Você está na página 1de 132

Instituto Politécnico da Guarda

Escola Superior de Tecnologia e Gestão

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ANA SOFIA BRITO COSTA

RELATORIO PARA INSERÇÃO NA ORDEM DOS

ENGENHEIROS TÉCNICOS

JULHO 2012
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Ficha de Identificação

Aluno Estagiário

Nome: Ana Sofia Brito Costa


Morada: Rua do Pina nº30
Localidade: 6300-847 Guarda
Telefone: 965477209

Organização/Empresa

Nome: EGICONFOR, Consultores de Engenharia, Projectos e planeamento, Lda.


Morada: Rua Soeiro Viegas 21, 3º esq. C
Localidade: Guarda
Telefone/fax: 271 223 846/ 271 223 937

Supervisor na empresa

Nome: Eng. Luís Manuel de Sousa Aragão

Professor orientador

Nome: Professor Doutor Eng. Carlos Manuel Gonçalves Rodrigues

Duração

Data de início de estágio: 11/04/2011


Data de fim de estágio: 11/10/2011

ii
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Estágio

Local

O estágio foi realizado na empresa EGICONFOR, Consultores de engenharia,


projectos e planeamento, Lda. na cidade da Guarda.

Objectivos

O objectivo essencial deste estágio foi aplicar os conhecimentos adquiridos ao


longo da licenciatura ao mundo de trabalho real.

Plano de estágio

O plano de estágio foi proposto pelo supervisor da empresa e consistiu na


elaboração de projectos referentes a todas as especialidades que abrangem uma
habitação, tais como: Rede predial de águas domésticas, esgotos domésticos e pluviais;
Estabilidade e por fim a aplicação do RCCTE.

iii
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Agradecimentos

Quero agradecer a todas as pessoas que de alguma forma contribuíram para a


realização do meu estágio.
Ao meu orientador Professor Doutor Eng. Carlos Rodrigues, pela simpatia e
disponibilidade demostrada ao longo do decorrer do estágio.
Ao Eng. Luís Manuel de Sousa Aragão por me ter dado uma oportunidade para
realizar o meu estágio, também pela disponibilidade prestada para esclarecimentos de
dúvidas.
Aos meus pais, pois sem o esforço, dedicação e acima de tudo terem acreditado
em mim não conseguiria chegar ao fim.
Ao meu namorado, pois apoio-me em todas as fases complicadas do curso e do
estágio, ajudou-me a ultrapassar todas as adversidades que me foram impostas. Esteve
sempre presente e nunca me deixou baixar os braços perante os obstáculos.
Aos meus amigos Ângela, Beta, Tiago, Tomé e Teles pois ajudaram-me nas
dificuldades apresentadas ao longo do percurso académico e pela amizade sincera.

iv
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Índice
CAPÍTULO I- Apresentação da empresa ......................................................................... 1

1.1- Descrição e organização da empresa .................................................................... 1

CAPÍTULO II- O estágio ................................................................................................. 2

2.1- Actividades desenvolvidas.................................................................................... 2

2.2- Descrição geral da habitação ................................................................................ 4

CAPÍTULO III – Memória descritiva e justificativa do projecto de estabilidade............ 7

3.1- Aspectos gerais ..................................................................................................... 7

3.2- Solução estrutural ................................................................................................. 7

3.3- Materiais ............................................................................................................... 9

3.4- Regulamentação .................................................................................................... 9

3.5- Dimensionamento das lajes .................................................................................. 9

3.5.1- Pré-dimensionamento da altura das lajes ................................................................ 10


3.5.2- Cobertura .................................................................................................................. 11
a) Acções permanentes (GK) .............................................................................. 11

b) Acções variáveis (QK) .................................................................................... 11

c) Aplicação e solução resultante do programa PAVICER ............................... 12

3.5.3- Piso 1 ......................................................................................................................... 13


a) Acções permanentes (GK) .............................................................................. 13

b) Acções variáveis ............................................................................................ 14

c) Aplicação e solução resultante do programa PAVICER ............................... 14

3.5.4- Piso térreo ................................................................................................................. 15


3.6- Dimensionamento das vigas ............................................................................... 16

3.6.1- Pré-dimensionamento da altura das vigas ................................................................ 16


3.6.2- Cobertura .................................................................................................................. 18
a) Cargas actuantes ............................................................................................. 18

b) Aplicação e solução resultante do programa CISSE...................................... 19

v
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

3.6.3- Piso 1 ......................................................................................................................... 20


a) Cargas actuantes ............................................................................................. 20

b) Aplicação e solução resultante do programa CISSE ...................................... 21

3.7- Dimensionamento dos pilares ............................................................................. 21

3.7.1- Pré-dimensionamento das dimensões dos pilares ................................................... 21


3.7.2- Cargas actuantes ....................................................................................................... 22
3.8- Parede ................................................................................................................. 23

3.8.1- Determinação das dimensões da parede .................................................................. 23


3.8.2- Dimensionamento das armaduras ............................................................................ 24
a) Armaduras verticais ....................................................................................... 24

b) Armaduras horizontais ................................................................................... 24

3.9- Escadas ............................................................................................................... 25

3.9.1- Pré-dimensionamento da altura ............................................................................... 25


3.9.2- Cargas actuantes ....................................................................................................... 26
a) Cargas permanentes (GK) ............................................................................... 26

b) Cargas variáveis (QK)..................................................................................... 26

3.9.3- Aplicação e solução do software CISSE ..................................................................... 27


3.10- Fundação ...................................................................................................... 27

CAPÍTULO IV – Memória descritiva e justificativa da rede de águas e esgotos .......... 28

4.1- Aspectos gerais ................................................................................................... 28

4.2- Rede de abastecimento de água fria e quente ..................................................... 28

4.2.1- Escolha do material ................................................................................................... 28


4.2.2- Definição da rede ...................................................................................................... 29
4.2.3- Dimensionamento da rede........................................................................................ 30
a) Dimensionamento da rede de água fria. ......................................................... 34

b) Dimensionamento da rede de água quente ..................................................... 36

4.3- Rede de drenagem de esgotos domésticos .......................................................... 38

4.3.1- Escolha do material ................................................................................................... 38


4.3.2- Definição da rede ...................................................................................................... 38
4.3.3- Dimensionamento da rede........................................................................................ 39

vi
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

4.3.4- Dimensionamento da fossa séptica .......................................................................... 42


4.4. Rede de drenagem de águas pluviais .................................................................. 43

4.4.1- Escolha do material ................................................................................................... 43


4.4.2- Definição da rede ...................................................................................................... 43
4.4.3- Dimensionamento da rede........................................................................................ 44
a) Dimensionamento das caleiras ....................................................................... 45

b) Dimensionamento dos tubos de queda ........................................................... 47

CAPITULO V – Memória descritiva e justificativa de verificação da conformidade


regulamentar com o RCCTE .......................................................................................... 48

5.1- Aspectos gerais ................................................................................................... 48

5.2- Localização e orientações ................................................................................... 49

5.3- Identificação dos espaços não úteis .................................................................... 52

5.4- Área útil e pé-direito ........................................................................................... 53

5.5- Equipamento de climatização ............................................................................. 53

5.6- Ventilação ........................................................................................................... 54

5.6.1- Ventilação natural ..................................................................................................... 54


5.7- Sistema de produção de água quente sanitária (AQS) ........................................ 55

5.8- Inércia da habitação ............................................................................................ 57

5.8-1. Caracterização da envolvente opaca ........................................................................ 57


5.8-2. Envolvente exterior ................................................................................................... 58
a) Parede exterior 1 (PE1) .................................................................................. 58

b) Parede exterior 2 (PE2) .................................................................................. 59

c) Parede exterior 3 (PE3) .................................................................................. 60

d) Ponte térmica plana 1 (Ptpe 1) ....................................................................... 61

e) Ponte térmica plana 2 (Ptpe 2) ....................................................................... 62

f) Ponte térmica plana 3 (ptpe 3) ....................................................................... 63

g) Ponte térmica plana 4 (ptpe 4) ....................................................................... 64

h) Ponte térmica plana 5 (Ptpe5) ........................................................................ 65

i) Ponte térmica plana 6 (Ptpe6) ........................................................................ 66

vii
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

j) Cobertura exterior (Lce)................................................................................. 67

5.8.3- Envolvente interior.................................................................................................... 68


a) Parede interior (PI1, PI2 e PI3) ...................................................................... 68

b) Pavimento interior 1 (PT1) ............................................................................ 69

c) Pavimento interior 2 (PT2) ............................................................................ 70

d) Cobertura interior 1 (Lci 1) ............................................................................ 71

5.8.4- Determinação das massas ......................................................................................... 72


5.9- Pontes térmicas lineares ...................................................................................... 79

5.9.1- Elementos em contacto com o solo .......................................................................... 79


5.9.2- Pontes térmicas lineares exteriores .......................................................................... 79
5.9.3- Pontes térmicas lineares interiores .......................................................................... 80
5.10- Envidraçados ................................................................................................ 81

5.10.1- Principais características dos vãos envidraçados ................................................ 82


5.11. Preenchimento das folhas de cálculo ........................................................... 83

5.12. Classe energética .......................................................................................... 83

VI – Conclusões finais .................................................................................................... 84

viii
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Índice de Figuras

Figura 1-Localização da habitação unifamiliar. ............................................................... 3


Figura 2 Planta do Piso da habitação. ............................................................................... 5
Figura 3-Planta do Sótão. ................................................................................................. 5
Figura 4- Planta da Cobertura ........................................................................................... 6
Figura 5- Sistema estrutural para o tecto da habitação ..................................................... 8
Figura 6- Sistema estrutural da cobertura ......................................................................... 8
Figura 7- Dimensões adoptadas para a parede de betão ................................................. 23
Figura 8- Solução de armaduras das escadas.................................................................. 27
Figura 9-rede de água fria e quente ................................................................................ 30
Figura 10- Caudais de cálculo em função dos caudais acumulados ............................... 31
Figura 11- Rede de esgotos domésticos ......................................................................... 39
Figura 12- Traçado da rede de águas pluviais ................................................................ 44
Figura 13 – Referenciação do Norte na habitação .......................................................... 49
Figura 14 – Caracterização dos valores máximos da massa em função da sua localização
........................................................................................................................................ 72
Figura 15 – Planta identificativa dos envidraçados do rés-do-chão ............................... 81
Figura 16 – Planta identificativa dos envidraçados da cobertura ................................... 81

ix
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Índice de tabelas

Tabela 1 - Descrição das lajes de cobertura com as cargas e solução correspondente... 13


Tabela 2 - Descrição das lajes do piso 1 com as cargas e solução correspondente ........ 15
Tabela 3 - Descrição das características das vigas da cobertura .................................... 19
Tabela 4 - Descrição das características das vigas do Piso 1 ......................................... 21
Tabela 5 - Descrição das características dos pilares ....................................................... 22
Tabela 6 - Tubo Polietileno Reticulado (classe 1,25) ..................................................... 33
Tabela 7 - Tubo Polipropileno (classe 2,00)................................................................... 33
Tabela 8 - Abastecimento de água fria da Caixa 2 ......................................................... 34
Tabela 9 - Abastecimento de água fria da Caixa 4 ......................................................... 34
Tabela 10 - Abastecimento de água fria da Caixa 5 ....................................................... 35
Tabela 11 - Abastecimento de água fria da Caixa 3 ....................................................... 35
Tabela 12 - Abastecimento de água fria da Caixa 1 ....................................................... 35
Tabela 13 - Abastecimento de água fria do Contador .................................................... 36
Tabela 14 - Abastecimento de água fria da Rede Pública .............................................. 36
Tabela 15 - Abastecimento de água quente da Caixa 2 .................................................. 36
Tabela 16 - Abastecimento de água quente da Caixa 4 .................................................. 37
Tabela 17 - Abastecimento de água quente da Caixa 3 .................................................. 37
Tabela 18 - Abastecimento de água quente da Caixa 5 .................................................. 37
Tabela 19 - Caudais e diâmetros dos ramais de descarga individuais ............................ 41
Tabela 20 - Caudal e diâmetro do ramal de descarga colectivo ..................................... 41
Tabela 21 - Caudais e diâmetros dos colectores prediais ............................................... 41
Tabela 22 - Dimensões da fossa séptica ......................................................................... 43
Tabela 23 - Capacidade de escoamento para caleiras de secção rectangular ................. 46
Tabela 24 - Características das caleiras .......................................................................... 46
Tabela 25 - Diâmetros e caudais dos tubos de queda ..................................................... 47
Tabela 26 - Características dos tubos de queda .............................................................. 47
Tabela 27 – Áreas e pé-direito de todas as divisões da habitação .................................. 53
Tabela 28 – Cálculo da massa para a parede PI 1 .......................................................... 73

x
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Tabela 29 – Cálculo da massa para a parede PI 2 .......................................................... 73


Tabela 30 – Cálculo da massa para a parede PI 3 .......................................................... 73
Tabela 31 – Cálculo da massa para a parede PI 4 .......................................................... 74
Tabela 32 – Cálculo da massa da parede PE 1 ............................................................... 74
Tabela 33 –Cálculo da massa da parede PE 2 ................................................................ 74
Tabela 34 – Cálculo da massa da parede PE3 ................................................................ 75
Tabela 35 – Cálculo da massa da laje de esteira ............................................................ 75
Tabela 36 – Cálculo da massa da laje do escritório........................................................ 75
Tabela 37 – Cálculo da massa da cobertura ................................................................... 76
Tabela 38 – Cálculo da massa do pavimento térreo PT1 ............................................... 76
Tabela 39 – Cálculo da massa do pavimento térreo PT 2 .............................................. 76
Tabela 40 – Cálculo da massa para a Ptpe 1 .................................................................. 76
Tabela 41 – Cálculo da massa para a Ptpe 2 .................................................................. 77
Tabela 42 – Cálculo da massa para a Ptpe 3 .................................................................. 77
Tabela 43 – Calculo da massa para a Ptpe 4 .................................................................. 77
Tabela 44 – Cálculo da massa para a Ptpe 5 .................................................................. 78
Tabela 45 – Cálculo da massa para a Ptpe 6 .................................................................. 78

xi
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Índice de quadros

Quadro 1- Valores do coeficiente α ................................................................................ 10


Quadro 2 - λ0 Valor base da relação l/d .......................................................................... 17
Quadro 3 - Caudais instantâneos para cada equipamento (l/s) ....................................... 32
Quadro 4 - Caudais instantâneos de cada dispositivo sanitário ...................................... 40
Quadro 5 - Diâmetros mínimos e recomendados para cada dispositivo......................... 40
Quadro 6 – Características da localização da habitação ................................................. 50
Quadro 7 – Dados climáticos para o período de aquecimento ....................................... 51
Quadro 8 – Dados climáticos para o período de arrefecimento ..................................... 51
Quadro 9 – Valores de Շ para os espaços não úteis ....................................................... 52
Quadro 10 – características da habitação ....................................................................... 55
Quadro 11 – sistema convencional de preparação de AQS ............................................ 56
Quadro 12 – Características do sistema solar de preparação de AQS ............................ 56
Quadro 13 – Coeficientes de transmissão térmica das pontes térmicas lineares ............ 80
Quadro 14 – Características dos envidraçados ............................................................... 82
Quadro 15 – Factor de correcção Fw para as diferentes orientações ............................. 83

xii
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

xiii
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

CAPÍTULO I- Apresentação da empresa

1.1- Descrição e organização da empresa

O gabinete EGICONFOR, consultores de engenharia, projectos e planeamento


Lda. é uma empresa que presta serviços no âmbito da Engenharia Civil nomeadamente:
 Fiscalização;
 Projectos;
 Consultoria;
 Planeamento e formação.

Para além dos serviços prestados, esta organização estabelece também parcerias
com outros gabinetes no âmbito da Arquitectura, Engenharia Electrotécnica, entre
outros.

No que diz respeito à planificação de projectos, a EGICONFOR desenvolve as


seguintes especialidades:
 Rede de distribuição de águas frias e quentes;
 Rede de drenagem de esgotos domésticos e pluviais;
 Estabilidade;
 Térmica;
 Acústica;
 Rede de Gás;
 Segurança contra incêndios.

No que diz respeito á organização da empresa, esta é subdividida em dois


departamentos, técnico e administrativo. Relativamente ao departamento técnico este é
responsável pela elaboração de processos de concurso, projectos de especialidades e
direcção técnica de obras correspondentes. Já o departamento administrativo é
responsável por toda a função de secretariado realizado.
Quanto à contabilidade esta é feita por gabinetes especializados, assim como todo o
tipo de certificações de projectos que assim o exigem.

1
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

CAPÍTULO II- O estágio

2.1- Actividades desenvolvidas

Durante o período de estágio, a estagiária teve a oportunidade de colaborar no


desenvolvimento de um projecto de uma habitação unifamiliar, participando em todas as
áreas do domínio da Engenharia Civil, nomeadamente: rede de águas e esgotos;
estabilidade e a verificação ao RCCTE.
O dimensionamento da estabilidade da habitação foi concebido através da
utilização de programas informáticos da especialidade para os diferentes elementos
estruturais que compõem a habitação.
No que diz respeito ao dimensionamento da rede de águas frias e quentes e à
rede de esgotos domésticos e pluviais, este foi desenvolvido em a utilização de nenhum
programa específico.
A verificação térmica foi realizada conforme a legislação em vigor,
nomeadamente o RCCTE – Regulamento das Características de Comportamento
Térmico dos Edifícios – Decreto-Lei nº 80/2006 de 4 de Abril, com a ajuda da
utilização do programa SOLTERM para a determinação dos painéis solares da
habitação.

A habitação em que a estagiária colaborou no desenvolvimento do projecto, diz


respeito a uma moradia unifamiliar composta por dois pisos, a qual se situa no interior
de um aglomerado urbano em espaço rural e está implantado a uma altitude de 865 m,
como ilustra a figura 1.

2
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Figura 1-Localização da habitação unifamiliar.

3
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

2.2- Descrição geral da habitação

Trata-se de um edifício situado na freguesia de Devesa - Santana da Azinha,


concelho da Guarda.
A área coberta proposta é de 325 m2, sendo a área descoberta de 12628 m2,
perfazendo um total de 12953 m2. A área habitável será de 236 m2.
A fracção possui uma área útil de 226 m2, trata-se de uma habitação de tipologia
T4, composta por dois pisos; os dois acima da cota de soleira (Piso e Sótão). O Piso é
constituído por um hall de entrada, uma cozinha, uma sala de jantar, uma sala de estar,
quatro quartos, um deles com um casa de banho privativa e um vestiário, uma casa de
banho completa com base de chuveiro, banheira, dois lavatórios, sanita e bidé, uma casa
de banho com base de chuveiro, lavatório e sanita, um segundo hall, um corredor de
acesso à garagem, uma lavandaria, arrumos e escadas de acesso ao 1º andar; o sótão é
constituído apenas por uma biblioteca. O pé direito médio é de 2,70 m.
Nas figuras 2, 3 e 4 apresentam-se as plantas de arquitectura da habitação
unifamiliar.

4
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Figura 2 Planta do Piso da habitação.

Figura 3-Planta do Sótão.

5
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Figura 4- Planta da Cobertura

6
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

CAPÍTULO III – Memória descritiva e justificativa do


projecto de estabilidade

3.1- Aspectos gerais

O projecto de estabilidade foi executado em concordância com o projecto de


arquitectura.
Como condicionante principal para execução do projecto de estabilidade, teve-se
em conta a colocação dos vários elementos estruturais inerentes ao dimensionamento.
Considerou-se a colocação de pilares no interior das paredes e outros elementos
construtivos, de forma a não alterar a configuração da moradia no seu interior e para que
os impactos da utilização da moradia ficassem dissimulados.

3.2- Solução estrutural

O sistema estrutural considerado foi uma malha de estruturas porticadas e


ortogonais entre si o mais possível.
Desta forma tanto para o tecto da habitação como para a cobertura optou-se pela
aplicação de lajes aligeiradas com vigotas pré-esforçadas, de modo a reduzir o peso da
estrutura e também devido aos vãos das lajes serem demasiado grandes para uma
solução de lajes maciças.
Nas figuras 5 e 6 encontram-se as soluções que foram adoptadas para a
habitação e para a cobertura respectivamente.
No anexo A encontram-se as plantas da habitação com as respectivas lajes, vigas
e pilares assinalados.

7
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Figura 5- Sistema estrutural para o tecto da habitação

Figura 6- Sistema estrutural da cobertura

8
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

3.3- Materiais

Os materiais a utilizar na elaboração do projecto serão os mais frequentes na


construção tradicional.
O betão a especificar em projecto nos elementos estruturais e lajes será da classe
C16/20 e o betão de limpeza das sapatas da classe C12/16.
O aço a utilizar em toda a estrutura será ser do tipo A400NR (varões) e A500EL
(rede electrossoldada ou malha sol).

3.4- Regulamentação

Todo o estudo do projecto baseou-se na teoria da resistência dos materiais,


obedecendo assim às normas portuguesas e europeias em vigor, nomeadamente:
 Regulamento de Segurança e Acções para Estruturas de edifícios e Pontes
(R.S.A.);
 Regulamento de Estruturas de Betão Armado e pré-esforçado (R.E.B.A.P.);
 Eurocódigo 2 NP EN 1992-1-1 (2010) (EC2);
 Tabelas técnicas.

3.5- Dimensionamento das lajes

O dimensionamento das lajes foi realizado com a ajuda de um software


fornecido pelo fabricante, de modo a se poder optimizar as mesmas. O programa
utilizado foi o PAVICER.
Na utilização do programa foi necessário fazer um pré-dimensionamento da
altura da laje e a determinação dos esforços actuantes, tanto permanentes como
variáveis, segundo a seguinte combinação de acções:
(1)

9
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Em que:

γg - Coeficiente de segurança relativo às acções permanentes, em que este toma


o valor de 1,35;
SGk - Esforço resultante de uma acção permanente, tomada com o seu valor
característico (KN/m2);

γq – Coeficiente de segurança relativo às acções variáveis, em que este toma o


valor de 1,50;
SQk - Esforço resultante de uma acção variável, tomada com o seu valor
característico (KN/m2).

Tendo desta forma o estagiário um ponto de partida para dar início ao programa.

3.5.1- Pré-dimensionamento da altura das lajes

O pré-dimensionamento foi determinado com base nas disposições relativas a


elementos estruturais do REBAP, segundo o art. 102.º em que:

(2)
Onde:
h – Espessura da laje (m)
– Vão equivalente da viga, em que l é o vão teórico e α um
coeficiente cujos valores são retirados do quadro XV do art. 102º, (Quadro 1).

Tipo de laje α
Simplesmente apoiada, armada numa só direcção 1,0
Duplamente encastrada, armada numa só direcção 0,6
Apoiada num bordo e encastrada no outro, armada numa só direcção 0,8
Em consola (sem rotação no apoio), armada numa só direcção 2,4
Simplesmente apoiada, armada em duas direcções 0,7
Duplamente encastrada, armada em duas direcções 0,5
Quadro 1- Valores do coeficiente α

10
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Tomando assim α o valor de 0,7.

η - Coeficiente que, consoante o tipo de aço utilizado, toma os valores


indicados no art. 89º.

A235 ………………………. η=1,4


A400 ………………………. η=1,0
A500 ………………………. η=0,8

Visto que o aço utilizado é o A400, então η=1,0.

3.5.2- Cobertura

a) Acções permanentes (GK)

Nas acções permanentes apenas foi determinado o peso do revestimento. Desta


forma, uma vez que a cobertura é do tipo telha lusa, foi então considerado 0,50 KN/m2
de revestimento; o valor foi retirado das tabelas técnicas.

b) Acções variáveis (QK)

Para o valor de sobrecarga adoptado foi de 0,3 KN/m2, segundo o artº 34.2.a) do
RSA.
Uma vez que a moradia em estudo irá ser implantada no Conselho da Guarda,
então a acção mais desfavorável a considerar é a da neve, desta forma esta sobrecarga
foi determinada conforme o artº27.1 do RSA, em que:

(3)

11
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Onde:
μ – Coeficiente que depende da forma da superfície sobre a qual se deposita a
neve (anexo II do RSA);
S0K – valor característico da carga da neve ao nível do solo (KN/m2);

( ) (4)

Onde h é a altitude do local em metros, arredondadas às centenas. Então:

h – 864 m, em que arredondado as centenas fica 900 m;

( )

ANEXO II - RSA
β=19º { μ=0.907

Para simplificações de cargas, foi adoptado um valor final de acção variável de


2KN/m2.

c) Aplicação e solução resultante do programa PAVICER

Uma vez determinadas as alturas, cargas permanentes e variáveis das lajes


procedeu-se à introdução destes valores no programa. Com base nestes valores o
programa escolheu uma laje que suporta as cargas instaladas, tendo em conta o Estado
Limite de Utilização e o Estado Limite de Fendilhação, onde este último não pode
ultrapassar dos 15 mm. Na tabela 1 estão apresentadas as lajes com as cargas
correspondentes calculadas e a solução final dada pelo programa PAVICER.

12
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Cargas Cargas
Permanentes Variáveis Peso
Solução Próprio
h P. reves Neve/Sobrecarga (KN/m2)
L (m) h (m)
final(m) (KN/m2) (KN/m2)
Laje cober 1 6,20 0,21 0,25 0,50 2,00 P3R-BL38*20-25 3,21
Laje cober 2 3,13 0,10 0,15 0,50 2,00 P3-BL48*12-15 1,77
Laje cober 3 4,10 0,14 0,15 0,50 2,00 P4-BL48-12-15 1,78
Laje cober 4 5,53 0,18 0,25 0,50 2,00 P4-BL48*20-25 2,91
Laje cober 5 1,70 0,06 0,15 0,50 2,00 P2-BL48*12-15 1,76
Laje cober 6 3,05 0,10 0,15 0,50 2,00 P3-BL48*12-15 1,77
Laje cober 7 5,95 0,20 0,2 0,50 2,00 P3R-BL23*16-20 2,63
Laje cober 8 6,42 0,21 0,25 0,50 2,00 P4A-BL38*20-25 3,21
Laje cober 9 6,44 0,21 0,25 0,50 2,00 P4A-BL38*20-25 3,21
Laje cober 10 6,42 0,21 0,25 0,50 2,00 P4A-BL38*20-25 3,21
Laje cober 11 4,61 0,15 0,2 0,50 2,00 P3A-BL48*16-20 2,34
Laje cober 12 1,80 0,06 0,15 0,50 2,00 P2-BL48*12-15 1,76
Laje cober 13 6,42 0,21 0,25 0,50 2,00 P4A-BL38*20-25 3,21
Laje cober 14 1,48 0,05 0,15 0,50 2,00 P2-BL48*12-15 1,76
Laje cober 15 5,45 0,18 0,25 0,50 2,00 P3A-BL48*20-25 2,91
Laje cober 16 1,78 0,06 0,15 0,50 2,00 P2-BL48*12-15 1,76
Laje cober 17 1,30 0,04 0,25 0,50 2,00 P2-BL48*20-25 2,90
Laje cober 18 2,85 0,10 0,25 0,50 2,00 P2-BL48*20-25 6,25
Tabela 1 - Descrição das lajes de cobertura com as cargas e solução correspondente

3.5.3- Piso 1

a) Acções permanentes (GK)

O piso 1 é composto por um escritório onde este apenas incide sobre duas lajes,
então foi determinado o peso das paredes divisórias para as duas lajes em causa e o
revestimento para todas as lajes.
Para o revestimento foi considerado 1,50 KN/m2, pois apesar de o piso só ter um
escritório, todo o espaço envolvente irá servir de arrumos.
Quanto às paredes divisórias, estas foram determinadas em função dos materiais
que as constituem, neste caso alvenaria, e da sua espessura. Sendo este peso
determinado da seguinte forma:

13
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

( ⁄ ) (5)

Em que:

γtijolo – peso volúmico do tijolo, foi considerado 15 KN/m3, valor retirado das tabelas
técnicas;
eparede – espessura da parede em metros;
hparede – altura da parede em metros

Segundo o artigo 15.º do RSA, o peso das paredes divisórias são afectados, neste
caso, em 40% por forma a transformar o peso das paredes em cargas uniformemente
distribuídas em toda a laje. Vindo assim o peso das paredes divisórias em KN/m2.

b) Acções variáveis

A acção variável para este piso é apenas a sobrecarga e segundo o artigo 35.º do
RSA, para habitações o valor da sobrecarga é de 2 KN/m2.

c) Aplicação e solução resultante do programa PAVICER

Conforme foi mencionado anteriormente na alínea c) do ponto 3.5.2, a aplicação


e os dados a introduzir no programa são os mesmos mas referentes ao piso 1, desta
forma a tabela 3 apresenta as lajes com as cargas correspondentes e as soluções obtidas.

14
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Carga
Cargas Permanentes
Variável
Peso
h Paredes div Revestimento Sobrecarga
L (m) h (m) Designação Próprio
final(m) (kN/m2) (kN/m2) (kN/m2)
(kN/m2)
Laje 1 1,55 0,05 0,2 0 1,5 2 P2-BL48*16-20 2,33
Laje 2 4,18 0,14 0,2 0 1,5 2 P3-BL48*16-20 2,34
Laje 3 2,83 0,09 0,15 0 1,5 2 P2-BL48*12-15 1,76
Laje 4 2,4 0,08 0,15 0 1,5 2 P2-BL48*12-15 1,76
Laje 5 3,83 0,13 0,2 0 1,5 2 P3-BL48*16-20 2,34
Laje 6 5,25 0,18 0,2 0 1,5 2 P3A-BL23*16-20 2,63
Laje 7 1,58 0,05 0,2 0 1,5 2 P2-BL48*16-20 2,33
Laje 8 4,1 0,14 0,2 0 1,5 2 P3-BL48*16-20 2,34
Laje 9 5,5 0,18 0,25 0 1,5 2 P3A-BL38*20-25 3,21
Laje 10 3,78 0,13 0,25 0,54 1,5 2 P4-BL23*20-25 3,63
Laje 11 1,48 0,05 0,15 0,27 1,5 2 P2-BL38*12-15 1,89
Laje 12 5,2 0,17 0,2 0 1,5 2 P3A-BL23*16-20 2,63
Laje 13 7,35 0,25 0,3 0 1,5 2 P3R-BL23*25-30 4,19
Tabela 2 - Descrição das lajes do piso 1 com as cargas e solução correspondente

3.5.4-Piso térreo

Uma vez que este piso assenta directamente no solo então foi feita uma laje em
betão leve com 10cm de altura e com uma camada de regularização em argamassa de
2cm, nesta laje não foi necessário o seu dimensionamento pois assenta directamente no
solo, a determinação da altura de betão leve foi aconselhada pelo orientador da empresa.

No anexo A estão representados os pormenores das lajes da cobertura e do piso


1.

15
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

3.6- Dimensionamento das vigas

Para o dimensionamento das vigas, este foi realizado com a ajuda do programa
software CISSE. Deste programa resultam as armaduras longitudinais e transversais
necessárias para as vigas resistirem aos esforços instalados.
Para se poder dar início ao programa é necessário determinar a altura das vigas e
os esforços actuantes sobre estas.
Este programa tem como base assegurar o Estado Limite Último e o Estado
limite de Fendilhação conforme o REBAP.

3.6.1-Pré-dimensionamento da altura das vigas

O pré-dimensionamento foi realizado com base no Eurocódigo 2 NP EN 1992-1-


1 (2010), em que:

(6)

onde:
l – vão da viga (m)
d – altura útil da viga (m)
0 – Valor base da relação l/d tirado do quadro do Eurocódigo 2 conforme indicado na
tabela 3.

16
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

- Limites de
relação vão/altura
{ útil;

( ) ( ), - Correcção de armadura, visto que o aço a utilizar é A400NR e

fazem para a situação extrema onde As,eff=As,cal , então Kσs=1.

Betão altamente esforçado Betão ligeiramente


Sistema estrutural
- vigas (ρ=1,5%) esforçado - lajes (ρ=0,5%)
1. Viga simplesmente
apoiada, laje simplesmente
18 25
apoiada armada numa ou
em duas direcções
2. Vão externo de uma viga
contínua: laje contínua
armada numa direcção ou
23 32
laje armada em duas
direcções, contínuas sobre
o lado maior
3. Vão interior de uma viga
ou de laje armada numa ou 25 35
em duas direcções
4. Laje apoiada em pilares
sem vigas (laje fungiforme) 21 30
(referencia ao maior vão)
5. Consola 7 10
Quadro 2 - λ0 Valor base da relação l/d

Fincando assim a expressão (6):

17
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

3.6.2-Cobertura

a) Cargas actuantes

As cargas actuantes das vigas da cobertura são determinadas em função das lajes
que nestas descarregam, a forma como descarregam depende da orientação da armadura
principal das lajes. Esta orientação encontra-se nos desenhos em anexo, assim como a
localização de cada viga.
Na tabela 5 estão apresentadas as vigas com os seus respectivos vãos, alturas,
cargas e dimensões adoptadas.
As vigas designadas por V1 até á V22, são vigas que são comuns para o piso 1 e
cobertura.

Vigas L (m) d (m) h (m) Dimensões Cargas


V1 4,24 0,35 0,38 3,37
V2 4,25 0,35 0,38 3,37
V3 1,48 0,12 0,15 4,10
V4 3,97 0,33 0,36 15,10
V5 3,84 0,32 0,35 18,53
V6 4,07 0,34 0,37 3,42
V7 3,65 0,30 0,33 14,49
V8 3,70 0,31 0,34 14,49
V9 5,00 0,42 0,45 25,73
V10 4,30 0,36 0,39 25,73
V11 2,50 0,21 0,24 25,73
0,25*0,45
V12 1,58 0,13 0,16 7,29
V13 1,48 0,12 0,15 7,29
V14 4,49 0,37 0,40 4,24
V15 4,48 0,37 0,40 4,24
V16 3,14 0,26 0,29 4,24
V17 3,70 0,31 0,34 8,40
V18 4,55 0,38 0,41 12,88
V19 3,83 0,32 0,35 5,11
V20 3,83 0,32 0,35 5,26
V21 4,18 0,35 0,38 12,29
V22 1,55 0,13 0,16 12,28

18
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

V25 3,83 0,32 0,35 6,42


V26 1,00 0,08 0,11 6,42
V29 3,08 0,26 0,29 9,54
V30 3,70 0,31 0,34 9,54
V31 3,14 0,26 0,29 0,25*0,40 9,54
V32 4,48 0,37 0,40 9,54
V33 3,00 0,25 0,28 9,54
V39 2,40 0,20 0,23 11,03
V40 3,90 0,33 0,36 11,03
V50 3,00 0,25 0,28 9,50
V51 3,70 0,31 0,34 0,25*0,35 9,50
V52 1,78 0,15 0,18 9,50
V46 5,20 0,43 0,46 0,25*0,50 6,98
V53 2,40 0,20 0,23 0,25*0,25 15,98
V23 8,35 0,70 0,73 14,62
V24 1,40 0,12 0,15 6,56
V27 8,35 0,70 0,73 8,22
V28 1,40 0,12 0,15 0,25*0,75 6,56
V38 8,60 0,72 0,75 10,52
V41 8,60 0,72 0,75 13,55
V45 8,60 0,72 0,75 13,55
V47 8,65 0,72 0,75 4,51
V34 2,10 0,18 0,21 0,25*0,75 5,61
V54 7,46 0,62 0,65 5,56
V48 3,87 0,32 0,35 10,15
0,25*0,35
V49 3,77 0,31 0,34 10,15
V35 6,98 0,58 0,61 0,25*0,65 12,44
V36 1,53 0,13 0,16 4,58
V37 1,04 0,09 0,12 3,53
0,25*0,20
V42 0,80 0,07 0,10 12,93
V44 1,46 0,12 0,15 20,61
V43 5,05 0,42 0,45 0,25*0,50 8,02
Tabela 3 - Descrição das características das vigas da cobertura

b) Aplicação e solução resultante do programa CISSE

Uma vez determinadas as cargas actuantes das vigas procedeu-se à introdução


destas no CISSE. Este software determina as armaduras longitudinais e transversais nas
vigas tendo em conta o Estado Limite de Utilização e o Estado Limite de Fendilhação.
No anexo A estão representadas as soluções estruturais resultantes de todas a
vigas.

19
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

3.6.3-Piso 1

a) Cargas actuantes

As cargas actuantes das vigas do piso são determinadas em função das lajes que
nestas descarregam como já foi referido na alínea a) do ponto 3.6.2, neste piso as vigas
que se encontram nas fachadas também absorvem as cargas das lajes da cobertura.
Na tabela 6 estão apresentadas as vigas com os seus respectivos vãos, alturas,
cargas e dimensões adoptadas.
Neste piso as dimensões adoptadas para as vigas estão em função da localização
desta, pois as vigas que se encontram nas paredes interiores têm com base 0,20 m e as
vigas que se encontram nas paredes exteriores têm como base 0,25 m, as alturas vêm em
função do seu pré-dimensionamento.

Vigas L (m) d (m) h (m) Dimensões Cargas


V23 hab. 4,55 0,38 0,41 6,70
0,25*0,45
V24 hab. 3,70 0,31 0,34 6,70
V25 hab. 2,63 0,22 0,25 0,25*0,30 13,62
V26 hab. 2,97 0,25 0,28 13,62
V27 hab. 2,50 0,21 0,24 0,25*0,25 9,18
V28 hab. 5,20 0,43 0,46 0,25*0,50 4,47
V29 hab. 1,58 0,13 0,16 0,25*0,25 20,06
V30 hab. 2,83 0,24 0,27 6,65
V31 hab. 2,90 0,24 0,27 4,89
V32 hab. 2,53 0,21 0,24 7,00
V34 hab. 1,93 0,16 0,19 0,20*0,25 1,76
V36 hab. 0,48 0,04 0,07 1,76
V33 hab. 2,40 0,20 0,23 2,49
V38 hab. 1,43 0,12 0,15 5,12
V39 hab. 2,83 0,24 0,27 0,20*0,30 6,24
V42 hab. 2,20 0,18 0,21 19,03
V43 hab. 3,67 0,31 0,34 0,25*0,45 22,24
V44 hab. 4,35 0,36 0,39 22,24
V35 hab. 2,90 0,24 0,27 6,90
V37 hab. 2,53 0,21 0,24 9,02
0,25*0,60
V40 hab. 6,80 0,57 0,60 21,81
V41 hab. 5,30 0,44 0,47 15,61

20
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

V45 hab. 3,14 0,26 0,29 14,38


V46 hab. 4,48 0,37 0,403 0,25*0,45 14,38
V47 hab. 4,49 0,37 0,404 14,38
Tabela 4 - Descrição das características das vigas do Piso 1

b) Aplicação e solução resultante do programa CISSE

A aplicação do programa foi análoga ao ponto 3.6.2 na alínea b), assim como a
sua solução estrutural também está representada em anexo nas peças desenhadas.

3.7- Dimensionamento dos pilares

No dimensionamento dos pilares, este também foi realizado com a ajuda de um


programa de software desenvolvido pelo orientador da empresa.
Deste software resultam as armaduras longitudinais e transversais necessárias
para os pilares resistirem aos esforços instalados.
Para se poder dar início ao programa foi necessário determinar as dimensões dos
pilares e os esforços actuantes sobre estes.
Este programa tem como base assegurar o Estado Limite Último e o Estado
limite de Fendilhação conforme o REBAP.

3.7.1- Pré-dimensionamento das dimensões dos pilares

Para as dimensões dos pilares teve-se em conta a arquitectura da habitação


tentando-se uniformizar o mais possível as dimensões destes.
Desta forma resultam três tipos de pilares diferentes:
 25x25 cm, para todos os pilares exteriores e a maior parte dos interiores;
 20x20 cm para dois pilares interiores, pois a sua localização não permitia pilares
de 25x25 cm;

21
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

 35x15 cm num pilar interior, esta dimensão deve-se ao facto de o pilar em


estudo estar numa parede divisória de 15cm.

Segundo o art. 120.º do RSA as dimensões mínimas para um pilar são de 20 cm,
porém podem ser reduzidas para 15cm desde que um dos lados mantenha o mínimo de
20cm, desta forma temos as dimensões mínimas para os pilares em estudo asseguradas.

3.7.2- Cargas actuantes

No que diz respeito às cargas actuantes para os pilares, estas foram determinadas
em função das vigas e lajes que nestes descarregam.
Para o seu dimensionamento apenas foram considerados os pilares mais
desfavoráveis para cada área de secção diferente. Desta forma na tabela 5 estão
representados os três pilares mais desfavoráveis com as suas respectivas dimensões,
alturas e cargas actuantes.

Dimensões Cargas
Pilar h (m) Sd final (KN)
(m) actuantes (KN)
P26 0,25x0,25 4,6 238,70 238,70
P31 0,2x0,2 4,4 36,87 200
P45 0,35x0,15 3,15 36,40 200
Tabela 5 - Descrição das características dos pilares

Para os pilares P31 e P45 a carga final foi aumentada para 200KN pois o mínimo
de carga actuante que o software admite é de 200KN.
Desta forma já encontramos todos os dados necessários para dar início ao
programa.
A localização de cada pilar encontra-se em anexo nas peças desenhadas bem
como a solução estrutural obtida.

22
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

3.8- Parede

Na habitação em estudo foi necessário recorrer à utilização de uma parede em


betão armado por forma a suportar as escadas que dão acesso ao 1º piso, visto que estas
são em consola.
A parede foi dimensionada segundo o art.123.º do REBAP.

3.8.1-Determinação das dimensões da parede

As dimensões adoptadas para a parede de betão foram determinadas em função


da arquitectura optando-se por uma parede em L. Na figura 7 encontram-se as
dimensões escolhidas para a parede.

Figura 7- Dimensões adoptadas para a parede de betão

23
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Uma vez que a cobertura imposta pela arquitectura apresenta várias pendentes
optou-se então por subir a parede de betão até a cobertura por forma a suportar os
esforços instalados das lajes desta.

3.8.2-Dimensionamento das armaduras

a) Armaduras verticais

O dimensionamento das armaduras verticais foi feito conforme o art. 125.º do


REBAP, em que para um aço A400NR a secção total da armadura vertical não pode ser
inferior a 0,3% nem superior a 4% da secção da parede e o espaçamento não pode ser
superior a duas vezes a espessura desta com o máximo de 30cm.
Uma vez que os pilares dimensionados resultaram com armadura ϕ12mm, então
para a parede de betão também foi escolhido o varão ϕ12mm, obtendo-se assim:
5ϕ12/m.

b) Armaduras horizontais

Nas armaduras horizontais estas foram dimensionadas conforme o art.126.º do


REBAP, em que para um aço A400NR a secção total da armadura não deve ser inferior
a 0,005ba, onde b é a espessura da parede e a a altura. O seu espaçamento não deve ser
superior a 30cm.
De forma análoga à alínea anterior a escolha dos varões também foi ϕ12mm,
traduzindo-se assim 5ϕ12/m.

No anexo A encontram-se os pormenores das armaduras da parede de betão.

24
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

3.9- Escadas

Conforme a arquitectura imposta, as escadas são compostas por degraus


independentes entre si e encastrados na parede de betão armado, o que no ponto de vista
da estabilidade os degraus são considerados como consolas.
Sendo os degraus todos iguais só se realizou o dimensionamento para um,
fazendo a análise análoga para os restantes.

O dimensionamento da consola foi realizado com a ajuda do software CISSE e


para isso foi necessário determinar as cargas actuantes na consola.

3.9.1- Pré-dimensionamento da altura

O pré-dimensionamento da consola foi realizado da forma análoga as lajes


aligeiradas inicialmente descritas, utilizado assim a expressão (2) para o pré-
dimensionamento da altura.

(2)

Para o vão equivalente (li), temos o vão teórico de 0,7m e o coeficiente α toma o
valor 2,4.
Para o coeficiente η, uma vez que o aço utilizado é A400, então η=1,0.

Ficando a expressão:

25
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Uma vez que estamos perante uma consola, as cargas concentradas aplicadas são
consideradas relativamente importantes, pois irá ter a utilização de escadas. Obedecendo
ao art.102.1.º a espessura da consola não deve ser inferior a 10 cm. Então a altura final
da consola é de 10 cm.

3.9.2- Cargas actuantes

As cargas actuantes nas escadas subdividem-se em cargas permanentes e cargas


vaiáveis.

a) Cargas permanentes (GK)

Nas cargas permanentes temos o peso próprio da escada e o revestimento.

( ⁄ ) (7)

Para o revestimento, este foi considerado 1,50 KN/m2.

b) Cargas variáveis (QK)

Nas cargas variáveis apenas temos a sobrecarga, foi considerado uma sobrecarga
de 3,0 KN/m2 conforme o art.37.º do RSA.

26
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

3.9.3- Aplicação e solução do software CISSE

Tendo as cargas actuantes sido determinadas podemos dar inicio ao


funcionamento do software. O software utilizado dimensiona as armaduras
longitudinais e transversais da consola conforme o Estado Limite Último e o Estado
Limite de Fendilhação.ϕ
Desta forma resulta assim as seguintes armaduras como indica a figura8.

Figura 8- Solução de armaduras das escadas

3.10- Fundação

No que diz respeito à fundação esta encontra-se em cada pilar da habitação. Uma
vez que temos três pilares de dimensões diferentes e uma parede de betão, então
deveram ser consideradas quatro fundações diferentes. Quanto ao tipo de fundação
optou-se por uma fundação homotética, isto é uma fundação centrada.
Estas fundações estão ligadas entre si com vigas de equilíbrio por forma a
assegurar os assentamentos de forma equilibrada e uniforme.

27
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Quanto ao dimensionamento, estas foram dimensionadas por um software


desenvolvido pelo orientador da empresa, em que as cargas a aplicar na fundação são os
esforços vindos do pilar. No anexo A esta representada a fundação com as respectivas
dimensões e armaduras.

CAPÍTULO IV – Memória descritiva e justificativa da


rede de águas e esgotos

4.1- Aspectos gerais

O projecto da rede de águas e esgotos foi realizado tendo em consideração o


projecto de arquitectura e o projecto de estabilidade.
A condicionante principal deste projecto foi a localização dos elementos
estruturais da habitação, teve-se também em consideração a estética devido a utilização
de acessórios na rede de abastecimento de águas.

No anexo A encontra-se o traçado da rede de abastecimento de águas assim


como a rede de drenagem de águas residuais e pluviais.

4.2- Rede de abastecimento de água fria e quente

4.2.1- Escolha do material

A escolha do material utilizado foi determinada em função da fácil colocação em


obra, no conforto dos ocupantes e resolução de eventuais problemas futuros.

28
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Desta forma para a rede de abastecimento de águas frias e quentes foi escolhido
o polietileno reticulado, mais conhecido como PEX. Para além de ser o material mais
utilizado actualmente, este apresenta uma grande facilidade de montagem em obra, e
uma vez que este é manobrável, a utilização de acessórios é muito reduzida. Refira-se
que na ligação da rede da via pública para a habitação o material utilizado foi o PPR,
bem como na ligação à piscina.

4.2.2- Definição da rede

Na definição da rede de abastecimento de águas frias e quentes, teve-se em conta


a disposição dos elementos estruturais de maneira a ser possível a contorna-los. Uma
vez que o material utilizado dentro da habitação foi o PEX então toda a rede de
abastecimento foi feita pelo chão, sendo que na ligação aos equipamentos esta foi
projectada com um ângulo superior a 90º.

Quanto à rede de água quente esta inicia-se na sala de máquinas, pois é aqui que
se encontra a caldeira mural.

O traçado da rede de águas quente e fria apresenta-se na figura 9.

29
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Figura 9-rede de água fria e quente

4.2.3- Dimensionamento da rede

O dimensionamento da rede de distribuição para o abastecimento foi realizado,


respeitando o estipulado na Regulamento Geral de Distribuição de Água e Drenagem de
Águas Residuais.

Os diâmetros de todas as tubagens foram obtidos em função dos caudais de


cálculo, tendo em conta os limites de velocidade de escoamento, perdas de carga e
pressões nos dispositivos de utilização em todas as tubagens.

30
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Os caudais de cálculo (Qc) são obtidos em função do caudal acumulado (Qa)


afectado por um coeficiente de simultaneidade, pelo anexo V do Regulamento
mencionado, em que este varia consoante o caudal acumulado conforme ilustra a figura
10.

Figura 10- Caudais de cálculo em função dos caudais acumulados

31
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

O caudal acumulado é obtido em função do somatório dos caudais instantâneos


(Qins.) atribuídos aos dispositivos de utilização que as tubagens vão ter que alimentar.

∑ (8)

Quando estamos perante a situação de o abastecimento de água ser realizado


apenas a um só dispositivo, então o seu caudal de cálculo é igual ao caudal acumulado.

Os caudais para cada dispositivo estão estipulados pelo regulamento, sendo os


seguintes.

Equipamentos Caudal instantâneo (l/s)


Lavatório 0,10
Lavatório colectivo 0,05
Bidé 0,10
Sanita 0,10
Banheira 0,25
Chuveiro 0,15
Lava-louça 0,20
Máq. Lavar a roupa 0,20
Máq. Lavar a louça 0,15
Quadro 3 - Caudais instantâneos para cada equipamento (l/s)

Tendo os caudais determinados prossegue-se à escolha dos diâmetros. Na


escolha dos diâmetros foi utilizada uma tabela standard tanto para o material PEX como
para o material PPR. Nesta tabela encontra-se já as respectivas velocidades máximas
que o diâmetro em estudo atinge. Esta velocidade máxima é de 1,5m/s visto ser a
velocidade máxima de conforto para as tubagens.
Para uma rectificação do diâmetro escolhido foi determinado o diâmetro mínimo
para o respectivo caudal de cálculo, sendo que este foi determinado pela seguinte
expressão empírica.
√ ( ) (9)

32
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

DN int Qmáx (l/s)


DN (mm)
(mm) (v=1,5m/s)
12 8 0,08
16 12 0,17
20 15,8 0,29
25 20 0,47
32 25,6 0,77
40 32 1,21
50 40 1,88
63 50,6 3,02
75 60,4 4,3
90 72,6 6,21
110 88,8 9,29
Tabela 6 - Tubo Polietileno Reticulado (classe 1,25)

DN DN int Qmáx (l/s)


(mm) (mm) (v=1,5m/s)
16 10 0,12
20 12,60 0,19
25 16,00 0,30
32 20,40 0,49
40 25,60 0,77
50 32,00 1,21
63 40,60 1,94
75 48,40 2,76
90 58,20 3,99
Tabela 7 - Tubo Polipropileno (classe 2,00)

Após a determinação dos diâmetros realizou-se uma correcção das velocidades,


uma vez que estas podem ser demasiado próximas do valor máximo. E para isso
recorreu-se à seguinte fórmula empírica.

(9)
( )

33
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Uma vez que a rede foi dimensionada com o material PEX, esta necessitou de
caixas plásticas à entrada de cada divisão a servir como ilustra a figura 9. É através
desta caixa que é feita a distribuição dos caudais para os diferentes dispositivos. Assim
sendo os troços escolhidos para o dimensionamento dos caudais estão compreendidos
entre as diferentes caixas.

a) Dimensionamento da rede de água fria.

Caixa 2
Material PEX

Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade


Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Lavatório 0,2 0,2 20 15,8 1,02


Bidé 0,10 0,1 20 15,8 0,51
Sanita 0,10 0,1 20 15,8 0,51
Chuveiro 0,15 0,15 20 15,8 0,77
Banheira 0,25 0,25 20 15,8 1,28
Σ= 0,8
Tabela 8 - Abastecimento de água fria da Caixa 2

Caixa 4
Material PEX

Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade


Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Lavatório 0,10 0,1 20 15,8 0,51


Sanita 0,10 0,1 20 15,8 0,51
Chuveiro 0,15 0,15 20 15,8 0,77
Caixa 4 - Caixa 2 0,80 0,49 32 25,6 0,95
Σ= 1,15
Tabela 9 - Abastecimento de água fria da Caixa 4

34
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Caixa 5
Material PEX

Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade


Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Lava louça 0,20 0,2 20 15,8 1,02


Máq. Lavar
0,20 0,2 20 15,8 1,02
roupa
Máq. Lavar
0,15 0,15 20 15,8 0,77
louça
Caldeira 1,40 0,65 32 25,6 1,26
Σ= 1,95
Tabela 10 - Abastecimento de água fria da Caixa 5

Caixa 3
Material PEX

Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade


Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Lavatório 0,10 0,1 20 15,8 0,51


Sanita 0,10 0,1 20 15,8 0,51
Chuveiro 0,15 0,15 20 15,8 0,77
Caixa 5 - Caixa 3 1,95 0,77 40 32 0,96
Garagem 0,45 0,45 25 20 1,43
Σ= 2,75
Tabela 11 - Abastecimento de água fria da Caixa 3

Caixa 1
Material PEX

Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade


Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Caixa 1 - Caixa 3 2,75 0,92 40 32 1,14


Caixa 1 - Caixa 4 1,15 0,59 32 25,6 1,14
Σ= 3,90
Tabela 12 - Abastecimento de água fria da Caixa 1

35
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Contador
Material PPR
Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade
Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Contador - Caixa 1 3,45 1,02 63 40,6 0,78

Contador - Piscina 1,83 1,83 63 40,6 1,41

Σ= 5,28
Tabela 13 - Abastecimento de água fria do Contador

Rede Pública
Material PPR
Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade
Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)
Rede Pública -
5,28 1,28 63 40,6 0,99
Contador
Tabela 14 - Abastecimento de água fria da Rede Pública

b) Dimensionamento da rede de água quente

Caixa 2
Material PEX

Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade


Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Lavatório 0,2 0,2 20 15,8 1,02


Bidé 0,10 0,1 20 15,8 0,51
Chuveiro 0,15 0,15 20 15,8 0,77
Banheira 0,25 0,25 20 15,8 1,28
Σ= 0,7
Tabela 15 - Abastecimento de água quente da Caixa 2

36
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Caixa 4
Material PEX

Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade


Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Lavatório 0,10 0,1 20 15,8 0,51


Chuveiro 0,15 0,15 20 15,8 0,77
Caixa 4 - Caixa 2 0,70 0,46 25 20 1,45
Σ= 0,95
Tabela 16 - Abastecimento de água quente da Caixa 4

Caixa 3
Material PEX

Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade


Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Lavatório 0,10 0,1 20 15,8 0,51


Chuveiro 0,15 0,15 20 15,8 0,77
Σ= 0,25
Tabela 17 - Abastecimento de água quente da Caixa 3

Caixa 5
Material PEX

Caudal Acumulado Caudal de Dint Velocidade


Equipamentos DN (mm)
(l/s) Cálculo (l/s) (mm) (m/s)

Lava louça 0,20 0,2 20 15,8 1,02


Caixa 5 - Caldeira 1,40 0,65 32 25,6 1,26
Caixa 5 - Caixa 4 0,95 0,53 32 25,6 1,03
Caixa 5 - Caixa 3 0,25 0,27 20 15,8 1,37
Σ= 2,80
Tabela 18 - Abastecimento de água quente da Caixa 5

37
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

4.3- Rede de drenagem de esgotos domésticos

4.3.1- Escolha do material

No que diz respeito à rede de esgotos domésticos o material escolhido foi o PVC
da classe 0,4, pois este apresenta boas características na tensão de segurança,
condutibilidade térmica, coeficiente de dilatação linear e uma baixa detioração face aos
esgotos produzidos.
As caixas de visita e a fossa séptica são feitas em blocos maciços de betão,
dispondo de ensoleiramento e tampa de betão armado.

4.3.2- Definição da rede

Na definição da rede de esgotos teve que se ter conta que devido à localização da
habitação, esta não usufruía de rede de esgotos públicos, pelo que se teve de
dimensionar uma fossa séptica.
Então o traçado desta rede teve que ter em conta a localização da fossa, uma vez
que esta tinha que se encontrar na cota mais baixa do terreno devido ao escoamento ser
feito por gravidade.

Assim sendo o traçado da rede de esgotos domésticos foi realizado como ilustra
a figura 11.

38
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Figura 11- Rede de esgotos domésticos

4.3.3- Dimensionamento da rede

O dimensionamento da rede de drenagem foi realizado, respeitando o estipulado


na Regulamento Geral de Distribuição de Água e Drenagem de Águas Residuais.
Os diâmetros de todas as tubagens foram obtidos em função dos caudais de
cálculo, tendo em conta o tipo de escoamento, ventilação e inclinação.
Os caudais acumulados (Qa) são obtidos em função do somatório dos caudais
instantâneos (Qins) atribuídos a cada dispositivo, que por sua vez vai-se obter os caudais
de cálculo (Qc) dos ramais de descarga individuais, colectivos e colectores.
A obtenção dos caudais e diâmetros correspondentes a cada dispositivo são
dados retirados do anexo XIV do regulamento mencionado, nos quadros 4 e 5 estão
mencionados os caudais instantâneos de cada dispositivo bem como os seus diâmetros
respectivamente:

39
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Aparelho Caudal (litros/minuto)


Bacia retrete 90
Banheira 60
Bidé 30
Chuveiro 30
Lavatório 30
Lavatório duplo 60
Máq. lavar louça 60
Máq. lavar a roupa 60
Lava-louça 30
Quadro 4 - Caudais instantâneos de cada dispositivo sanitário

Diâmetro recomendado
Aparelho Diâmetro mínimo (mm)
(mm)
Bacia retrete 75 90
Banheira 38 40-50
Bidé 32 40
Chuveiro 38 40
Lavatório 32 40
Lavatório duplo 38 50
Máq. lavar louça 38 50
Máq. lavar a roupa 38 50
Lava-louça 38 50
Quadro 5 - Diâmetros mínimos e recomendados para cada dispositivo

Quanto ao caudal de cálculo este é obtido através da seguinte expressão retirada


do regulamento mencionado:

(⁄ ) (10)

40
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Desta forma nas tabelas apresentam-se os caudais e diâmetros resultantes da


habitação em estudo:

Ramais de descarga individuais


Tubo P.V.C. Classe0,4
Q Escoamento
Aparelho Sanitário DN (mm) i (%) Obs.
(l/min)
Lavatório 30 40 1 Esc. Secção Cheia
Bidé 30 40 1 Esc. Secção Cheia
Banheira 60 40 1 Esc. Secção Cheia
Chuveiro 30 40 1 Esc. Secção Cheia
Sanita 90 90 1 Esc. Secção Cheia
Lava-louça 30 50 1 Esc. Secção Cheia
Maq. Lavar Louça 60 50 1 Esc. Secção Cheia
Maq. Lavar Roupa 60 50 1 Esc. Secção Cheia
Lavatório duplo 60 50 1 Esc. Secção Cheia
Tabela 19 - Caudais e diâmetros dos ramais de descarga individuais

Ramal de descarga colectivo


Tubo P.V.C. Classe 0.4
Q Acumulado
Ramal Q Cálculo (l/min) DN (mm) i (%) Obs.
(l/min)
SP1 - CV1 90 82 75 1 Esc. 1/2 Secção
Tabela 20 - Caudal e diâmetro do ramal de descarga colectivo

Rede de colectores prediais


Tubo P.V.C. Classe 0.4
Q Acumulado Q Cálculo
Ramal DN (mm) i (%) Obs.
(l/min) (l/min)
CV1 - CV2 270 147 90 1,00 Esc. 1/2 Secção
CV5 - CV4 150 107 90 1,00 Esc. 1/2 Secção
CV4 - CV3 300 156 110 1,00 Esc. 1/2 Secção
CV3 - CV2 450 193 110 1,00 Esc. 1/2 Secção
CV2 - Fossa Séptica 720 249 110 1,00 Esc. 1/2 Secção
Tabela 21 - Caudais e diâmetros dos colectores prediais

41
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

4.3.4- Dimensionamento da fossa séptica

Os efluentes da fossa séptica são do tipo doméstico, provenientes das casas de


banho e da cozinha.
A fossa séptica foi dimensionada com o auxílio do orientador da empresa
respeitando a legislação em vigor.
O esgoto deve ser retido na fossa entre dezasseis e quarenta e oito horas e
portanto a fossa deve ser dimensionada em conformidade. A expressão 11 indica a
capacidade total da fossa séptica por forma a retirarem-se os depósitos em intervalos
não superiores a doze meses:

() (11)

Onde:
C – capacidade total da fossa séptica em litros;
N- número de habitantes, como a habitação tem tipologia T4 então considerou-se
5 habitantes.

Na determinação das dimensões da fossa séptica, esta foi dividida em dois


compartimentos. O primeiro compartimento deve ter um comprimento duplo da largura
e deve ter uma capacidade igual a dois terços da capacidade total. O segundo
compartimento deve ser quadrado e dimensionado de forma a receber cerca de um terço.
Os compartimentos formam uma unidade única separada por uma parede divisória. A
profundidade do líquido nas fossas não deve ser inferior a 1,2 m.

A fossa será constituída em betão do tipo C20/25 e aço S400.

42
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Desta forma obtiveram-se as seguintes dimensões da fossa séptica conforme


indica a tabela22.

Dimensões Principais (metros)

Número de Capacidade Comprimento (metros)


habitantes Nominal da Largura Altura de líquido
servidos fossa (L) (H)
1.º Comp. 2.º Comp.
(C1) (C2)
5 2900 1,6 0,8 1 1,2
Tabela 22 - Dimensões da fossa séptica

4.4. Rede de drenagem de águas pluviais

4.4.1- Escolha do material

Na escolha do material para as caleiras e tubos de queda das águas pluviais, foi
escolhido o PVC, pois este material é o mais económico e eficiente.

4.4.2- Definição da rede

Na definição da rede de drenagem das águas pluviais esta é composta por


caleiras e tubos de queda. Uma vez que a habitação não possui rede pública de esgotos
pluviais, então optou-se drenar os tubos de queda pelo jardim da habitação. Na figura 12
encontra-se o traçado da rede de esgotos pluviais.

43
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Figura 12- Traçado da rede de águas pluviais

4.4.3- Dimensionamento da rede

O dimensionamento da rede de drenagem pluvial foi realizado, respeitando o


estipulado na Regulamento Geral de Distribuição de Água e Drenagem de Águas
Residuais.
O dimensionamento das caleiras é dado em função de:
 Inclinação
 Área a drenar
 Intensidade de precipitação
 Coeficiente de escoamento

Os caudais de cálculo são obtidos pela seguinte expressão:

(⁄ ) (12)
Em que:
C – coeficiente de escoamento
I – intensidade de precipitação (l/min.m2)
A – área a drenar (m2)

44
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

O coeficiente I depende da região em que se situa o projecto, neste caso é na


cidade da guarda, logo I=2,10 l/min.m2
E uma vez que se trata de um edifício de habitação o coeficiente C é tomado
como valor unitário.

a) Dimensionamento das caleiras

Conforme estipulado no regulamento mencionado a altura da lâmina líquida no


interior das caleiras não deve ser ultrapassar 7/10 da altura da sua secção transversal,
salvo se for assegurado que, em caso de transbordo, este não se dará para o interior do
edifício.
(13)

( )

As inclinações devem oscilar entre 2 e 15mm/m, sendo recomendada a adopção


de valores entre 5 e 10mm/m, nesta situação optou-se por utilizar uma inclinação de
3mm/m.
No dimensionamento destas, foi admito o valor de b (base da caleira) pois só
assim se consegue retirar da tabela 23 as restantes dimensões da caleira. Esta tabela foi
retirada das tabelas técnicas.

45
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Tabela 23 - Capacidade de escoamento para caleiras de secção rectangular

Na tabela 24 encontram-se todas as caleiras com as suas respectivas áreas de


contribuição, caudal de cálculo, inclinação e dimensões.

Dimensionamento das caleiras


Material PVC
Área de Q=CIA b
Caleiras i (%) ht (m) H (m)
contribuição (m2) (l/min) (admitido)
Caleira 1 100,20 210,42 0,3 0,15 0,07 0,05
Caleira 2 20,71 43,49 0,3 0,15 0,03 0,02
Caleira 3 46,97 98,64 0,3 0,15 0,05 0,04
Caleira 4 48,45 101,75 0,3 0,15 0,05 0,04
Caleira 5 40,44 84,92 0,3 0,15 0,05 0,04
Caleira 6 59,18 124,28 0,3 0,15 0,05 0,04
Caleira 7 8,22 17,26 0,3 0,15 0,03 0,02
Caleira 8 87,37 183,48 0,3 0,15 0,07 0,05
Tabela 24 - Características das caleiras

46
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

b) Dimensionamento dos tubos de queda

No dimensionamento dos tubos de queda é contabilizado o caudal que aflui para


estes, determinando assim a altura de lâmina liquida e o diâmetro. A determinação da
altura da lâmina líquida e do diâmetro são consultados na tabela 25. Esta tabela foi
retirada das tabelas técnicas.
O diâmetro dos tubos de queda não deverá ser inferior ao maior dos diâmetros
dos ramais de descargas que para ele confluem, com um mínimo de 50mm.
Na consulta da tabela 25 é também necessário determinar a altura do tubo de
queda, após consultar a arquitectura da habitação considerou-se a altura de 3 metros.

Tabela 25 - Diâmetros e caudais dos tubos de queda

Desta forma na tabela 26 encontram-se todos os tubos de queda com os seus


respectivos diâmetros e caudais.

Dimensionamento dos tubos de queda


Material PVC
Tubos de Caudal de cálculo Comprimento
H (mm) DN (mm)
queda (l/min) (m)
TQ1 210,42 3 40 75
TQ2 115,85 3 30 63
TQ3 183,48 3 40 75
TQ4 40,44 3 15 63
TQ5 142,13 3 35 63
Tabela 26 - Características dos tubos de queda

47
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

CAPITULO V – Memória descritiva e justificativa de


verificação da conformidade regulamentar com o
RCCTE

5.1- Aspectos gerais

Para a verificação do RCCTE – Regulamento das Características de


Comportamento Térmico dos Edifícios – Decreto-Lei nº 80/2006 de 4 de Abril, na
habitação em estudo teve-se em conta o projecto de arquitectura e de estabilidade.
Esta verificação consiste em fazer com que a habitação cumpra as limitações
impostas às necessidades nominais de energia útil para aquecimento, arrefecimento,
produção de água quente sanitária ou correspondentes necessidades nominais globais de
energia primária, bem como a verificação dos requisitos mínimos de qualidade térmica
do edifício relativos aos coeficientes de transmissão térmica superficiais máximos da
envolvente opaca e aos factores solares dos vãos envidraçados horizontais e verticais.
Esta verificação é feita através de procedimentos de cálculos padronizados
regulamentados pelo RCCTE, foi utilizado um software para determinar a contribuição
de sistemas de colectores solares para o aquecimento das águas quentes sanitárias,
nomeadamente o SOLTERM.
No fim foi determinada a classe energética do edifício.
Para se poder preencher as tabelas padronizadas do RCCTE foi necessário
identificar os espaços não uteis, determinar as áreas e pé-direito, ventilação natural e
mecânica, inércia da habitação e características dos envidraçados. Uma vez
determinadas estas qualidades procedeu-se ao preenchimento das folhas de cálculo do
RCCTE e por fim determinou-se a classe energética da habitação.

48
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

5.2- Localização e orientações

Trata-se de uma moradia unifamiliar situada no concelho da Guarda (Norte) a


uma altitude de 865 metros e fora do perímetro urbano.
Na figura 13 encontra-se a habitação com o Norte referenciado.

Figura 13 – Referenciação do Norte na habitação

49
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Na zona envolvente do edifício não se localizam construções, por este motivo


foram adoptados os factores de sombreamento do horizonte propostos no ponto 4.3.3.
do Anexo IV do RCCTE (ângulo de horizonte de 20º para a situação de edifícios
isolados).

No quadro 6 encontram-se suma todas as características da localização da habitação

Opção Dados Observações

Localidade Devesa – Santana da Azinha

Concelho Guarda

Definição de zona climática


Zona Norte/Sul Norte
(RCCTE - Anexo III)

Tipo de edifico Moradia Unifamiliar

Orientação fundamental NW – NE – SE - SW

Número de pisos 2

Tipologia da fracção autónoma T4

Rugosidade II (RCCTE -
Tipo de localização Periferia de zona urbana
Quadro IV.2)

Altitude do local (m) 865

Latitude:
Coordenadas geodésicas
Longitude:

Zona abrangida por gás


Não
canalizado
Quadro 6 – Características da localização da habitação

50
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

De acordo com o RCCTE, nos quadros 7 8 apresentam-se as zonas climáticas de


Inverno e Verão em que se insere o edifício para efeitos de verificação da conformidade
regulamentar.

Quadro
Zona climática I3
III.1
Necessidade de correcção pela
Não Quadro III.2
altitude (z> 600m e z ≤ 1000m)
Número de Graus- Dia (ºC-dias) 2500 Quadro III.1
Duração da estação de
8 Quadro III.1
aquecimento (meses)
Energia solar média incidente
numa superfície vertical orientada 90 Quadro III.8
a Sul Gsul (kWh/m2.mês)
Quadro 7 – Dados climáticos para o período de aquecimento

Zona climática V1 (Região Norte) Quadro III.1


Necessidade de correcção pela altitude Não Quadro III.3
Valores médios da temperatura do ar exterior θatm
19 Quadro III.9
(Junho a Setembro) (ºC )
N 200
NE 300
E 420

Intensidade da radiação solar para a estação SE 430


convencional de arrefecimento (Junho a S 380 Quadro III.9
Setembro) Ir (kWh/m) SW 430
W 420
NW 300
Horiz. 730
Quadro 8 – Dados climáticos para o período de arrefecimento

51
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

5.3- Identificação dos espaços não úteis

Conforme disposto no regulamento RCCTE os espaços não úteis aplicáveis à


habitação em estudo tem-se os arrumos, garagem, lavandaria e o desvão não ventilado
sob a cobertura. Estes espaços não são isolados e por isso a sua caracterização é
importante na definição do parâmetro Շ, este traduz a redução das perdas térmicas para
os locais não aquecidos. Este parâmetro é determinado pela relação entre a área do
elemento que separa o local aquecido do local não aquecido (Ai) sobre o elemento que
separa o local não aquecido do exterior (Au) conforme indicado na tabela IV.1 do
RCCTE.
A determinação deste coeficiente é fundamental na verificação dos requisitos
mínimos dos elementos da envolvente interior, uma vez que os elementos da envolvente
que separam espaços úteis de espaços não úteis com valores de Շ superiores a 0,7
deverão apresentar coeficientes de transmissão térmica inferiores aos valores máximos
declarados para a envolvente exterior.

No quadro 9 está o valor de Շ determinado para os diferentes espaços não úteis da


habitação.

Local Ai (m2) Au (m2) Ai/Au Շ


Desvão não ventilado 34,346 407,76 0,08 0,8
Garagem 24,06 37,53 0,64 0,8
Lavandaria 5,81 11,34 0,51 0,8
Quadro 9 – Valores de Շ para os espaços não úteis

52
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

5.4- Área útil e pé-direito

A área útil do pavimento é considerada a área interior de cada divisão e espaços


interiores. O pé-direito livre foi determinado pela média de todos os pés-direitos de
todas as divisões, na tabela 27 encontra-se as áreas de todas as divisões da habitação
com o seu respectivo pé-direito. No anexo A encontram-se as áreas com os respectivos
pés-direitos.

Piso 1 Piso 2
COMPARTIMENTOS Área x Área x
Aréa P.D. Aréa P.D.
PD PD
Hall 1 5,00 2,75 13,75
Sala de estar 17,79 2,75 48,92
Sala de jantar 36,54 2,75 100,49
Cozinha 25,55 2,80 71,54
Hall 2 11,33 2,85 32,29
Quarto 1 18,52 2,80 51,86
WC 1 4,86 2,80 13,61
Vestiário 6,96 2,80 19,49
Quarto 2 17,16 2,80 48,05
Quarto 3 17,45 2,80 48,86
WC 2 9,04 2,85 25,76
Quarto 4 16,71 2,75 45,95
WC 3 5,35 2,80 14,98
Corredor 6,12 2,80 17,14
Escadas 3,43 4,43 15,19
Escritório 24,66 1,80 44,39
Totais: 201,81 567,88 24,66 44,39
Tabela 27 – Áreas e pé-direito de todas as divisões da habitação

5.5- Equipamento de climatização

Quanto aos equipamentos de climatização, estes ainda não tinham sido definidos
pelo dono de obra e por isso conforme indica no nº6 do art. 15.º do RCCTE considerou-
se que o sistema de aquecimento é obtido por resistência eléctrica com uma eficiência
de conversão do sistema de aquecimento (ηi) igual a 1 e o factor de conversão (Fpui) é
de 0.086 Kgep/Kwh, que o sistema de arrefecimento é uma máquina frigorífica com
eficiência de conversão do sistema de arrefecimento (ηv) igual a 3 e o factor de
conversão (Fpui) é de 0.29 Kgep/Kwh, e que o sistema de produção de águas quentes
sanitárias (AQS) é um termoacumulador eléctrico com menos de 50 mm de isolamento
53
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

térmico com eficiência de conversão do sistema de preparação de AQS (ηs) igual a 0,80
e o factor de conversão (Fpui) é de 0.086 Kgep/Kwh.

5.6- Ventilação

A ventilação da habitação (Rph) é determinada em função a ventilação natural


em conjunto com a ventilação mecânica, na situação em estudo, a habitação não
apresenta qualquer tipo de ventilação mecânica, por isso a ventilação total é apenas
determinada em função da ventilação natural.

5.6.1- Ventilação natural

Para determinar o valor convencional do número de renovações horárias do ar


interior (Rph), foi necessário definir previamente diversos aspectos associados à
localização e características do edifício, em especial dos envidraçados, dispositivos a
eles associados e equipamentos mecânicos de extracção ou insuflação de ar.
A fracção autónoma em causa não está em conformidade com a NP 1037-1:
Ventilação e evacuação dos produtos da combustão dos locais com aparelhos a gás.
Parte 1: Edifícios de habitação. Ventilação natural. Uma vez que não está em
conformidade então teve que se determinar vários parâmetros referentes à habitação, no
Quadro 10 estão todas as características necessárias para a determinação do Rph. Estes
parâmetros foram retirados dos quadros IV.1 e IV.2 do RCCTE.

Características gerais da localização Periferia de uma zona urbana


Altitude da habitação 865 m
Zona de localização do edifício Zona B
Rugosidade aerodinâmica do terreno Rugosidade tipo II
Altura dos envidraçados da fracção autónoma
< 10m
acima do solo
Classe de exposição ao vento das fachadas Exp. 2
Existência de aberturas auto-reguladas nas fachadas
Sim
(admissão de ar)
Existência de caixas de estore Não
Classificação da caixilharia relativamente à Sem classificação

54
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

permeabilidade ao ar das caixilharias de acordo


com a norma EN-12207
A área de envidraçados excede 15% da área útil de
Não
pavimento
As portas exteriores do edifício estão bem vedadas Sim
Quadro 10 – características da habitação

Com todas as características determinadas foi então possível determinar que o


Rph=0,9 h-1.

5.7- Sistema de produção de água quente sanitária (AQS)

Com vista à quantificação da energia útil despendida com o sistema de


preparação das águas quentes sanitárias (A.Q.S.), foi considerado um consumo per
capita de referência para a água a 60ºC em edifício de habitação de 40 litros /dia pessoa
(ver alínea c) do art.14.º do RCCTE) e um aumento de 45ºC para elevar a
temperatura da água fria até aos 60ºC (temperatura a considerar das as A.Q.S.). O
número de dias de consumo, uma vez que se trata de uma habitação, foi considerado
de 365 dias.

No quadro 11 apresentam-se as características básicas do sistema de preparação


de AQS a considerar para a fracção.

55
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Situação Características

Caldeira mural de exaustão natural, para


aquecimento central e produção de AQS
(mista), com uma potência térmica de 24 kW
Sistema de preparação de AQS
para aquecimento ambiente e uma eficiência a
30% da carga nominal de 89 %, alimentada a
electricidade.

Número de ocupantes da fracção 5

Rede bem isolada Sim

Espessura do isolamento > 10mm 15 mm


Eficiência do sistema de apoio 0,8
Factor de conversão Fpua (Kgep/Kwh) 0.086
Quadro 11 – sistema convencional de preparação de AQS

Como sistema complementar recorreu-se ao SOLTERM para uma melhor


eficiência. No quadro 12 estão apresentadas as características dos painéis solares
resultantes da aplicação do SOLTERM.

Características
Colectores solares Modelo Solahart M
Quantidade 3 módulos
Área efectiva 5,58 m2
Localização dos painéis Cobertura
Azimute 0º
Inclinação 49º
Sombreamentos existentes 3º (por defeito)
Esolar (Solterm) 2686 kWh
Eren (outras fontes renováveis) 0
Quadro 12 – Características do sistema solar de preparação de AQS

56
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

5.8- Inércia da habitação

A inércia térmica interior do edifício traduz a capacidade do mesmo para


armazenar calor, dependendo fundamentalmente da massa de cada um dos elementos de
construção em contacto com o espaço útil da habitação, da localização da camada de
isolamento térmico e da eventual presença de revestimentos com uma resistência
térmica (R) superior a 0,14 m2 ºC/W.

Para determinar a inercia da habitação foi necessário caracterizar a envolvente


opaca da habitação, pois para se poder determinar a inércia é necessário saber qual a
massa que envolve a habitação. Desta forma foi necessário definir todos os materiais da
envolvente opaca.

5.8-1. Caracterização da envolvente opaca

No que diz respeito à envolvente opaca da habitação esta subdivide-se em


envolvente exterior e envolvente interior. Calculando-se assim a resistência térmica
total do elemento (R) e o seu coeficiente de transmissão térmica (U). A resistência
térmica total é o somatório das resistências térmicas de cada elemento.

∑ ( ⁄ ) (14)

A resistência de cada material é determinada em função da espessura (e) e da sua


condutividade térmica (λ).

(15)
( ⁄ )

57
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

A condutividade térmica foi consultada no livro publicado pelo LNEC


(Coeficientes de Transmissão Térmica de Elementos da Envolvente dos Edifícios,
versão actualiza 2006) bem como as resistências de alguns materiais e as resistências do
ar em função do seu fluxo.

O coeficiente de transmissão térmica é determinado pelo inverso da resistência


térmica.

(16)
( ⁄ )

A identificação das envolventes na habitação está representada no anexo 3.

5.8-2. Envolvente exterior

a) Parede exterior 1 (PE1)

Rtotal=3,75 mºC/W
UTotal=0,27 W/mºC

58
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Legenda:

1- Reboco de cimento (e=0,02 m; λ=1,3 W/mºC)


2- Alvenaria de tijolo furado (e=0,15 m; R=0,39 mºC/W)
3- Caixa-de-ar (e=0,03 m; R=0,18 mºC/W)
4- Poliestireno expandido extrudido (e=0,10 m; λ=0,034 W/ mºC)
5- Alvenaria de tijolo furado (e=0,11 m; R=0,27 mºC/W)
6- Reboco de estuque (e=0,01 m; λ=0,57 W/mºC)

b) Parede exterior 2 (PE2)

Rtotal=4,43 mºC/W
UTotal=0,23 W/mºC

Legenda:

1- Revestimento de granito (e=0,04 m; λ=2,8 W/mºC)


2- Argamassa (e=0,03 m; λ =1,3 W/ mºC)
3- Alvenaria de tijolo furado (e=0,15 m; R=0,39 mºC/W)
4- Caixa-de-ar (e=0,04 m; R=0,18 mºC/W)
5- Reboco de estuque (e=0,01 m; λ=0,57 W/mºC)
6- Poliestireno expandido extrudido (e=0,12 m; λ=0,034 W/ mºC)

59
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

c) Parede exterior 3 (PE3)

Rtotal=4,45 mºC/W
UTotal=0,23 W/mºC

Legenda:

1- Revestimento de granito (e=0,04 m; λ=2,8 W/mºC)


2- Argamassa (e=0,04 m; λ =1,3 W/ mºC)
3- Alvenaria de tijolo furado (e=0,15 m; R=0,39 mºC/W)
4- Caixa-de-ar (e=0,10 m; R=0,18 mºC/W)
5- Reboco de estuque (e=0,02 m; λ=0,57 W/mºC)
6- Poliestireno expandido extrudido (e=0,12 m; λ=0,034 W/ mºC)

Dentro da envolvente exterior as pontes térmicas planas também entram neste


conjunto. Estas pontes térmicas referem-se a transferências de calor nos elementos
estruturais da habitação, como as vigas, pilares, lajes e escadas.

60
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

d) Ponte térmica plana 1 (Ptpe 1)

Esta ponte térmica é relativa ao pilar da parede exterior tipo 1.

Rtotal=2,41 mºC/W
UTotal=0,42 W/mºC

Legenda:

1- Reboco de cimento (e=0,02 m; λ=1,3 W/mºC)


2- Alvenaria de tijolo furado (e=0,07 m; R=0,19 mºC/W)
3- Poliestireno expandido extrudido (e=0,07 m; λ=0,034 W/ mºC)
4- Betão armado (e=0,25 m; λ=2,00 W/mºC)
5- Reboco de estuque (e=0,01 m; λ=0,057 W/ mºC)

61
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

e) Ponte térmica plana 2 (Ptpe 2)

Esta ponte térmica é relativa ao pilar da parede exterior 2.

Rtotal=3,28 mºC/W
UTotal=0,31 W/mºC

Legenda:

1- Revestimento de granito (e=0,04 m; λ=2,8 W/mºC)


2- Argamassa (e=0,04 m; λ =1,3 W/ mºC)
3- Alvenaria de tijolo furado (e=0,11 m; R=0,27 mºC/W)
4- Poliestireno expandido extrudido (e=0,09 m; λ=0,034 W/ mºC)
5- Betão armado (e=0,25 m; λ=2,00 W/mºC)
6- Reboco de estuque (e=0,01 m; λ=0,57 W/ mºC)

62
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

f) Ponte térmica plana 3 (ptpe 3)

Ponte térmica plana relativamente à viga tipo 1 na parede exterior 1.

Rtotal=2,67 mºC/W
UTotal=0,37 W/mºC

Legenda:
1- Reboco de cimento (e=0,01 m; λ=1,3 W/mºC)
2- Alvenaria de tijolo furado (e=0,07 m; R=0,19 mºC/W)
3- Poliestireno expandido extrudido (e=0,08 m; λ=0,034 W/ mºC)
4- Betão armado (e=0,25 m; λ=2,00 W/mºC)
5- Reboco de estuque (e=0,01 m; λ=0,57 W/ mºC)

63
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

g) Ponte térmica plana 4 (ptpe 4)

Ponte térmica plana relativamente à viga tipo 3 da parede exterior 1.

Rtotal=2,41 mºC/W
UTotal=0,42 W/mºC

Legenda:

1- Reboco de cimento (e=0,02 m; λ=1,3 W/mºC)


2- Alvenaria de tijolo furado (e=0,07 m; R=0,19 mºC/W)
3- Poliestireno expandido extrudido (e=0,07 m; λ=0,034 W/ mºC)
4- Betão armado (e=0,25 m; λ=2,00 W/mºC)
5- Reboco de estuque (e=0,01 m; λ=0,57 W/ mºC)

64
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

h) Ponte térmica plana 5 (Ptpe5)

Ponte térmica plana relativamente à viga tipo 2 na parede exterior 2.

Rtotal=2,41 mºC/W
UTotal=0,42 W/mºC

Legenda:

1- Revestimento de granito (e=0,04 m; λ=2,8 W/mºC)


2- Argamassa (e=0,04 m; λ =1,3 W/ mºC)
3- Alvenaria de tijolo furado (e=0,07 m; R=0,19 mºC/W)
4- Poliestireno expandido extrudido (e=0,12 m; λ=0,034 W/ mºC)
5- Betão armado (e=0,25 m; λ=2,00W/mºC)
6- Reboco de estuque (e=0,02 m; λ=0,57 W/mºC)

65
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

i) Ponte térmica plana 6 (Ptpe6)

Ponte térmica plana relativamente ao muro maciço em betão armado na parede


exterior 1.

Rtotal=3,40 mºC/W
UTotal=0,29 W/mºC

Legenda:
1- Reboco de cimento (e=0,02 m; λ=1,3 W/mºC)
2- Alvenaria de tijolo furado (e=0,11 m; R=0,27 mºC/W)
3- Caixa-de-ar (e=0,03 m; R=0,15 mºC/W)
4- Poliestireno expandido extrudido (e=0,10 m; λ=0,034 W/ mºC)
5- Betão armado (e=0,15 m; λ=2,00 W/mºC)
6- Reboco de estuque (e=0,01 m; λ=0,57 W/ mºC)

66
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

j) Cobertura exterior (Lce)

Esta cobertura refere-se ao espaço aquecido (escritório) do exterior.

Rtotal=3,03 mºC/W
UTotal=0,33 W/mºC

Legenda:

1- Laje aligeirada (e=0,25 m; λ=2,00 W/mºC)


2- Poliestireno expandido extrudido (e=0,10 m; λ=0,034 W/ mºC)
3- Placas de gesso cartonado (e=0,02 m; R=0,15 mºC/W)

67
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

5.8.3- Envolvente interior

a) Parede interior (PI1, PI2 e PI3)

Parede interior que divide o espaço útil do local não aquecido como: Garagem,
Lavandaria, Desvão não ventilado sobre a cobertura (PI1, PI2 e PI3 respectivamente).

Rtotal=3,66 mºC/W
UTotal=0,27 W/mºC

Legenda:
1- Reboco de estuque (e=0,02 m; λ=0,57 W/mºC)
2- Alvenaria de tijolo furado (e=0,11 m; R=0,27 mºC/W)
3- Poliestireno expandido extrudido (e=0,10 m; λ=0,034 W/ mºC)
4- Caixa-de-ar (e=0,04 m; R=0,15 mºC/W)

68
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

b) Pavimento interior 1 (PT1)

O pavimento interior 1 corresponde ao pavimento térreo do Hall de entrada,


Cozinha e todas as WC.

Rtotal=1,25 mºC/W
UTotal=0,80 W/mºC
Legenda:
1- Mosaico (e=0,04 m; λ=0,69 W/mºC)
2- Camada de regularização em argamassa (e=0,02 m; λ=1,80 mºC/W)
3- Betão leve (e=0,10 m; λ=2,00 W/ mºC)
4- Poliestireno expandido estrudido (e=0,03 m; λ=0,037 mºC/W)
5- Membrana impermeável (e=0.006 m; λ=0,23 mºC/W)
6- Blocos de assentamento (e=0,20 m; λ=1,30 mºC/W)

69
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

c) Pavimento interior 2 (PT2)

O pavimento interior 2 corresponde ao pavimento térreo dos quartos, sala de


estar, sala de jantar e vestuário.

Rtotal=1,46 mºC/W
UTotal=0,69 W/mºC
Legenda:
1- Pavimento em madeira (e=0,04 m; λ=0,15 W/mºC)
2- Camada de regularização em argamassa (e=0,02 m; λ=1,80 mºC/W)
3- Betão leve (e=0,10 m; λ=2,00 W/ mºC)
4- Poliestireno expandido estrudido (e=0,03 m; λ=0,037 mºC/W)
5- Membrana impermeável (e=0.006 m; λ=0,23 mºC/W)
6- Blocos de assentamento (e=0,20 m; λ=1,30 mºC/W)

70
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

d) Cobertura interior 1 (Lci 1)

Esta cobertura interior divide os espaços aquecidos do desvão não ventilado da


cobertura.

Rtotal=1,92 mºC/W
UTotal=0,52 W/mºC
Legenda:
1- Reboco de cimento (e=0,04 m; λ=1,80 W/mºC)
2- Poliestireno expandido extrudido (e=0,06 m; λ=0,037 mºC/W)
3- Laje aligeirada (e=0,20 m; λ=2,00 W/ mºC)
4- Reboco de estuque (e=0,02 m; λ=0,57 mºC/W)

71
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

5.8.4- Determinação das massas

Uma vez já identificados todos os materiais, podemos então determinar a massa


do elemento.
A massa de cada elemento traduz-se na massa volúmica desse material em
função da sua espessura.
Na determinação das massas foi necessário primeiro identificar a sua
localização, pois dependendo da sua localização existem valores máximos a adoptar. Na
figura 14 encontra-se representada as diferentes localizações bem como os seus
máximos.

Figura 14 – Caracterização dos valores máximos da massa em função da sua localização

72
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Nas tabelas seguintes encontram-se a determinação das massas para todas as


perdas.

Parede interior 1 PI1-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de estuque 0,015 0,00
Tijolo 0,110 0,00
XPS 0,100 0,00
Caixa-de-ar 0,04 0,00
Tijolo 0,110 1450 159,50
Reboco de estuque 0,015 1200 18,00
Mint 177,50
Mt 150,00
Tabela 28 – Cálculo da massa para a parede PI 1

Parede interior 1 PI2-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de estuque 0,015 0,00
Tijolo 0,110 0,00
XPS 0,100 0,00
Caixa-de-ar 0,04 0,00
Tijolo 0,110 1450 159,50
Reboco de estuque 0,015 1200 18,00
Mint 177,50
Mt 150,00
Tabela 29 – Cálculo da massa para a parede PI 2

Parede interior 1 PI3-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de cimento 0,015
Tijolo 0,110
XPS 0,100
Caixa-de-ar 0,04 0,00 0,00
Tijolo 0,110 1450 159,50
Reboco de estuque 0,015 1200 18,00
Mint 177,50
Mt 150,00
Tabela 30 – Cálculo da massa para a parede PI 3

73
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Parede interior 1 PI4-EL3


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de estuque 0,020 1200 24,00
Tijolo 0,110 1450 159,50
Reboco de estuque 0,020 1200 24,00
Mint 103,75
Mt 150,00
Tabela 31 – Cálculo da massa para a parede PI 4

Parede exterior 1 PE1-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de cimento 0,02 0,00
Tijolo 0,15 0,00
Caixa-de-ar 0,03 0,00
XPS 0,1 0,00
Tijolo 0,11 1450 159,50
Reboco de estuque 0,01 1200 12,00
Mint 171,500
Mt 150,000
Tabela 32 – Cálculo da massa da parede PE 1

Parede exterior 2 PE2-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Granito 0,04 0,00
Argamassa 0,03 0,00
Tijolo 0,15 0,00
Caixa-de-ar 0,04 0,00
XPS 0,12 0,00
Tijolo 0,15 1450,0 217,50
Reboco de estuque 0,01 1200 12,00
Mint 229,500
Mt 150,000
Tabela 33 –Cálculo da massa da parede PE 2

74
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Parede exterior 3 PE3-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Granito 0,04 0,00
Argamassa 0,04 0,00
Tijolo 0,15 0,00
Caixa-de-ar 0,1 0,00
XPS 0,12 0,00
Tijolo 0,15 1450,0 217,50
Reboco de estuque 0,02 1200 24,00
Mint 241,500
Mt 150,000
Tabela 34 – Cálculo da massa da parede PE3

Laje Esteira Lci-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de Cimento 0,04 0,00
XPS 0,06 0,00
Laje aligeirada 0,20 2400 480,00
Reboco de estuque 0,02 1200 24,00
Mint 504,000
Mt 150,000
Tabela 35 – Cálculo da massa da laje de esteira

Laje do escritório Lci2-EL3


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Pavimento em madeira carvalho 0,04 750 30,00
Reboco de Cimento 0,02 2100 42,00
Laje aligeirada 0,20 2400 480,00
Reboco de estuque 0,02 1200 24,00
Mint 576,000
Mt 300,000
Tabela 36 – Cálculo da massa da laje do escritório

Cobertura Lce-EL1
Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Laje aligeirada 0,25 0,00
XPS 0,10 0,00
Gesso Cartonado 0,02 900 14,40
Mint 14,400
Mt 150,000
75
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Tabela 37 – Cálculo da massa da cobertura

Pavimento Térreo PT1-EL2


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Bloco de assentamento 0,2 0,00
Membrana impermeável 0,006 0,00
XPS 0,03
Betão leve 0,1 2400 240,00
Reboco de cimento 0,02 2100 42,00
Ladrilho 0,04 1600 64,00
Mint 346,000
Mt 150,000
Tabela 38 – Cálculo da massa do pavimento térreo PT1

Pavimento Térreo PT2 -EL2


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Bloco de assentamento 0,2 0,00
Membrana impermeável 0,006 0,00
XPS 0,03
Betão leve 0,1 2400 240,00
Reboco de cimento 0,02 2100 42,00
Madeira 0,04 750 30,00
Mint 312,000
Mt 150,000
Tabela 39 – Cálculo da massa do pavimento térreo PT 2

Ponte térmica plana (Pilar-Parede ext 1) Ptpe1-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de cimento 0,02 0,00
Tijolo 0,07 0,00
XPS 0,07 0,00
Betão 0,25 2500 625,00
Reboco de estuque 0,01 1200 12,00
Mint 637,000
Mt 150,000
Tabela 40 – Cálculo da massa para a Ptpe 1

76
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Ponte térmica plana (Pilar-Parede ext 2) Ptpe2-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Granito 0,04 0,00
Tijolo 0,15 0,00
XPS 0,09 0,00
Betão 0,25 2500 625,00
Reboco de estuque 0,01 1200 12,00
Mint 637,000
Mt 150,000
Tabela 41 – Cálculo da massa para a Ptpe 2

Ponte térmica plana (viga 1-PE1) Ptpe3-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de cimento 0,02 0,00
Tijolo 0,07 0,00
XPS 0,08 0,00
Betão 0,25 2500 625,00
Reboco de estuque 0,01 1200 12,00
Mint 637,000
Mt 150,000
Tabela 42 – Cálculo da massa para a Ptpe 3

Ponte térmica plana (viga 3-PE1) Ptpe4-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de cimento 0,02 0,00
Tijolo 0,07 0,00
XPS 0,07 0,00
Betão 0,25 2500 625,00
Reboco de estuque 0,01 1200 12,00
Mint 637,000
Mt 150,000
Tabela 43 – Calculo da massa para a Ptpe 4

77
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Ponte térmica plana (viga 2-PE2) Ptpe5-EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Granito 0,04 0,00
Argamassa 0,04 0,00
Tijolo 0,07 0,00
XPS 0,12 0,00
Betão 0,25 2500 625,00
Reboco de estuque 0,02 1200 24,000
Mint 649,000
Mt 150,000
Tabela 44 – Cálculo da massa para a Ptpe 5

Ponte térmica plana (Muro-PE1) Ptpe6_EL1


Material e (m) Massa(kg/m) e*massa
Reboco de cimento 0,02 0,00
Tijolo 0,11 0,00
Caixa-de-ar 0,03 0,00
XPS 0,1 0,00
Betão 0,15 2500 375,00
Reboco de estuque 0,01 1200 12,00
Mint 387,000
Mt 150,000
Tabela 45 – Cálculo da massa para a Ptpe 6

Com as massas todas calculadas calculou-se por fim a inercia térmica da


habitação, o cálculo da inercia térmica encontra-se no anexo D.

78
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

5.9- Pontes térmicas lineares

5.9.1- Elementos em contacto com o solo

Para as pontes térmicas lineares para elementos em contacto com o solo foi
considerado um coeficiente de transmissão térmica linear () de 1,50 para todo o piso
da habitação.

5.9.2- Pontes térmicas lineares exteriores

Para atender à não unidireccionalidade dos fluxos de calor através dos elementos
superficiais referidos nos pontos anteriores, no quadro 13 estão apresentados os valores
dos coeficientes de transmissão térmica linear ψ para as situações verificadas na
habitação em análise.

Coeficiente de transmissão
Descrição da configuração Esquema adoptado
térmica linear ()

 = 0,80 W/mºC
Ar
Tabela Ar do RCCTE
Ligação da fachada com ep = 0,25m – Espessura da laje
pavimentos térreos
Isolamento repartido ou isolante
na caixa de ar de paredes duplas

Dr  = 0,70 W/mºC
Ligação da fachada com Tabela Dr do RCCTE

cobertura inclinada ou ep = 0,25m – Espessura da laje

terraço
Isolamento térmico colocado
Isolamento da parede dupla
Na face superiorr da laje
localizado na caixa-de-ar

79
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Fr  = 0,20 W/mºC
Ligação entre duas paredes
verticais Tabela Fr do RCCTE
Isolamento da parede dupla Parede com espessura ≥30 m
localizado na caixa-de-ar

Hr  = 0,20 W/mºC

Tabela Hr do RCCTE
Ligação da fachada
Admite-se que não haja contacto
com padieira, ombreira entre o isolamento térmico e a
ou peitoril caixilharia
Quadro 13 – Coeficientes de transmissão térmica das pontes térmicas lineares

5.9.3- Pontes térmicas lineares interiores

Para atender à não unidireccionalidade dos fluxos de calor através dos elementos
superficiais referido anteriormente, são também considerados os valores dos

coeficientes de transmissão térmica linear ψ para as situações verificadas no interior da

habitação, nomeadamente no que se refere as paredes interiores que confinam com

espaços não úteis em que Շ > 0,7. No caso concreto esta situação aplica-se à parede

interior descrita acima como PI1, PI2 e PI3.

80
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

5.10- Envidraçados

A habitação em estudo possui vários envidraçados, nas figuras 15 e 16 estão


apresentados todos os envidraçados da habitação.

Figura 15 – Planta identificativa dos envidraçados do rés-do-chão

Figura 16 – Planta identificativa dos envidraçados da cobertura

81
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

5.10.1- Principais características dos vãos envidraçados

Na identificação dos vãos envidraçados foi necessário definir as suas


características quanto ao tipo de vidro, tipo de caixilharia, existência de quadrícula ou
não nas superfícies, tipo de oclusão nocturna e o seu coeficiente de transmissão térmica.
No quadro 14 encontra-se todas as características dos envidraçados.

Identificação/ localização dos Todos os vãos da Vãos (19 e 20) da


vãos habitação cobertura
Vidro duplo incolor Vidro duplo incolor
Características dos vidros
(4+8+5mm) (4+8+5mm)
Caixilharia simples Caixilharia simples
Características da caixilharia
metálica metálica
Tipo de abertura da
Sistema de correr Basculante
caixilharia
Existência de quadrícula nas
Não Não
superfícies envidraçadas
Fracção envidraçada 0,65 0,65
Tipo de protecção solar
Portadas metálicas Sem protecção
(tipo/posição/cor)
Tipo de obstrução ao ar Baixa permeabilidade Baixa permeabilidade
Coeficiente de transmissão
Uw= 2,8W/m2ºC Uw= 2,8W/m2ºC
térmica
Quadro 14 – Características dos envidraçados

No anexo C onde apresentam-se individualmente as características dimensionais dos


diversos vãos, respectivas orientações (factores de orientação) e factores de obstrução, bem
como o cálculo da área efectiva dos vãos. Os elementos em causa serviram de base para o
preenchimento das folhas de cálculo FC IV.1e e FC V.1d apresentadas no anexo E.

82
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

Para a definição da fracção envidraçada considerada para os envidraçados do edifício


(Fg) foram adoptados os valores constantes do Quadro IV.5 do RCCTE.
O factor de correcção dos ganhos solares devidos à variação das propriedades do vidro
com o ângulo de incidência da radiação solar directa (Fw) assume para os vidros duplos o valor
de 0,9 para o cálculo das necessidades nominais de aquecimento, enquanto que para o período
de arrefecimento, o factor de correcção Fw assume para vidro duplo os valores do quadro V.3
do RCCTE a seguir indicados, este factor varia em função da orientação dos envidraçados.

Orientação N NE/NW E/W SE/SW S


Fw 0,80 0,85 0,85 0,85 0,75
Quadro 15 – Factor de correcção Fw para as diferentes orientações

5.11. Preenchimento das folhas de cálculo

Após determinadas todas as características, procedeu-se ao preenchimento das


folhas de cálculo do RCCTE, pois como o edifício não se encontra em nenhum dos
casos indicados no ponto 9 do artigo 2º do Decreto-Lei nº 80/2006 de 4 de Abril, será
então verificado o cumprimento dos requisitos energéticos através do preenchimento
das fichas 1 a 3 e das folhas de cálculo dos valores das necessidades nominais de
energia do edifício Nic, Nvc, Nac e Ntc. Estas folhas de cálculo encontram-se no anexo 3.

5.12. Classe energética

Atendendo aos valores obtidos para as necessidades globais anuais nominais


específicas de energia primária Ntc e Nt, obteve-se para o edifício em análise a Classe
de Eficiência Energética: A.

83
Consultores de Engenharia, Projectos e Planeamento, Lda

VI – Conclusões finais

No decorrer do estágio surgiram dúvidas que facilmente foram superadas com a


ajuda do orientador da empresa. Foi uma fase de pura aprendizagem, é sem dúvida na
fase de estágio que somos confrontados com situações reais e que não podemos deixar
de as fazer.
A nível profissional foi importante a valorização conseguida quanto à
responsabilidade depositada.
A realização do estágio é sem dúvida uma mais vaila para um futuro próximo no
exercício da actividade.

84
B

A
B

10 9
11a
15 14 11b
13 12

16

17

18
3a 3b 4 5

1 2

A
B

A
Folha Anexa 2

CALCULO DAS NECESSIDADESNOMINAIS ANUAIS GLOBAIS DE


ENERGIA PRIMÁRIA - Ntc

0,1
x
2
Necessidades Nominais de Aquecimento - Nic 127,76 (kWh/m ano)
/
Eficiência de conversão do sistema de aquecimento - i 1
x
Factor de conversão Fpu entre energia útil e energia primária 0,086 (kgep/kWh)
+
0,1
x
2
Necessidades Nominais de Arrefecimento - Nvc 6,97 (kWh/m ano)
/
Eficiência de conversão do sistema de arrefecimento - i 3
x
Factor de conversão Fpu entre energia útil e energia primária 0,29 (kgep/kWh)
+
2
Necessidades de Energia para preparação de AQS - Nac 9,23 (kWh/m ano)
x
Factor de conversão Fpu entre energia útil e energia primária 0,086 (kgep/kWh)
=
2
Cálculo das necessidades nominais anuais globais de energia primária - Ntc 1,96 (kgep/m ano)

2
Limite máximo das necessidades anuais globais de energia primária - Nt 4,83 (kgep/m ano)
Folha Anexa 1

CALCULO DAS NECESSIDADES DE ENERGIA PARA PREPARAÇÃO DE


ÁGUA QUENTE SANITÁRIA - Nac

Consumo percapita de referência de AQS em edifícios de habitação a 60ºC 40 (litros/dia)


x
Nº de ocupantes (Quadro VI.1) 5
=
Consumo médio diário de referência de AQS - MAQS 200 (litros/dia)
x
4187
x
Aumento de temperatura necessário para preparar as AQS - DT 45 (ºC)
x
Número anual de dias de consumo de AQS - nd (Quadro VI.2) 365 (dias)
/
3600000
=
Energia útil dispendida com sistemas convencionais de preparação de AQS - Qa 3820,64 (kWh/ano)
/
Eficiência de conversão do sistema de preparação de AQS - s 0,8
=
Energia total dispendida com sistemas convencionais de preparação de AQS 4775,80 (kWh/ano)

Contribuição de sistemas de colectores solares para o aquecimento de AQS - Esolar 2686 (kWh/ano)

Contribuição de quaisquer outras formas de energias renováveis - Eren (kWh/ano)


=
2089,80
/
2
Área útil do pavimento - Ap 226,47 (m )

=
2
Necessidades de Energia para preparação de AQS - Nac 9,23 (kWh/m ano)

2
Limite máximo das necessidades de energia para preparação da AQS - Na 26,11 (kWh/m ano)
Folha de cálculo FC IV.1a

Perdas associadas à envolvente exterior

Paredes exteriores Área U U·A


(m2) (W/m2ºC (W/ºC)
PE1 73,44 0,27 19,83
PE2 15,00 0,23 3,45
PE3 2,70 0,26 0,70
Ptpe1 1,46 0,42 0,61
Ptpe2 1,13 0,31 0,34
Ptpe3 16,86 0,37 6,24
Ptpe4 0,54 0,42 0,22
Ptpe5 5,00 0,27 1,32
Ptpe6 2,43 0,29 0,70
0,00
TOTAL 33,42

Pavimentos exteriores Área U U·A


(m2) (W/m2ºC (W/ºC)
0,00
0,00
0,00
0,00
TOTAL 0,00

Coberturas exteriores Área U U·A


(m2) (W/m2ºC (W/ºC)
Lce 24,59 0,33 8,12
0,00
0,00
0,00
0,00
TOTAL 8,12

Paredes e Pavimentos Perímetro 


em contacto com o Solo B(m) (W/m ºC) W/ºC)
LP1 51,50 1,20 61,80
LP2 150,31 1,20 180,37
0,00
0,00
0,00
0,00
TOTAL 242,17

Pontes Térmicas Lineares Comp. 


Ligações entre: (m) (W/m ºC) W/ºC)
Fachada com os Pavimentos térreos - A 67,36 0,80 53,89
Fachada com Pavimentos - B 0,00 0,00 0,00
Fachada com Pavimentos intermédios - C 0,00 0,00 0,00
Fachada com Cobertura inclinada ou Terraço - D 67,69 0,70 47,38
Fachada com Varanda - E 0,00 0,00 0,00
Duas Paredes verticais - F 27,00 0,20 5,40
Fachada com Caixa de estore - G 35,40 0,20 7,08
Fachada com Padieira, Ombreira ou Peitoril - H 0,00 0,00 0,00
Outras 0,00
TOTAL 113,75
(W/ºC) TOTAL 397,46
Folha de cálculo FC IV.1b

Perdas associadas à envolvente interior

Paredes em contacto com espaços Área U U·A·


não-úteis ou edifícios adjacentes (m2) (W/m2ºC (-) (W/ºC)
PI1 23,22 0,27 0,80 5,02
PI2 5,49 0,27 0,80 1,19
PI3 34,35 0,27 0,80 7,42
0,00
0,00
0,00
0,00
TOTAL 13,62

Pavimentos sobre espaços não úteis Área U U·A·


(m2) (W/m2ºC (-) (W/ºC)
0,00
0,00
0,00
0,00
TOTAL 0,00

Coberturas interiores Área U U·A·


(tectos sobre espaços não-úteis) (m2) (W/m2ºC (-) (W/ºC)
Lci1 209,60 0,70 0,00
Lci2 24,66 0,70 0,00
0,00
0,00
TOTAL 0,00

Vãos envidraçados em contacto Área U U·A·


com espaços não-úteis (m2) (W/m2ºC (-) (W/ºC)
0,00
0,00
0,00
0,00
TOTAL 0,00

Pontes térmicas (apenas para paredes de Comp. ·


separação para espaços não-úteis com 0,7) B (m) (W/m ºC) (-) (W/ºC)
0,00
0,00
0,00
0,00
TOTAL 0,00

Perdas pela envolvente interior (W/ºC) TOTAL 13,62


da Fracção Autónoma

Incluir ogrigatóriamente os elementos que separam a Fracção Autónoma dos


seguintes espaços:
- Zonas comuns em edifícios com mais de uma Fracção Autónoma;
- Edifícios anexos;
- Garagens, armazéns, lojas e espaços não-úteis similares;
- Sótãos não-habitados.
Folha de cálculo FC V.1e

Ganhos internos

Ganhos internos médios (W/m 2) (Quadro IV.3) 4


x
Área útil de pavimento (m2) 226,47
x
2,928
=
Ganhos internos totais 2652,42 (kWh)

Folha de cálculo FC V.1f

Ganhos totais na estação de arrefecimento (Verão)

Ganhos solares pelos vãos envidraçados exteriores (FC V.1d) 1328,98 (kWh)

Ganhos solares pela envolvente opaca exterior (FC V.1c) 532,89 (kWh)
+
Ganhos internos (FC V.1e) 2652,42 (kWh)
=
Ganhos térmicos totais 4514,29 (kWh)

Folha de cálculo FC V.1g

Valor das necessidades nominais de arrefecimento (Nvc)

Ganhos térmicos totais (FC V.1f) 4514,29


/
Perdas térmicas totais (FC V.1a) 3199,51
=
1,41

Inércia do edifício Forte

Factor de utilização dos ganhos solares, 0,65


=
0,35
x
Ganhos térmicos totais (FC V.1e) 4514,29 (kWh)
=
Necessidades brutas de arrefecimento 1578,26 (kWh/ano)
+
Consumo dos ventiladores (Ev = Pv 240,034 (kWh))
(se houver, exaustor da cozinha excluído) =
TOTAL 1578,26 (kWh/ano)
/
Área útil de pavimento (m2) 226,47
=
2
Necessidades nominais de arrefecimento - Nvc 6,97 (kWh/m ano)

2
Necessidades nominais de arref. máximas - Nv 16 (kWh/m ano)
Folha de cálculo FC V.1c

Ganhos solares pela envolvente opaca

POR ORIENTAÇÃO E HORIZONTAL

Tipo Parede: PE1 PE1 PE1 PE1 PE1 PE1 PE1 PE2 PE2 PE3 Ptpe1 Ptpe1 Ptpe2 Ptpe2 Ptpe3 Ptpe3 Ptpe3 Ptpe3 Ptpe3 Ptpe3 Ptpe4 Ptpe5 Ptpe5 Ptpe6 Porta Porta
Orientação: SE S SW W NW NE N E SE NE S W E SE SE S SW W NW NE SW E SE NW SE SW
Área A (m2) 3,86 23,33 10,41 22,45 8,91 2,59 1,89 10,84 4,16 2,70 0,45 1,01 0,56 0,56 1,10 5,60 2,04 5,19 2,40 0,52 0,54 2,61 2,39 2,43 1,45 1,30
x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x
U (W/m2 ºC) 0,33 0,33 0,33 0,33 0,33 0,33 0,33 0,31 0,31 0,30 0,50 0,50 0,40 0,40 0,50 0,50 0,50 0,50 0,50 0,50 0,50 0,40 0,40 0,43 2,2 2,2
x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x
Coeficiente de absorção (Quadro V.5) 0,8 0,8 0,8 0,8 0,8 0,8 0,8 0,8 0,8 0,8 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,8 0,8
= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =
·U·A 1,02 6,16 2,75 5,93 2,35 0,68 0,50 2,69 1,03 0,65 0,09 0,20 0,09 0,09 0,22 1,12 0,41 1,04 0,48 0,10 0,11 0,42 0,38 0,42 2,55 2,29 (W/ºC)
x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x
Int. de rad. solar na estação de arrefec. (kWh/m2) 430 380 430 420 300 300 200 420 430 300 380 420 420 430 430 380 430 420 300 300 430 420 430 300 430 430
(Quadro III.9) x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x
0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04
= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = TOTAL
Ganhos solares pela envolvente exterior 17,53 93,62 47,27 99,57 28,23 8,21 3,99 45,16 17,74 7,78 1,37 3,38 1,51 1,55 3,79 17,03 7,03 17,44 5,76 1,24 1,85 7,02 6,56 5,02 43,89 39,35 532,89 (kWh)
Folha de cálculo FC V.1d

Ganhos solares pelos envidraçados exteriores

POR ORIENTAÇÃO E HORIZONTAL

Orientação: E SE S SW W NW Hor. ….. ….. ….. ….. ….. ….. ….. ….. ….. …..
Tipo de vidro: VD VD VD VD VD VD VD

Área A (m2)
x x x x x x x x x x x x x x x x x x x
Factor solar do vão envidraçado (1)

x x x x x x x x x x x x x x x x x x x
Fracção envidraçada Fg (Quadro IV.5)
x x x x x x x x x x x x x x x x x x x
Factor de obstrução Fs (2)
x x x x x x x x x x x x x x x x x x x
Factor de selectividade do vidro Fw (Quadro V.3)
= = = = = = = = = = = = = = = = = = =
Área efectiva As (VER ANEXO C) => 0,146 0,675 0,502 0,238 0,563 0,191 0,535 (m2)
x x x x x x x x x x x x x x x x x x x
Int. de rad. solar na estação de arrefec. (kWh/m2) 420 430 380 430 420 300 730
(Quadro III.9) = = = = = = = = = = = = = = = = = = = TOTAL
Ganhos solares pela envolvente exterior 61,32 290,25 190,76 102,34 236,46 57,30 390,55 1328,98 (kWh)

(1)
Para dispositivos de sombreamento móveis considera-se a soma de 30% do factor solar do vidro (Tabela IV.4) e 70% do factor solar do envidraçado com a protecção móvel actuada (Quadro V.4)
(2)
Para a estação de arrefecimento o factor de obstrução Fs é calculado pelo produto Fo·Ff dos Quadros V.1 e V.2
Folha de cálculo FC V.1b

Perdas associadas a coberturas e envidraçados exteriores

Perdas associadas às coberturas exteriores


Coberturas exteriores Área U U·A
2 2
(m ) (W/m ºC (W/ºC)
Lce 24,592 0,33 8,12

TOTAL 8,12
Perdas associadas aos envidraçados exteriores
Envidraçados exteriores Área U U·A
2 2
(m ) (W/m ºC (W/ºC)
Verticais:
c/ protecções exteriores 2,8 2,8 7,84

Horizontais:
s/ protecções exteriores 2,8 2,8 7,84

TOTAL 15,68

Nota - O valor de U das coberturas a usar nesta ficha corresponde à situação de Verão.
Folha de cálculo FC V.1a

Perdas

Perdas associadas às paredes exteriores (U·A) (FC IV.1a) 33,42 (W/ºC)


+
Perdas associadas aos pavimentos exteriores (U·A) (FC IV.1a) (W/ºC)
+
Perdas associadas às coberturas exteriores (U·A) (FC IV.1a) 8,12 (W/ºC)
+
Perdas associadas aos envidraçados exteriores (U·A) (FC IV.1c) 15,68 (W/ºC)
+
Perdas associadas à renovação de ar (FC IV.1d) 124,90 (W/ºC)
=
Perdas específicas totais (Q1a) 182,12 (W/ºC)

Temperatura interior de referência 25 (ºC)

Temperatura média do ar exterior na estação de arrefecimento (Quadro III.9) 19 (ºC)


=
Diferença de temperatura interior-exterior 6 (ºC)
x
Perdas específicas totais (Q1a) 182,12 (W/ºC)
x
2,928
=
Perdas térmicas totais (Q1b) 3199,51 (kWh)
Folha de cálculo FC IV.1f

Valor máximo das necessidades de aquecimento (Ni)

FACTOR DE FORMA

2
Das FC IV.1a e 1c: (Áreas) m

Paredes Exteriores 118,54


Coberturas Exteriores 24,59
Pavimentos Exteriores
Envidraçados Exteriores 5,60

Da FC IV.1b: (Áreas equivalentes A ·

Paredes Interiores 50,44


Coberturas Interiores 163,98
Pavimentos Interiores
Envidraçados Interiores

Área Total: 363,16


/
Volume (da (FC IV.1d) 612,26
=
FF 0,593

Graus-Dia no Local (ºC dia) 2900

Ni = 4,5 + 0,0395 GD para FF  0,5


Ni = 4,5 + (0,021 + 0,037 FF) GD para 0,5 < FF  1

Ni = [4,5 + (0,021 + 0,037 FF) GD] (1,2 - 0,2 FF) para 1 < FF  1,5
Ni = 4,05 + 0,06885 GD para FF > 1,5

2
Nec. Nom. de Aquec. Máximas - Ni (kWh/m ·ano) 129,04
Folha de cálculo FC IV.1e

Ganhos úteis na estação de aquecimento (Inverno)

Ganhos Solares:

Factor de Factor Solar Factor de Fracção Factor de


Orientação do Tipo Área Área Efectiva
orientação do vidro Obstrução envidraçada Sel. Angular
vão (simples ou
2 2
envidraçado duplo) A (m ) X(-) g (-) Fs(-) Fg (-) Fw (-) Ae (m )
Fh·Fo·Ff
S V. D. 1,65 1,00 0,63 0,81 0,7 0,90 0,530
SE V. D. 1,65 0,84 0,63 0,79 0,7 0,90 0,436
SE V. D. 0,80 0,84 0,63 0,48 0,7 0,90 0,128
SE V. D. 0,15 0,84 0,63 0,49 0,7 0,90 0,025
SE V. D. 4,80 0,84 0,63 0,58 0,7 0,90 0,928
E V. D. 1,65 0,56 0,63 0,59 0,7 0,90 0,216
SW V. D. 0,15 0,84 0,63 0,34 0,7 0,90 0,017
NW V. D. 1,65 0,33 0,63 0,84 0,7 0,90 0,182
SW V. D. 0,15 0,84 0,63 0,34 0,7 0,90 0,017
SW V. D. 0,80 0,84 0,63 0,43 0,7 0,90 0,115
W V. D. 1,65 0,56 0,63 0,48 0,7 0,90 0,177
W V. D. 3,20 0,56 0,63 0,48 0,7 0,90 0,343
W V. D. 0,94 0,56 0,63 0,60 0,7 0,90 0,125
W V. D. 1,65 0,56 0,63 0,60 0,7 0,90 0,220
SW V. D. 1,65 0,84 0,63 0,79 0,7 0,90 0,436
S V. D. 0,94 1,00 0,63 0,81 0,7 0,90 0,302
S V. D. 1,65 1,00 0,63 0,81 0,7 0,90 0,530
S hori. V. D. 0,76 0,89 0,63 0,86 0,7 0,90 0,230
W hori. V. D. 3,20 0,89 0,63 0,86 0,7 0,90 0,966

2
Área Efectiva Total equivalente na orientação SUL (m ) 5,923

Radiação incidente num envidraçado a Sul (G sul) x


2
na Zona: I3 (kWh/m ·mês) - do Quadro 8 (Anexo III) 90
x
Duração da Estação de Aquecimento (meses) 8
=
Ganhos Solares Brutos (kWh/ano) 4264,6

Ganhos Internos:

2
Ganhos internos médios (Quadro IV.3) 4 (W/m )
x
Duração da Estação de Aquecimento 8 (meses)
x
2
Área Útil de pavimento 226,47 (m )
x
0,72
=
Ganhos Internos Brutos 5217,9 (kWh/ano)

Ganhos Totais Úteis:

Ganhos Solares Brutos + Ganhos Internos 9482,4


Nec. Brutas de Aquecimento (da FC IV.2) 38395,7

Inércia do edifício: Forte 0,247

Factor de Utilização dos Ganhos Solares ( 0,998


x
Ganhos Solares Brutos + Ganhos Internos 9482,4
=
Ganhos Totais Úteis (kWh/ano) 9462
Folha de cálculo FC IV.1d

Perdas associadas à renovação de ar

2
Área Útil de pavimento (Ap) 226,47 (m )

x
Pé-direito médio 2,7035077 (m)
=
3
Volume interior (V) 612,26 (m )

VENTILAÇÃO NATURAL

Cumpre NP 1037-1 ? (S ou N) Não se SIM: RPH = 0,6

Se NÃO:

Classe da Caixilharia (s/c 1, 2 ou 3) SC


Taxa de Renovação
Caixas de estore ? (S ou N) Não nominal:

Classe de exposição (1, 2, 3 ou 4) 2 RPH = 0,9

Aberturas auto-reguladas ? (S ou N) Sim


Área de envidraçados > 15% A p ? (S ou N) Não
Ver Quadro IV.1
Portas exteriores bem vedadas ? (S ou N) Sim

VENTILAÇÃO MECÂNICA (excluir exaustor de cozinha)

3
Caudal de insuflação Vins - (m /h)
Vf =
3
Caudal extraído Vev - (m /h)
3
Diferença entre V ins e Vev (m /h) / V=

Infiltrações (Vx) (volume int) (RPH)

Recuperador de Calor (S ou N) se SIM: =


se NÃO: = 0

Taxa de Renovação nominal (mínimo: 0,6) 0,6 [(Vf + Vx)/ V )] (1 - )

Consumo de electricidade para os ventiladores (Ev = Pv 240,03M (kWh))

Volume 612,263
x
Taxa de Renovação nominal 0,6
x
0,34
=
TOTAL 124,90 (W/ºC)
Folha de cálculo FC IV.2

Cálculo do indicador (Nic)

Perdas térmicas associadas a: (W/ºC)

Envolvente Exterior (da FC IV.1a) 397,46

Envolvente Interior (da FC IV.1b) 13,62

Vãos Envidraçados (da FC IV.1c) 15,68

Renovação de Ar (da FC IV.1d) 124,90


=
Coeficiente Global de Perdas (W/ºC) 551,66
x
Graus-Dia no Local (ºC·dia) 2900
x
0,024
=
Necessidades Brutas de Aquecimento (kWh/ano) 38396
+
Energ. eléctr. necessária aos ventil. (kWh/ano)

Ganhos Totais Úteis (da FC IV.1e) (kWh/ano) 9462


=
Necessidades de Aquecimento (kWh/ano) 28933
/
Área Útil de pavimento (m2) 226,47
=
2
Nec. Nominais de Aquecimento - Nic (kWh/m ·ano) 127,76
<
2
Nec. Nom. De Aquec. Máximas - Ni (kWh/m ·ano) 129,04
DADOS DE BASE

Câmara Municipal de: Guarda


Tipo de edifício: Moradia unifamiliar (p.e.: Construção de moradia unifamiliar; Reabilitação de apartamento; etc.)
Localização:
CP:
Nº de fracções autónomas: 1
Nº de corpos: 1
Promotor:
Fracção autónoma em estudo: Habitação (Nº Letra ou Habitação, Comércio, etc.)

Concelho Guarda

Altitude 865 m

Zonas Climáticas: Inverno - I3 (Avaliar eventuais alterações Quadro III.2)


Verão - V1 (Avaliar eventuais alterações Quadro III.3)

Norte/Sul: Norte Ver ponto 1.1 do anexo III do RCCTE

ATENÇÃO: Concelhos de Pombal, Leiria e Alcobaça (podem ser I1 numa faixa de 10km da costa
com alteração do valor dos Graus-Dia e Duração da Estação de Aquecimento.
Concelhos de Pombal e Santiago do Cacém (podem ser V1 numa faixa de 15 km da costa)
com alteração da temperatura exterior de cálculo) e concelho de Alcácer do Sal (pode ser
V2 numa faixa de 10 km da costa)

Graus-dias: 2900 ºC·dia


Duração Aquec. 8 Meses
Temp. média ext. referência estação arref.Verão: 19 ºC (Quadro III.9)

Área útil de pavimento Ap: 226,47 m2


Pé-Direito Médio (ponderado) Pd: 2,70 m Preencher primeiro ANEXO B

Radiação incidente num envidraçado a Sul (G sul): 90 (kWh/m 2·mês) [Quadro 8 (Anexo III)]

Ganhos internos médios: 4 (W/m )2


(Quadro IV.3)

Inércia (FORTE / MÉDIA/FRACA): Forte 4,2 Preencher primeiro Anexo D


Controlo

Coeficiente de absorção das paredes: 0,4


Coeficiente de absorção das coberturas: 0,5

2
Necessidades nominais de arref. máximas - Nv 16 (kWh/m ano)
VENTILAÇÃO
VENTILAÇÃO NATURAL

Cumpre NP 1037-1 ? (SIM/NÃO) Não

Se NÃO:

Classe de exposição (1, 2, 3 ou 4) 2 Região A - As zonas não pertencentes à região B


Região B - Açores, Madeira, localidades numa faixa de 5 Km junto à costa ou a uma altitude superior a 600 m

H med = 0,198694 Rugosidade I - Edifícios no interior de zonas urbanas


Preencher primeiro Anexo C Rugosidade II - Edifícios na periferia de zona urbana ou em zona rural
Rugosidade III - Edifícios em zonas muito expostas (sem obstáculos que atenuem o vento)

Classe da Caixilharia (SC, 1, 2 ou 3) SC

Caixas de estore ? (SIM/NÃO) Não

Aberturas auto-reguladas ? (SIM/NÃO) Sim

RPH : 0,95

Se existirem aberturas de admissão de ar que, para diferenças de pressão entre 20Pa e 200 Pa, não garantam que
o caudal não varie mais de 1,5 vezes, os valores do QUADRO IV.1 deverão ser agravados de 0,1.

Área de envidraçados > 15% Ap ? (SIM/NÃO) Não Se "SIM" agrava 0,1 Preencher primeiro a Folha FCIV.1c Aenv: 5,60
0,15Ap: 33,9705

Portas exteriores bem vedadas ? (SIM/NÃO) Sim Se "SIM" reduz 0,05 desde que não cumpra NP 1037-1 Aenv/Ap: 0,024727

RPH : 0,9

VENTILAÇÃO MECÂNICA (excluir exaustor de cozinha)

Caudal de insuflação: Vins - (m 3/h)

Caudal de extracção: Vev - (m 3/h)

Potência dos ventiladores: kW

Diferença entre Vins e Vev: (m 3/h) / V= RPH

Infiltrações: (Vx/V) RPH

Recuperador de Calor: (SIM/NÃO) se SIM: =


se NÃO: =0
Vf =

Taxa de Renovação nominal: 0,6 (mínimo: 0,6) [(Vf + Vx)/ V )] (1 - )


Valor real:

RPH : 0,6
PRODUÇÃO DE ÁGUAS QUENTES

Nº de ocupantes (Quadro VI.1) 5

Número anual de dias de consumo de AQS - n d (Quadro VI.2) 365

Eficiência de conversão do sistema de preparação de AQS - s 0,8

Contribuição de sistemas de colectores solares para o aquecimento de AQS - E solar 2686 <== Do programa Soltherm

Contribuição de quaisquer outras formas de energias renováveis - E ren

Termoacumulador eléctrico com pelo menos 100mm de isolamento térmico 0,95


Termoacumulador eléctrico com 50 a 100mm de isolamento térmico 0,90
Termoacumulador eléctrico com menos de 50mm de isolamento térmico 0,80

Termoacumulador a gás com pelo menos 100mm de isolamento térmico 0,80


Electricidade: 0,29 Termoacumulador a gás com 50 a 100mm de isolamento térmico 0,75
Factor de conversão Fpu Combustíveis sólidos, líquidos e gasosos: Fpu=0,086 Termoacumulador a gás com menos de 50mm de isolamento térmico 0,70

Energia para aquecimento: 0,086 Caldeira mural com acum. com pelos menos 100mm de isolamento térmico 0,87
Energia para arrefecimento: 0,29 Caldeira mural com acum. com 50 a 100mm de isolamento térmico 0,82
Caldeira mural com acum. com menos de 50mm de isolamento térmico 0,65
Energia para AQS: 0,086
Esquentador a gás 0,50

Eficiência de conversão do sistema de aquecimento - i 1

Eficiência de conversão do sistema de arrefecimento - v 3

RESISTÊNCIA ELÉCTRICA 1
CALDEIRA A COMBUSTÍVEL GASOSO 0,87
CALDEIRA A COMBUSTÍVEL LÍQUIDO 0,8
CALDEIRA A COMBUSTÍVEL SÓLIDO 0,6
BOMBA DE CALOR (AQUECIMENTO) 4
BOMBA DE CALOR (ARREFECIMENTO) 3
MÁQUINA FRIGORÍFICA (CICLO DE COMPRESSÃO) 3
MÁQUINA FRIGORÍFICA (CICLO DE ABSORÇÃO) 0,8
Folha de cálculo FC IV.1c

Perdas associadas aos vãos envidaçados exteriores

Vãos envidraçados exteriores Área U U·A


(m2) (W/m2ºC (W/ºC)
Verticais:
c/ protecções exteriores 2,80 2,8 7,84

Horizontais:
s/ protecções exteriores 2,8 2,8 7,84

TOTAL 15,68
FICHA Nº 3
REGULAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE
COMPORTAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS (RCCTE)
Demontração de Satisfação dos Requisitos Mínimos
para a Envolvente de Edifícios
(Nos termos da alínea d) do nº 2 do artigo 12º)

Edifício Moradia unifamiliar


Fracção Autónoma Moradia unifamiliar
Inércia térmica Forte

a) U máximo
Valores máximos regulamentares: Soluções adoptadas:
Fachadas exteriores W/m2 ºC W/m2 ºC
Pavimentos exteriores W/m2 ºC W/m2 ºC
Coberturas exteriores W/m2 ºC W/m2 ºC
Paredes interiores W/m2 ºC W/m2 ºC
Pavimentos interiores W/m2 ºC W/m2 ºC
Coberturas interiores W/m2 ºC W/m2 ºC
Pontes térmicas W/m2 ºC W/m2 ºC
b) Factores Solares dos Envidraçados
Valores máximos regulamentares: Soluções adoptadas - Verão:
Tipo de protecção solar
Tipo de protecção solar
Tipo de protecção solar
Tipo de protecção solar

c) Pontes térmicas planas


Valores máximos regulamentares: Soluções adoptadas:
W/m 2 ºC W/m2 ºC
W/m 2 ºC W/m2 ºC
W/m 2 ºC W/m2 ºC
W/m 2 ºC W/m2 ºC

Juntar pormenores construtivos definidores de todas as situações de potencial ponte térmica:


 Caixas de estore (se existirem)
 Ligações entre paredes e vigas
 Ligações entre paredes e pilares
 Ligações entre paredes e lajes de pavimento
 Ligações entre paredes e lajes de cobertura
 Paredes e pavimentos enterrados
 Montagem de caixilharia

Técnico responsável:
Nome 0
Data Jan-00

Assinatura
FICHA Nº 2

REGULAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE


COMPORTAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS
LEVANTAMENTO DIMENSIONAL
(Nos termos do artigo 12º, nº 2, alínea b))
(PARA UMA ÚNICA FRACÇÃO AUTÓNOMA)
(ou para um corpo de um edifício)

Edifício/FA Moradia unifamiliar Fracção: Habitação

2
Área útil de pavimento: 226,47 m Pé-Direito Médio (ponderado): 2,70350775 m

Elementos Correntes da Envolvente Elementos em contacto com o Solo

A U Comp.
2 2
Desig. (m ) (W/m ºC) (m) (W/m ºC)
PAVIMENTOS PAVIMENTOS 67,36 1,50
Sobre exterior

Sobre área não-útil


PAREDES 54,58 0,30

2
Total 0,00 m

PAREDES
Exteriores PE1 73,44 0,27
PE2 15,00 0,23 Pontes térmicas
PE3 2,70 0,26
Comp.
(m) (W/m ºC)
Interiores PI1 23,22 0,27
PI2 5,49 0,27 FACHADA COM PAVIMENTO:
PI3 34,35 0,27 Térreo 67,36 0,80
Intermédios
Sobre locais não aquec.
PONTES TÉRMICAS ou exteriores
PLANAS Ptpe1 1,46 0,42
Ptpe2 1,13 0,31 FACHADA COM:
Ptpe3 16,86 0,37 Cobertura 67,69 0,70
Ptpe4 0,54 0,42 Varanda
Ptpe5 5,00 0,27
Ptpe6 2,43 0,29 Caixa de estores 35,40 0,20
2
Total 181,60 m Peitoril/padieira

COBERTURAS LIGAÇÃO ENTRE


Terraço DUAS PAREDES 27,00 0,20

Desvão
não-ventilado

ventilado

Inclinadas Lce 24,59 0,33


Lci 209,60 0,52
Sobre área não-útil

2
Total 234,19 m

COEFICIENTE DE ABSORÇÃO -
PAREDE COBERTURA
0,4 0,5
FICHA Nº 2 (cont.)

REGULAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE


COMPORTAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS
LEVANTAMENTO DIMENSIONAL
(Nos termos do artigo 12º, nº 2, alínea b))
(PARA UMA ÚNICA FRACÇÃO AUTÓNOMA)
(ou para um corpo de um edifício)

2
PAREDES ÁREAS (m ) POR ORIENTAÇÃO

(descrição sumária e valor U) N NE E SE S SW W NW


PE1 1,89 2,59 3,86 23,33 10,41 22,45 8,91
PE2 10,84 4,16
PE3 2,70
Ptpe 1 0,45 1,01
Ptpe 2 0,56 0,56
Ptpe 3 0,52 1,10 5,60 2,04 5,19 2,40
Ptpe 4 0,54
Ptpe 5 2,61 2,39
Ptpe 6 2,43

VÃOS ENVIDRAÇADOS
(especificar incluindo o tipo de protecção solar
e valor Sv

Env Duplo c/ protecções exteriores 1,65 7,40 4,24 2,75 7,44 3,96

2
ENVIDRAÇADOS HORIZONTAIS: 0 m
FICHA Nº 1

REGULAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE


COMPORTAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS (RCCTE)
Demonstração da Conformidade Regulamentar para
Emissão de Licença ou Autorização de Construção
(Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 12º)

Câmara Municipal de Guarda


Edifício Moradia unifamiliar
Localização

Nº de Fracções Autónomas 1 (ou corpos 1 )


Para cada Fracção Autónoma ou corpo, incluir:
Ficha 2 - Levantamento Dimensional
Ficha 3 - Comprovação de Satisfação dos Requisitos Mínimos
Fichas FCIV e FCV (Anexos IV e V do RCCTE)

Técnico Responsável:

Nome

Inscrito na:
Ordem dos Arquitectos, com o nº
Ordem dos Engenheiros, com o nº
os
Assoc. Nac. dos Eng. Técnicos, com o nº

Data

Anexos:
1. Declaração de reconhecimento de capacidade profissional para aplicação do RCCTE,
emitida pela Ordem dos Arquitectos, da Ordem dos Engenheiros ou da ANET.
2. Termo de responsabilidade do Técnico Responsável, nos termos do disposto na alínea e)
do nº 2 do artigo 12º do RCCTE.
3. Declaração de conformidade regulamentar subscrita por perito qualificado, no âmbito do
SCE, nos termos do disposto na alínea f) do nº 2 do artigo 12º do RCCTE.

(pag 1 de 2)

* Se houver duas ou mais fracções autónomas (FA) exactamente iguais, é suficiente elaborar um único
conjunto de Fichas para cada grupo de FA iguais.
* Em alternativa, pode ser submetida uma única Ficha 3, comum para todas as Fracções Autónomas de um
mesmo edifício, mesmo que haja mais do que uma FA distinta.
FICHA Nº 1 (cont.)

REGULAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE


COMPORTAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS (RCCTE)
Demonstração da Conformidade Regulamentar para
Emissão de Licença ou Autorização de Construção
(Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 12º)

Zona Climática I3 V1 Norte Altitude 865 m


Graus-dias: 2900 ºC·dia Duração Aquec. 8 Meses Temp. Verão 19 ºC (Quadro III.9)

Fracção Taxa
Ap Nic Ni Nvc Nv Nac Na Ntc Nt
Autónoma Ren.
Nº 2
(m ) (RPH) 2 2 2
(kWh/m ·ano) (kWh/m ·ano) (kWh/m ·ano)
2
(kWh/m ·ano)
2
(kWh/m ·ano)
2 2 2
(kWh/m ·ano) (kgep/m ·ano) (kgep/m ·ano)

Habitação 226,47 0,60 127,76 129,04 6,97 16,00 9,23 26,11 1,96 4,83

(pag 2 de 2)
ANEXO D

DETERMINAÇÃO DA INÉRCIA TÉRMICA DO EDIFÍCIO

Massa Factor de
Elemento de construção superficial total Mint Msi Si correcção Msi·Si·r Obs.
(Descrição do elemento) (kg/m2) (kg/m2) (kg/m2) (m2) r (kg)

Paredes da envolvente externa


PE1 172 150 73,44 1,00 10979,28
PE2 230 150 15,00 1,00 2250
PE3 242 150 2,70 1,00 405
Ptpe1 637 150 1,46 1,00 218,25
Ptpe2 637 150 1,13 1,00 168,9
Ptpe3 637 150 16,86 1,00 2528,55
Ptpe4 637 150 0,54 1,00 80,7
Ptpe5 649 150 5,00 1,00 749,25
Ptpe6 387 150 2,43 1,00 364,5
Paredes da envolvente interior
PI 1 178 150 23,22 1,00 3482,775
PI 2 178 150 5,49 1,00 823,125
PI 3 178 150 34,35 1,00 5152,5

Lajes de tecto
Lci 1 504 150 209,60 1,00 31440

Lajes de pavimento
Laje terrea LT1 346 150 5,00 1,00 750
Laje terrea LT2 312 150 221,47 1,00 33220,5

Paredes enterradas

Pavimentos enterrados

Pavimentos interiores
Laje do escritorio Lci 2 150 24,66 1,00 3699

Paredes interiores
PI4 104 104 109,95 1,00 11407,67563
PI5 200 200 4,01 1,00 799,8354
PI6 126 126 19,20 1,00 2409,6

Total da massa superfícial útil (kg): 110929

Área útil do pavimento Ap: 226,47 (m2)


(Indicar Ap na Folha prep.)
=
Massa superficial útil por m2 de área de pavimento It : 490 (kg/m2)

Classe de Inércia Térmica: Forte (Ver Quadro VII.6)


0
0

ANEXO C
CARACTERÍSTICAS DOS ENVIDRAÇADOS
ÁREA EFECTIVA DE ENVIDRAÇADOS ORIENTADA A SUL

FACTOR DE FRACÇÃO FACTORES


DIMENSÕES FACTOR DE OBSTRUÇÃO - Fs ÁREA EFECTIVA
Tipo SELECTIVIDADE ENVIDRAÇADA SOLARES
Factor de
Ref (simples ou Orientação
orientação h janela Fh Fo Ff Fh∙Fo∙Ff Fs Fw g┴
duplo) Comp. (m) Altura (m) Área (m2) Fg Ae (m2)
(m) Inv Inv Ver Inv Ver Inv Ver Inv Ver Inv Ver Inv Ver Inv Ver
1 V. D. S 1,00 1,50 1,10 1,65 1,5 20 0,90 0 1,00 1,00 0 0 1,00 1,00 0,900 1,000 0,81 a) 0,90 a) 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,530 0,210
2 V. D. SE 0,84 1,50 1,10 1,65 1,5 20 0,88 0 1,00 1,00 0 0 1,00 1,00 0,880 1,000 0,79 a) 0,90 a) 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,436 0,210
3a V. D. SE 0,84 0,40 2,00 0,80 1,0 20 0,88 38 0,69 0,62 >60 >60 0,79 0,77 0,480 0,477 0,48 0,48 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,128 0,054
3b V. D. SE 0,84 0,68 0,23 0,15 1,3 20 0,88 40 0,67 0,61 51 51 0,83 0,82 0,490 0,500 0,49 0,50 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,025 0,011
4 V. D. SE 0,84 2,40 2,00 4,80 1,0 20 0,88 38 0,69 0,62 18 18 0,95 0,95 0,580 0,589 0,58 0,59 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,928 0,400
5 V. D. E 0,56 1,50 1,10 1,65 1,5 20 0,84 47 0,73 0,63 9 9 0,96 0,99 0,590 0,624 0,59 0,62 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,216 0,146
9 V. D. SW 0,84 0,68 0,23 0,15 1,3 20 0,88 >60 0,49 0,50 >60 >60 0,79 0,77 0,340 0,385 0,34 0,39 0,90 0,75 0,7 0,63 0,24 0,017 0,007
10 V. D. NW 0,33 1,50 1,10 1,65 1,5 20 0,96 50 0,88 0,75 >60 >60 1,00 1,00 0,840 0,750 0,84 0,82 b) 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,182 0,191
11a V. D. SW 0,84 0,68 0,23 0,15 1,3 20 0,88 >60 0,49 0,50 >60 >60 0,79 0,77 0,340 0,385 0,34 0,39 0,90 0,75 0,7 0,63 0,24 0,017 0,007
11b V. D. SW 0,84 0,40 2,00 0,80 1,0 20 0,88 >60 0,49 0,50 0 0 1,00 0,77 0,430 0,385 0,43 0,39 0,90 0,75 0,7 0,63 0,24 0,115 0,038
12 V. D. W 0,56 1,50 1,10 1,65 1,5 20 0,84 >60 0,64 0,55 57 12 0,74 0,87 0,400 0,480 0,48 b) 0,48 b) 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,177 0,113
13 V. D. W 0,56 1,60 2,00 3,20 1,0 20 0,84 >60 0,64 0,55 26 41 0,82 0,92 0,440 0,507 0,48 b) 0,51 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,343 0,230
14 V. D. W 0,56 0,85 1,10 0,94 1,5 20 0,84 50 0,71 0,61 13 13 1,00 0,98 0,600 0,598 0,60 0,60 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,125 0,080
15 V. D. W 0,56 1,50 1,10 1,65 1,5 20 0,84 50 0,71 0,61 10 10 1,00 0,98 0,600 0,598 0,60 0,60 0,90 0,85 0,7 0,63 0,24 0,220 0,140
16 V. D. SW 0,84 1,50 1,10 1,65 1,5 20 0,88 0 1,00 1,00 0 0 1,00 1,00 0,880 1,000 0,79 a) 0,90 a) 0,90 0,75 0,7 0,63 0,24 0,436 0,186
17 V. D. S 1,00 0,85 1,10 0,94 1,5 20 0,90 0 1,00 1,00 0 0 1,00 1,00 0,900 1,000 0,81 a) 0,90 a) 0,90 0,75 0,7 0,63 0,24 0,302 0,106
18 V. D. S 1,00 1,50 1,10 1,65 1,5 20 0,90 0 1,00 1,00 0 0 1,00 1,00 0,900 1,000 0,81 a) 0,90 a) 0,90 0,75 0,7 0,63 0,24 0,530 0,186
19 V. D. S hori. 0,89 0,60 1,27 0,76 4,5 20 0,95 0 1,00 1,00 0 0 1,00 1,00 0,950 1,000 0,86 a) 0,90 a) 0,90 0,90 0,7 0,63 0,24 0,230 0,103
20 V. D. W hori. 0,89 1,88 1,70 3,20 5,0 20 0,95 0 1,00 1,00 0 0 1,00 1,00 0,950 1,000 0,86 a) 0,90 a) 0,90 0,90 0,7 0,63 0,24 0,966 0,432
21
22
23
24
25
Total: 29,09 m2 (a) Limitação de Fo × Ff≤ 0,9 Total: 5,923 2,85 m2
(b) Limitação de X x Fh x Fo × Ff
≥ 0,27 ÁREAS EFECTIVAS POR Ae (m2)
Orientação
ORIENTAÇÕES POR PERÍODO DE: Aquec. Arref.
Totais por tipo de envidraçado N
Orient. Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Altura média das janelas: 0,20 m NE
N E 0,216 0,146
NE Tipo de caixilharia U Área SE 1,517 0,675
E 1,65 Envidraçados Verticais S 1,362 0,502
SE 7,40 c/ protecções exteriores 2,8 25,13 SW 0,585 0,238
S 4,24 W 0,865 0,563
SW 2,75 NW 0,182 0,191
W 7,44 Horiz 1,196 0,535
NW 1,65 Total: 5,923 2,850 m2
Horiz 3,96
TOTAIS: 29,09 0,00 0,00 m2
Envidraçados Horizontais
s/ protecções exteriores 2,8 3,96

2
Total: 29,09 m
ANEXO B
ÁREA DE PAVIMENTO/PÉ-DIREITO

Piso 1 Piso 2 Piso 3


COMPARTIMENTOS
Aréa P.D. Área x PD Aréa P.D. Área x PD Aréa P.D. Área x PD
Hall 1 5,00 2,75 13,75
Sala de estar 17,79 2,75 48,92
Sala de jantar 36,54 2,75 100,49
Cozinha 25,55 2,80 71,54
Hall 2 11,33 2,85 32,29
Quarto 1 18,52 2,80 51,86
WC 1 4,86 2,80 13,61
Vestiário 6,96 2,80 19,49
Quarto 2 17,16 2,80 48,05
Quarto 3 17,45 2,80 48,86
WC 2 9,04 2,85 25,76
Quarto 4 16,71 2,75 45,95
WC 3 5,35 2,80 14,98
Corredor 6,12 2,80 17,14
Escadas 3,43 4,43 15,19
Escritório 24,66 1,80 44,39

Totais: 201,81 567,88 24,66 44,39

2
Área total de pavimento: 226,47 m

Pé direito médio: 2,70 m


---------------------------------------------------------------------------------
SolTerm 5.0

Licenciado a Formadores do SCE


(Módulo RCCTE)

Estimativa de desempenho de sistema solar térmico com depósito pressurizado


---------------------------------------------------------------------------------
Painel
---------------------------------------------------------------------------------
Modelo de colector: Solahart M
Tipo: Plano
(3 módulos) 5,58 m²
Rendimento óptico: 75,80%
Coeficiente de perdas térmicas a1: 2,800 W/m²/K
Coeficiente de perdas térmicas a2: 0,023 W/m²/K²
Modificador de ângulo a 50°: 0,85

Caudal no grupo painel/permutador: 85,3 l/m² por hora (=0,13 l/s)

---------------------------------------------------------------------------------
Permutador
---------------------------------------------------------------------------------
Interno ao depósito, tipo serpentina, com eficácia 75%
(factor de penalização: 98%)

---------------------------------------------------------------------------------
Depósito
---------------------------------------------------------------------------------
Modelo: 500 l típico
Volume: 500 l
Área externa: 3,86 m²
Material: PVC
Posição vertical
Deflectores interiores
Coeficiente de perdas térmicas: 3,99 W/°C

---------------------------------------------------------------------------------
Cargas térmicas
---------------------------------------------------------------------------------
Consumo de água nova, sem recuperação de calor.
Temperatura nominal: 45°C
Temperatura mínima aceite: °C
(Existem válvulas misturadoras.)

Jorge e Liliana | Formadores do SCE | 24-08-2011 16:48:20 | 1/3


Perfis de consumo de segunda a sexta (l)
________________________________________________________________________________
hora Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
01
02
03
04
05
06
07 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
08 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35
09 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30
10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
11
12
13
14
15
16
17
18 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
19 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30
20 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30
21 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30
22 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
23 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5
24
________________________________________________________________________________
diário 200 200 200 200 200 200 200 200 200 200 200 200

Perfis de consumo ao fim-de-semana (l)


________________________________________________________________________________
hora Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
01
02
03
04
05
06
07
08
09 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
10 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20
11 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
12 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
13 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
14 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20
15 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
16 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
17 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
18 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
19 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
20 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30
21 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20
22 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
23 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10
24
________________________________________________________________________________
diário 200 200 200 200 200 200 200 200 200 200 200 200

Jorge e Liliana | Formadores do SCE | 24-08-2011 16:48:20 | 2/3


---------------------------------------------------------------------------------
Localização, posição e envolvente do sistema
---------------------------------------------------------------------------------
Concelho de Guarda
Latitude 40,6°N (nominal)
Longitude 7,3°W (nominal)
TRY SNCE 2006
-
Inclinação do painel: 49°
Azimute do painel: 0°
Obstruções do horizonte: 3°(por defeito)

---------------------------------------------------------------------------------
Balanço energético mensal e anual
---------------------------------------------------------------------------------
Rad.Horiz. Rad.Inclin. Desperdiçado Fornecido Carga Apoio
kWh/m² kWh/m² kWh kWh kWh kWh
----------------------------------------------------------------------
Janeiro 56 102 , 227 265 38
Fevereiro 73 112 , 220 237 17
Março 113 140 , 245 255 10
Abril 150 155 3, 237 240 3
Maio 187 167 4, 235 235 0
Junho 200 167 16, 213 214 0
Julho 226 195 47, 208 208 0
Agosto 203 200 54, 210 210 0
Setembro 141 166 8, 212 212 0
Outubro 101 142 14, 232 236 4
Novembro 64 111 , 226 246 20
Dezembro 51 96 , 221 264 42
----------------------------------------------------------------------
Anual 1565 1753 147, 2686 2820 134

Fracção solar: 95,2%


Produtividade: 481 kWh/[m² colector]
---------------------------------------------------------------------------------

Jorge e Liliana | Formadores do SCE | 24-08-2011 16:48:20 | 3/3

Você também pode gostar