Você está na página 1de 12

Energia e Ambiente

RESUMO A BIOMASSA COMO


A geração de energia elétrica no Brasil provém, essencialmente, de duas fontes energéticas: o
potencial hidráulico e o petróleo, com grande predominância da primeira. Apesar da importância
dessas fontes, elas tendem a sofrer um processo de esgotamento no futuro. O Brasil dispõe de ALTERNATIVA
várias alternativas para geração de energia elétrica, dentre as quais se destaca o uso da biomassa.
Esta, particularmente, provém de uma grande variedade de recursos energéticos, desde culturas
nativas até resíduos de diversas origens. No entanto, a pouca informação a respeito do potencial
ENERGÉTICA PARA O
BRASIL
energético desses resíduos limita seu efetivo aproveitamento.
No intuito de consolidar as informações existentes, o presente trabalho mostra um panorama do
potencial de biomassa no Brasil como fonte energética e seus aspectos sociais, econômicos e
ambientais.

PALAVRAS-CHAVE
Biomassa, fonte de energia, impactos socioeconômicos, energia limpa, cana-de-açúcar, biodiesel,
biogás.

ABSTRACT Celso Roberto Alves da Silva


There are two essential power sources that have provided electricity in Brazil, and the most used is
Engenheiro civil, formado pela Universidade Mackenzie.
by hydroelectric power stations and oil. celsorobsilva@sabesp.com.br
Nowadays, these sources have occupied an importance place in the world power matrix but there is
a tendency to suffer a break due to be drained in the future and more they have left negative impacts
to the environmental. However, Brazil has several alternatives to get electricity, where biomass is one Maria Teresa Flosi Garrafa
of them. A great variety resources provides biomass, since those extracted from native cultures until Engenheira eletrônica, formada pela Faculdade de
those gotten by waste of different ways. But the few information about the real power potential of Engenharia Industrial (FEI).
wastes has difficulty using them more effectively. thegarrafa@uol.com.br
This work shows Brazil potential figures of biomass as power source, joining several existent information

Paulo Laguna Navarenho


and exploring its economical, social and environmental aspects.

KEY WORDS Engenheiro civil, formado pela Faculdade de


Biomass, power source, social and economical impacts, clean energy, sugar cane, biodiesel, biogas. Engenharia São Paulo (FESP).
pnavarenho@sabesp.com.br

Rodolfo Gado
Engenheiro civil, formado pela Universidade Mackenzie.
rgado@sabesp.com.br

Sérgio Yoshima
Engenheiro eletrônico, formado pela Universidade São
Judas Tadeu.
syoshima@sabesp.com.br

dezembro 2005
25
INTRODUÇÃO A maioria das negociações ambientais
relacionada à energia ainda está a meio
eletricidade, o racionamento de 2001
demonstrou que a manutenção da
Todos os processos da cadeia termo. A padronização dos critérios de dependência de mais de 90% da
energética (produção, transformação, segurança no transporte de petróleo e hidreletricidade é estrategicamente
transporte, distribuição, armazenagem e as diretrizes internacionais para arriscada. Além disso, o potencial hídrico
uso final) envolvem uma série de perdas construção de grandes hidrelétricas de geração de eletricidade a baixo custo
que reduzem a quantidade de energia, estão em debate e a Convenção sobre é, hoje, bastante limitado, sendo os
efetivamente útil à sociedade, a apenas Segurança Nuclear, assim como o melhores sítios encontrados na região
uma fração do total de energia captada Protocolo de Kyoto, ainda aguardam a Norte, distante dos grandes centros
da natureza. Por contingência das ratificação dos países signatários. consumidores.
próprias leis físicas, um certo nível de No âmbito brasileiro, até a década de A crítica ambientalista ao plano de
perdas é inevitável ao longo da cadeia 70, as grandes barragens e centrais instalação de um parque termoelétrico
de transformações energéticas. hidrelétricas eram consideradas ícones do movido a gás natural, uma fonte
Como contrapartida a toda desenvolvimento energético e considerada mais limpa que o petróleo,
incorporação de um aporte de fontes desfrutavam da convicção de serem reside, justamente, no aumento da
energéticas, existe a perda da energia projetos de baixo impacto, com emissão nacional de óxidos de
degradada, rejeitada para o ambiente possibilidade de agregar usos múltiplos nitrogênio (NOx), resultantes do
externo na forma de calor ou de (atenuação de cheias e abastecimento de processo de queima, e de ozônio de
resíduos (gases, material particulado). água na região circunvizinha, habilitação baixa altitude (O3), formado pela reação
Além disso, o uso de energia também de áreas para lazer e aqüicultura), sem fotoquímica do NOx à radiação solar.
origina impactos sociais e econômicos oferecer riscos ambientais como a Além dos resíduos produzidos no
decorrentes do próprio aproveitamento emissão de poluentes. processo de queima, a alta porcentagem
de recursos naturais. Alguns deles As mudanças produzidas no de metano (CH4), contido no gás natural
podem ser significativos, mesmo no caso ambiente construído se encarregariam (90%), transforma as perdas potenciais
de fontes, em virtude das áreas extensas de demonstrar conseqüências mais (estimadas em 1% do total) na rede de
as quais são necessárias para a drásticas do que se poderia mensurar. O transporte e distribuição em fontes com
produção em grande escala. elevado nível de eutrofização (aumento contribuição significativa para o aumento
Durante muito tempo, utilizando as de nutrientes na água resultante da do efeito estufa, conforme veremos
forças disponíveis da natureza e decomposição orgânica submersa), adiante.
adequando-as à sua localização, o associado ao descontrole do grau de O século 20 ficará conhecido como o
homem pode gerar, transmitir e consumir assoreamento de rios represados século dos combustíveis fósseis, uma vez
energia sem alterar significativamente o favoreceram, em grande parte dos casos, que o carvão, o petróleo e o gás,
ambiente global, o uso do espaço e os a proliferação de determinadas espécies praticamente, dominaram o sistema
modos de produzir ou distribuir bens, de vegetais e animais (algas, mosquitos, energético de todos os países
acordo com os modelos sociais, políticos parasitas), comprometendo o equilíbrio industrializados. O desenvolvimento e a
e culturais prevalecentes. Apesar de ter se ecológico e a qualidade de vida em seu otimização das tecnologias para utilização
confrontado com vários episódios de entorno. desses combustíveis e alguns dos
escassez, provocados pela apropriação Resultados de pesquisas recentes progressos extraordinários os quais
intensa das fontes disponíveis, como foi o apontam outro problema a ser testemunhamos, tais como as viagens
caso da lenha durante a idade média, até considerado: a decomposição orgânica aéreas e a geração de eletricidade por
a Revolução Industrial a humanidade da biomassa, submersa nos lagos das turbinas a gás, são verdadeiramente
evoluiu com um consumo de energia represas, produz dióxido de carbono notáveis.
relativamente moderado. A inserção de (CO2) e metano (CH4) em quantidades Por esses motivos, a tendência era
uma nova tecnologia – a máquina a similares às termoelétricas, quando esquecer que, até a metade no século
vapor – no modo de produção considerados períodos históricos 19, mais de 85% do total da energia
provocou uma ruptura no sistema, relativamente pequenos (menos de 100 usada no mundo era biomassa, na
exigindo uma nova ordem de grandeza anos). Com relação à necessidade da forma de lenha, resíduos da agricultura e
no uso da energia. busca de alternativas para a geração de de animais.

26 Revista Brasileira de Ciências Ambientais – número 2


A tecnologia utilizada naquela época forma indireta de energia solar. A energia assim, estimativas da Agência
era um tanto primitiva, e não evoluiu de solar é convertida em energia química, Internacional de Energia (IEA) indicam
forma significativa devido à pela fotossíntese, base dos processos que, futuramente, a biomassa ocupará
predominância das tecnologias mais biológicos de todos os seres vivos. uma menor proporção na matriz
avançadas de uso dos combustíveis Embora grande parte do planeta energética mundial. Outros estudos
fósseis. Não é surpresa, portanto, que a esteja desprovida de florestas, a mostram que, ao contrário da visão
‘’biomassa’’, enquanto fonte de energia, quantidade de biomassa existente na geral, o uso da biomassa deverá se
tenha acabado com uma péssima terra é da ordem de dois trilhões de manter estável ou até mesmo aumentar,
reputação. A esses dados acrescente-se toneladas; o que significa cerca de 400 devido a duas razões, a saber:
que em grande parte dos países menos toneladas per capita. Em termos crescimento populacional; urbanização e
desenvolvidos, ainda é muito importante energéticos, isso corresponde a mais ou melhoria nos padrões de vida.
a utilização da lenha, seja para cozinhar menos 3.000 EJ por ano; ou seja, oito Um aumento nos padrões de vida
ou aquecer, em fornos rudimentares, de vezes o consumo mundial de energia leva pessoas de áreas rurais e urbanas
eficiência bastante reduzida. primária (da ordem de 400 EJ por ano). de países em desenvolvimento a usar
Essa situação está começando a Uma das principais vantagens da mais carvão vegetal e lenha, em lugar de
mudar: os combustíveis fósseis não biomassa é que, embora de eficiência resíduos (pequenos galhos de árvore,
durarão para sempre, sua utilização é a reduzida, seu aproveitamento pode ser restos de material de construção, etc.).
causa de a maioria das agressões ao feito diretamente, pela combustão em Ou seja, a urbanização não conduz
meio ambiente, as quais hoje fornos, caldeiras, etc. Para aumentar a necessariamente à substituição completa
testemunhamos, e as tecnologias para eficiência do processo e reduzir da biomassa por combustíveis fósseis. A
aumentar a eficiência da biomassa impactos socioambientais, tem-se precariedade e falta de informações
estarem evoluindo bastante nos últimos desenvolvido e aperfeiçoado tecnologias oficiais sobre o uso da biomassa para
anos. de conversão eficiente, como a fins energéticos deve-se, principalmente,
Apresenta-se, assim, a possibilidade gaseificação e a pirólise. aos seguintes fatores:
do ‘’renascimento’’ da biomassa nas A médio e longo prazos, a exaustão • Trata-se de um energético
próximas décadas, de maneira a tornar- de fontes não-renováveis e as pressões tradicionalmente utilizado em países
se uma fonte de energia tão importante ambientalistas acarretarão maior pobres e setores menos desenvolvidos;
quanto há 200 anos. O sucesso do aproveitamento energético da biomassa. • trata-se de uma fonte energética
programa de biomassa no Brasil – Mesmo atualmente, a biomassa vem dispersa, cujo uso tradicional é muito
especialmente a expansão do uso do sendo mais utilizada na geração de ineficiente;
etanol, proveniente da cana-de-açúcar eletricidade, principalmente em sistemas • uso tradicional da biomassa para
como alternativa ao uso da gasolina, são de cogeração e no suprimento de fins energéticos é indevidamente
fortes indicadores que as estratégias eletricidade de comunidades isoladas da associado a problemas de
para se atingir, no futuro, um sistema rede elétrica. desflorestamento e desertificação.
sustentável, na área de energia, são Embora grande parte da biomassa Contudo, essa imagem relativamente
possíveis e realísticas. seja de difícil contabilização, devido ao pobre da biomassa está mudando,
uso não-comercial, estima-se que, graças aos seguintes fatores:
atualmente, ela representa cerca de 14% • Esforços recentes de mensuração
A BIOMASSA COMO FONTE DE de todo o consumo mundial de energia
primária. Esse índice é superior ao do
mais acurada de seu uso e potencial,
por meio de novos estudos,
ENERGIA carvão mineral e similar ao do gás
natural e ao da eletricidade. Nos países
demonstrações e plantas piloto;
• uso crescente da biomassa como
Do ponto de vista energético, em desenvolvimento, essa parcela um vetor energético moderno (graças
biomassa é toda matéria orgânica (de aumenta para 34%, chegando a 60% ao desenvolvimento de tecnologias
origem animal ou vegetal) que pode ser na África. eficientes de conversão), sobretudo em
utilizada na produção de energia. Assim Hoje, várias tecnologias de países industrializados;
como a energia hidráulica e outras aproveitamento estão em fase de • reconhecimento das vantagens
fontes renováveis, a biomassa é uma desenvolvimento e aplicação. Mesmo ambientais do uso racional da biomassa,

dezembro 2005
27
essencialmente no controle das emissões biológicos (digestão anaeróbia e elétrica e a cogeração (produção
de CO2 e enxofre. fermentação). A Figura 1 apresenta os combinada de calor útil e energia
No Brasil, além da produção de principais processos de conversão da mecânica).
álcool, queima em fornos, caldeiras e biomassa em energéticos. Embora seja difícil avaliar o peso
outros usos não-comerciais, a biomassa relativo da biomassa na geração mundial
apresenta grande potencial no setor de de eletricidade, por conta da falta de
geração de energia elétrica. Os setores informações confiáveis, projeções da
sucroalcooleiro e de papel e celulose
geram uma grande quantidade de
GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A Agência Internacional de Energia indicam
que ela deverá passar de 10 TWh em
resíduos, a qual pode ser aproveitada
na geração de eletricidade,
PARTIR DE BIOMASSA 1995 para 27 TWh em 2020.
No Brasil, a biomassa representa cerca
principalmente em sistemas de Embora ainda muito restrito, o uso de de 20% da oferta primária de energia. A
cogeração. A produção de madeira, em biomassa para a geração de eletricidade imensa superfície do território nacional,
forma de lenha, carvão vegetal ou toras tem sido objeto de vários estudos e quase toda localizada em regiões tropicais
também gera uma grande quantidade aplicações, tanto em países desenvolvidos e chuvosas, oferece excelentes condições
de resíduos, que pode, igualmente, ser como em países em desenvolvimento. para a produção e o uso energético da
aproveitada na geração de energia Entre outras razões estão a busca de biomassa em larga escala. Apesar disso, o
elétrica. fontes mais competitivas de geração e a desmatamento de florestas naturais vem
O aproveitamento da biomassa pode necessidade de redução das emissões de acontecendo por razões essencialmente
ser feito pela combustão direta (com ou dióxido de carbono. não-energéticas, como a expansão da
sem processos físicos de secagem, Na busca de soluções para esses e pecuária extensiva e da agricultura
classificação, compressão, corte/quebra, outros problemas subjacentes, as itinerante.
etc.), processos termoquímicos reformas institucionais do setor elétrico Segundo dados do Balanço Energético
(gaseificação, pirólise, liquefação e têm proporcionado maior espaço para a Nacional de 1999, a participação da
transesterificação) ou processos geração descentralizada de energia biomassa na produção de energia elétrica
é resumida em 3%, dividida entre o
bagaço de cana-de-açúcar (1,2%), os
Figura 1 – Diagrama esquemático dos processos de conversão energética da biomassa resíduos madeireiros da indústria de
papel e celulose (0,8%), resíduos
agrícolas e silvícolas diversos (0,6%) e a
lenha (0,2%).
Contudo, a conjuntura atual do setor
elétrico brasileiro sinaliza um novo quadro
para a biomassa no país. Entre outros
mecanismos de incentivo ao uso da
biomassa para a geração de energia
elétrica, destaca-se a criação do Programa
Nacional de Incentivo às Fontes
Alternativas de Energia Elétrica – PROINFA
–, instituído pela Medida Provisória n. 14,
de 21 de dezembro de 2001. Esse
programa tem a finalidade de agregar ao
sistema elétrico brasileiro 3.300 MW de
potência, instalada a partir de fontes
alternativas renováveis, cujos prazos e
regras estão sendo definidos e
regulamentados pela Câmara de Gestão
Fonte: Elaborado a partir de MME, 1982 da Crise de Energia Elétrica – GCE – e

28 Revista Brasileira de Ciências Ambientais – número 2


pelo Ministério de Minas e Energia – autoprodutores e produtores setor elétrico em alguns países e à
MME, com a colaboração de outras independentes, levando em consideração adoção de políticas de racionalização do
instituições, entre elas a ANEEL e a as peculiaridades e custos desse tipo de uso da energia. No final dessa década
Eletrobrás. geração em sistemas elétricos isolados e passou a ser valorizada também pela
Os principais mecanismos de incentivo interligados. minimização dos impactos ambientais,
previstos no PROINFA são a garantia de com redução das emissões globais de
compra, por um prazo de até 15 anos, CO2 (o sistema consome quantidade
da energia gerada, e o estabelecimento
de um valor de referência compatível com
COGERAÇÃO menor de combustível, comparado com
os sistemas convencionais) e pela maior
as características técnico-econômicas do Cogeração é um vocábulo de origem possibilidade de emprego de
empreendimento. Entre outros incentivos, americana empregado desde os anos 70 combustíveis renováveis, como a
destaca-se a redução não-inferior a 50% para designar a geração simultânea de biomassa.
nos encargos de uso dos sistemas de calor e trabalho (energia mecânica/ Devido às limitações econômicas do
transmissão e distribuição de energia elétrica). Nas unidades de cogeração, o setor elétrico, dependente da participação
elétrica. calor e o trabalho são produzidos a partir do capital privado, a cogeração se
No que diz respeito à biomassa, da queima de um único combustível, apresenta como uma opção interessante
particularmente, está sendo elaborado com a recuperação de parte do calor na contribuição à oferta de energia
pelo MME e pela GCE um programa de rejeitado, qualquer que seja o ciclo elétrica, permitindo a geração
incentivo específico, com a finalidade de termodinâmico empregado. descentralizada, com unidades menores,
agregar ao sistema elétrico nacional, até Dessa forma trata-se de um processo mais flexíveis, próximas aos centros de
dezembro de 2003, 2.000 MW de de geração de energia mais eficiente do consumo, além de serem sistemas mais
geração de energia elétrica a partir de que simplesmente a geração de energia eficientes e menos poluentes.
biomassa. Além dos incentivos previstos elétrica, pois a partir da cogeração As tecnologias de cogeração podem
pelo PROINFA, deverá haver um ocorrem dois produtos. Em conseqüência ser separadas em dois grandes grupos,
programa de financiamento com taxas de imediata da maior eficiência, tem-se a de acordo com a ordem relativa de
juros reduzidas e prazos de carência e menor emissão de poluentes, desde que geração de potência e calor: os ciclos
amortização coerentes com a natureza seja utilizado o mesmo combustível. topping (Figura 2) e os ciclos bottoming
dos investimentos. É uma tecnologia conhecida e (Figura 3).
Além disso, a ANEEL tem estimulado e empregada desde o início do século 20, Nas tecnologias que operam segundo
procurado regulamentar o uso da porém, com o passar dos anos, foi o ciclo topping, os gases de combustão a
biomassa na geração de energia elétrica. perdendo a importância (meados dos uma temperatura mais elevada são
Entre outras ações, destaca-se a definição anos 70) e a partir da década de 80 foi utilizados para geração de eletricidade ou
de regras para a entrada de novos recuperando sua posição devido às de energia mecânica. O calor rejeitado
empreendedores, particularmente tendências de desregulamentação do pelo sistema de geração de potência é

Figura 2 – Sistema de cogeração tipo topping Figura 3 – Sistema de cogeração tipo bottoming
Fonte: VELASQUEZ (2000) Fonte: VELASQUEZ (2000)

dezembro 2005
29
utilizado para atender aos requisitos de por ano, entre faturamentos diretos e processo industrial. Esse tipo de utilização
energia térmica do processo; assim, essa indiretos, o que corresponde a 2,3% do do vapor é chamado de cogeração.
modalidade de cogeração produz energia PIB brasileiro, sendo responsável por
elétrica ou mecânica para depois aproximadamente 1 milhão de Aspectos socioeconômicos e ambientais
recuperar calor, fornecido geralmente na empregos diretos. – Geração descentralizada, próxima
forma de vapor para o processo O estado de São Paulo é também o aos pontos de carga: em particular, nas
(podendo também fornecer água quente maior produtor de açúcar e álcool do regiões Sudeste e Centro-Oeste ocorre
ou fria e ar quente ou frio). Essa é a país, produzindo cerca de 60% do total durante o período de baixa
configuração mais comum dos processos nacional. hidraulicidade, podendo complementar
de cogeração. O período de safra na região Centro- de forma eficiente a geração hidrelétrica.
As tecnologias que operam segundo o Sul acontece entre os meses de maio e A cogeração de eletricidade poderia
ciclo bottoming envolvem a recuperação novembro, enquanto na região Norte- colaborar com esse objetivo,
direta de calor residual (que Nordeste o período é de dezembro a fornecendo esta às regiões rurais
normalmente é descarregado na abril. próximas às usinas/destilarias. Com uma
atmosfera), para a produção de vapor e eletrificação rural, poderiam ser
energia mecânica ou elétrica (em turbinas Bagaço de cana oferecidas melhores condições de vida
de condensação e/ou contrapressão). O bagaço de cana é um grande àquela população, colaborando para
Nesse tipo de tecnologia, primeiro a empecilho nas usinas, pois é produzido fixar o trabalhador no campo e
energia térmica é usada no processo, e em grandes quantidades (30% da reduzindo o êxodo rural.
então a energia dos gases de exaustão é cana), ocupa grandes áreas e pode vir a – Utilização de mão-de-obra na zona
utilizada para a produção de energia sofrer combustão espontânea. Por outro rural: a geração de empregos é
elétrica ou mecânica. lado, possui grande porcentagem de particularmente importante. Na
Apenas os ciclos topping podem fibras, o que lhe concede boas agroindústria canavieira, a mão-de-obra
fornecer real economia na energia características combustíveis; por esse representa 48% do custo total de
primária, pois a maioria das aplicações motivo, juntamente como fato de ser um produção.
dos processos requer vapor de baixa combustível gratuito, o bagaço de cana é – Combustível limpo e renovável: a
pressão, convenientemente produzido queimado nas caldeiras visando à queima de energéticos oriundos da
neste ciclo. geração de vapor para o processo. cana-de-açúcar apresenta balanço de
A produção de eletricidade em um carbono nulo, pois o carbono emitido
ciclo a vapor, de forma geral, é feita por Tecnologias para geração de eletricidade pela combustão desses materiais é
meio do ciclo de Rankine tradicional com A tecnologia utilizada na indústria absorvido e fixado pela cana-de-açúcar
turbina a vapor, o que corresponde a sucroalcooleira é baseada no ciclo durante seu crescimento. No entanto, a
uma tecnologia em uso comercial há mais convencional de vapor (ciclo Rankine), queima desses combustíveis emite
de 100 anos. usando-se, em grande parte, o bagaço óxidos de nitrogênio; isto ocorre porque
de cana, in natura, com 50% de o nitrogênio faz parte da constituição
umidade, para a queima em caldeiras química dos vegetais. Esse problema
SETOR SUCROALCOOLEIRO que produzem vapor com pressão de
21 kgf/cm2 e temperatura de 300 ºC em
pode ser reduzido aplicando-se
lavadores de gases e filtros, já disponíveis
O setor sucroalcooleiro no Brasil média. Esse vapor aciona uma turbina comercialmente no país.
possui 377 usinas cadastradas no acoplada a um gerador, produzindo
Ministério da Agricultura, Pecuária e parte da energia elétrica necessária para
Abastecimento; destas, 272 unidades
estão localizadas na região Centro-Sul. O
sua operação.
O vapor gerado pela caldeira não é
SETOR DE PAPEL E CELULOSE
estado de São Paulo possui o maior usado, exclusivamente, para a geração O setor de produção de papel e
número de usinas; no total são 165 de energia elétrica, porque também é celulose se caracteriza por um processo
unidades produtoras. empregado como fluido de trabalho produtivo que apresenta uma excelente
O mercado sucroalcooleiro para equipamentos de preparação, relação entre as demandas de
movimenta em torno de R$ 12,7 bilhões moagem da cana e para utilização no eletricidade e de calor (vapor) para

30 Revista Brasileira de Ciências Ambientais – número 2


efeito de cogeração, além da geração de contribuição social do segmento não é sendo o restante de outras espécies. A
um combustível importante; intrínseco ao claramente representada por essa produção de celulose é, exclusivamente,
processo – o licor negro. imagem, e sim pelos valores de impostos feita a partir de madeira oriunda de
Além do licor negro (o efluente arrecadados anualmente e por seus florestas plantadas, nas quais se
combustível inerente ao processo, com benefícios socioeconômicos, observados incorporam modernas técnicas de
um poder calorífico em torno de 13.400 nas regiões as quais cercam os setores silviculturas e de manejo florestal
kJ/kg), produzido a uma taxa entre 1,0 e das empresas (florestal, industrial, sustentável.
1,4 kg de licor concentrado por quilo de comercial, etc.). • Reciclagem: Como um rótulo
celulose, o setor conta com outros Dando seguimento aos aspectos ecológico importante, a reciclagem do
insumos energéticos agregados como sociais, não pode ser deixado de lado papel carrega consigo um apelo, não
cascas, lascas e resíduos de madeira, e avaliar a relação existente entre a somente ambiental, mas sim uma
cavacos de lenha, utilizados como instalação da unidade produtora de solução para a diminuição ou “controle”
combustíveis complementares para papel e celulose e o desenvolvimento de aterros sanitários e também uma
atender às necessidades energéticas do local. A maioria das unidades solução financeira para algumas pessoas
processo. produtoras, no Brasil, localiza-se próxima que dependem da coleta seletiva para
O sistema de cogeração utilizado na à sua área de reflorestamento, levando sobreviver. A indústria de papel e
planta de uma indústria de papel e em conta os altos custos de extração e celulose, tendo como principal matéria-
celulose é composto de turbina a vapor transporte que seriam gerados, caso prima a madeira e gerando resíduos
de condensação com duas extrações suas fábricas ficassem localizadas a orgânicos em seu processo, é um forte
para atender às demandas térmicas do grandes distâncias de seus exemplo de utilização da biomassa
processo. reflorestamentos, provocando, assim, um como uma alternativa energética
Em um sistema de cogeração, o vapor fenômeno de descentralização e fuga ambiental.
é gerado pela queima de licor negro na dos grandes centros urbanos. • Lixívia: A lixívia (licor negro), um
caldeira de recuperação química, e de Tal descentralização, dentro do resíduo inevitável do processo de
resíduos de madeira e lenha em segmento de papel e celulose, exerce fabricação da celulose, altamente tóxico e
caldeiras do tipo leito fluidizado (este um papel de suma importância, pois poluente, comporta inúmeras vantagens
último, quando necessário para suprir a consegue obter bons índices de em sua recuperação. Nela estão
demanda de vapor no processo). desenvolvimento regionais, gerando presentes todos os produtos químicos
O processo de produção de celulose empregos e construindo uma estrutura utilizados no processo “sulfato” de
demanda vapor a ser utilizado, para suportar as necessidades do fabricação de celulose, e, se não fosse
sobretudo, nos secadores e digestores e crescimento da região. utilizada como combustível, na caldeira
vapor de baixa pressão empregados nos O tema meio ambiente é um assunto de recuperação (com a finalidade de
evaporadores, entre outros setores. de grande importância e preocupação recuperar esses produtos químicos e
A central de utilidades recebe da para as indústrias produtoras de papel e gerar vapor), deveria ser descartada com
planta industrial a lixívia e os resíduos/ celulose, visto que sua matéria-prima elevados impactos ambientais em rios,
cascas de madeira, queimados em básica é fornecida diretamente da lagos e lençóis freáticos. Como exemplo,
caldeira de recuperação e leito fluidizado, exploração controlada de madeira, o fato ocorrido em março de 2003 na
respectivamente, gerando vapor de alta respeitando leis e normas ambientais Indústria de Papel Cataguases, onde
pressão, que aciona o sistema de rigorosas. Como principais aspectos toneladas de licor negro poluíram a
cogeração fornecendo energia elétrica, ambientais do segmento de papel e bacia do rio Paraíba do Sul.
vapor de média e de baixa pressão para celulose, destacam-se:
o processo de fabricação. • Reflorestamento: No Brasil, as

Aspectos socioeconômicos e ambientais


principais matérias-primas utilizadas pelo
segmento de papel e celulose são o
BIODIESEL
O segmento de celulose e papel gera, eucalipto e o pinus. O setor conta com A idéia da utilização de óleos vegetais
hoje, cerca de 130 mil empregos, se em torno de 1,4 x 106 hectares de em motores a combustão é quase tão
forem considerados os de natureza reflorestamentos próprios, principalmente antiga quanto a própria invenção
direta e indireta. Mas a relevante eucalipto (69,2%) e pinus (29,3%), destes. Há mais de 100 anos foram

dezembro 2005
31
realizados testes com óleos vegetais em de combustíveis fósseis em motores de Fontes de matérias-primas para a produção
motores estacionários, sendo Rudolf ignição por compressão interna de biodiesel
Diesel um empreendedor pioneiro (motores do ciclo Diesel). • Óleos Vegetais: Todos os óleos
nesse sentido. No entanto, apesar de vegetais, enquadrados na categoria de
fazer o motor funcionar de modo Processo de produção de biodiesel óleos fixos ou triglicerídicos, podem ser
satisfatório, os primeiros testes de longa A transesterificação é um processo transformados em biodiesel: grão de
duração revelaram que a utilização de químico que consiste da reação de óleos amendoim, polpa do dendê, amêndoa
óleos vegetais apresentava alguns vegetais com um produto intermediário do coco de dendê, amêndoa do coco
inconvenientes. Além disso, com a ativo (metóxido ou etóxido), oriundo da da praia, caroço de algodão, amêndoa
redução do custo de prospecção do reação entre álcoois (metanol ou etanol) do coco de babaçu, semente de girassol,
petróleo e aumento da oferta do e uma base (hidróxido de sódio ou de baga de mamona, semente de colza,
produto, algumas frações derivadas do potássio). Os produtos dessa reação semente de maracujá, polpa de abacate,
refino do óleo cru mostraram-se química são a glicerina e uma mistura de caroço de oiticica, semente de linhaça,
bastante adequadas à utilização como ésteres etílicos ou metílicos (biodiesel). O semente de tomate, entre muitos outros
combustível em motores de combustão biodiesel tem características físico- vegetais em forma de sementes,
interna. Assim, e com o passar dos químicas muito semelhantes às do óleo amêndoas ou polpas.
anos, novos melhoramentos foram diesel e, portanto, pode ser usado em • Gorduras de Animais: Os óleos e
realizados tanto no combustível motores de combustão interna, de uso gorduras de animais possuem estruturas
derivado do petróleo quanto no motor veicular ou estacionário. químicas semelhantes as dos óleos
que o utilizava, levando ao
esquecimento a idéia da utilização direta
de óleos vegetais para esse fim. A
origem das limitações ao uso
automotivo de óleos in natura está
relacionada com certas características
intrínsecas aos óleos vegetais, tais como
alta viscosidade, composição em ácidos
graxos e presença de ácidos graxos
livres, assim como pela tendência que
apresentam à formação de gomas por
processos de oxidação e polimerização,
durante sua estocagem ou combustão.
No entanto, vários estudos
demonstraram que uma simples reação
de transesterificação poderia dirimir
muito dos problemas associados à
combustão de óleos vegetais, tais como
a baixa qualidade de ignição, ponto de
fluidez elevado e altos índices de
viscosidade e densidade específica,
gerando um biocombustível
denominado biodiesel, bastante
compatível com o óleo diesel
convencional. De modo geral, biodiesel
é definido como derivados monoalquil
éster de fontes renováveis como óleos
vegetais ou gordura animal, cuja Figura 4 – Processo de obtenção de biodiesel
utilização está associada à substituição Fonte: Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais – ABIOVE

32 Revista Brasileira de Ciências Ambientais – número 2


vegetais. Como moléculas triglicerídicas participação do setor privado, como matriz energética brasileira. Desses, cabe
de ácidos graxos, também podem ser institutos de pesquisa, indústrias destacar o PL n. 6983/2002, o qual
transformadas em biodiesel: o sebo automobilísticas e de óleos vegetais, prevê a mistura de 5% de biodiesel no
bovino, os óleos de peixes, o óleo de fabricantes de peças e produtores de diesel, a partir de janeiro de 2004, e
mocotó, a banha de porco, entre outras lubrificantes e combustíveis. 15% a partir de 2006, e o PL n. 526/
matérias graxas de origem animal. Embora tenham sido desenvolvidos 2003, que regulamenta o uso do
• Óleos e Gorduras Residuais: Os vários testes com biocombustíveis, dentre biodiesel no Brasil.
óleos e gorduras residuais, resultantes os quais o éster etílico de soja puro e a
de processamentos domésticos, mistura 30% de éster etílico de soja e Aspectos socioeconômicos e ambientais
comerciais e industriais: as lanchonetes e 70% de óleo diesel (cujos resultados O biodiesel é um combustível
as cozinhas industriais, comerciais e constataram a viabilidade técnica da renovável e, portanto, uma alternativa
domésticas, onde são praticadas as utilização do biodiesel como aos combustíveis tradicionais, obtidos do
frituras de alimentos; as indústrias nas combustível) e realizadas diversas petróleo. Sua utilização traz uma série de
quais processam frituras de produtos tentativas para o desenvolvimento de vantagens ambientais, econômicas e
alimentícios, como amêndoas, tubérculos, mercado para o produto, os elevados sociais.
salgadinhos, e várias outras modalidades custos de produção em relação ao óleo Em termos ambientais, uma das mais
de petiscos; os esgotos municipais, onde diesel impediram seu uso em escala expressivas vantagens trazidas pelo
a nata sobrenadante é rica em matéria comercial. biodiesel refere-se à redução da emissão
graxa, é possível extrair-se óleos e Com a elevação dos preços do óleo de gases poluentes. Estudos realizados
gorduras; águas residuais de processos diesel e o interesse do governo federal pela Universidade de São Paulo
de certas indústrias alimentícias, como as em reduzir sua importação, o biodiesel demonstram que a substituição do óleo
indústrias de pescados, de couro, etc. passou a ser visto com maior interesse, diesel mineral pelo biodiesel resulta em
levando o Ministério da Ciência e reduções de emissões de 20% de
Biodiesel no Brasil Tecnologia a lançar o Programa Brasileiro enxofre, 9,8% de anidrido carbônico,
Os estudos e testes sobre de Desenvolvimento Tecnológico do 14,2% de hidrocarbonetos não-
combustíveis alternativos e renováveis no Biodiesel (Probiodiesel), em 30 de queimados, 26,8% de material
Brasil não são recentes. Na década de outubro de 2002, pela Portaria particulado e 4,6% de óxido de
20, o Instituto Nacional de Tecnologia Ministerial n. 702. Ele tem como objetivo nitrogênio.
(INT) já desenvolvia pesquisas nessa fomentar a produção e utilização do Os benefícios ambientais podem,
direção. Desde a década de 70, esse biodiesel no país, de modo a atingir sua ainda, gerar vantagens econômicas. O
instituto, com o Instituto de Pesquisas viabilidade técnica, socioambiental e país poderia enquadrar o biodiesel nos
Tecnológicas (IPT) e com a Comissão econômica. Na primeira fase, encerrada acordos estabelecidos no Protocolo de
Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira em 2003, foram testados o éster etílico e Kyoto e nas diretrizes dos Mecanismos
(CEPLAC), vêm desenvolvendo pesquisas metílico de soja e etanol. Na fase II, que de Desenvolvimento Limpo (MDL), já
relativas à utilização de óleos vegetais deverá se estender até 2005, serão que existe a possibilidade de venda de
como combustível, dentre as quais desenvolvidas as cadeias produtivas do cotas de carbono por intermédio do
merece destaque o DENDIESEL, baseado biodiesel produzido a partir de outros Fundo Protótipo de Carbono (PCF), pela
no óleo de dendê. óleos vegetais e/ou óleos residuais. O redução das emissões de gases
Em 1983, o governo federal, programa prevê, para 2005, o uso poluentes e também créditos de
motivado pela alta nos preços de comercial de misturas com 5% de “seqüestro de carbono”, por meio do
petróleo, lançou o Programa de Óleos biodiesel e 95% de óleo diesel (mistura Fundo Bio de Carbono (CBF),
Vegetais (OVEG), no qual foi testada a B5), esperando-se para 2010 o administrados pelo Banco Mundial.
utilização de biodiesel e misturas aumento da participação do biodiesel Outra vantagem econômica é a
combustíveis em veículos que para 10% (B10) e até 2020 para 20% possibilidade de redução das
percorreram mais de 1 milhão de (B20). importações de petróleo e diesel
quilômetros. É importante ressaltar que Além do Probiodiesel, há alguns refinado. Segundo estatísticas da Agência
essa iniciativa, coordenada pela Secretaria projetos de lei tramitando no Congresso, Nacional do Petróleo (ANP), o consumo
de Tecnologia Industrial, contou com a prevendo a inclusão do biodiesel na brasileiro de óleo diesel apresentou um

dezembro 2005
33
crescimento acumulado de 42,5%, no Diante do grande volume de um tipo de energia em outro. No caso
período de 1992 a 2001. Para suprir a resíduos provenientes das explorações do biogás, a energia química contida em
demanda crescente, foi necessário agrícolas e pecuárias, assim como suas moléculas é convertida em energia
aumentar o volume importado do aqueles produzidos por matadouros, mecânica por um processo de
combustível, de 2,3 milhões de m3, em destilarias, fábricas de laticínios, combustão controlada. Essa energia
1992, para 6,6 milhões de m3, em 2001. tratamentos de esgotos domésticos e mecânica ativa um gerador o qual a
É importante destacar que, em 1992, aterros sanitários, a conversão converte em energia elétrica.
8,5% do consumo brasileiro de óleo energética do biogás se apresenta Não podemos esquecer de
diesel era suprido via importações. Em como uma solução a agregar ganho mencionar o uso da queima direta do
2001, essa participação já havia saltado ambiental e redução de custos na biogás em caldeiras para cogeração e do
para 16,5%. De acordo com a ANP, medida em que reduz o potencial surgimento de tecnologias
cada 5% de biodiesel misturado ao óleo tóxico das emissões de metano, ao remanescentes, porém atualmente não
diesel consumido no país representa mesmo tempo em que produz energia comerciais, como a da célula combustível.
uma economia de divisas em torno de elétrica. Mas as turbinas a gás e os motores de
US$ 350 milhões/ano. combustão interna do tipo “ciclo Otto”
O aproveitamento energético de óleos Processo de formação do biogás são as tecnologias mais utilizadas para
vegetais e a produção de biodiesel são O processo consiste na esse tipo de conversão energética.
também benéficos para a sociedade, decomposição do material pela ação de
pois gera postos de trabalho, bactérias (microrganismos acidogênicos Aspectos socioeconômicos e ambientais
especialmente no setor primário. Outro e metanogênicos). Trata-se de um O primeiro fator a ser analisado é o
aspecto positivo de sua utilização refere- processo simples, que ocorre da utilização de um gás combustível de
se ao aumento da oferta de espécies naturalmente com quase todos os baixo custo, uma vez que o biogás é um
oleaginosas, as quais são um importante compostos orgânicos. subproduto de um processo de
insumo para a indústria de alimentos e O tratamento e o aproveitamento digestão anaeróbica e, normalmente, é
ração animal, além de funcionarem energético de dejetos orgânicos desprezado, ora emitido diretamente na
como fonte de nitrogênio para o solo. (esterco animal, resíduos industriais, atmosfera e agravando o impacto
etc.) podem ser feitos pela digestão ambiental por meio da emissão de gases
anaeróbica em biodigestores, na qual o de efeito estufa, ora pela queima em
BIOGÁS processo é favorecido pela umidade e
aquecimento. Este é provocado pela
“flares” para minimizar o impacto
ambiental.
Até há pouco tempo, o biogás era própria ação das bactérias, mas, em Uma receita adicional pode ser
simplesmente encarado como um regiões ou épocas de frio, pode ser gerada pela venda do gás ou pelo uso
subproduto, obtido a partir da necessário calor adicional, pois a do mesmo na geração de energia
decomposição anaeróbica (sem temperatura deve ser de pelo menos elétrica. É importante salientar que, no
presença de oxigênio) de lixo urbano, 35 °C. caso do tratamento de esgoto, o uso
resíduos animais e de lodo proveniente Em termos energéticos, o produto do biogás para geração de energia
de estações de tratamento de efluentes final é o biogás, composto, elétrica possibilita a redução do
domésticos. No entanto, o aquecimento essencialmente, por metano (50% a consumo de energia, enquanto, no
da economia nos últimos anos e a 75%) e dióxido de carbono. Seu caso de um aterro sanitário, possibilita a
subida acentuada do preço dos conteúdo energético gira em torno de venda da energia elétrica gerada à rede.
combustíveis convencionais têm 5.500 kcal por metro cúbico. A emissão do biogás para a
encorajado as investigações na atmosfera provoca impactos negativos
produção de energia, a partir de novas Principais tecnologias de conversão do ao meio ambiente e à sociedade, pois
fontes alternativas e economicamente biogás contribui para o agravamento do efeito
atrativas, tentando, sempre que possível, Existem diversas tecnologias para estufa pela emissão de metano (CH4)
criar formas de produção energética que efetuar a conversão energética do na atmosfera (o impacto do metano é
possibilitem a redução do uso dos biogás. Entende-se por conversão 24 vezes maior que o do dióxido de
recursos naturais esgotáveis. energética o processo que transforma carbono (CO2), provocando odores

34 Revista Brasileira de Ciências Ambientais – número 2


desagradáveis pela emissão de gases
fétidos e tóxicos, sobretudo pela
CONSIDERAÇÕES FINAIS • balanço de carbono praticamente
nulo, o que incentiva a venda de
concentração de compostos de enxofre O Brasil apresenta condições créditos de carbono para os países
presentes no gás, além de uma favoráveis para se tornar uma grande desenvolvidos.
pequena, mas não-desprezível, potência no que diz respeito a fontes A experiência nacional de geração de
presença de bactérias responsáveis pela renováveis de energia, sobretudo a energia a partir da biomassa tem maior
digestão anaeróbica dos resíduos biomassa, dado os seguintes fatores: tradição na indústria sucroalcooleira,
orgânicos. A presença do metano no – Vasta extensão territorial, propícia à mostrando-se plenamente viável sob os
biogás sugere que o mesmo seja agricultura alimentícia e possível de pontos de vista técnico, operacional e
queimado em “flare”, por exemplo, para (re)florestamento; econômico.
que seja convertido para dióxido de – condições bioclimáticas e a É recomendável, portanto, que as
carbono (CO2) pelo processo de experiência atingida quanto ao trato e experiências operacionais de geração de
combustão, com o objetivo de exploração florestal a permitirem a energia elétrica com biomassa florestal
minimizar o impacto ambiental obtenção de produtividade quatro a na região Norte, como as dos sistemas
provocado pela emissão de gases de cinco vezes superiores às obtidas nos eletricamente isolados e a dos
efeito estufa. países de clima temperado reservatórios de usinas hidrelétricas
O aproveitamento energético do (essencialmente os países concretizem-se, possibilitando o
biogás, gerado pela digestão anaeróbica desenvolvidos); aproveitamento de grande potencial
de resíduos, contribui com a preservação – a existência de grande florestal o qual estará disponível nos
do meio ambiente e também traz quantidade de biomassa disponível pela próximos anos. No caso do bagaço de
benefícios para a sociedade: expansão da fronteira agrícola e cana, cuja experiência operativa se
• Promove a utilização ou implantação de grandes projetos na encontra mais aprofundada, requer-se
reaproveitamento de recursos região Norte e a existência de excedente incentivos institucionais, técnicos e
“descartáveis” e/ou de baixo custo (o de bagaço de cana na indústria financeiros por parte do governo federal
biogás é considerado como um gás sucroalcooleira; a possibilitar a implantação de um
residual de processo); – o aprimoramento das tecnologias programa de cogeração na indústria
• colabora com a não-dependência de transformação e o surgimento de sucroalcooleira.
de uma única fonte de energia fóssil novas, possibilitando melhores Quanto ao aproveitamento das
(oferecendo uma maior variedade de rendimentos. extensas áreas reflorestáveis, recomenda-
combustíveis); Como conseqüência, os fatores acima se programas pilotos que desenvolvam a
• possibilita a geração descentralizada apresentados trazem alguns benefícios, experiência florestal e tecnológica de
de energia (gerando-a em comunidades dentre os quais citamos: usinas com alto rendimento energético
isoladas); • incentivo à produção agrícola e de modo a possibilitar, em um futuro
• aumento da oferta de energia; florestal, ambas em ascensão; próximo, a execução de programas de
• geração de empregos para pessoas • incentivo ao desenvolvimento de geração térmica da biomassa florestal de
menos qualificadas; novas tecnologias; porte tal, que venham a contribuir com a
• reduz os odores e as toxinas do ar • geração de energia descentralizada complementação do sistema hidrelétrico,
que contribuem para a poluição do ar e possibilidade de fornecimento de principalmente nas regiões nas quais já
local; energia excedente às concessionárias se vislumbra o esgotamento do potencial
• diminui as emissões poluentes pela locais; de recursos hídricos.
substituição de combustíveis fósseis; • geração de empregos na zona rural, Considerando-se as alternativas
• colabora para a viabilidade diminuindo o êxodo para as grandes apresentadas hoje e as perspectivas para
econômica dos aterros sanitários e metrópoles; o setor elétrico no Brasil, discute-se a
estações de tratamento de esgoto, • desenvolvimento sustentável potencialidade do uso de biomassa nas
aumentando a viabilidade do (qualidade de vida, transporte e usinas termoelétricas já existentes. O
saneamento básico; energia); custo de produção de MWh (nuclear,
• reduz significativamente a emissão • menor emissão de poluentes na carvão ou óleo) é elevado em relação às
de gases efeito estufa. atmosfera; hidrelétricas, apesar de apresentarem

dezembro 2005
35
períodos de construção, no caso das
termoelétricas a óleo, de três anos
aspectos críticos com relação ao
processo de conversão. Praticamente o
BIBLIOGRAFIA
somente. Foi considerada a possibilidade único efluente a requerer controle ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Brasília, DF:
de operação de termoelétricas a bagaço específico em uma termoelétrica é Agência Nacional de Energia Elétrica. 2002.
de cana com operação em 11 meses/ material particulado dos gases de 153 p.
ano, ampliando-se a discussão sobre a combustão. O uso de precipitadores ou COELHO, S. T. Mecanismos para
possibilidade de trabalhar não só com filtros de mangas leva o nível de implementação da cogeração de eletricidade
bagaço excedente, mas também com a emissão desse poluente a valores a partir de biomassa. Um modelo para o
palha da cana-de-açúcar, resíduos aceitáveis pelas legislações mais estado de São Paulo. 1999. 278 p. Tese
(Doutorado) – Escola Politécnica, Universidade
provenientes do processo de fabricação rigorosas.
de São Paulo, São Paulo, 1999.
de papel e celulose, e até mesmo O assunto mostra outra face quando
bagaço de laranja. se aborda o lado da obtenção do COELHO, S. T; SILVA, O. C.; CONSÍGLIO, M.;
Energeticamente, as vantagens para o combustível. É inegável que para PISETTA, M.; MONTEIRO, M. B. C. A.
Panorama do potencial de biomassa no Brasil
país são devidamente atraentes. algumas situações o aproveitamento de
– Projeto BRA/00/029 – Capacitação do setor
Lançando mão de uso de recursos biomassa pode ser extremamente
elétrico brasileiro em relação à mudança
locais e renováveis, diminuindo-se a benéfico, como no caso de resíduos global do clima. Brasília, DF: ANEEL – Agência
pressão futura sobre o balanço de urbanos agrícolas e industriais (lixo, Nacional de Energia Elétrica, 2002. 80 p.
pagamentos, com uma importação de esgoto), evitando problemas com a
COSTA, D. F. Biomassa como fonte de
petróleo compatível às receitas das disposição final.
energia, conservação e utilização. 2002. 38 p.
exportações e a despesa das Finalmente, entendemos que o uso Monografia (Especialização). Instituto de
importações totais, além de da biomassa na geração de energia Energia / Escola Politécnica – Universidade de
internacionalizar a geração de benefícios. elétrica constitui-se em uma das opções São Paulo, São Paulo, 2002.
Afora isso, a remuneração das usinas mais viáveis para a participação do
PARENTE, E. J. S. Biodiesel: Uma aventura
sucroalcooleiras, pelas noções de custo capital privado, no atendimento da tecnológica num país engraçado. Fortaleza:
evitado, gera nova receita aos parcela do mercado de eletricidade no Tecbio Tecnologias Bioenergéticas Ltda, 2003.
produtores e transfere ao setor privado, Brasil. 66 p.
que já produz álcool combustível, Algumas questões ficam no ar após a
VELÁZQUEZ, S. M. S. G. A cogeração de
também a responsabilidade pela geração realização do trabalho: energia no segmento de papel e celulose:
de energia, evitando a construção de 1 – Como a prática da biomassa, tão Contribuição à matriz energética do Brasil.
novas centrais térmicas pelas antiga e ambientalmente correta, pôde 2000. 205 p. Dissertação (Mestrado) – Escola
concessionárias de energia elétrica. ser esquecida pela humanidade? Politécnica, Universidade de São Paulo, São
Como autoprodutores, essas empresas 2 – Por que o combustível à base de Paulo, 2000.
também economizariam na construção cana-de-açúcar (o álcool), nacional e de Visita à Unidade Fabril da Klabin Monte Alegre
de redes de transmissão de energia, tamanho valor de interdependência – Telêmaco Borba/PR.
com a eliminação das linhas de energética, não se perpetuou com
Sites:
transmissão, pois o abastecimento seria sucesso? www.cenbio.org.br
obtido da própria fonte. 3 – O que se pode fazer para que a www.aneel.org.br
Quanto à questão ambiental, a implementação desses programas se www.iee.usp.br
energia da biomassa não apresenta tornem ações definitivas e permanentes? www.unica.com.br

36 Revista Brasileira de Ciências Ambientais – número 2