   a 2  ab  b 2  a 2  ab+b 2
    
 a  b   a 2  ab  b 2  a+b  a  b   a 2  ab  b 2  a 2  ab+b 2
a ab b
  
ab ab ab

QUESTÃO 11
O valor do inteiro a tal que 3 3
2 1 
1
3
a
 
1  3 2  3 4 é igual a:

a) 2
b) 4
c) 6
d) 8
e) 9

RESPOSTA: e

RESOLUÇÃO:
Observando que  a  b  c 3  a3  b3  c3  3 a  b b  c  c  a  temos:
93 2  9
1
  
1 3

3
3
2 1  1 3 2  3 4  9 2  9 daí a  3  9.
a a 2 1

QUESTÃO 12
O menor valor possível de 2x 2  2xy  4y  5y2  x , para x e y números reais é:
a) 0
1
b) 
4
c) 1
5
d) 
4
3
e) 
2

RESPOSTA: d

RESOLUÇÃO:
2x 2  2xy  4y  5y 2  x   x 2  2xy  y 2    x 2  x     4y 2  4y  1    1 
 1 1 
 4 4 
2
2  1 2 5
  x  y    x     2y  1 
 2 4
1 1 5
Logo, para x  e y   atingimos o valor mínimo  .
2 2 4

REFERÊNCIA: SMT 2009

QUESTÃO 13
Se , então x + y é igual a:
a) 2
b) 1
c) 0
d) 1
e) 2

RESPOSTA: c

RESOLUÇÃO:
x   1  y     
x2 1 x2 y2  1  y2
x 2
y 1  1 
2
 1 x2 1  x y2  1  y  1
x2 1  x y2  1  y
 xy  x y 2  1  y x 2  1  x 2  1 y 2  1  1


 xy  x y 2  1  y x 2  1  x 2  1 y 2  1  1

2xy  2  x 2  1  y2  1  2   x 2  1  y 2  1  1  xy
 x 2 y 2  x 2  y 2  1  1  2xy  x 2 y 2  x 2  2xy  y 2  0   x  y   0  x  y  0
2

QUESTÃO 14
Quando o polinômio x 4  ax3  7x 2  bx  49 é dividido por  x  3 o resto é 53, e quando é dividido por
 x  2  o resto é 87. Calcule a  b .
a) 3
b) 4
c) 5
d) 6
e) 9

RESPOSTA: a

RESOLUÇÃO:
p  x   x 4  ax3  7x 2  bx  49
 p  3  34  a  33  7  32  b  3  49  53  9a  b  28
 p  2    2   a   2   7   2   b   2   49  87  4a  b  13
4 3 2

9a  b  28
  a  3  b 1 a b  3
4a  b  13

REFERÊNCIA: Olimpíada Nacional Escolar de Matemática 2005 (Peru)

QUESTÃO 15
Quando o polinômio x 2005  x  2 é dividido por x 2  1 , o resto é
a) 2x2
b) 2x2
c) 2x+2
d) 2
e) 2x+2

RESPOSTA: e

RESOLUÇÃO:
Seja r  x   ax  b o resto da divisão de p  x   x 2005  x  2 por x 2  1   x  1 x  1 .
p  x   x 2005  x  2   x  1 x 1  Q  x    ax  b 
0
p 1  1 2005
 1  2  1  11  1  Q 1   a 1  b   a  b  4
0
p  1   1   1  2   1  1 1  1  Q  1   a   1  b   b  a  0
2005

 a  b  2  r  x   2x  2

REFERÊNCIA: UGA 2005

QUESTÃO 16
Com base no gráfico da função polinomial y  f  x  esboçado abaixo, calcule o resto da divisão de f  x 
por  x    x  1 .
1
 2

a) x  1
1
b)  x 
2
x 1
c) 
2 4
x 1
d)  
4 2
x 1
e)  
4 4

RESPOSTA: e

RESOLUÇÃO:
1 1
A parit do gráfico conclui-se que f    e f 1  0 .
2 8
Seja r  x   ax  b , o resto da divisão de y  f  x  por  x    x  1 .
1
 2 
 1 
 f  x    x    x  1  Q  x    ax  b 
 2
 1 
 f 1   1   1  1  Q 1   a  1  b   0  a  b  0
 2
 1   1 1  1   1   1  1 a 1
 f        1  Q     a   b     b 
 2   2 2  2   2   2  8 2 8
1 1 x 1
 a    b   r x   
4 4 4 4

REFERÊNCIA: ITA 2002

QUESTÃO 17
Considere os conjuntos A, B e C, representados ao lado, e sabendo que n(AB) = 24, n(AB) = 4,
n(BC) = 16, n(A  C) = 11 e n(B  C) = 10, assinale a alternativa FALSA:
a) n(A  B) = 8
b) n(ABC) = 1
c) n(B  (CA)) = 7
d) n((AB)  C) = 3
e) n(B  (AB)) = 13

RESPOSTA: e

RESOLUÇÃO:
n(BC) = 16  n(B) = 16
n  A  B  n  A   n  B  n  A  B  n  A   24 16  4  12
a) V n  A  B  n  A   n  A  B  12  4  8
b) V: n(A) = 12 e n(A  C) = 11  n  A  C  1  n  A  B  C  1
c) V: n  B   C  A    n  B  C   n   A  B  C   10  3  7
d) V: n(A  C) = 11 e n(A  B) = 8  n   A  B  C   3
e) F: n(AB) = 4  n  B   A  B   16  4  12

QUESTÃO 18
Se X é um conjunto com um número finito de elementos, n(X) representa o número de elementos do
conjunto X. Considere os conjuntos A, B e C com as seguintes propriedades:
 n  A  B  C  25
 n  A  C   13
 n  B  A   10
 n  A  C   n  C   A  B 
O maior valor possível de n  C  é igual a
a) 9
b) 10
c) 11
d) 12
e) 13

RESPOSTA: d

RESOLUÇÃO:
Representando os conjuntos A, B e C no diagrama de Venn-Euler, temos:
n  A  B  C   25  a  b  c  x  y  z  m  25
n  A  C   13  a  x  13
n  B  A   10  b  y  10
n  A  C  n  C   A  B  m  z  c
m  z  c   a  b  c  x  y  z  m    a  x    b  y   25  13  10  2
 c  c  2  c  m  z 1
n  C  c  m  z  y  2  y
b  y  10  y  10  n  C MAX  2  10  12

REFERÊNCIA: EFOMM 2010

QUESTÃO 19
f (3)  2
Seja f uma função definida para todo real, satisfazendo as seguintes condições:  .
f (x  3)  f (x)  f (3)
Então f  3  f 0 vale
a) –6
b) 1
c) 1
2
3
d)
2

RESPOSTA: d

RESOLUÇÃO:
x  0  f  0  3  f  0   f 3  2  f  0   2  f  0   1
1
x  3  f  3  3  f  3  f  3  1  f  3  2  f  3 
2
1 3
 f  3  f  0   1 
2 2

REFERÊNCIA: AFA 2002

QUESTÃO 20
12
x5
Com relação à função real f definida por f ( x)  x 1 é correto afirmar que
x9 5
 
x 1 x
a) o domínio de f é – {–5, –1, 0}
b) f(x) = 0  x = –1 ou x = 7
c) f(x) > 0  –7 < x < –5 ou x > 0
d) f(x) < 0  x < –7 ou –5 < x < 0 e x  1

RESPOSTA: d

RESOLUÇÃO:
12  x 2  6x  5  12
x  5 
f (x)  x 1  x 1
x 9 5  x  9x  5x  5
2
 
x 1 x x  x  1
  x  7   x  1 x  x  1 x  x  7
  
x 1   x  5   x  1 x 5
x0
x  1  0  x  1
x 9 5   x  5  x  1
  0  0  x  5 ou x  1
x 1 x x  x  1
a) F: Df   5, 1,0,1
b) F: f  x   0  x  7
c) F: f  x   0  7  x  5   x  0  x  1
d) V: f  x   0  x  7   5  x  0  x  1

REFERÊNCIA: AFA 2003

QUESTÃO 21
Na figura, calcule x.
a) 100
b) 120
c) 135
d) 145
e) 150

RESPOSTA: d

RESOLUÇÃO:

ˆ  180  100  180  d  3c   180  c  3d   180  c  d  70


ˆ  BCA
ABC :100  BAC
AMB : 2a  d  100
BNC : 2b  c  100
 2  a  b    c  d   200  2  a  b   70  200  a  b  65
ˆ  EPM
BEN ˆ  EMP ˆ  180  x   a
ˆ  BNE
ABE ˆ  100  b  180  a  x   x  80   a  b   80  65  145
ˆ  BEN

REFERÊNCIA: Olimpíada Nacional Escolar de Matemática 2005 (Peru)

QUESTÃO 22
ˆ  105 . A medida do ângulo FDA
Na figura tem-se AB = BC, DC = DE e DFB ˆ é
a) 15
b) 10
c) 20
d) 5
e) 30

RESPOSTA: b

RESOLUÇÃO:

CDE : x   x  75    x  75   180  x  10

REFERÊNCIA: Olimpíada Nacional Escolar de Matemática 2005 (Peru)

QUESTÃO 23
No triângulo ABC, os pontos D e M encontram-se sobre os lados AC e BC, respectivamente. Sabe-se que
AB = BD, DBC ˆ  48 e ABDˆ  MAC ˆ  BCA
ˆ . O valor do menor ângulo formado pelas retas AM e BD é
a) 48
b) 60
c) 68
d) 72
e) 76

RESPOSTA: e

RESOLUÇÃO:

ABD : x   x  48    x  48   180  x  28
ABE :   x  48  28  48  76

REFERÊNCIA: Olimpíada Nacional Escolar de Matemática 2005 (Peru)

QUESTÃO 24
No triângulo ABC, AD é bissetriz interna do ângulo A. Sendo BC  2a assinale o ponto P sobre AD tal
que AP  a . Se ABC  60 o e BAC  80 o , determine o ângulo PBD.
a) 5
b) 10
c) 15
d) 20
e) 30

RESPOSTA: b

RESOLUÇÃO:

Seja M o ponto médio de BC. Seja E o ponto onde a reta BP encontra AC. Como PAC  MCA e
PA  MC então ACMP é um trapézio e, portanto, MP é paralelo a AC. Como M é médio de BC então P é
médio de BE. No triângulo ABE, AP é bissetriz e PB  PE . Logo, AB  AE e a mediana AP é também
altura. Como o ângulo APB é reto e ADB  80 o então PBD  10 o .

REFERÊNCIA: Prof. Eduardo Wagner


QUESTÃO 25
As alturas de um triângulo acutângulo ABC cortam-se no ponto H. Sabe-se que AB = CH. Determine o
ˆ .
valor do ângulo BCA
a) 15
b) 30
c) 45
d) 60
e) 75

RESPOSTA: c

RESOLUÇÃO:

Llamaremos A’ al punto en que la altura de A corta al lado BC del triángulo ABC, y C’ al punto donde la
altura de C corta al lado AB del triángulo ABC.
El ángulo CHA’ es igual al ángulo AHC’.
En el triángulo CA’H, el ángulo CA’H es recto, por tanto el ángulo HCA’ es 90º - .
En el triángulo AHC’ el ángulo HC’A es recto, por tanto el ángulo HAC’ es 90º -  .
El ángulo HAC’ es igual al ángulo A’AB del triángulo A’AB que es rectángulo por tanto el ángulo
A’BA es .
De aquí concluimos que los triángulos CHA’ y A’AB son semejantes, y como CH = AB , son triángulos
iguales de donde obtenemos que AA’ = CA’, por tanto el valor de tg C = 1, y C = 45º.

REFERÊNCIA: Espanha 2003