Você está na página 1de 17

RESPONDA OS EXERCÍCIOS

1.

No centro da imagem, o filósofo Platão é retratado apontando para o alto. Esse gesto
significa que o conhecimento se encontra em uma instância na qual o homem descobre a
a) suspensão do juízo como reveladora da verdade.
b) realidade inteligível por meio do método dialético.
c) salvação da condição mortal pelo poder de Deus.
d) essência das coisas sensíveis no intelecto divino.
e) ordem intrínseca ao mundo por meio da sensibilidade.

Resposta:

[B]

Platão é conhecido como um filósofo idealista. Segundo ele, a verdade encontra-se no


mundo das ideias, e não no mundo material. O pensamento somente pode se aproximar
das ideias através da dialética, que o purifica das crenças e opiniões.

2. Alguns dos desejos são naturais e necessários; outros, naturais e não necessários;
outros, nem naturais nem necessários, mas nascidos de vã opinião. Os desejos que não
nos trazem dor se não satisfeitos não são necessários, mas o seu impulso pode ser
facilmente desfeito, quando é difícil obter sua satisfação ou parecem geradores de dano.
EPICURO DE SAMOS. “Doutrinas principais”. In: SANSON, V. F. Textos de filosofia. Rio
de Janeiro: Eduff, 1974.

No fragmento da obra filosófica de Epicuro, o homem tem como fim


a) alcançar o prazer moderado e a felicidade.
b) valorizar os deveres e as obrigações sociais.
c) aceitar o sofrimento e o rigorismo da vida com resignação.
d) refletir sobre os valores e as normas dadas pela divindade.
e) defender a indiferença e a impossibilidade de se atingir o saber.
Resposta:

[A]

A filosofia de Epicuro tem como um de seus princípios a moderação dos desejos e dos
prazeres, tal como afirma a alternativa [A], única correta.

3. A filosofia encontra-se escrita neste grande livro que continuamente se abre perante
nossos olhos (isto é, o universo), que não se pode compreender antes de entender a
língua e conhecer os caracteres com os quais está escrito. Ele está escrito em língua
matemática, os caracteres são triângulos, circunferências e outras figuras geométricas,
sem cujos meios é impossível entender humanamente as palavras; sem eles, vagamos
perdidos dentro de um obscuro labirinto.

GALILEI, G. “O ensaiador”. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

No contexto da Revolução Científica do século XVII, assumir a posição de Galileu


significava defender a
a) continuidade do vínculo entre ciência e fé dominante na Idade Média.
b) necessidade de o estudo linguístico ser acompanhado do exame matemático.
c) oposição da nova física quantitativa aos pressupostos da filosofia escolástica.
d) importância da independência da investigação científica pretendida pela Igreja.
e) inadequação da matemática para elaborar uma explicação racional da natureza.

Resposta:

[C]

A Revolução Científica do século XVII é caracterizada por questionar certos pressupostos


da filosofia que a antecedia, sobretudo a escolástica. Galileu foi um dos principais
pensadores do período e uma de suas ideias era de que a Terra não é o centro do
Universo. Isso significava questionar verdades religiosas, procurando abrir espaço para a
constituição da ciência moderna, ancorada na linguagem matemática.

4. É o caráter radical do que se procura que exige a radicalização do próprio processo de


busca. Se todo o espaço for ocupado pela dúvida, qualquer certeza que aparecer a partir
daí terá sido de alguma forma gerada pela própria dúvida, e não será seguramente
nenhuma daquelas que foram anteriormente varridas por essa mesma dúvida.
SILVA, F. L. Descartes: a metafísica da modernidade. São Paulo: Moderna, 2001
(adaptado).
Apesar de questionar os conceitos da tradição, a dúvida radical da filosofia cartesiana tem
caráter positivo por contribuir para o(a)
a) dissolução do saber científico.
b) recuperação dos antigos juízos.
c) exaltação do pensamento clássico.
d) surgimento do conhecimento inabalável.
e) fortalecimento dos preconceitos religiosos.

Resposta:

[D]

A dúvida radical conduz o pensador à conclusão de que pensa, o cogito. Esta é, para
Descartes, o conhecimento inabalável, princípio de todas as certezas. Sendo assim,
somente a alternativa [D] está correta.

5. A felicidade é portanto, a melhor, a mais nobre e a mais aprazível coisa do mundo, e


esses atributos não devem estar separados como na inscrição existente em Delfos “das
coisas, a mais nobre é a mais justa, e a melhor é a saúde; porém a mais doce é ter o que
amamos”. Todos estes atributos estão presentes nas mais excelentes atividades, e entre
essas a melhor, nós a identificamos como felicidade.

ARISTÓTELES. A Política. São Paulo: Cia. das Letras, 2010.

Ao reconhecer na felicidade a reunião dos mais excelentes atributos, Aristóteles a


identifica como
a) busca por bens materiais e títulos de nobreza.
b) plenitude espiritual a ascese pessoal.
c) finalidade das ações e condutas humanas.
d) conhecimento de verdades imutáveis e perfeitas.
e) expressão do sucesso individual e reconhecimento público.

Resposta:

[C]

Aristóteles parte do senso comum para afirmar que todas as atividades humanas, pragmáticas
ou teóricas, miram um bem qualquer, de modo que o bem pode ser definido como aquilo a que
todas as ações tendem. Todavia, nem todas as atividades do homem tendem para o bem da
mesma maneira, pois algumas ações são seus próprios fins e outras são meios através dos
quais se atinge alguma finalidade desejada. O homem é capaz de muitas atividades e, por
conseguinte, é capaz de atingir muitos fins. Alguns destes fins estão subordinados a outros –
por exemplo, a finalidade da agricultura alimentação – e, consequentemente, se não podemos
dizer que cultivamos apenas por cultivarmos, ao contrário podemos dizer que nos alimentamos
apenas por nos alimentarmos. Entretanto, a questão é que poderíamos considerar todas as
nossas atividades, até a alimentação, em função de outras, e o fim visado pela primeira tornar-
se ia o começo da segunda. Se assim considerássemos, a sequência seguiria infinitamente,
nos fazendo transitar de uma ação para outra nunca nos tranquilizando. Ora, a atividade
humana deve visar o bem tendo em vista aquela atividade mais excelente, o sumo bem.
Conhecer tal sumo é, então, de grande importância, pois afetaria a maneira como agimos e
facilitaria a realização da nossa felicidade nos dando um bom termo para nossas ações.
Segundo o filósofo grego, a política é a arte mestra, pois é decisiva para a determinação dos
conteúdos de todas as ciências, isto é, todos os conhecimentos se subordinam à finalidade da
política; se considerarmos que o bem é a felicidade e o sumo bem é a felicidade de todos,
então a política se torna a mais decisiva das ciências por ser a atividade que realiza o último
fim, o sumo bem. Portanto, se a felicidade é a atividade da alma em conformidade com a
virtude perfeita, e esta virtude perfeita é adquirida através de um bom hábito dirigido pela
ciência política, então a felicidade é algo divino, pois ela é o que de melhor existe no
mundo, ou seja, ela é a felicidade de todos os cidadãos atingida pela boa direção da alma
de cada um.

6. Os produtos e seu consumo constituem a meta declarada do empreendimento


tecnológico. Essa meta foi proposta pela primeira vez no início da Modernidade, como
expectativa de que o homem poderia dominar a natureza. No entanto, essa expectativa,
convertida em programa anunciado por pensadores como Descartes e Bacon e
impulsionado pelo Iluminismo, não surgiu “de um prazer de poder”, “de um mero
imperialismo humano”, mas da aspiração de libertar o homem e de enriquecer sua vida,
física e culturalmente.

CUPANI, A. A tecnologia como problema filosófico: três enfoques, Scientiae Studia. São
Paulo, v. 2, n. 4, 2004 (adaptado).

Autores da filosofia moderna, notadamente Descartes e Bacon, e o projeto iluminista


concebem a ciência como uma forma de saber que almeja libertar o homem das
intempéries da natureza. Nesse contexto, a investigação científica consiste em
a) expor a essência da verdade e resolver definitivamente as disputas teóricas ainda
existentes.
b) oferecer a última palavra acerca das coisas que existem e ocupar o lugar que outrora
foi da filosofia.
c) ser a expressão da razão e servir de modelo para outras áreas do saber que almejam o
progresso.
d) explicitar as leis gerais que permitem interpretar a natureza e eliminar os discursos
éticos e religiosos.
e) explicar a dinâmica presente entre os fenômenos naturais e impor limites aos debates
acadêmicos.

Resposta:

[C]

Em geral, a ciência estabelece um método de pesquisa racional que busca a construção


coletiva de conhecimentos refletidos e seguros sobre a variedade da natureza, e,
também, de conhecimentos esclarecedores sobre os fenômenos que nos parecem
familiares. Sendo assim, a ciência possui uma base racional fundante a qual todo homem
pode ter acesso e, desse modo, todos podem participar. Ela possui, além disso, como
objeto de pesquisa a perplexidade do homem perante a variância de alguns fenômenos
naturais e a permanência de outros, e como objetivo da pesquisa harmonizar estas
diferenças em equilíbrios dinâmicos através de conceitos e sistemas de conceitos
justificados da melhor maneira possível, isto é, pela construção de experimentos
controlados e avaliações imparciais.

7. TEXTO I
Há já de algum tempo eu me apercebi de que, desde meus primeiros anos, recebera
muitas falsas opiniões como verdadeiras, e de que aquilo que depois eu fundei em
princípios tão mal assegurados não podia ser senão mui duvidoso e incerto. Era
necessário tentar seriamente, uma vez em minha vida, desfazer-me de todas as opiniões
a que até então dera crédito, e começar tudo novamente a fim de estabelecer um saber
firme e inabalável.
DESCARTES, R. Meditações concernentes à Primeira Filosofia. São Paulo: Abril Cultural,
1973 (adaptado).

TEXTO II
É de caráter radical do que se procura que exige a radicalização do próprio processo de
busca. Se todo o espaço for ocupado pela dúvida, qualquer certeza que aparecer a partir
daí terá sido de alguma forma gerada pela própria dúvida, e não será seguramente
nenhuma daquelas que foram anteriormente varridas por essa mesma dúvida.
SILVA, F. L. Descartes: a metafísica da modernidade. São Paulo: Moderna, 2001
(adaptado).

A exposição e a análise do projeto cartesiano indicam que, para viabilizar a reconstrução


radical do conhecimento, deve-se
a) retomar o método da tradição para edificar a ciência com legitimidade.
b) questionar de forma ampla e profunda as antigas ideias e concepções.
c) investigar os conteúdos da consciência dos homens menos esclarecidos.
d) buscar uma via para eliminar da memória saberes antigos e ultrapassados.
e) encontrar ideias e pensamentos evidentes que dispensam ser questionados.

Resposta:

[B]

Como exemplo da radicalidade indicada pelo prof. Franklin Leopoldo e Silva, vale
mencionar que Descartes inicia a segunda meditação com a metáfora de um homem
submerso, ele diz: “a meditação que fiz ontem encheu-me de tantas dúvidas, que
doravante não está mais em meu alcance esquecê-las. E, no entanto, não vejo de que
maneira poderia resolvê-las; e, como se de súbito tivesse caído em águas muito
profundas, estou de tal modo surpreso que não posso nem firmar meus pés no fundo,
nem nadar para me manter à tona”. Essa metáfora expõe um homem de mãos atadas;
voltar para a situação anterior é impossível, porém manter-se no meio do caminho
também. A única opção é manter-se trilhando o caminho da dúvida sistemática e
generalizada, esperando desse modo alcançar algum ponto firme o suficiente para ser
possível apoiar os pés, e nadar de volta para a superfície. Mantendo-se nesse caminho, o
filósofo busca o ponto que irá inaugurar uma cadeia de razões da qual ele não poderá
duvidar. O chão desse mar no qual o filósofo está submerso é esta única coisa da qual ele
não pode duvidar, mesmo se o gênio maligno estiver operando. Tal certeza radical é a
certeza sobre o fato de que se o gênio maligno perverte meus pensamentos, ele nunca
poderia perverter o próprio fato de que eu devo estar pensando para que ele me engane.
Penso, existo é a nova raiz que nutre a modernidade.

8. Nasce daqui uma questão: se vale mais ser amado que temido ou temido que amado.
Responde-se que ambas as coisas seriam de desejar; mas porque é difícil juntá-las, é
muito mais seguro ser temido que amado, quando haja de faltar uma das duas.
Porque dos homens se pode dizer, duma maneira geral, que são ingratos, volúveis,
simuladores, covardes e ávidos de lucro, e enquanto lhes fazes bem são inteiramente
teus, oferecem-te o sangue, os bens, a vida e os filhos, quando, como acima disse, o
perigo está longe; mas quando ele chega, revoltam-se.

MAQUIAVEL, N. O príncipe. Rio de Janeiro: Bertrand, 1991.

A partir da análise histórica do comportamento humano em suas relações sociais e


políticas, Maquiavel define o homem como um ser
a) munido de virtude, com disposição nata a praticar o bem a si e aos outros.
b) possuidor de fortuna, valendo-se de riquezas para alcançar êxito na política.
c) guiado por interesses, de modo que suas ações são imprevisíveis e inconstantes.
d) naturalmente racional, vivendo em um estado pré-social e portando seus direitos
naturais.
e) sociável por natureza, mantendo relações pacíficas com seus pares.

Resposta:

[C]

Maquiavel é considerado fundador da filosofia política moderna, pois muitas das suas
afirmações se contrapõem à filosofia política clássica. Basicamente, a sua reflexão se
preocupa muito mais com problemas efetivos, e muito menos com reflexões utópicas
sobre o dever ser. De modo que a eficiência deve ser buscada na pobreza mesma das
nossas cidades como elas são, e não na possível riqueza das nossas cidades como elas
poderiam ser.

“Resta ver agora como deve comportar-se um príncipe com os súditos ou


com os amigos. Como sei que sobre isso muitos escreveram receio,
fazendo-o eu também, ser considerado presunçoso, principalmente porque,
ao tratar deste assunto, me afasto das regras estabelecidas pelos outros.
Mas sendo minha intenção escrever coisa útil, destinada a quem por ela se
interessar, pareceu-me mais conveniente ir diretamente à efetiva verdade do
que comprazer-me em imaginá-la. Muita gente imaginou repúblicas e
principados que jamais foram vistos ou de cuja real existência jamais se teve
notícia. E é tão diferente o como se vive do como se deveria viver, que
aquele que desatende ao que se faz e se atém ao que se deveria fazer
aprende antes a maneira de arruinar-se do que a de preservar-se. Assim, o
homem que queira em tudo agir como bom acabará arruinando-se em meio
a tantos que não são bons”. (N. Maquiavel. O Príncipe. São Paulo: Círculo
do livro, p. 101).

9. Para que não haja abuso, é preciso organizar as coisas de maneira que o poder seja
contido pelo poder. Tudo estaria perdido se o mesmo homem ou o mesmo corpo dos
principais, ou dos nobres, ou do povo, exercesse esses três poderes: o de fazer leis, o de
executar as resoluções públicas e o de julgar os crimes ou as divergências dos indivíduos.
Assim, criam-se os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, atuando de forma
independente para a efetivação da liberdade, sendo que esta não existe se uma pessoa
ou grupo exercer os referidos poderes concomitantemente.

MONTESQUIEU, B. Do espírito das leis. São Paulo: Abril Cultural, 1979 (adaptado).

A divisão e a independência entre os poderes são condições necessárias para que possa
haver liberdade em um Estado. Isso pode ocorrer apenas sob um modelo político em que
haja
a) exercício de tutela sobre atividades jurídicas e políticas.
b) consagração do poder político pela autoridade religiosa.
c) concentração do poder nas mãos de elites técnico-científicas.
d) estabelecimento de limites aos atores públicos e às instituições do governo.
e) reunião das funções de legislar, julgar e executar nas mãos de um governante eleito.

Resposta:

[D]

A liberdade não pode ser definida como a permissão de fazer tudo, mas sim apenas
aquilo que se instituiu permitido através da Lei formulada por um legislador capaz. Ora, se
todos pudessem fazer tudo que desejassem, pensa Montesquieu, então não haveria
liberdade, pois todos abusariam constantemente dessa permissão de fazer tudo.

“A liberdade política, num cidadão, é esta tranquilidade de espírito


que provém da opinião que cada um possui de sua segurança; e,
para que se tenha esta liberdade, cumpre que o governo seja de tal
modo, que um cidadão não possa temer outro cidadão”. (B.
Montesquieu. Do espírito das Leis. In Coleção Os pensadores. São
Paulo: Abril Cultural, 1979, p. 169).

De modo que devemos considerar necessário um equilíbrio do poder para que não ocorra
algum abuso dele, e a disposição das instituições deve se dar de tal maneira que os
poderes se balanceiem. São livres, apenas os estados moderados, pois neles os poderes
Legislativo, Executivo, Judiciário se contrapõem garantindo a integridade e autonomia de
cada um, e a liberdade de todos os cidadãos.
10. Até hoje admitia-se que nosso conhecimento se devia regular pelos objetos; porém
todas as tentativas para descobrir, mediante conceitos, algo que ampliasse nosso
conhecimento, malogravam-se com esse pressuposto. Tentemos, pois, uma vez,
experimentar se não se resolverão melhor as tarefas da metafísica, admitindo que os
objetos se deveriam regular pelo nosso conhecimento.

KANT, I. Crítica da razão pura. Lisboa: Calouste-Gulbenkian, 1994 (adaptado).

O trecho em questão é uma referência ao que ficou conhecido como revolução


copernicana na filosofia. Nele, confrontam-se duas posições filosóficas que
a) assumem pontos de vista opostos acerca da natureza do conhecimento.
b) defendem que o conhecimento é impossível, restando-nos somente o ceticismo.
c) revelam a relação de interdependência entre os dados da experiência e a reflexão
filosófica.
d) apostam, no que diz respeito às tarefas da filosofia, na primazia das ideias em relação
aos objetos.
e) refutam-se mutuamente quanto à natureza do nosso conhecimento e são ambas
recusadas por Kant.

Resposta:

[A]

Primeiro, distingamos entre os tipos de juízos que Kant considera sermos capazes de
fazer. Eles são três: 1) juízos analíticos (ou aqueles juízos nos quais já no sujeito
encontramos o predicado, ou seja, juízos tautológicos e, por conseguinte, dos quais não
se obtém nenhum tipo de conhecimento); 2) juízos sintéticos a posteriori (ou aqueles
juízos nos quais a experiência sensível está presente e se faz parte decisiva do
julgamento, ou seja, juízos particulares e contingentes); e 3) juízos sintéticos a priori (ou
aqueles juízos nos quais o predicado não está contido no sujeito e a experiência não
constitui alguma parte decisiva do conteúdo, ou seja, juízos nos quais se obtém
conhecimento sobre algo, porém sem que a experiência seja relevante para a conclusão
obtida, o que faz desse tipo de juízo universal e necessário).
Segundo, lembremos que Kant afirmava que a matemática e a física realizam justamente
o último tipo de juízo mencionado. Ele, então, se perguntava se a metafísica também não
era capaz de realizar esse tipo de juízo. Para solucionar esta questão: “é possível uma
metafísica baseada em juízos sintéticos a priori?”, o filósofo irá modificar o ponto de vista
da investigação se inspirando em Copérnico, isto é, considerando o objeto não através
daquilo que a experiência sensível expõe, porém a partir da possibilidade de a faculdade
mesma de conhecer constituir a priori o objeto – o astrônomo fez algo similar quando, em
vez de calcular o movimento dos corpos celestes através dos dados da experiência
sensível, calculou esses movimentos através da suposição de que o próprio observador
(o homem sobre a Terra) se movia. Esse a priori que Kant formula se encontra nas formas
da sensibilidade, nas categorias do entendimento e no esquematismo, isto é, na sua
filosofia transcendental, ou na sua filosofia sobre as condições de possibilidade do próprio
conhecimento.
11. O edifício é circular. Os apartamentos dos prisioneiros ocupam a circunferência. Você
pode chamá-los, se quiser, de celas. O apartamento do inspetor ocupa o centro; você
pode chamá-lo, se quiser, de alojamento do inspetor. A moral reformada; a saúde
preservada; a indústria revigorada; a instrução difundida; os encargos públicos aliviados; a
economia assentada, como deve ser, sobre uma rocha; o nó górdio da Lei sobre os
Pobres não cortado, mas desfeito — tudo por uma simples ideia de arquitetura!

BENTHAM, J. O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

Essa é a proposta de um sistema conhecido como panóptico, um modelo que mostra o


poder da disciplina nas sociedades contemporâneas, exercido preferencialmente por
mecanismos
a) religiosos, que se constituem como um olho divino controlador que tudo vê.
b) ideológicos, que estabelecem limites pela alienação, impedindo a visão da dominação
sofrida.
c) repressivos, que perpetuam as relações de dominação entre os homens por meio da
tortura física.
d) sutis, que adestram os corpos no espaço-tempo por meio do olhar como instrumento
de controle.
e) consensuais, que pactuam acordos com base na compreensão dos benefícios gerais
de se ter as próprias ações controladas.

Resposta:

[D]

J. Bentham, filósofo utilitarista britânico, elabora uma teoria da pena e do cárcere que
instauraria, em nome da segurança de todos e de suas liberdades individuais, uma
vigilância técnica capaz de observar todos – tal noção é criticada pelo filósofo francês M.
Foucault. Para o filósofo inglês

“O progresso é a lei da história da humanidade: essa, por adquirir mais conhecimentos e


aperfeiçoar seus meios técnicos, adquire também mais riquezas e serenidade e, por
conseguinte, maior felicidade e segurança. A felicidade e a segurança devidas à extensão
das “luzes” – noções descobertas pelo século XVIII, com muita hesitação e dúvida – irão
se tornar lugares-comuns no século seguinte. A crença na eficácia das ciências da
natureza e de uma possível ciência da sociedade reforça tais ideias e lhes oferece uma
legitimação”. (F. Châtelet, O. Duhamel, E. Pisier-Kouchner. História das ideias políticas.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009, p.109).

12. TEXTO I

Anaxímenes de Mileto disse que o ar é o elemento originário de tudo o que existe, existiu
e existirá, e que outras coisas provêm de sua descendência. Quando o ar se dilata,
transforma-se em fogo, ao passo que os ventos são ar condensado. As nuvens formam-
se a partir do ar por feltragem e, ainda mais condensadas, transformam-se em água. A
água, quando mais condensada, transforma-se em terra, e quando condensada ao
máximo possível, transforma-se em pedras.

BURNET, J. A aurora da filosofia grega. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2006 (adaptado).

TEXTO II

Basílio Magno, filósofo medieval, escreveu: “Deus, como criador de todas as coisas, está
no princípio do mundo e dos tempos. Quão parcas de conteúdo se nos apresentam, em
face desta concepção, as especulações contraditórias dos filósofos, para os quais o
mundo se origina, ou de algum dos quatro elementos, como ensinam os Jônios, ou dos
átomos, como julga Demócrito. Na verdade, dão a impressão de quererem ancorar o
mundo numa teia de aranha”.

GILSON, E.; BOEHNER, P. História da Filosofia Cristã. São Paulo: Vozes, 1991
(adaptado).

Filósofos dos diversos tempos históricos desenvolveram teses para explicar a origem do
universo, a partir de uma explicação racional. As teses de Anaxímenes, filósofo grego
antigo, e de Basílio, filósofo medieval, têm em comum na sua fundamentação teorias que
a) eram baseadas nas ciências da natureza.
b) refutavam as teorias de filósofos da religião.
c) tinham origem nos mitos das civilizações antigas.
d) postulavam um princípio originário para o mundo.
e) defendiam que Deus é o princípio de todas as coisas.

Resposta:

[D]

Anaxímenes de Mileto (585–528 a.C.) é um filósofo pré-socrático preocupado com a


cosmologia, isto é, preocupado com a ordenação das coisas que compões o mundo.
Desse modo, a sua filosofia posiciona princípios dos quais ele pensa poder derivar de
maneira coerente e coesa o sentido da existência de tudo que há na natureza. Já São
Basílio Magno (329–379 d.C.) é um teólogo preocupado com a propagação da verdade
revelada pela Bíblia, o livro que já oferece toda a ordenação das coisas que compõem o
mundo. Desse modo, Deus não é exatamente um princípio do qual se origina o mundo,
mas sim o próprio criador desse mundo, o seu dono e conhecedor de todas as suas
regras cosmológicas.

13. Para Platão, o que havia de verdadeiro em Parmênides era que o objeto de
conhecimento é um objeto de razão e não de sensação, e era preciso estabelecer uma
relação entre objeto racional e objeto sensível ou material que privilegiasse o primeiro em
detrimento do segundo. Lenta, mas irresistivelmente, a Doutrina das Ideias formava-se
em sua mente.

ZINGANO, M. Platão e Aristóteles: o fascínio da filosofia. São Paulo: Odysseus, 2012


(adaptado).
O texto faz referência à relação entre razão e sensação, um aspecto essencial da
Doutrina das Ideias de Platão (427–346 a.C.). De acordo com o texto, como Platão se
situa diante dessa relação?
a) Estabelecendo um abismo intransponível entre as duas.
b) Privilegiando os sentidos e subordinando o conhecimento a eles.
c) Atendo-se à posição de Parmênides de que razão e sensação são inseparáveis.
d) Afirmando que a razão é capaz de gerar conhecimento, mas a sensação não.
e) Rejeitando a posição de Parmênides de que a sensação é superior à razão.

Resposta:

[D]

A filosofia de Platão é resultado de um trabalho de reflexão intenso e extenso, de modo


que as questões durante os inúmeros diálogos por ele escritos são respondidas de
maneiras distintas. Porém, Platão possui uma questão de fundo que se refere ao
problema da identidade – resquício da tradição conflituosa de Parmênides e Heráclito –, a
saber: o que é, é sempre idêntico a si mesmo, ou é sempre distinto? O mundo verdadeiro
é uma totalidade sempre permanente, ou uma totalidade sempre efêmera? A concepção
sobre Ideias que Platão formula atende, em geral, essas questões e busca demonstrar
como o sensível apesar de expor uma realidade impermanente, possui um fundamento
permanente. As Ideias são verdadeiras, a realidade sensível é apenas uma aparência
passageira dessa realidade.
A realidade inteligível (mundo das Ideias, das Formas), na qual se encontram as
essências, o Ser de cada coisa existente. Uma realidade alcançável apenas pelos “olhos
da alma”, pois é observado apenas pelo esforço da razão. Exatamente por ser inteligível,
essa realidade tem como características: ser metafísica, isto é, imaterial, ou incorpórea;
ser una, isto é, reduz a multiplicidade das coisas sensíveis a uma unidade; ser eterna, por
não se submeter ao ciclo de geração e degeneração das coisas do mundo sensível.

14. Quanto à deliberação, deliberam as pessoas sobre tudo? São todas as coisas objetos
de possíveis deliberações? Ou será a deliberação impossível no que tange a algumas
coisas? Ninguém delibera sobre coisas eternas e imutáveis, tais como a ordem do
universo; tampouco sobre coisas mutáveis, como os fenômenos dos solstícios e o nascer
do sol, pois nenhuma delas pode ser produzida por nossa ação.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Edipro, 2007. (adaptado).

O conceito de deliberação tratado por Aristóteles é importante para entender a dimensão


da responsabilidade humana. A partir do texto, considera-se que é possível ao homem
deliberar sobre
a) coisas imagináveis, já que ele não tem controle sobre os acontecimentos da natureza.
b) ações humanas, ciente da influência e da determinação dos astros sobre as mesmas.
c) fatos atingíveis pela ação humana, desde que estejam sob seu controle.
d) fatos e ações mutáveis da natureza, já que ele é parte dela.
e) coisas eternas, já que ele é por essência um ser religioso.
Resposta:

[C]

Sendo a virtude para Aristóteles o justo meio, então a prudência, phrónesis, torna-se
condição para a virtude, pois a prudência é justamente a capacidade de se orientar bem,
sejam quais forem as circunstâncias, reconhecendo a medida correta da ação adequada
com o desejo, não parcial, de bem viver. A prudência é guia da deliberação racional,
proaíresis, para o estabelecimento de escolhas que afirmam o autogoverno e a
autonomia. Por isso, a ética aristotélica pode ser definida da seguinte maneira:

“É uma disposição interior constante que pertence ao gênero das ações voluntárias feitas
por escolha deliberada sobre os meios possíveis para alcançar um fim que está ao
alcance ou no poder do agente e que é um bem para ele. Sua causa material é o éthos do
agente, sua causa formal, a natureza racional do agente, sua causa final, o bem do
agente, sua causa eficiente, a educação do desejo do agente. É a disposição voluntária e
refletida para a ação excelente, tal como praticada pelo homem prudente”. (M. Chaui.
Introdução à história da filosofia, vol. I - Dos pré-socráticos a Aristóteles. São Paulo:
Companhia das Letras, 2002, p. 455)

15. TEXTO I

Experimentei algumas vezes que os sentidos eram enganosos, e é de prudência nunca se


fiar inteiramente em quem já nos enganou uma vez.

DESCARTES, R. Meditações Metafísicas. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

TEXTO II

Sempre que alimentarmos alguma suspeita de que uma ideia esteja sendo empregada
sem nenhum significado, precisaremos apenas indagar: de que impressão deriva esta
suposta ideia? E se for impossível atribuir-lhe qualquer impressão sensorial, isso servirá
para confirmar nossa suspeita.

HUME, D. Uma investigação sobre o entendimento. São Paulo: Unesp, 2004 (adaptado).

Nos textos, ambos os autores se posicionam sobre a natureza do conhecimento humano.


A comparação dos excertos permite assumir que Descartes e Hume
a) defendem os sentidos como critério originário para considerar um conhecimento
legítimo.
b) entendem que é desnecessário suspeitar do significado de uma ideia na reflexão
filosófica e crítica.
c) são legítimos representantes do criticismo quanto à gênese do conhecimento.
d) concordam que conhecimento humano é impossível em relação às ideias e aos
sentidos.
e) atribuem diferentes lugares ao papel dos sentidos no processo de obtenção do
conhecimento.
Resposta:

[E]

Da dúvida sistemática e generalizada das experiências sensíveis, Descartes espera


começar a busca por algum ponto firme o suficiente para ser possível se apoiar e não
duvidar. O chão deste mar de dúvidas no qual o filósofo está submerso é esta única coisa
da qual ele não pode duvidar, mesmo se o gênio maligno estiver operando. Esta certeza é
a certeza sobre o fato de que se o gênio maligno perverte meus pensamentos, ele nunca
poderia perverter o próprio fato de que eu devo estar pensando para que ele me engane.
Então, se penso, existo.
David Hume (1711-1776), influenciado pela filosofia de John Locke (1632-1704), parte de
uma noção da mente humana segundo a qual o homem não possui ideias inatas, porém
todas elas provêm da experiência sensível para compor o conhecimento. Sendo assim, o
homem conhece a partir das impressões e das ideias que concebe a partir da experiência.
De experiências habituais ele constrói conhecimentos baseados em matérias de fato e
relações entre ideias. Os conhecimentos sobre matérias de fato são empíricos, portanto,
apenas mais ou menos prováveis, já os conhecimentos sobre relações de ideias são
puros, portanto, sempre certos sem, todavia, se referir a qualquer realidade sensível.

16. Não ignoro a opinião antiga e muito difundida de que o que acontece no mundo é
decidido por Deus e pelo acaso. Essa opinião é muito aceita em nossos dias, devido às
grandes transformações ocorridas, e que ocorrem diariamente, as quais escapam à
conjectura humana. Não obstante, para não ignorar inteiramente o nosso livre- arbítrio,
creio que se pode aceitar que a sorte decida metade dos nossos atos, mas [o livre-arbítrio]
nos permite o controle sobre a outra metade.

MAQUIAVEL, N. O Príncipe. Brasília: EdUnB, 1979 (adaptado).

Em O Príncipe, Maquiavel refletiu sobre o exercício do poder em seu tempo. No trecho


citado, o autor demonstra o vínculo entre o seu pensamento político e o humanismo
renascentista ao
a) valorizar a interferência divina nos acontecimentos definidores do seu tempo.
b) rejeitar a intervenção do acaso nos processos políticos.
c) afirmar a confiança na razão autônoma como fundamento da ação humana.
d) romper com a tradição que valorizava o passado como fonte de aprendizagem.
e) redefinir a ação política com base na unidade entre fé e razão.

Resposta:

[C]

Percebemos claramente pela passagem citada que o pensamento de Maquiavel regula de


acordo com a sorte as nossas ações de todo tipo, sendo em um momento a própria sorte
um árbitro e noutro uma preocupação com a qual nos conformamos. Agir bem é agir
efetivamente perante as circunstâncias. Não por outro motivo a história é muito importante
para Maquiavel, pois é através dela que encontramos exemplos de homens que agiram
efetivamente perante as adversidades e obtiveram resultados que contornaram o poder
devastador da sorte. Neste contexto, virtù não pode ser a virtude de um homem bom
como a filosofia antiga especulou, mas sim aquelas qualidades que o homem possui
capazes de fazê-lo superar os eventuais percalços. No caso do Príncipe, a virtù constitui
aquele conjunto de qualidades pessoais necessárias para a manutenção do estado e a
realização de grandes feitos, mesmo que estas qualidades sejam eventualmente cruéis.

17. O homem natural é tudo para si mesmo; é a unidade numérica, o inteiro absoluto, que
só se relaciona consigo mesmo ou com seu semelhante. O homem civil é apenas uma
unidade fracionária que se liga ao denominador, e cujo valor está em sua relação com o
todo, que é o corpo social. As boas instituições sociais são as que melhor sabem
desnaturar o homem, retirar-lhe sua existência absoluta para dar-lhe uma relativa, e
transferir o eu para a unidade comum, de sorte que cada particular não se julgue
mais como tal, e sim como uma parte da unidade, e só seja percebido no todo.

ROUSSEAU, J. J. Emílio ou da Educação. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

A visão de Rousseau em relação à natureza humana, conforme expressa o texto, diz que
a) o homem civil é formado a partir do desvio de sua própria natureza.
b) as instituições sociais formam o homem de acordo com a sua essência natural.
c) o homem civil é um todo no corpo social, pois as instituições sociais dependem dele.
d) o homem é forçado a sair da natureza para se tornar absoluto.
e) as instituições sociais expressam a natureza humana, pois o homem é um ser político.

Resposta:

[A]

[Resposta do ponto de vista da disciplina de Sociologia]


Somente a alternativa [A] está correta. O homem civil, segundo o texto de Rousseau,
corresponde àquele que, desviando de sua própria natureza, se torna um indivíduo
relacional à comunidade política.

[Resposta do ponto de vista da disciplina de Filosofia]


Se fizéssemos um exercício de completa abstração e pensássemos unicamente a partir
do ponto de vista do “homem natural”, então poderíamos dizer que a sua “transformação”
em homem civil seja um desvio. Porém, Rousseau não dá a entender que tal passagem
para a vida civil seja simplesmente um artifício, um desvio da rota natural. Segundo um
trecho de sua obra, Contrato Social, a passagem é inevitável para a própria conservação
do homem e, portanto, um tanto natural, isto é, ela se cria pelo movimento da própria
natureza do homem.

“Esse estado primitivo não pode mais subsistir, e o gênero humano


pereceria se não mudasse sua maneira de ser. Ora, como é impossível aos
homens engendrar novas forças, mas apenas unir e dirigir as existentes, não
lhes resta outro meio para se conservarem senão formar, por agregação,
uma soma de forças que possa vencer a resistência, pô-los em movimento
por um único móbil e fazê-los agir em concerto”. (J-J. Rousseau. Contrato
social. In Antologia de textos filosóficos. Curitiba: SEED-PR, 2009, p. 602).

18. É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer; mas a liberdade
política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente o que é independência
e o que é liberdade. A liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis permitem; se um
cidadão pudesse fazer tudo o que elas proíbem, não teria mais liberdade, porque os
outros também teriam tal poder.

MONTESQUIEU. Do Espírito das Leis. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1997
(adaptado).

A característica de democracia ressaltada por Montesquieu diz respeito


a) ao status de cidadania que o indivíduo adquire ao tomar as decisões por si mesmo.
b) ao condicionamento da liberdade dos cidadãos à conformidade às leis.
c) à possibilidade de o cidadão participar no poder e, nesse caso, livre da submissão às
leis.
d) ao livre-arbítrio do cidadão em relação àquilo que é proibido, desde que ciente das
consequências.
e) ao direito do cidadão exercer sua vontade de acordo com seus valores pessoais.

Resposta:

[B]

É certo que a liberdade da sociedade democrática é justificada pela sua limitação


designada pela constituição da lei, porém a grande questão passa, então, a ser: qual é o
conteúdo da lei? Se a democracia é um regime fundado sobre o valor da liberdade, então
como a própria lei poderia livrar-se desse condicionamento primordial? O que
Montesquieu estabelece é a necessidade de a lei ser a limitação da licença de se fazer
tudo aquilo que não esteja de acordo com a racionalidade do espírito da lei.

19. Esclarecimento é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é


culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção
de outro indivíduo. O homem é o próprio culpado dessa menoridade se a causa dela não
se encontra na falta de entendimento, mas na falta de decisão e coragem de servir-se de
si mesmo sem a direção de outrem. Tem coragem de fazer uso de teu próprio
entendimento, tal é o lema do esclarecimento. A preguiça e a covardia são as causas
pelas quais uma tão grande parte dos homens, depois que a natureza de há muito os
libertou de uma condição estranha, continuem, no entanto, de bom grado menores
durante toda a vida.

KANT, I. Resposta à pergunta: o que é esclarecimento? Petrópolis: Vozes, 1985


(adaptado).
Kant destaca no texto o conceito de Esclarecimento, fundamental para a compreensão do
contexto filosófico da Modernidade. Esclarecimento, no sentido empregado por Kant,
representa
a) a reivindicação de autonomia da capacidade racional como expressão da maioridade.
b) o exercício da racionalidade como pressuposto menor diante das verdades eternas.
c) a imposição de verdades matemáticas, com caráter objetivo, de forma heterônoma.
d) a compreensão de verdades religiosas que libertam o homem da falta de entendimento.
e) a emancipação da subjetividade humana de ideologias produzidas pela própria razão.

Resposta:

[A]

Como diz Kant em Resposta à pergunta: “O que é Iluminismo?” (1784), a palavra de


ordem deste movimento de renovação cultural é “Sapere aude!”, isto quer dizer
basicamente que os homens deveriam deixar sua menoridade, da qual são culpados, e
direcionarem seu entendimento a partir de suas próprias forças, sem a guia de outro.
(Para uma noção geral sobre o assunto:
<http://www.youtube.com/watch?v=9a9kWxpnjWk>.)
Esta posição perante o mundo possibilitou um movimento em busca da liberdade e de um
ideal de independência política, econômica e intelectual. Desta busca nasce, entre muitos
outros movimentos, a Independência americana, a Independência haitiana e a Revolução
francesa (esta última influenciada pelo pensamento do filósofo Jean-Jacques Rousseau).
E sendo uma posição opositora dos regimes absolutistas, o Iluminismo almeja a libertação
da riqueza e de tudo mais dos mistérios divinos tão presentes no pensamento medieval e
influentes neste tipo de Estado absoluto. Tudo passa a ser problema resolvível se o
entendimento do homem se empenhar de maneira metodológica. Nada é misterioso.
Desta confiança na razão nasce uma reflexão sobre a riqueza e sua administração –
Adam Smith, A riqueza das nações (1776), por exemplo. Neste contexto Montesquieu
também é importante, na sua obra O Espírito das Leis temos um tratado sobre as
relações do poder administrativo e uma teorização sobre a tripartição deste poder
(executivo, legislativo e judiciário) de modo a serem separados, porém interdependentes.

20. Um Estado é uma multidão de seres humanos submetida a leis de direito. Todo
Estado encerra três poderes dentro de si, isto é, a vontade unida em geral consiste de três
pessoas: o poder soberano (soberania) na pessoa do legislador; o poder executivo na
pessoa do governante (em consonância com a lei) e o poder judiciário (para outorgar a
cada um o que é seu de acordo com a lei) na pessoa do juiz.

KANT, I. A metafísica dos costumes. Bauru: Edipro, 2003.

De acordo com o texto, em um Estado de direito


a) a vontade do governante deve ser obedecida, pois é ele que tem o verdadeiro poder.
b) a lei do legislador deve ser obedecida, pois ela é a representação da vontade geral.
c) o Poder Judiciário, na pessoa do juiz, é soberano, pois é ele que outorga a cada um o
que é seu.
d) o Poder Executivo deve submeter-se ao Judiciário, pois depende
dele para validar suas determinações.
e) o Poder Legislativo deve submeter-se ao Executivo, na pessoa do
governante, pois ele que é soberano.

Resposta:

[B]

Para Kant, a boa vontade é aquela vontade cuja direção é totalmente


determinada por demandas morais ou, como ele normalmente se
refere a isso, pela Lei Moral. Os seres humanos veem essa Lei como
restrição dos seus desejos e, por conseguinte, uma vontade decidida
por seguir a Lei Moral só pode ser motivada pela ideia de Dever.
Hipoteticamente, se houvesse uma vontade divina, embora boa, não
seria boa porque é motivada pela ideia de Dever, pois uma vontade
divina seria livre de qualquer desejo imoral. Apenas a presença dos
desejos imorais, ou das ações que operam independentemente da
moralidade, exige a bondade da vontade e faz da Lei Moral coerciva,
isto é, faz dela constituída essencialmente da ideia de Dever. O ato de
obedecer à vontade unida não provém da sua característica de
vontade geral (o conceito “vontade geral” sequer aparece
explicitamente no texto citado: “vontade unida em geral”), mas sim
da sua característica modelar e, por conseguinte, restritiva que reduz a
ação do sujeito deixando livres apenas aquelas que são morais, e
também pela ideia de Dever que ao motivar o cumprimento da lei de
direito mantém a multidão estável.

21) Pesquise e faça uma redação interpretativa do “Mito da Caverna”


Filosofo Platão..

Você também pode gostar