Você está na página 1de 10

CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS


Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde
as primeiras civilizações conhecidas (assírios, egípcios, chineses, hindus, romanos, etc).
Com a evolução das cidades e o aumento das necessidades, evoluíram também estes
sistemas. Estão relacionados, abaixo, na ordem de sua aparição histórica.

1.1. Sistema Unitário (tout à l’egout)


As águas pluviais e as águas residuárias são lançadas juntas na mesma canalização ou
galeria. Tais istalações ainda estão presentes nas cidades européias e norte-americanas
mais antigas.
Exemplo mais famoso: Cloaca Máxima, construída no tempo do Império Romano e
ainda hoje em utilização na capital italiana.

1.2. Sistema Separador Absoluto


Formada por duas redes independentes, uma para esgoto e outra para águas pluviais.
Tem como vantagens: menor diâmetro das canalizações, vazão mais estável, menor custo
das elevatórias e estações de tratamento.
É, por lei, o único sistema admitido no Brasil.

1.3. Sistema Misto ou Separador Combinado


Neste sistema, os esgotos são conduzidos em canalização própria, mas os condutos são
instalados dentro das galerias pluviais. Utilizado em algumas cidades da Inglaterra. Tem
vantagem construtiva.

2. NORMA E TERMINOLOGIA

2.1. Norma:
NBR – 8160/1999 – Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário – Projeto e
Execução

2.2. Terminologia
A seguir, algumas definições relativas ao sistema de coleta de esgotos sanitários
(item 3 da Norma):
- águas residuárias: líquidos residuais, efluentes de esgotos e águas de inflitração;
- águas imundas: águas residuárias contendo elevada quantidade de matéria fecal;
- águas servidas: águas resultantes da operação de lavagem e limpeza de cozinhas,
banheiros e tanques;

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 1

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com


CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

- águas de infiltração: parcela de água do subsolo que penetra nas canalizações de


esgoto pela falta de estanqueidade das juntas. Da ordem de 0,0002 a
0,0008 l/s.m de coletor;
- aparelho sanitário: aparelho que, ligado à instalação predial, destina-se ao uso para
fins higiênicos ou a receber dejetos e águas servidas (ex: vaso
sanitário, lavatório, bidê, banheira, etc.);
- caixa de gordura: elemento destinado a separar gorduras da água. É colocado na
saída de pias de cozinhas;
- caixa de inspeção: caixa destinada a permitir limpeza, inspeção e desobstrução das
canalizações, a junção de coletores e a mudança de declividade. Tem
0,60m de diâmetro ou 0,60m de lado, quando quadrada;
- caixa de passagem: caixa destinada a permitir inspeção, limpeza e desobstrução das
canalizações de esgoto, coletores, subcoletores e ramais. Tem apenas
uma entrada e uma saída para o esgoto;
- caixa sifonada: caixa dotada de fecho hídrico e tampa, destinada a receber
efluentes de aparelhos sanitários, exceto os de vasos sanitários;
- coletor predial : é a tubulação de esgotos, de propriedade particular, que conduz o
esgoto de uma ou mais edificações até a rede coletora pública;
- coletor de esgotos: é a canalização que, funcionando como conduto livre, recebe
contribuições de esgotos em qualquer ponto ao longo de seu
comprimento;
- canalização primária: canalização onde têm acesso os gases provenientes do coletor
público ou onde escoa matéria fecal;
- canalização secundária: canalização protegida por desconector contra acesso de
gases provenientes do coletor público ou onde escoa matéria fecal;
- coletor tronco: canalização que recebe os esgotos provenientes dos coletores
prediais e de vários coletores de esgotos;
- coluna de ventilação: canalização destinada à ventilação dos desconectores situados
em pavimentos superpostos;
- desconector: dispositivo hidráulico ligado a uma canalização primária. Destina-se a
vedar a passagem de gases das canalizações de esgotos para o
interior dos recintos;
- despejos: refugos líquidos da edificação, exceto águas pluviais;
- emissário: conduto final de um sistema público de esgotos sanitários. Afasta os
efluentes para um ponto de lançamento, sem receber contribuições
pelo caminho;
- esgoto primário: é a parte da instalação à qual tem acesso os gases provenientes da
decomposição da matéria fecal;
- esgoto secundário: é a parte da instalação, compreendida após os desconectores, que
não tem contato com os gases formados pela matéria fecal;

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 2

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com


CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

- fecho hídrico: camada líquida que veda a passagem dos gases;


- peça de inspeção: dispositivo destinado à inspeção, limpeza e desobstrução de
encanamentos;
- poço de visita: caixa de inspeção com mais de 1m de profundidade. Em instalações
prediais, a maior distância entre poços de visita ou caixas de
inspeção é de 25m;
- ralo de passagem (ou ralo seco): dispositivo destinado a receber água de lavagem que
não possui fecho hídrico;
- ralo sifonado: parte do esgoto secundário. Recebe água de lavagem e a envia à caixa
sifonada;
- ramal de descarga: canalização que recebe efluentes de um aparelho sanitário;
- ramal de esgotos: canalização que recebe efluentes dos ramais de descarga;
- ramal de ventilação: tubo de ventilação que liga desconector, ramal de descarga ou
ramal de esgotos de um ou mais aparelhos sanitários a uma coluna de
ventilação;
- sifão: desconector destinado a receber água de lavagem ou efluentes de esgotos
secundários. Faz parte das instalações de esgoto primário;
- subcoletor: canalização que recebe efluentes de um ou mais tubos de queda ou ramais
de esgotos;
- tubo de queda (TQ): canalização vertical que recebe efluentes de subcoletores,
ramais de esgotos e ramais de descarga;
- tubo ventilador (TV): canalização ascendente que permite a saída dos gases de
esgotos e a entrada de ar atmosférico às canalizações de esgotos;
- Unidade Hunter de Contribuição (UHC): fator probabilístico numérico que
representa a freqüência habitual de utilização, associada à vazão
típica de cada uma das diferentes peças de um conjunto de aparelhos
diferentes, em funcionamento simultâneo em hora de contribuição
máxima no hidrograma diário;
- vazão crítica: maior vazão que pode escoar, através de uma seção do coletor, com o
mínimo de energia;
- vaso sanitário: aparelho destinado a receber, exclusivamente, dejetos humanos.

3. COMPONENTES DO SUBSISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO

3.1. Aparelhos Sanitários


Aparelhos sanitários são peças instaladas ligadas ao sistema de esgoto e que tem
por função:
a) impedir a contaminação da água potável por retro-sifonagem ou por conexão
cruzada;

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 3

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com


CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

b) possibilitar acesso e manutenção adequadas;


c) oferecer conforto adequado ao usuário.

3.2. Desconectores
São dispositivos que fazem parte dos esgotos primários. Têm por função proteger o
ambiente interno contra a entrada de gases emanados da canalização. São eles:
- Sifões – dotados de um bujão na parte inferior para limpeza ou desobstrução, têm
diâmetro mínimo de 75mm e fecho hídrico mínimo de 50mm;
- Ralos Sifonados – devem ter fecho hídrico mínimo superior a 50mm;
- Caixas Sifonadas – podem ser de concreto ou alvenaria, circulares ou retangulares,
devem possuir fecho hídrico mínimo de 200mm.
Todos os aparelhos sanitários de uma instalação predial de esgotos deverão ser
ligados à canalização através da interposição de desconectores, colocados o mais próximo
possível desses. São exceções apenas os aparelhos que já trazem um dispositivo
desconector como parte integrante de sua estrutura, como alguns tipos de vaso sanitário.
As pias de cozinha devem ser dotadas de sifões, mesmo quando forem ligadas a
caixas retentoras de gordura.

3.3. Elementos de Inspeção


Toda instalação predial de esgotos sanitários deve ser executada tendo em vista
possíveis e futuras operações de inspeção e desobstrução, quer nas canalizações, caixas de
inspeção de gordura e sifonadas, coletores e subcoletores prediais.
As canalizações internas devem ser acessíveis por intermédio de caixas de inspeção
ou peças de inspeção, como tubos operculados e bujões.
A distância entre caixas de inspeção e poços de visita não deve ser superior a 25m.
A distância entre a ligação do coletor predial com o coletor público e a caixa de
inspeção, ou poço de visita, ou peça de inspeção mais próxima, não deve ser superior a 15m.
O comprimento dos ramais de descarga e de esgotos sanitários, caixas detentoras,
caixas sifonadas e ralos sifonados, medidos entre os mesmos, e as caixas de inspeção,
poços de visita ou peças de inspeção instalados nesses ramais, não deve ser maior que 10m.

4. DIMENSIONAMENTO DAS TUBULAÇÕES DE ESGOTO


O dimensionamento das tubulações de esgoto é realizado a partir da somatória de
pesos atribuídos às peças sanitárias e da consulta a tabelas apresentadas na norma.
Estes pesos, denominados Unidades Hunter de Contribuição (UHC), são valores
baseados na probabilidade de uso simultâneo das peças sanitárias; foram obtidos a partir
de levantamentos estatísticos.

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 4

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com


CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

4.1. Unidades Hunter de Contribuição


A tabela a seguir foi extraída da NBR – 8160/99 (tabela 3, pág. 16). Ela fixa os
valores das Unidades Hunter de Contribuição dos aparelhos mais comumente utilizados:
Tabela 1 – Número de Unidades Hunter de Contribuição e
Diâmetro mínimo dos ramais de descarga
No de Unidades Diâmetro mínimo
Aparelho
Hunter (mm)
Bacia sanitária 6 100
Banheira de residência 2 40
Bebedouro 0,5 40
Bidê 1 40
Chuveiro de residência 2 40
Chuveiro coletivo 4 40
Lavatório de residência 1 40
Lavatório de uso geral 2 40
Mictório c/ válvula de descarga 6 75
Mictório c/ caixa de descarga 5 50
Mictório c/ descarga automática 2 40
Mictório de calha (por metro) 2 50
Pia de cozinha residencial 3 50
Pia de cozinha industrial
p/ preparação 3 50
p/ lavagem de panelas 4 50
Tanque de lavar roupas 3 40
Máquina de lavar louças 2 50
Máquina de lavar roupas 3 50

Para tubos de PVC, o diâmetro mínimo a ser empregado é de 40 mm. Se for


empregado ferro fundido, o diâmetro mínimo é de 50 mm.

4.2. Ramais de Descarga


A Tabela 2, abaixo, é reproduzida da tabela 5 da NBR-8160/99 para o
dimensionamento de ramais de descarga:

Tabela 2 – Dimensionamento de Ramais de Descarga

Diâmetro nominal do Número Máximo de


ramal de descarga Unidades Hunter de
(DN) Contribuição
40 3
50 6
75 20
100 160

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 5

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com


CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

A Tabela 3, abaixo, indica as declividades mínimas que devem ser dadas aos trechos
horizontais dos ramais de descarga de esgoto, segundo a norma:

Tabela 3
Declividade de ramais de descarga e de esgotos horizontais

Diâmetro Nominal Declividade mínima


(mm) %
≤ 75 2
≥ 100 1
Os ramais de descarga de lavatórios, banheiras, bidês, ralos e tanques de lavagem
deverão ser ligados, por meio de ramais independentes, a caixas sifonadas, ralos sifonados
ou sifões. Se necessário, podem passar antes por uma caixa de inspeção.
Os ramais de descarga ligados a mictórios não podem ser ligados a ralos sifonados
com grelha. Devem ser conduzidos até ralos sifonados construídos com material
apropriado, com tampa hermética.
Ramais descarga de pias de cozinha ou despejo devem ser ligados a caixas de
gordura ou a tubos de queda que descarreguem nessas caixas.
Ramais de descarga de vasos sanitários, caixas ou ralos sifonados, caixas detentoras
e sifões, deverão ser ligados diretamente a uma caixa de inspeção. Se não for possível, a
outra canalização primária perfeitamente inspecionável.
Ramais de descarga de vasos sanitários, caixas ou ralos sifonados, caixas detentoras
e sifões, só poderão ser ligados a desvios horizontais de tubos de queda que recebam
efluentes sanitários de até 4 pavimentos superpostos, com declividade mínima de 1%.

4.3. Subcoletores e Coletores Prediais


Os subcoletores e coletores prediais são dimensionados em função do número de
unidades Hunter de contribuição e da declividade, conforme a tabela a seguir (tabela 7 da
NBR 8160/99):
Para prédios residenciais, o dimensionamento do coletor predial e dos subcoletores
leva em conta apenas o aparelho de maior descarga de cada banheiro.

Tabela 4 – Dimensionamento de Subcoletores e Coletores Prediais

Diâmetro nominal Número máximo de Unidades Hunter em


do tubo função das declividades mínimas (%)
DN
0,5 1 2 4
100 - 180 216 250
150 - 700 840 1.000
200 1.400 1.600 1.920 2.300
250 2.500 2.900 3.500 4.200
300 3.900 4.600 5.600 6.700
400 7.000 8.300 10.000 12.000

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 6

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com


CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

4.4. Tubos de Queda


Os tubos de queda devem ter diâmetro uniforme e devem ser instalados em um
único alinhamento reto. Quando não for possível evitar mudanças de direção, estas
mudanças deverão ser efetuadas com curvas de raio grande e com ângulo superior a 90o.
Em todas as mudanças de direção deverão ser instaladas peças de inspeção (tubo
operculado, tubo radial, bujão, placa cega HL).
Além disso, as seguintes restrições devem ser observadas:
a) Nenhum vaso sanitário pode descarregar em um tubo de queda de diâmetro inferior a
100 mm;
b) Nenhum tubo de queda pode ter diâmetro inferior ao da maior canalização a ele ligada;
c) Tubo de queda que recebe descargas de pias (de copa, cozinha ou despejo) não pode ter
diâmetro inferior a 75 mm. Faz-se exceção a prédios de até 2 andares, cujos tubos de
queda recebem até 6 Unidades Hunter de Contribuição que, nesses casos, podem
utilizar diâmetro nominal de 50 (DN50);
d) Num mesmo edifício, vasos sanitários ou outros aparelhos, assentes em lados opostos de
uma parede divisória, podem ser ligados a um tubo de queda comum, desde que
respeitado o limite de Unidades Hunter do diâmetro do tubo;
e) Não se assenta tubo de queda ao longo da face externa de um prédio;
f) Não se usa o mesmo tubo de queda para prédios distintos, mesmo que geminados;

4.4.1. Tubo de Queda com Desvio da Vertical


Quando apresentarem desvio da vertical, os tubos de queda devem ser
dimensionados da seguinte forma:
1. Quando o desvio for de até 45o com a vertical, dimensionar pela tabela 5 (4 na norma).
2. Quando o desvio for maior que 45o,
2.1. a parte do tubo acima do desvio, de forma normal, com base no número de Unidades
Hunter de Contribuição, de acordo com a tabela 5;
2.2. a parte horizontal, de acordo com a tabela 4;
2.3. abaixo do desvio, de acordo com o número de Unidades Hunter de Contribuição de
todos os aparelhos que nele descarregam, de acordo com a tabela 5. O diâmetro
adotado não pode, em nenhuma hipótese, ser inferior ao da parte horizontal.
Tabela 5 – Tubos de Queda: diâmetros mínimos
Diâmetro Nominal Número máximo de Unidades Hunter de Contribuição
(mm) Prédio até 3 pavimentos Prédio com mais de 3 pavimentos
40 4 8
50 10 24
75 30 70
100 240 500
150 960 1900
200 2200 3600
250 3800 5600
300 6000 8400

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 7

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com


CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

5. DIMENSIONAMENTO DA VENTILAÇÃO SANITÁRIA


É obrigatória a ventilação das instalações de esgotos primários para que os gases
emanados dos coletores sejam encaminhados à atmosfera e não adentrem ao ambiente
interno dos edifícios. Também para evitar a ruptura do fecho hídrico dos desconectores
por aspersão ou compressão.
A extremidade superior do tubo de ventilação deverá ser colocada, no mínimo, a
0,30m acima do telhado ou de laje de cobertura ou a 2,0m, se tiver utilização. Nesse último
caso, o tubo deverá ser devidamente protegido contra choques ou acidentes.
A extremidade aberta de um tubo de ventilação não deve, também, estar situada a
menos de 4,0m de distância de qualquer janela, mezanino ou porta.
A extremidade inferior de uma coluna de ventilação deve ser ligada a um subcoletor
ou tubo de queda, em um ponto situado abaixo da ligação do primeiro ramal de esgoto ou de
descarga.
Toda coluna de ventilação deve ter diâmetro uniforme e ser instalada na vertical, em
um único alinhamento reto. Quando não for possível manter o alinhamento, as mudanças de
direção deverão ser feitas mediante curvas com ângulos sempre menores que 90o.
Toda canalização de ventilação deve ser instalada de modo que qualquer líquido que
nele adentre possa escoar completamente por gravidade para o tubo de queda, ramal de
descarga ou desconector a que ela estiver ligada.

5.1. Diâmetro dos tubos de ventilação


a) tubos ventiladores individuais: não inferior a 40mm e nem inferior à metade do
diâmetro do ramal de descarga à que está ligado;
b) ramais de ventilação: limites mínimos determinados pela tabela 6 abaixo:
Tabela 6 – Diâmetro dos Ramais de Ventilação

Grupo de aparelhos sem vaso sanitário Grupo de aparelhos com sanitário

Número de UHC Diâmetro Número de UHC Diâmetro


Nominal Nominal
1 a 12 40 até 17 50
13 a 18 50 18 a 60 75
19 a 36 75 - -
c) A ligação de um tubo de ventilação a uma canalização deve ser feita, sempre, acima
do eixo da tubulação e, sempre que possível, elevando-se verticalmente ou com
desvio máximo de 45o até 0,15m acima do nível de transbordamento do mais alto dos
aparelhos por ela servidos, antes de desenvolver-se horizontalmente ou ligar-se a
outro tubo ventilador.
d) Para edificações de um único pavimento, a ventilação pode ser feita através de um
tubo de 100mm (4”) ligado diretamente à caixa de inspeção, em junção com o coletor
predial, subcoletor ou ramal de descarga de vaso sanitário e prolongado até acima da
cobertura da edificação.
e) Se a edificação de um pavimento for residencial e tiver, no máximo, três vasos
sanitários, o tubo ventilador primário poderá ser de DN75.

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 8

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com


CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

f) Em prédios de dois ou mais pavimentos, os tubos de queda serão prolongados até


acima da cobertura e todos os vasos sanitários sifonados, sifões e ralos sifonados
serão providos de ventiladores individuais ligados à coluna de ventilação.
g) Todo desconector deverá ser ventilado. A distância de um desconector à ligação do
tubo ventilador não deverá exceder aos limites indicados na Tabela 7 abaixo.
Tabela 7
Distância máxima de um desconector à ligação de tubo ventilador do ramal de
descarga.
Diâmetro mínimo do ramal de descarga Distância máxima (m)
40 1,00
50 1,20
75 1,80
100 2,40

h) colunas e barriletes de ventilação: diâmetros mínimos definidos pela Tabela 8 a


seguir:

Tabela 8 – Diâmetro de Colunas e Barriletes de Ventilação

DN do Tubo de Diâmetro Nominal (DN) do Tubo de Ventilação


Queda ou Número
de UHC 40 50 60 75 100 150 200
Ramal de
Esgoto Comprimento máximo permitido, em metros
40 8 46
40 10 30
50 12 23 61
50 20 15 46
75 10 13 46 110 317
75 21 10 33 82 247
75 53 8 29 70 207
75 102 8 26 64 189
100 43 - 11 26 76 299
100 140 - 8 20 61 229
100 320 - 7 17 52 195
100 530 - 6 15 46 177
150 500 - - - 10 40 305
150 1100 - - - 8 31 238
150 2000 - - - 7 26 201
150 2900 - - - 6 23 183
200 1800 - - - - 10 73 286
200 3400 - - - - 7 57 219
200 5600 - - - - 6 49 186
200 7600 - - - - 5 43 171

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 9

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com


CI2 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Prediais

BIBLIOGRAFIA
BRASIL.ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. Normas:
NBR8160; NBR7220; NBR10844; NBR10897; NBR5626; NBR13714; NBR7198.
CREDER, HÉLIO. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. Rio de Janeiro. LTC, 1981.
MACINTYRE, A. J. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. Rio de Janeiro. LTC, 1996

Instalações Prediais de Esgotos Sanitários 10

PDF created with pdfFactory trial version www.pdffactory.com