Você está na página 1de 33

MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE

TRABALHOS CIENTÍFICOS

Santa Maria 2005


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 4
1.1 TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS ............................................................... 4
1.1.1 Resumo .................................................................................................................. 4
1.1.2 Resenha.................................................................................................................. 4
1.1.3 Artigo..................................................................................................................... 5
1.1.4 Relatório................................................................................................................. 5
1.1.5 Projeto.................................................................................................................... 5
1.1.6 Monografia............................................................................................................. 5
1.1.7 Dissertação ............................................................................................................. 5
1.1.8 Tese........................................................................................................................ 6
1.2 ESCOLHA DO TEMA............................................................................................... 6
2 FORMA DE APRESENTAÇÃO ................................................................................... 6
1.1 DIGITAÇÃO ............................................................................................................. 6
1.2 IMPRESSÃO ............................................................................................................. 7
1.3 FORMATO ................................................................................................................ 7
1.4 PAGINAÇÃO ............................................................................................................ 7
3 ESTRUTURA DO DOCUMENTO................................................................................ 8
1.5 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS................................................................................ 8
1.5.1 Capa ....................................................................................................................... 8
1.5.2 Lombada ................................................................................................................ 9
1.5.3 Folha de Rosto...................................................................................................... 10
1.5.4 Errata ................................................................................................................... 11
1.5.5 Folha de aprovação............................................................................................... 11
1.5.6 Dedicatória ........................................................................................................... 12
1.5.7 Agradecimento ..................................................................................................... 12
1.5.8 Epígrafe................................................................................................................ 13
1.5.9 Resumo na língua vernácula ................................................................................. 13
1.5.10 Resumo em língua estrangeira .............................................................................. 14
1.5.11 Listas.................................................................................................................... 14
1.5.11.1 Lista de figuras ................................................................................................. 14
1.5.11.2 Lista de tabelas ................................................................................................. 14
1.5.11.3 Lista de abreviaturas e siglas............................................................................. 15
1.5.11.4 Lista de símbolos.............................................................................................. 15
1.5.12 Sumário................................................................................................................ 15
1.6 ELEMENTOS TEXTUAIS ...................................................................................... 16
1.6.1 Introdução ............................................................................................................ 17
1.6.2 Desenvolvimento.................................................................................................. 17
1.6.2.1 Numeração progressiva de seções......................................................................... 17
1.6.2.2 Citações................................................................................................................ 18
3.2.2.2.1 Abreviaturas e indicadores gráficos .................................................................. 20
3.2.2.2.2 Sistema de chamada.......................................................................................... 21
3.2.2.3 Notas de rodapé.................................................................................................... 22
3.2.2.4 Siglas ................................................................................................................... 22
3.2.2.5 Equações e fórmulas............................................................................................. 22
3.2.2.6 Ilustrações ............................................................................................................ 22
3.2.2.7 Tabelas................................................................................................................. 23
3.2.3 Conclusão............................................................................................................. 24

2
3.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS.............................................................................. 24
3.3.2 Referências........................................................................................................... 24
3.3.3 Glossário .............................................................................................................. 26
3.3.4 Ordem alfabética .................................................................................................. 26
3.3.5 Apêndice(s) .......................................................................................................... 27
3.3.7 Índice(s) ............................................................................................................... 28
4 ARTIGOS .................................................................................................................... 29
5 RELATÓRIOS............................................................................................................. 29
6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................................... 32

3
1 INTRODUÇÃO

O objetivo do presente trabalho é auxiliar estudantes e pesquisadores na elaboração de


trabalhos acadêmicos, uniformizando sua produção intelectual.
A uniformidade dos trabalhos acadêmicos permite uma fácil identificação, tanto desses
trabalhos, enquanto característica da produção intelectual de uma instituição de ensino
superior – IES, quanto dos elementos necessários à referenciação dessas obras como fonte
bibliográfica para pesquisas futuras.
As diversas normas em documentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas –
ABNT, pertinentes a um trabalho acadêmico, estão transcritas e acrescidas de comentários
julgados necessários com o objetivo de simplificar a práxis.

1.1 TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Antes de falar sobre a formatação de um trabalho acadêmico é pertinente esclarecer


que um trabalho acadêmico pode ser de vários tipos:

1.1.1 Resumo

Sintetização do conteúdo de um texto. Muito utilizado em bibliografias e artigos


científicos. Normalmente não tem parágrafos e serve basicamente para dar ao leitor uma idéia
do assunto tratado no texto. A extensão máxima ou mínima de um resumo não é dada pelo
número de páginas que ocupa, mas sim pelo número de palavras utilizadas.

1.1.2 Resenha

É um resumo acrescido da visão crítica do leitor (autor da resenha). Contém uma


explanação do conteúdo do texto, comentários e, por vezes, juízo de opinião.

4
1.1.3 Artigo

Um artigo constitui parte de uma publicação (periódica) com autoria declarada.

1.1.4 Relatório

Documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em


investigação de pesquisa ou que descreve a situação de uma questão técnica ou científica.

1.1.5 Projeto

É o documento que apresenta o plano para o desenvolvimento de um trabalho.


Esclarece o objetivo principal e o método em que será realizado o trabalho, fornecendo todos
os elementos importantes para julgar sua importância, pertinência e suficiência.

1.1.6 Monografia

Interpretada aqui como trabalho acadêmico (trabalho de conclusão de curso, trabalho


de graduação interdisciplinar, trabalho de conclusão de curso de especialização e outros), uma
monografia constitui-se em um documento que representa o resultado de estudo, devendo
expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente emanado da
disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros. Deve ser feito sob a
coordenação de um orientador.

1.1.7 Dissertação

É um documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição


de um estudo científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado em sua extensão. Tem
o objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento da
literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. É feito sob
a coordenação de um orientador (doutor), visando à obtenção do título de mestre.

5
1.1.8 Tese

Representa o resultado de um trabalho experimental de um tema específico e bem


delimitado. Deve ser elaborada a partir de uma investigação original, constituindo-se em real
contribuição para a especialidade em questão. Visa à obtenção do título de Doutor.

1.2 ESCOLHA DO TEMA

A elaboração de um trabalho científico depende de planejamento e método. Embora


pareça fácil, a escolha de um tema requer reflexão. Para que não surjam problemas no
decorrer do trabalho é necessário atenção a alguns detalhes, que devem ser pensados na
escolha do tema: delimitação clara do tema abordado, familiaridade ou afinidade intelectual
com a matéria escolhida, existência ou não de informações sobre o assunto, viabilidade de
execução no prazo determinado.

2 FORMA DE APRESENTAÇÃO

Um trabalho acadêmico deve apresentar-se de forma limpa e organizada e digitado. A


seguir, algumas normas para uma boa apresentação.

1.1 DIGITAÇÃO

Um trabalho acadêmico deve apresentar-se de forma limpa e organizada. Recomenda-


se, para digitação, a utilização da fonte tamanho 12 para o texto e tamanho menor para
citações de mais de três linhas, notas de rodapé, paginação e legendas das ilustrações e
tabelas.
Todo texto deve ser digitado com espaço um e meio.
As citações de mais de três linhas, as notas, as referências, as legendas das ilustrações
e tabelas, a ficha catalográfica, a natureza do trabalho, o objetivo, o nome da instituição a que

6
é submetido e a área de concentração devem ser digitados em espaço simples. As referências,
ao final do trabalho, devem ser separadas entre si por espaço duplo.

1.2 IMPRESSÃO

Deve ser impresso em papel branco, formato A4 (21 cm x 29,7 cm) e digitado na cor
preta . As folhas são impressas apenas de um lado, sendo impresso seu verso apenas quando
especificado. As folhas devem apresentar margem esquerda e superior de 3 cm; direita e
inferior de 2 cm.

1.3 FORMATO

Na folha de rosto e na folha de aprovação, a natureza do trabalho, o objetivo, o nome


da instituição a que é submetido e a área de concentração devem ser alinhados do meio da
página para a margem direita.
Os elementos pré e pós-textuais (com títulos, sem indicativo numérico) devem ser
formatados da mesma forma que os títulos de seções.

1.4 PAGINAÇÃO

Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, devem ser contadas


seqüencialmente, mas a numeração é colocada a partir da primeira folha da parte textual. A
numeração, em algarismos arábicos, se localiza no canto superior direito da folha, a 2 cm da
borda superior, ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha. No caso do
trabalho ser constituído de mais de um volume, deve ser mantida uma única seqüência de
numeração das folhas, do primeiro ao último volume. Havendo apêndice e anexo, suas folhas
devem ser numeradas de maneira contínua, e sua paginação deve dar seqüência à do texto
principal.

7
3 ESTRUTURA DO DOCUMENTO

A estrutura de um trabalho acadêmico compreende: elementos pré-textuais, elementos


textuais e elementos pós-textuais. A seguir, vem descrito cada elemento na ordem em que
deve figurar no trabalho - cada elemento em folha separada.

1.5 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

1.5.1 Capa

Elemento obrigatório onde as informações são transcritas na seguinte ordem:


- nome da instituição;
- nome do autor;
- título;
- subtítulo, se houver;
- número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada capa a especificação do
respectivo volume);
- local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado;
- ano da entrega do trabalho.

Ex.:

José da Silva

Hospital dos Servidores do Estado 1947-


1980: as enfermeiras contam sua história

v. 1
Santa Maria
2005

8
1.5.2 Lombada

A lombada só é impressa quando o trabalho possui em torno de 100 páginas. As


informações que devem ser impressas são:
a) Nome do autor, impresso longitudinalmente, e legível, do alto para o pé da lombada.
Esta forma possibilita a leitura quando o trabalho está no sentido horizontal, com a
face voltada para cima;
b) Título do trabalho, impresso da mesma forma que o nome do autor;
c) Elementos alfanuméricos de identificação de volume e data.
Exemplo:

José da Silva
Hospital dos Servidores do Estado 1947-1980 v. 1 2005

Um trabalho de mais de duzentas páginas justifica que os dados na lombada sejam


impressos horizontalmente quando o documento está em posição vertical. Ex.:

v.1
2005

9
1.5.3 Folha de Rosto

A folha de rosto é a principal fonte de informação para se fazer a referência


bibliográfica de uma obra. Por isso, ela é um elemento obrigatório de grande importância,
devendo estar conforme as especificações a seguir:
a) Anverso da folha de rosto
Os elementos devem figurar na seguinte ordem: Nome do autor - responsável intelectual
do trabalho; Título principal do trabalho - deve ser claro e preciso, identificando o seu
conteúdo; Subtítulo - se houver, deve ser evidenciada a sua subordinação ao título principal,
precedida de dois pontos; Número de volumes - se houver mais de um, deve constar em cada
folha de rosto a especificação do respectivo volume; Natureza (tese, dissertação, trabalho de
conclusão de curso e outros) e objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros);
Nome da instituição a que é submetido; Área de concentração; Nome do orientador e, se
houver, co-orientador; Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado; Ano da
entrega.
b) Verso da folha de rosto
Deve conter a ficha catalográfica, conforme o Código de Catalogação Anglo-
Americano vigente. A ficha catalográfica é feita por um profissional bibliotecário e só se faz
realmente necessária em dissertações, teses ou trabalhos que se pretenda publicar
comercialmente. Exemplo:

José da Silva

Hospital dos Servidores do Estado 1947-


1980: as enfermeiras contam sua história

Dissertação apresentada ao
Programa de Pós-Graduação em
Saúde do Centro Universitário
Franciscano - UNIFRA para
obtenção do grau de especialista
em enfermagem.

Orientador(a): Ms, Elenita


Anverso Miguel
<Ficha Verso
catalográfica>

Santa Maria
2005

10
1.5.4 Errata

Caso o trabalho já tenha sido impresso e seja percebido algum erro, deve ser inserida,
logo após a folha de rosto, uma folha de errata, que é constituída pela referência bibliográfica
do trabalho e pelo texto da errata disposto da seguinte maneira:

ERRATA
Folha Linha Onde se lê Leia-se
32 3 publcação publicação

1.5.5 Folha de aprovação

É um elemento obrigatório para qualquer trabalho acadêmico. Colocada logo após a


folha de rosto ou a errata, se houver, a folha de aprovação é constituída pelo nome do autor do
trabalho, título, subtítulo, natureza, objetivo, nome da instituição a que é submetido, área de
concentração, data de aprovação, nome, titulação e assinatura dos componentes da banca
examinadora e instituições a que pertencem. A data de aprovação e assinaturas dos membros
componentes da banca examinadora são colocadas após a aprovação do trabalho, conforme
exemplo a seguir.

José da Silva

Hospital dos Servidores do Estado 1947-1980:


as enfermeiras contam sua história

Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em


Saúde do Centro Universitário Franciscano - UNIFRA para obtenção do
grau de especialista em enfermagem.

Aprovada em __/__/___.
_____________________
Ms. Elenita Miguel - Orientadora.
UNIFRA

_____________________
Ms. Afonso Silveira
UNIFRA

_____________________
Dr. Eduardo Ferreira
UFSM.
11
1.5.6 Dedicatória

A dedicatória é um elemento opcional, colocado após a folha de aprovação, onde o


autor dedica seu trabalho a alguém. É uma forma de homenagem à pessoa citada.

Dedico este
trabalho a minha filha
Maria.

1.5.7 Agradecimento

Após a dedicatória (se houver) ou a folha de aprovação, o autor pode expressar sua
gratidão às pessoas que prestaram assistência relevante para a realização do trabalho. Não se
presta agradecimentos a contribuições rotineiras ou que não tenham sido relevantes ao
trabalho. Os agradecimentos não devem exceder a uma página. Ex.:

Agradeço a ajuda, estímulo e paciência da


minha orientadora, Jânia, e do meu co-orientador,
Silvio, com os quais sempre pude contar para a
realização deste trabalho.

12
1.5.8 Epígrafe

Caso deseje, o autor pode colocar, após o agradecimento, em folha separada, um verso
ou frase de outro autor que seja pertinente ao tema do trabalho. Sugere-se que a epígrafe tenha
alinhamento justificado do meio da página para a direita, podendo ser centralizado
verticalmente na folha ou no final da página. Podem também constar epígrafes nas folhas de
abertura das seções primárias logo após o título da seção.

“Nas organizações humanas não


haverá mudança, a não ser que haja
primeiro quem advogue esta mudança.”
J M JURAN

1.5.9 Resumo na língua vernácula

O resumo, no mesmo idioma do trabalho, é obrigatório. Ele deve ressaltar o objetivo, o


método, os resultados e as conclusões do trabalho. Sendo composto de uma seqüência
corrente de frases concisas, e não de uma enumeração de tópicos, a primeira frase deve ser
significativa, explicando o tema principal do documento. Deve-se dar preferência ao uso da
terceira pessoa do singular e do verbo na voz ativa.
Num resumo deve-se evitar o uso de frases negativas, símbolos e contrações que não
sejam de uso corrente, bem como fórmulas, equações e diagramas que não sejam
absolutamente necessário. Quando seu emprego for imprescindível, definí-las na primeira vez
que aparecem.
A extensão recomendada para um resumo é de até 250 palavras para monografias e
artigos (nesse caso 150 palavras é suficiente) e de até 500 palavras para relatórios e teses.

13
Logo abaixo do resumo seguem as palavras representativas do conteúdo do trabalho
(palavras-chave). As palavras-chave devem ser antecedidas da expressão Palavras-chave:,
separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto.

1.5.10 Resumo em língua estrangeira

Uma versão do resumo da língua do texto para idioma de divulgação internacional


também é obrigatória para trabalhos de conclusão de curso, com as mesmas características e
também seguido das palavras-chave ( em inglês Abstract, em francês Resume, em espanhol
Resumen, por exemplo). É digitado em folha separada. Ressalta-se que esse resumo só é
obrigatório para trabalhos de conclusão de curso ou artigos a serem publicados – esses
últimos receberão a formatação exigida pela editoração da revista.

1.5.11 Listas

As listas são elementos opcionais que auxiliam na localização de seus respectivos


elementos no texto. Em caso de trabalhos muito extensos, com muitas ilustrações, tabelas,
abreviaturas, siglas e/ou símbolos recomenda-se o uso das respectivas listas.

1.5.11.1 Lista de figuras

Sugiro que, sempre que houver mais de cinco figuras, estas sejam listadas para uma
melhor visualização do trabalho. A lista de figuras é elaborada de acordo com a ordem
apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do seu
respectivo número de página. Quando necessário, recomenda-se lista própria para cada tipo de
figura (desenhos, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas...).

1.5.11.2 Lista de tabelas

É elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, da mesma forma que a lista
de ilustrações.

14
1.5.11.3 Lista de abreviaturas e siglas

Consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto, seguidas


das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso. A norma da ABNT
recomenda que seja feita uma lista para abreviaturas e outra de siglas.

1.5.11.4 Lista de símbolos

Quando houver símbolos no trabalho, estes devem ser listados de acordo com a ordem
apresentada no texto, com o devido significado.

1.5.12 Sumário

O sumário é um elemento obrigatório, cujas partes são acompanhadas dos respectivos


números das páginas. Havendo mais de um volume, em cada um deve constar o sumário
completo do trabalho, de forma que se tenha conhecimento do conteúdo, independente do
volume consultado. É o último elemento pré-textual.
Regras gerais de apresentação:
- A palavra sumário deve ser centralizada e com a mesma tipologia da fonte utilizada para
as seções primárias;
- A subordinação dos itens do sumário deve ser destacada pela apresentação tipográfica
utilizada no texto;
- Os elementos pré-textuais não devem constar no sumário;
- A ordem dos elementos do sumário deve ser:
- os indicativos que compõem o sumário, se houver, devem ser alinhados à
esquerda;
- os títulos e os subtítulos, se houver, sucedem os indicativos das seções. A
norma recomenda que sejam alinhados pela margem do título do indicativo
mais extenso;
- O(s) nome(s) do(s) autor(s), se houver, sucede(m) os títulos e os subtítulos;

15
- A paginação pode ser apresentada: número da primeira página (ex.: 27),
número das páginas inicial e final, separadas por hífem (ex.: 91-143) ou
número das páginas em que se distribui o texto (ex.: 27, 35, 64 ou 27-30, 35-
38, 64-70);
- Se o documento for apresentado em mais de um idioma, recomenda-se um sumário
separado para cada idioma, inclusive a palavra sumário, em páginas distintas.

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO.......................................................................10
2 MODELO TRADICIONAL DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS
FAMILIARES ........................................................................15
2.1 FAMÍLIA E SUA PREVISÃO LEGAL...............................17
2.2 DIREITO DE FAMÍLIA......................................................21
2.2.1 O tempo do processo.........................................................28
2.2.2 A causa artificial das separações.......................................33
2.2.3 O significado da figura do juiz..........................................39
3 MODELO PARA A SOLUÇÃO DE CONFLITOS ..............44
3.1 MEDIÇÃO FAMILIAR.......................................................44
3.1.1 As vantagens.....................................................................61
3.1.2 As desvantagens................................................................63
3.2 O PAPEL DO ADVOGADO...............................................65
3.3 A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIEDADE...66
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................73
5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ...................................78
ANEXOS ...................................................................................85

1.6 ELEMENTOS TEXTUAIS

Estes se constituem de três partes fundamentais: introdução, desenvolvimento e


conclusão, conforme segue.

16
1.6.1 Introdução

Parte inicial do texto, onde devem constar a delimitação do assunto tratado, objetivos
da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho. Define brevemente
os objetivos do trabalho e as razões de sua elaboração.

1.6.2 Desenvolvimento

O desenvolvimento é a parte principal do texto, que contém a exposição ordenada e


pormenorizada do assunto. Divide-se em seções e subseções, que variam em função da
abordagem do tema e do método.

1.6.2.1 Numeração progressiva de seções

Para evidenciar a sistematização do conteúdo do trabalho, deve-se adotar a numeração


progressiva para as seções do texto. Na formatação das seções são empregados algarismos
arábicos na numeração. O indicativo numérico de uma seção precede seu título, alinhado à
esquerda, separado por um espaço. Não se utilizam ponto, hífen, travessão ou qualquer sinal
após o indicativo de seção ou de seu título.
Destacam-se gradativamente os títulos das seções, utilizando-se os recursos de negrito,
itálico, grifo ou caixa alta. Eles aparecem no sumário de forma idêntica à do texto.
Deve-se limitar a numeração progressiva até a seção quinária. O indicativo das sessões
primárias deve ser grafado em números inteiros, a partir de 1. O indicativo de uma seção
secundária é constituído pelo indicativo da seção primária a que pertence, seguido do número,
que lhe for atribuído na seqüência do assunto, e separado por ponto. Repete-se o mesmo
processo em relação às demais seções. Exemplo:

Seção seção seção seção seção


Primária secundária terciária quaternária quinária

17
1 1.1 1.1.1 1.1.1.1 1.1.1.1.1
2 2.1 2.1.1 2.1.1.1 2.1.1.1.1
3 3.1 3.1.1 3.1.1.1 3.1.1.1.1
. . . . .
. . . . .
10 10.1 10.1.1 10.1.1.1 10.1.1.1.1

Nota – na leitura oral não se pronunciam os pontos (em 2.1.1 lê-se dois um um).
Os títulos de seções primárias, por serem as principais divisões de um texto, devem
iniciar em folha distinta.
Os títulos das subseções devem ser separados do texto que os precede ou que os
sucede por dois espaços duplos e todas as seções devem conter um texto relacionado com
elas.
Quando for necessário enumerar os diversos assuntos de uma seção que não possua
título, esta deve ser subdividida em alíneas. A disposição gráfica das alíneas obedece às
seguintes regras:
a) o trecho final do texto correspondente, anterior às alíneas, termina em dois pontos;
b) as alíneas são ordenadas alfabeticamente;
c) as letras indicativas das alíneas são reentradas em relação à margem esquerda;
d) o texto da alínea começa por letra minúscula e termina em ponto-e-vírgula, exceto a
última que termina em ponto; e, nos casos que seguem subalíneas, estas terminam em
vírgula;
e) a segunda e as seguintes linhas do texto da alínea começam sob a primeira letra do
texto da própria alínea.
Quando a exposição da idéia assim o exigir, a alínea pode ser subdividida em
subalíneas. As subalíneas devem começar por um hífen, colocado sob a primeira letra do texto
da alínea correspondente, dele separadas por um espaço. As linhas seguintes do texto das
subalíneas começam sob a primeira letra do próprio texto.

1.6.2.2 Citações

As citações são informações retiradas de outras obras e/ou autores. Estas, podem ser
diretas ou indiretas.

18
Citações diretas são aquelas em que o trecho é descrito tal e qual figura no texto
original.
Quando este tipo de citação tiver mais de três linhas, deve ela ser destacada do texto,
em letra tamanho menor e com recuo de 4 cm da margem esquerda. Até três linhas, a citação
deve apenas figurar entre aspas duplas.
As citações são identificadas sempre por autor, ano de publicação da obra e página
onde foi extraído o texto. Exemplos:

“A ironia seria assim uma forma implícita de heterogeneidade mostrada, conforme a


classificação proposta por Authier-Reiriz” (1982, p. 189)

“O contexto do problema é colocado e acompanhado ou não de revisão [...]”


(SANTOS, 2001, p. 25)

Citações indiretas são aquelas em que a transcrição é feita com redação pessoal, apesar
de a idéia do autor do texto original ser transmitida fielmente. Nas citações indiretas, quando a
idéia citada pertencer a vários autores, estes devem ser indicados em ordem alfabética e
separados por ponto-e-vírgula, ex.:

O conceito de ator social é muito importante para a compreensão do desencadear dos


acontecimentos históricos ( ALMEIDA, 1996; MENEZES, 2000).

Citações de citação é a transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve


acesso ao original, ou seja, que foi “citada” pelo autor da obra consultada. Para tal, é preciso
indicar o autor e a data da obra citada, a expressão latina apud, depois autor, data e página da
obra consultada. Exemplo:

“Apesar das aparências, a desconstrução do logocentrismo não é uma psicanálise da


filosofia [...]” (VIANNA, 1986, p.17 apud SEGATTO, 1995, p. 218).

Os indicativos de seções devem ser citados de acordo com os seguintes exemplos:


... na seção 4
... ver 2.2
... em 1.1.2.2, § 3° ou... 3° parágrafo de 1.1.2.2

19
3.2.2.2.1 Abreviaturas e indicadores gráficos

No caso de um autor possuir mais de uma obra publicada no mesmo ano, ordenamos
as obras segundo ordem alfabética acrescentando-se uma letra após a data, sem espacejamento
ou sinais. Exemplo:
No caso do teatro
Alterações na citação devem ser indicados da seguinte forma:
a) supressões: [...] - havendo supressão de trechos dentro do texto citado, faz-se a
indicação com reticências e colchetes;
b) interpolações, acréscimos ou comentários: [ ] - para acrescentar comentários ao texto
citado, estes devem estar entre colchetes;
c) ênfase ou destaque: grifo ou negrito ou itálico ;
d) dados obtidos de informação verbal (palestras, debates ...): (informação verbal) neste
caso, devem ser mencionados os dados disponíveis em nota de rodapé;
e) para identificar destaque na citação: (grifo nosso) ou (grifo do autor) - se algum
destaque (grifo, negrito, itálico ou sublinhado) for dado pelo autor do trabalho ou já
estiver expressa na obra original, deve ser indicada a origem do destaque.
Obs. Quando, dentro do trecho citado, já existirem aspas, elas transformam-se em aspas
simples (‘’).
Exemplos:

“Os dados para a pesquisa estão sendo coletados até o final do ano” (informação
verbal)1

No rodapé da página:
1
Notícia fornecida por Jonh Smith na palestra Perspectivas atuais da Educação Brasileira, no
Rio de Janeiro, em novembro de 2001.

“[...] para que não tenha lugar a produção de degenerados, quer físicos quer morais
[verdadeiras ameaças à sociedade]” (CANDIDO, 1989, v. 3, p. 182, grifo do autor)

20
Nas notas que explicam as citações podem ser usadas abreviações, como demonstrado
a seguir:
a) idem (usado para indicar mesmo autor que o anterior): id. ;
b) ibidem (na mesma obra): ibid. ;
c) opus citatum (obra já citada): op. cit. ;
d) passim (o autor original informa diversas vezes na obra. Usa-se ao invés de informar o
número da página): passim.
As expressões constantes nas três primeiras alíneas só podem ser usadas quando as
citações forem extraídas da mesma página.

3.2.2.2.2 Sistema de chamada

As citações devem ser indicadas no texto por um sistema de chamada: numérico ou


autor-data. Qualquer que seja o método adotado, deve ser seguido consistentemente ao longo
de todo o trabalho, permitindo sua correlação na lista de referências ou em nota de rodapé.
No sistema numérico, a indicação da fonte é feita por uma numeração única e
consecutiva, em algarismos arábicos, remetendo às referências bibliográficas no final do
trabalho. A indicação da numeração pode ser feita alinhada ao texto entre parênteses ou
sobrescrita a ele.
Ex.:
Diz Rui Barbosa: “Tudo é viver, previvendo”. (15)

Diz Rui Barbosa: “Tudo é viver, previvendo”.15

O sistema numérico não deve ser utilizado quando houver notas de rodapé.
No sistema autor-data a indicação da fonte é feita pelo sobrenome do autor em
maiúsculas, seguido pela data de publicação e pela(s) página(s) da citação, tudo separado por
vírgula e entre parênteses. Ou, no caso de citações indiretas, o autor pode aparecer antes ou
depois da citação fora dos parênteses apenas com a inicial maiúscula. Exemplos:

“em cabeçalhos compostos, entra-se pela palavra mais característica” (ASSOCIAÇÃO


BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 1989, p. 3)

21
segundo Durval (1975, p. 48), a reflexão interior aparece constantemente nas poesias.

3.2.2.3 Notas de rodapé

Destinando-se a prestar esclarecimento, comprovar uma afirmação ou justificar uma


informação que não deve ser incluída no texto, as notas de rodapé devem limitam-se ao
mínimo necessário.
As notas devem ser digitadas dentro das margens, ficando separadas do texto por um
espaço simples de entrelinhas e por filete de três centímetros, a partir da margem esquerda.
A numeração das notas explicativas é feita em algarismos arábicos, devendo ter
numeração única e consecutiva para cada capítulo. Não se inicia a numeração em cada página.

3.2.2.4 Siglas

Quando aparecem pela primeira vez no texto, a forma completa do nome precede a
sigla, colocada entre parênteses. Ex.: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

3.2.2.5 Equações e fórmulas

Aparecem destacadas no texto, de modo a facilitar sua leitura. Na seqüência normal do


texto, é permitido o uso de uma entrelinha maior que comporte seus elementos (expoentes,
índices e outros). Se destacadas do parágrafo, são centralizadas e, caso necessário, deve-se
numerá-las. Quando fragmentadas em mais de uma linha, por falta de espaço, devem ser
interrompidas antes do sinal de igualdade ou depois dos sinais de adição, subtração,
multiplicação e divisão. Ex.: x2+y2=z2 , (x2+y2)/5=n.

3.2.2.6 Ilustrações

Qualquer que seja seu tipo (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos,
mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros), toda ilustração que figurar no
trabalho recebe legenda com sua identificação na parte inferior, precedida da palavra

22
designativa (fotografia, gráfico ...), seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto,
em algarismos arábicos, e da respectiva definição de forma breve e clara, dispensando
consulta ao texto e à fonte. Ex.: Gráfico 3: balanço financeiro mensal em 2004.
A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere. Caso
a ilustração ocupe toda a página, sugere-se que sua identificação figure no verso da mesma.
Se a ilustração ocupar a página em formato paisagem, esta deve ser posicionada com a parte
superior voltada para a encadernação do trabalho.

3.2.2.7 Tabelas

A tabela é uma forma não discursiva de apresentar informações, sendo, o número, a


informação central. Sempre que o trabalho apresentar mais de uma tabela, estas devem ter
número inscrito no seu topo, com algarismos arábicos, de modo crescente e precedido da
palavra Tabela. Logo após a indicação numérica da tabela vai o título, que deve ser claro o
bastante, com abrangência geográfica e temporal explícitas e sem abreviações.
No rodapé da tabela, identifica-se a fonte dos dados e nota, sempre que houver
necessidade de esclarecer seu conteúdo geral. Quaisquer unidades de medidas ou grandezas
mencionadas numa tabela devem ser indicadas através de seus nomes ou símbolos, no
cabeçalho da coluna onde aparecem. Exemplos de tabela:

Tabela 1 – Evolução do índice de preços ao consumidor nos Estados Unidos, de 1967 a 1974.
ANO 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975
IPC
100,0 104,2 109,8 116,3 121,3 125,3 133,1 147,7 161,2
1967=100
Fonte: Departamento do Comércio (EUA).

23
Tabela 2 – Brasil: consultas às bibliotecas da região Norte, de 1993-1997.
Unidade=1000
Anos Consultas
1993 250
1994 300
1995 280
1996 320
1997 400
Total 1.550
Fonte: dados hipotéticos

3.2.3 Conclusão

A conclusão é a parte final do texto, na qual se apresentam as conclusões


correspondentes aos objetivos e às hipóteses. Dependendo da sua extensão, pode ser
subdividida em seções, tendo em vista manter a objetividade e clareza.

3.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

Os elementos pós-textuais são apresentados no trabalho na ordem que segue.

3.3.2 Referências

A relação das referências bibliográficas das obras, que foram utilizadas na elaboração
do trabalho, é obrigatória. Uma referência é composta basicamente por: autor, título e
subtítulo, edição, local de publicação, editora, ano de publicação, número de páginas, volume
e fascículo. A forma de disposição dos dados varia de acordo com o tipo de publicação. A
principal fonte de informação de uma obra é sua folha de rosto.
As referências devem ser digitadas com alinhamento do texto à esquerda, em
entrelinhas simples e separadas entre si por espaço duplo.
Elas são listadas em ordem alfabética e, sempre que houver o mesmo autor iniciando
duas ou mais referências consecutivas, substitui-se o autor após a primeira referência por um
traço equivalente a 6(seis) toques e ponto( _______.).

24
A seguir, alguns exemplos de referências bibliográficas.

Monografias no todo

ZIMMERMANN, Karin McQuade; SINICCO, Sandra. Guia ABEOC para os profissionais


de eventos. São Paulo: CIPA, 1997. 168p.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Estudo de impacto ambiental – EIA,
Relatório de impacto ambiental – RIMA: manual de orientação. São Paulo, 1989. 48 p.
(Série Manuais).

Monografias em meio eletrônico

ALVES, Castro. Navio negreiro. [S.l.]: Virtual Books, 2000. Disponível em:
<http://www.terra.com.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro.htm>. Acesso
em:10 jan. 2002, 16:30:30.

Parte de monografia

PIZARRO, Ana (org.). América latina: palavra, literatura e cultura. Campinas: UNICAMP,
1993. v. 1

SANTOS, Francisco R. A colonização da terra dos Tucujus. In: ______. História do


Amapá, 1° grau. 2. ed. Macapá: Valcan, 1994. Cap. 3, p. 15-24.

Parte de monografia em meio eletrônico

CECHELLA, Marília; RODRIGUES, Maria Amália. A alimentação na doença de Parkinson.


In: Simpósio de Ensino, Pesquisa e Extensão, 6, 2002. Anais... Santa Maria: UNIFRA, 2002.
CD-ROM.

POLÍTICA. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática, 1998.


Disponível em: <http://www.priberam.pt/dlDLPO>. Acesso em: 8 mar. 1999.

25
Artigos em publicações periódicas (revistas, jornais)

DINHEIRO: revista semanal de negócios. São Paulo: Três, n. 148, 28 jun. 2000.

TOURINHO NETO, F. C. Dano ambiental. Consulex, Brasília, DF, ano 1, n. 1, p. 18-23,


fev. 1997.

Artigo de publicação periódica em meio eletrônico

ARRANJO tributário. Diário do Nordeste Online, Fortaleza, 27 nov. 1998. Disponível em:
<http://www.diariodonordeste.com.br>. Acesso em: 28 nov. 1998.

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL. OAB nomeia Comissão de Defesa da


República e da Democracia. Síntese de direito civil e processual civil, n. 4, v. 1-24. CD-
ROM.

3.3.3 Glossário

O glossário dos termos específicos figura como elemento opcional, elaborado em


ordem alfabética.

3.3.4 Ordem alfabética

A ordem adotada pela ABNT baseia-se na do alfabeto português, de 23 letras,


acrescido de KWY, a saber: A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z.
As letras modificadas por acentos e sinais são alfabetadas sem se levar em
consideração as modificações. Ex.: Müller = Muller.
Os prefixos são alfabetados como palavra isolada, quando ligados ao nome que o
precede, sem espacejamento, formam uma só palavra. Ex.:
Darby;
Darras;
De, S. C.;

26
De Andréa;
De Kleine Aard;
DeAndrea.
Os prefixos e abreviaturas com omissão de letras são ordenados exatamente como
estão escritos. Ex.:
MacCarthy,
Marshall,
McFarland.

3.3.5 Apêndice(s)

Como elemento opcional, o(s) apêndice(s) são identificados por letras maiúsculas
consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos. Excepcionalmente utilizam-se letras
maiúsculas dobradas na identificação dos apêndices, quando esgotadas as 23 letras do
alfabeto.

Ex.:
APÊNDICE A – Avaliação numérica de células inflamatórias totais aos quatro dias de
evolução.
APÊNDICE B – Avaliação de células musculares presentes nas caudas em regeneração.

3.3.6 Anexo(s)

No caso de documentos ou outras informações complementares que não se adequam


ao corpo do trabalho, estas podem figurar como elemento anexo. O(s) anexo(s) são
identificado(s) da mesma forma que os apêndices. Excepcionalmente utilizam-se letras
maiúsculas dobradas na identificação dos anexos, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto.
Ex.:
ANEXO A – Representação gráfica das células inflamatórias presentes nas caudas em
regeneração.
ANEXO B – Representação gráfica da contagem de células inflamatórias presentes nas
caudas em regeneração.

27
3.3.7 Índice(s)

O índice nada mais é que uma lista de informações (termos ou expressões) ordenadas
segundo determinado critério, que localiza e remete para as informações contidas num texto.
Ele figura como elemento opcional e deve ter paginação consecutiva à do texto.
Pode ser alfabético, quando as palavras/expressões são ordenadas alfabeticamente, ou
sistemático, quando as entradas são organizadas numa ordenação por classes. Por exemplo:

Indústria
Alimentícia p. 42
Química p. 18, 26
Têxtil p. 16-18

No caso de índice alfabético, recomenda-se imprimir, no canto superior externo de


cada página, as letras iniciais ou a primeira e a última entrada da página.
Quanto ao enfoque, o índice pode ser de autores, assuntos, pessoas e entidades, nomes
geográficos, abreviaturas, símbolos ou siglas, citações, anunciante e matéria publicitária, ou
geral, quando combina duas ou mais categorias.
Deve-se fazer remissiva (ver) de termos sinônimos para o escolhido, ou das entradas
possíveis para a forma escolhida da expressão. Exemplos:

Carro ver automóvel.

Elaboração de referências ver referências, elaboração de.


Páginas consecutivas devem ser informadas pelos números extremos, separados por
hífen, e as salteadas devem ser indicadas separadas por vírgula. Exemplos:

Locomotivas a vapor p. 3,17,48

Locomotivas elétricas p. 15-22, 48

28
Quando as subdivisões de um cabeçalho se estendem de uma página (ou coluna) para
outra, o cabeçalho deve ser repetido na página (ou coluna) seguinte, acrescido da palavra
“continuação” entre parênteses ou itálico.
Armazenamento de informações (continuação)
CD-rom p. 18, 22
DVD p. 20, 22

4 ARTIGOS

Os artigos são publicações bem mais simples que monografias. Como elementos pré-
textuais temos apenas:
• o título e o subtítulo (se houver), figurantes da página de abertura e diferenciados
tipograficamente ou separados por dois pontos(:);
• Nome(s) do(s) autor(es), com um breve currículo que o(s) qualifique na área de
conhecimento do artigo, em nota de rodapé;
• Resumo e palavras-chave na língua do texto;
• Resumo e palavras-chave em língua estrangeira.
Observação artigo não tem capa ou folhas preliminares.
Como elementos textuais temos a introdução, onde se delimitam o assunto tratado e os
objetivos da pesquisa; o desenvolvimento (artigo propriamente dito), que pode ser dividido
em seções e subseções, que variam em função da abordagem do tema e do método; as
conclusões correspondentes aos objetivos e as hipóteses.
Nesse caso não há elementos pós-textuais.

5 RELATÓRIOS

A apresentação de um relatório técnico-científico se faz de forma clara e, sobretudo,


concisa, apresentando a informação suficiente para um leitor qualificado traçar conclusões e
fazer recomendações.
Como todo documento técnico-científico, um relatório divide-se em três partes
fundamentais: pré-textual, textual e pós-textual. Estas são dispostas na forma que segue:
a) Pré-textual:

29
- Capa,
- Folha de rosto,
- Prefácio (opcional),
- Resumo,
- Lista de símbolos, unidades, abreviaturas etc (opcional),
- Lista de ilustrações (opcional),
- Sumário;
b) Textual:
- Introdução,
- Desenvolvimento,
- Conclusões e/ou recomendações;
c) Pós-textual:
- Anexos,
- Agradecimentos (opcional),
- Referências bibliográficas,
- Glossário (opcional),
- Índice(s) (opcional),
- Ficha de identificação do relatório,
- Lista de destinatários e forma de acesso ao relatório (opcional),
- Capa.
Na capa inicial, é necessário informar também o mês da data de apresentação do
relatório. Caso necessário, informar após isso a classificação de segurança ou grau de sigilo;
ex.: confidencial. O número de páginas é contado a partir da introdução (em números arábicos
e seqüencialmente) até o final do relatório, sendo marcada sempre no canto superior direito da
folha.
Para facilitar a leitura, o texto deve ser dividido em seções.
Os elementos da folha de rosto devem figurar na seguinte ordem: nome do órgão
responsável, divisão do órgão responsável, título e subtítulo, autor, volume (se houver),
classificação de segurança (caso necessário), local e data. No verso da folha de rosto
aparecem informações complementares como informações sobre direitos autorais ou
associação do trabalho com outros, vínculos com outros projetos etc.
Por motivos de economia, o resumo pode ser colocado na página de rosto se não for
muito extenso.

30
Entre os elementos pós-textuais, a ficha de identificação do relatório destaca-se como
item essencial. Localiza-se antes da capa final e apresenta-se sob a forma de formulário. Ex.:

Classificação de segurança Documento n°

Data (mês e ano) Projeto n°

Título e subtítulo N° de volume

Título do projeto

Entidade executora (autor coletivo) Autores

Entidade patrocinada (cliente ou destinatário principal)

Resumo

Palavras-chave

N° de edição N° de páginas

Observações

31
6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6022: Informação e


documentação – Artigo em publicação periódica científica impressa – Apresentação. Rio de
Janeiro, 2003.

_____. NBR 6023: Informação e documentação – Referências – Elaboração. Rio de Janeiro,


2002.

_____. NBR 6024: Informação e documentação – Numeração progressiva das seções de um


documento escrito – Apresentação. Rio de Janeiro, 2003.

_____. NBR 6027: Informação e documentação – Sumário – Apresentação. Rio de Janeiro,


2003.

_____. NBR 6028: Informação e documentação – Resumo – Apresentação. Rio de Janeiro,


2003

_____. NBR 6033: Ordem alfabética. Rio de Janeiro, 1989.

_____. NBR 10520: Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação.


Rio de Janeiro, 2002.

_____. NBR 10719: Apresentação de relatórios técnico-científicos. Rio de Janeiro, 1989.

_____. NBR 12225: Títulos de lombada. Rio de Janeiro, 2004.

_____. NBR 14724: Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação.


Rio de Janeiro, 2002.

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO. Normas de apresentação de projeto,


trabalho final de graduação, monografia, dissertação e tese. 3. ed. Santa Maria, 2001.

32
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Normas de apresentação
tabular. 3. ed. Rio de Janeiro, 1993.

UNIVERSIDADE DO RIO DE JANEIRO. Apresentação de trabalhos acadêmicos. Rio de


janeiro, 1996. (série informar, v. 1).

33