Você está na página 1de 11

cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc

c  c
c c

ccccc
 c !c
c
 c c c
c
"#c
$%&c
c
c
c

c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc c c c
cc

cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc c cc
c  c

c c

cc
ccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc
!
c
c

!
''''''''''''''''''''''c

 ''''''''''''''''''''c
  cc
 c  !&"c
! ''''''''''''''''''''(c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc  c cc 
cc
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc
c  c

cc

c
ccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc
 c
c


ccc
c
!
!
cc c

c
cc
  cc!
 c  !c


c"
c#
c

cccccccccccccccccccccccccccccccccc  cc!


 c  !c
c
c
c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc  c cc 
cc
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc
c  c
c c

c
Nos finais do século IV a. C. uma nova potência assume protagonismo no Mediterrâneo

Ocidental: Roma.

A primeira grande diferença entre o Império Romano e os que o precederam reside no facto

do processo expansionista deste ter sido progressivo e lento mas, contudo, seguro. O Império

Romano não é obra de uma dinastia, mas sim de um longo processo territorial, garantido por

numerosas gerações de dirigentes políticos e militares.

Uma outra característica que diferencia este império dos antecedentes é o facto de Roma não

submeter pela força os povos que vai conquistando ao longo da sua expansão; o seu domínio é

feito através de implementação de novas realidades administrativas, que, no entanto, tentam

adaptar-se às diferentes formas de exercício do poder dos distintos locais.

Em termos gerais, o processo de romanização pode ser definido como a criação de uma nova

ordem territorial. Esta nova ordem territorial incluía novas realidades político-administrativas

e um processo de complexificação social. A eficácia do exercício do poder e a circulação das

directivas saídas dos diferentes órgãos do Estado foram asseguradas pela criação de um bom

sistema de comunicações.

 c
c!c )c *cc

Na Península Ibérica, sob a designação genérica de "período do domínio romano", incluem-se

fases de desenvolvimento distintas, apesar de existir a tendência de considerar a presença

romana (mais de seis séculos) como uma única realidade.

Os Romanos começaram a conquista da Península Ibérica pelo ano 218 a. C., durante a

Segunda Guerra Púnica, entre Roma e Cartago, em que as tropas comandadas por Cneu Cipião

desembarcaram em Ampúrias. Durante vários anos lutaram contra o domínio dos

Cartagineses, acabando por expulsá-los da Península em 206 a. C., com a conquista de Cádis,

passando a dominar o litoral mediterrânico. Seguiram-se as lutas contra os povos

c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc c c c
cc
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc
c  c

cc

  
_e i    e


     

 
D   eo  o e e 5 C o_  e Ro  e f e    e e  e   


  
e õe o _o eio i  íe   o   e í  De
e e 
 o i
eo e
     

i i   o efe i o  o e eo o i
e 
o e
i eeo  ez i 

    
_ z  e fi i
o é o III C  eí Iéi e e ii i e e  o _  o o 
   

e iz ii     i
o i o o oo e e _o  o
o ei óio ó e 97 C e

_ e   o _ieio _oje o
e i  o
e 
ii   o _o ii  ee eo
 
o o ei óio o_
o foi
i i
i
o e
  _o íi  Hi_i  eio oi
e e e

Hi_i Ci eio oie e e     eiõe
ii 

e ei  oe e
    
 e f i i o 
o ieé é  f 

ie oe O o o i e
  

ii  i o   e e e _o    e e_o o 
  _o íi 

A _  i
e 94 C  o íi 
o _ieio ofo o e e Li o e Ro o e e o
  
efe Li o oe í  ii o e e óio O Li o     _o ofe ei 

eo 
  e o o ei e efo 
o e e  _ee  é
o_  o
e

o  eiõe o e  o _iei  


e  _  o  o    ei óio _o ê

ó e efe o e 3 C A iii i
e ie i
e ee  o
o oo oe
o

   
  eio Déio J io B o  e fi o o e   e ee  j o i

e
e oó o  e


o Tejo e fo ifio Oii_o _oiii 


o i  fi   eie o  o_  e

 _  _o i  í i J io B o  o e


ie o o o e   o oo 

eiõe o o 


o i eio ei 
o
e fo ofo o o  _o_ õe

 
o   T
o e e e  _  e e
eeoi
o o oo
f i i o 
 
_o e    
o _o ee e o _eo e  i 
e ii
 oie e 


e i i Oii_o B    ez ei
 _    o_ 
iie e _   e
  

o i
i e  o
ei    e  i o o ooe e o o e e ee  o

e i e i
íio
e ofi o e e Ro o e o _oo  ó oe

 o _ií_io
o éo I C  io C o

oe
o
 eio o 


 _  o ooe e 9 94 C  e e o i
e ifi  o
 fo e
e e o

_ei e É _oe e e


eoe e o ií
o _  i eifi  o


 e õe  i  f  o i o_o


o _eo ei o eoóio o oo
e o
o o

éo I C
 
A_o i
e e
ez o  i 
e  C  e ee iz e    o e

 e e  o o  e  iiiz
e e e Ro o e Lo e
o o ó  efe o

 e  ii o   A o ii



e _oo  e _o  oo _eío
o
e e_o e ó

c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc  c cc 
cc
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc
c  c
c c

! !
têm fim em 2 a. C. Após a morte de Sertório ( 2 a. C.) e da derrota de Perperna, a Península

Ibérica vive novamente um período de acalmia. Porém, esta situação foi alterada com a

nomeação de Júlio César para governar a Ulterior (61 a. C.). César desencadeou um grande

ataque contra os Lusitanos que habitavam o monte "ermínio. As campanhas de Júlio César
# $
não se limitariam somente às regiões montanhosas entre Douro e e o, mas também às costas

da Galiza.

Em %6 a. C., Júlio César, Marco Licínio Crasso e Cneu Pompeio (ou Pompeu) estabelecem um

acordo para a partilha dos territórios sob administração romana. A Marco Crasso foi atribuída

a província da Síria, a Júlio César as Gálias e a Cneu Pompeio a "ispânia. Contudo, Pompeio

acabou por entregar as "ispânias a três legados, que repartiam entre si o governo das

províncias. A Citerior foi atribuída a Lúcio Afrânio e a Ulterior a Marco Varrão e Petreio.

Entretanto, e como consequência dos desentendimentos entre Júlio César e Pompeio, ambos

com aspirações ao trono, são infligidos vários ataques à "ispânia e os legados de Pompeio
&&
acabam por ser derrotados. Em a. C., com a saída dos opositores a César do território, os

governadores ocuparam-se da pacificação total da região.

Neste mesmo ano, Júlio César é assassinado e Octaviano, seu filho adoptivo, assume o poder
!
vitalício em Roma (2 a. C.), inaugurando-se desta forma a etapa imperial, propriamente
# '
dita, da história de Roma. odavia, as hostilidades na "ispânia haviam recomeçado (2 a. C.),

e Roma concentrou uma grande força militar na Península Ibérica contra os Vascos, Cântabros

e Ástures. Durante 10 anos estas populações resistiram aos ataques, acabando toda a "ispânia
'
por ser completamente dominada em 1 a. C.

Conforme os Romanos chegaram iam dominando as várias regiões peninsulares, assim

impunham as suas estruturas sociais, a sua forma de vida, as suas leis, acabando por dominar

e influenciar profundamente, e para sempre, toda a Península Ibérica.

( a toda esta acção e influência da civilização de Roma que se chama romanização.

A sua influência fez-se sentir em todos os sectores. De uma economia rudimentar passou-se a

uma economia agrícola com bom aproveitamento dos solos e das várias culturas, como o

trigo, oliveira, fruta e vinha. A língua latina acabou por se impor como língua oficial,

funcionando como factor de ligação e de comunicação entre os vários

povos. As povoações, até aí predominantemente nas montanhas,


$
passaram a surgir nos vales ou planícies, habitando casas de ti olo

&c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc c c c
cc
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc
c  c

cc

)
oe  o e Coo e e_o
e i

e e i  o o Ro o eo B 

*U   Bej + 


   Coíi e C e +   A i
 i

eeoe e oe 


o o i   i  ee e  _e
ei  o e j
o

eeoe é o oéio i


o fei  e e
o o i  o
oe
e
, -
_oi
o  e e e
e ii +  f o   
 o  
e e i
 i o

e íio o _ee e e i  o _ii_ i e o


e o
o o I_éio

A ifêi o  fez e e i é  eii o e    ife õe  í i 

T o e _oi
e  ifêi _of
 oe 
o  zo _iei e e

oi
O _ii_ i e e fo  o eeio e ie  _  .eí  o

 
e o ie e ii e o o i  _
o  o
e  efe ii e

ii  o
e o o _  . eí  oe o
i

i o 

/  
 _ii_ i e iz õe o   e oo i_io foi i_   o
e  oo
0
o
eo
e oie

e e e o e o  o e  fo
o oo _óo
o oeo

eio  e  ifi
o e e i
o  _o
e  i _o 1 e eio  o e
e o
o
, 2
ié
i o e   eiõe
. eí Iéi     e e o o i

e
o ei óio

_ei  foi  i  o o 

3 o o e e O i o e o _o
e _oíi / eio foi
ii
i
e
  Bé i e

Li i A Bé i  i    ei o


A
zi e Li i oe_o
ei 

eiee e o    ei óio _o ê

$cc
c !cc cc

c   #cc

O i o ee  _ _e ee  e  i  o


e  
e oói  i oo 
 
5
4Bej    4 éi
 e é _oio  iz  o
e 
o  io
6
_oo
o i
íe  oo o ee o    4Co
ei  o   4To  7

o  i_o  e oe iz  o

ii   o _oii  o   o o    

O  oi i   ii



e
e   e jí
io A e e o oe
o
e

"c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc  c cc 
cc
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc
c  c

cc


_oíi ei e e
ifee e i

e o o e e_e io e_ee  e _ 

ii   j i e  i i  o 


ie ize

ii   o o  8o i o
o

 _e  e é o  o o 9o


e
e Ro  _eoifi
o  _eo
o

i_e
o e
 f íi : f o eiio _ ee e i
o 
 _ii_ i

iiõe
e e  o _io
<=
O _eío
o
e e ii e e ei o ei
o
e ;eo _o o
e   z o e e

  
e ofi o _  9eí Iéi
< ? ?
: 9
e_oi
e
eo   fo 
o e
eio > i éio e_ i o e o i_éio
@
e f

i  i
o Fio o
i  i
o Fio  io
eéio
e I
C 
e e o

_oeo
e
ii o
ii  i
 Hi_i  o ii_ iz  o efe i
e o
 

e
e eio i     A _o_ei

e fi _ooo e  eí Iéi o
9

=
ei
o  oio j
i  i e iiio e 9 o T j o o _ieio i_e
o o o

  
Hi_i :
i  i  e o_o  e o
o o éo II é o e e

ee
oo I

e
e Oo
o I_éio Ro o Foi  é_o    eiz
_o 

 
e _o_ei

e eoói e
eeoie o eio 

Ao oo
o éo III o I_éio ie
i 
ifíei o o iíio
o  
o _eío
o
e
A
 i  > 35
  e o   e e
e  ee  e e efe ii e e o  õe

íe _oí io


A= A== A= B
: e 4e  o Dioei o > 4 3 4 o_e e  o eo iz  o
 _oíi 

i_i  O ei óio _ei  é


ii
i
o e io _oíi  T  oee
C D
C  iee Bé i  Li i e éi : o
ii o i io  é _e

o

ei óio
eí Iéi _o Ro
9

?
; o fi i
o éo I  o i_éio é oe
o o Oie e _o Teo
óio e
e i  
e
E D
_e íio e o
e e o
o i_éio : e f  o
ee e f ez
eo 
_o
? =B
A o
o Oi
e e e ii o III e _e oie i_i
ee : 3
C  o o

É
i o
e Te ói  o Ci i io é
o_
o oo eii o
e :
o
eoo 
o e
E
i 
o  io   iõe
i
eooi i_ei  O i_e
o
ei
e e o efe
D
_eo
o  o _ 
   ie i
Iej
B
A _  i
e 4 9 i   o _oí i  _eí  e e 
i e e o i  o
o
E C
_oo eio e oe 
o o fi  o
o 
o e eo  éi  e 4 FF A

_i  o
o
ee o i_ei i foi i_e
i
e   zo   i ifêi
o i_o
E
o o
o o foi e
zi

Co o e
e Teo
óio e 395 o i_éio é
ii
i
o _eo e
oi fio Hoóio e

c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc  c cc 
cc
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc
c  c
c c

G H
passou a governar o Ocidente, e Arcádio, a querer o Oriente. Em 0 , um usurpador
I
autoproclama-se nas ilhas britânicas, com o nome de Constantino III. O seu pro ecto de poder
G
pessoal revelou-se de extrema importância para a história da Jispânia. Em 11, e face à

situação criada pelos usurpadores na Jispânia (o território tinha sido invadido por Constante,

filho de Constantino III), Jonório estabeleceu um pacto com os "bárbaros" aqui instalados.

Deu-lhes a Galécia, a Lusitânia e a Cartaginense, mantendo para o império a província


K
arraconense. A partir desta data assiste-se ao gradual desmoronamento da influência do

Império Romano na península.

c c 
c!+ c,
c c

cc, c c

cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc! %c

c
c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc c c c
cc
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc
c  c

cc



cc% "
cc
c"
ccc cc
#

c   c
c"
c

&c!c
c!'()*+ c

c"
c
c#
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c

ccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc,  #% c


c
(c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc  c cc 
cc
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc ccc
c  c

cc

i   
    

i 
! "
! # ! $% 

c
cccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc  c cc 
cc