Você está na página 1de 6

POLICIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO

COMANDO REGIONAL II

NORMAS GERAIS DE AÇÃO DOS POLICIAIS MILITARES QUE SE ENCONTRAM


PRESOS A DISPOSIÇÃO DA JUSTIÇA NO COMANDO REGIONAL II

VÁRZEA GRANDE – MT
NORMAS GERAIS DE AÇÃO NO EMPREGO DA GUARDA DOS
POLICIAIS MILITARES QUE SE ENCONTRAM PRESOS A
DISPOSIÇÃO DA JUSTIÇA NESTE COMANDO REGIONAL

FINALIDADE:

Estabelecer normas gerais de ação, visando a padronização dos


trabalhos de guarda dos policiais militares, com base nos princípios
norteadores da lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 (LEP – Lei de
Execuções Penais), do decreto nº 5.683 de 13/12/2003, que instituiu o
Regimento Interno Padrão dos Estabelecimentos Prisionais do Estado de
Mato Grosso – RIP, e, nas demais Leis e Regulamentos afins,
assegurando a integridade física, psicológica e moral do reeducando,
bem como, a segurança do efetivo policial militar, sem perder o foco da
sua permanência no cárcere.

ATRIBUIÇÕES DA GUARDA

As atribuições da guarnição de serviço em relação a guarda dos


policiais militares que se encontram presos a disposição da justiça são:

1. Manter o reeducando, preso até decisão judicial em contrário.

2. Manter a integridade física, psicológica e moral do reeducando.

3. Agir de maneira repressiva, empregando os meios legais


necessários diante de qualquer ação hostil do reeducando.

EMPREGO DA GUARNIÇÃO

A guarnição de serviço escalada na “permanência da guarda do


quartel” é responsável pela guarda do referido militar cumulativamente
com o serviço diário de rotina.
DOS DEVERES DO REEDUCANDO (TRANSCRIÇÃO LITERAL DOS
ARTIGOS 38 E 39 DA LEP)

Art. 38. Cumpre ao condenado, além das obrigações legais inerentes ao


seu estado, submeter-se às normas de execução da pena.
Art. 39. Constituem deveres do condenado:
I – comportamento disciplinado e cumprimento fiel da sentença;
II – obediência ao servidor e respeito a qualquer pessoa com quem deva
relacionar-se;
III – urbanidade e respeito no trato com os demais condenados;
IV – conduta oposta aos movimentos individuais ou coletivos de fuga ou
de subversão à ordem ou à disciplina;
V – execução do trabalho, das tarefas e das ordens recebidas;
VI – submissão à sanção disciplinar imposta;
VII – indenização à vítima ou aos seus sucessores;
VIII – indenização ao Estado, quando possível, das despesas realizadas
com a sua manutenção, mediante desconto proporcional da remuneração
do trabalho;
IX – higiene pessoal e asseio da cela ou alojamento;
X – conservação dos objetos de uso pessoal.
Parágrafo único. Aplica-se ao preso provisório, no que couber, o disposto
neste artigo.

DIREITOS DO REEDUCANDO (TRANSCRIÇÃO LITERAL DOS


ARTIGOS 40 A 43 DA LEP)

Art. 40. Impõe-se a todas as autoridades o respeito à integridade física e


moral dos condenados e dos presos provisórios.
Art. 41. Constituem direitos do preso:
I – alimentação suficiente e vestuário;
II – atribuição de trabalho e sua remuneração;
III – Previdência Social;
IV – constituição de pecúlio;
V – proporcionalidade na distribuição do tempo para o trabalho, o
descanso e a recreação;
VI – exercício das atividades profissionais, intelectuais, artísticas e
desportivas anteriores, desde que compatíveis com a execução da pena;
VII – assistência material, à saúde, jurídica, educacional, social e
religiosa;
VIII – proteção contra qualquer forma de sensacionalismo;
IX – entrevista pessoal e reservada com o advogado;
X – visita do cônjuge, da companheira, de parentes e amigos em dias
determinados;
XI – chamamento nominal;
XII – igualdade de tratamento salvo quanto às exigências da
individualização da pena;
XIII – audiência especial com o diretor do estabelecimento;
XIV – representação e petição a qualquer autoridade, em defesa de
direito;
XV – contato com o mundo exterior por meio de correspondência escrita,
da leitura e de outros meios de informação que não comprometam a
moral e os bons costumes.
Parágrafo único. Os direitos previstos nos incisos V, X e XV poderão ser
suspensos ou restringidos mediante ato motivado do diretor do
estabelecimento.
Art. 42. Aplica-se ao preso provisório e ao submetido à medida de
segurança, no que couber, o disposto nesta Seção.
Art. 43. É garantida a liberdade de contratar médico de confiança pessoal
do internado ou do submetido a tratamento ambulatorial, por seus
familiares ou dependentes, a fim de orientar e acompanhar o
tratamento.
Parágrafo único. As divergências entre o médico oficial e o
particular serão resolvidas pelo Juiz de execução.

PRESCRIÇÕES DIVERSAS

I- A guarnição de serviço “Comandante da Guarda” deverá lançar,


diariamente, toda e qualquer alteração ocorrida com policiais
militares que se encontram presos a disposição da justiça no livro de
registro de alterações da guarda, devendo informar imediatamente
ao Oficial de Dia.
II- Observar sempre os princípios norteadores dos Direitos Humanos, e
respeitar a dignidade do reeducando como pessoa.

III - Os visitantes autorizados a adentrar ao local de visita, poderão levar


os itens abaixo relacionados a reeducanda visitada, de acordo com
PORTARIA Nº 028/2006/GAB/SAJU/SEJUSP, de 22 de dezembro de
2006, devendo retornar com as sobras e utensílios, bem como recolher o
lixo e depositá-los na lixeira:

 Comida salgada, pronta para consumo, fatiada;


 300 gramas de doce caseiro;
 Frutas: banana, mamão, melão, devidamente descascados e
fatiados;

IV - Os itens e quantitativos a seguir relacionados poderão adentrar na


cela para consumo do reeducando, sendo que os gêneros alimentícios
poderão ser levados semanalmente de acordo com a portaria referida
anteriormente:

 04 (quatro) pacotes de cigarros lacrados ou 03


pacotes de fumo lacrados;
 02 (dois) pacotes de bolacha água e sal – 200
gramas;
 02 (dois) pacotes de bolacha tipo maisena;
 01 (um) ventilador, mediante nota fiscal ou recibo,
devidamente fiscalizados e controlado pela guarda.
 Livros e revistas com a autorização do Cmdo da
UPM;
 01 (um) refrigerante de 02 (dois) litros;
 Materiais de artesanato, após análise do Cmdo da
UPM.

V - Quando a unidade não dispuser, ou em caso de falta no estoque do


Comando Regional II, dos materiais de higiene abaixo transcrito, fica
autorizada a entrada, mensalmente, controlados na revisória, dos itens e
quantitativos a seguir:

 02 (duas) unidades de creme dental;


 02 (duas) unidades de sabonete;
 02 (duas) unidades tipo presto-barba;
 01 (um) par de chinelos tipo havaianas, com
autorização da Cmdo da UPM;
 Vestuário (camisetas, bermudas, short e lençol)

VI - Fixar todas as TERÇAS-FEIRA e SÁBADOS como dia


para visitas comuns, no horário das 09horas às 11h30min, e de 13h30min
às 16horas, sendo que o horário compreendido das 11h30min às
13h30min, será reservado para o almoço do reeducando e dos
componentes da guarda, não sendo permitida a permanência de
visitantes no interior do estabelecimento prisional, e :

a. Somente serão admitidas visitas de 02 (duas) pessoas por


turno e alternadamente;

b. Fica definido que a entrevista pessoal e reservada com


advogado, nos termos do Art. 5° Inc IX, será a qualquer dia
no período de expediente da UPM com duração de até 03
(três) horas.

VII - O banho de sol será de 02 (duas) horas diárias nos dias


de segunda, quarta, quinta e sexta.

VIII – Fica expressamente proibida a entrada de qualquer


quantia em dinheiro na cela do reeducando sem prévia autorização do
Cmdo da respectiva UPM.

Esta NGA entra em vigor na data de sua publicação.

Quartel do Comando Regional II em Várzea Grande – MT, 01 de Novembro de 2012.

Wilquerson Felizardo Sandes – Cel PM


Comandante Regional II

Você também pode gostar