Você está na página 1de 22

Aula 2

Otimização Não-linear

Paulo A. Valente Ferreira

Departamento de Telemática

˜
Faculdade de Engenharia Elétrica e Computaçao
Universidade Estadual de Campinas

Paulo Valente Otimização Não-linear


Aula 2

Conteúdo

1 Produto Interno e Norma

2 Conjuntos Abertos e Fechados

3 Seqüências

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Produto Interno e Norma

˜ (Produto Interno)
Definiçao
O produto interno de dois vetores x = (x1 , x2 , . . . , xn ) ∈ Rn e
y = (y1 , y2 , . . . , yn ) ∈ Rn é o número real definido por

hx, yi = x1 y1 + x2 y2 + · · · + xn yn .

Propriedades do Produto Interno (x, y, z ∈ Rn , α ∈ R)


i) hx, yi = hy, xi.
ii) hx + y, zi = hx, zi + hy, zi.
iii) hαx, yi = αhx, yi.
iv) hx, xi ≥ 0 e hx, xi = 0n ⇔ x = 0n .

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Produto Interno e Norma

˜ (Norma)
Definiçao
A norma de x ∈ Rn é o número real definido por
p
kxk = hx, xi.

Propriedades da Norma (x, y ∈ Rn , α ∈ R)


i) kxk ≥ 0 e kxk = 0 ⇔ x = 0n .
ii) kx + yk ≤ kxk + kyk.
iii) kαxk = | α | kxk.

Teorema (Desigualdade de Cauchy-Schwarz)


Para todos x, y ∈ Rn , tem-se que | hx, yi | ≤ kxkkyk. A
igualdade ocorre se e somente se que x = αy ou y = 0n .

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Produto Interno e Norma


Normas p. A norma p de x ∈ Rn é
n
!1/p
X
p
kxkp = | xi | , p ≥ 1.
i=1

Desigualdade de Hölder.
Dados x, y ∈ Rn , p > 1 e q > 1 com 1/p + 1/q = 1,

n n
!1/p n
!1/q
X X X
| xi yi | ≤ | x i |p | y i |q .
i=1 i=1 i=1

Cada norma p (p ≥ 1) satisfaz as propriedades da norma.


Se p = q = 2, a desigualdade de Hölder transforma-se na
de Cauchy-Schwarz.
Paulo Valente Otimização Não-linear
Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Produto Interno e Norma


Normas Especiais
kxk1 = ni=1 | xi |, norma retilı́nea.
P

kxk2 = kxk, norma euclidiana.


kxk∞ = max{| xi |, i = 1, 2, . . . , n}, norma infinito.
x2 x2 PSfrag replacements
x2
1 1 1

−1 0 1 x1 −1 0 1 x1 −1 0 1 x1

−1 −1 −1

{x : kxk1 ≤ 1} {x : kxk2 ≤ 1} {x : kxk∞ ≤ 1}

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Produto Interno e Norma


Distância entre Dois Pontos
Cada norma p é uma medida do tamanho de x, ou de sua
˜ a 0n .
distância em relaçao
A distância entre dois pontos x, y ∈ Rn medida pela norma
p é igual a kx − ykp .
˜
Pela nao-negatividade de qualquer norma, kx − ykp = 0
se e somente se x = y.

Ângulo entre Vetores


O ângulo θ entre dois vetores nao-nulos
˜ x, y ∈ Rn é
definido por
hx, yi
cos θ = , θ ∈ [0, π].
kxkkyk

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Produto Interno e Norma

Ortogonalidade
Vetores x, y ∈ Rn sao
˜ ortogonais se hx, yi = 0. Um vetor
x ∈ Rn é ortogonal a C ⊂ Rn se hx, yi = 0 para todo y ∈ C.
Um conjunto de vetores C = {x 1 , x 2 , . . . , x k } é ortogonal
se hx i , x j i = 0 para i 6= j.
Se C é ortogonal e kx i k = 1 para todo i = 1, 2, . . . , k, entao
˜
C é um conjunto ortonormal.
Numa base base ortonormal C = {x 1 , x 2 , . . . , x n } qualquer,
˜ de x é
a representaçao

x = hx, x 1 ix 1 + hx, x 2 ix 2 + · · · + hx, x n ix n .

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Conjuntos Abertos e Fechados

˜ (Bola aberta)
Definiçao
A bola aberta de raio  > 0 centrada em x ∈ Rn é definida por

B (x) = {y ∈ Rn : ky − xk < }.

˜ (Conjunto Aberto)
Definiçao
Seja A ⊂ Rn e x ∈ A. Diz-se que x é um ponto interior de
A se existe  > 0 tal que B (x) ⊂ A.
O conjunto de todos os pontos interiores de A é denotado
por int A. Observa-se que int A ⊂ A.
Um conjunto A ⊂ Rn é aberto se A = int A.

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Conjuntos Abertos e Fechados

PSfrag replacements

Aberto ˜ aberto (6= fechado)


Nao

Exemplo (Conjunto Aberto)


a) ∅ e Rn , pois int ∅ = ∅ e int Rn = Rn .
b) A = R++ .
c) A = {x : x12 + x22 + · · · + xn2 < r 2 } (r dado).

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Conjuntos Abertos e Fechados

˜ (Conjunto Fechado)
Definiçao
Seja A ⊂ Rn e x ∈ Rn . Diz-se que x é um ponto de fecho
(closure) de A se para todo  > 0, a bola B (x) contém um
ponto de A.
O conjunto de todos os pontos de fecho de A é
representado como cls A. Observa-se que A ⊂ cls A.
Um conjunto A ⊂ Rn é fechado se A = cls A.

Teorema
Se A ⊂ Rn é um conjunto aberto então Rn \A (complemento de
A no Rn ) é um conjunto fechado.

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Conjuntos Abertos e Fechados

PSfrag replacements

Fechado ˜ fechado (6= aberto)


Nao

Exemplo (Conjunto Fechado)


a) Rn e ∅, pois Rn \∅ = Rn e Rn \Rn = ∅.
b) A = R+ .
c) A = {x : x12 + x22 + · · · + xn2 ≤ r 2 } (r dado).

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Conjuntos Abertos e Fechados

˜ (Fronteira)
Definiçao
Seja A ⊂ Rn e x ∈ Rn . Diz-se que x é um ponto de
fronteira (boundary) de A se para todo  > 0, a bola
B (x) contém um ponto de A e um ponto fora de A.
O conjunto de todos os pontos de fronteira de A é
representado como bnd A.

˜ entre int A, cls A e bnd A


Algumas Relaçoes
Em geral, A 6= int A ∪ bnd A.
cls A = A ∪ bnd A.
int A = cls A\bnd A.

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Conjuntos Abertos e Fechados

Teorema
1 A intersecção de um número finito de conjuntos abertos é
aberta. A união de uma coleção arbitrária de conjuntos
abertos é aberta.
2 A união de um número finito de conjuntos fechados é
fechada. A intersecção de uma coleção arbitrária de
conjuntos fechados é fechada.

˜ (Conjunto Limitado)
Definiçao
Seja A ⊂ Rn . Diz-se que A é limitado se existe um escalar
M > 0 tal que kxk ≤ M para todo x ∈ A.

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

Conjuntos Abertos e Fechados

˜ (Conjunto Compacto)
Definiçao
Um conjunto A ⊂ Rn é compacto se A é ao mesmo tempo
fechado e limitado.

Exemplo
a) A = R+ , fechado e ilimitado.
b) A = R++ , aberto e ilimitado.
c) A = {x : x12 + x22 + · · · + xn2 < r 2 }, aberto e
limitado.
d) A = {x : x12 + x22 + · · · + xn2 ≤ r 2 }, fechado e
limitado (compacto).

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

ˆ
Sequ¨encias

˜ (Seqüência)
Definiçao
Uma seqüência no Rn é uma função cujo domı́nio é o conjunto
dos números naturais N = {1, 2, . . .} e cujo range está contido
no Rn . Notações: {x 1 , x 2 , . . .}, {x k : k ∈ N}, {x k }.

O ordenamento dos elementos importa. A seqüência em


R dada por {(−1)k } é diferente do conjunto {−1, +1}.

Exemplo (Seqüências)
a) {ak }, a ∈ R, seqüência geométrica.
b) {x k }, x 1 = 1, x 2 = 1, x k +1 = x k −1 + x k , k ≥ 2
({1, 1, 2, 3, 5, . . .}), seqüência de Fibonacci.

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

ˆ
Sequ¨encias

˜ (Limite de {x k })
Definiçao
Diz-se que x ∈ Rn é um limite de {x k } se para todo  > 0,
existe um K () ∈ N tal que kx k − xk <  para todo k ≥ K ().
Notações:

lim {x k } = x, lim x k = x ou x k → x.
k →∞

Se {x k } possui um limite, então {x k } é convergente. Senão,


{x k } é divergente. Se x é um limite de {x k }, então {x k }
converge para x.

Teorema (Unicidade do Limite)


Uma seqüência pode ter no máximo um limite.

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

ˆ
Sequ¨encias

Exemplo
a) {1/k} converge para 0. De fato,

| 1/k − 0 | = 1/k,

e dado  > 0, determina-se K > 1/. Então


1/k <  para todo k ≥ K .
b) {ak }, −1 < a < 1, converge para 0 por um
raciocı́nio análogo.
c) {(−1)k } não converge para 1 (ou −1). De fato,
se x = 1 e  = 1, não existe K ∈ N tal que

| (−1)k − 1 | <  para todo k ≥ K .

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

ˆ
Sequ¨encias

Teorema
Uma seqüência {x k } no Rn converge para um limite x ∈ Rn ,
isto é, x k → x, se e somente se xik → xi para i = 1, 2, . . . , n.

A convergência de uma seqüência de vetores equivale à


convergência de cada componente do vetor.

˜ (Seqüência Limitada)
Definiçao
Uma seqüência {x k } é limitada se existe um número real M tal
que kx k k ≤ M para todo k ∈ N. Caso contrário, diz-se que
{x k } é ilimitada.

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

ˆ
Sequ¨encias

Teorema
Toda seqüência no Rn convergente é limitada.

˜ (Subseqüência)
Definiçao
Seja {xk } um seqüência no Rn e r1 < r2 < · · · < rk < · · · uma
seqüência estritamente crescente em N. A seqüência {x rk } é
chamada de subseqüência de {x k }.

Exemplo
Seja {(−1)k }. Com r1 = 1, r2 = 3, . . . (rk ’s ı́mpares) e r1 = 2,
r2 = 4, . . . (rk ’s pares) obtém-se subseqüências de {(−1)k }.

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

ˆ
Sequ¨encias

Teorema
Se {x k } converge para x ∈ Rn , então qualquer subseqüência
de {x k } converge para x.

Para mostrar que {x k } nao


˜ converge para x ∈ Rn , mostre
que uma subseqüência de {x k } nao
˜ converge para x.

Teorema (Bolzano-Weierstrass)
Uma seqüência {xk } limitada possui uma subseqüência
convergente.

As subseqüências de {(−1)k } (limitada) com rk ’s pares e


rk ’s ı́mpares convergem para 1 e −1.

Paulo Valente Otimização Não-linear


Produto Interno e Norma
Conjuntos Abertos e Fechados
Seqüências

ˆ
Sequ¨encias

˜ (Ponto Limite de {x k })
Definiçao
Diz-se que x ∈ Rn é um ponto limite de {x k } se existe uma
subseqüência de {x k } que converge para x.

Se {x k } converge para x, entao ˜ qualquer subseqüência


{x rk } converge para x, e x é o único ponto limite de {xk }.

˜ (Ponto Limite de A ⊂ Rn )
Definiçao
Diz-se que x ∈ Rn é um ponto limite de um conjunto A ⊂ Rn se
existe uma subseqüência {x k } de pontos de A que converge
para x.

Paulo Valente Otimização Não-linear