Você está na página 1de 10

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DE ANGOLA (ISTA)

POLO-CAXITO
DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

HISTÓRIA E SISTEMA DE PSICOLOGIA

A NOÇÃO E DEFINIÇÃO DA PSICOLOGIA

Nome: Paulo Sargento Francisco Muxito


1º Ano
Período: Tarde
Curso: Psicologia

Docente
___________________________
Eduardo De Morais Francisco

CAXITO-2021/2022
INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DE ANGOLA (ISTA)
POLO-CAXITO
DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

HISTÓRIA E SISTEMA DE PSICOLOGIA

A NOÇÃO E DEFINIÇÃO DA PSICOLOGIA

Trabalho apresentado ao ISTA/Bengo como parte


necessária do requisito parcial para a obtenção de uma nota
na Disciplina de História e Sistema de Psicologia, orientado
pelo Professor Eduardo De Morais Francisco.

CAXITO-2021/2022
SUMÁRIO

RESUMO.....................................................................................................................................I
INTRODUÇÃO........................................................................................................................01
NOÇÃO E DEFINIÇÃO DE PSICOLOGIA...........................................................................02
A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NA SOCIEDADE.....................................................03
CONCLUSÃO..........................................................................................................................05
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................................................................................06
RESUMO

O presente trabalho aborda sobre as noções e definição de Psicologia, expõe as


vantagens, do ponto de vista da Análise do Comportamento, de definir-se Psicologia como o
estudo de interações organismo-ambiente. As interações organismo-ambiente são tais que
podem ser vistas como um continuum em que a passagem da Psicologia para a Biologia ou
para as Ciências Sociais é muitas vezes uma questão de convencionar-se limites. A análise
experimental do comportamento utiliza-se de contingências e de relações funcionais como
instrumentos para o estudo de interações organismo-ambiente.

Palavras-chave: definição de Psicologia; análise do comportamento; interações; áreas


da Psicologia.

I
INTRODUÇÃO

Definições de Psicologia têm variado no tempo e de acordo com as características de


seus autores. Problemas surgidos no âmbito da Filosofia ou da ciência refletem-se em várias
dessas definições. Por exemplo, é muito conhecida a definição de Psicologia como o estudo
da mente.

A Psicologia tem vários autores e diferentes abordagens referentes ao seu estudo. São
exemplos das Escolas da Psicologia o Behaviorismo e a Psicanálise. O Behaviorismo (que é o
estudo do nosso comportamento) ganhou destaque por estudar, através da observação, o
comportamento do ser humano e dos animais. Estudou o comportamento de ratos, pombos e
macacos.

Já a Psicanálise tem como foco o estudo da mente do indivíduo, mais precisamente o


inconsciente. Percebam que é um estudo mais profundo, uma vez que o inconsciente é a nossa
“caixa preta”, onde estão guardados nossos pensamentos e desejos mais reprimidos, como
traumas, desejos proibidos. No decorrer desta aula, vamos estudar melhor cada uma dessas
Escolas da Psicologia.

1
NOÇÃO E DEFINIÇÃO DE PSICOLOGIA

De acordo com a origem da palavra, Psicologia significa estudo ou discurso (logos)


acerca da alma ou espírito (psique). Atribui-se o cunho da palavra a Philip Melanchthon
(1497-1560), colaborador de Martinho Lutero. A generalização do termo, entretanto, só se
deu cem anos mais tarde. Cristian von Wolf (1679-17554) o popularizou ao estabelecer a
diferença entre psicologia empírica e racional.

A breve visão histórica da Psicologia mostrou que este significado foi se alterando no
decorrer do tempo e que, hoje, é uma tarefa difícil formular um conceito razoavelmente amplo
para abranger todas as posições em Psicologia. Apesar disso, a maioria dos psicólogos
concordam em chamar a Psicologia de "ciência do comportamento".

Sobre esta posição cai a crítica de que esta é uma definição nitidamente behavirista e
que, portanto, não serve para expressar a variedade de concepções actuais. Telford e Sawrey
vem esclarecer sobre o sentido amplo do comportamento ao afirmarem que "o comportamento
inclui muito mais do que movimentos flagrantes, como que fazemos ao andar de um lado para
o outro. Inclui atividades muito sutis, como perceber, pensar, conceber e sentir. A psicologia
se ocupa de todas as atividades da pessoal total".

E, acresce ainda Henneman (1974) que o comportamento pode incluir: atividades


diretamente observáveis como falar, caminhar, etc; reações fisiológicas internas como
batimento cardíaco, alterações químicas sanguinas, etc; e o processos conscientes de
sensação, pensamento, sentimento, etc.

E Bleger (1979) ao procurar posicionar a Psicologia, apresenta as que chama de áreas


de conduta mostrando uma distinção entre elas. Um tipo de conduta seria a área dos
fenômenos mentais (raciocinar, planificar, imaginar, etc), outra área seia a do corpo (andar,
falar, chorar, etc) e por último, a área do mundo externo onde estariam as acçoes do
organismo que produz efeito sobre o meio social, meio físico ou sobre si mesmo.

Sendo assim, Bleger (1979) conclui que a Psicologia não é uma ciência apenas das
manifestações observáveis e nem apenas dos fenômenos mentais, mas abarca o estudo de
todas as manifestações do ser humano. Na verdade, qualquer tentativa de tratamento isolado
de fenômenos activos, sensíveis, intelectuais ou outros não corresponde a realidade, pois cada
acto, em qualquer reação do homem, há inter-relação dos aspectos: o homem é uma unidade
indivisível.

2
A Psicologia é a ciência que estuda o comportamento e os processos mentais dos
indivíduos (psiquismo) e as suas interações com o ambiente físico e social. Dizer que a
psicologia é uma ciência significa que ela é regida pelas mesmas leis do método científico as
quais regem as outras ciências: ela procura um conhecimento objectivo, baseado em factos
empíricos.

Assim, como toda a ciência, a Psicologia usa métodos científicos rigorosos e também
como qualquer outra ciência, procura entender, predizer e controlar os fenômenos que estuda.

A psicologia procura descrever sensações, emoções, pensamentos, percepções e outros


estados motivadores do comportamento humano. Para isso, o psicólogo (profissional da
psicologia) utiliza de métodos capazes de analisar os fenômenos comportamentais e psíquicos
dos pacientes. Os comportamentos dos animais, por outro lado, são estudados pela Etologia.
O objetivo da psicologia é diagnosticar, prevenir e tratar distúrbios emocionais e doenças
mentais.

Apesar de ser hoje o comportamento humano o seu principal interesse, a Psicologia


também estuda o comportamento animal, com o objetivo de, através dele, melhor
compreender o comportamento humano ou porque o estudo do comportamento animal se
justifica por si mesmo.

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NA SOCIEDADE

Segundo Veras e Oliveira (2019) a Psicologia cada vez mais tem contribuído para a
sociedade e para a ciência de maneira geral, e mais especificamente nos últimos anos para as
Neurociências e para a Gerontologia. Na verdade, a Psicologia tem influenciado o nosso dia a
dia de maneira pontual, fazendo com que a sociedade reflita sobre temas em destaque, em um
dado momento sócio-histórico-cultural.

Por essa reflexão, podemos compreender que a Psicologia desde os seus primórdios
filosóficos, passando pelo seu advento científico, assim como, na atualidade, tem se mostrado
de extrema importância para a discussão dos mais variados temas e anseios da sociedade e das
ciências de maneira geral. A cada novo momento histórico, a Psicologia se apropria das
necessidades e reflexões de cada época e auxilia o homem a refletir, posicionar-se e agir
dentro de uma compreensão macro, sempre pautada em práticas e reflexões éticas. Afinal, de
acordo com os princípios fundamentais do Código de Ética do Psicólogo, este jamais deve se
abdicar dos valores que embasam a Declaração Universal dos Direitos Humanos, promovendo

3
saúde e qualidade de vida às pessoas e às coletividades, atuando com responsabilidade social
em cada momento sócio-histórico-cultural.

Talvez essa seja a maior contribuição da Psicologia para a ciência e para a sociedade,
encarar as problemáticas cotidianas e buscar soluções. A Psicologia é constantemente
solicitada a dar sua parcela de contribuição à abordagem destes problemas, e é imperativo que
os seus diversos campos de atuação sejam capazes de responder a esses pedidos, e que a
Psicologia se organize, cada vez mais, para que o seu saber/fazer seja cada vez mais eficiente
e reconhecido.

Para Oliveira (2018), a Psicologia foi (e continua sendo) de suma importância para
diferentes momentos e contextos sociais, permitindo à própria sociedade refletir sobre as
diferentes atuações e compreensões, como realiza nesse momento junto a Gerontologia, pois o
idoso já não pode mais ser compreendido como um ser de perdas (biológicas, físicas,
cognitivas e comportamentais). Ao contrário, o idoso deve ser potencializado aos ganhos, ao
aprimoramento e às adequações dentro de um novo modelo de envelhecer, pois o processo de
envelhecer passa a ter uma nova definição e uma nova forma de ser vivida na atualidade.

4
CONCLUSÃO

Segundo Veras e Oliveira (2019) a Psicologia cada vez mais tem contribuído para a
sociedade e para a ciência de maneira geral, e mais especificamente nos últimos anos para as
Neurociências e para a Gerontologia. Na verdade, a Psicologia tem influenciado o nosso dia a
dia de maneira pontual, fazendo com que a sociedade reflita sobre temas em destaque, em um
dado momento sócio-histórico-cultural.

Por essa reflexão, podemos compreender que a Psicologia desde os seus primórdios
filosóficos, passando pelo seu advento científico, assim como, na atualidade, tem se mostrado
de extrema importância para a discussão dos mais variados temas e anseios da sociedade e das
ciências de maneira geral. A cada novo momento histórico, a Psicologia se apropria das
necessidades e reflexões de cada época e auxilia o homem a refletir, posicionar-se e agir
dentro de uma compreensão macro, sempre pautada em práticas e reflexões éticas.

Para Oliveira (2018), a Psicologia foi (e continua sendo) de suma importância para
diferentes momentos e contextos sociais, permitindo à própria sociedade refletir sobre as
diferentes atuações e compreensões, como realiza nesse momento junto a Gerontologia, pois o
idoso já não pode mais ser compreendido como um ser de perdas (biológicas, físicas,
cognitivas e comportamentais). Ao contrário, o idoso deve ser potencializado aos ganhos, ao
aprimoramento e às adequações dentro de um novo modelo de envelhecer, pois o processo de
envelhecer passa a ter uma nova definição e uma nova forma de ser vivida na atualidade.

5
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Manual de história e sistema de psicologia. Noção e definição da psicologia, páginas n. 8, 9 e

10 [criado 7 de Fevereiro de 2022].

Veras, Renato Peixoto e Oliveira, Martha. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo

de cuidado. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2018, v. 23, n. 6 [Acessado 27 Julho 2018],

pp. 1929-1936.

Você também pode gostar