Você está na página 1de 57

TEMA 1

CIRCUITOS LINEARES DE CORRENTE


CONTÍNUA

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 1


Classificação dos circuitos eléctricos
Na teoria dos circuitos eléctricos, os componentes
electromagnéticos e os processos físicos que ocorrem neles e no
espaço que os rodeia são substituídos através de certos cálculos
de equivalência por circuitos eléctricos.
Um circuito eléctrico é uma interligação entre fontes e conversores
de energia (ou cargas), através dos quais uma corrente eléctrica
pode circular.
Os fenómenos electromagnéticos que se processam num circuito
eléctrico podem ser descritos em função de tensão, força
electromotriz (f.e.m.) , resistência, indutância e capacidade.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 2


Classificação dos circuitos eléctricos
As fontes de energia ou f.e.m. são dispositivos que convertem outras
formas de energia (química, mecânica, etc.) em energia eléctrica.
A energia eléctrica fornecida é depois transformada, nos
conversores (cargas), em outras formas de energia (trabalho
mecânico, calor, luz, etc.).
Dependendo do tipo de fonte:
• podemos considerar circuitos de corrente continua, isto é,
alimentados com uma fonte contínua, aquela que é invariável
no tempo;
• podemos ter circuitos de corrente alternada – alimentados com
fontes que variam de forma alternada no tempo.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 3


Definição de alguns conceitos
Carga eléctrica ou quantidade de electricidade
O número de electrões em excesso ou defeito, num corpo, define a carga eléctrica
ou quantidade de electricidade que esse corpo possui.
Seria, no entanto, inadequado expressá-la desta forma, já que num corpo
electrizado a grandeza desse número ultrapassa os milhares de trilião.
Escolheu-se, por conseguinte, uma unidade mais conveniente: o Coulomb (C).
1C  0,625x1019 e

Corrente eléctrica
Sob uma diferença de potencial (d.d.p.), os electrões (cargas eléctricas negativas)
adquirem um movimento orientado fluiundo, através do circuito exterior do gerador,
desde a seu pólo negativo (onde existem em excesso) para o pólo positivo (onde
existem em defeito).
Esta corrente de electrões continua através do gerador, voltando seguidamente ao
circuito exterior.
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 4
Definição de alguns conceitos

IC
R

IR

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 5


Definição de alguns conceitos
Intensidade da corrente eléctrica
A intensidade da corrente eléctrica é a quantidade de electricidade que
passa numa determinada secção de um circuito na unidade de tempo.
Define-se matemáticamente, como:

dq
i
dt
Q
No caso de carga constante, pode-se escrever: I
t

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 6


Definição de alguns conceitos
Potencial ou tensão eléctrica

w
u
q

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 7


Definição de alguns conceitos
Fontes de tensão e de corrente
Uma fonte ideal de tensão é aquela na qual a tensão nos seus terminais é
independente da carga. Numa fonte ideal de corrente, a corrente na saída da fonte
não depende da carga a ela acoplada.
Nas figuras que se seguem estão mostradas as representações gráficas de fontes
ideais de tensão e corrente e as respectivas características Tensão/Corrente.

U U
+ +

E I

- -
a) b)

I I
a) b)

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 8


Definição de alguns conceitos
Fontes de tensão e de corrente reais e respectivas características
Volt-Ampere

U U
+ +
Rint
E J Rint

- -
a) b)
I I
a) b)

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 9


Definição de alguns conceitos
Resistência eléctrica

U
R
I

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 10


Definição de alguns conceitos

1 I
G 
R U

Outra relação utilizada no cálculo da resistência é a mostrada a seguir:

l
R
S

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 11


Definição de alguns conceitos
Potência eléctrica
Quando um condutor é percorrido por corrente, ou seja, quando os electrões livres
que nele existem se movimentam por acção de um campo eléctrico exterior,
ocorrem choques dos electrões livres com as partículas estacionárias que formam
o material. Há portanto uma transformação da energia do campo eléctrico em calor.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 12


Trocas de energia nos circuitos
eléctricos
As trocas de energia nos circuitos eléctricos obedecem à lei de conservação de
energia. Assim a potência que é produzida nas fontes deve ser completamente
debitada nas cargas.

P FORNECIDA   PCONSUMIDA ;  PFORNECIDA   E I  U J ;  PCONSUMIDA   I 2 R

O primeiro termo da potência fornecida refere-se à potência fornecida por fontes


de tensão e o segundo termo à potência fornecida pelas fontes de correntes.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 13


Leis de Kirchoff
Lei de Kirchoff da corrente

I1  I 2  I 3 ou I1  I 2  I 3  0

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 14


Leis de Kirchoff
Lei de Kirchoff da tensão

Tomando o exemplo da figura apresentada, podemos agora definir o conceito


de malha ou contorno fechado. Vemos que neste caso são possíveis três
contornos fechados.
R a

R1 R2
I1 I2
R3
I3 E2
E1

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 15


Leis de Kirchoff
A lei de malhas estabelece que “a soma das tensões ao longo de um contorno
fechado é igual a zero”, ou “ a soma das quedas de tensão ao longo de um
circuito fechado é igual à soma das fem ao longo do mesmo”

Aplicando esta lei para a malha que envolve R1, R, R3 e E1, no sentido dos
elementos indicados anteriormente, pode-se escrever:
R a
U1  U  U 3  E1  0 ou U1  U  U 3  E1 
R1 R2
I1 I2
+ +
R3
E I I3 E2
E1
- -
a) b)

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 16
Associação de resistências em série
Numa ligação de resitências em série, a corrente que flui no circuito é a
mesma e pode-se obter uma resistência equivalente do conjunto.
R1 R2 R3 Rn
Req
I Un
U1 U3 I
U2
U
U

U  U1  U 2  U 3  ...  U n  U  I ( R1  R2  R3  ...  Rn )
U U U U U U
 R1  R2  R3  ...  Rn I  1  2  3  ...  n
I Req R1 R2 R3 Rn
U U
Req  R1  R2  R3  ...  Rn U1  R1 U n  Rn
Req Req
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 17
Associação de resistências em paralelo
Os terminais das resistências encontram-se conectados entre si. Por
isso mesmo deve-se cumprir a condição de que todas as resistências
tenham a mesma tensão.
Req
U AB

I
U
R1
A I
I1
B I  I1  I 2  I 3  ...  I n 
R2 U AB (G1  G2  G3  ...  Gn )
I2
1
Geq  G1  G2  G3  ...  Gn Req 
R3 Geq
I3 In
IReq  I1R1  I 2 R2  I3R3  ...  I n Rn
Rn
Req Req Req Req G1 G G G
I1  I ; I2  I ; I3  I ; In  I I1  I ; I 2  I 2 ; I3  I 3 ; I n  I n
R1 R2 R3 Rn Geq Geq Geq Geq
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 18
Associação de resistências em paralelo
No caso de termos 2 resistências em paralelo:

I R1 I1 I  I1  I 2  U AB  G1  G2 
a   b
1 1 R  R2
R2 I2 Geq  G1  G2    1
R1 R2 R1 R2
R1 R2
Req 
Req
R1  R2
I
U
R1R2
U AB  IReq  I1 R1  I 2 R2  I  I1 R1  I 2 R2
R1  R2
R2 R1
I1  I ; I2  I
R1  R2 R1  R2
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 19
Transformações estrela-triângulo e vice-versa

A resistência medida entre dois terminais, tanto da ligação estrela


como da ligação triângulo, deve ser a mesma. Assim:
b

Para os terminais b e c:

Rbc ( Rab  Rca )


Rab Rb Rbc Rc  Rb 
Rab  Rbc  Rca
Ra Rc Para os terminais c e a:
Rca Rca ( Rab  Rbc )
c Ra  Rc 
Rab  Rbc  Rca
a

Para os terminais a e b:
Rab ( Rbc  Rca )
Ra  Rb 
Rab  Rbc  Rca TEORIA DE CIRCUITOS 2022 20
Transformações estrela-triângulo e vice-versa

Na transformação de triângulo para estrela, pode-se escrever:

Rbc Rab Rca Rbc


Rab Rca Rb  Rc 
Ra  Rab  Rbc  Rca
Rab  Rbc  Rca Rab  Rbc  Rca

Na transformação de estrela para triângulo, obtém-se: b

Ra Rb  Ra Rc  Rb Rc R R
Rab   Ra  Rb  a b
Rc Rc
Rab Rb Rbc
Ra Rb  Ra Rc  Rb Rc RR
Rbc   Rb  Rc  b c
Ra Ra Ra Rc
Ra Rb  Ra Rc  Rb Rc RR
Rca   Rc  Ra  a c
Rca
c
a
Rb Rb
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 21
Transformações estrela-triângulo e vice-versa
Exemplo: Calcular as correntes do circuito dado aplicando o
método de transformação. Verificar o equilíbrio de potênciasI 5
R5
J  1 A; R1  1 ; R2  1 ;
R3  1  ; R4  4  ; R5  1 ;
a R2 R3
R6  2    d
I1 c
1º passo: Transformando o triângulo I2 I3 I6

constituído pelas resistências J R1 R4 R6

R2 , R3 e R5, obtemos : I4
b
 
R2 R5 R2 R3 R25 R35
R25   0,33 ; R23   0,33 ; a d
R2  R3  R5 R2  R3  R5   
I1 R23
R3 R5
R35   0,33 . J R1 c R6 I6
R2  R3  R5 R4
I4

 b 
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 22
Análise de Circuitos de Corrente Contínua
Transformações estrela-triângulo e vice-versa
2º passo: Depois da transformação pode-se representar o circuito
do seguinte modo:
3º passo: Com o circuito simplificado
a R25 R35 d pode-se proceder ao cálculo do
  
mesmo: R356  R35  R6  2,33 ;
I1 R23
c I6
R234  R23  R4  4,33 ; Rp 
R356 R234
 1,51 ;
J R1 R6
R4 R356  R234
I4 R25 p  Rp  R25  1,84 ; I5 R5

 b  R356
I 4  I 25  0,12 A ; R2 c R3
R356  R234 a
I1  J
R25 p
 0,65 A ; I 25  J  I1  0,35 A ;   d
R25 p  R1 I1 I6
I2 I3

I 6  I 25  I 4  0,23A ; U ad  I 25 R25  I 6 R35  0,19V ; J R1 R4 R6


U ad I4
I 2  J  I1  I 5  0,16 A ; I 3  I 2  I 4  0,04 A . I 5   0,19 A ; b
R5
TEORIA DE CIRCUITOS 2022
  23
Transformações estrela-triângulo e vice-versa

Fazendo o equilíbrio de potências, obtém-se:


Pc arg a  R1I12  R2 I 22  R3 I 32  R4 I 42  R5 I 52  R6 I 62  0,649  0,65W

PFonte  U ab J  I1 R1 J  0,65W I5 R5

a R2 c R3
  d
I1 I6
I2 I3

J R1 R4 R6
I4
b
 

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 24


Associação de geradores de tensao

Existem dois tipos principais de associação de geradores: a


associação em série e em paralelo.
Associação em série

Os geradores são ligados de forma que sejam atravessados pela


mesma corrente.

A E1 R1 E2 E3 R3 I
R2 B

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 25


Associação de geradores
Neste caso pode-se obter uma fonte equivalente na qual a f.e.m.
está em série com a resistência interna equivalente.

A E eq Req I B

Eeq  E1  E2  E3 Req  R1  R2  R3

No caso geral quando temos várias fontes em série, podemos


escrever:
Eeq   Ei Req   Ri

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 26


Associação de geradores
Associação em paralelo
Os terminais ou pólos do mesmo nome do gerador encontram-se
conectados entre si. Por isso mesmo deve-se cumprir a condição de
que todos os geradores tenham a mesma f.e.m.. De outro modo os
geradores com menor f.e.m. funcionariam como cargas.
I1
E1 R1

I2
A I E2 R2 B

E3 I3
R3

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 27


Associação de geradores
Tal como no caso da ligação em série, pode-se obter uma fonte
equivalente na qual a f.e.m. está em série com a resistência interna
equivalente.
A E eq Req I B
I  I1  I 2  I 3

E1 G1  E2 G2  E3 G3
U AB  Geq  G1  G2  G3
G1  G2  G3

Admitindo a corrente total seja nula : Eeq  U BA Geq   Gn

Seja : E1  E2  E3  E  U BA  E

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 28


Métodos de cálculo de circuitos complexos

Metodo das leis de Kirchoff

As leis de Kirchoff são usadas nos problemas de circuitos


eléctricos para calcular a corrente nos respectivos ramos.
Consideremos que r seja o número total de ramos num circuito, rc o
número de ramos contendo fontes de corrente e N o número de nós.
Supondo conhecidas as correntes nos ramos com fontes de
correntes, então o número de equações de Kirchoff é obtido como se
segue:
Assinala-se no esquema com uma seta, o sentido positivo da
Corrente em cada ramo;
Fixa-se o sentido positivo de circulação em cada malha;
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 29
Metodo das leis de Kirchoff
Para que as equações sejam independentes, as equações da 1ª lei
de Kirchoff devem ser tantas, quantos são os nós menos uma, ou N
-1. As que traduzem a 2ª lei de Kirchoff devem ser tantas quantos
são os ramos sem fontes de corrente, menos o número de
equações da 1ª lei de Kirchoff:
Neq  (r  rc )  ( N 1)  r  rc  N  1

A título de exemplo, R1 R2 E2
consideremos o circuito dado. 

E1 R3 R4


TEORIA DE CIRCUITOS 2022 30
Metodo das leis de Kirchoff
O circuito dado tem 2 nós, identificados
R1 a R2 E2
pelas letras a, e b.

O número de ramos é 3
e não temos nenhuma E1 R3 R4
fonte de corrente.
b
De acordo com a 1ª lei de Kirchoff 
devem ser escrita 1 equação, que
Fica:
I1  I 2  I 3  0
De acordo com a 2ª lei de Kirchoff devem ser escritas 2 equações
das malhas indicadas a tracejado:
R1 I1  R3 I 3  E1 ( R2  R4 ) I 2  R3 I 3  E2
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 31
Metodo das leis de Kirchoff
Considerando os seguintes dados:
E1  12 V ; E2  12 V ; R1  4 ;
R2  5  ; R3  5  ; R4  5 

A solução será: I1 = 1,09 A; I2 = 0,44 A; I3 = 1,53 A

Fazendo o equilíbrio de potências:

PFonte  E1 I1  E2 I 2  12(1,09  0,44)  18,36W

Pc arg a  R1I12  R3 I 32  ( R2  R4 ) I 22  4 x1,092  5 x1,532  10x0,442  18,39W

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 32


Método de sobreposição
A aplicação do método de sobreposição é para circuitos com
elementos lineares e consiste em obter a influência de cada fonte
presente no circuito de forma isolada, para depois se fazer a
sobreposição das soluções obtidas parcialmente.
Exemplo: Considerando o circuito dado, calcular todas as
correntes usando o método de sobreposição:

E1  2 V ; E2  4 V ; R1  4 ;
R2  5  ; R3  10 
R1 R2
E2
E1 R3

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 33


Método de sobreposição

Devemos indicar os sentidos das correntes no circuito inicial.

R1 R2
E2
E1 R3
I3 I2
I1

Considerar o circuito com apenas uma das fontes de tensão de cada


vez e calcular as respectivas correntes.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 34


Método de sobreposição
Correntes da fonte 1:
R1 R2
E R3 . R2 50
I1  Req  R1   4  7,33 
Req R3  R2 15
I 2
2 R2 5
E1 R3 I1   0,27 A ; I 3  I1  0,27 .  0,09
7,33 R2  R3 15
I 3
I1 I 2  I1  I 3  0,18 A

Correntes da fonte 2:
R1 R2
E2 R3 . R1 40
I 2  Req  R2   5  7,86 
Req R3  R1 14
I1 I 2
4 R1 4
I 2   0,51 A ; I 3  I 2  0,51.  0,15
R3 E2 7,86 R1  R3 14
I 3 I1  I 2  I 3  0,36 A
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 35
Método de sobreposição

Finalmente calculamos as correntes totais:

R1 R2
E2 I1  I1  I1  0,09 A
I 2  I 2  I 2  0,33 A
E1 R3
I 3  I 3  I 3  0,24 A
I3 I2
I1

E1  2 V ; E2  4 V ; R1  4 ;
R2  5  ; R3  10 

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 36


Método das tensões nos nós ou método de
análise nodal
No método de análise nodal escolhe-se como incógnitas as tensões
nos nós e as equações são obtidas por aplicação da lei dos nós. A
aplicação deste método pode ser sistematizada do seguinte modo:

1º passo: Identificar os nós que servem de incógnitas – Liga-se um


dos nós do circuito à terra, este nó passa a ser o nó de referência e
com tensão absoluta nula. Assim o número de nós com potenciais
desconhecidos passa a ser N-1, sendo N o número de nós.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 37


Método das tensões nos nós ou mesmo de
análise nodal
2º passo: Existindo fontes de tensão ideiais, determinar o número
destas fontes e designar por T;

3° passo: Estabelecer as N-1-T equações de nó, em função das


tensões absolutas dos nós e resolver este sistema de equações.

4º passo: Obter as correntes nos ramos por aplicação da lei de Ohm.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 38


Método das tensões nos nós ou método de
análise nodal
Exemplo: Calcular as correntes do circuito dado usando análise
Nodal.

E1  32V ; R1 a R5 R2
R5  5  b
 
E2  32V
R1  2  I1 I2
I5
R2 1 E1 R3 R4 E2
R3  5  I3 I4
R4  2 
 
c

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 39


Método das tensões nos nós ou método de
análise nodal
c  0 ; I1  I 3  I 5  0 ; I 2  I5  I 4  0 ; E1  32V ;
E2  32V
U ac  I1 R1  E1 I 3   a G3 I 2 R2  U bc  E2 R1  2 
U ac   a   c   a I 4   b G4 U bc   b   c   b
R2 1
I1  ( E1   a )G1 I 5  ( a   b )G5 I 2  ( E 2   b )G 2
R3  5 
As equações ficam então: R4  2 
 ( E1   a )G1   a G3  ( a  b )G5  0 R5  5 
  a (G1  G3  G5 )  bG5  E1G1
 
( E2  b )G2  ( a  b )G5  bG4  0   a G5  b (G2  G4  G5 )  E2G2

G1  1
 0,5 S ; G4  1
 0,5 S
R1 R4
 0,9 a  0,2b  16
G2  1
 1 S ; G5  1
 0,2 S 
R2 R5
 0,2 a  1,7b  32
G3  1
R3  0,2 S

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 40


Método das tensões nos nós ou método de
análise nodal

Resolvendo o sistema de equações, obtemos:


 a  22,55V
  I1  4,735 A
b  21,48V
 I  10,52 A


2
As correntes resultam em:  I 3  4,51 A
 I  10,74 A
 4

 I 5  0,214 A

Fazendo o balanço de potências obtemos:

 PF  E1 I1  E2 I 2  488,16W

 c
P  R I
1 1
2
 R I
2 2
2
 R I
3 3
2
 R I
4 4
2
 R5 5  488,13W
I 2

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 41


Método das correntes nas malhas (malhas
independentes)

Tal como foi visto na aplicação do método das leis de


Kirchoff, para que as equações sejam independentes, as
equações que traduzem a 2ª lei de Kirchoff devem ser
tantas quantos são os ramos sem fontes de corrente,
menos o número de equações da 1ª lei de Kirchoff:

Neq  (r  rc )  ( N 1)  r  rc  N  1

Sendo r o número de ramos do circuito, rc o número de


ramos com fontes de corrente e N o número de nós.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 42


Métodos das malhas independentes
Exemplo: Calcular as correntes do circuito dado aplicando o
método de análise de malhas.
E1  100 V ; J  6 A; R1  2,5 

R2  10  ; R3  40  ; R4  20  . R
R 1
2
R3
O circuito tem 6 ramos, 4 nós e um   J

ramo com fonte de corrente, isto é, r = E1 R4


6, N = 4 e rc=1. Assim: 

Neq  6 1  4  1  2
O número de equações de malhas independentes é então
de 2, o que significa que devemos identificar duas malhas
independentes.
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 43
Métodos das malhas independentes
As malhas identificadas estão 
assinaladas no circuito pelas setas a R1
A R2
azul. Assim temos as malhas A e B e R3
as respectivas equações estão   J
escritas no sistema abaixo. B
R4
E1
 I A ( R1  R2  R3 )  I B R3  JR2  0
 
  I A R3  I B ( R3  R4 )  JR4  E1

 52,5I A  40I B  60 5,25I A  4 I B  6


 
 40I A  60I B  220  4 I A  6 I B  22
E1  100 V ; J  6 A; R1  2,5 
I A  8 A R2  10  ; R3  40  ; R4  20  .

I B  9 A TEORIA DE CIRCUITOS 2022 44
Métodos das malhas independentes
a
 I1  I A  8 A 
 I  I 9A R1


B
I1 R2 I2
 I 2  I A J  2 A R3
   J
I3  I B  I A  1 A

 I4  IB  J  3 A
I3
R
E1 4 I4
I

b
U ab  I 2 R2  I 4 R4  80V ; U ba  U ab  80V

 PC arg a  R1 I12  R2 I 22  R3 I 32  R4 I 42  420W



 PFonte  U ba J  EI  420W
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 45
Teorema de Thevenin

Qualquer circuito eléctrico em relação a dois terminais,


pode ser substituído por uma fonte de tensão real.

Caixa-preta

RTh
a

E Th RC arg a

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 46


Teorema de Thevenin

Procedimento para obter o circuito equivalente de Thevenin:

1. Dividir o circuito nas partes da fonte e da carga, conectadas a


um par de terminais;
2. Considerar o circuito da fonte isolado do circuito da carga e
determinar a sua tensão de circuito aberto Uth;
3. Considerar o circuito da fonte isolado do circuito da carga e
curto-circuitando as fontes de tensão e abrindo as fontes de
corrente, determinar a resistência de Thevenin Rth;
4. Considerar o circuito de Thevenin conectado ao circuito da
carga e determinar as variáveis de interesse.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 47


Teorema de Thevenin
Considerando o circuito dado, determinar a corrente I usando o
método de Thevenin.
E1  24 V ; E2  6 V ; R1  8 ;
R1 R2
R2  5  ; R3  4  ;R  10  E2
E1 R3 I R
a
R1 R2
E2
E1 R3 U ab,mv E th  U ab , mv

I 3mv U ab ,mv  I 3 mv R3   E 2
b
E1 24
I 3mv   2A
R1  R3 12
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 48
Teorema de Thevenin
Uab,mv  I 3mv R3  E2  2 * 4  6  2V ; E th  2V

a R1 R3 8* 4
R1 R2 Rth  Rab  R2   5  7,67 
R1  R3 12
R3

a
E th 2
Rth I   0,113 A
Rth  R 7,67  10
E th I R

b
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 49
Teorema de Norton

Qualquer circuito eléctrico em relação a dois terminais,


pode ser substituído por uma fonte de corrente real.
Caixa-preta

JN RN RC arg a

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 50


Teorema de Norton

Procedimento para obter o circuito equivalente de Norton

1. Dividir o circuito nas partes da fonte e da carga, conectadas a


um par de terminais;
2. Considerar o circuito da fonte isolado do circuito da carga e
determinar a sua corrente de curto-circuito;
3. Considerar o circuito da fonte isolado do circuito da carga e
curto-circuitando as fontes de tensão e abrindo as fontes de
corrente, determinar a resistência de Norton RN;
4. Considerar o circuito de Norton conectado ao circuito da carga
e determinar as variáveis de interesse.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 51


Teorema de Norton
Considerando o circuito dado, determinar a corrente e a tensão
na resistência R3 usando o método de Norton.

E1  2 V ; E2  4 V ; R1  4 ;
R2  5  ; R3  10  R1 R2
E2
E1 R3

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 52


Teorema de Norton
a
R1 R2
E1 E 2 E2
J N  I1cc  I 2 cc    1,3 A
R1 R2 E1 I cc  J N
I 1cc I 2 cc

R1 R2
RN  Rab   2,22  R1 R2
R1  R2 a

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 53


Teorema de Norton

a
RN
I3  J N  0,236 A
RN  R3 I3
JN RN R3

U ab  I 3 R3  2,36V b

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 54


Máxima transferência de potência
Uma rede pode ser considerada como contendo dois elementos, a
fonte e a carga. A fonte pode ser substituída por um circuito
equivalente de Thevenin ou um circuito de Norton. Assim para uma
rede puramente resistiva, a representação da fonte equivalente de
Thevenin e considerando uma carga RL, será:

RTh
a

IL
E Th RL

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 55


Máxima transferência de potência
A potência na carga é dada por:

P  I L2 RL ; Atendendo que a corrente na carga é:

E th
IL  ; Pode-se escrever a expressão da potência
Rth  RL
como se segue:

2
 E th 
P    RL Derivando esta expressão em ordem a RL,
 Rth  RL  pode-se determinar as condições de
potência máxima na carga.

TEORIA DE CIRCUITOS 2022 56


Máxima transferência de potência
2
dP d  E th  Rth  RL
   RL  E th
2

dRL dRL  Rth  RL  Rth  RL 3

De onde se obtém, que para a potência


máxima na carga:
dP
0 RL  Rth ;
dRL

A potência máxima na carga será então dada por:

 E th 
2
Eth2
P    RL Pmax 
4 Rth
 Rth  RL 
TEORIA DE CIRCUITOS 2022 57

Você também pode gostar