Você está na página 1de 17

O triângulo dramático de Karpman

Para escrever sobre este assunto, fiz algumas pesquisas na Internet e, para minha sorte,
encontrei um texto muito bem escrito, bastante didático e elucidativo sobre como
funcionam as relações tóxicas entre as pessoas. O texto foi escrito por Kátia Ricardi de
Abreu, Psicóloga graduada pela PUCCAMP, especialista clínica em Análise Transacional
pela ALAT e UNAT-Brasil, consultora de empresas, palestrante e escritora. Aproveitei o
texto na íntegra e para diferenciar escrevi meus comentários em Itálico e na cor azul.

http://katiaricardideabreu.blogspot.com.br

Compreendendo os papéis
A Análise Transacional ensina como compreender as relações tóxicas entre as pessoas.
Eric Berne classificou os tipos de condutas padrão não saudáveis em três papéis:
Salvador, Perseguidor e Vítima.  Karpman, discípulo de Berne, criou um diagrama para
entender visualmente e de forma simples, esta dinâmica do relacionamento interpessoal,
que é o Triângulo Dramático e recebeu o Prêmio Eric Berne por esta valiosa contribuição à
teoria da Análise Transacional.  Primeiro temos que diferenciar os papéis de Salvador,
Perseguidor e Vítima, dos papéis da vida real. Um salvador autêntico pode ser, por
exemplo, um enfermeiro, um médico, que salva uma vida. Um perseguidor autêntico pode
ser o policial que persegue um bandido. E uma vítima autêntica, pode ser uma pessoa que
foi assaltada pelo bandido.
Relacioname
ntos tóxicos
No Triângulo Dramático de Karpman, estes papéis são utilizados de forma representativa,
para compreender relacionamentos tóxicos entre as pessoas, comunicações distorcidas
que levam a conflitos, os chamados  jogos psicológicos.  Os Jogos Psicológicos ocorrem
quando a comunicação não é direta, mas cheia de mensagens ocultas.

ADVERTISEMENT
REPORT THIS AD

Para entender melhor como e em que circunstâncias ocorrem os Jogos Psicológicos é


conveniente que o leitor conheça o conceito de “Estados de Ego”, também de Eric Berne.
Para isso veja meu artigo: “JOGOS QUE AS PESSOAS JOGAM“
O salvador
O Salvador então, é aquele que adotou como posição existencial básica, sentir-se superior
às pessoas e para tanto, ele precisa ajudá-las quando elas não estão pedindo ou
precisando de ajuda. Pode ser entendido como superproteção. Um exemplo disso é
quando uma pessoa faz algo para outra, não por carinho ou eficiência, mas para, de forma
subliminar, mostrar que sabe fazer melhor e para cobrar mais tarde algo em troca. Porque
todo Salvador é um Perseguidor em potencial.

A pessoa que é extremamente prestativa, sempre se


oferecendo para ajudar, mesmo quando não lhe é pedido nada, é também um exímio
jogador. Seja ela o funcionário ou o patrão. Ela sempre irá jogar na sua cara ou na cara de
quem quer que seja, que você deveria ajudar mais, se oferecer espontaneamente, e até
mesmo adivinhar o que o outro precisa e estar sempre pronto a ajudá-lo. Isso é um
comportamento extremamente doentio, próprio de pessoas que gostam de se vitimizar, de
se fazer de coitadinhas. Sua posição no triângulo dramático é ao mesmo tempo a de
Vítima (se fazem de coitadinhas por não terem suas expectativas atendidas), de
Perseguidor (criam constrangimento nos outros ao reclamarem seguidamente da falta de
iniciativa dos mesmos) e também de Salvador, pois para poder cobrar ou se queixar, elas
costumam primeiro ajudar sem serem pedidas. 

O perseguidor
O Perseguidor é aquele que cobra de forma veemente, crítica e autoritária, muito além do
necessário. O extremo disso chama-se assédio moral e no Brasil, é um assunto que está
despertando o interesse dos profissionais. Pessoas que são massacradas diariamente,
perseguidas ao ponto de prejudicarem a sua saúde física, em face da frequência e
intensidade de um relacionamento com este padrão, estão reagindo no sentido de se
fazerem respeitar através da comunicação ou através da justiça comum. A Posição
existencial do Perseguidor também é, geralmente, a de superior às demais pessoas, mas
também pode ocorrer desta posição ser apenas a fachada. Ou seja, no fundo, o
Perseguidor sente-se tão inferior que ele precisa se fazer superior através da posição de
Perseguidor. Veja mais sobre o “Perseguidor” em : “A VIOLÊNCIA EMOCIONAL E
PSÍQUICA“
O grande problema dos Perseguidores
contumazes é que eles são Auto referenciados, isto é, tomam a si mesmos como
referência de comportamento ideal e, obviamente, acham que todos à sua volta devem se
comportar de acordo com essa referência. Quando alguém não se comporta dessa forma,
por espontaneidade ou por recusa consciente, costumam ficar furiosos. E tentam de todas
as maneiras desqualificar as pessoas que não seguem o padrão. Aproveitam-se de
pequenas falhas dos colegas (ou funcionários) para sabotá-los e assim criar
constrangimento perante os demais colegas deixando claro com isso, que se o funcionário
ou colega se comportasse dentro do padrão ‘referência, isso não aconteceria com ele.
Adoram passar lições de moral nos outros. Quando chamam o colega (ou funcionário)
para conversar, sua conversa quase sempre começa com uma dessas frases: “VOCÊ 
TEM QUE ENTENDER QUE…” ou “VOCÊ PRECISA APRENDER UMA COISA…” –
Sempre são os outros que precisam entender ou aprender algo. Incrível como essas
pessoas tem uma predileção por se considerarem os “portadores da verdade”. Só eles
sabem das coisas, só eles são instruídos, só eles tem experiência, enfim… só eles, tudo.
Essas pessoas normalmente ocupam o papel de Perseguidor, mas quando confrontados,
trocam imediatamente de papel, passando para o de Vítima e acusam o confrontador de
ser o sabe tudo, o mais experiente, o bonzão, etc. E geralmente o fazem em tom
sarcástico ou jocoso.
Outra forma
pérfida que o Perseguidor costuma utilizar frequentemente, é o ‘Conceito de Tempo
Zero‘, ou seja o conceito de que o tempo para se executar determinadas tarefas
simplesmente não existe. Ele passa duas ou três tarefas ao mesmo tempo para um
funcionário, mas calcula o tempo necessário para execução de apenas uma delas e
depois ele cobra de forma impiedosa e agressiva de seus funcionários, da esposa ou outra
pessoa o porquê de certas tarefas não terem ainda sido cumpridas. E nunca aceita as
desculpas. Aliás, o Perseguidor é uma das pessoas mais difíceis para se manter um
diálogo. Eles sempre tem razão. E ante a improvável hipótese de o outro (a Vítima) ter
razão, o Perseguidor a desqualifica rapidamente com apenas uma pergunta: “Você veio
aqui para discutir razão?” – ou então falam em tom jocoso:  “Lá vem você com suas
teorias furadas!” – A missão mais difícil para qualquer pessoa sensata é tentar convencer
o Perseguidor de que ele é um doente psicológico (psicopata) e que precisa de ajuda. Se
você tentar isso, pode ter certeza de que será deflagrada a Terceira Guerra Mundial
apenas porque você tentou.

A vítima
A posição de Vítima é aquela onde a pessoa nunca fez nada para merecer nada. Ela não
assume a responsabilidade pelos seus atos. Ela fez assim porque o outro fez assado. Se
ela erra, vai buscar uma justificativa sempre no outro. Quando as pessoas falam sobre ela,
costumam colocar sempre a palavra coitada no meio da frase: “a fulana, coitada, não tem
boca pra nada…”. E assim a vítima se protege, usando uma bengala para não ser
chamada a pensar e a agir com autonomia nem para responder pelos seu atos.

Sabe aquele funcionário que trabalha mais que os


outros, que fica depois do horário, que assume tarefas que os demais nem sempre
aceitam, que é muito prestativo, sempre se oferecendo para fazer o que os outros não
fazem, ou até mesmo fazendo por iniciativa própria tarefas que não lhe foram pedidas e
que normalmente não seriam feitas por outros funcionários?… Pois é… Esse funcionário
nem sempre é um bom funcionário, na maioria das vezes ele é um exímio jogador dos
jogos psicológicos. Ele cria situações que fazem com que os outros funcionários se sintam
constrangidos ou culpados por não terem feito uma certa tarefa ou por não terem tido a
iniciativa. Ele está ao mesmo tempo no papel de Salvador (está salvando o chefe ou o
patrão), no papel de Vítima (passando subliminarmente uma mensagem aos clientes do
estabelecimento de que o patrão o está oprimindo) e também no papel de Perseguidor
(cria constrangimento e sentimento de culpa nos colegas).
Estados de ego
predominantes
O Estado de Ego do Perseguidor é o de ‘Pai Crítico‘ o Estado de Ego do Salvador é o de
‘Pai Protetor‘ e o Estado de Ego da Vítima é o de ‘Criança Adaptada Submissa‘, ou
seja, são as figuras arquetípicas de Pai, Mãe e ‘filhinho’ no sentido estrito das palavras.
Perceba que não existe Estado de Ego ‘Adulto’ nesse ambiente. Nenhuma das pessoas
processa as informações do ponto de vista factual e realístico, apenas subjetivamente. Na
prática, nenhuma pessoa se comporta de fato como Adulto, e na ótica do Perseguidor ou
Salvador, todos os que o cercam, ou são crianças desprotegidas e inocentes ou são
crianças rebeldes e arteiras. Uns precisam de proteção e outros precisam de puxões de
orelha. O Salvador costuma partir da premissa de que a ‘Vítima’ é uma criança
desprotegida e frágil e que precisa de ajuda mesmo não pedindo, mesmo que a suposta
Vítima não esteja necessariamente no papel de Vítima, ou seja, o Salvador ‘cria’ suas
próprias Vítimas para atender às suas próprias necessidades de se fazer superior aos
outros. E o Perseguidor? O perseguidor vê uma Vítima em potencial em qualquer pessoa:
um entregador de mercadorias que comete uma pequena gafe, um funcionário que
esquece alguma coisa, um amigo que fala algo que ele não quer ouvir, a esposa que não
aprontou almoço à tempo… Enfim, o Perseguidor também ‘cria’ suas próprias Vítimas. E
qualquer motivo serve: seja uma lâmpada que ficou acesa ou uma porta que foi esquecida
aberta, o fato é que nunca faltarão motivos para o Perseguidor entrar em ação. Então,
podemos deduzir que a pessoa que está no papel de Vítima, nem sempre é Vítima por
escolha própria, consciente ou inconsciente.
Usando-se de uma expressão bem corriqueira, em alguns casos a Vítima pode até ser
alguém que ‘entrou de gaiato’, porque, num desejo sincero de tentar ajudar a melhorar o
ambiente, com base em conhecimento e exemplos factuais, acabou por despertar a ira
dos que estão há muito tempo dentro do Triângulo Dramático. Infelizmente, a pessoa que
está no lado de fora do Triângulo Dramático, na maioria das vezes, encontra como melhor
opção existencial, permanecer em seu ‘Quadrado’. E deixar que o Triângulo se transforme
em ‘Círculo’. Um Círculo Vicioso de Jogos psicológicos onde predominam as
comunicações ocultas e mal intencionadas que geram conflitos e mais conflitos. Só resta a
quem está de fora, assistir entristecido às muitas vezes em que o Triângulo vira um
verdadeiro ‘Circo’ de ofensas, insultos, gritos, agressões morais e em alguns casos, até
agressões físicas.

Desqualificando as pessoas
As pessoas que estão dentro do Triângulo, principalmente quando no papel de
Perseguidor, para não terem que assumir responsabilidades sobre seus atos, e também
para não terem que reconhecer que são portadores de uma psicopatia, costumam
desqualificar os que vem de fora com o objetivo legítimo de ajudar ou esclarecer, tratando-
os como crianças, colocando-os forçosamente no Estado de Ego ‘Criança’, porque assim
não precisam levar a sério os conselhos ou orientações, afinal, é uma criança que está
falando, não um adulto. Para isso, utilizam-se de frases em tom sarcástico ou jocoso, do
tipo: “ihh, lá vem você de novo com suas teorias furadas” – Ou então, passam uma
lição de moral no sujeito, mas ainda colocando-o no Estado de Ego ‘Criança’: “Você está
estudando muito, isso está te fazendo mal“, ou ainda: “Você fica vendo essas coisas
na Internet, isso vai acabar deixando você louco“.

Perceba, caro leitor,


que o objetivo do Perseguidor é tirar o foco do assunto principal e colocar o foco na
pessoa que quer falar do assunto. Em vez de se debater sobre o assunto, debate-se sobre
a pessoa, denegrindo-a, depreciando-a, constrangendo-a, ridicularizando-a. Assim, não se
precisa mudar, não se precisa melhorar, não se precisa reconhecer que algo precisa ser
discutido, entendido e melhorado. Não se precisa nem mesmo levar a sério a pessoa que
fala, afinal, quem é que está falando? Uma criança? Um louco? Um neurótico? Esse é o
modus operandi do Perseguidor. É assim que ele evita tomar conhecimento de que ele
está fazendo o papel de Perseguidor. E a perseguição continua…
Consequências nefastas
As três posições foram colocadas por Karpman nos vértices de um triângulo invertido, com
setas nos dois sentidos para  indicar que as pessoas mudam de posição no Triângulo,
embora possam permanecer numa posição básica, na maior parte do tempo. Perseguidor
à esquerda, Salvador à direita e Vítima no vértice inferior do Triângulo.  O jogo psicológico
acontece quando a pessoa que está numa posição do Triângulo, muda de posição,
confundindo o interlocutor. O final disso é sempre uma sensação de mal estar, uma briga,
um bater de portas. Por exemplo, o Salvador cansa de salvar e num determinado dia,
cobra de forma exagerada e agressiva, passando então para a Posição de Perseguidor.
Em seguida, a mesma pessoa pode entrar na posição de Vítima, e dizer de forma
melodramática que ninguém tem dó dela, que as pessoas a exploram, que ninguém está
interessado em fazer nada por ela, quando isso não é real.

Uma das consequências


diretas dessas patologias é a alta rotatividade de funcionários em algumas empresas.
Normalmente, é o próprio dono ou patrão que é o principal doente, mas não tem
consciência disso. Como o ambiente tóxico é normal para ele, ele aceita normalmente
funcionários que ‘fazem o jogo’. Lei da atração. Normalmente o papel do patrão é o de
Perseguidor e o da maioria de seus funcionários é o de vítima. Mas como sempre há troca
de papéis, sempre haverá um funcionário (ou a esposa do patrão) que inverterá seu papel
para Salvador e irá tentar defender esse ou aquele. Acho que nem preciso continuar
explicando, pois é óbvio que esse ambiente altamente tóxico estará sempre fervendo.
Sempre haverá alguém pedindo as contas ou sendo demitido. E para os que ficam na
empresa, o ambiente predominante é de medo e constrangimento. Curiosamente,
algumas empresas sobrevivem por anos a fio tendo internamente ambientes
extremamente tóxicos. E alguns funcionários se adaptam tão bem a esse ambiente, que
permanecem longos anos na empresa. Cada patrão tem os funcionários que merece ter, e
por reciprocidade, cada funcionário tem o patrão que merece ter.

Afetivid
ade barganhada
E por que as pessoas jogam ou por que as pessoas entram no Triângulo Dramático de
Karpman? Há várias razões. A principal delas é: para evitar intimidade. Ou seja, pessoas
que não desenvolveram seu potencial para amar se assustam diante da possibilidade de
estarem diante de pessoas que não escondem cartas na manga, onde possa haver uma
rica troca de afagos, uma amizade autêntica e profunda. Isso as assusta por ser uma
forma de relacionamento que não foi introjetada, não foi aprendida. São pessoas que
aprenderam o amor de troca, de barganha e se sentem vulneráveis diante de uma
proposta de comunicação onde não há armadilhas. Elas não acreditam que isso possa
acontecer, devido às suas experiências, seu histórico, suas mensagens introjetadas muito
cedo na vida.
Muitas pessoas (se não a
maioria) foram criadas em um ambiente familiar doentio, convivendo diariamente com
esses tipos de comportamentos tóxicos, portanto, para essas pessoas isso é
perfeitamente normal. O Triângulo Dramático está presente em todas as relações
humanas então é óbvio que as pessoas aprenderam desde muito pequenas a se
adaptarem aos papéis dentro do triângulo. São psicopatas inconscientes, não tem noção
do mal que fazem (a si mesmos e aos outros). A grande tragédia é que nenhum de nós
recebe educação emocional, portanto mesmo ‘sentindo’ que há algo errado, levamos
adiante para as gerações seguintes o que aprendemos no convívio familiar, já que não
tivemos outra referência. A educação escolar e acadêmica não nos prepara para termos
relações saudáveis. Na verdade, as escolas também são ambientes altamente tóxicos do
ponto de vista emocional e psíquico. Duvida? Então tente se lembrar de como eram seus
professores e os diretores das escolas onde você estudou. Isso para não falar de muitos
de seus colegas.

Sim, é possível sair disso!


Quem entrou no Triângulo Dramático pode e deve sair dele, se quiser viver com
tranquilidade e qualidade nas suas relações interpessoais. Berne e Karpman ensinam
como. Desenvolver uma comunicação direta, falar a linguagem dos sentimentos de forma
inteligente é o caminho. Isso significa não jogar. Muitos conseguem, pelo menos, na maior
parte do tempo. Geralmente, quando há uma período de fragilidade emocional, a pessoa
pode entrar num jogo, cair no Triângulo, mas se ela ficar atenta, saberá sair rapidinho e
resgatar a comunicação saudável, voltando para a Posição Existencial de bem estar.
É bastante difícil, principalmente se você convive
diariamente em um ambiente com alto nível de toxidade, mas não é impossível. A principal
arma é o conhecimento. Auto conhecimento. Primeiro, você precisa identificar em você
mesmo os comportamentos nocivos e se auto corrigir. Depois de entender como
funcionam as relações nocivas, você poderá se defender com mais facilidade e até ajudar
outras pessoas a combaterem seus comportamentos nocivos. Não se iluda: ninguém,
absolutamente ninguém muda de comportamento simplesmente por que você quer ou
porque alguém ‘orou’ pela pessoa. A única forma de se resolver os conflitos que surgem
em decorrência da toxidade do ambiente, é ‘tomar consciência’, isto é, tornar-se
consciente das causas ocultas ou subliminares que dão origem aos conflitos. Estudar é a
principal ferramenta.

Salvador, vá se divertir!
Quem está na Posição de Salvador, pode aprender a sair dela deixando de ajudar quem
não pede ou não precisa ser ajudado, acreditando na capacidade das pessoas de
existirem com autonomia e acreditando que pode ser amado pelo que é e não apenas pelo
que faz pelas pessoas. Digo sempre para os Salvadores: “vá se divertir!”, “cuide de você!”.
Perseguidor, seja menos crítico!
Para sair da Posição de Perseguidor, a pessoa pode utilizar seu tempo e sua energia para
considerar o todo das pessoas e não apenas as suas falhas ou erros. Pode também
buscar uma forma de se sentir importante, pode construir sua existência de glória sem
necessidade de destruir o que já foi construído. Pode exercer seu poder sem humilhar ou
denegrir as qualidades dos outros. Pode apontar erros ao invés de criticar duramente.
Vítima, largue as muletas e
caminhe!
Para sair da Posição de Vítima, a pessoa pode exercitar seu pensamento lógico. Como eu
posso cuidar de mim? O que eu posso fazer por mim? De que forma posso resolver isso
sozinha? Desistir de ter bengalas, de estabelecer simbioses permanentes com as pessoas
que estão sempre prontas para respaldar suas deficiências e buscar o fortalecimento de
seus pontos fracos, é o caminho.

Desista da guerra e
faça amor!
O Triângulo Dramático de Karpman, portanto, mostra a patologia das relações
interpessoais. O desgaste que isso provoca nos relacionamentos é resultado garantido,
podendo chegar a algo doloroso chamado fim. Para Eric Berne, relacionamentos
saudáveis são aqueles onde as pessoas se encontram para compartilhar aquilo que são,
num clima de espontaneidade, criatividade e autonomia. Segundo ele, a intimidade é a
mais arriscada e mais compensadora forma de relacionamento humano.
Quem não a pratica, vai
praticar os jogos psicológicos, única forma negativa de estruturação do tempo, para
abastecer sua bateria com estímulos negativos, uma vez que ela não tem os positivos. E
os Jogos Psicológicos garantem este abastecimento. O mais grave deles chama-se
guerra. Tenho dedicado parte da minha vida a trabalhar contra a guerra que se estabelece
no coração das pessoas que, machucadas, me procuram porque um dia entraram e ainda
não conseguiram sair do Triângulo Dramático. Creio que assim, estou fazendo a minha
parte para que este mundo seja melhor.

Você também pode gostar