Você está na página 1de 2

Ministério da Educação

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO


PARANÁ
Campus Curitiba

ATIVIDADE AVALIADA
Licenciatura em Física/Química Disciplina: Didática
Professora Marielda Pryjma 2º Semestre de
2010
Valor: 7,0 13 de setembro de 2010

Nome: Gabriela Munhoz Lacerda

1. (2,0) A autora (SILVA, 2005, p. 155) apresenta a evolução da didática, a partir dos anos
80, e relata como esta pode contribuir para a constituição de uma escola de boa
qualidade. A partir da leitura desse trecho do texto, explique qual o conceito de
didática existente neste período e como a escola alcançaria esta qualidade a partir de
uma nova re-significação da didática.
De acordo com a autora, no período supracitado a didática assumiu características da
Didática Magna, de Comênio (1657), e da Escola Nova. Sendo assim, a matéria era
extremamente técnica e deixava de lado as questões políticas e sociais, as quais estão
intimamente ligadas ao ato de ensinar. Ela não permitia movimento entre os conteúdos
que a escola ensinava e o contexto sócio-histórico-cultural da sociedade, que se modifica
a cada dia, isto é, não se estabeleciam relações entre conteúdos curriculares e
características sociais. A ideia vigente era de um homem definido com instrumentos
teórico-metodologicamente organizados em uma sociedade pré-estabelecida, o qual
estaria preparado para todos os tipos de situação, porém o equívoco se deu pela falta de
experiência em sala. Além disso, a didática não tinha uma base empírica de
metalinguagem, não se sabia ao certo para que ela servia, nem o que era e muito menos
por que era ensinada aos alunos da formação pedagógica. Para o novo movimento, a
saída era reconstruir a didática, que estava com sua identidade em crise, visto que
oscilava entre os procedimentos comenianos e escolanovistas e as outras características
do desenvolvimento da educação escolarizada no Brasil. Para substituir essa didática
precária de procedimentos duros e alienados, sugeriu-se então uma didática denominada
“fundamental”, a qual articularia as dimensões técnica, política, e social caracterizadores
do ato pedagógico crítico. Como o Brasil acabava de sair do autoritarismo, justificava-se
o ensino de uma didática que desalienasse os alunos e oferecesse uma escola de
qualidade em uma sociedade justa.

2. (3,0) O texto também relata que o professor tem um conhecimento adquirido a partir
da sua experiência (habitus professoral). Na sua opinião, como os saberes docentes
são adquiridos?
Os cursos de licenciatura, bem como a matéria de didática, preparam o aluno-docente
para as questões de cunho metodológico, fornecendo um embasamento teórico que se
concretiza ao ser colocado em prática. No entanto, a experiência em sala de aula molda
o professor, é claro que não pela tentativa de acerto e erro, mas adquire experiência
para lidar com as diversas situações. Como brilhantemente afirmou Marilda da Silva,
“aprende-se a ensinar durante o exercício da profissão, mas a didática, como disciplina,
também ensina a ensinar durante a formação”, ou seja, o professor adquire uma parte
dos saberes durante sua formação, mas ele vai realmente sedimentá-los ao longo de sua
experiência profissional. Durante a formação, o professor é orientado de forma que
cumpra seu papel da melhor maneira possível, no entanto não se podem prever todas as
situações da docência, assim sendo, elas só serão supridas ao longo da experiência dele.
Como professora de inglês (há quatro anos), uso bastante do que aprendo na faculdade,
no entanto durante as aulas é que tomo ciência do que realmente funciona ou não.

3. (2,0) Explique as conclusões da autora sobre os elementos que estruturam a


epistemologia da prática do professor.
A autora conclui afirmando que o habitus professoral está ligado à prática, tratando
empiricamente da forma de ser do professor dentro da sala de aula, estando ligada ao
contexto social que o envolve, bem como a instituição no qual trabalha. Isto é, o habitus
professoral está ligado à formação do professor, mas não depende exclusivamente dela
e, sim do exercício profissional, sendo influenciado pelos componentes curriculares que
são ensinados na escola. Os saberes didáticos compõem a base docente, de acordo com
o tipo de saber. Isso posto, a didática realmente adquire sentido quando ocorre a sua
transposição para a prática, conforme a autora, o professor aprende a ensinar em sua
prática profissional, no entanto a didática auxilia nesse caminho durante a formação.