Você está na página 1de 7

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL

INSTITUTO DE DEFESA DO CONSUMIDOR DO DISTRITO FEDERAL

Gabinete

Decisão n.º Cautelar/2022 - PROCON-DF/GABINETE Brasília-DF, 28 de abril de 2022.

DECISÃO

1. RELATÓRIO

Trata-se de sanção administra va por medida cautelar, em caráter antecedente de


procedimento administra vo, por conduta lesiva à cole vidade de consumidores pra cada pela
empresa MCDONALD'S BRASIL e devidamente constatada pela Diretoria de Fiscalização deste
Instituto, conforme Relatório SEI-GDF n.º 108/2022 - PROCON-DF/GABINETE/DIRFIS (85011497).

A fiscalização ocorreu em razão de denúncia anônima recebida por este Ins tuto,
conforme Ficha de Cadastro nº 53-001.001.22-0023673 (85193530).

Na denúncia o consumidor relata a compra de um sanduíche de "picanha" na empresa


McDonald's localizadas em Tagua nga, Ceilândia e no Shopping Conjunto Nacional. Relatou, ainda,
que o referido hambúrguer não é de picanha ou que sequer possua essência de tal. Assim, solicitou
ação fiscalizatória em razão do possível vício de qualidade do produto em questão, bem como em
razão da possível publicidade enganosa veiculada pela empresa McDonald's no que diz respeito a
composição do referido hambúrguer.

Dessa forma, foi feita fiscalização na peça publicitária dos novos sanduíches no canal
oficial do McDonald's Brasil na plataforma YouTube onde verificou-se que consta na descrição do
produto: "Produtos McPicanha: Picanha Salada Bacon e Picanha Cheddar Bacon. Hambúrguer 100%
bovino com molho sabor picanha", conforme capturas de tela (85011945 e 85012243).

Verificou-se, também, as informações acerca do produto McPicanha no site oficial da


empresa https://www.mcdonalds.com.br/cardapio onde constam as mesmas informações:
Novo Picanha Salada Bacon
1067 kcal
Um delicioso hambúrguer feito com carne 100% bovina, suculento e
saboroso, com alface, cebola, nosso bacon crocante, queijo cheddar,
maionese sabor picanha e pão estilo brioche
Novo McPicanha Cheddar Bacon
955 kcal
Um delicioso hambúrguer feito com carne 100% bovina, suculento e
saboroso, com 4 fa as crocantes de bacon, nosso delicioso molho sabor
cheddar, cebola shoyu, maionese sabor picanha e pão estilo brioche.

Ou seja, ficou constatado tanto na publicidade quanto nas informações de composição


dispostas no sí o eletrônico a seguinte informação: Hambúrguer 100% bovino com molho sabor
picanha. Verificou-se, portanto, que apenas a maionese usada na montagem do sanduíche é
saborizada. Pela publicidade e informações no site não há informação clara de que o hambúrguer
contém qualquer porcentagem do corte bovino picanha.

Em razão da repercussão inicial nas redes sociais e imprensa, a rede de restaurantes se


manifestou com a seguinte nota:
"A rede esclarece que a plataforma recém-lançada denominada "Novos
McPicanha" tem esse nome justamente para proporcionar uma nova
experiência ao consumidor, ao oferecer sanduíches inéditos desenvolvidos
com um sabor mais acentuado de churrasco. Para isso, os lançamentos
trazem a novidade do exclusivo molho sabor picanha (com aroma natural
de picanha), uma nova apresentação e um hambúrguer diferente em
composição e em tamanho (100% carne bovina, produzido com um blend
de cortes selecionados e no maior tamanho oferecido pela rede
atualmente). Lamentamos que a comunicação criada sobre os novos
produtos possa ter gerado dúvidas e informamos que haverá novas peças
destacando a composição dos sanduíches de maneira mais clara."

Resta claro, portanto, inclusive pela nota fornecida pela empresa que não há o corte
bovino picanha no seu hambúrguer, mas apenas o molho sabor picanha, mesmo o sanduíche se
denominando McPicanha.

Por fim, a demonstração de toda a conduta ilícita realizada pelo estabelecimento resta
amplamente demonstrada pelo Relatório SEI-GDF n.º 108/2022 - PROCON-DF/GABINETE/DIRFIS
(85011497) e todos os seus anexos.

2. FUNDAMENTAÇÃO

A medida cautelar no âmbito do procedimento administra vo de responsabilidade do


PROCON/DF encontra respaldo no parágrafo único do ar go 56, do Código de Defesa do Consumidor,
que assim dispõe:

Art. 56. [...] Parágrafo único. As sanções previstas neste ar go serão


aplicadas pela autoridade administra va, no âmbito de sua atribuição,
podendo ser aplicadas cumula vamente, inclusive por medida cautelar,
antecedente ou incidente de procedimento administrativo.

Assegurado, também, a possibilidade de interposição de recurso, conforme dispõe o art.


49 do Decreto Federal nº 2.181, de 20 de março de 1997:

Art. 49. Das decisões da autoridade competente do órgão público que


aplicou a sanção caberá recurso, sem efeito suspensivo, no prazo de dez
dias, contados da data da intimação da decisão, a seu superior hierárquico,
que proferirá decisão definitiva.

A medida cautelar visa garan r determinado bem ou valor juridicamente relevante, que
no caso é a dignidade e segurança de uma cole vidade frente às prá cas potencialmente lesivas
perpetradas pela empresa MCDONALD'S BRASIL.

No presente caso, mostra-se adequada e necessária a adoção de medida cautelar, uma


vez que se verifica a potencialidade da lesão ao consumidor, provavelmente já consubstanciada,
conforme denúncia realizada por consumidor por meio da Ficha de Cadastro nº 53-001.001.22-
0023673 (85193530).

Ressalta-se que a conduta lesiva já deve ter sido consubstanciada com milhares de
consumidores, haja vista se tratar de uma grande rede de fast food, mundialmente conhecida e
utilizada por muitos consumidores.

Ainda, tais fatos podem ser verificados por algumas matérias já veiculadas:

UOL
(85190725): https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2022/04/27/pagina-
denuncia-que-novos-mcpicanhas-do-mcdonalds-nao-tem-picanha.htm
G1
(85190853): https://g1.globo.com/economia/noticia/2022/04/28/lancados-
como-novos-mcpicanha-sanduiches-do-mcdonalds-tem-apenas-molho-
com-aroma-natural-de-picanha.ghtml
O Globo (85190923): https://oglobo.globo.com/economia/mcdonalds-
admite-que-mcpicanha-nao-tem-picanha-procon-sp-notifica-empresa-
25493638

Assim, ante a presença do periculum in mora, consubstanciado na provável ocorrência


de lesão a consumidores vulneráveis, bem como o fumus boni iuris, a medida cautelar em evidência se
faz necessária e encontra respaldo legal no arts. 56, parágrafo único da Lei 8.178/90 e 18, X, do
decreto 2.181/97.

Ressalta-se que, conforme denúncia e apuração feita pela Diretoria de Fiscalização


deste Ins tuto, a empresa não presta informações claras e precisas aos consumidores, induzindo-os
ao erro.
Toda publicidade da empresa faz o consumidor acreditar que ao adquirir o sanduíche
McPicanha está consumindo um hambúrguer feito com corte bovino de picanha, enquanto na verdade,
não há este corte no hambúrguer, mas tão somente, um molho sabor picanha.

A publicidade em si não faz referência ao corte picanha na composição do hambúrguer,


mas faz uso no nome da carne na denominação dos sanduíches e com neologismo (picanhamente)
para atrair a atenção dos consumidores com a impressão de um produto superior, derivado do corte de
carne nobre.

Outra fato que demonstra que a marca McDonald's ao u lizar o nome McPicanha induz
o consumidor ao erro é que a marca tem outros sanduíches em que o próprio nome do produto
remete ao tipo de carne ou aos ingredientes, como:

Cheeseburger (Sanduíche com queijo);


McChicken (Sanduíche com carne de frango);
McChicken Bacon (Sanduíche com carne de frango e bacon);
McFish (Sanduíche com carne de peixe)
Cheddar McMelt (Sanduíche com queijo tipo cheddar derretido);
McNífico Bacon (Sanduíche com bacon);

Assim, restou demonstrada infração aos ar gos 4º, I, 6º, I e IV; 37, §1º e 67, da Lei nº
8.078/1990 – CDC, que assim dispõem:

Art. 4º A Polí ca Nacional das Relações de Consumo tem por obje vo o


atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua
dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos,
a melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e
harmonia das relações de consumo, atendidos os seguintes princípios:

I - reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de


consumo;

Art. 6º São direitos básicos do consumidor:


I - a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por
prá cas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos
ou nocivos;
...
IV - a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos
comerciais coerci vos ou desleais, bem como contra prá cas e cláusulas
abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços;

Art. 37. É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva.


§ 1° É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de
caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro
modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a
respeito da natureza, caracterís cas, qualidade, quan dade,
propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e
serviços.

Art. 67. Fazer ou promover publicidade que sabe ou deveria saber ser
enganosa ou abusiva:
Pena Detenção de três meses a um ano e multa.

Assim, diante do elevado grau de lesividade que a a vidade exercida pela empresa
trouxe para a cole vidade de consumidores, conforme Relatório SEI-GDF n.º 108/2022 - PROCON-
DF/GABINETE/DIRFIS (85011497), a sanção adequada para esse momento é a SUSPENSÃO DO
FORNECIMENTO DOS PRODUTOS DA LINHA McPICANHA
e IMPOSIÇÃO DE
CONTRAPROPAGANDA para informação clara e correta sobre o produto McPicanha comercializado
pela empresa, nos termos do art. 56, VI, XII e § único, 58 e 60 da Lei 8.078/90 e art. 18, X, do Decreto
2.181/1997. Vejamos:

Art. 56. As infrações das normas de defesa do consumidor ficam sujeitas,


conforme o caso, às seguintes sanções administra vas, sem prejuízo das
de natureza civil, penal e das definidas em normas específicas:
I - multa;
II - apreensão do produto;
III - inutilização do produto;
IV - cassação do registro do produto junto ao órgão competente;
V - proibição de fabricação do produto;
VI - suspensão de fornecimento de produtos ou serviço;
VII - suspensão temporária de atividade;
VIII - revogação de concessão ou permissão de uso;
IX - cassação de licença do estabelecimento ou de atividade;
X - interdição, total ou parcial, de estabelecimento, de obra ou de
atividade;
XI - intervenção administrativa;
XII - imposição de contrapropaganda.
Parágrafo único. As sanções previstas neste ar go serão aplicadas pela
autoridade administra va, no âmbito de sua atribuição, podendo ser
aplicadas cumula vamente, inclusive por medida cautelar, antecedente
ou incidente de procedimento administrativo.
...
Art. 58. As penas de apreensão, de inu lização de produtos, de proibição
de fabricação de produtos, de suspensão do fornecimento de produto ou
serviço, de cassação do registro do produto e revogação da concessão ou
permissão de uso serão aplicadas pela administração, mediante
procedimento administra vo, assegurada ampla defesa, quando forem
constatados vícios de quan dade ou de qualidade por inadequação ou
insegurança do produto ou serviço.
...
Art. 60. A imposição de contrapropaganda será cominada quando o
fornecedor incorrer na prá ca de publicidade enganosa ou abusiva, nos
termos do art. 36 e seus parágrafos, sempre às expensas do infrator.
§ 1º A contrapropaganda será divulgada pelo responsável da mesma
forma, freqüência e dimensão e, preferencialmente no mesmo veículo,
local, espaço e horário, de forma capaz de desfazer o male cio da
publicidade enganosa ou abusiva.

Por fim insta demonstrar que o Tribunal de Jus ça do Distrito Federal e dos Territórios
possui precedente considerando a legalidade de medida cautelar adotada pelo PROCON/DF em caso
similar, veja:

DIREITO CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. AGRAVO DE


INSTRUMENTO. MANDADO DE SEGURANÇA. INTERDIÇÃO DE
ESTABELECIMENTO COMERCIAL. PROCON/DF. RECLAMAÇÕES DE
CONSUMIDORES NÃO SOLUCIONADAS. NOTIFICAÇÃO DA EMPRESA.
MEDIDA DE CUNHO CAUTELAR. CABIMENTO. 1. A interdição do
estabelecimento comercial decorreu da prá ca de infração contra o
Código de Defesa do Consumidor, sendo certo que aludida sanção é
objeto de processo administra vo, no qual se está observando o devido
processo legal. 2. Não se constata prima facie, que o ato administra vo
impugnado apresente ilegalidade, notadamente em razão da estreita
limitação da ação mandamental, quanto à existência de prova pré-
cons tuída hábil a amparar o deferimento do provimento liminar aqui
postulado. 3. No caso em exame, não é possível constatar, de plano, a
alegada ilegalidade ou abuso de poder por parte da autoridade impetrada,
razão pela qual deve ser man da a decisão ora agravada. 4. Agravo de
Instrumento conhecido e não provido.
(Acórdão 1173985, 07206659720188070000, Relator: NÍDIA CORRÊA LIMA, 8ª
Turma Cível, data de julgamento: 22/5/2019, publicado no DJE: 14/6/2019.
Pág.: Sem Página Cadastrada.)

3. DISPOSITIVO

Diante de todo o exposto, da demonstração de conduta lesiva aos consumidores –


ar gos 4º, I, 6º, I e IV; 37, §1º e 67, todos da Lei nº 8.078/1990 – CDC, e do perigo da con nuidade
da conduta ilícita para a cole vidade, determino, com amparo no art. 56, VI, XII e § único, 58 e 60do
Código de Defesa do Consumidor, art. 18, X, do Decreto 2.181/1997 e art. 26, XVI e XVII, do
Decreto 38.927/2018 – Regimento Interno do PROCON/DF -que seja, cautelarmente, SUSPENSA A
VENDA DOS PRODUTOS DA LINHA McPICANHA e REALIZADA CONTRAPROPAGANDA para
informação clara e correta sobre o produto McPicanha comercializado pela empresa MCDONALD'S
BRASIL.

Determino, ainda, que a referida medida seja publicada no Diário Oficial do Distrito
Federal a fim de dar publicidade à medida.

Por fim, a medida ora determinada será cumprida pela Diretoria de Fiscalização deste
Ins tuto de Defesa do Consumidor - PROCON/DF, oportunidade em que a empresa fica no ficada
quanto ao teor desta decisão e do cabimento de recurso administra vo, sem efeito suspensivo, no
prazo de 10 dias, contados da in mação da decisão. A presente decisão valerá para a empresa
MCDONALD'S matriz e todas as suas filiais e franquias.

Cumpra-se.

MARCELO DE SOUZA DO NASCIMENTO


Diretor-Geral - IDC-PROCON/DF

Documento assinado eletronicamente por MARCELO DE SOUZA DO NASCIMENTO -


Matr.0242398-7, Diretor(a) Geral do Instituto de Defesa do Consumidor PROCON-DF, em
28/04/2022, às 16:00, conforme art. 6º do Decreto n° 36.756, de 16 de setembro de 2015,
publicado no Diário Oficial do Distrito Federal nº 180, quinta-feira, 17 de setembro de 2015.

A autenticidade do documento pode ser conferida no site:


http://sei.df.gov.br/sei/controlador_externo.php?
acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0
verificador= 85203620 código CRC= 33FE3ABF.

"Bra s íl i a - Pa tri môni o Cul tura l da Huma ni da de"

Setor Comerci a l Sul , Qua dra 08, Venâ nci o 2000, Bl oco B-60, Sa l a 240 - Ba i rro As a Sul - CEP 70333900 - DF

3218-7709

00015-00007093/2022-49 Doc. SEI/GDF 85203620

Você também pode gostar