Você está na página 1de 6

INTRODUÇÃO

De acordo com Beck e Alford (2011) A natureza e etiologia da depressão


opiniões diferentes. algumas autoridades afirmam que a depressão é um
distúrbio psicogênico e outros afirmam que pode causá-lo.

Por meio de fatores orgânicos. No entanto, sua importância tem sido


reconhecida por todos trabalho na área de saúde mental. Como Klein nos
ensinou, Apud Beck e Alford (2011) A depressão tem causado muito sofrimento
em todo o mundo, mais do que comparada a qualquer outra doença que afeta
humanos, ela causa invalidez.

A depressão tem sido estudada há muito tempo e também é conhecida


como inicialmente melancólico. Esta descrição foi feita por Hipócrates no
século IV Aretaeus no século 2 AC também descreveu os sintomas de
depressão tais como: tristeza, depressão, insônia, perda de peso e desejo
morrer. (Baker e Alford, 2011). Portanto, podemos ver que já apontou
semelhanças em episódios depressivos

Ao perceber a importância do comportamento e como esse elemento é


direto relacionado à cognição, o conteúdo comportamental é introduzido na
prática clínica da teoria. Portanto, a TCC é um tratamento clínico com duas
bases principais: sujeito influencia e controla suas emoções e comportamento,
bem como a forma como se comporta.

Pode afetar essencialmente padrões de pensamento e emoções. Em


vista disso, a terapia em sua prática, analise o conteúdo de pensamentos e
ações com base em evidências, para ajudar pessoas com dificuldades
emocionais (WRIGHT, Basque; 2008; Xizi; Belluko, 2019).

No momento, o TCC tem uma extensa pesquisa para provar sua eficácia
nos seguintes aspectos trate várias doenças. A depressão pode ser claramente
observada um estudo que relata a eficácia da TCC por ser a primeira doença
estudada a formação da teoria de Baker.
DESENVOLVIMENTO

O Transtorno Depressivo Maior (TDM) é uma doença mental cuja


prevalência aumenta significativamente a cada geração. Atualmente, afeta
mais de 320 milhões de pessoas e espera-se que seja a primeira causa de
incapacidade para o trabalho em 2030. Esclarecer a neurobiologia do TDM
ajuda a compreender esta doença e ajuda a avançar a prática clínica voltada
para a identificação e tratamento. Neste caso, existe que os parâmetros
psicofisiológicos que podem ser biomarcadores do TDM incluem o hormônio
cortisol e a qualidade do sono. Da mesma forma, entende-se que além de
Sintomas depressivos e outros aspectos psicológicos estão relacionados à
existência e ao processo de TDM, alguns dos quais são principalmente
ansiedade e autoestima.

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos


Mentais (DSM-5), o diagnóstico de depressão maior (TDM) é determinar uma
condição que dura pelo menos 2 semanas e é caracterizada por tristeza e / ou
perda persistente de prazer. Além disso, deve haver pelo menos os três
seguintes sintomas: mudanças no apetite, prejuízo cognitivo, distúrbios do
sono, sensação de inutilidade e pensamentos com conteúdo mórbido. Esses
sintomas devem representar mudanças nas funções anteriores e causar dor
clinicamente significativa ou danos sociais, profissionais ou outras áreas
importantes de danos à vida pessoal (American Psychiatric Association [APA],
2013).

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) originou-se de experimentos


conduzidos por Aaron T. Beck no final dos anos 1960 e início dos anos 1970.
Beck foi um psicanalista de formação, e acreditava que para obter o rigor
científico da prática analítica, ele precisaria de evidências empíricas para isso.
Nos experimentos foi percebido novas interpretação de seus achados. Ao
estudar a depressão, Baker analisou a cognição negativa e distorcida, as
crenças disfuncionais e as ideias irrealistas dos pacientes. Portanto,
desenvolveu um tratamento de curto prazo denominado terapia cognitiva
(CIZIL; BELUCO, 2019).
Quando a importância do comportamento é percebida e como esse
elemento está diretamente relacionado à cognição, o conteúdo do
comportamento é introduzido na prática clínica da teoria. Portanto, a TCC é
uma terapia clínica com dois fundamentos principais: a influência cognitiva do
sujeito e o controle de suas emoções e comportamentos, e seus padrões de
comportamento.

Pode afetar essencialmente os padrões de pensamento e as emoções.


Diante disso, o tratamento - em sua prática - analisa o conteúdo de
pensamentos e comportamentos com base em evidências para ajudar as
pessoas a resolverem dificuldades emocionais (WRIGHT, BASCO; THASE,
2008; CIZIL; BELUCO, 2019). Atualmente, a TCC possui extensa pesquisa
para comprovar seu tratamento de várias doenças. A depressão pode ser
claramente observada em estudos que relatam a eficiência da TCC por ser a
primeira doença estudada na formação da teoria de Baker.

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão é um dos


transtornos debilitantes, caracterizados por luto profundo e persistente e perda
de interesse por atividades antes prazerosas, apresentam sintomas
característicos que são essenciais para um verdadeiro diagnóstico (POWELL,
ABREU, OLIVEIRA; SUDAK, 2008).

Os principais critérios de sintomas examinados em pacientes com


depressão são a presença de tristeza, vazio ou irritabilidade, emoções essas
relacionadas a alterações físicas e / ou cognitivas que afetam diretamente a
função geral do sujeito. A depressão grave é considerada um sintoma típico de
depressão e seu início está relacionado duram pelo menos duas semanas,
envolvendo grandes mudanças, emoções e cognição, Além da função
neurovegetativa, há alívio intermitente na maioria dos casos.

Outra ferramenta importante para usar métodos cognitivo-


comportamentais para gerenciar casos de depressão é o uso da conceituação
de caso. Essa ferramenta pode ser usada como um guia prático para orientar o
terapeuta em possíveis intervenções. A conceituação ajuda a compreender o
processo e os obstáculos e conectar a reclamação principal à história de vida
do sujeito. Informações importantes podem ser observadas, como diagnóstico,
experiências de vida que ajudam a manter ou proteger, relações interpessoais,
genética, fatores biológicos e médicos, pontos fortes e qualidades,
pensamentos, emoções, comportamentos e planos. No Dessa forma, a
conceituação é como um mapa que ajuda os terapeutas a construir hipóteses
de trabalho (WRIGHT, BASCO; THASE, 2008; CIZIL; BELUCO, 2019).

A fim de tratar a depressão de forma eficaz, a terapia combinada,


psicoterapia e drogas psicotrópicas são atualmente recomendadas. Pesquisas
atuais comparando a terapia de TCC com a terapia medicamentosa sozinhas
mostram que a TCC é uma estratégia significativamente melhor do que o uso
de certos antidepressivos. No entanto, para insistir que o processo de cada
cliente é único, o objetivo de escrever este artigo não é afirmar a superioridade
de um método.

As interações medicamento relativamente raras; no entanto, a fluoxetina,


a paroxetina e a fluvoxamina podem inibir as isoenzimas do citocromo P-450
(CYP450), levando a interações medicamentosas graves. Por exemplo, esses
medicamentos podem inibir o metabolismo de certos betabloqueadores,
incluindo o propranolol e o metoprolol, que podem causar hipotensão e
bradicardia. Portanto, o que se percebe é a eficácia do tratamento com TCC
em termos de duração do efeito do tratamento e alívio dos sintomas (POWELL,
2008).
CONCLUSÃO

Este artigo tem como objetivo ampliar o trabalho e os recursos da prática


clínica. O papel dos métodos cognitivo-comportamentais no tratamento da
depressão. Cada uma terapia considerada breve e focada no aqui e agora, a
TCC acumula algumas críticas foram feitas sobre seus estereótipos mecânicos
e seu tratamento oportuno. No entanto, pode-se observar que mesmo com
críticas contundentes, o trabalho cognitivo-comportamental é um dos métodos
psicológicos que melhor comprovam sua eficácia nos seguintes aspectos para
tratar muitas dificuldades e obstáculos

A terapia combinada mostrou-se eficaz porque os sujeitos apresentaram


aspectos positivos de melhora em um método e no outro. Portanto, o
acompanhamento médico é orientado de acordo com a gravidade dos
sintomas, para que a medicação possa ser iniciada após a análise, a fim de
efetivamente estabilizar o humor. A intervenção medicamentosa é benéfica
para a psicoterapia porque pode ajudar efetivamente os visitantes.
Acompanhamento psicológico clínico do comportamento cognitivo Ajuda a
resolver o desafio de pensamentos e crenças disfuncionais relacionados com a
resolução de problemas que podem causar ou confirmar tais erros cognitivos
(MATOS; OLIVEIRA, 2014).
REFERENCIAS

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (2013). Diagnostic and Statistical


Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-V). Arlington: American
Psychiatric Publishing.
BECK, A. T. (2005). The current state of cognitive therapy: a 40-year
retrospective. Archives of General Psychiatry, 62: 953-959.
Beck J. S. (2011). Cognitive behavior therapy : basics and beyond (2nd ed.).
New York: Guilford Press.
CLARK L. A. & WATSON D. (1991). Tripartite model of anxiety and depression:
psychometric evidence and taxonomic implications. Journal of abnormal
psychology, 100(3), 316- 36.
CIZIL, M.; BELUCO, A. As contribuições da terapia cognitivo comportamental
no tratamento da depressão. Revista UNINGÁ, v. 56, p. 10, 2019.
GUIMARÃES, L. C.; WERPP, M.; SANTOS, L. A. – “Eficácia de intervenções
comportamentais no tratamento de pacientes com diagnóstico de transtorno
depressivo maior”. Psicologia.PT. [Em linha]. 2017. [Consult. a 11.10.2019].
Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?eficacia-de-
intervencoes-comportamentais-notratamento-de-pacientes-com-diagnostico-de-
transtorno-depressivo-maior&codigo=A1082. ISSN 1646-6977.
KAVAN, M. G. & BARONE, E. J. (2014). Grief and Major Depression—
Controversy Over Changes in DSM-5 Diagnostic Criteria.American Family
Physician, 90(1), 690-694.
KESSLER, R. C., BERGLUND, P., DEMLER, O., JIN, R., KORETZ, D.,
MERIKANGAS, K. R., …& WANG P. S. (2003). The epidemiology of major
depressive disorder: results from the National Comorbidity Survey Replication
(NCS-R). Jama, 289(23), 3095-3105. doi: 10.1001/jama.289.23.3095.
MATOS, A. C. S.; OLIVEIRA, I. R. Terapia cognitivo-comportamental da
depressão: Relato de caso. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, v. 12, n.
4, p. 512, 2014.
ROSENBERG M. (1989). Society and the adolescent self-image.Revised
edition. Middletown: Wesleyan University Press.
POWELL, V. B. et al. Cognitive-behavioral therapy for depression. Rev Bras
Psiquiatr., p. 8, 2008.
SADOCK, B. J., SADOCK, V. A. & Ruiz, P. (2015). Kaplan and Sadock's
Synopsis of Psychiatry (11nd Ed.). Lippincott Williams & Wilkins Inc.: USA.
WRIGHT, J.; BASCO, M.; THASE, M. Aprendendo a terapia cognivo-
comportamental: um guia ilustrado. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Você também pode gostar