Você está na página 1de 5

Ética e educação fiscal – formação de disseminadores.

O programa nacional de educação fiscal – PNEF, tem suas raízes em uma reunião do conselho
Naciona l de Política Fazendária - CONFAZ - em 1996, quando se criou um programa de
educação tributária. Em 1999 verificando-se que o programa deve ir muito além de uma
simples educação tributária, devendo também envolver conhecimento do procresso de
alocação e gestão dos recursos públicos o CONFAZ modificou o programa dando a este sua
configuração atual.

No síto da ESAF na internet podemos encontrar um folder que explica de maneira suscinta
porém objetiva o programa, nele encontramos:

OBJETIVOS:
- Disseminar informações e conceitos sobre a gestão
fiscal, favorecendo a compreensão e a intensificação da
participação social nos processos de geração, aplicação
e fiscalização dos recursos públicos.
- Institucionalizar o PNEF nas esferas dos Governos
Federal, Estaduais e Municipais, desenvolvendo ações
permanentes de sensibilização.
- Estimular a prática interdisciplinar nas ações de
educação fiscal, capacitando de forma continuada
agentes multiplicadores.
Valores Norteadores da Educação Fiscal
Superioridade do homem sobre o Estado
Liberdade
Igualdade
Justiça social
Valores Norteadores do PNEF
Comprometimento com a construção da cidadania, sol
idar iedade, ét ica, transparência,
responsabilidade fiscal e social. ...
Idéias-força
...
Na ética, uma conduta responsável, individual ecoletiva
que valorize o bem comum (Educação Fiscal – Folder
Final 2008)

Uma das formas de divulgação e ampliação do programa é o curso de


formação de disseminadores, oferecido pela ESAF, na modalidade de curso
à distância e aberto a qualquer pessoa que queira fazê-lo. Já são mais de
2000 disseminadores treinados.

Grande parte deles são professores das secretarias estaduasi e muncipais


de ensino de todo o Brasil; pois desta forma, espera-se difunfir os princípios
do programa nas escolas, ponto fundamental na formação das novas
consciências que farão parte atuante da sociedade em futuro próximo.
Para a conclusão do curso os professores devem apresentar um projeto
pedagógico voltado para o conteúdo disciplinar. O curso está dividido em
quatro módulos:

Caderno 1 – Educação Fiscal no Contexto Social:


aborda as diretrizes do Programa, seus objetivos e
abrangencia, no contexto da educacao fiscal e da
educacao publica;
Caderno 2 – A Relação Estado e Sociedade: suscita
temas relativos a organizacao da vida em sociedade
e suas implicacoes na garantia do estado
democratico de direito e da cidadania;
Caderno 3 – Função Social dos Tributos: destaca a
importancia do tributo na atividade financeira do
Estado para a manutencao das politicas publicas e
melhoria das condicoes de vida do cidadao; e
Caderno 4 – Gestão Democrática dos Recursos
Públicos: evidencia temas relativos ao orcamento, ao
compromisso social e fi scal do gestor publico e ao
exercicio do controle social. (Educação Fiscal no
contexto Social – ESAF 2008)

Há uma grande ênfase na formação de um comportamento ético no


material do curso, buscando inclusive colocar a questão em termos atuais,
como em um texto de Leonardo Boff:
...Para resolver esses três problemas globais, dever-se-ia, na
verdade, fazer uma revolução também global. Entretanto,
assim nos parece, o tempo das revoluções clássicas, havidas e
conhecidas, pertence a outro tipo de história, caracterizada
pelas culturas regionais e pelos estadosnações.Para tal
revolução global, far-se-ia necessária uma ideologia
revolucionária global, com seus portadores sociais globais que
tivessem tal articulação, coesão e tanto poder que fossem
capazes de se impor a todos. Ora, tal situação não é dada nem
possivelmente dar-se-á aproximadamente.E os problemas
gritam por um encaminhamento, pois sem ele poderemos ir ao
encontro do pior.
A saída que muitos analistas propõem e que nós assumimos –
é a razão de nosso texto – é encontrar uma nova base de
mudança necessária. Essa base deveria apoiar-se em algo que
fosse realmente comum e global, de fácil compreensão e
realmente viável. Partimos da hipótese de que essa base deve
ser ética, de uma ética mínima, a partir da qual se abririam
possibilidades de solução e de salvação da Terra, da
humanidade e dos desempregados estruturais.
Nessa linha dever-se-á, pois, fazer um pacto ético, fundado
não tanto na razão ilustrada, mas no pathos, vale dizer, na
sensibilidade humanitária e na inteligência emocional
expressas pelo cuidado, pela responsabilidade social e
ecológica, pela solidariedade generacional e pela compaixão,
atitudes essas capazes de comover as pessoas e movê-las
para uma nova prática histórico-social libertadora. Urge uma
revolução ética mundial.
Tal revolução ética deve ser concretizada dentro da nova
situação em que se encontram a Terra e a humanidade: o
processo de globalização que confi gura um novo patamar de
realização da história e do próprio planeta. Nesse quadro, deve
emergir a nova sensibilidade e o novo ethos, uma revolução
possível nos tempos da globalização.
Por ethos, entendemos o conjunto das inspirações, dos valores
e dos princípios que orientarão as relações humanas para com
a natureza, para com a sociedade, para com as alteridades,
para consigo mesmo e para com o sentido transcendente da
existência: Deus. Como veremos ao longo de nossas reflexões,
esse ethos não nasce límpido da vontade, como Atena nasceu
toda armada da cabeça de Júpiter. Mas toda ética nasce de
uma nova ótica. E toda nova ótica irrompe a partir de um
mergulho profundo na experiência do Ser, de uma nova
percepção do todo ligado, religado em suas partes e conectado
com a Fonte originária donde promanam todos os entes.
(BOFF, 2000, apud Educação Fiscal no contexto Social
– ESAF 2008 ).
Coquanto se fale em revoloução ética, este é um ponto muito delicado. É certo que
para alguns, principalmente para aqueles que já interiorizaram os conceitos e as bases
do programa, que estão envolvidos com ele, em qualquer uma de suas diversas linhas
de atuação; seja atuando como disseminadores, seja como tutores; na sua estrutura
administrativa, ou, fazendo palestras de conscientização em colégios, faculdades ou
órgãos públicos; o que desejamos é um agir coletivo e conscientemente ético.
Contudo isto ainda pode ser colocado como uma utopia, pois a maior parte da
população age guiada por interesses imediatistas, e estes, as mais das vezes, são
contraditórios com a ética pois são baseados na vontade primitiva da busca de uma
felicidade baseada no ter e não no ser.
Este desejo primitivo de possuir, quase sempre egoista, capaz de fazer com que
índivíduo minta, suborne, roube e pretique um sem número de outros delitos, que por
ele são considerados normais, desde que sirvam ao propósito de atingir o seu objetivo,
temos a instalação de um estado de normose. Basta olhar ao redor e verificar se nós
mesmos vez por outra não nos flagramos praticando aquilo que censuramos em
outrem, mesmo que em coisas aparentemente pequenas.
Um nobre brasileiro, conhecido como a Águia de Haia, famoso por ter dito que
chegaria um dia em que teríamos vergonha de sermos honestos, tambpem deixou a
seguinte frase: "O espírito da fidelidade e da honra vela constantemente, como a estrela da
manhã da tarde, sobre essas regiões onde a força e o desinteresse, o patriotismo e a bravura, a
tradição e a confiança assentaram o seu reservatório sagrado. " [ Rui Barbosa ]. Nos deixa
ainda a esperança de que nosso trabalho não será em vão.
Mesmo havendo um sem número de campanhas negativas que somente atrapalham o
desenvolvimento de uma consciência ética, como a infeliz campanha dos cigarros Vila Rica,
que usou o jogador de futebol Gerson, para endossar o seu produto , lançando a famosa “lei
de Gerson”: “Gosto de levar vantagem em tudo. Certo?” O que parece ter um efeito imediato,
pois vivemos no mundo da lei do menor esforço.
Levar vantagem, sobressair a qualquer custo, mesmo em detrimento de outros, é o que
observamos. Claro que no nosso mundo globalizado as coisas tomam proporções também
globais, notícias correm o mundo com a velocidade da internet, satélites transmitem a
informação praticamente no instante em que os fatos ocorrem. E o que observamos?
Escândalos! Corrupção! Dinheiro em meias e outros locais não ortodoxos. E no final de tudo,
em alguns casos, os acusados de corrupção, filmados participando de atos aparentemente
ilícitos, são os mesmos que vão proceder à apuração dos fatos. O mínimo que uma pessoa
ética deveria fazer seria declarar-se impedida de participar. Novamente Rui Barbosa nos dá
uma lição "Toda a capacidade dos nossos estadistas se esvai na intriga, na astúcia, na cabala,
na vingança, na inveja, na condescendência com o abuso, na salvação das aparências, no
desleixo do futuro. " [ Rui Barbosa ]
É contra toda esta série de fatos reprováveis que procuramos trabalhar. E para isto o único
caminho é de fato a educação, formar o ser humano na etapa em que ele está ainda receptivo,
claro que concorremos com todas as outras fontes de informação, e mais, com a tendência
natural da busca pelo prazer, que oferece ao indivíduo uma resposta imediata. Concorrência
difícil, devemos admitir, contudo, não desistir, pois sabe-se que respostas imediatas nem
sempre são duradouras, poi s não tem bases sólidas, são efêmeras como as vontades volúveis
que lhes deram causa.
Qual o papel da ética neste contexto?
Primeiramente buscamos o significado de ética. No dicionário de Filosofia de Nicola
Abbagnano, publicado pela editora Martins Fontes , São Paulo 2007 o vocábulo ocupa nove
páginas, transcrevemos aqui apenas uma parte:
“Em geral, a ciência da conduta. Existem duas comcepções
fundamentrais dessa ciência. 1ª a que considera como ciência do fim
para a qual a conduta dos homens deve ser orientada e dos meios
para atingir tal fim, deduzindo tanto o fim quanto os meios da
natureza do homem; 2ª a que a considera como ciência do móvel da
conduta humanae procura determinar tal móvel com vistas a dirigis
ou disciplinar esta conduta... (ABBAGNANO, Nicola, Dicionário de
Filosofia)
Referências

ABBAGNANO, Nicola, Dicionário de Filosofia, P422, Martins Fontes, 2007, SP

http://www.esaf.fazenda.gov.br/esafsite/educacao-
fiscal/Edu_Fiscal2008/PDF/Diretrizes_Estrategicas.pdf acessado em 17/01/2010 as 14:59

http://www.esaf.fazenda.gov.br/esafsite/educacao-fiscal/Edu_Fiscal2008/programa.htm
acessado em 17/01/2010 as 15:05

http://www.esaf.fazenda.gov.br/esafsite/educacao-fiscal/Edu_Fiscal2008/FOLDER_FINAL.pdf
acessado em 17/01/2010 as 15:44

http://www.frasesfamosas.com.br/de/rui-barbosa/pag/2.html acessado dia 17/01/2010