Você está na página 1de 4

3º Congresso Brasileiro de Biologia Marinha, 2011 CD de resumos (Natal –RN)

Atividades de Pesquisa e Ensino em Malacologia desenvolvidas pela UFERSA –


Uma contribuição para o desenvolvimento do semi-árido potiguar.

Martins, I.X.1*;SILVA, E.J. 2; Rebouças, L.O.S. 2; Maia, I.L.A.S. 2; Lemos, L.L.A. 3; Neto,
L.G.R. 4

1 – Professora do Departamento de Ciências Animais, Curso de Engenharia de Pesca,


Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA.
2 – Bolsista de Iniciação Científica do Curso de Engenharia de Pesca da UFERSA.
3 – Bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET Engenharia de Pesca UFERSA.
4 – Estudante do Curso de Engenharia de Pesca da UFERSA.
* E-mail: imartins@ufersa.edu.br

O Filo Mollusca constitui o segundo maior do reino animal com


aproximadamente 200.000 espécies viventes (Ponder & Lindberg, 2008). No último
senso da vida marinha os moluscos representaram cerca de 14% dos organismos
relatados. Na Região Nordeste esses animais são pouco estudados em comparação
com a Região Sul (Simone, 2008).
Com intuito de ajudar a preencher as lacunas da malacologia no Rio Grande do
Norte, foi criado no ano de 2009, o Laboratório de Moluscos da Universidade Federal
Rural do Semi-Árido em Mossoró-RN. O mesmo pertence ao Departamento de
Ciências Animais e, até o presente momento, atua nos campos da pesquisa e do
ensino.

Figura 1: Coleta de moluscos realizada na praia de Baixa


Grande – RN.
Atualmente está desenvolvendo três projetos de pesquisa cadastrados junto a
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da instituição: I. Levantamento da
malacofauna bentônica de substratos consolidado e inconsolidado do Oeste
Potiguar, o qual abrange as praias de Tibau, Grossos, Baixa Grande, Ponta de Mel,
São Cristóvão e Porto do Mangue. Nesse projeto as amostragens qualitativas estão
sendo realizadas na estação chuvosa e no período de seca em cada uma dessas
praias ao longo de um ano (Figura 1).
3º Congresso Brasileiro de Biologia Marinha, 2011 CD de resumos (Natal –RN)

Como resultado já foram catalogados exemplares pertencentes as classes


Gastropoda, Bivalvia e Cephalopoda; II. Ecologia, manejo pesqueiro e
beneficiamento do marisco Anomalocardia brasiliana como base para melhoria
das condições de trabalho e renda das marisqueiras do município de Grossos –
RN. Neste estudo o LABMOL realiza a identificação da riqueza de espécies de
moluscos associados à atividade de extração desse bivalve; III. Estudo de
viabilidade técnica e econômica para o aproveitamento do descarte do
processamento do marisco Anomalocardia brasiliana (conchas), pelas
Marisqueiras do município de Grossos, RN. Neste projeto a contribuição do
laboratório é proporcionar às marisqueiras uma forma de utilização alternativa para as
conchas de mariscos que são descartadas após a retirada da parte comestível.

Figura 2. Armário contendo parte da


Coleção Didática de Malacologia da
Ufersa.
O LABMOL realiza trabalhos principalmente em Taxonomia, Pesca e Ecologia
de moluscos marinhos e estuarinos da zona litorânea Oeste Potiguar. O laboratório
conta com duas coleções malacológicas: a COLEÇÃO CIENTÍFICA, que possui, na
grande maioria, lotes pertencentes à coleção particular do Dr. Henry Ramos Matthews,
que foi um dos pioneiros no estudo dos moluscos no Nordeste brasileiro, iniciando
suas atividades desde a década de 60. Esta coleção possui conchas de várias regiões
do Brasil e algumas estrangeiras, sendo em sua maioria gastrópodes e bivalves; e a
COLEÇÃO DIDÁTICA (Figura 2), uma coleção de referência com exemplares
terrestres, marinhos e dulcícolas, possuindo exemplares com apenas concha e
também animais com parte mole, evidenciando assim as características diagnósticas
do grupo. Essas espécies são comuns na região Nordeste e utilizadas nas disciplinas
de Malacologia, Ostreicultura, Mitilicultura, Zoologia Geral, Zoologia de Invertebrados e
Zoologia de Vertebrados da Ufersa para dar uma visão básica aos alunos dos diversos
grupos de moluscos existentes. Esta coleção possui mais de 60 espécies de
moluscos, pertencentes as classes Polyplacophora, Scaphopoda, Bivalvia, Gastropoda
e Cephalophoda (Tabela 1).
3º Congresso Brasileiro de Biologia Marinha, 2011 CD de resumos (Natal –RN)

No laboratório também estão expostos conchários (mini-coleção de conchas de


moluscos), com identificação das principais espécies coletadas durante as aulas de
campo, os quais são confeccionados pelos alunos da disciplina de malacologia no fim
de cada semestre. As identificações são realizadas pelos próprios alunos com auxílio
de monitor da disciplina, através de bibliografia especializada como Rios (1994) e
Abbott (1962). O melhor trabalho é exposto e o autor premiado. Os alunos tornam-se
familiarizados a conceitos básicos de taxonomia e divulgam a importância econômica
e ecológica dos moluscos ao público leigo, fixando ainda mais o conhecimento
adquirido. No fim de cada semestre o LABMOL também oferece degustação de pratos
à base de moluscos da região, com o intuito de popularizar o consumo destes animais.
Ainda no ano de 2011 o LABMOL pretende expandir sua área de atuação para a
extensão, disponibilizando a jovens, crianças e adultos habitantes de comunidades
costeiras, informações básicas sobre zoologia e ecologia, a fim dos mesmos
compreenderem o ambiente de praia.
Apesar do Laboratório de Moluscos da Ufersa ter sido criado recentemente, ele
conta com equipamentos essencias para o desenvolvimento de trabalhos realizados
com biologia, taxonomia e pesca de moluscos, bem como possui um rico acervo
malacológico o qual foi iniciado há mais de 4 décadas pelo malacólogo Dr. H.R.
Matthews.

Tabela 1. Principais espécies de moluscos catalogadas na Coleção Didática de


Malacologia da Ufersa.

Classe Família Espécie


Anadara brasiliana
Anadara notabilis
ARCIDAE Anadara ovalis
Arca imbricata
CARDIIDAE Trachycardium muricatum
DONACIDAE Donax striatus
Iphigenia Brasiliana
LUCINIDAE Lucina pectinata
Brachidontes exustus
MYTILIDAE Mytella falcata
Mytella guyanensis
BIVALVIA Perna perna
OSTREIDAE Crassostrea sp.
PECTINIDAE Astropecten nodosus
Euvola ziczac
PTERIDAE Pinctada imbricata
SPONDILIDAE Spondylus americanus
Anomalocardia brasiliana
Chione cancellata
VENERIDAE Pitar circinatus
Protothaca pectorina
Tivela mactroides
CASSIDAE Cassis tuberosa
Phalium granulatum
FISSURELIDAE Fissurella clenchi
Fissurella rosea
Littorina angulifera
LITTORINIDAE Littorina flava
3º Congresso Brasileiro de Biologia Marinha, 2011 CD de resumos (Natal –RN)

Littorina zigzag
MELONGENIDAE Pugilina morio
NATICIDAE Natica cayanensis
GASTROPODA Natica marochiensis
NERITIDAE Neritina virginea
Ancilla lienardi
OLIVIDAE Olivancillaria carcellesi
Olivella minuta
Zidona dufresnei
Strombus pugilis
STROMBIDAE Strombus gallus
Strombus goliath
THAIDIDAE Thais haemastoma
ARGONAUTIDAE Argonauta nodosus
CEPHALOPODA LOLLIGINIDAE Lolliguncula brevis
OCTOPODIDAE Octopus cf insularis
SPIRULIDAE Spirula spirula
POLYPLACOPHORA ISCHINOCHITONIDAE Ischnoplax pectinatus

Referências citadas

Ponder, F. W. & Lindberg, R.D. Phylogeny and evolution of the mollusca. 1ed.
California United States: University of California Press. 2008. 469p.

Rios, E.C. 1994. Seashells of Brazil. Rio Grande: Editora da Fundação Universidade
do Rio Grande, 2ed., 492p.

Simone, L.R.L. 2010. Status quo da Malacologia marinha no Brasil. Boletim da


Associação Brasileira de Biologia Marinha, 3(1): 4-7.

Warmke, G.L. & Abbott, R.T. 1962. Caribbean seashells: A guide to the marine
mollusks of Puerto Rico and other West Indian Islands, Bermuda and the lower
Florida Keys. Livingston Publishing Company, Wynnewood, PA.