Você está na página 1de 36

OBRA: PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 2º REGIÃO

LOCAL: RUA AFONSO DE FREITAS Nº 242, ESQUINA COM A RUA CUBATÃO, VILA MARIANA
CIDADE: SÃO PAULO - SP

MEMORIAL DESCRITIVO CABEAMENTO ESTRUTURADO

1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO FORNECIMENTO............................................................ 2


2. OBJETO DA CONTRATAÇÃO ................................................................................................ 2
2.1. Serviços de instalação, configuração, ativação, manutenção, treinamento e documentação..2
2.2. Infra-estrutura de cabeamento e de racks que atenda todos os pavimentos do prédio, através
de rack instalado no CPD. ....................................................................................................................2
3. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS ATIVOS DE REDE LOCAL............................................. 2
3.1. Switch Core ..............................................................................................................................2
3.2. SWITCH DE ACESSO...............................................................................................................4
3.3. PONTO DE ACESSO WIRELESS ............................................................................................6
3.4. CONTROLADOR CENTRAL WIRELESS ................................................................................7
3.5. FIREWALL.................................................................................................................................8
3.6. EQUIPAMENTOS DE TELEFONIA ..........................................................................................9
3.7. PABX IP.....................................................................................................................................9
3.8. GATEWAY DE VOZ ................................................................................................................11
3.9. Quantidade de Pontos...........................................................................................................13
4. ESPECIFICAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA E SERVIÇOS DE CABEAMENTO ............... 13
4.1. Especificações Técnicas do Sistema de Cabeamento Estruturado e Óptico .................13
4.2. Serviços: Infra-estrutura .......................................................................................................21
4.3. Escopo de Fornecimento de Infra-estrutura de Cabeamento Metálico e Ótico ..............22
5. SERVIÇOS............................................................................................................................... 31
5.1. Serviços de Instalaçao e Configuração da Solução ..........................................................31
5.2. Serviço de documentação: ...................................................................................................31
5.3. TESTES DE CERTIFICAÇÃO.................................................................................................32
5.4. DOCUMENTAÇÃO DA REDE (AS BUILT) ............................................................................32
1. ANEXO I – TABELA DE CAPACIDADE DE ELETRODUTOS PARA CABOS UTP .......... 33
2. ANEXO II – SISTEMA DE IDENTIFICAÇÕES DOS PONTOS ............................................. 33
3. ANEXO III – Quadro de Identificação dos RACK’s............................................................. 34
4. ANEXO IV – MODELO DE PLANO DE FACE....................................................................... 35
RACKS DA SALA DE EQUIPAMENTOS ...........................................................................................35
RACK LOCAL NOS PAVIMENTOS....................................................................................................36
RACK DE PAREDE DO CPD E NOS PAVIMENTOS ........................................................................36

Página 1 de 36
1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO FORNECIMENTO

O presente documento descreve as características técnicas e requisitos mínimos a que


devem satisfazer materiais e serviços, referentes à rede convergente de voz e dados para o
sistema de telefonia IP a ser instalado no novo prédio da Procuradoria na Rua Afonso de Freitas,
na cidade de S. Paulo.
Todo o sistema de telefonia do novo prédio da Procuradoria deverá implementar uma solução
de telefonia IP, trabalhando com o processamento de chamadas telefônicas sobre o protocolo IP
(Internet Protocol). Esse sistema deverá incluir todos os elementos da solução incluindo
comutadores de chamadas, telefones IP, adaptadores analógico, gateways de conexão com a
rede pública de telefonia fixa, switches de rede com PoE (Power Over Ethernet), cabeamento,
racks e fibras-ópticas.
Todas as informações contidas neste documento são de propriedade da Procuradoria e são
consideradas confidenciais.

2. OBJETO DA CONTRATAÇÃO

2.1. Serviços de instalação, configuração, ativação, manutenção, treinamento e


documentação
2.2. Infra-estrutura de cabeamento e de racks que atenda todos os pavimentos do prédio,
através de rack instalado no CPD.

3. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS ATIVOS DE REDE LOCAL


A topologia da rede local será do tipo estrela, com um switch principal no datacenter e
switches departamentais nos vários andares. Deverá ser fornecido também uma rede WLAN,
conforrme descrito a seguir. Os fornecimentos dos equipamentos descritos a seguir não fazem
parte da presente licitação, apenas sendo incluídos neste a infra-estrutura para ligação dos
pontos nos pavimentos e subsolos.

3.1. Switch Core


 Características Mínimas
■ Deve fontes redundantes com seletor automático de voltagem, ou seja, que
funcionem simultaneamente em 110 ou 220V. As fontes redundantes devem ser do
tipo N+1, sendo N a quantidade mínima necessária para o funcionamento do
equipamento;
■ Switch multilayer (Camada 3) com todos os módulos Hot swappable;
■ Deverá atender as recomendações da EIA para equipamentos padrão rack 19”;
■ Possuir Arquitetura baseada em chassis modular;
■ Possuir no mínimo 7 (sete) slots, sendo 5 (cinco) destinados à inserção de módulos
de interface;
■ Possuir pelo menos 16 portas Gigabit ethernet 10/100/1000 com conectores RJ-45;
■ Possuir pelo menos 36 portas Gigabit Ethernet, SFP ou GBIC divididas igualmente
em no mínimo 2 módulos distintos;
■ O equipamento deve ser fornecido com 16 interfaces 1000 Base SX com conectores
SC ou LC, sendo permitidos GBICs ou SFPs;
■ Possuir redundância de módulo de supervisão, ou seja, em caso de pane no módulo
supervisor, um segundo módulo já instalado assume a gerência de todo o switch;
■ Possuir pelo menos 60 Gbps de switching fabric(backplane) nonblocking;
■ Capacidade de comutação em layer 2 de no mínimo 48 Mpps;
■ Capacidade de comutação em layer 3 de no mínimo 48 Mpps;

Página 2 de 36
■ Suportar no mínimo 16.000 MAC addresses;
■ Suportar no mínimo 5.000 entradas IPv4 na tabela de rotas;
■ Hardware-based ACLs (Access Control Lists) baseado em endereço IP, permitindo
no mínimo 1500 regras;
■ Suportar no mínimo 1800 VLANs por switch;
■ Suportar SNMP v1, v2, e v3;
■ Remote Monitoring (RMON) suportar pelo menos 4 grupos(history, statistics, alarms,
and events) e todas as MIBs necessárias;
■ Deve suportar Syslog;
■ Implementar protocolo NTP;
■ Implementar pelo menos as MIBs RMON I and II;
■ Suportar o protocolo de autenticação RADIUS;
■ Suportar a criação de Listas de Controle de Acesso (ACL) em todas as portas;
■ Suportar no mínimo Secure Shell version 1 (SSH v1);
■ Suporte à Ethernet de acordor com os padrões IEEE 802.3 e 10BASE-T;
■ Suporte à Fast Ethernet de com os padrões IEEE 802.3u, 100BASE-TX e 100BASE-
FX;
■ Suporte à Gigabit Ethernet de acordo com os padrões IEEE 802.3z e 802.3ab;
■ Suportar Spanning-Tree Protocol em conformidade com o padrão IEEE 802.1D;
■ Suportar Rapid Spanning-Tree em conformidade com o padrão IEEE 802.1w;
■ Suportar Multi-Instace Spanning-Tree em conformidade com o padrão IEEE 802.1s,
possibilitando balanceamento de tráfego entre uplinks;
■ Suportar Link Aggregation Control Protocol (LACP) em conformidade com o padrão
IEEE 802.3ad;
■ Suportar class-of-service (CoS) prioritization em conformidade com o padrão IEEE
802.1p;
■ Deve estar de acordo com os padrões IEEE 802.1Q VLAN, IEEE 802.1x, 1000BASE-
X (GBIC), 1000BASE-SX, 1000BASE-LX;
■ RMON I e II standards;
■ Jumbo Frames (até 9216 bytes);
■ Implementar o padrão IEEE 802.1Q VLAN;
■ Suportar no mínimo IGMP Versão 1, 2 e IGMP Snooping;
■ Suportar Multicast Source Discovery Protocol (MSDP);
■ Suportar IP Routing;
■ Implementar PIM SM e DM;
■ Suportar Priority Queueing (PQ) e Weighted Round Robin(WRR);
■ Deve detectar telefones IPs conectados tanto do mesmo fabricante quanto de
terceiros e automaticamente configurar a porta para a VLAN de Voz (Voice VLAN);
■ Suportar QoS Packet Marking, com no mínimo 8 (oito) filas de priorização em

Página 3 de 36
hardware;
■ Suportar autenticação através do protocolo RADIUS
■ Suportar RMON events and alarms
■ Implementar SNMP (Simple Network Management Protocol)
■ Implementar os protocolos de roteamento RIP (Routing Information Protocol), RIP2.
■ Implementar Rotas estáticas
■ Oferecer suporte ao protocolo Open Shortest Path First [OSPF]
■ Suportar Internet Control Message Protocol (ICMP)
■ Suportar QoS por porta
■ Suportar Shaping

3.2. SWITCH DE ACESSO

 Características Mínimas

■ Todos os switches departamentais deverão ser unidades individuais, não modulares,


e do mesmo fabricante do SWITCH CORE;
■ Deve ser do tipo para instalação em rack padrão EIA 19”;
■ Deve possuir fonte de alimentação com ajuste automático de tensão entre 110VAC e
220VAC, freqüência de 50 a 60 Hz;
■ Devem suportar fontes de alimentação redundantes, mediante a adição de módulos
de expansão ou fonte externa;
■ Devem ser ofertados com, no mínimo, as seguintes tecnologias:
■ 48 Portas 10/100BaseTX com PoE, conector RJ-45. Todas estas portas devem
suportar alimentação elétrica de dispositivos compatível com padrão 802.3af;
■ No mínimo 4 (quatro) portas duais 10/100/1000 e SFP para instalação de
transceivers Gigabit Ethernet 1000BaseSX e 1000BaseLX;
■ Deve possuir uma capacidade de tamanho de banda (switch fabric) em non-bloking
de, no mínimo, de 32 (trinta e dois) Gbps;
■ Deve possuir um throughput mínimo de:
■ 1.488.000 pps por porta Gigabit Ethernet, medidos em pacotes de 64 bytes;
■ Deve ser capaz de controlar volume de tráfego broadcast e multicast e unicast por
porta;

 SWITCHING
■ Deve suportar um mínimo de 8.000 (doze mil) endereços MAC, para a Tabela de
Endereçamento;
■ Deve permitir a construção de pelo menos 256 (duzentos e cinquenta e seis) VLANs
no padrão IEEE 802.1Q;
■ Deve ser completamente aderente aos seguintes protocolos e padrões: IEEE 802.3,
IEEE 802.1w (Rapid Spanning Tree), IEEE 802.3x (Flow control); IEEE 802.1D (MAC
Bridge Compliant);

Página 4 de 36
■ Deve permitir espelhamento do tráfego nas portas;
■ Deve suportar Jumbo Frame;
■ Deve suportar e possuir Link Aggregation segundo o padrão IEEE 802.1ad. Deve
implementar n mínimo até 12 grupos de até 8 portas;

 ROTEAMENTO
■ Deve suportar e estar licenciado para roteamento estático e Roteamento dinâmico
RIP e RIP II com autenticação MD5 para os pacotes RIP II;
■ Deve possuir tabela suficiente para no mínimo 500 rotas;

 SEGURANÇA
■ Deve implementar network login através do padrão IEEE 802.1x. Deve implementar
autenticação usando os padrões PEAP, EAP-TLS, EAP-MD5;
■ Deve configurar os parâmetros de VLAN de acordo com o usuário autenticado na
etapa de network login;
■ Deve permitir autenticação através de endereço MAC cadastrado em servidor
RADIUS com configuração automática de VLAN de acordo com o MAC cadastrado;
■ Possibilitar que se configure portas de uma mesma VLAN que não se comuniquem
entre si (Private VLAN);
■ Deve suportar DHCP relay ;
■ Deve implementar DHCP Snooping;
■ Deve implementar Proxy ARP;

 QUALIDADE DE SERVIÇOS
■ Deve ser aderente ao padrão IEEE 802.1p com 4 filas de prioridade, por porta;
■ Deve suportar e possuir:
■ Weighted Round Robin (ou Weighted Fair Queuing) ;
■ Rate Limiting;
■ IGMP Snooping v3;
■ Deve permitir a remarcação dos seguintes parâmetros dos pacotes:
■ CoS (802.1p)
■ DiffServ
■ Deve suportar controle de banda (rate limiting ou rate shapping) na entrada ou na
saída dos dados;
■ Deve detectar telefones Ips conectados tanto do mesmo fabricante como de terceiros
e automaticamente configurar a porta para a VLAN de Voz (Voice VLAN);

 GERENCIAMENTO
■ Devem ser gerenciáveis, suportando e possuindo SNMP v1/v2/v3;
■ Devem suportar e implementar RMON, com um mínimo de 04 (quatro) grupos
(History, Statistics, Alarms, Events). Não serão aceitos probes externos ao
equipamento;

Página 5 de 36
■ Deve suportar gerenciamento via Web (http e https);
■ Deve suportar Syslog;
■ Implementar protocolo NTP;
■ Deve suportar gerenciamento via Telnet com cifragem (SSH) ou via SSH v2 ;
■ Deve suportar autenticação Radius para autenticação no acesso para gerenciamento
dos equipamentos;
■ Deve possuir, no mínimo, 1 (uma) porta de console para operação, diagnóstico,
status e configuração;
■ Deve permitir a atualização de Firmware via TFTP ou FTP;
■ Deve permitir o upload/download dos arquivos de configuração através de TFTP ou
FTP;
■ Suporte às MIB/Trap deverá ser segundo os padrões:
■ RFC1213 MIB-2
■ RFC1493 Bridge MIB
■ RFC2819 RMON MIB

3.3. PONTO DE ACESSO WIRELESS


 Características Mínimas
● O access point wireless deverá ser uma unidade individual, não modular, e do
mesmo fabricante do SWITCH CORE;
● Suporte a Radio Dual Band 802.11a e 802.11b/g;
● Suporte a PoE (IEEE 802.3af);
● Suportar administração completa através de controlador central de WLAN;
● Possui interface de Uplink Autosensing 802.3 10/100BASE-T Ethernet
● Deverá permitir instalação direta do ponto de acesso, sem necessidade de
nenhuma pré-configuração. O ponto de acesso deverá ser capaz de localizar o
controlador e receber as configurações do mesmo, sem nenhuma pré-
configuração inicial no AP;
● Capacidade de múltiplos SSID’s;
● Possui interface de Uplink Autosensing 802.3 10/100BASE-T Ethernet;
● Permitir balanceamento de carga e otimização do ganho e dos canais RF;
● Implementar varredura de RF nas bandas 802.11a, 802.11b e 802.11g para
identificação de pontos de acesso não autorizados (rogues) e interferências;
● Possuir antenas compatíveis com os padrões 802.11a/b/g com ganho de, pelo
menos, 2 dBi e padrão de irradiação omnidirecional
● Implementar criptografia WEP 48/104bits, WPA com AES 128 bits, WPA2
802.11i
● Suportar gerenciamento por, pelo menos, SSL, HTTPs, SSHv2
● Ser fornecido kit para montagem em parede ou teto;
● Permitir a utilização de pelo menos 3 tipos de antenas externas do mesmo
fabricante
● Deve permitir integracao com radius Server existente;

Página 6 de 36
3.4. CONTROLADOR CENTRAL WIRELESS
 Características Mínimas
● O controlador central wlan deverá ser uma unidade individual, não modular, e do
mesmo fabricante dos ACCESS POINT;
● Alta Disponibilidade
● No evento de falha de uma access point, os controladores wireless LAN
automaticamente devem ajustar a potência dos access points adjacentes para
dar cobertura de area onde a access point que falhou estava provendo serviço;
● No evento de falha de um controlador individual, os access points devem ser
capazes de encontrar automaticamente um controlador backup para manter
disponível o serviço;
● O controlador de WLAN deve permitir a topologia redundante N+1, permitindo
escalabilidade e alta disponibilidade contra disrupção de hardware e software;
● Controlador deve permitir o controle/monitoramento inicialmente de 30 acccess
points podendo escalar ate 50 access points;

● Suportar a Mobilidade dos usuários em redes Layers 2 e Layer 3;
● Integraçao com a rede LAN – suporte a padrões 10/100 ethernet como IEEE
802.3 10BASE-T, IEEE 802.3u 100BASE-TX, IEEE 802.1Q VLAN tagging, e
IEEE 802.1D Spanning Tree Protocol;
● O controlador deverá suportar o gerenciamento das capacidades especificas de
RF(Radio Frequency) incluindo:
● Ajuste dinâmico de canais: ajustar canais 802.11 para otimizar a cobertura de
rede e mudar as condições RF(Radio Frequency) baseado em performance;
● Detectar interferência e recalibrar parâmetros de RF(Radio Frequency) evitando
problemas de cobertura e performance;
● Permitir balanceamento de carga de usuários de modo automático através de
múltiplos access points para otimizar a performance durante utilização elevada da
rede;
● Utilizar mecanismos automáticos de gerenciamento de recursos de rádio (Radio
Resource Management - RMM), detectar buracos de cobertura (coverage holes),
indisponibilidades de access points, e executar auto-configuração e auto-
otimização;
● Controle dinâmico de potência: o sistema dinamicamente ajusta a saída de
potência dos access points individualmente para acomodar as condições de
alterações da rede;
● Implementar IGMP v1 e v2;
● Implementar Syslog;
● Implementar SNTP ou NTP;
● Gerenciamento das capacidades de segurança:
● Detectar e evitar a interferência 802.11 e controle de propagação indesejado;
● Detecção de Rogue AP e localização de dispositivos;
● Gerenciamento de políticas de segurança de usuários ou grupos de usuários
Wireless LAN, incluindo:

Página 7 de 36
● Layer 2 security: 802.1x EAP-TLS, WPA, 802.11i (WPA2);
● Segurança Layer 3: autenticação web;
● Atribuição automática de VLAN;
● Access control lists (ACLs);
● QoS;
● Gerenciamento das capacidades de segurança:
● Detectar e evitar a interferência 802.11 e controle de propagação indesejado;
● Detecção de Rogue AP e localização de dispositivos;
● Gerenciamento de políticas de segurança de usuários ou grupos de usuários
Wireless LAN, incluindo:
● Layer 2 security: 802.1x (PEAP, TLS, TTLS, FAST, SIM, LEAP), WPA, 802.11i
(WPA2);
● Segurança Layer 3: IPSec, autenticação web;
● Atribuição de VLAN;
● Access control lists (ACLs);
● QoS;
● Segurança para acesso corporativo para usuários visitantes, habilitando o acesso
corporativo somente através de firewall corporativo;

3.5.
FIREWALL
 Características Mínimas
● O equipamento deve ser de formato “appliance”, com software dedicado para a
função de Firewall;
● Possuir throughput de no mínimo 100 Mbps e 50.000 sessões, permitindo
expansão para pelo menos 100.000 sessões;
● Possuir throughput de no mínimo 50 Mpps para IPS;
● Possuir no mínimo 3 (três) interfaces 10/100 Mbps, permitindo expansão futura;
● Realizar inspeção “stateful” dos pacotes, levando em conta a totalidade dos
pacotes no fluxo UDP, TCP e ICMP, considerando a possibilidade de
fragmentação dos pacotes hostis e as características do protocolo ou aplicação
utilizados;
● Permitir a criação de regras de filtragem (Permit ou Deny) de pacotes baseadas
nos endereços e portas de origem e destino, nas relações de 1 endereço para N,
N para 1 e N para N;
● Ter a capacidade de bloquear ataques do tipo denial of service (DoS);
● Ter possuir filtros específicos para bloquear ataques do tipo spyware, trojans,
phishing, ataques a VoIP;
● Ter a capacidade de detectar automaticamente o tráfego proveniente dos
principais worms e vírus atuais na rede, através da inspeção e reconhecimento
do conteúdo dos pacotes, bloqueando-os mesmo que existam regras que
permitam tal tráfego;
● Ter a capacidade de receber atualizações referentes à sua capacidade de
reconhecimento do tráfego malicioso proveniente de novos worms e vírus;

Página 8 de 36
● Deve possuir a capacidade de identificar, limitar em banda e/ou bloquear tráfego
de aplicações de mensagens instantâneas e transferência de arquivos do tipo
P2P;
● Suportar a configuração de regras para passagem de túneis tipo GRE e VPN
IPSEC e outras através dos firewalls;
● Permitir a segmentação de redes através de várias interfaces com políticas
distintas de segurança para cada VLAN;
● Inspeção Layer 7 dos protocolos de rede mais utilizados em redes locais TCP/IP;
● Permitir o registro de acessos e o registro de eventos (logs), utilizando syslog
e/ou traps SNMP;
● Permitir a sincronização de tempo através do protocolo NTP;
● Permitir a gerência local e centralizada;
● O equipamento deverá possuir fonte de alimentação interna e operar em 110 V
ou 220 V; 60Hz com chaveamento automático.

3.6. EQUIPAMENTOS DE TELEFONIA

3.7. PABX IP
 Características Mínimas
● O equipamento deve permitir o registro e controle dos telefones IP e armazenar
as configurações de usuários e do próprio PABX;
● Deve haver suporte à monitoramento e administração remota via web browser;
● 12O PABX deve permitir expansão de no mínimo 50% de sua capacidade, que
inicialmente suportará não menos que 1000 telefones IP;
● Deve ser fornecido com suporte a CD-ROM, DVD e interface USB.

 Software para Controle de Chamadas


a. Responsável pelo controle e configuração dos telefones IP, softphones e adaptadores de
telefones convencionais, e pela criação de regras de comunicação entre usuários, criando
categorias de acesso distintas para chamadas locais, DDD ou DDI;

b. Deve ser embarcado nos servidores e ser entregue instalado, de modo que não seja
necessária a gestão do sistema operacional pelo CONTRATANTE;

c. Possuir a capacidade de registrar telefones através do protocolo SIP;

d. Possuir a capacidade de registrar telefones através do protocolo DHCP/BOOTP;

e. O aprovisionamento dos telefones IPs deverá ser automático, de forma que ao se registrarem
no Sistema de controle, sejam automaticamente associados à VLAN de Voz, sem
necessidade de nenhuma intervenção manual;

f. Deverá permitir atualização de software por meio de servidor TFTP ou SFTP;

g. Deve possuir capacidade de atualizar o firmware dos telefones IP de forma remota;

h. Deve permitir a criação e gerência de áudio-conferência entre os telefones IP;

Página 9 de 36
i. Deve permitir a emulação da função de atendente (telefonista) via interface Web;
j. Suporte a DNIS (Dialed Number Identification Service) e música de espera;
k. Deve implementar mecanismos de Call Admission Control (CAC) entre as regiões
administrativas, sem a necessidade de utilização de Gatekeeper;
l. Deve permitir integração com SIP Proxy para a interconexão de diferentes sistemas segundo
RFC 3725;
m. Implementar “Hot Line”, PLAR (Private Line Automated Ringdown), tratamento de chamada,
manipulação de dígitos, inserção ou remoção de dígitos, substituição de dígitos;
n. Suporte a supressão de silêncio;
o. Deve suportar a autenticação prévia do usuário para que seja permitida a utilização de
qualquer ramal na rede;
p. Deve suportar os CODECs G.711 a-law e u-law, G.723.1 e G.729 A/B, além dos protocolos
H.323, MGCP, SIP, tronco SIP, 802.1p e 802.1q;
q. Deve possuir suporte a Fax sobre IP;
r. Suportar telefone por software (soft-phone);
s. Deverá permitir a redundância de servidor (cada telefone deve poder se registrar em, no
mínimo, 2 servidores de comutação);
t. Gerar registros de detalhamento de chamadas (CDRs) permitindo a integração do PABX IP a
sistemas de tarifação;
u. Deve permitir integração com solução de videoconferência;
v. Deve permitir a diferenciação de toques para chamadas “on-net”(rede IP) e “off-net” (PSTN);
w. Deve possuir as seguintes facilidades básicas:
x. Reencaminhamento de chamadas;
y. Reencaminhamento de chamadas na eventualidade de linha ocupada;
z. Reencaminhamento de chamadas na eventualidade da não resposta do destinatário;
aa. Estacionamento da chamada;
bb. Captura da chamada;
cc. Captura da chamada em grupo;
dd. Identificação do número chamador;
ee. Acesso à lista de ramais corporativos, através do protocolo LDAP;
ff. Suporte a mobilidade de ramal por usuário;
gg. Suporte a indicação visual de mensagem em espera;
hh. Suporte a transferência de chamadas;
ii. Suporte a grupos rotativos;
jj. Conferência;
kk. Grupo diferenciado de comunicação;
ll. Desvio;
mm. Hot-line.
nn. Os serviços de diagnóstico devem ser acessíveis local e remotamente, via rede IP. Não é
permitido a utilização de modem para este acesso remoto;

Página 10 de 36
oo. Deve permitir a administração do sistema através de um “Web Browser” ;
pp. O sistema deve possuir ferramenta para criação de perfis de operação da interface de
administração;
qq. Gerar registros de detalhamento de chamadas (CDRs) permitindo a integração do PABX IP a
sistemas de tarifação de mercado;
rr. A solução deve possibilitar o suporte a posições de atendimento de Contact Center;
ss. O sistema deve possuir recurso de “sobrevivência” garantindo que telefones IP localizados
em redes remotas continuem sua operação em caso de falha do circuito de WAN;
tt. Deve implementar “seleção automática de rota”. Em caso de indisponibilidade do link ou de
insuficiência de recursos (banda) para realização da chamada através da rede WAN, a
chamada deve ser automaticamente desviada para a rede de telefonia pública;
uu. O sistema deverá suportar facilidade de diretório, na qual os usuários com aparelhos com
display podem consultar a base de dados do sistema integrado de voz, usar as teclas para
entrar com o nome da pessoa que precisa ser chamada e assim obter o ramal da pessoa
desejada;
vv. Deve permitir integração com solução de videoconferência H.323 através de MCU IP;
ww. Os telefones IPs, assim como os conversores Analógicos devem ser obrigatoriamente do
mesmo fabricante;
xx. O Sistema deve ser compatível com o padrão SIP:
yy. O PABX IP deverá suportar SIP e as seguintes RFC’s:
zz. RFC3261- Invite, Cancel, ACK, 200OK, Bye, Re-Invite, SIPs URI, TLS, Digest
authentication, 1xx responses, redirection 3xx, 4xx, 5xx e 6xx response codes;
aaa. RFC2833 – DTMF;
bbb. RFC3515/3420 – REFER
ccc.RFC3891 – Replaces Header;
ddd. RFC2976 – INFO;
eee. RFC3311 – UPDATE;
fff. RFC3262 – PRACK;
ggg. RFC3264 – Offer/Answer;
hhh. RFC3265 – SUBSCRIBER/NOTIFY;
iii. RFC3856 – PRESENCE;
jjj. RFC3842 – MWI;
kkk.RFC 2778/2779 – SIMPLE;
lll. RFC 3326 – Reason Header.

3.8.
GATEWAY DE VOZ
 Características Mínimas

● Deve permitir entroncamento com a rede pública através de Troncos Analógicos e Digitais;
● Possibilita ao PABX IP interligar-se com a Prestadora de Telefonia local em meio de
transmissão digital à velocidade de 2 Mbit/s (PCM30), quando necessário, com sinalização de

Página 11 de 36
linha R2 digital (CAS) ou ISDN PRI (CCS);
● Os gateways devem permitir a interligação do sistema de telefonia IP a sistemas TDM através
de sinalização ISDN Q.SIG;
● As soluções de gateways deverão suportar os protocolos definidos pelo padrão H.323, MGCP
e SIP;
● Suporte a supressão de silêncio;
● Implementar compressão de cabeçalho RTP (cRTP);
● Implementar mecanismos de fragmentação e interleaving MLPPP e FRF.12;
● As soluções de gateways deverão possuir mecanismos que priorizem o tráfego de voz para
garantia da entrega do serviço via Rede WAN;
● Possuir, no mínimo, 2 portas FastEthernet (10/100 Mbps) com conectores RJ-45;
● Possuir, no mínimo, 3 interfaces E1 de 2Mpbs, com suporte a sinalização CAS e ISDN. Estar
devidamente equipado com DSPs para suportar as interfaces de voz mencionadas;
● Deve ser obrigatoriamente do mesmo fabricante do servidor de controle de chamadas para
telefonia IP.
● As soluções de gateways deverão suportar os protocolos definidos pelo padrão SIP;
● Deve suportar dois SIP Proxys;
● Deve implementar os Codecs G.711 u-law e a-law, G.723, G.726, G.727, G.729A;
● Deve implementar supressão de silêncio, implementando G.729B e G723.1A, e geração de
ruído de fundo;
● Deve implementar cancelamento de eco segundo o padrão G.168;
● Deve possuir buffer para eliminação de Jitter programável dinâmico;
● Deve implementar transporte de Fax segunto T.38;
● Deve implementar detecção de modem e chaveamento automático para PCM ou ADPCM;
● Deve implementar os protocolos RTP e RTCP;
● Deve implementar a transferência de dígitos DTMF de acordo com ao RFC 2833;
● Deve ser gerenciável via SNMP;
● Deve ser configurável via HTTP;
● Deve enviar mensagens de log para um servidor Syslog segundo RFC 3164;
● Suporte a supressão de silêncio;
● As soluções de gateways deverão possuir mecanismos que priorizem o tráfego de voz para
garantia da entrega do serviço via Rede WAN;
● Possuir, no mínimo, 2 portas FastEthernet (10/100 Mbps) com conectores RJ-45;
● Possuir, no mínimo, 3 interfaces E1 de 2Mpbs, com suporte a sinalização CAS e ISDN. Estar
devidamente equipado com DSPs para suportar as interfaces de voz mencionadas;
● Deve ser obrigatoriamente do mesmo fabricante do servidor de controle de chamadas para
telefonia IP.

Página 12 de 36
3.9. Quantidade de Pontos

Andar Qtdde. Access Points


15 4 2
14 17 2
13 24 2
12 24 2
11 24 2
10 24 2
9 24 2
8 24 2
7 45 2
6 37 2
5 43 2
4 34 2
3 17 2
2 23 2
1 21 2
T 7 -
1SS 10 -
2SS 1 -
3SS 1 -
4SS 1
Total 405 30

4. ESPECIFICAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA E SERVIÇOS DE CABEAMENTO

4.1. Especificações Técnicas do Sistema de Cabeamento Estruturado e Óptico


4.1.1. Cabo UTP - Categoria 6
4.1.1.1. Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e
imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 Categoria 6,
para cabeamento primário e secundário entre os painéis de distribuição
(Patch Panels) ou conectores nas áreas de trabalho, em sistemas que
requeiram grande margem de segurança sobre as especificações
normalizadas para garantia de suporte às aplicações futuras.
4.1.1.2. Descrição
4.1.1.2.1. Exceder as características elétricas contidas na norma ANSI/TIA/EIA-
568-B.2-1 Categoria 6;
4.1.1.2.2. Possuir certificado de performance elétrica (Verified) pela UL ou ETL,
conforme especificações da norma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 e ISO/IEC
11801 bem como certificado para flamabilidade (UL Listed) CM ou CMR
conforme UL;
4.1.1.2.3. Apresentar Certificação ETL ou UL em conformidade com a norma
ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 Categoria 6 impressa na capa;
4.1.1.2.4. Impedância característica de 100 Ω (Ohms);
4.1.1.2.5. Ser composto por condutores de cobre sólido; capa externa em PVC não
propagante à chama, com possibilidade de fornecimento nas cores azul,
amarelo, preto, verde, branco, bege, marrom, laranja, vermelha ou cinza;
4.1.1.2.6. Possuir fácil identificação dos pares;
4.1.1.2.7. Possuir impresso na capa externa nome do fabricante, marca do produto,
gravação de dia/mês/ano – hora de fabricação para rastreamento de lote;

Página 13 de 36
4.1.1.2.8. Deverá possuir também na capa externa gravação seqüencial métrica
decrescente de 305m a zero que permita o reconhecimento imediato pela
capa, do comprimento de cabo residual dentro da caixa;
4.1.1.2.9. O fabricante preferencialmente deverá possuir Certificado ISO 9001 e
ISO 14001;
4.1.1.2.10. Ser certificado através do Teste de POWER SUM, comprovado através
de catálogo e/ou folders do fabricante;
4.1.1.2.11. Deverá ser apresentado através de catálogos, testes das principais
características elétricas em transmissões de altas velocidades (valores
típicos) de ATENUAÇÃO (dB/100m), NEXT (dB), PSNEXT(dB), SRL(dB),
ACR(dB), para freqüências de 100, 200, 350 e 550Mhz;
4.1.1.2.12. O cabo utilizado deverá possuir certificação Anatel impressa na capa;
4.1.1.2.13. A embalagem utilizada pode ser do tipo “Reel in a Box – RIB”, que
garante que a performance elétrica do cabo não será diminuída após
instalação;
4.1.1.2.14. Possuir certificação de canal para 4 conexões por laboratório de 3a.
Parte.

4.1.2. Conector RJ-45 Fêmea - Categoria 6


4.1.2.1. Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e
imagens,segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 Categoria 6,
para cabeamento horizontal ou secundário, uso interno, em ponto de
acesso na área de trabalho para tomadas de serviços em sistemas
estruturados de cabeamento e em sistemas que requeiram grande margem
de segurança sobre as especificações normalizadas para garantia de
suporte às aplicações futuras.
4.1.2.2. Descrição
4.1.2.2.1. Exceder as características elétricas contidas na norma ANSI/TIA/EIA-
568-B.2-1 Categoria 6 e a FCC part. 68.5 (EMI - Interferência
Eletromagnética);
4.1.2.2.2. Possuir Certificação UL LISTED e UL VERIFIED;
4.1.2.2.3. O fabricante preferencialmente deverá apresentar certificação ISO 9001
e ISO14001;
4.1.2.2.4. Ter corpo em material termoplástico de alto impacto não propagante à
chama que atenda a norma UL 94 V-0 (flamabilidade);
4.1.2.2.5. Possuir protetores traseiros para as conexões e tampa de proteção
frontal (dust cover) removível e articulada com local para inserção, (na
própria tampa), do ícone de identificação (ANSI/EIA/TIA-606-A);
4.1.2.2.6. Possuir vias de contato produzidas em bronze fosforoso com camadas
de 2,54 m de níquel e 1,27 m de ouro;
4.1.2.2.7. Apresentar disponibilidade de fornecimento nas cores (branca, bege,
cinza, vermelha, azul, amarela, marrom, laranja, verde e preta);
4.1.2.2.8. O keystone deve ser compatível para as terminações T-568A e T-568B,
segundo a ANSI/TIA/EIA-568-B.2;
4.1.2.2.9. Possuir terminação do tipo 110 IDC (conexão traseira) estanhados para a
proteção contra oxidação e permitir inserção de condutores de 22 AWG a 26
AWG, permitindo ângulos de conexão do cabo, em até 180 graus;
4.1.2.2.10. Suportar ciclos de inserção, na parte frontal, igual ou superior a 750
(setecentas e cinqüenta) vezes com conectores RJ-45 e 200 inserções com
RJ11;
4.1.2.2.11. Suportar ciclos de inserção, igual ou superior a 200 (duzentas) vezes
com terminações 110 IDC;
4.1.2.2.12. Possibilitar o perfeito acoplamento com a tomada para conexão do RJ –
45 fêmea, uma e duas posições, e com os espelhos para conexão do RJ –
45 fêmea de duas, quatro e seis posições;
4.1.2.2.13. Os contatos IDC devem ser em ângulo de 45° para melhor performance
elétrica;
4.1.2.2.14. Identificação do conector como Categoria 6 (C6), gravado na parte frontal
do conector;
4.1.2.2.15. Fornecido com instrução de montagem na língua Portuguesa;

Página 14 de 36
4.1.2.2.16. Terminais de conexão em bronze fosforoso estanhado, padrão 110 IDC,
para condutores de 22 a 26 AWG;
4.1.2.2.17. Possuir certificação de canal para 4 conexões por laboratório de 3a.
Parte.

4.1.3. Painel Modular - Patch Panel - Categoria 6


4.1.3.1. Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e
imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 Categoria 6,
uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de
telecomunicações (crossconnect) para distribuição de serviços em sistemas
horizontais e em sistemas que requeiram grande margem de segurança
sobre as especificações normalizadas para garantia de suporte às
aplicações como Gigabit Ethernet 1000 Mbps (em modo half ou full-duplex e
ATM CBIG).
4.1.3.2. Descrição:
4.1.3.2.1. Exceder as características elétricas contidas na norma ANSI/TIA/EIA-
568-B.2-1 Categoria 6 e a FCC part. 68.5 (EMI - Interferência
Eletromagnética);
4.1.3.2.2. Certificação UL LISTED e UL VERIFIED, tendo o selo das mesmas
impressas no produto;
4.1.3.2.3. O fabricante preferencialmente deverá apresentar certificação ISO 9001
e ISO 14001;
4.1.3.2.4. Painel frontal em termoplástico de alto impacto, não propagante a chama
que atenda a norma UL 94 V-0 (flamabilidade), com porta etiquetas de
identificação em acrílico para proteção;
4.1.3.2.5. Apresentar largura de 19 “, conforme requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-
310D e altura de 1 U ou 44,5mm para os Patch Panels de 24 portas e 2U ou
89mm para os Patch Panels de 48 portas.
4.1.3.2.6. Ser disponibilizado em 24 ou 48 portas com conectores RJ-45 fêmea na
parte frontal, estes devem ser fixados a circuitos impressos (para
proporcionar melhor performance elétrica);
4.1.3.2.7. Estes (circuitos impressos), devem ser totalmente protegidos (tampados)
por um módulo em termoplástico de alto impacto, não propagante a chama
que atenda a norma UL 94 V-0 (flamabilidade), para proteção contra sujeira
e curto circuito;
4.1.3.2.8. Os contatos IDC devem ser em ângulo de 45° para melhor performance
elétrica
4.1.3.2.9. Os conectores fêmea RJ-45 devem possuir as seguintes características:
Atender a ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 Categoria 6 e a FCC part. 68.5
(Interferência Eletromagnética), ter corpo em termoplástico de alto impacto
não propagante a chama que atenda a norma UL 94 V-0 (flamabilidade),
possuir vias de contato produzidas em bronze fosforoso com camadas de
2,54 m de níquel e 1,27 m de ouro, possuir terminação do tipo 110 IDC
(conexão traseira) estanhados para a proteção contra oxidação dispostos
em 45 graus, permitindo inserção de condutores de 22 AWG a 26 AWG;
4.1.3.2.10. Identificação do fabricante no corpo do produto;
4.1.3.2.11. Possuir local para aplicação de ícones de identificação (para
codificação), conforme requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-606-A;
4.1.3.2.12. Fornecido de fábrica com ícones de identificação (nas cores azul e
vermelha);
4.1.3.2.13. Ser fornecido com guia traseiro perfurado, em material termoplástico de
alto impacto, não propagante a chama que atenda a norma UL 94 V-0
(flamabilidade) com possibilidade fixação individual dos cabos,
proporcionando segurança, flexibilidade e rapidez na montagem;
4.1.3.2.14. Ser fornecido com acessórios para fixação dos cabos (velcros e cintas de
amarração);
4.1.3.2.15. Possuir identificação seqüencial das portas na parte traseira do Patch
Panel, correspondente a identificação das portas na parte frontal (facilitando
manutenção e instalação);

Página 15 de 36
4.1.3.2.16. Possuir em sua estrutura, elementos laterais em material metálico, que
eliminem o risco de torção do corpo do Patch Panel;
4.1.3.2.17. Suportar ciclos de inserção, igual ou superior a 200 (duzentas) vezes
com terminações 110 IDC;
4.1.3.2.18. Suportar ciclos de inserção, na parte frontal, igual ou superior a 750
(setecentas e cinqüenta) vezes com conectores RJ-45 e 200 inserções com
RJ11;
4.1.3.2.19. Ser compatível com conectores RJ11;
4.1.3.2.20. Ser fornecido em módulos de 8 posições;
4.1.3.2.21. Permitir a instalação de sistemas de limitação de acesso físico,
dispositivos do tipo trava de Patch Cord;
4.1.3.2.22. Fornecido com instrução de montagem na língua Portuguesa;
4.1.3.2.23. Compatível com as terminações T568A e T568B, segundo a norma
ANSI/TIA/EIA-568-B.2, sem a necessidade de trocas de etiqueta;
4.1.3.2.24. Possuir certificação de canal para 4 conexões por laboratório de 3a.
Parte.

4.1.4. Cordão de Conexão Patch Cable - Categoria 6


4.1.4.1. Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e
imagens,segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 Categoria 6.
Previstos para cabeamento horizontal ou secundário, uso interno, em ponto
de acesso à área de trabalho para interligação do hardware de
comunicação do usuário às tomadas de conexão da rede e também nas
salas de telecomunicações, para manobras entre os painéis de distribuição
(patch panel) e os equipamentos ativos da rede (hub, switch, etc.)
4.1.4.2. Descrição:
4.1.4.2.1. Exceder as características elétricas contidas na norma ANSI/TIA/EIA-
568-B.2-1 Categoria 6;
4.1.4.2.2. Possuir características elétricas e performance testada em freqüências
de até 250 MHz;
4.1.4.2.3. O fabricante preferencialmente deverá possuir certificação ISO 9001 e
ISO 14001;
4.1.4.2.4. Deverão ser montados e testados em fábrica, com garantia de
performance;
4.1.4.2.5. O acessório deve ser confeccionado em cabo par trançado, UTP
Categoria 6 (Unshielded Twisted Pair), 24 AWG x 4 pares, composto por
condutores de cobre flexível, multifilar, isolamento em poliolefina e capa
externa em PVC não propagante a chama, conectorizados à RJ-45 macho
Categoria 6 nas duas extremidades, estes conectores (RJ-45 macho),
devem atender às especificações contidas na norma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-
1 Categoria 6 e a FCC part. 68.5 (Interferência Eletromagnética), ter corpo
em material termoplástico de alto impacto não propagante a chama que
atenda a norma UL 94 V-0 (flamabilidade), possuir vias de contato
produzidas em bronze fosforoso com camadas de 2,54 m de níquel e 1,27
m de ouro, para a proteção contra oxidação, garras duplas para garantia
de vinculação elétrica com as veias do cabo;
4.1.4.2.6. Possuir classe de flamabilidade no mínimo CM;
4.1.4.2.7. Possuir classe de flamabilidade impressa na capa, com o correspondente
número de registro (file number) da entidade certificadora (UL);
4.1.4.2.8. O cabo deve apresentar Certificação ETL em conformidade com a norma
ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 (stranded cable);
4.1.4.2.9. Deverá ser utilizado para manobras entre painel de conexão (Patch
Panel) e os equipamentos;
4.1.4.2.10. Disponível nas terminações T-568A e T-568B, segundo Norma
ANSI/TIA/EIA-568-B;
4.1.4.2.11. Deve ser disponibilizado pelo fabricante em pelo menos 8 cores
atendendo às especificações da ANSI/TIA/EIA-606-A;
4.1.4.2.12. O cabo utilizado deverá possuir certificação Anatel impressa na capa;

Página 16 de 36
4.1.4.2.13. Possuir certificação de canal para 4 conexões por laboratório de 3a.
Parte.

4.1.5. Cordão de Conexão - Adapter Cable - Categoria 6


4.1.5.1. Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e
imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 Categoria 6.
Previstos para cabeamento horizontal ou secundário, uso interno, em ponto
de acesso à área de trabalho para interligação do hardware de
comunicação do usuário às tomadas de conexão da rede e também nas
salas de telecomunicações, para manobras entre os painéis de distribuição
(Patch panels) e os equipamentos ativos da rede (hubs, switches, etc.).
4.1.5.2. Descrição:
4.1.5.2.1. Exceder as características elétricas contidas na norma ANSI/TIA/EIA-
568-B.2-1 Categoria 6;
4.1.5.2.2. Possuir características elétricas e performance testada em freqüências
de até 250 MHz;
4.1.5.2.3. Possuir classe de flamabilidade no mínimo CM;
4.1.5.2.4. O fabricante preferencialmente deverá possuir certificação ISO 9001 e
ISSO 14001;
4.1.5.2.5. Deverão ser montados e testados em fábrica, com garantia de
performance;
4.1.5.2.6. Possuir certificação UL LISTED;
4.1.5.2.7. O acessório deve ser confeccionado em cabo par trançado, UTP
Categoria 6 (Unshielded Twisted Pair), 24 AWG x 4 pares, composto por
condutores de cobre flexível, multifilar, isolamento em poliolefina e capa
externa em PVC não propagante a chama, conectorizados à RJ-45 macho
Categoria 6 nas duas extremidades, estes conectores (RJ-45 macho),
devem atender às especificações contidas na norma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-
1 Categoria 6 e a FCC part. 68.5 (Interferência Eletromagnética), ter corpo
em material termoplástico de alto impacto não propagante a chama que
atenda a norma UL 94 V-0 (flamabilidade), possuir vias de contato
produzidas em bronze fosforoso com camadas de 2,54 m de níquel e 1,27
m de ouro, para a proteção contra oxidação, garras duplas para garantia
de vinculação elétrica com as veias do cabo;
4.1.5.2.8. Possuir classe de flamabilidade impressa na capa, com o correspondente
número de registro (file number) da entidade Certificadora (UL);
4.1.5.2.9. O Cabo utilizado deve apresentar Certificação ETL em conformidade com
a norma ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 (stranded cable);O Adapter Cable deverá
ser utilizado para interligação entre a “tomada lógica” e a “estação de
trabalho”;
4.1.5.2.10. Deve possuir capa protetora (bota) do mesmo dimensional do RJ-45 plug
e proteção à lingüeta de travamento. Esta capa protetora deve ajudar a
evitar a curvatura excessiva do cabo em movimentos na conexão;
4.1.5.2.11. Deve ser disponibilizado pelo fabricante em pelo menos 8 cores
atendendo às especificações da ANSI/TIA/EIA-606-A;
4.1.5.2.12. O cabo utilizado deverá possuir certificação Anatel impressa na capa;
4.1.5.2.13. Possuir certificação de canal para 4 conexões por laboratório de 3a.
Parte.

4.1.6. Patch Panel Descarregado Alta Densidade 24P 19polx1U


4.1.6.1. Fabricado em aço com pintura epóxi na cor preta resistente a riscos e
corrosão, para até 24 posições em 1U (44,45 mm) de altura, com
profundidade de 90 mm;
4.1.6.2. Apresenta largura de 19", conforme requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-
310D;
4.1.6.3. Compatível com Conectores RJ-45 (Fêmea) Categorias 5e e/ou 6;
conjuntos adaptadores ópticos (SC, LC, FC, ST, MT-RJ e outros); conjunto
adaptador F;
4.1.6.4. Identificação do fabricante no corpo do produto;

Página 17 de 36
4.1.6.5. Possui identificação dos conectores na parte frontal do Patch Panel
(facilitando manutenção e instalação);
4.1.6.6. O fabricante preferencialmente deverá apresentar certificação ISO 9001 e
ISO 14001;
4.1.6.7. Ser fornecido com guia traseiro, em material metálico com possibilidade
fixação individual dos cabos, proporcionando segurança, flexibilidade e
rapidez na montagem;

4.1.7. Cabo Óptico Interno/Externo Multimodo


4.1.7.1. Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e
imagens, com distribuição em campus, entre prédios, que exijam
interligações ópticas externas e também em instalações internas, em
backbones de interligações verticais entre armários de distribuição principal
e de andares ou para atendimento às áreas de trabalho em sistemas FFTD
(Fiber To The Desk).
4.1.7.2. Descrição:
4.1.7.2.1. Permitir aplicação em ambiente externo e interno, com construção do tipo
“tight”, composto por fibras ópticas multimodo com revestimento primário em
acrilato e revestimento secundário em material polimérico colorido (900 µm),
reunidas e revestidas por fibras sintéticas dielétricas para suporte mecânico
(resistência à tração) e cobertas por uma capa externa em polímero especial
para uso interno e externo na cor preta;
4.1.7.2.2. Fabricante deste cabo óptico preferencialmente deverá possuir
certificação ISO 9001 E ISO 14001.
4.1.7.2.3. Apresentar Certificação UL (OFNR);
4.1.7.2.4. Este cabo deverá ser constituído por fibras multimodo 62,5/125 µm ou
50/125 µm ±3µm, proof-test 100Kpsi.
4.1.7.2.5. Apresentar atenuação máxima de: 3,5 dB/km em 850ηm; 1,5 dB/km em
1300ηm
4.1.7.2.6. Apresentar largura de banda: 200MHz.km (62,5) ou 500MHz.Km (50) em
850ηm
4.1.7.2.7. 600MHz.km (62,5) ou 500 MHz.Km (50) em 1300ηm.
4.1.7.2.8. Ser totalmente dielétrico, garantindo a proteção dos equipamentos ativos
de transmissão contra propagação de descargas elétricas atmosféricas.
4.1.7.2.9. Possuir resistência à umidade, fungos, intempéries e ação solar
(proteção UV);
4.1.7.2.10. Possuir raio mínimo de curvatura de 40 mm após a instalação e de
100mm durante a instalação;
4.1.7.2.11. Possuir resistência à tração durante a instalação de 185Kgf;
4.1.7.2.12. Temperatura de operação de -20 a 65 graus, comprovada através de
teste ciclo térmico.
4.1.7.2.13. Possuir impresso na capa externa nome do fabricante, marca do produto,
data de fabricação, gravação seqüencial métrica (em sistema de medida
internacional SI);
4.1.7.2.14. Aplicação em Sistemas de cabeamento intrabuilding e interbuilding,
segundo as normas ANSI EIA/TIA 568B e ANSI EIA/TIA 568-B.3.

4.1.8. Cabo Óptico Externo Multimodo


4.1.8.1. Aplicabilidade - Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz,
dados e imagens, com distribuição em campus, entre prédios, que exijam
interligações ópticas externas.
4.1.8.2. Descrição:
4.1.8.2.1. Este cabo óptico adotado para uso externo deverá ser do tipo “loose“,
composto por fibras ópticas multimodo com revestimento primário em
acrilato, protegidas por tubo de material termoplástico. O interior deste tubo
deverá ser preenchido por gel;
4.1.8.2.2. A unidade básica e o elemento de tração (dielétrico) deverão ser
revestidos por um material termoplástico;
4.1.8.2.3. Fabricante deste cabo óptico preferencialmente deverá possuir
certificação ISO 9001 E ISO 14001.

Página 18 de 36
4.1.8.2.4. Este cabo deverá ser constituído por fibras multimodo 62,5/125 µm ou
50/125 µm ±3µm, proof-test 100Kpsi.
4.1.8.2.5. Apresentar atenuação máxima de: 3,5 dB/km em 850ηm; 1,5 dB/km em
1300ηm
4.1.8.2.6. Apresentar largura de banda: 200MHz.km (62,5) ou 500MHz.Km (50) em
850ηm
4.1.8.2.7. 600MHz.km (62,5) ou 500 MHz.Km (50) em 1300ηm.
4.1.8.2.8. Ser do tipo “loose“ geleado e totalmente dielétrico;
4.1.8.2.9. Possuir resistência a raios ultravioleta e umidade;
4.1.8.2.10. Possuir raio mínimo de curvatura de 50 mm após a instalação e de
100mm durante a instalação;
4.1.8.2.11. Temperatura de operação de –20° a 65°C, comprovada através de teste
ciclo térmico.
4.1.8.2.12. Possuir impresso na capa externa nome do fabricante, marca do produto,
data de fabricação, gravação seqüencial métrica (em sistema de medida
internacional SI).

4.1.9. Cabo Óptico Externo Multimodo auto-sustentado


4.1.9.1. Aplicabilidade - Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz,
dados e imagens, com distribuição em campus, entre prédios, que exijam
interligações ópticas externas.
4.1.9.2. Descrição:
4.1.9.2.1. Este cabo óptico adotado para uso externo deverá ser do tipo “loose”,
composto por fibras ópticas do tipo multimodo dentro de tubo termoplástico
com gel para acomodação das fibras, revestido por fibras sintéticas
dielétricas para suporte mecânico (resistência à tração) e cobertos por uma
capa externa em polietileno na cor preta;
4.1.9.2.2. Deverá ser totalmente dielétrico, ser resistente a intempéries e ação solar
(proteção UV);
4.1.9.2.3. Fabricante deste cabo óptico preferencialmente deverá possuir
certificação ISO 9001 E ISO 14001.
4.1.9.2.4. Apresentar Certificações UL ou CSA;
4.1.9.2.5. Este cabo deverá ser constituído por fibras multimodo 62,5/125 µm ou
50/125 µm ±3µm, proof-test 100Kpsi.
4.1.9.2.6. Apresentar atenuação máxima de: 3,5 dB/km em 850ηm e 1,5 dB/km em
1300ηm
4.1.9.2.7. Apresentar largura de banda: 200MHz.km (62,5) ou 500MHz.Km (50) em
850ηm; 600MHz.km (62,5) ou 500 MHz.Km (50) em 1300ηm.
4.1.9.2.8. Possuir resistência à tração durante a instalação de 140Kgf;
4.1.9.2.9. Temperatura de operação de -10 a 65 graus, comprovada através de
teste ciclo térmico.
4.1.9.2.10. Permitir instalações aéreas entre postes com vãos livres de até 120m
sem cordoalha de aço;
4.1.9.2.11. Possuir impresso na capa externa nome do fabricante, marca do produto,
data de fabricação, gravação seqüencial métrica (em sistema de medida
internacional SI).

4.1.10. Cabo Óptico Externo Multimodo com proteção anti-roedor


4.1.10.1. Aplicabilidade - Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de
voz, dados e imagens, com distribuição em campus, entre prédios, que
exijam interligações ópticas externas.
4.1.10.2. Descrição:
4.1.10.2.1. Este cabo óptico adotado para uso externo deverá ser do tipo “loose“,
composto por fibras ópticas multimodo com revestimento primário em
acrilato, protegidas por tubo de material termoplástico. O interior deste tubo
deverá ser preenchido por gel;
4.1.10.2.2. Deverá possuir uma fita de aço corrugada, aplicada sob a capa externa e
sobre uma capa interna de polietileno, garantindo a proteção contra ataque
de roedores;

Página 19 de 36
4.1.10.2.3. Tubo e o elemento de tração (dielétrico) deverão ser revestidos por um
material termoplástico;
4.1.10.2.4. Fabricante deste cabo óptico preferencialmente deverá possuir
certificação ISO 9001 E ISO 14001.
4.1.10.2.5. Apresentar Certificações UL ou CSA;
4.1.10.2.6. Este cabo deverá ser constituído por fibras multimodo 62,5/125 µm ou
50/125 µm ± 3µm, proof-test 100Kpsi.
4.1.10.2.7. Apresentar atenuação máxima de: 3,5 dB/km em 850 ηm e 1,5 dB/km em
1300ηm
4.1.10.2.8. Apresentar largura de banda: 200MHz.km (62,5) ou 500MHz.Km (50) em
850ηm e 600MHz.km (62,5) ou 500 MHz.Km (50) em 1300ηm.
4.1.10.2.9. Possuir resistência a raios ultravioleta e umidade;
4.1.10.2.10. Possuir resistência à tração durante a instalação de 350 Kgf;
4.1.10.2.11. Temperatura de operação de -20 a 65 graus, comprovada através de
teste ciclo térmico.
4.1.10.2.12. Possuir impresso na capa externa nome do fabricante, marca do produto,
data de fabricação, gravação seqüencial métrica (em sistema de medida
internacional SI).

4.1.11. Cordão e extensões Ópticas


4.1.11.1. Aplicabilidade - Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de
voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568-B.3
uso interno para cabeamento vertical ou primário em salas ou armários de
distribuição principal, ou para cabeamento horizontal ou secundário em
salas de telecomunicações (crossconnect) na função de interligação de
distribuidores e bloqueios ópticos com os equipamentos de rede.
4.1.11.2. Descrição:
4.1.11.2.1. Este cordão deverá ser constituído por um par de fibras ópticas
multimodo 50/125m (cor amarela) ou 62,5/125 m (cor laranja), tipo “tight“;
4.1.11.2.2. Utilizar padrão “zip-cord” de reunião das fibras para diâmetro de 2mm;
4.1.11.2.3. Ser aplicável em conectores da série SFF (Small Form Factor), seguindo
a ANSI/TIA/EIA-568-B.3;
4.1.11.2.4. A fibra óptica deste cordão deverá possuir revestimento primário em
acrilato e revestimento secundário em PVC;
4.1.11.2.5. Sobre o revestimento secundário deverão existir elementos de tração e
capa em PVC não propagante à chama;
4.1.11.2.6. As extremidades deste cordão óptico duplo devem vir devidamente
conectorizadas e testadas de fábrica;
4.1.11.2.7. Raio mínimo de curvatura aceitável para este cordão óptico duplo é de
50mm.
4.1.11.2.8. O fabricante preferencialmente deverá apresentar certificados ISO 9001
e ISO 14001;
4.1.11.2.9. Possuir impresso na capa externa nome do fabricante, marca do produto
e data de fabricação;
4.1.11.2.10. Ser disponibilizado nas opções de terminações com conectores ST / SC /
MTRJ e LC.

4.1.12. Distribuidor Interno Óptico (DIO) – 19 “ – até 24 fibras


4.1.12.1. Aplicabilidade - Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de
voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568-B.3
uso interno para cabeamento vertical ou primário em salas ou armários de
distribuição principal, ou para cabeamento horizontal ou secundário em
salas de telecomunicações (crossconnect) na função de interligação de
distribuidores e bloqueios ópticos com os equipamentos de rede.
4.1.12.2. Descrição:
4.1.12.2.1. Este distribuidor geral óptico deverá ter a função de acomodar e proteger
as emendas de transição entre o cabo ótico e as extensões óticas;
4.1.12.2.2. Ter flexibilidade quanto à substituição do suporte dos adaptadores óticos
(ST, SC, LC Duplex, FC e MT-RJ);
4.1.12.2.3. Ser modular permitindo expansão do sistema;

Página 20 de 36
4.1.12.2.4. A espessura das chapas utilizadas para a confecção dos DIOs deve
possuir espessura de 1,5mm para melhor proteção mecânica do sistema;
4.1.12.2.5. Altura (1U) e ser compatíveis com o padrão 19” ou 23”;
4.1.12.2.6. Áreas de armazenamento de excesso de fibras, acomodação, emenda
devem ficar internos à estrutura (conferindo maior segurança ao sistema);
4.1.12.2.7. As bandejas de acomodação de emendas devem ser em material
plástico;
4.1.12.2.8. Possuir resistência e /ou proteção contra a corrosão.
4.1.12.2.9. Possuir gaveta deslizante (facilitar manutenção/instalação e trabalhos
posteriores sem retirá-los do rack);
4.1.12.2.10. Possibilita configuração com diferentes tipos de terminações ópticas.
4.1.12.2.11. Possuir identificação na parte frontal;
4.1.12.2.12. Possuir painel frontal articulável, permitindo o acesso aos cordões sem
expor as fibras conectorizadas internamente;
4.1.12.2.13. Possibilitar terminação direta ou fusão, utilizando um mesmo módulo
básico;
4.1.12.2.14. Possuir acesso para cabos ópticos pela parte traseira e lateral;
4.1.12.2.15. O fabricante preferencialmente deverá apresentar certificação ISO 9001
e ISO14001.

4.1.13. Distribuidor Interno Óptico (DIO) até 6 fibras


4.1.13.1. Aplicabilidade - Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de
voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568-B.3
uso interno para cabeamento vertical ou primário em salas ou armários de
distribuição principal, ou para cabeamento horizontal ou secundário em
salas de telecomunicações (crossconnect) na função de interligação de
distribuidores e bloqueios ópticos com os equipamentos de rede.
4.1.13.2. Descrição:
4.1.13.2.1. Indicado para uso interno fixado em parede;
4.1.13.2.2. Ser confeccionado em aço, com acabamento em pintura epóxi de alta
resistência a riscos na cor preta;
4.1.13.2.3. A espessura das chapas utilizadas para a confecção dos DIO’s deve
possuir espessura de 1mm para melhor proteção mecânica do sistema;
4.1.13.2.4. Ter capacidade de gerenciar até 06 fibras;
4.1.13.2.5. Permitir utilizar conectores SC, FC ou ST;
4.1.13.2.6. Possuir dois acessos de cabos ópticos pela parte superior limitado ao
diâmetro de 13 mm;
4.1.13.2.7. Possuir modelos que apresentem disposição frontal dos adaptadores
ópticos para manobra ou disposição interna dos adaptadores ópticos,
aumentando a proteção dos adaptadores e cordões ópticos;
4.1.13.2.8. Os modelos devem apresentar funcionalidade tanto para terminação
direta ou fusão de pig-tails;
4.1.13.2.9. Possuir identificação na parte frontal;
4.1.13.2.10. Apresentar dimensões de 135 x 180 x 35mm ou 135 x 220 x 35mm;
4.1.13.2.11. O fabricante preferencialmente deverá apresentar certificação ISO 9001
E ISO14001.

4.2. Serviços: Infra-estrutura


4.2.1. Obra Civil
4.2.1.1. Fornecer base metálica, caso necessário, para suporte dos gabinetes dos
sistemas, informando a área ocupada pelos novos equipamentos,
dimensões dos equipamentos e outros necessários;
4.2.1.2. Fornecer e instalar as infra-estrutura de perfis metálicos, eletrocalhas,
esteiras, eletrodutos e tubos necessários para a passagem de cabos para a
interconexão dos sistemas e para os cabos de energia conforme
especificados durante as vistorias;
4.2.1.3. Respeitar os padrões de instalação e de LAY-OUT definidos pelo projeto
de arquitetura, levando-se em consideração as posições das estações de

Página 21 de 36
trabalho, e outras especificações que devem ser levantadas durante as
vistorias;
4.2.1.4. A proponente deve realizar a conexão com o aterramento do prédio
utilizando-se de ferramentas e materiais próprios e apropriados;
4.2.1.5. A proponente deve fornecer os materiais necessários à instalação dos
equipamentos localizados no ambiente da Obra, ou seja, conectores, cabos,
racks, cantoneiras, esteiramento, calhas aramadas, amarração, patch
panels, guia de cabos e identificação de cabos, assim como quaisquer
outros materiais e serviços adicionais para a interconexão dos
equipamentos disponibilizados;
4.2.1.6. A proponente deve identificar todos os racks, guia de cabos,
equipamentos ativos e cabos de conexão do cabeamento vertical e
horizontal assim como patch cords óticos e UTPs;
4.2.1.7. Realizar as instalações do cabeamento estruturado, assim como todos os
trabalhos necessários para atingir a configuração final;
4.2.1.8. Fornecer um cronograma detalhado imediatamente após a adjudicação da
PROPONENTE vencedora. Os prazos previstos nessa especificação não
poderão ser alterados;
4.2.1.9. Ao final da implantação e antes da emissão do Termo de Aceitação
Definitiva, a CONTRATADA deverá enviar documento detalhando todos os
testes de certificação com a emissão e aprovação do fornecedor do material
de toda a infra-estrutura de cabeamento estruturado instalada;
- A proponente deve obter os seguintes itens:
- CREA da empresa
- Certificação técnica dos funcionários obtidas pelo Fabricante
- Carta do Fabricante – Cronograma
4.2.1.10. A proponente deve informar o tempo de garantia da certificação dos
materiais do cabeamento estruturado emitida pelo fornecedor dos mesmos.
4.2.2. Energia
A proponente deve informar os itens necessários a serem disponibilizados no local
de instalação do equipamento, o que inclui, no mínimo mas não está limitado aos
seguintes itens:
4.2.2.1. Dimensionar e informar a carga de energia necessária para cada
equipamento componente da instalação do sistema;
4.2.2.2. Utilizar alimentação local 120V AC para os periféricos e estações de
trabalho;
4.2.2.3. Informar sobre a necessidade de ponto de aterramento no QDF;
4.2.2.4. Fornecer e instalar os cabos de energia e aterramento, assim como todos
os trabalhos/materiais de instalação/equipamentos adicionais, necessários
para sua instalação e conexão dos mesmos com os quadros de distribuição
de energia.
4.2.3. Ar Condicionado
4.2.3.1. Informar o gradiente máximo de variação de temperatura, climatização -
volume de transferência de temperatura e carga térmica total em BTUs para
cada sistema;
4.2.3.2. Informar a dissipação de potência e a temperatura de operação dos
equipamentos;
4.2.3.3. Verificar se toda a infra-estrutura de ar condicionado fornecida pela
Contratante é satisfatória para o funcionamento dos sistemas;
4.2.3.4. Caso a circulação do ar condicionado seja feita sobre o piso elevado, é de
responsabilidade da proponente a realização de todas as adequações
necessárias, quer no elemento de rede, quer no piso (furação, piso especial
para substituir o existente, estrado especial para apoio do elemento de rede,
etc.) a fim de garantir que o ar frio proveniente do piso alcance o interior
deste elemento;

4.3. Escopo de Fornecimento de Infra-estrutura de Cabeamento Metálico e Ótico


O escopo técnico a seguir detalha o fornecimento materiais e serviços de Infra-
estrutura de cabeamento metálico e óptico, que compõem a solução de rede do Edifício
Sede da Procuradoria Regional do Trabalho - 2ª Região.

Página 22 de 36
O escopo será dividido por ambientes e andares para facilitar sua compreensão, de
acordo com a necessidade individual de cada um deles.

4.3.1. 3 e 4° Subsolo
4.3.1.1.1. 02 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas
embutidas no piso com espelho para catraca eletrônica e prontas para
receber os conectores RJ-45 Fêmea CAT-6 com lance médio de 55 a 60 m
por ponto que deverá ser espelhado em patch Panel no CPD-RACK 3
localizado no 1° Subsolo;
4.3.1.1.2. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.1.1.3. Identificação de todos os pontos;
4.3.1.1.4. Certificação de todos os pontos;

4.3.2. 2 ° Subsolo

4.3.2.1.1. 02 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas


embutidas no piso com espelho para catraca eletrônica e prontas para
receber os conectores RJ-45 Fêmea CAT-6 com lance médio de 55 a 60 m
por ponto que deverá ser espelhado em patch Panel no CPD-RACK 3
localizado no 1° Subsolo;
4.3.2.1.2. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.2.1.3. Identificação de todos os pontos;
4.3.2.1.4. Certificação de todos os pontos;

4.3.3. 1° Subsolo
4.3.3.1. CPD:
4.3.3.1.1. 02 Racks Fechados com perfil de 19” x 40 Us x 770 mm de Profundidade
para os equipamentos da rede (Swtich Core Gigabit, Gateway de Voz, PABX
IP, Controlador de Wlan, Firewall) e os que receberão os dados dos mini-
rack´s instalados nos pavimentos (Switch de Acesso Gigabit c/ Poe).
4.3.3.1.2. 01 Rack Fechado com perfil de 19” x 07 Us x 470 mm de Profundidade
para os pontos do 1.º Subsolo e Térreo.
4.3.3.1.3. 02 Réguas AC com 8 Tomadas por Rack para energização dos
Equipamentos. Serão cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Subsolo
para o fornecimento de energia.
4.3.3.1.4. Infra-estrutura para descida dos cabos.
4.3.3.1.5. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal do 4° Subsolo,
3° Subsolo, 2° Subsolo, 1° Subsolo e Térreo em Patch Panels CAT 6
instalado no Rack dos ativos de rede no CPD. conforme especificação
técnica;
4.3.3.1.6. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.3.1.7. Espelhamento (Interligação) óptico com 120 fibras multimodo terminadas
em bandejas com conectores SC/PC que correspondem às interligações dos
14 andares do Corpo do Prédio com o Switch CORE da rede, sendo os
cabos ópticos divididos em 10 bandejas ópticas com 1U de altura e 12 fibras
cada;
4.3.3.1.8. Fornecimento de Patch-cords duplex multimodo de 3m com conectores
SC/PC em ambas as extremidades para conexão entre o DIO e o Switch
Core considerando a totalidade das portas de Fibra Ótica;
4.3.3.1.9. Esteiramento para descida dos cabos.
4.3.3.1.10. 1.Subsolo:
4.3.3.1.11. 10 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso e prontas para receber os conectores
RJ-45 Fêmea CAT-6;

Página 23 de 36
4.3.3.1.12. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.3.1.13. Identificação de todos os pontos;
4.3.3.1.14. Certificação de todos os pontos;
4.3.4. Andar Térreo
4.3.4.1. Recepção :
4.3.4.1.1. 04 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas
embutidas no piso para acomodação das catracas de segurança prontas
para receber os conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.4.1.2. 03 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no piso para a instalação de pontos de rede
para computadors;
4.3.4.1.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.4.1.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.4.1.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.5. Andar 1
4.3.5.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.5.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 7U suficiente para fixacão
dos Switchs de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.5.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC;
4.3.5.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.5.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.5.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.
4.3.5.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.5.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.5.2. Salas e Escritórios :
4.3.5.2.1. 19 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.5.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores
RJ-45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points
da Rede Wireless;
4.3.5.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.5.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.5.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.6. Andar 2
4.3.6.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.6.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 12U suficiente para
fixacão dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.6.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo através de cabo PP3 a
ser dimensionado pela Proponente;
4.3.6.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.6.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;

Página 24 de 36
4.3.6.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.
4.3.6.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.6.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.6.2. Salas e Escritórios :
4.3.6.2.1. 21 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.6.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless;
4.3.6.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.6.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.6.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.7. Andar 3
4.3.7.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.7.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 7U suficiente para fixacão
dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.7.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo através de cabo PP3 a
ser dimensionado pela Proponente;
4.3.7.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 12 fibras multimodo terminadas
em 02 DIOs para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.7.1.4. Fornecimento de 06 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.7.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.
4.3.7.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.7.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.7.2. Salas e Escritórios :
4.3.7.2.1. 15 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.7.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless;
4.3.7.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 2,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.7.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.7.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.8. Andar 4
4.3.8.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.8.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 12U suficiente para
fixacão dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.8.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC;
4.3.8.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 12 fibras multimodo terminadas
em 02 DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.8.1.4. Fornecimento de 06 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.8.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.

Página 25 de 36
4.3.8.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.8.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.8.2. Salas e Escritórios :
4.3.8.2.1. 32 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.8.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless, com lance médio de 35m por ponto;
4.3.8.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.8.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.8.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.9. Andar 5
4.3.9.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.9.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 12U suficiente para
fixacão dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.9.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo através de cabo PP3 a
ser dimensionado pela Proponente;
4.3.9.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.9.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.9.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.
4.3.9.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.9.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.9.2. Salas e Escritórios :
4.3.9.2.1. 41 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.9.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless, com lance médio de 35m por ponto;
4.3.9.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.9.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.9.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.10. Andar 6
4.3.10.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.10.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 12 U suficiente para
fixacão dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.10.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo;
4.3.10.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.10.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.10.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.

Página 26 de 36
4.3.10.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.10.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.10.2. Salas e Escritórios :
4.3.10.2.1. 35 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.10.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless,;
4.3.10.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.10.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.10.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.11. Andar 7
4.3.11.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.11.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 12U suficiente para
fixacão dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.11.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo através de cabo PP3 a
ser dimensionado pela Proponente;
4.3.11.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.11.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.11.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.
4.3.11.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.11.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.11.2. Salas e Escritórios :
4.3.11.2.1. 43 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.11.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless;
4.3.11.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.11.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.11.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.12. Andar 8
4.3.12.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.12.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 7U suficiente para fixacão
dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.12.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo;
4.3.12.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.12.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.12.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.

Página 27 de 36
4.3.12.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.12.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.12.2. Salas e Escritórios :
4.3.12.2.1. 22 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.12.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless;
4.3.12.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 2,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.12.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.12.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.13. Andar 9
4.3.13.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.13.1.1. 01 Mini-Rack aberto com perfil de 19” e altura 7U suficiente para fixacão
dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.13.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo;
4.3.13.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.13.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.13.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.
4.3.13.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.13.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.13.2. Salas e Escritórios :
4.3.13.2.1. 22 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.13.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless;
4.3.13.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.13.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.13.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.14. Andar 10
4.3.14.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.14.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 7U suficiente para fixacão
dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.14.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo através de cabo PP3 a
ser dimensionado pela Proponente;
4.3.14.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.14.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.14.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.

Página 28 de 36
4.3.14.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.14.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.14.2. Salas e Escritórios :
4.3.14.2.1. 22 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.14.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless;
4.3.14.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.14.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.14.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.15. Andar 11
4.3.15.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.15.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 7U suficiente para fixacão
dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.15.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo através de cabo PP3 a
ser dimensionado pela Proponente;
4.3.15.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.15.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.15.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.
4.3.15.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.15.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.15.2. Salas e Escritórios :
4.3.15.2.1. 22 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.15.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless,;
4.3.15.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 2,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.15.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.15.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.16. Andar 12
4.3.16.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.16.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura7U suficiente para fixacão
dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.16.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo;
4.3.16.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.16.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.16.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.

Página 29 de 36
4.3.16.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.16.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.16.2. Salas e Escritórios :
4.3.16.2.1. 22 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.16.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless;
4.3.16.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.16.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.16.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.17. Andar 13
4.3.17.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.17.1.1. 01 Mini- Rack aberto com perfil de 19” e altura 7U suficiente para fixacão
dos Switch de rede e patch-panels de espelhamento ;
4.3.17.1.2. 01 Régua AC com 8 Tomadas para energização dos Switchs. Serão
cabeadas até o ponto AC disponibilizado no Sub-solo através de cabo PP3 a
ser dimensionado pela Proponente;
4.3.17.1.3. Espelhamento (Interligação) óptico com 04 fibras multimodo terminadas
em DIO para 06 Fibras com conectores SC/PC que correspondem à
interligação com o CPD localizado no Sub-solo;
4.3.17.1.4. Fornecimento de 02 Patch-cords duplex multimodo de 3m com
conectores SC/PC em ambas as extremidades para conexão com os
Switchs de rede;
4.3.17.1.5. Infra-estrutura para descida dos cabos.
4.3.17.1.6. Espelhamento dos Pontos UTP do cabeamento horizontal em Patch
Panels CAT 6 conforme especificação técnica;
4.3.17.1.7. Fornecimento de Patch-cables de manobra entre Switchs e Patch Panels
na totalidade das portas consideradas;
4.3.17.2. 14 Andar :
4.3.17.2.1. 15 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6;
4.3.17.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless;
4.3.17.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.17.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.17.2.5. Certificação de todos os pontos;
4.3.18. Andar 15
4.3.18.1. Shaft de Telefonia e Dados:
4.3.18.1.1. Este pavimento terá seus pontos sendo alimentando pelo Mini-rack
instalado no 14.º Pavimento, através do Patch Panel instalado naquele
pavimento.
4.3.18.2. Salas e Escritórios :
4.3.18.2.1. 02 pontos UTP CAT6 para dados e telefonia, terminados em caixas de
piso préviamente enstaladas no piso elevado e prontas para receber os
conectores RJ-45 Fêmea CAT-6 com;
4.3.18.2.2. 02 pontos UTP CAT6 para dados prontas para receber os conectores RJ-
45 Fêmea CAT-6 embutidos no teto para a instalação de Access points da
Rede Wireless;

Página 30 de 36
4.3.18.2.3. Fornecimento de Adapter Cables com no mínimo 1,5 m para a ligação de
todos os pontos de rede com as estações de trabalho, considerando a
totalidade dos pontos;
4.3.18.2.4. Identificação de todos os pontos;
4.3.18.2.5. Certificação de todos os pontos;

5. SERVIÇOS
5.1. Serviços de Instalaçao e Configuração da Solução

5.1.1. A contratada é responsável por toda e qualquer providência de embalagem, frete,


transporte e hospedagem, até às dependências da CONTRATANTE, de todos os
equipamentos, materiais e pessoal necessários ao cumprimento integral do objeto
desta contratação.
5.1.2. Todas as atividades necessárias ao cumprimento do objeto desta contratação
devem ser executadas de forma a causar mínimo impacto na disponibilidade dos
serviços suportados pela rede da CONTRATANTE. Caso alguma atividade não
possa ser executada sem interrupção, parcial ou total, ou degradação, dos
serviços suportados pela rede da CONTRATANTE, a mesma deve ser agendada
com, pelo menos, 2 (dois) dias úteis de antecedência, mediante comunicação por
escrito descrevendo a natureza da atividade, os serviços afetados, e a
intensidade, abrangência e duração da interrupção ou degradação. A execução da
atividade está condicionada à concordância expressa da CONTRATANTE.
5.1.3. Serviço de instalação:
5.1.3.1. Vistoriar as dependências designadas pela CONTRATANTE e atestar a
sua adequação para a instalação dos equipamentos propostos. Deve ser
apresentado laudo da vistoria efetuada, onde deverão constar as eventuais
inadequações localizadas.
5.1.3.2. Entrega, desembalagem, montagem física e energização dos
equipamentos novos.
5.1.3.3. Interligar o terra de proteção de todos os equipamentos à malha de terra,
disponibilizada pela CONTRATANTE, nos locais de instalação
5.1.3.4. Instalação de software e configuração lógica dos equipamentos, de forma
a permitir a sua interoperação com os demais elementos da rede da
CONTRATANTE, como também o cadastramento de todos os ramais, com
os respectivos perfis e funcionalidades. Esta relação será fornecida pela
CONTRATANTE.

5.1.4. Serviço de integração:

5.1.4.1. Configurar os aspectos de QoS (queueing, traffic policy e traffic shaping)


para garantir a qualidade de voz nas instalações da CONTRATANTE.
5.1.4.2. Testar e certificar que o hardware e software instalados estão funcionando
de acordo com as exigências desta ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA.
5.1.4.3. Interconexão com a rede de telefonia pública.

5.2. Serviço de documentação:

5.2.1.1. Deve ser fornecida documentação técnica do projeto.


5.2.1.2. A documentação técnica do projeto é composta por dois conjuntos de
documentos:

5.2.1.2.1. Projeto preliminar de implantação (PPI), composto de plantas, diagramas,


tabelas e demais dados necessários para orientar as equipes de
implantação em campo, tanto quanto à instalação física quanto à
configuração lógica, de forma a atender aos requisitos desta
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA.
5.2.1.2.2. Projeto definitivo de implantação (PDI), com todas as informações do
PPI, inclusive os ajustes necessários em função de eventuais diferenças
entre o executado em campo e o previsto no PPI, e mais toda a informação

Página 31 de 36
necessária para descrever de forma completa todo o conjunto de hardware e
software efetivamente implantado.

5.2.1.3. A documentação técnica do projeto deve ser apresentada em português.


Toda a documentação técnica deve ser entregue em 2 (duas) vias: uma
impressa e outra em CD.
5.2.1.4. A emissão do aceite está condicionada à entrega de toda a documentação
técnica.

5.3. TESTES DE CERTIFICAÇÃO

A entrega final do sistema de cabeamento estruturado deverá ser precedida pela execução de testes
de certificação em campo, conforme descrito a seguir:
5.3.1.1. IDENTIFICAÇÃO
 Identificação de cada ponto instalado, que deverá ser executada com etiqueta
apropriada para cabeamento (adesivo plastificado de alta performance);
5.3.1.2. TESTE FÍSICO
b) Executado para a verificação das seguintes condições:
 Inversão dos pares metálicos;
 Curto-circuito;
 Continuidade;
5.3.1.3. TESTE DE PERFORMANCE
c) Executado para a verificação das seguintes grandezas:
 NVP (nominal velocity of propagation) – velocidade nominal de propagação:
velocidade com que um sinal viaja pelo cabo, comparado à velocidade da luz no
vácuo (normalmente entre 60 a 90 por cento);
 Wire map – mapa da fiação: representação gráfica de um cabo, mostrando abertura,
curto-circuito e ausência de fio;
 NEXT (near end crosstalk) – diafonia na extremidade próxima: interferência medida
na extremidade próxima ao instrumento de medição em fio vizinho no qual o sinal é
enviado;
 Atenuação: perda de intensidade de um sinal transmitido ao longo do cabo;
 Comprimento: distância de impedância equivalente (circuito aberto ou circuito de alta
resistência elétrica);
 ACR (attenuation to crosstalk ratio) – relação entre atenuação e diafonia: indicação de
como o maior sinal recebido é comparado ao ruído do mesmo par (NEXT);
 Impedância: medida da oposição ao fluxo de elétrons (corrente elétrica) em um cabo;
 Loop resistance – resistência em circuito fechado: propriedade de um condutor que
resiste ou se opõe ao fluxo de elétrons (corrente elétrica) em um circuito eletrônico;
 Capacitância: junção do campo elétrico que pode ser armazenado entre dois
condutores numa dada diferença de potencial (tensão elétrica).
d) O resultado destes testes deverá ser descrito em relatório de teste próprio e fornecido
quando da conclusão das instalações.
A empresa executora do projeto deverá fornecer ao término das instalações a documentação
completa (as built) de todas as instalações

5.4. DOCUMENTAÇÃO DA REDE (AS BUILT)

A documentação da rede é o conjunto de todas as documentações envolvidas no projeto,


contendo todas as informações técnicas, possibilitando a qualquer pessoa da área ter uma visão
parcial ou total da rede instalada.

Página 32 de 36
Deverá ser entregue ao final das instalações, após testes e certificações, podendo ser em meio
digital óptico (CD-ROM / DVD-ROM) ou magnético (disquete).

ANEXOS
1. ANEXO I – TABELA DE CAPACIDADE DE ELETRODUTOS PARA CABOS UTP

Cálculo baseado no diâmetro externo máximo de 6,3 mm para um cabo UTP e taxa de ocupação de
40%.

QUANTIDADE DE CABOS UTP Categoria 6 DIÂMETRO DO ELETRODUTO


3 ¾” (21 mm)
6 1" (27 mm)
10 1 ¼” (35 mm)
15 1 ½” (41 mm)
20 2" (53 mm)
30 2 ½” (63 mm)
40 3" (78 mm)

2. ANEXO II – SISTEMA DE IDENTIFICAÇÕES DOS PONTOS

IDENTIFICAÇÃO DAS TOMADAS LÓGICAS E CABOS UTP


PROVENIÊNCIA IDENTIFICAÇÃO DE CABOS IDENTIFICAÇÃO DE TOMADAS
ETIQUETAS AUTO-ADESIVAS NAS ETIQUETAS NOS CONECTORES RJ-45
RACK PATCH PANEL EXTREMIDADES DOS CABOS FÊMEA

Rack PP porta (de 01 a 24) Rack PP porta (de 01 a 24)


Rack de parede Patch panel
RPnn Pnn NN RPnn Pnn NN
Rack de parede nº 5, patch
Exemplo: panel nº 4, porta nº 13 RP05 P04 13 RP05 P04 13

Rack da sala de Rack PP porta (de 01 a 24) Rack PP porta (de 01 a 24)
Patch panel
equipamentos CPD Rn Pnn NN CPD Rn Pnn NN
Rack da sala de
Exemplo: equipamentos nº 2, patch CPD R2 P03 23 CPD R2 P03 23
panel nº 3, porta nº 23

Página 33 de 36
3. ANEXO III – Quadro de Identificação dos RACK’s

Andar Identificação Altura


15 - -
14 RP-15 7U
13 RP-14 7U
12 RP-13 7U
11 RP-12 7U
10 RP-11 7U
9 RP-10 7U
8 RP-9 7U
7 RP-8 12U
6 RP-7 12U
5 RP-6 12U
4 RP-5 12U
3 RP-4 7U
2 RP-3 12U
1 RP-2 7U
T - -
1SS RP-1 7U
RACK-1 40U
1 SS RACK-2 40U
2SS - -
3SS - -
4SS - -

Página 34 de 36
4. ANEXO IV – MODELO DE PLANO DE FACE

RACKS DA SALA DE EQUIPAMENTOS


Modelo de plano de face para os armários de comunicação (racks fechados) da sala de
equipamentos (CPD) com altura de 40 U.
RACK 1 RACK 2

40 EXAUSTORES EXAUSTORES
39 ORGANIZADOR ORGANIZADOR
38 PABX IP. SWITCH de distribuição
37 PABX IP (CORE da rede local)
36 PABX IP ORGANIZADOR
35 PABX IP CONTROLADOR WLAN
34 ORGANIZADOR ORGANIZADOR
33 ORGANIZADOR FIREWALL
32 ORGANIZADOR FIREWALL
31 PABX IP FIREWALL
30 PABX IP FIREWALL
29 PABX IP ORGANIZADOR
28 PABX IP
27 ORGANIZADOR
26 ORGANIZADOR
25 GATEWAY DE VOZ
24 GATEWAY DE VOZ
23 ORGANIZADOR
22 GATEWAY DE VOZ
21 GATEWAY DE VOZ
20 ORGANIZADOR
19
18
17
16
15
14
13
12
11 ORGANIZADOR
10 Bandeja
09 Régua c/ 8 tomadas ORGANIZADOR
08 Régua c/ 8 tomadas BANDEJA
07 Régua c/ 8 tomadas Régua c/ 8 tomadas
06 ORGANIZADOR Régua c/ 8 tomadas
05 BANDEJA Régua c/ 8 tomadas
04 BANDEJA
03 ORGANIZADOR ORGANIZADOR
02 FECHAMENTO BANDEJA
01 FECHAMENTO FECHAMENTO

Página 35 de 36
RACK LOCAL NOS PAVIMENTOS
Modelo de plano de face para os armários de comunicação (racks abertos), RP instalado
dentro do shaft com altura de 12U.

12
SWITCH DE ACESSO
11
PATCH PANEL MODULAR DE 24 - PP01
10
ORGANIZADOR HORIZONTAL DE CABOS
09
PATCH PANEL DE 24 POSIÇÕES – PP02
08 portas para distribuição local
ORGANIZADOR HORIZONTAL DE CABOS
07
PATCH PANEL DE 24 POSIÇÕES – PP03
06 portas para distribuição local
ORGANIZADOR HORIZONTAL DE CABOS
05
PATCH PANEL DE 24 POSIÇÕES – PP04
04 portas para distribuição local
ORGANIZADOR HORIZONTAL DE CABOS
03

02 RÉGUA COM 8 TOMADAS

FECHAMENTO
01

RACK DE PAREDE DO CPD E NOS PAVIMENTOS


Modelo de plano de face para os armários de comunicação (racks abertos nos pavimentos e fechado
no CPD), RP instalado dentro do shaft com altura de 7U.

07
SWITCH DE ACESSO
06
PATCH PANEL DE 24 POSIÇÕES – PP01
05
ORGANIZADOR HORIZONTAL DE CABOS
04
PATCH PANEL DE 24 POSIÇÕES – PP02
03
RÉGUA COM 8 TOMADAS
02
PAINEL DE FECHAMENTO
01

São José do Rio Preto, 11 de Dezembro de 2007

_________________________
Davi Miattello Ruffo
Engenheiro Eletricista
CREASP: 5061769332
Soubhia Arquitetura LTDA
Página 36 de 36