Você está na página 1de 7

Tabela de honorários para perito engenheiro – regulamento de honorários de perícias e avaliações

por Rui Juliano em Honorários do perito e assistente técnico Tags: regulamento de honorários, Tabela de honorários de perito,
Tabela de honorários perito, Tabela honorários de perito, Tabela honorários perícia, Tabela honorários perito

O Instituto Nacional de Engenharia de Avaliação e Perícia, com sede em


Brasília, apresenta a tabela de honorários de perícias judiciais e avaliações de imóveis para engenheiros abaixo. A referida tabela de
honorários de perícias vem a auxiliar profissionais de todo o país.

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO INSTITUTO NACIONAL DE


ENGENHARIA DE AVALIAÇÃO E PERÍCIA – INEAPE
Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária

Realizada às 19h:00m do dia 25.10.2012

Capítulo I

PRELIMINARES

Art. 1º – Este Regulamento de Honorários para Avaliações e Perícias de Engenharia é de uso exclusivo dos associados do INEAPE
– Instituto Nacional de Engenharia de Avaliação e Perícia, cuja filiação poderá ser confirmada mediante a consulta do número de
inscrição do associado diretamente no site do instituto (www.ineape.com.br ).

Art. 2º – Este Regulamento de Honorários para Avaliações e Perícias de Engenharia estabelecediretrizes básicas e critérios técnicos
para possibilitar o início de interação comercial entre os profissionais regularmente filiados ao INEAPE e seus clientes pessoas
físicas; instituições diversas; empresas privadas; órgãos e empresas da administração direta e indireta e poder judiciário cível
distrital, estadual e federal, pressupondo sempre a imparcialidade e total desinteresse nos resultados dos trabalhos, bem como, o
conhecimento e observância dos seguintes itens:

I) Atendimento ao Código de Ética Profissional e Resoluções disciplinadoras do CONFEA – Conselho Federal de Engenharia e
Agronomia e do CAU – Conselho de Arquitetura e Urbanismo;
II) Elaboração de análise técnica, sempre que possível,
fundamentada em: a) nas Normas Técnicas Brasileiras publicadas pela ABNT aplicáveis a Engenharia de Avaliações e Perícias de
Engenharia; b) na literatura técnica; c) em outras normas técnicas de notórios reconhecimento e aplicação;

III) Obediência aos limites mínimos de honorários estabelecidos no artigo 7º do presente

Regulamento;

Art. 3º – A fixação de honorário deverá ser precedida de contatos e entendimentos prévios com o interessado e compreenderá:

I) Elaboração, sempre que possível, de proposta escrita, com estabelecimento do objeto, descrição e abrangência dos serviços,
inclusão ou exclusão de testes e ensaios de laboratório (se for o caso), preço em reais, forma de pagamento, validade, prazo de
execução, data e assinatura;

II) Elaboração, sempre que possível, de contrato escrito, com a reprodução dos itens constantes da proposta de honorários e
descrição das obrigações das partes, condições gerais se for o caso, indicação de fórum, data e assinaturas das partes e de
testemunhas.

III) Anotação de responsabilidade técnica dos serviços perante o Conselho Regional competente.

Art. 4º – É lícito ao profissional requerer uma parcela de adiantamento dos honorários, a qual deverá ser inferior a 50% (igual ou
superior a 30% (trinta por cento) dos honorários.

Art.5º – Nas Perícias Judiciais, a proposta de honorário deverá conter quadro discriminativo dos serviços a serem realizados, com
indicação do montante de horas técnicas, custos de ensaios e testes técnicos, bem como despesas de deslocamento e estadia.

Parágrafo Único: recomenda-se ao profissional: 1) apresentar justificativa fundamentada para antecipação de honorários de
perícias judiciais, não devendo o mesmo exceder a 50% (cinquenta por cento); 2) Evitar, sempre que possível, pedido de
complementação de honorários, a menos que as circunstâncias o justifiquem.

Art. 6º – Quando não inclusas na proposta de honorários, as despesas com deslocamento, passagens aéreas e hospedagem deverão
ser efetuado por meio de ressarcimento e mediante apresentação dos comprovantes de despesas.

Art. 7º – A remuneração mínima do profissional será de:

a) R$ 600,00 (seiscentos reais) para vistorias preliminares e avaliações enquadradas no nível I (um) de dificuldade, conforme
classificação estabelecida no ANEXO I deste Regulamento de Honorários;

b) R$ 1.800,00 (um mil e oitocentos reais), para vistorias e avaliações enquadradas no nível II (dois) ou III (três) de dificuldade,
conforme classificação estabelecida no ANEXO I deste Regulamento de Honorários;

c) R$ 2.800,00 (dois mil e oitocentos reais) para perícias enquadradas em qualquer nível de dificuldade, conforme classificação
estabelecida no ANEXO I deste Regulamento de Honorários.

Parágrafo Único: Para os serviços de consultoria sem elaboração de relatório ou laudo escrito, tais como participação em reunião
de discussão técnica, a remuneração mínima será aquela correspondente ao valor de 2 (duas) horas técnicas, conforme discriminado
no artigo 8º deste Regulamento.
SEJA PERITO JUDICIAL – adquira o livro
Manual de Perícias

Capítulo II

FIXAÇÃO DE HONORÁRIOS EM FUNÇÃO EXCLUSIVA DO TEMPO GASTO

Art. 8º – A fixação de honorários com base no tempo gasto na realização dos trabalhos será calculada com base no custo da hora
técnica, aqui estabelecida em R$ 200,00 (duzentos reais) e na quantidade estimada de horas efetivamente despendida com vistoria
local, diligências externas, visitas técnicas a fabricantes e serviços/obras para convicção do avaliador/vistor ou perito, acrescidos
dos custos de deslocamento, alimentação, hospedagens e passagens aéreas.

Parágrafo Único – As avaliações, vistorias e perícias poderão ter seus honorários majorados em função do nível de dificuldade na
realização dos serviços discriminados no ANEXO I, conforme segue:

a) em ATÉ 50% para serviços enquadrados NIVEL II (dois) citado no ANEXO I deste Regulamento;

b)em ATÉ 100% para serviços enquadrados no NIVEL III (três) citado no ANEXO I deste Regulamento.

Capítulo III

FIXAÇÃO DE HONORÁRIOS EM FUNÇÃO DE PARÂMETROS DETERMINÍSTICOS (TIPOLOGIA,


LOCALIZAÇÃO E ÁREA).

Art. 9º – Para determinação dos honorários relativos a trabalhos de avaliação de imóveis enquadráveis nos níveis II (dois) e III
(três) de dificuldade poderá ser utilizado, opcionalmente ao critério estabelecido no artigo 8º deste Regulamento de Honorários, o
seguinte critério:

CRITÉRIO PARA DETERMINAÇÃO DOS HONORÁRIOS PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS DE AVALIAÇÃO DE


IMÓVEIS

O critério se baseia na determinação do VALOR DE REFERÊNCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS (VRAI), na TIPOLOGIA, na


LOCALIZAÇÃO e no TAMANHO DA ÁREA do imóvel a ser avaliado, conforme segue:

PARÂMETRO 1 – VALOR DE REFERÊNCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS (VRAI): é o valor em reais do custo unitário da
hora técnica, com a exclusão das seguintes despesas: estadia e alimentação (diárias de hotéis, café da manhã, almoço, lanche, jantar
e bebidas não alcóolicas); despesas com emissão e cópia de documentos. O valor de VRAI deve ser igual ou inferior (mínimo de
50%) ao valor da hora técnica estabelecido no artigo 8º deste Regulamento de Honorários.

___________________________________________

Veja tabela de honorários de perito com cálculo automático – CLIQUE AQUI

___________________________________________

PARÂMETRO 2 – TIPOLOGIA: leva em consideração o tipo do imóvel a ser avaliado, conforme tabela abaixo:

TIPOLOGIA Parâmetro
Terreno não edificado 1,00
Unidade residencial isolada; loja ou sala 1,25
comercial em condomínio
Andar corrido em prédio em condomínio ou 1,50
imóvel isolado
Prédio comercial, residencial ou institucional 1,75

PARÂMETRO 3 – LOCALIZAÇÃO: Leva em consideração a distância do imóvel em


relação ao centro da capital do estado, conforme tabela a seguir:

LOCAL 0: imóveis localizados em zonas urbanas, que distem até 30 Km do centro de qualquer capital de estado da federação
(“LOCAL 0” sempre assumirá parâmetro no valor 1 (um), para qualquer capital de estado da federação);

LOCAL 1: imóveis localizados em zonas urbanas, que distem mais de 30 Km e menos de 100 Km de qualquer capital de estado da
federação;

LOCAL 2: imóveis localizados em zonas urbanas que distem mais de 100 Km e menos de 300 Km de qualquer capital de estado
da federação;

LOCAL 3: imóveis localizados em zonas urbanas que distem mais de 300 Km e menos de 600 Km de qualquer capital de estado
da federação;

LOCAL 4: imóveis localizados em zonas urbanas que distem mais de 600 Km de qualquer capital de estado da federação;

Região LOCAL 1 LOCAL 2 LOCAL 3 LOCAL 4


Região Norte
Amazonas, Pará 1,50 1,70 1,90 2,00
Demais estados e 1,40 1,50 1,70 1,90
territórios
Região Nordeste
Bahia 1,40 1,50 1,60 1,70
Maranhão, Piauí e Ceará 1,30 1,40 1,50 1,60
Demais estados 1,20 1,30 1,40 1,50
Região Centro Oeste
Mato Grosso e Mato 1,40 1,50 1,60 1,70
Grosso do Sul
Goiás e Tocantins 1,30 1,40 1,50 1,60
Distrito Federal 1,20 1,30 1,40 1,50
Região Sudeste
Minas Gerais 1,40 1,50 1,60 1,70
Demais estados 1,20 1,30 1,40 1,50
Região Sul (todos os 1,20 1,30 1,40 1,50
estados)

IMPORTANTE: A distância do imóvel poderá ser considerada, em comum acordo com o interessado, em relação à capital de
estado de localização mais próxima ao imóvel objeto dos serviços.

PARÂMETRO 3 – TAMANHO DA ÁREA: Leva em consideração o tamanho da área do imóvel a ser avaliado, conforme tabela a
seguir:

TAMANHO DA ÁREA Parâmetro


Até 250m² 5,0
De 251m² a 500m² 7,5
De 501m² a 1.000m² 10,0
De 1001m² a 2.000m² 15,0
De 2.000m² a 5.000m² 17,5
De 5.001m² a 10.000m² 20,0
De 10.001m² a 20.000m² 30,0
De 20.001m² a 35.000m² 50,0
De 35.001m² a 55.000m² 75,0
Maior que 55.001m² 100,0

VALOR DOS HONORÁRIOS

O valor final dos honorários será dado pela multiplicação do VRAI pelos três fatores conforme segue:

HONORÁRIOS (R$) = VRAI x TIPOLOGIA X LOCAL x TAMANHO DA ÁREA

Capítulo IV

DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 10º – Na atuação como assistente técnico em perícias judiciais, os honorários serão os
mesmo que os cobrados pelo perito do Juízo, podendo ser reduzido em até 50%, se houver participação anterior do profissional
assistente no mesmo objeto e finalidade da perícia.

Art. 11º – As periciais judiciais que busquem a determinação de locação ou de arrendamento de imóveis poderão ter seus
honorários periciais determinados em relação ao aluguel provisório determinado pelo juízo, não podendo exceder a 50% (cinquenta
por cento), obedecidos o valor mínimo estabelecido no artigo 7º deste Regulamento de Honorários.

Art. 12º – O valor dos honorários resultantes da aplicação de qualquer dos critérios especificados neste Regulamento estão sujeitos
a acréscimos ou reduções nos seguintes casos:

a) Serviços requisitados com urgência declarada pelo interessado, com acréscimo sugerido de até 50% (cinquenta por cento).
Percentuais de acréscimos superiores a 50% (cinquenta por cento) deverão ser amplamente justificados;

b) Serviços executados em zonas insalubres, perigosas ou que de outro modo aumentem o risco pessoal do profissional e de seus
auxiliares, com percentual sugerido de até 50% (cinquenta por cento). Percentuais de acréscimos superiores a 50% (cinquenta por
cento) deverão ser amplamente justificados;

c) Aplicação de percentuais de redução a serem previamente ajustado de comum acordo com o solicitante, respeitado os valores
mínimos estabelecidos no artigo 7º deste Regulamento, nos seguintes casos: trabalhos com repetição (imóveis semelhantes);
trabalhos com aproveitamento de uma mesma pesquisa de mercado ou quando ocorrerem circunstâncias análogas, a critério do
profissional.

Art. 13º – Se aplicam ainda aos honorários deste regulamento o seguinte:

a) Os honorários para os imóveis com características físicas diferenciadas (considerados obras de arte ou patrimônio histórico), não
foram contemplados nos critérios de determinação dos honorários.

b) Os honorários para as edificações em condomínio multifamiliares ou comerciais contemplam apenas as vistorias nas áreas
comuns.

c) Laudos que envolvam mais de uma especialidade de profissional poderão sofrer acréscimo de até 50% (cinquenta por cento);

Art. 14º – Todas as dúvidas emergentes da aplicação das disposições deste Regulamento de

Honorários Profissionais (ou omissões do mesmo) serão dirimidas por consulta escrita, dirigidas ao

INEAPE.

Art. 15º – Este Regulamento de Honorários Profissionais deverá ser revisto pelas Assembléias Gerais do INEAPE, podendo ser
alterado sempre que as circunstâncias e a conjuntura econômica nacional assim o exigirem. 01

Brasília, 25 de outubro de 2012.

Isnaldo da Silva Rosa Filho – Presidente do INEAPE


Urubatan N. Simões de Barros – Vice-Presidente do INEAPE

Jair Bizerra de Araujo – Diretor Técnico do INEAPE

Dagoberto Justiniano Ferreira – Diretor Comercial do INEAPE

Antonio Augusto de Oliveira (advogado) – OAB-DF nº 4183

=========================================

Sobre o Instituto Nacional de Engenharia de Avaliação e Perícia – INEAPE


O INSTITUTO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÃO E PERÍCIA – INEAPE é uma sociedade civil de duração
ilimitada, com foro no Distrito Federal, sem fins lucrativos, constituída e regida por estatuto registrado no Cartório do 2º Ofício do
Registro Civil de Pessoas Jurídicas, com registro no Conselho de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Distrito Federal
(CREA-DF).

DOS OBJETIVOS DO INEAPE

São objetivos do INEAPE: a congregação das pessoas físicas que se dedicam às atividades de engenharia no Distrito Federal;
defesa dos interesses profissionais e morais dos filiados; assistência aos profissionais associados no que concerne às leis e regras
que regem a especialidade; intercâmbio e a difusão das informações de interesse geral com o fito de desenvolver uma ampla ação
profissional e social; estudo e discussão de questões correlatas à engenharia; estímulo ao ensino, à formação, à especialização e ao
aprimoramento técnico com promoção de intercâmbios, congressos e cursos; estabelecimento de normas de conduta profissional;
observância da ética profissional; participação em pesquisas e estudos técnicos e científicos por grupos de sócios e por convênio;
publicação de relatórios, monografias e revistas especializadas e prestação de serviços técnicos e de consultoria a órgãos públicos e
entidades privadas.

DA ATUAÇÃO DO INEAPE E DE SEUS FILIADOS

O INEAPE conta em seu quadro associativo com profissionais altamente qualificados, os quais têm desenvolvido trabalhos de
avaliações e perícias de engenharia para entidades privadas e públicas a nível distrital e federal, tais como: Caixa Econômica
Federal, Banco do Brasil, Tribunal de Justiça do DF, Justiça Federal, empresas privadas, condomínios e pessoas físicas.

Instituto Nacional de Engenharia de Avaliação e Perícia


Edifício Serra Dourada – SCS Quadra 02, Bloco C, Sala 217 – CEP: 70.300-902
Tel: (61) 3323-4040 – E-mail: contato@ineape.com.br

Instituto Nacional de Engenharia de Avaliação e PeríciaEdifício Serra Dourada – SCS Quadra 02, Bloco C, Sala 217 – CEP:
70.300-902Tel: (61) 3323-4040 – E-mail: contato@ineape.com.br – www.ineape.com.br

____________________________________

ATENÇÃO: Este post pode estar parcialmente desatualizado em função da entrada em vigor do NOVO Código de Processo Civil,
em 18/3/2016 – para você se atualizar, adquira o NOVO livro Manual de Perícias ou adquira o acesso restrito do site Roteiro de
Perícias ou acesse o NOVO Blog do Rui Juliano.

____________________________________

Curso Perícias Judiciais – CLIQUE NA LOCALIDADE: São Paulo – Brasília – Belo Horizonte – Curitiba – Salvador – Porto
Alegre – Goiânia – Recife – Manaus – Cuiabá – Campo Grande – Maceió – Natal – Fortaleza – Teresina – São Luis – Aracaju –
João Pessoa – Santos – Joinville – Belém – Vitória – Uberlândia – São José dos Campos – Ribeirão Preto – São José do Rio Preto

Curso Perícia Judicial Online – inteiramente pela internet

Cadastro Nacional de Peritos – 8.500 peritos em 1.100 cidades

Seja Perito Judicial


Sem concurso
Horários flexíveis

Podem ser:
• Recém-Formados
• Profissionais Liberais

Você também pode gostar