Você está na página 1de 20

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA (BACHARELADO)

NOME COMPLETO

PLANO DE TRABALHO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA


REFORMULADO DEVIDO À PANDEMIA COVID-19: ESTÁGIO
CURRICULAR I: INICIAÇÃO E TREINAMENTO DESPORTIVO

GUARANTA DO NORTE – MT
2021
1
NOME COMPLETO

PLANO DE TRABALHO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA


REFORMULADO DEVIDO À PANDEMIA COVID-19: ESTÁGIO
CURRICULAR I: INICIAÇÃO E TREINAMENTO DESPORTIVO

Relatório de Estágio apresentado ao Curso de


Educação Física (Bacharelado) a UNOPAR como
requisito obrigatório para cumprimento da disciplina
de Estágio Curricular I.

GUARANTA DO NORTE – MT
2021

2
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO.......................................................................................................4
2. DESENVOLVIMENTO..........................................................................................5
2.1 DESAFIOS E POTENCIALIDADES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA
ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE...............................................................................5
2.1.1 POSSIBILIDADES E DESAFIOS..................................................................5
2.2 IDOSOS E CARDIOPATAS..............................................................................6
2.2.1 CARACTERÍSTICAS DA CARDIOPATIA....................................................6
2.2.2 CUIDADOS NECESSÁRIOS.........................................................................7
2.2.3 BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA PARA IDOSOS CARDIOPATAS. 8
2.3 EXERCÍCIO E HIPERTENSÃO........................................................................9
TABELA 1: Ficha A e Bindicada para o portador de Hipertensão citado..................10
2.4 EXERCÍCIOS E DIABETES............................................................................10
TABELA 2: Ficha 1com exercícios indicados para a Mulher de 49 anos.................11
TABELA 3: Ficha 2 de exercícios indicados para o Homem de 65 anos.................12
2.5 PALESTRA SOBRE OS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO NA
SAÚDE........................................................................................................................12
2.5.1 PLANEJAMENTO DA APRESENTAÇÃO.................................................16
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS................................................................................19
REFERÊNCIAS..........................................................................................................20

3
1. INTRODUÇÃO

O Plano de trabalho do Curso de Educação Física é uma reformulação devido


ao período de Pandemia do COVID-19, correspondendo ao Estágio Curricular I de
Avaliação, Prescrição e Atenção a Saúde, conforme o manual apresentado pela
Instituição.
O objetivo do plano de trabalho é realizar uma análise dos 6 casos, sendo
abordados de forma separada, correspondendo à: Desafios e potencialidades da
Educação Física na Atenção á Saúde, Idosos Cardiopatas, Exercícios e
Hipertensão, Exercícios e Diabetes.
A finalidade deste relatório de estagio é analisar a associação entre atividade
física e prevenção ou tratamento das doenças crônicas não-transmissíveis e
incapacidade funcional, reconsiderar os principais mecanismos biológicos
responsáveis por esta associação e as recomendações atuais para a prática de
atividades físicas nessas situações.
Cada caso apresentado, foi discutido de forma textual e direta, usando a
literatura para explicar cada um dos casos de forma embasada cientificamente.

4
2. DESENVOLVIMENTO

2.1 DESAFIOS E POTENCIALIDADES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA


ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

A promoção da saúde no Brasil tem contribuído para a implementação de


políticas, estratégias e ações intersetoriais e intrasetoriais, que estimulam a co-
responsabilização e co-gestão na organização de sistemas e serviços de saúde
mais integrados, que considerem as necessidades de saúde do sujeito e das
comunidades em seus aspectos sociais, políticos, regionais, econômicos e culturais
(CARVALHO, 2006).

Buss (2003) expressa a promoção da saúde como uma combinação de


estratégias que envolvem as ações do Estado, da comunidade, dos indivíduos, do
sistema de saúde e das parcerias intersetoriais, com foco na responsabilização
múltipla pelos problemas de saúde e de suas resoluções.

A Atenção Primária à Saúde é caracterizada pelo Ministério da Saúde como


um agrupamento de ações individuais ou coletivas que são desempenhadas pela
Saúde da Família, onde através da multidisciplinaridade as demandas são supridas
proporcionando à população qualidade de vida e saúde (BRASIL, 2009).
A Educação Física é baseada em diferentes perspectivas como a Saúde, o
Esporte e a Educação e são enfaticamente expressas na formação deste
profissional. Dessa forma, a atividade física disseminou-se como uma prática
cotidiana na atualidade, e em decorrência desse processo, o Profissional
deEducação Física(PEF) foi inserido na Atenção Primária à Saúde (APS) no Núcleo
de Apoio à Saúde da Família (NASF) pela Portaria 154, de 24 de Janeiro de 2008. A
inserção desse profissional favoreceu a profissão, possibilitando a interação, a
interdisciplinaridade e o incentivo à melhora do estilo de vida da população (BRASIL,
2008).

2.1.1 POSSIBILIDADES E DESAFIOS

5
A introdução da Educação Física (EF) na grade de atendimentos do NASF foi
uma grande vitória para a área de atuação, favorecendo o seu crescimento e a
amplificação do conhecimento sobre os benefícios que a atividade possui.Dessa
forma, os atendimentos do EF possuem atendimento individual e coletivo, ocorrendo
dentro dos postos/centros/unidades de saúde ou no domicilio do paciente onde
envolve a participação de outros profissionais na saúde.
Os atendimentos coletivos ocorrem em qualquer espaço e envolvem grupos
de convivência, focais, de promoção a saúde, ginastica laboral, dentre outros. E a
formulação destes grupos pode variar conforme a demanda e necessidade do local.
Dentro das possibilidades de atendimento se encontra, por exemplo, o auxilio
na reabilitação traumática, pós-operatória, avaliação antropométrica, auxilio a
pacientes que sofreram acidente vascular cerebral, dentre outras possibilidades.
Contudo, os atendimentos são planejados de acordo com cada caso, podendo
ocorrer com o apoio de um medico da família e até mesmo fisioterapeutas do NASF
(SILVA, 2016).
Contudo, apesar da inserção e direcionamento do atendimento de um
Educador Físico no NASF e os avanços na área da saúde, o profissional ainda
possui limitação em seus atendimentos enas potencialidades que podem ser
empregadas. Isto é, a formação do EF nos NASF ainda é incipiente, fazendo com
que profissionais não tenham contato direto com temas relacionados à saúde
coletiva, ou do acompanhamento dos usuários do SUS, limitando a resolutividade
dos casos.
O trabalho multiprofissional ofertado pelo SUS representa uma inovação da
saúde e uma forma de ofertar a população mais potencialidade de cada área de
atuação, de forma conjunta. Porem, as potencialidades tendem a ser afetadas com
questões concernentes de cada área, sendo necessário, no sentido organizacional,
que as necessidades do sistema sejam pontuadas pelos profissionais através de
uma boa interação e entrosamento (SILVA, 2016).

2.2 IDOSOS E CARDIOPATAS

2.2.1 CARACTERÍSTICAS DA CARDIOPATIA

6
O envelhecimento é um processo caracterizado por condições fisiopatológicas
específicas, quando ocorrem modificações tanto na estrutura orgânica como no
metabolismo, na imunidade, na nutrição e nos mecanismos funcionais. Isso faz com
que aumente a suscetibilidade ao desenvolvimento de diferentes doenças, dentre as
quais as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), em especial os distúrbios
cardiovasculares.

As doenças cardiovasculares (DCV) correspondem ao maior componente da


morbimortalidade por DCNT. No Brasil, essas doenças crônicas representam 32%
da mortalidade total, o que gera grande preocupação em pesquisar os fatores
relacionados a estratégias para a sua detecção, prevenção e controle.

A Cardiopatia consiste em uma anormalidade na função ou estrutura do


coração, além disso, o termo é utilizado para descrever todas as patologias que
acometem o coração. Dessa forma, há vários tipos de cardiopatia, sendo as mais
comuns:

I. Congênita: presente desde a gestação ou nascimento;


II. Doenças no miocárdio: defeitos no músculo;
III. Infecção no coração: provocada por vírus, parasitas ou bactérias;
IV. Cardiopatia Isquêmica: provocada pelo estreitamento das artérias do coração,
diminuindo a oferta de sangue ao órgão e possivelmente com acumulação de
gordura;
V. Cardiopatia Hipertensiva: decorrente da pressão arterial elevada, podendo
sobrecarregar o coração e os vasos sanguíneos;
VI. Cardiopatia de Válvulas: diversos fatores podem danificar as válvulas do
coração

2.2.2 CUIDADOS NECESSÁRIOS

 Santos (2004) defende o conceito de que a atividade física regular é uma


estratégia importante na prevenção de doenças cardiovasculares, atuando na
prevenção primária e secundária das Doenças das Artérias Coronárias (DAC) e
aterosclerose, “atuando também como coadjuvante no tratamento de diversos
fatores de risco coronário, como hipertensão arterial, diabetes, dislipidemia,

7
tabagismo e controle do estresse e da depressão” (p. 356), isso sem contar no
controle do peso e na facilitação do cessar do hábito de fumar. O sedentarismo
acaba se tornando o principal fator de risco para esta população.
Alguns cuidados devem ser tomados diante da formulação do treinamento de
Idosos portadores de Cardiopatia, tais como: a freqüência cardíaca, a intensidade a
duração das atividades. Dessa forma, antes de se iniciar a prática esportiva se faz
necessário uma análise do caso do paciente, os medicamentos em uso, um teste
ergométrico, teste de esforço, dentre outros testes realizados na anamnese, sendo
todos recomendáveis e indispensáveis. E importante ressaltar que os riscos podem
ser avaliados como moderados e altos, e por isso o treinamento devem
serrealizados com acompanhamento sendo inclusive necessária uma abordagem
multidisciplinar composta por médicos, cardiologistas, educadores físicos e
nutricionistas.
As atividades mais indicadas para Idosos portadores de Cardiopatia são
exercícios que se baseiam em uma prescrição tradicional, consistindo em exercícios
contínuos e que envolvem grandes grupos musculares, como o ciclismo, natação,
ginástica aeróbica, caminhada, exercícios aeróbicos e resistidos também podem ser
empregados, conforme o condicionamento cardiovascular de endurance do paciente
(LOCKS et al., 2012).

2.2.3 BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA PARA IDOSOS


CARDIOPATAS

A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) recomenda que a


prática de exercícios físicos esteja na rotina de pessoas de qualquer idade, ima vez
que os exercícios vão se refletir na qualidade de vida e no envelhecimento ativo. E
vale lembrar que os benefícios não são apenas físicos, mas também psicológicos e
sociais, uma vez que também podem influenciar na autoestima do idoso.

De acordo com Filho (2006), os benefícios fisiológicos proporcionados pela


atividade física em pacientes idosos e cardiopatas, são:

I. Diminuição dos riscos de isquemia induzida por esforço físico;


II. Melhora da capacidade funcional e fisiológica;

8
III. Atenuação da taquicardia;
IV. Melhora da resposta cardiovascular;
V. Aumento da perfusão da microcirculação coronariana;
VI. Melhora da perfusão miocárdica;
VII. Redução dos riscos de arteriosclerose;
VIII. Melhora da respiração e perfusão pulmonar;
IX. Melhora da capacidade oxidativa.

2.3 EXERCÍCIO E HIPERTENSÃO

De acordo com o Ministério da Saúde (OMS, 2001), a hipertensão arterial


sistêmica (HAS) representa um fator de risco para doenças cardiovasculares,
afetando de 11 a 20% da população com mais de 20 anos. A mudança no estilo de
vida dos indivíduos hipertensos é a base para a conquista da qualidade de vida,
visto que os níveis pressóricos e a morbimortalidade causada pela patologia caem
drasticamente. Visto isso, a prática de atividade física permite que o indivíduo
hipertenso previna e controle a patologia, evitando internações recorrentes e
complicação agudo-crônicas.
A atividade física é fundamental para a conquista da saúde, visto que o
sedentarismo tende a ser um fator de risco, quando associado a doenças crônico-
degenerativas, sendo necessário o estimulo e conscientização de alunos,
principalmente os que são hipertensos quanto a este fator.
Os exercícios aeróbicos é a atividade física mais recomendada para
portadores de Hipertensão, tendo em vista que o exercício favorece o controle da
Pressão Arterial (PA), aumenta o HDL (colesterol bom) e reduz o LDL (colesterol
ruim). A caminhada, a corrida e natação são ótimas opções e devem ser praticadas
por pelo menos 3 vezes por semana, com duração de até 40 minutos por sessão e
de forma moderada.
Sendo assim, o planejamento paraohomem portador de Hipertensão e do
sexo masculino (52 anos), além das atividades aeróbicas como caminhada, natação
e corrida o treinamento dele consiste em um treinamento com 3 sessões semanais,
onde são aplicados os seguintes exercícios:

9
TABELA 1: Ficha A e Bindicada para o portador de Hipertensão citado.
EXERCÍCIO REPETIÇÕES INTENSIDADE DURAÇÃO
Esteira Hit
Supino Inclinado Carga
Crucifixo Inclinado 10 a 15 Moderada com
Elevação Lateral repetições por intensidade de 50 minutos
Pulley Costas exercício 60 à 75 da Fc
Remanda Baixa Neutra Máxima
Tríceps Corda

Cardio
Cadeira Extensora Carga

Leg Press 45 10 a 15 Moderada com

Cadeira Adutora repetições por intensidade de 50 minutos

Panturrilha livre em pé exercício 60 à 75 da Fc

Abdominal Vertical Máxima

Bicicleta
Fonte: Própria Autoria.

2.4 EXERCÍCIOS E DIABETES


A Diabete é uma das patologias considerada como problema de saúde
pública, devido a sua alta taxa de morbimortalidade, atingindo pessoas com vida
produtiva e que pode causar transtornos físicos e psicológicos levando estas
pessoas a perda de capacidade, favorecendo o aumento da exclusão social e
pobreza. No Brasil, há estudos da prevalência da doença associando-a à um custo
aproximado de 3,9 bilhões de reais aos cofres públicos ao ano (SDB, 2007).
Em 2018, números do Ministério da Saúde mostravam que 12,5 milhões de
brasileiros tinham diabetes, o equivalente a 7% da população de todo o país. Diante
disso, a preocupação com as complicações da diabetes aumentou entre as
autoridades de saúde, entretanto, com os devidos cuidados, a pessoa
com diabetes pode fazer tudo o que uma pessoa saudável é capaz de fazer,
inclusive exercícios físicos. A atividade física faz parte do tratamento não

10
farmacológico, auxiliando no ajuste do controle glicêmico e reduz a dose necessária
de insulina e medicamentos orais, além de diminuir o percentual de gordura e
aumentar a massa magra (BRASIL, 2018).
Entretanto, alguns cuidados devem cuidados diante da pratica de atividade
nos dois indivíduos, tendo em vista que além de sedentários, ambos são diabéticos,
sendo: controle da glicemia (aconselha-se a utilização de um aparelho medidor de
glicose para monitoramento), cuidado com os pés para evitar lesões e ter uma
alimentação adequada.
Visto isso, abaixo se encontram as atividades recomendadas para a Mulher
(49 anos) ficha 1 e o Homem (65 anos) ficha 2 aplicadas para 3 sessões semanais.

TABELA 2: Ficha 1com exercícios indicados para a Mulher de 49 anos.


EXERCÍCIO REPETIÇÕES INTENSIDADE DURAÇÃO
Bicicleta
Agachamento com bola
Cadeira Extensora
Leg Press 45
Glúteo Máquina
Mesa Flexora
Panturrilha em pé com Carga
caneleira 12 a 15 Moderada com 50 minutos
Cadeira Abdutora repetições por intensidade de
Cardio exercício 60 à 75 da Fc
Supino Reto Máxima
Rosca Direta
Pulley Costas
Remada Baixa Neutra
Tríceps Teste Halter
Abdominal Prancha
Fonte: Própria Autoria.

11
TABELA 3: Ficha 2 de exercícios indicados para o Homem de 65 anos.
EXERCÍCIO REPETIÇÕES INTENSIDADE DURAÇÃO
Cardio
Supino Reto
Voador Peitoral
Rosca Direta Barra
Pulley Costas Carga
Remada Baixa Neutra 10 a 15 Moderada com 50 minutos
Tríceps Corda repetições por intensidade de
Abdominal Prancha exercício 60 à 75 da Fc
Esteira Máxima
Elevação Lateral
Cadeira Extensora
Leg Press 45
Cadeira Adutora
Cadeira Abdutora
Panturrilha Livre em pé
Abdominal Vertical
Fonte: Própria Autoria.

2.5 PALESTRA SOBRE OS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO NA


SAÚDE

Abaixo se encontra a apresentação em Power Point (10 páginas) da Palestra


sobre os benefícios da Atividade Física na Saúde.

12
13
14
15
2.5.1PLANEJAMENTO DA APRESENTAÇÃO

SLIDE 01: TÍTULO

Chamo-me Jaiana Vanessa Gomes Rota Solano e a presente palestra


refere-se à apresentação dos benefícios do exercício físico para a saúde.

SLIDE 02: INTRODUÇÃO

Como é de conhecimento, o corpo humano foi construído para se manter


fisicamente ativo para que patologias decorrentes do sedentarismo possam ser
evitar e outras, controladas para que seja possível obter saúde e qualidade de vida.
A qualidade de vida é obtida através de um conjunto de ações que tendem a
favorecer o bem estar físico, mental e social, além de beneficiar a saúde do
individuo, visto que a qualidade de vida é intimamente relacionada ao equilíbrio do
organismo e boa disposição.

SLIDE 03: ASPECTOS PREJUDICIAIS

Contudo, alguns aspectos e os maus hábitos como a alimentação


inadequada, o sedentarismo e o estresse, favorecem o aparecimento de patologias.

SLIDE 04: PATOLOGIAS

Neste slide, se encontram algumas patologias que são decorrentes dos maus
hábitos, sendo a Depressão e o Transtorno alimentar que tem influência direta com
o estresse. A Diabetes, Obesidade, Insuficiência Renal, Hipertensão e Doenças
Cardiovasculares decorrentes da má alimentação e sedentarismo.

SLIDE 05: CARACTERISTICAS DAS PATOLOGIAS

Conforme apresentado anteriormente, os maus hábitos possuem


aplicabilidade direta com as patologias citadas.
No Diabetes a característica principal é a deficiência na produção ou ação da
insulina que é o hormônio responsável pela regulação da glicose sanguínea e que
garante energia ao organismo humano a partir da quebra dessa glicose.

16
A Obesidade já é caracterizada pelo acumulo excessivo de gordura corporal,
contudo, a mesma possui influência de fatores genéticos e ambientais, além de
alguns casos patologias endócrinas, síndromes genéticas ou tumores.
A Insuficiência Renal já é caracterizada pela atenuação e retenção hídrica,
contudo, a mesma ainda é uma consequência da obesidade principalmente quando
há a presença dos maus hábitos.
A Hipertensão é caracterizada pelo aumento da pressão sanguínea e
alimentação inadequada favorece esse descontrole da pressão arterial, além disso,
também se configura como uma das consequências da obesidade.

SLIDE 06: CARACTERISTICAS DAS PATOLOGIAS

As Doenças Cardiovasculares também são patologias decorrentes dos maus


hábitos alimentares, como o acumulo de gordura nos vasos sanguíneos ou trombo
formados por placas de gordura.
O Transtorno alimentar e a depressão possuem causas especificas, porém, o
estresse também é um fator influenciador. No Transtorno alimentar, ocorre à
perturbação alimentar de um individuo, podendo ocasionar o seu emagrecimento ou
a obesidade justamente pela compulsão gerada por ela. Já a Depressão, a mesma
decorre de uma patologia psíquica crônica que faz com que a pessoa tenha um
profundo sentimento de tristeza sem fim, tornando-a deprimida, sem animo, que
tenha oscilações de humor, assim como perda de interesse em atividades normais
do dia-a-dia.

SLIDE 07: BENEFICIOS DA ATIVIDADE FISICA

Analisando as complicações decorrentes da má alimentação, sedentarismo e


estresse, encontramos com os benefícios de uma vida ativa, sendo: a atenuação da
depressão, aumento da disposição física, diminuição do estresse e cansaço,
fortalecimento do sistema imunológico, melhora da postura, melhora da resistência
muscular, melhora da qualidade do sono, controle do peso, diminuição dos riscos de
patologias como coronarianas, diabetes, obesidade e hipertensão.

SLIDE 08: ATIVIDADE FISICA NO NASF

17
Visando os benefícios que a atividade física proporciona ao ser humano, a
área foi incluída nos atendimentos do NASF como fator condicionante de saúde e é
defendida pela lei 12.864/2013.A Educação física é a área que detém do
conhecimento necessário para realizar, planejar, avaliar, desenvolver e executar
atividades práticas que resultarão em benefícios aos pacientes, conforme as suas
necessidades reais.

SLIDE 09:ATIVIDADE FISICA NO NASF

Dessa forma, a aplicação da Educação física nos atendimentos do NASF visa


o desenvolvimento das atividades com a comunidade, aplicando atividades de forma
coletiva como Grupos de Convivência, focais, de promoção a saúde e a ginastica
laboral.

SLIDE 10: CONSIDERAÇÕES FINAIS

Como observado durante a apresentação, nota-se que o profissional da


Educação física é o profissional capacitado e habilitado para a prescrição de
atividades físicas direcionadas e assertivas, visando não somente a segurança dos
pacientes, mas também a obtenção de resultados reais durante as atividades.
A busca por uma vida saudável deve ser empregada com
multidisciplinaridade por todas as áreas da saúde, contudo, cada qual com suas
metodologias e abordagens necessárias.

18
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Plano de trabalho II - Avaliação, Prescrição e Atenção à saúde apresentado


laborou como um ótimo guia sobre as aplicações da Educação física diante da
prescrição de exercícios direcionada a pacientes hipertensos, diabéticos e
cardiopatas, inclusive sobre os conhecimentos e a sua prestabilidade no âmbito do
SUS, assim como suas potencialidades e desafios em sua atuação.
O plano embasado aqui é de grande importância para a formação acadêmica
em Educação física, permitindo a execução dos conhecimentos recebidos em aula,
engrandecendo de forma auspiciosa a vida profissional.

19
REFERÊNCIAS

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Ação Básica. Área técnica de


diabetes e hipertensão. Brasília: O Ministério. 2001. Disponivel em:
https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd05_06.pdf. Acesso em Setembro de 2020.

______, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria n. 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria


os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Brasília: MS, 2008.

_______, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção Básica. Departamento de


Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio à Saúde da Família.
Brasília; 2009.

______, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diabetes (diabete mellitus): Sintomas, Causas


e Tratamentos. 2018. Disponivel em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/diabetes.
Acesso em Julho de 2020.

FILHO, W. J. Atividade Física e envelhecimento saudável. Revista Brasileira de


Educação Física. São Paulo. v.20, p. 73-77. 2006. Disponivel em:
http://danielsimonn.com.br/recomendados/terceira-idade/artigo3.pdf. Acesso em Setembro de
2020.

LOCKS, R. R.; RIBAS, D. I. R.; WACHHOLZ, P. A.; GOMES, A. R. S. Efeitos do


treinamento aeróbico e resistido nas respostas cardiovasculares de idosos
ativos. Fisioterapia em Movimento. 2012. Disponivel em:
https://www.scielo.br/pdf/fm/v25n3/10.pdf. Acesso em Setembro de 2020.

SILVA, P.S.C. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: aspectos legais, conceitos


e possibilidades para a atuação dos Profissionais de Educação Física. Palhoça:
Unisul, 2016. Disponivel em:
https://www.researchgate.net/publication/315834915_Nucleo_de_Apoio_a_Saude_da_Familia_aspect
os_legais_conceitos_e_possibilidades_para_a_atuacao_dos_Profissionais_de_Educacao_Fisica.
Acesso em Setembro de 2020.

20

Você também pode gostar