Você está na página 1de 2

AVALIAÇÃO DE DIREITO E LEGISLAÇÃO

— INSTRUÇÕES GERAIS —

Caro Aluno (a),

Esta é sua avaliação da disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO do Curso de


TTI do ITED, composta por 5 (cinco) questões subjetivas, valendo 2,0 (dois)
pontos cada.
Recomendo que você assista às vídeo-aulas disponibilizadas, estude o material
apostilado, acesse a legislação pertinente, assim como, busque conhecimentos
adicionais em livros,
internet, etc.

Cada questão deverá ser respondida em no máximo 15 linhas DIGITADAS,


fazendo parte da avaliação a interpretação do comando das questões.
RESPOSTAS SEM
FUNDAMENTAÇÃO NÃO SERÃO PONTUADAS.

Remeta as questões devidamente respondidas e identificadas pelo seu nome


COMPLETO, para o ITED, através do e-mail: pedagogicoited@gmail.com.

Lembre-se que não serão consideradas válidas as avaliações cujas respostas


forem
remetidas fora do prazo acima estipulado, bem como as que contiverem
respostas iguais, em parte
ou na sua totalidade, à resposta de outro aluno do curso TTI, sendo que nesse
caso serão
desconsideradas as respostas iguais de todos os alunos envolvidos. Cada aluno
é responsável pelo
sigilo de suas respostas.

O aluno que por algum motivo não realizar as avaliações e/ou tiver suas
respostas
invalidadas ou não alcançar a nota mínima 6,0 (seis), deverá solicitar junto à
secretaria do ITED,
realização das avaliação em segunda chamada, com os seus respectivos custos.

Eventuais dúvidas serão dirimidas somente em conversa individual pelo


whatsapp,
Questão 1. JOÃO faleceu e deixou 1 (um) apartamento para 1 (um) único herdeiro,
seu filho JOSÉ, de 17 (dezessete) anos de idade. JOÃO não era casado, nem
convivia com MARIA, mãe de JOSÉ. MARIA pretendia alugar o imóvel, e
mensalmente obter a renda dos alugueis. JOSÉ, ao contrário, pretendia vender o
imóvel para abrir uma empresa. Visando sanar a divergência, MARIA levou JOSÉ
ao Cartório de Notas, e lhe concedeu a emancipação. Após isso, nas tratativas e
assinatura de documentos de venda do imóvel, é necessária a participação de
MARIA?

Questão 2. CARLOS possui 1 (um) apartamento à venda, e, para tanto, contrata os


serviços de ALFREDO, corretor de imóveis. Embora o imóvel esteja em excelente
estado de conservação, ALFREDO pede a CARLOS que troque as lajotas comuns
do piso, por porcelanato polido de alto padrão, para dar ao imóvel um aspecto de
melhor sofisticação e embelezamento, e, assim, aumentar as chances de venda.
Como é chamado e classificado o serviço proposto por ALFREDO?

Questão 3. JOANA, corretora de imóveis, ao ser procurada pelo cliente JOSÉ para
a venda de uma casa, aceitou o encargo, e sem buscar nenhuma certidão da situação
do imóvel, resolveu anuncia-lo à venda. JOANA logo encontra um pretendente, e
o negócio é fechado. Ocorre que, 2 (duas) semanas antes de JOSÉ procurar
JOANA, foi averbada na matrícula do imóvel uma penhora por débito trabalhista
em execução judicial, que JOSÉ até então desconhecia. No curso do procedimento
de transferência da propriedade, os contratantes tomam conhecimento da penhora
judicial, e o negócio é desfeito. Os contratantes iniciam acalorado debate sobre
o(s) responsável(eis) pela rescisão contratual, cogitando-se na culpa da corretora
de imóveis. Nessa situação houve culpa por parte de JOANA? Se sim, sob qual
modalidade?

Questão 4. MARIA, corretora de imóveis, no afã de bater a meta de vendas da


imobiliária, ao atender MARTA, cliente, apresenta-lhe um apartamento de um
padrão, quando, na verdade, é outro que será efetivamente vendido. Ao tomar
conhecimento do imóvel que de fato lhe seria entregue MARTA afirma que foi
induzida a erro pela corretora de imóveis. Nesse caso, a venda pode vir a ser
anulada por qual vício?

Questão 5. Após receber as chaves do imóvel que comprou, MILTON recebe uma
cobrança de IPTU de 4 (quatro) anos atrás, ou seja, anterior a sua posse sobre o
bem. Nessa situação, MILTON terá que pagar a dívida?

Você também pode gostar