Você está na página 1de 15

Representantes

Márcio João Da Silva e Dertuliano Fernando

Telefone: +258 845536808 ou +258 876536808

Data de elaboração: 01 de Março 2022

Duração do Projecto: Longo prazo

Início do projecto: O projecto iniciará no dia 08 de Janeiro de 2020

Firma Organizacional

First Agro – Business Company, S.A

Título ou Ramo de Actuação

Agro-Negócios (Criação e Venda de Frango de Cortes)

O projecto de investimento, permitem aos investidores, fazerem uma Planificação e descrição


detalhada de todas as actividades que decorrerão desde a produção ate o funcionamento da
empresa.
1. Nota - Introdutória

O presente Projecto foi desenhado para Constituição e Legalização de uma Micro-Empresa, cujo
a sua firma Organizacional esta prevista a ser denominada por: First Agro-Business Company,
S.A, no qual está desenhado para actuar no ramo de Agro-Negócios (Criação e Comercialização
de Frangos de Cortes).

Portanto, pretendemos partilhar em primeiro lugar de que o Empreendedorismo é actualmente


um desafio pelo qual o Governo optou para incentivar a camada jovenil no sentido de
apostarem as suas habilidades, conhecimentos e assim como as competências adquiridas no
âmbito da sua formação profissional possuindo como foco o intuito de Impulsionar o
crescimento económico, a produtividade e a geração de Auto-Emprego especialmente para os
Jovens, uma vez que o país conta com um índice preocupante de desemprego na camada em
causa.
CAPÍTULO I – FUNDAMENTAÇÃO DO PROJECTO

1.1– Delimitação do Projecto

 O estabelecimento estável (aviários) do presente projecto, pretende-se implantar na


cidade de Nampula, concretamente no bairro de Muhavire (Mototope) pelo qual
geograficamente, econtra-se situado a cerca de 1 km da Estrada Nampula - Namitil.

1.2 – Problematização

 O País encontra-se numa situação em que não há uma estabilidade económica, uma vez
que o sector da Agricultura precisa de uma diversificação e intensificação no âmbito
produtivo de modo a formalizar um potencial de crescimento económico que possa
garantir que haja a geração de rendas e criação de mais oportunidades de emprego,
sobretudo, para jovens, a partir da produção e ccomercialização de culturas estratégicas
(cereais, hortícolas) para o consumo interno por forma que haja uma auto-suficiência
alimentar e nutricional ao nível populacional.

1.3 – Questões de partida

 O que é necessário para Constituir e Legalizar uma micro - Empresa dedicada no ramo
de Agro-Negócios (criação e Comercialização de Frango Corte)?
1.4 Justificativa

 A necessidade de implementação deste Projecto deve-se ao facto de não haver uma


estabilidade económica no sector de Agricultura, no entanto, este sector precisa de uma
intervenção de investidores Qualificados que venham a apostar na sua transformação e
modernização de forma mais diversificada e intensificada, sobretudo, no modo de
organização da produção e comercialização de produtos, envolvendo o sector privado e
assegurando uma maior integração do sector familiar no mercado nacional.

1.5 Objetivo Geral

 Constituir e Legalizar uma Micro-Empresa dedicada no ramo de Agro-Negócios (Criação


e Comercialização de Frangos de Corte).

1.6 Objectivos Específicos

 Transformar e modernizar o ramo de Agro-Negócios (Criação e Comercialização de


Frangos de Corte), na prosperidade de que possa haver uma auto-suficiência alimentar e
nutricional;

 Diversificar e Intensificar a Agricultura de modo a gerar rendas e empregabilidade no


país.

 Tornar o ambiente de negócios mais atractivo, com base na continuidade de acções de


simplificação de procedimentos com vista a melhorar este ambiente.

1.7 Hipóteses
Após ter investigado o tema de forma profunda, propõen-se como exemplos de casos
hipotéticos os que se seguem:

O facto da demanda ser maior (procura elevada nos produtos) pode influenciar a
Inflação no mercado Waresta;

Os factores dos custos de produção podem influenciar a Inflação de preços no mercado


Waresta;

CAPÍTULO II – PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO E LEGALIZAÇÃO DA EMPRESA


2.1 – Fima e Denominação

 É, pois, com base nesta realidade que surge a ideia de Constituir e Legalizar uma nova Empresa
desenhada para dedicar-se no ramo de Agro-Negócios (Criação e Comercialização de Frangos de
Corte), pela qual será denominada pela seguinte firma Organizacional:

 First Agro-Business Company, S.A – Primeira Companhia de Agro-Negócios, S.A.

2.2– Forma Jurídica e Social

 A forma jurídica a ser adota é a de sociedade por quotas, onde os sócios constituintes da
Empresa serão os promotor e o capital social encontrar-se-á subscrita entre os mesmos, e o
apoio.

2.2.1– Escritura e Formalidades Legais


 A Empresa será comprovada depois de se acharem verificadas as condições e requisitos de
ordem geral ou especial, para tal, torna-se obrigatoriamente o cumprimento das seguintes
formalidades:

Em suma, o processo de constituição e legalização desta Empresa, na primeira fase irá requer que haja
um registo prévio do nome e inscrição provisória. Para o efeito, os sócios constituintes irão dirigir-se a
Conservatória de Registo das Entidades Legais, no sentido de tratarem e obterem o Certidão de Reserva
do Nome, tendo em conta o ramo que a Empresa pretende dedicar-se.

Consequêntimente, os sócios constituintes irão elaborar os estatutos da sociedade e registar a Empresa


na Conservatória de Registo das Entidades Legais. Sendo que, no momento da declaração de início de
atividades, será indicado um Técnico Oficial de Contas (Gestor Financeiro e Patrimonial) para a tomada
de decisão com relação ao tipo de Regime Fiscal em uma Repartição de Finanças.

Com relação a Realização do Capital Social, os sócios constituintes inicialmente irão requerer um pedido
de financiamento quantificado em Metical, no sentido de perfazer o montante mínimo fixado por lei
para efeitos de constituição de uma Empresa.

Posteriormente, num prazo máximo determinado em cinco dias úteis, os sócios constituintes terão de
proceder o depósito do capital social numa conta aberta em nome da sociedade, mediante ao reforço
do seu Património na medida do que for necessário.

2.4 – Planejamento Estratégico

2.4.1 – Missão
 A First Agro-Business Company, S.A, tem como missão, corresponder de forma efectiva nas
exigências reais do seu público-alvo e assim como do mercados, com vista a elevar o nível de
satisfação e fidelização dos consumidores através de Criação e Comercialização de Frangos de
Corte, de melhores e com as mais adequadas condições nos termos qualitativos e
quantitavos, de modo a promover eficiência e sustentabilidade económica e assim como
salvaguardar o meio ambiente.

2.4.2 – Visão

 A First Agro-Business Company, S.A, tem como visão, abrangir a sua actividade económica no
ramo de Agro-Negócios em geral, de modo a tornar-se um potencial no âmbito de produção e
comercialização de diversos produtos provenientes de sistemas agrícolas sustentáveis com
excelência na competitividade nacional, tendo como base a necessidade de desenvolver a
sustentabilidade dos atuais sistemas produtivos. Deste modo, pretende contribuir para o
progresso do sector.

2.4.3 – Valores

 A First Agro-Business Company, S.A, tem como valores, a promoção de uma política social,
praticando a solidariedade, confiança, conhecimento, ética, progresso, qualidade e a
sustentabilidade que caracterizam os integrantes no que se designa por Agentes
económicos, em termos de responsabilidade pelos seus compromissos.

2.5 – Estrutura Organizacional

 A First Agro-Business Company, S.A obedecerá a seguinte estrutura Organizacional pela


qual encontra-se as responsabilidades de cada posição dos Órgãos variados de acordo
com as categoria hierárquica.

1° – Gestão Empresarial

 Será o Órgão Principal ao qual os departamentos deverão reportar informações da Empresa,


uma vez que irá concentrar-se no poder executivo e será responsável pelo planeamento,
organização, direção e controlo das atividades em geral. Inicialmente, será constituída
simplesmente pelos sócios, e estes membros serão também responsáveis por outros
departamentos, almejando o melhor desempenho possível de modo que haja uma conjugação
harmoniosa entre os colaboradores e assim como a unidade de produção e recursos.

2° – Gestão Financeira e Patrimonial

 Será o Órgão ao qual os departamentos irão reportar informações financeiras e


Patrimoniais, portanto, o seu papel fundamental estará conectado ao processo de
planeamento, organização, direção, controlo e fiscalização das finanças e património
Organizacional, pelo qual será constituído inicialmente por dois (2) sócios qualificados
em Gestão Financeira e Patrimonial.

3° – Gestão de Recursos Humanos

 Será o Órgão de coordenação e supervisão, ao qual deve reportar, e será o encarregado dos
colaboradores indiferenciados e o responsável por organizar e orientar as atividades destas
equipas por forma a que os objetivos delineados pelo Órgão Principal (Gestão Empresarial),
sejam alcançados com eficácia e eficiência.

4° – Departamento de Aquisições e Logística

 Será o Órgão que englobará a maior parte das tarefas da Empresa a partir da gestão de
aquisições, gestão de armazéns, gestão de distribuição, entre outros Serviços ligados ao
aproveitamento e logística Inversa, para os diversos departamentos funcionais da Empresa.

5° – Departamento de Técnicas e Produção

 Será um Órgão de Consulta que serve para assegurar o suporte técnico ao


funcionamento. Plortanto, este será constituído pelos colaboradores indiferenciados serão
responsáveis pela realização de tarefas laborais inerentes à atividade produtiva.

6° – Departamento de Relações Públicas e Marketing


Organograma Funcional

GESTÃO EMPRESARIAL

GESTÃO FINANCEIRA & PATRIMONIAL GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

Departamento de Aquisições e Logística Departamento de Técnicas e Produção

Departamento de Relações Públicas e Marketing


.

CAPÍTULO III – PLANO DE NEGÓCIO

3.1 – Ramo de Actuação

 O projecto está desenhado para operar no ramo de Agro-Negócios (Criação e Comercialização


de Frangos de Corte). Com base as competências, experiência e habilidades dos sócios da
Empresa, pelos quais são qualificados em áreas tais como: Gestão Financeira e Patrimonial,
Agropecuária.

3.2 – Estudo do Mercado


 As tendências do mercado estemulam a produção de Frangos sadias e bem desenvolvidas
constituise um dos principais fatores de sucesso na formação de novas plantações de maçãs, por
isso, qualquer erro cometido nesta fase resultará em prejuízo por toda a vida da cultura.

Alem disso, o Brasil está se tornando um grande exportador de maçãs, e a atual produção de
mudas ainda não consegue suprir a demanda do mercado. Assim, acredita-se que uma empresa
nacional que trabalhe especialmente na produção de mudas de macieira terá mercado
garantido.

3.2.1 – Mercado Consumidor

Público-Alvo (Clientes): Os potenciais clientes da Empresa serão constituídos pelos seguintes:

 Revendedores;

 Restaurantes;

 Proprietários de Take Aways e Centros Sociais; e

 Sector famíliar.

3.2.1.1 – Mensuração da Demanda:


O estudo do mercado desenvolvido, estima uma demanda de aproximadamente 500 unidades de
Frangos mensalmente, factor pelo qual possibilita-nos projetar também a quantidade de Frangos a
serem Criados.

3.3 – Mercado Concorrente

Potenciais Concorrentes Pontos Fortes Pontos Fracos


3.4 — Marcado Fornecedor

Pontencias Fornecedores Produtos e Serviços Fornecidos

3.5 – Plano de Marketing

3. 5.1 – Produto

 O produto que pretende-se oferecer será o Frango de Corte, no entanto, a produção deste
produto visa a satisfação das necessidades e resolução dos problemas apontandos pelos
consumidores, quer nos termos qualitativos e assim como nos termos quantitavos.

Como tal, no sentido de otimizar a oferta ao consumidor final, a atenção deverá estar centrada
sobre fatores como a escolha das variedades, a qualidade do processo produtivo, a marca e a
embalagem.

As variedades a utilizar serão exclusivamente provenientes da Driscoll StStrawber Associates,


Inc.. Esta empresa norte americana é líder mundial do setor dos pequenos frutos e está
empenhada na obtenção das variedades perfeitas através da ininvestigação da experimentação
e do desenvolvimento de novas cultivares, as quais se caracterizam pelos mais elevados padrões
de produtividade e de qualidade (Andrade, 2006). A apapós nas variedades Driscoll's®
possibilitará uma diferenciação marcante face à concorrência,pois estas proporcionam uma
distinta experiência sensorial de excelência qualitativa, assegurando, assim, uma significativa
mais-valia do produto e a fidelização do consumidor.

Além das variedades Driscoll's® serem altamente apreciadas, na atualidade,o consumidor,


impulsionado por uma crescente consciencialização, valoriza a conduçãodo processo produtivo
e apresenta-se mais exigente em termos da sustentabilidade e da segurança alimentar
associadas à produção, tornando-se estes fatores cada vez mais determinantes no momento da
escolha do produto
O produto destinado ao mercado nacional será comercializado sob as marcas Aromas®e Aromas
Premium®, enquanto que as marcas Aromas®e Berry Valley®serãoutilizadas para exportação
(Andrade, 2006). Em breve, todo o produto orientado para o abastecimento do mercado
internacional será, unicamente, comercializado com a marcaDriscoll's®(Carla Monteiro,
comunicação pessoal).
Relativamente à apresentação do produto, os morangos serão ccomercializado numa
embalagem transparente, com 400 g de peso líquido, sendo dispostos segundo uma única
camada e assentes sobre uma película protetora de plástico com bolhas dear

Processo de Produção

A Criação de frangos de corte se inicia com a preparação da terra, a partir da aplicação de adubos
orgânicos que servirão como substrato para a produção das mudas. A terra é colocada em pequenos
sacos de polietileno, especialmente desenvolvidos para receberem as mudas, onde em seguida são
plantadas as ramas. Depois de plantadas, deve ser tomado intenso cuidado para que as ramas recebam
umidade, claridade e temperatura na medida certa, possibilitando um desenvolvimento adequado. Após
terem atingido o tamanho ideal, as mudas estarão prontas para ganhar o mercado. Finalmente, após
serem adquiridas pelo produtor de maçãs, serão transplantadas para um local definitivo.

Fluxograma de Produção

Fases Actividades Recursos/Equipamentos Quantidades

Preço Atribuído

 A empresa Driscoll's of Europe, B.V., efetua a compra do produto aos produtores associados às
OP de morango nacionais e, adicionalmente, determina o seu preço emfunção da quantidade
escoada para cada mercado e do valor a que os clientes estão dispostos a remunerá-la (Carla
Monteiro, comunicação pessoal). Acresce que, a políticade preços adotada pelas OP de morango
nacionais encontra-se orientada para uma diferenciação da concorrência através de outros
fatores que não o preço, tais como a qualidade e a embalagem, possibilitando, deste modo,
posicionar o seu produto emsegmentos de mercado mais elevados que valorizam essa distinção
qualitativa face aos demais concorrentes.
No Algarve, a obtenção de produção precoce, fora de época, é muito importante, uma vez que o
produto colhido no primeiro terço de colheitas pode representar apenas9% em peso mas 25%
em valor, relativamente à totalidade produzida (Rosa et al., 2008).Em Portugal, existe um
Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA),integrado no Gabinete de Planeamento e
Políticas (GPP) do Ministério da Agricultura,Desenvolvimento Rural e Pescas (MADRP), que
realiza o acompanhamento do mercadode produtos agrícolas. Tendo por base informação do
SIMA, divulgada a título pessoal,a evolução mensal da cotação média do morango, no mercado
abastecedor da região de Lisboa (MARL), ao longo do ano, pode ser observada na figura 23.

Praça de Comercialização

A associação à OP Madre Fruta garante o escoamento do produto, sendo este destinado aos mercados
nacional e internacional.Relativamente à comercialização, existem diversas fases desde a produção atéo
produto se encontrar disponível ao consumidor final. Na empresa agrícola, é efetuadauma triagem, no
momento da colheita, colocando-se o fruto na embalagem definitiva, a qual é pesada e posteriormente
transportada até à central hortofrutícola. Para efeitosde rastreabilidade, na central hortofrutícola, as
embalagens são rotuladas à receção,através de um talão de entrada que as acompanha até à expedição,
e são novamente pesadas.

Seguidamente, realiza-se o controlo de qualidade, por amostragem aleatória,sendo atribuído a cada lote
rececionado uma classificação de A, B, C ou K (rejeitado),formando-se os lotes de acordo com os
parâmetros de qualidade estabelecidos. Após a paletização, os lotes são rapidamente arrefecidos e
mantidos em câmaras frigoríficas,à temperatura de 2ºC, a partir das quais serão recolhidos para
expedição. Por fim, os lotes são, então, expedidos para exportação (A) ou para o mercado nacional (B e
C)por intermédio de camiões dotados de um sistema de refrigeração e termo-higrómetros,
assegurando, deste modo, a manutenção da cadeia de frio até à receção pelo cliente. Com efeito, a
distribuição é indireta, apresentando, comparativamente à direta, uma menor exigência de recursos
financeiros em termos de investimento, uma vez quese dispensam recursos humanos próprios,
delegando-se a entrega do produto a terceiros.
Existem dois canais de distribuição distintos: (I) do produtor para os retalhistas até chegarao consumidor
final e (II) do produtor para os grossistas e destes para os retalhistas até chegar ao consumidor final. O
primeiro canal engloba a maior parte do comércio, destinado às grandes superfícies comerciais dos
mercados nacional e internacional, enquanto que o segundo é mais esporádico, escoando o produto
direcionado para os mercados abastecedores regionais nacionais. Atualmente, a distribuição realizada
no mercado nacional assenta em contratos previamente estabelecidos com os distribuidores nacionais
mais relevantes, como a SONAE, o El Corte Inglés, a Makro e o Auchan, enquanto que a distribuição nos
principais mercados europeus é assegurada por intermédio da Driscoll's of Europe, B.V., sediada em
Breda, Holanda.

Promoção

 Os processos de promoção do produto serão efetuados por intermédio da Driscoll's of Europe,


B.V. e consisteram nas celebrações de contactos diretos com os potenciais clientes.
Ocasionalmente, embora a marca Novos Horizontes, Lda seja reconhecida como líder do
mercado Províncial, as promoções também serão realizadas através da presença em grandes
feiras Nacionais com o intuito de dar mais visibilidade ao nosso produto.

Riscos e Falhas

Planejamento Financeiro

Fluxo de Caixa

OUTRAS INFORMAÇÕES:

Segmento específico em que compete ou pretende competir: Inicialmente, a empresa produzirá


somente mudas de macieira. Em um horizonte estimado de três anos pretende expandir os negócios,
produzindo várias outras espécies de mudas de árvores frutíferas.Comportamento do mercado: é um
mercado que tem crescido consideravelmente devido à expressivapenetração de algumas frutas
produzidas no Brasil no mercado externo

Você também pode gostar