Você está na página 1de 2

Guarde meu contato para mais trabalhos sem as taxas do studybay

Ou para me indicar 

Ricardo Zimmermann

Celular e WhatsApp: (45) 9.9992-8663

Telegram: @zmnricardo

Lembre-se de encerrar o pedido e me avaliar lá na plataforma!


APOSENTADORIA ESPECIAL DO AERONAUTA

Seu Nome

Discute-se a possibilidade de concessão de aposentadoria especial para aeronautas.


A aposentadoria especial consta no art. 31 da Lei Orgânica da Previdência, para quem
“conforme a atividade profissional, em serviços, que, para esse efeito, forem considerados
penosos, insalubres ou perigosos, por Decreto do Poder Executivo” (SANTOS, 2020).
Compreendia-se como parte disso, antes da Lei 9.528/97: jornalista, futebolista,
telefonista, juiz e aeronauta, este se aposentando aos 45 anos de idade e 25 anos de serviço,
conforme Decreto nº 158 de 1967 e posterior art. 148 da Lei nº 8.213/91 (AMADO, 2020).
Com a Emenda Constitucional n. 20/1998, essas categorias passaram a serem
segurados obrigatórios do Regime Geral de Previdência Social (CASTRO, LAZZARI, 2020).
Visando preencher eventuais lacunas, o STJ (REsp 1574317 RS 2015/0314847-7)
entendeu possível reconhecer a atividade de aeronauta como especial. Segue excerto:

PREVIDENCIÁRIO. RECURSO ESPECIAL. ATIVIDADE ESPECIAL.


AERONAUTA. REVOGAÇÃO DO ART. 148 DA LEI 8.213⁄1991. [...]o art. 57 da
Lei 8.213⁄1991 assegura expressamente o direito à aposentadoria especial ao
Segurado que exerça sua atividade em condições que coloquem em risco a sua saúde
ou a sua integridade física, nos termos dos arts. 201, § 1o. e 202, II da Constituição
Federal. [...] é possível reconhecer a possibilidade de caracterização da atividade de
aeronauta como especial, mesmo após a revogação do art. 148 da Lei 8.213⁄1991,
desde que comprovada a exposição do trabalhador à atividade nociva, insalubre ou
perigosa, de forma permanente, não ocasional, nem intermitente.

Conclui-se que, embora não mais uma categoria especial, o aeronauta faz jus à
aposentadoria destes, se comprovada exposição à atividade nociva de forma permanente.

REFERÊNCIAS

AMADO, Frederico. Curso de Direito e Processo Previdenciário – Salvador: JusPodivm,


2020.

CASTRO, Carlos Alberto Pereira de; LAZZARI, João Batista. Manual de Direito
Previdenciário. – 23. ed. – Rio de Janeiro: Forense, 2020.

SANTOS, Marisa Ferreira. Direito previdenciário esquematizado–São Paulo: Saraiva,2020.

Você também pode gostar