Você está na página 1de 13

Cópia não autorizada

C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

04.008
DEFlNl@ES GERAIS DE ENGRENAGENS
NBR 6174
DEZ/1980
Terminologia

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma define OS termos gerais de uso em engrenagens.

1.2 Nela sao apresentados apenas OS termos e as definisoes gerais de natureza gE


0mGtrica ou cinematica. As definic;oes peculiares 5s engrenagens cil indricas, as
engrenagens c5-i i cas , aos sem-fim e 2s coroas set-so objet0 de outras normas.

2 DEFlNl@ES
Para efeitos desta Norma sao adotadas as definiG6es de 2.1 a 2.4.3.2.

2.1 Definicces cinema-ticas

2.1.1 DefiniGoes consequentes da posicZo relativa dos eixos.

2.1.1.1 Engrenaqem
Todo element0 mec5nico denteado de forma constante, destinado a transmitir, movi
mento a e/au , receber movimento de urn outro element0 meckico denteado tambern de
forma constante, pela aCa”o dos dentes em contactos sucessivos( Ver Figura 14 em
Anexo) .

2.1.1.2 Par de engrenagens


Mecanismo elementar constituido de duas engrenagens que podem girar em torno de
seus eixos geometricos, em que uma delas faz girar a outra pela asao dos dentes

em contactos sucessivos. (Ver Figura 1 em Anexo).

2.1.1.3 Sistema de engrenagens


Qualquer combinasa”o de engrenagens que podem participar de transmissoes de movi
mento de urn mecanismo considerado. (Ver Figura 2 em Anexo).

2.1.1.4 Caixa de engrenagens


Sistema de engrenagens que se encontra encerrado em uma caixa.

Origem: ABNT - TB-59/79


C&4 - Cornit Brasileiro de MecBnica
CE-4~04.01 - ComissZo de Estudo de Engrenagens

SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOCI&A~ BRASlLElRA


METROLOGIA, NORMALIZA~AO DE NORM+ TWJICAS
E OUALIDADE INDUSTRIAL 0

Poiawos-chm: engrenagem. NBR 3 NORMA BRA@lLEIRA REGISTRADA


I

CDU: 821.833:001.4 Todos os direitos resewadOS 13 peginas


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

2 NBR 6174/1960

2.1.1.5 Trem de engrenagens


Qualquer combinasao’de pares de engrenagens, que participam da transmissao de urn
determinado movimento. (Ver Figua 3 em Anexo).

2.1.1.6 Par de engrenagens paralelas


Par de engrenagens cujos eixos geom<tricos sao paralelos.(Ver Figura 4’em Anexo).

2.1.1.7 Par de engrenagens concorrentes


Par de engrenagens cujos eixos geom<tricos sa”o concorrentes. (Ver Figura 5 em Ane-
x0).

2.1.1.8 Par de engrenagens reversas


Par de engrenagens cujos eixos geomgtricos na”o sa”o coplanares:(Ver Figura 6 em
Anexo) .

2.1.1.9 Disthcia e?tre eixos


Di stsncia entre OS eixos geometricos de urn par de engrenagens. (Ver Figura 7 em
Anexo) .

2.1.1.10 Angulo entre eixos


Angulo que urn dos eixos geomgtricos deve girar em torno da perpendicular comum
(aos eixos) de modo a conduzir OS dois ao paralelismo e,de modo a ocasionar senti -
dos de rotaGao opostos. (Ver Figura 8 em Anexo).

2.1.1.11 Diferencial
Conjunto mecinico constituido de engrenagens planetarias e satglites, que pe rmL
tern uma diferenGa de rotaSso entre duas arvores. (Ver Figurag em Anexo).

2.1.1.12 Engrenagens planetirias do conjunto diferencial


Element0 mecanico que recebe pothcias ctasengrenagens satglites e transmite 5s at-
vores.
2.1.1.13 Engrenagens sat<lite do conjunto diferencial
Element0 mecanico intermediario do diferencial que transmite potk,cia 5s engrena
gens planetarias e peimite a diferenciaG:o de rotasao dessaj planetarias. Para i?
so ela descreve movimento de rotaCa”o em torno de seu prGprio eixo e em movimento
de translaG:o em torno do eixo das engrenagens planetarias.

2.1.2 Definico”es consequentes da conj’ugaga”o de engrenagens

2.1.2.1 Engrenagem conjugada


Qualquer das engrenagens de urn par de engrenagens, considerada em relaG;o a outra.

2.1.2.2 Engrenagem menor


A engrenagem do par ,de engrenagens que tern o menor numero de dentes.

2.1.2.3 Engrenagem maior


A engrenagem do par de engrenagens que tern o maior numero de dentes.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 61?4/1980 3

2.1.2.4 Engrenagem motora


A engrenagem do par de engrenagens que aciona a outra.

2.1.2.5 Engrenagem movida


A engrenagem do par de engrenagens que 6 acionada pela outra.

2.1.2.6 Sistema planetirio


Sistema de transmissao mecZnico corn a finalidade de modificar a relasa”o e/au sen-
tido de rotaCao da transmissao. E constituido fundamentalmente de uma eng rena
gem solar, uma coroa e uma ou mais engrenageng intermediarias denominadas plane
tarias. (Ver Figura 10 km Anexo).

2.1.2.7 Engrenagem solar


A engrenagem do sistema planetsrio que tern o,seu eixo geom6trico fixo. (Ver Figu-
ra 11 em Anexo) .

2.1.2.8 Engrenagem planetaria do sistema planetirio


Engrenagem cujo eixo geometric0 gira em torno do eixo geometrico de eng renagem
solar.

,?,.1.2.9 Coroa do sistema planetari 0

Engrenagem corn denteado interno, e eixo geomGtric0 f ix0 , que recebe e/au transmi -
te pot&cia a engrenagem planetsri a do sistema.

2.1.3 VeZocidades re Zativas

2.1.3.1 Razao ou relaGa”o do par de engrenagens


0 numero maior ou igual a unidade, que exprime a razao entre as velocidades an-
gulares da engrenagem menor e da engrenagem maior, em urn par de engrenagens.

2.1.3.2 Razao ou relata”o de transmissao


0 quociente entre as velocidades angulares da primeira engrenhgem motora de urn
trem de engrenagens e da Gltima engrenagem movida.

2.1.3.3 Trem de reduCa”o (ou redutor)


Urn trem de engrenagens no qua1 a velocidade angular da iltimasengrenagem movida
d menor que a velocidade angular da primeira engrenagem motora.

2.1.3.4 Trem de multiplicatao (ou ampliasao)


Urn trem de engrenagens no qua1 a velocidade-angular da iiltimas engrenagem movida
e' maior que a velocidade angular da primeira engrenagem motora.

2.1.4 SuperfCcies primitivas

2.1.4.1 Superficie primitiva de funcionamento


Superficie geometrica gerada pelo eixo instantzneo de rota&. (Ver 2.4.3.1), no
movimento relativo, da engrenagem conjugada em relar$!io a engrenagem considerada,
em urn par de engrenagens. (Ver Figura 51 em Anexo).
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

4 NBR 6174/1960

2.1.4.2 Superficie primitiva de refergncia’~


Superficie conventional corn referzncia 5 qua1 sao definidas as dimensoes dos de;
tes de uma engrenagem considerada isoladamente. (Ver Figura 12).

2.1.4.3 Superficie de refergncial


Qualificativo aplic&el 5 todo o termo definido a partir da superficie primitiva
de refersncia de uma engrenagem.

2.1.4.4 Superficie de funcionamento


Qualificativo aplicavel a todo o termo def inido a ‘part ir da superficie pr i mitiva
de funcionamento de uma engrenagem.

2.2 CaracterGticas do denteado

2.2.1 Dimenso”es e coeficientes

2.2.1.1 Dente
Em uma engrenagem <‘cada urn dos elementos salientes dest i nados a transmit r pot& -
cia por contato a outro element0 meGnic0.

2.2.1.2 Va”o de dentes


.O espaco entre dois dentes adjacentes de uma engrenagem .

2.2.1.3 Dimensoes do denteado


- .
Quanto ao conceit0 das dimensoes do denteado(altura, sa li encra, profundidade, pas

so, espessura, i ntervalo, corda e suplemento) pode ser consultada a terminologia

relativa ao tipo da engrenagem considerada.

2.2.1.4 Module e “diametral pitch”


.
OS conceitos de m6dulo e de “diametral pitch” encontram-se na terminologia do t’
po da engrenagem considerada.

2.2.2 Superfi’cie da cabeca e do p&

2.2.2.1 Superficie da cabeca .


Superficie coaxial a engrenagem e que contern as cristas dos tientes.(Ver Figura 13

em Anexo) .

2.2.2.2 Superficie do pg’


Superficie coaxial s engrenagem, tangente ao fundo dos vaos dos dentes.

1 Por convenca”o o qualificativo “de refe&cia” pode ter omitido por ser suben
tendido, exceto quando estiver em oposicao explicita ao qualificativo “de fuE
c ionamento”. Adicionar as palavras “do denteado” depois de “superficie de t-e
fer2nci a”, em case de risco de confusao corn as superficies de inicio de usin:
gem, chamadas tambern superficies de referkcia.
Cópia não autorizada
Cópia não autorizada
Cópia não autorizada
Cópia não autorizada
Cópia não autorizada
Cópia não autorizada
Cópia não autorizada
Cópia não autorizada
Cópia não autorizada

Você também pode gostar