________________________________________ Plano de Segurança e Saúde

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE

OBRA: CONSTRUÇÃO DE MORADIA UNIFAMILIAR E MUROS DE VEDAÇÃO ± SANTA COMBA DE SEIA ± SEIA

1

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde

Conteúdo
1. 2. a. b. 3. 4. 5.
a. b. c. d. e.

Introdução................................ ................................ ................................ ........................ 6 Memória Descritiva da Obra ................................ ................................ ............................. 7 Principais trabalhos a executar ................................ ................................ ..................... 7 Quadro técnico da Obra................................ ................................ ................................ 7 Comunicação Previa ................................ ................................ ................................ ......... 9 Avaliação e hierarquização dos riscos reportados ao processo construtivo..................... 10 Projecto de Estaleiros e Memória descritiva ................................ ................................ ... 16
Introdução ................................ ................................ ................................ ..................... 16 Projecto do Estaleiro ................................ ................................ ................................ ... 16 Plano de Acesso, Circulação e Sinalização ................................ .............................. 17 Justificação ................................ ................................ ................................ ................... 18 Lista de trabalhos e materiais com riscos especiais: ................................ ............... 19

f. g. h. i. ii. iii. 6. a. b. c. d. e. f. g. 7. a. b.

Plano de sinalização de evacuação do estaleiro ................................ .......................... 22 Limpeza e ordem no estaleiro ................................ ................................ ..................... 23 Instruções particulares ................................ ................................ ............................... 23 Quadro eléctrico ................................ ................................ ................................ ......... 23 Líquidos inflamáveis: ................................ ................................ ................................ .. 23 Redes Técnicas ................................ ................................ ................................ ........... 23 Requisitos de segurança e saúde segundo os quais devem decorrer os trabalhos........... 24 Plano de Protecção colectivo ................................ ................................ ...................... 24 Plano de protecção Individual................................ ................................ ..................... 25 Plano de Inspecção e Prevenção ................................ ................................ ................. 28 Medidas Genéricas de Prevenção ................................ ................................ ............... 28 Inspecção ................................ ................................ ................................ ................... 29 Inspecções Periódicas ................................ ................................ ................................ . 29 Check List ................................ ................................ ................................ ................ 30 Cronograma dos trabalhos ................................ ................................ ............................. 36 Cronograma de Mão-de-obra ................................ ................................ ..................... 36 Mapa de quantidades de trabalho ................................ ................................ .............. 37

2

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde
8. Condicionantes á selecção de subempreiteiros, trabalhadores independentes fornecedores de materiais e equipamentos de trabalho. No caso dos subempreiteiros e trabalhadores independentes ................................ ................................ ................................ 47 9. a. b. c. d. e. f. g. 10. a. b. 11. Procedimentos de emergência, incluindo medidas de Socorro e evacuação................... 48 Sistema Operacional de Actuação ................................ ................................ ............... 48 RECURSOS MATERIAIS ................................ ................................ ................................ 48 Plano de Meios de Combate a Incêndio ................................ ................................ ...... 48 Plano de emergência ................................ ................................ ................................ .. 49 Outros cuidados ................................ ................................ ................................ ......... 50 FLUXOGRAMA ................................ ................................ ................................ ............ 51 Procedimentos de Emergência................................ ................................ .................... 52 Sistema de comunicação da ocorrência de acidentes e incidentes no estaleiro........... 58 Plano de Registos de Acidentes e Índices ................................ ................................ ........ 60 MEDICINA DO TRABALHO ................................ ................................ ............................... 61 Sinalização................................ ................................ ................................ .................. 62 FORMA GEOMÉTRICA E CORES DE SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ................................ ................... 63 a. 12. a. i. ii. iii. 13. a. 14. 15. a. a. 16. 17. 18. 19. 20. 21. a. PRINCÍPIOS DA SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA ................................ ................................ 63 Prevenção de riscos profissionais................................ ................................ ................ 65 AVALIAÇÃO E PREVENÇÃO DE RISCOS NOS EQUIPAMENTOS ................................ .......... 66 CONDUTOR MANOBRADOR ................................ ................................ ............................ 66 LISTA DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS................................ ................................ . 67 LISTA DE MATERIAIS COM RISCOS ESPECIAIS ................................ ................................ .. 71 Pormenor e especificação relativos a trabalhos que apresentem riscos especiais........ 73 Instruções de Trabalho ................................ ................................ ............................... 73 Organograma do estaleiro com definição de função, tarefas e responsabilidades ....... 79 Registo das actividades inerentes à prevenção de riscos profissionais, tais como:....... 80 Plano para Visitantes ................................ ................................ ................................ .. 80 Fichas de controlo de equipamentos e instalações,................................ ..................... 81 Registo das actividades de coordenação ................................ ................................ ..... 83 Registo dos trabalhadores ................................ ................................ .......................... 86 Fichas de aptidão médica................................ ................................ ............................ 89 Fichas de entrega de EPI ................................ ................................ ............................. 90 Seguros ................................ ................................ ................................ ...................... 93 Fichas de procedimentos de segurança................................ ................................ ....... 94 Fichas de Segurança................................ ................................ ................................ .... 95

3

................... .................................... b................ .................................................. .. c......... 124 DECRETO Nº 46 427 ....................... .......................... 124 FICHA A ..... ................. 128 Informação e Formação.......... ........... .... Check List .......... ....................................................... ................................................ 125 22............................................... .......................................... 127 Genérica ... ........ ................................... 125 PLANO DE UTILIZAÇÃO E CONTROLO DE EQUIPAMENTOS ............... ......................... . . 124 ÁGUA IMPRÓPRIA PARA BEBER ................. Regulamentação Aplicável ..... ...... 124 d... ....................... ....................................................................... .................... ................................ ................................. 24........................... 138 4 .... ............................. ...... ........................................... 136 Horário de Trabalho................ .................................. ... .... 98 Fichas de Avaliação de Riscos.................................................................. 133 Lista de telefones úteis .... ................................ ............................................... ........ 23........................................... Máquinas e Equipamentos.................................................................................. .......... 132 Acções de Formação .................... ......... .......................... ........................... ................. 105 REGULAMENTO DAS INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS DESTINADAS AO PESSOAL EMPREGADO DAS OBRAS ....................________________________________________ Plano de Segurança e Saúde b................... 25................................................ 132 Formação ..................................................................... .............. 127 NORMAS PORTUGUESAS ... ... ......... a............ .. 124 ABASTECIMENTO DE ÁGUA ..................................................................... b................. a.. ......................

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde REGISTO Designação Dono de Obra Nome Data Assinatura 5 .

poderá sofrer adaptações pelo emp reiteiro. Introdução Este documento refere -se ao Plano de segurança e Saúde (PSS) relativo á Construção de Habitação-unifamilia. a metodologia a aplicar deverá ser a preconizada no DL n. Adaptação do trabalho ao homem.º 441/91 de 14 de Novembro ± ³Regime Jurídico do Enquadramento da Segurança. e assegurar ao mesmo tempo melhores condições de vida.º92/57/CEE. Seia.º273/ 2003 de 29 de Outubro. Higiene e Saúde no Trabalho´. na transposição da directiva comunitário n. em conformidade com as novas tecnologias. tendo em conta a parte que diz respeito no enumerado dos princípios gerais da prevenção. conforme abaixo se indicam: y y y y y y y y Avaliação dos Riscos. através do envolvimento de todos os intervenientes Uma vez conseguidos estes objectivos. Combate dos riscos na origem. poder -se-á garantir consequentemente melhores rendimentos e maiores benefícios do ponto de vista empresarial. processos construtivos a implementar e recursos humanos disponível . Tendo como alvo a prevenção dos riscos profissionais. Santa Comba de Seia . concretamente no Dl n. 6 . Pretende ser um documento dinâmico que. Eliminação dos Riscos.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 1. Prioridade da protecção colectiva face a individual. Informação e formação Contribuir para a existência de uma Cultura de Segurança em Obra. Organização do Trabalho. O Plano de Segurança e Saúde é um documento que está previsto na legislação portuguesa.

- Autor do Projecto da Obra Nome: Contacto: Morada: Cédula Profissional: Coordenador em matéria de segurança e saúde durante a elaboração do projecto da Obra Nome: Contacto: Morada: Cédula Profissional: Coordenador em matéria de segurança e saúde durante a execução da obra Nome: Contacto: 7 . pavimentação e sinalização): y y y y y y Instalações de rede de águas residuais e pluviais. Principais trabalhos a executar y Execução de infra-estruturas viárias (terraplanagens. Instalações de Redes telecomunicações e segurança. no seu Artigo 3º Definições.º 273/ 2003 de 29 de Outubro. Instalações de redes eléctricas. Memória Descritiva da Obra Construção de moradia unifamiliar a. Instalações de rede de águas domésticas. Execução de trabalhos de Betão armado ao nível das estruturas. Quadro técnico da Obra Segundo o Decreto de lei n. dos intervenientes em todas as fazes da empreitada. Execução de Alvenarias e Revest imentos interiores e exteriores b.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 2.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde
Morada: Cédula Profissional:

Responsável pela direcção técnica da obra

Nome:
Contacto: Morada: Cédula Profissional:

Sílvia Miguel dos Santos
93 33 88 953 Oliveira do Hospital 18086 ANET

Director técnico da empreitada

Nome:
Contacto: Morada: Cédula Profissional: Entidade executante

Nome:
Contacto: Morada: Cédula Profissional: Equipa de Projecto

Nome:
Contacto: Morada: Cédula Profissional: Fiscal da Obra

Nome:
Contacto: Morada: Cédula Profissional:

8

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde

Representante dos Trabalhadores

Nome:
Contacto: Morada:

Subempreiteiro ( não estão previstos)

Nome:
Contacto: Morada: Cédula Profissional:

3. Comunicação Previa
A Comunicação Prévia que compreende o conjunto de elementos que a seguir se descrevem, é uma exigência da Directiva Estaleiros, que além de definir o seu conteúdo obriga, a que a mesma seja enviada a Autoridade Nacional das Condições de Trabalho e à sua afixação no estaleiro, em local bem visível.

A entidade executante deve afixar cópia da comunicação prévia e das suas actualizações, no estaleiro, em local bem visível .

Da Comunicação Prévia devem constar os seguintes elementos
Data da comunicação: _________________ Endereço completo do Estaleiro___________________________________________ Dono da Obra: Nome________________________________________________________________ Endereço: __________________________________________________________ Natureza da Obra: Construção

9

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde
Fiscais da Obra : Nome: _________________________________________________________________________________________ Endereço:_______________________________________________________________________________________ Técnico responsável da Obra : Nome: ____________________________________________________ Endereço:________________________________________________________________ Inscrito sob o N.º ______________________________________________ Coordenador de Segurança e Saúde, durante a elaboração do projecto: Nome: _________________________________________________________________________________________ Endereço:_______________________________________________________________________________________ Inscrito sob o N.º de CAP ___________ emitido em _____________________________________________ Coordenador de Segurança e Saúde, durante a realização da obra: Nome:__________________________________________________________________________ Endereço: Oliveira do Hospital Inscrito sob o N.º de CAP ________ ___ emitido em _____________________________________________ Director da Obra: Nome: __________________________________________________________________________ Endereço___________________________________________________________ Inscrito sob o N. ____________________________________________________________________ Datas previsíveis de inicio: _____ Data de termo dos trabalhos no estaleiro: ______ Duração previsível dos trabalhos no estaleiro: ______

4. Avaliação e hierarquização dos riscos reportados ao processo construtivo

10

º 1 Actividades Terraplanagem Riscos Potenciais B Acidentes rodoviários Atropelamento Choque de máquinas Desmoronamento Capotamento M A X X X X X 11 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde REGISTO DE ACTIVIDADES COM RISCOS ESPECIAIS Avaliação N.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Soterramento Instalação de poeiras Ruído e vibrações Queda em altura Queda ao mesmo nível Electrocussão 2 Betão Armado Queda em Altura Queda de níveis diferentes Choque com objectos Desmoronamentos Pancadas e cortes por objectos ou ferramentas Queda de materiais e objectos Avaliação de riscos: Baixo.º 2 Actividades Betão Armado Riscos Potenciais B Atropelamento ou colisão com veículos Contactos eléctricos Choque de máquinas X M A X X 12 . Médio. Alto X X X X X X X X X X X X Avaliação N.

Alto X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X 13 . por sebcargas ou por força exteriores Entalamento Avaliação de riscos: Baixo. Médio.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 3 Cofragem Queda em Altura Queda ao mesmo nível Esmagamento e esmagamento Queda de equipamentos Contactos eléctricos Cortes / perfurações e amputações Fadiga 4 Descofragem Queda a nível superior Queda de igual nível Queda de materiais Entalamento ou esmagamento por entre objectos Projecção de fragmentos e ou partículas Sobe-esforço causado por postura inadequadas 5 Escoramento Queda de nível superior Queda ao mesmo nível Entalamento Choque Esmagamento por ruptura dos elementos de suporte Posturas incorrectas 6 Montagem e Andaimes Queda de pessoas a nível diferente Queda de pessoas ao memo nível Queda do andaime e por falta de ápio.

Queda aos materiais 10 Serrelharia Queda em altura e quedas ao mesmo nível Queda de materiais e equipamentos Queimaduras X X X X X X X X X X X 14 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Avaliação N. das aberturas no telhado incompleto.º 7 Actividades Alvenarias Riscos Potenciais B Queda de nível superior ou ao mesmo nível Queda de objectos Corte e perfuração Entalamento e esmagamento Contactos eléctricos Sobe esforços e posturas inadequadas Projecção de partículas Exposição a agentes químicos Exposição a ruído e vibrações 8 Revestimentos interiores/ Exteriores Queda ao mesmo nível X X X X X X X X M A X X Queda de diferentes níveis Queda de objectos Queda de materiais Sobe esforço ou postura inadequadas Intoxicação Incêndios 9 Cobertura Queda em altura através de bordo de telhado.

Médio. Médio.º 11 Actividades Carpintaria de Limpos Riscos Potenciais B Queda em altura e queda ao mesmo nível Queda de material Corte e perfuração por contacto na zona operação de máquinas e ferramentas Contacto eléctrico Dermatose devido ao contacto com colas e verniz Irritações e irritações por inalação de poeiras Ruído Avaliação de riscos: Baixo.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Incêndios / Explosões Projecção de partículas Cortes e perfurações Ruído e vibrações Avaliação de riscos: Baixo. Alto X X X X Avaliação N. Alto X X M A X X X X X 15 .

dos equipamentos de apoio fixo. das infra -estruturas provisórias e de todo s 16 . O projecto de estaleiro identifica e define objectivamente através de peças escritas e desenhadas. Projecto de Estaleiros e Memória descritiva a. em Santa Comba de Seia . Por estaleiro entende -se os locais onde se efectuam os trabalhos de construção propriamente ditos.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 5. Seia. bem como os locais onde se desenvolvem actividades de apoio aqueles trabalhos. nomeadamente o regulamento de instalações provisórias destinadas ao pessoal empregado nas obras. Introdução A presente Memória Descritiva e Justificativa referem a Construção de Moradia Unifamiliar. b. Projecto do Estaleiro O projecto do estaleiro elaborado pelo empreiteiro atendendo ao previsto no projecto de execução e no caderno de encargos e deverá ser apresenta do para aprovação da fiscalização nos prazos definidos. a regulamentação das prescrições mínimas de segurança e saúde nos locais e postos de trabalho dos es taleiros temporários ou móveis. Na elaboração desses projecto foi seguida a regulamentação específica aplicável. a implantação e características das instalações de apoio à execução dos trabalhos.

os processos construtivos e método de trabalho a utilizar determinarem. dimensão e localização das zonas da obra em causa. Localização dos Principais Equipamento. o empreiteiro preparará o plano de acesso. da fiscalização e eventuais visitantes. incluindo os elementos do dono de obra. O plano de acesso. Não devem ser permitido em caso algum o atravessamento do estaleiro por pessoas estranhas à obra. y y y y y y y Planta Geral do Estaleiro. - 17 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde os outros elementos que as características dos trabalhos. as vis rodoviárias existentes e os caminhos pedonais. Circulação e Sinalização Nos termos do Decreto ± Lei n.º 273/2003 devem adoptar -se as medidas para garantir as condições de acesso. Plano de Acesso. Prever a colocação dos dispositivos necessários para garantir a segurança na entrada e saída de viaturas no estaleiro. deslo cação e circulação necessárias à segurança de todos em conta a natureza. Na preparação do plano de acesso. circulação e sinalização por forma a programar a adopção de medidas capazes de garantir adequadas condições de acesso. deslocação e circulação necessárias à segurança de todos os trabalhadores no estaleiro. Localização das Redes de Água. características. circulação e sinalização integrará plantas que identifiquem o estaleiro (incluindo todas as zona s de trabalho). Tomar as medidas necessárias para que o acesso ao estaleiro seja reservado a pessoas autorizadas. Na definição dos caminhos de circulação deve ser considerada a movimentação de todos os materiais e equipamentos utilizados na obra. circulação e sinalização deverão ser consideradas os seguintes: Identificar todos os acessos ao estaleiro (viaturas e pessoas). Conjuntamente com o projecto do estaleiro. Esgotos e Electricidade d o Estaleiro Planta de Acções Quanto a Condicionalismos Existentes Planta de Sinalização e Circulação no Estaleiro e Zonas Envolventes Planta e Esquemas de Protecções Activas (ex: passadeiras e vedações) Zonas de Maior Perigo do Estaleiro c.

A obrigação de uso de equipamento de protecção individual (EP¶I). terá de pro ceder-se. d. de forma a obter-se uma plataforma à cota de implantação da obra e consequentemente a plataforma de instalação do estaleiro. Os caminhos pedonais externos devem ser identificados. 18 . visto que futuramente a obra será completamente vedada. Dadas as características do loteamento a ser intervencionado. optou-se por criar zonas para Armazém de Materiais. - A sinalização do estaleiro deve identificar. ficando assim isolada de qualquer acção que possa desenrolar -se na zona de envolvência da obra. Zona de Armazenamento: Será a zona onde se coloca e dispõe das matérias primas. para uso em obra. Trata-se de uma obra em que a montagem de estaleiro fixo se f ará no interior da zona acção. Justificação Após a análise cuidada do desenvolvimento futuro da execução da empreitada em questão. nomeadamente: Zonas de perigo ou interditas. Sinalização da localização dos meios de combate a incêndios. com identificação dos perigos. dados os condicionalismos e envolvência da zona de intervenção optaram -se por uma solução de montagem e funcionalmente de estaleiro que seguidamente se passa a descrever. numa fase inicial de trabalhos. Assim. Todas as entradas do estaleiro tem que ser sinalizadas proibindo a entrada a pessoas estranhas a obra e indicação do equipamento de protecção individual de utilização obrigatória dentro do estaleiro (no mínimo. e Instalações Sanitárias. de acordo com o plano em anexo. capacete e calçado com palmilha e biqueira de aço).________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Os caminhos de terra batida devem ser regulamente regados no tempo seco de forma a evitar o levantamento de pó. a uma desmatação e movimentação de terras. protegidos e sinalizados de forma a proporcionar adequadas condições de segurança aos transeuntes. como se pode ver nas peças desenhadas em anexo. Descrição O estaleiro compreenderá duas zonas de acção: uma zona de armazenamento e uma Zona de fabrico.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Zona de fabrico: Definiram -se algumas zonas de intervenção. Lista de trabalhos e materiais com riscos especiais: RISCOS GERAIS DO ESTALEIRO REDES RISCOS PREVENÇÃO 19 . de acordo com as suas características. e. nomeadamente: o Estaleiro de betão e inertes: contempla a instalação de uma betoneira e locais distintos para arrumação de inertes.

Usar equipamento de protecção individual / colectiva .Queimaduras .Sinalizar e delimitar . informação e sensibilização .Colocar sinalização e delimitar a zona .Usar equipamento de protecção individual/colectiva .Incêndio .Colocar sinalização e delimitar a zona .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde .Desviar condutas.Intoxicações ESGOTOS .Electrocussão ELECTRICIDADE (linhas aéreas e Subterrâneas) .Formação.Identificar e demarcar redes .Cotas Erradas .Definir e demarcar redes subterrâneas (fazer sondas se necessário) .Formação.Verificação das implantações topográficas 20 . se necessário . a alteração do trajecto das linhas .Infecções .Rotura de Condutas ÁGUAS .Colocar sinalização e delimitar a zona .Estudo preliminar dos trabalhos -Capotamento de Máquinas RELEVO . se necessário.Formação.Sobrecargas .Usar equipamento de protecção colectiva / colectiva .Identificar e demarcar redes .Inundações .Manutenção das vias do terreno .Desabamentos .Contacto .Desabamentos . informação e sensibilização .Inundações .Solicitar consignações . informação e sensibilização .Desabamentos .Desviar canalizações.Roturas de Condutas .Máquinas adaptadas ao terreno .Proteger redes aéreas .Solicitar previamente. se necessário .Verificar as distâncias aos condutores nus .

se necessário .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde .Sinalização e delimitação .Desabamentos 21 .Ancoragem de taludes .Deterioração .Explosão .Subida dos Níveis Freáticos Após Chuva Intensa .Formação.Rebaixamento do nível freático.Equipamento de protecção individual . etc.) . se necessário .Presença de lençóis de água .Inundações .Capotamento de Máquinas .Conservação das linhas de água .Escorregamento .Dermatoses . Subsolo.Inundações .Afundamento ou Desmoronamento .Deslizamento ou Aluimento . informação e sensibilização ESTRADAS .Controle do Trânsito .Capotamento de Máquinas .Sobrecargas .Estudo preliminar geotécnico .Eliminação de elementos instáveis .Natureza do solo na zona de trabalhos GEOLOGIA (Solo. Lençóis de água.Intoxicação .Bombagem de água em excesso Após Chuva Intensa .Bombagem de água em excesso CONTAMINAÇÃO DOS SOLOS .Inundações .Desvio das linhas de água.Colisões .Sobrecargas .Solicitar autorizações legais .Colocar sinalização e delimitar zona .Definir zona de circulação .Subida dos Níveis Freáticos .Afundamento ou Desmoronamento -Deslizamento ou Aluimento LINHAS DE ÁGUA .Criar trajectos alternativos .Estudo prévio .Descontaminação dos solos .

Precaução. deverá ser colocada. que permitam um fácil entendimento dos utilizadores regulares do estaleiro de obra.. Sentido de circulação de pessoas e veículos e limitação de velocidades. proibições. estão estabelecidas as indicações de sinalização de segurança e saúde e a sinalização de circulação de pessoas e passageiros. Proibição de entrada de pessoas não autorizadas.. Este plano tem por objectivo dar indicações sobre os seguintes aspectos: y y y y y y y Obrigação sobre o uso de equipamentos de protecção individual.Sinal de Proibição. Advertência do perigo de queda de objectos. fornecendo nomeadamente indicações sobre os sentidos de marcha.Sinal de Salvamento ou Socorro (Indicação de Saída. Específicos) O previsível e constante estacionamento de viaturas pesadas na zona da Obra dificulta o trabalho e movimentação de veículos e máquinas. Proibição de aproximação a zonas perigosas. perigo. Verificação) . não exaustivo do tipo de sinalização gráfica a utilizar e o seu significado. Localização das diversas instalações do estaleiro. quer de pessoas quer de veículos e equipamentos circulantes. y As cores a utilizar na sinalização gráfica. 22 . Plano de sinalização de evacuação do estaleiro Neste plano. Comportamento Locais y y y y Verde . cumprindo o Regulamento de Sinalização de Carácter Temporário de Obras e Obstáculos na Via Publica. aprovado pelo Decreto Regulamentar nº 33/88. luminosos e acústicos. Sinalização da localização dos meios de combate a incênd ios Esta sinalização é feita recorrendo a um conjunto de sinais gráficos.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde f. Por forma a minorar estes problemas. sinalização provisória. Amarelo Azul Especifico) .Sinal de Aviso (Atenção. respeitam o anexo à directiva 92/58/CEE e tem de forma simplificada o seguinte significado: Vermelho . de forma abundante e visível. alarme ou combate a incêndio. etc. definido sobre a planta do estaleiro.Sinal de Obrigação (Uso Obrigatório Equipamentos. junta se.

não aplicando soluções de improviso. Não deverão existir trabalhos e aparelhos que possam originar fontes de ignição. O local deverá estar sinalizado com avisos com indicação ³Proibido Fuma´: iii. Se possível. ii. Redes Técnicas 23 . Quer o Empreiteiro Geral quer cada um dos subempreiteiros da obra. Limpeza e ordem no estaleiro É fundamental que o estaleiro se encontre limpo e organizado. em qualquer das duas zonas. será responsável pela higiene dos seus locais. e o transvasamento de combustíveis deverá ser feito através de bomba manual e/ ou torneira acoplada à embalagem. Em caso de incêndio nunca usar água sobre a instalação eléctrica mesmo com corte de corrente. a criação de um bom ambiente de trabalho. com tampas roscadas ou tambores. Reparar as instalações e equipamentos técnicos. Instruções particulares i. Quadro eléctrico Promover a realização imediata das reparações necessárias. As zonas limítrofes de implantação dos quadros devem. quer de trabalho. os recipientes deverão estar protegidos por telheiro. e ao mesmo tempo.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde g. utilizando profissionais credenciados para o feito. Não deverão existir derrames no solo. e rotulados. estar perfeitamente limpas e secas. Na utilização do quadro e blocos de tomadas devem ser a plicadas extensões fichas / tomadas adequadas. h. Líquidos inflamáveis: Os líquidos inflamáveis devem ser armazenados em embalagens fortes. de acordo com legislação em vigor. É sempre de admitir uma ligação acidental ou erro no corte (usar pó químico seco). tendo em vista a boa rentabilidade dos trabalhos. social e armazenamento e de produção. quer do estaleiro.

Como se prevê o seu funcionamento durante o dia. até possibilidade de ligação à rede da LTE. Plano de Protecção colectivo As medidas de protecção colectiva devem ter prioridade sobre as medidas de protecção individual. O fornecimento de energia eléctrica para o estaleiro industrial é feito. será fornecido. a partir de um gerador diesel. devendo estar implementado pelo Empreiteiro de forma permanente:  Quedas em altura  Quedas ao mesmo nível  Soterramento  Electrocussão  Queda de objectos 24 . A colocação deste equipamento deve obedecer a uma estratégia de redução de distância para os pontos de consumo.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Rede Eléctrica O abastecimento de energia eléctrica para o estaleiro social / industrial. obviando deste modo quebras de tensão significativas. Este gerador deverá estar equipado com quadro de saída dotado de protecções suficientes e mecanismos de equilíbrio de fases. A distribuição da corrente com origem nesta fonte. o incómodo para as instalações adjacentes será mínimo. 6. até possibilidade de ligação à rede da LTE a partir de um gerador diesel . obedecerá ao mesmo tipo de protecção preconizada para a rede de iluminação e tomadas através da rede da LTE. As partes metálicas deste equipamento devem possuir ligações equipotenciais e ter a sua carcaça ligada a terra própria e de baixa resistividade. Requisitos de segurança e saúde segundo os quais devem decorrer os trabalhos a. O plano de protecção colectiva terá atenção sobre os aspectos que se especificam de seguida.

No quadro seguinte é apresentada uma relação entre as partes do corpo a proteger e o equipamento de protecção adequado: de PARTE DO CORPO A PROTEGER y EQUIPAMENTO DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL  Capacetes de protecção  Coberturas de protecção da cabeça  Tampões para os ouvidos  Capacetes envolventes  Protectores auriculares  Protectores contra o ruído  Óculos com aros  Óculos isolantes  Escudos faciais  Máscaras e capacetes para soldadura CABEÇA y OUVIDOS y OLHOS E ROSTO 25 . Plano de protecção Individual Equipamento de Protecção Individual (EPI) é o equipamento ou seu acessório destinado a uso pessoal do trabalhador p ara protecção contra riscos susceptíveis de ameaçar a sua segurança ou saúde no desempenho das suas tarefas.  Esses planos devem ser sempre apresentados ao Coordenador de Segurança e Saúde e devem ser mantidos actualizados neste plano. a este Plano de Segurança e Saúde devem ser anexos.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Neste plano e por se tratar de uma fase de adjudicação.  Durante a fase de Execução de Obra. Neste Plano de Segurança e Saúde. vamos focar a nossa atenção somente sobre dois aspectos das protecções colectivas: j Retro escavadora  Tem de ter sinalização sonora de aviso de marcha atrás. os projectos e especificações dos planos de protecção colectiva referentes a cada categoria referida anteriormente. optou -se por se fazer uma apresentação genérica dos equipamentos e da sua função de protecção e pela apresentação equipamentos mínimos e eventuais por categoria de trabalhador. b. bem como sinalização luminosa intermitente a funcionar.

casacos e aventais de protecção contra agressões químicas  Cintos de segurança do tronco  Sapatos de salto raso  Botas de segurança sapatos com biqueira de protecção  Sapatos com sola anti.calor  Solas amovíveis anti.poeira  Vestuário e acessórios fluorescentes de sinal ização  Coberturas de protecção 26 .térmicas  Mangas protectoras  Punhos de couro y PELE TRONCO E ABDÓMEN  Cremes de protecção  Coletes.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde PARTE DO CORPO A PROTEGER y EQUIPAMENTO DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL  Aparelhos filtrantes  Aparelhos isolantes com aprovisionamento de ar  Luvas contra agressões mecânicas  Luvas contra agressões químicas VIAS RESPIRATÓRIAS y MÃOS E BRAÇOS  Luvas para electricistas e anti. casacos e aventais de protecção contra agressões mecânicas  Coletes.calor  Sapatos e botas de protecção contra calor  Sapatos e botas de protecção contra o frio  Sapatos e botas de protecção contra as vibrações  Sapatos e botas de protecção anti.perfuração  Solas amovíveis anti.transpiração  Cintos de segurança  Vestuário de trabalho (fato-macaco)  Vestuário de protecção contra agressões mecânicas  Vestuário de protecção contra agressões químicas y y PÉS E PERNAS y CORPO INTEIRO  Vestuário de protecção contra o calor  Vestuário de protecção contra o frio  Vestuário anti.estáticos  Sapatos e botas de protecção isolantes  Joelheiras  Protectores amovíveis do peito do pé  Polainas  Solas amovíveis anti.

 Botas com palmilha e biqueira de aço.poeira.  Condutor manobrador  Botas com palmilha e biqueira de aço.  Botas com palmilha e biqueira de aço.  Botas com palmilha e biqueira de aço. que não estejam nos quadros anteriores.  Pedreiro  Botas com palmilha e biqueira de aço.  Máscara filtrante antigás.  Óculos de protecção. 27 .  Cinto de segurança. A alteração das condições correntes de trabalho pode originar exigências ao nível das categorias profissionais.  Capacete de protecção.  Capacete de protecção.  Capacete de protecção.  Luvas de protecção mecânica.  Máscara filtrante anti.  Botas com palmilha e biqueira de aço.  Protectores auriculares.  Capacete de protecção. EPI de uso temporário  Protectores auriculares.  Botas com palmilha e biqueira de aço.  Capacete de protecção.  Luvas de protecção química.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde  Em seguida apresenta -se um quadro resumo da categoria profissional e dos respectivos EPI' s de uso obrigatório e temporário: Categoria Profissional  Director da obra  Encarregado  Chefe de equipa  Topógrafo EPI de uso obrigatório  Capacete de protecção.  Cinto de segurança.  Capacete de protecção.  Protectores auriculares.  Protectores auriculares.  Carpinteiro de limpos   Protectores auriculares.  Capacete de protecção sem pala.  Óculos de protecção.  Servente  Luvas de protecção mecânica.  Protectores auriculares.  Botas com palmilha e biqueira de aço.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Nestas situações e durante a fase de Execução da Obra. Plano de Inspecção e Prevenção A prevenção num estaleiro de obra passa pelo cumprimento das regras gerais de segurança. d. assim como pela sua correcta organização em termos de espaços físicos de trabalho e sociais.  É proibido o consumo de bebidas alcoólicas no local de trabalho pelo que caso haja alguém que apresente sintomas de alcoolismo de verá ser conduzido para fora do estaleiro. Nos termos da legislação em vigor. definidas por este Plano de Segurança e Saúde de aplicação geral e permanente no estaleiro. deverá ser explicado ao trabalhador as funções de protecção de cada equipamento. 28 .  É expressamente obrigatório o uso de colete reflector em trabalhos que se realizem junto ou próximo de vias de circulação. c. Os Equipamentos Individuais de Protecção devem ser entregues ao trabalhador e este deve assinar uma declaração em como os recebeu.  É proibido o acesso a pessoas estranhas à Obra. caso estes ocorram. Definem-se ainda critérios gerais de segurança e preve nção. Definem-se assim as condições gerais mínimas a serem respeitadas tanto para instalações do tipo social como para instalações de trabalho. que são normas globais de actuação e comportamento. as suas consequências:  É expressamente obrigatório o uso de capacete em todo o recinto da Obra. Medidas Genéricas de Prevenção As medidas gerais de prevenção que enumeramos de seguida são sumariamente aquelas medidas ou condições de trabalho que ajudam a minorar os riscos de acidente ou. assim como o Coordenador de Segurança e Saúde. proceder à alteração das fichas de equipamento de protecção individual quando tal se tornar necessário. deve a Direcção da mesma.

os seguintes aspectos:  As verificações feitas na visita. para análise na reunião do Comité de Higiene e Segurança. Inspecções Periódicas Pelo menos uma vez em cada mês. quer os acessos a este devem encontrar -se desimpedidos e sem depósitos de entulho.  Não é permitida a circulação ou estacionamento de v eículos estranhos na zona de trabalho. nesse relatório deverão ser referidos. o estaleiro será visitado pelo Técnico de Prevenção e Segurança. durante as suas deslocações e permanência no interior deste.  No estaleiro serão coloc ados extintores e caixas de primeiros socorros do tipo e na quantidade necessários.  A evolução das recomendações anteriores. Deste relatório será entregue uma cópia à Direcção de Obra.  As anomalias detectadas. f.  Os visitantes do estaleiro. 29 .  As recomendações feitas e o encaminhamento para resolução. Inspecção O plano de inspecções tem por objectivo registar de forma sistematizada a informação necessária e suficiente relativa a potenciais riscos envolvidos na execução de cada operação ou elemento de construção e ainda a forma como as medidas gerais e particulares previstas no plano de Segurança e Saúde estão a ser implementadas. deverão ser sempre acompanhados por elemento conhecedor dos diferentes locais do es taleiro e.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde  A sinalização provisória deve estar sempre em perfeitas condições e visível para as viaturas que circulam no interior do estaleiro e nas suas zonas circundantes.  Quer o estaleiro. par a em colaboração com o Coordenador de Segurança e Saúde elaborar um relatório sobre as condições gerais existentes no estaleiro e a sua conformidade com este PSS. No entanto não devem ser usados produtos combustíveis ou tóxicos para a limpeza dos mesmos.

Área adequada . consoante a fase da construção. g.Painel de obra . ACTIVIDADES SITUAÇÃO RESOLVIDA OBS. ESTALEIRO DO FERRO .Portões p/ viatura .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Estes relatórios deverão ser também encaminhados internamente para conhecimento e despacho da Direcção da Empresa. Estas ³Check List´.Caminho obrigatório . SINALIZAÇÕES .Protecção queda objectos . CENTRAL DE BETÃO . sendo que as instalações sociais e zonas envolventes devem ser sempre verificadas. Movimentação de Terrenos.Telheiro .Segurança/ locais de trabalho NÃO 8.Protecções nas máquinas 9. a Zona Envolvente do Estaleiro. Operações deToscos e Acabamentos.Sinalização rodoviária .Acessos desimpedidos .Sinalização 3. Check List Juntam-se de seguida modelos do tipo ³Check List´. Veículos/ máquinas SIM NÃO 4.ESTALEIRO .Localização de máquinas . veículos/ máquinas . SIM 1. DELIMIT.Rede + malha sal 2. Pessoas . Pessoas . que deverão ser utilizados nas vistorias a realizar.Guardas laterais plataforma 30 .Acessos desimpedidos . ´ Check Listµ para Zonas Envolventes ACTIVIDADES SITUAÇÃO RESOLVIDA OBS. ACESSOS À OBRA . serão elaboradas relativamente as Instalações de Apoio. CIRCULAÇÃO PEÕES . Operações de Execução de Elementos Estruturais.Arrumação .Chapas/ tapume .

Geral ² exterior .Separação prol. Incumpra.Localização máquinas .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde .Protecção máquinas . Cabeça .Trabalhos nocturnos 11. Perigo .Sentido de circulação 6. Pés . Proibição entrada .Desperdícios ² resíduos .Espaço adequado . Informação/ indicação 31 . CIRCULAÇÃO INTERNA . COFRAGENS .Máquinas/ viaturas . Veículos/ máquinas .Embalagens 7.Materiais excedentes 12.Materiais p/ uso . Pessoas .Controlo de acessos 5. ILUMINAÇÃO .Arrumação .Telheiro . ARRUMAÇÃO GERAL .Velocidade reduzida . Mãos .Esgotos p/ águas lavagem 10.Arrumação . .Caminhos p/ pessoas .Porta de homem .Obrigação de protecções . SINALIZAÇÃO .Acessos desimpedidos .ESTAL.Área adequada . ARMAZENAGEM .

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde ´ Checo Listµ de Movimento de Terrenos ACTIVIDADES SITUAÇÃO RESOLVIDA OBS.Condicionam. rotativa/ intermitente . externo .Interfer. sinal S2 . sentidos de tráfego .Acessos .Sinalização regulamentar . c/ trans.Sinal sonoro marcha atrás . Desvio .Visibilidade ACTIVIDADES SITUAÇÃO RESOLVIDA OBS. SIM NÃO 32 . C/ trans. das vias .Indicação .Sinal luminoso marcha atrás . externo .Interf. sinaleiro . CIRCULAÇÃO NA OBRA . controlo trav. SIM . matérias perigosas NÃO . fim de obras 9. rodoviárias .

BT . máquinas em movimento . linhas eléctricas .Delimitação dos taludes 10. condutores telefónicos . lomba/ valeta . perigos vários .Aéreas . . condutas de esgotos . SINALIZAÇÃO RODOVIAR. início de trabalhos . externo . condutas de água . sentido proibido . passagem estreita . trabalhos na estrada . deficiências mecânicas . estacionar . fim de todas proibições .Sentidos de circulação .Proibição . EXTERN. bermas baixas . deficiências participadas a) verbalmente b) no boletim diário . trans. dar prioridade . limite de velocidade . sentido obrigatório . transporte de pessoas .Obrigação .Protecção anticapotamento . trans. de peões . linhas telefónicas .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde .Perigo . . deficiências luminosas .Superfície . condutas de gás . sinalização .Velocidade condicionada . não transportar pessoas . cursos de água . mapas de localização 33 . condutores eléctricos .Protecção veios/ cardan. 8.Subsolo . ultrapassar . AT . passagens pedonais .Condições de utilização . CONDICION.

Transporte da zona moldagem .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde . .Protecção quedas em altura . escadas manuais .lanternas intermitentes .Acesso à zona de trabalhos . passad. remoção de excedentes . esc. baias/ desvios horizontais . sinais luminosos . SIM NÃO 34 .Consistência do terreno .Meios de acesso interior 2. balizas de alinhamento . SAPATAS/ FUNDAÇÕES . dar prioridade . fixa c/ guarda . trabalhos na perpendicular . pessoas . baias verticais .Delimitação do bordo .Movimentação das lingadas . materiais .Limpeza entulhos/ restos .cones (flat-cones) sinaliz.Condições estropos .Meios complementares . SIM 1.Uso de protecções individuais ACTIVIDADES SITUAÇÃO RESOLVIDA OBS. c/ guardas laterais .Gancho c/ patilha segurança NÃO . vert. APLICAÇÃO DE FERRO .Escavações . raquetes de regulação ´Check Listµ para Elementos Estruturais ACTIVIDADES SITUAÇÃO RESOLVIDA OBS.delineadores . caminho de peões .Entivação .

Guarda corpos laterais . nivelamento .Uso de protecções individuais . mecânicas . COFRAGEM/ CIMBRE . guarda corpos .Acesso à escavação/ sapatas . acesso do pessoal . redes tipo forca . . na zona de aplicação .Interf.Movimentação dos materiais . c/ outras tarefas . Lateral/ estabil. ligações e acessórios . manual .Iluminação localizada .Arrumação . em estaleiro .Plataformas de trabalho . guarda corpos .Escoramento . Interf. tábuas de pé suficiente . mecânico . . ligações e acessórios 4. guarda corpos . nivelamento plataforma .Base de apoio . redes horizontais . acesso à plataforma .Protecções colectivas .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde . estabilidade . em bom estado . BETONAGEM . condutor. c/ outras tarefas . tábuas de pé .Plataforma p/ betonagem . rodapé/ guarda cabeças .Uso de protecções individuais 3. altura adequada . iluminação suficiente 35 .Capacidade equip.Passadiço s/ malha de ferro . travamento das peças .Utilização do vibrador . travam. ligações eléctricas adeq. posicionamento correcto . estabilidade .Iluminação localizada .

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 7. 36 . Cronograma de Mão-de-obra O cronograma de mão de obra expresso quer em valores mensais quer em valores acumulados deverá ser anexado a este Plan o de Segurança e Saúde devendo ser o mesmo mantido actualizado neste PSS . Cronograma dos trabalhos a.

devendo ser o mesmo mantido actualizado neste PSS. Mapa de quantidades de trabalho O mapa de quantidade de trabalhos a realizar. correspondentes a grupos de intervenções especializadas. 37 . será anexado a este Plan o de Segurança e Saúde.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde b. contendo a lista quantificada do todos os trabalhos a executar e organizados por capítulos e sub -capitulos.

Pilares em elevação 1 14.2.68 m3 3. Fornecimento e aplicação de betão C16/20.1 ESTRUTURA BETÃO EM INFRAESTRUTURAS Fornecimento e aplicação de betão de limpeza com 10cm de espessura em sapatas . a) Sapatas 1 3.1. incluindo armaduras em aço A 400 NR. MOVIMENTO DE TERRAS Escavação de terras em solos de qualquer natureza com meios mecânicos e manuais para abertura de sapatas e vigas de fundação.1 ESTALEIRO Montagem e desmontagem e manutenção de estaleiro de acordo com as normas em vigor e implementação das normas de higiene e segurança no trabalho.1 3.47 m3 3 3. cofragens e todos os trabalhos necessários em: 7. vigas de fundação .1 34.3 22.2.1. na execução do pavimento da cave : 54. .1.1 3. Quan Un t. incluindo transporte das terras sobrantes a vazadouro.71 BETÃO EM SUPERESTRUTURAS Fornecimento e aplicação de betão C16/20.19 m3 38 . 1.28 m3 Fornecimento e aplicação enrocamento constituido por 20cm de rachão e 5 cm de brita . Descrição 1 1. incluindo armaduras em aço A 400 NR.1.2. cofragens e todos os trabalhos necessários em: m3 3.1.2 3.2 3.00 vg 2 2.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Ident.

constituídas por vigas de betão pré esforçadas.2 0 ml 4.3 4 m3 3.1 4.2.60 PAREDES INTERIORES Fornecimento e assentamento de alvenaria simples de tijolo 30 x 20 x 11.1.3 10. tipo "wallmatte / floormate" no isolamento dos pavimentos do r-chão e 1º andar de acordo 296.68 Execução de torsas maciças em betão ligeiramente armado.4 Fornecimento e assentamento de caixas de estores de betão com poliuretano no interior. tipo "roofmatte" no isolamento das lajes de cobertura . 0 4 4.1 IMPERMEABILIZAÇÕES / ISOLAMENTOS Fornecimento e aplicação de placas de poliestireno extrudido com 4cm de espessura.0 0 m2 39 . Vigas 4 3. incluindo execução de torças em betão 311.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 3.2 m2 5 5. 7 Fornecimento e aplicação de placas de poliestireno extrudido com 6cm de espessura. 22. 7 Fornecimento e assentamento de alvenaria simples de tijolo 30 x 20 x 11 em execução da chaminé.1.2 4.1.1 m2 4.Lajes de escada 3 3.65 m3 m2 m2 4. Lajes maciças .2.2 m2 0.2 com o projecto térmico . 101. Lajes maciças .1.70 m3 20. 847.0 assentamento da telha.1. na execução de muretes de apoio da cobertura . abobadilha Cerâmica ou Leca.11 3.1 ALVENARIAS PAREDES EXTERIORES Fornecimento e assentamento de alvenaria simples de bloco 327.incluindo ripado de cimento para 266.2.1.2. 3 5.1. 23.3 térmico 50x20x25.2 m2 4. 14. tarugos e malhasol.10 ml 4.7 ligeiramente armado .2 Lajes aligeiradas. 4 Fornecimento e assentamento de alvenaria simples de tijolo 30 x 20 x 15. lâmina de compressão.2.2.Cimalha da Cobertura Trabalhada com 2 acabamento pronto apintar ou envernizar.

Soleiras com 4 cm de espessura. constituído por placas de poliestireno expandido com 6 cm de espessura . incluindo todos os trabalhos de soldadura e impermeabilização .3 7 m2 6 6. incluindo ombreiras e torsa ( face exterior da caixilharia )( incluem-se todos os alçados ) .9 exterior das paredes enterradas da cave. incluindo sobreposições e colagens .1 7.04 m2 m2 7.9 0 m2 5.3 Fornecimento e aplicação de tinta betuminosa do tipo " Fintkoat " aplicada em duas demãos no revestimento da face 153. 153. 3 m2 6.5 Fornecimento e aplicação de isolamento térmico de fachadas da ³ Webber Therm ³ ( Sistema Capote ) ou similar . 28. 30.1.4 Fornecimento e aplicação de tela pitonada do tipo " Fondaline " ou similar .therm flex ³ .16 6. com acabamento serrado. 11.1 7.4 40 .50 ml 7 7. 0 m2 5.04 m2 m2 Fachas com 2 cm de espessura " coladas " em vãos de janelas e portas de acordo com o projecto . seguido de 1ª camada de revestimento do tipo ³ Webber.2 Fornecimento e assentamento de rufos em chapa lacada na execução de caleiras em " V " na cobertura . incluindo argamassa de regularização.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 5.2 lacada para remate de chaminés ).3 7.1. primário de acabamento do tipo ³ Webber. Rede de fibra de vidro e 2ª camada de revestimento ( idêntica à 1ª camada ) . incluindo todos os acessórios e remates necessários ao seu correcto assentamento e perfeito acabamento ( inclui rufos de chapa 319. 327.1.1 COBERTURA Fornecimento e assentamento de telha reginal de capa e caleira " Advanced Lusa da Umbelino Monteiro ). no revestimento da face exterior das paredes enterradas da cave. com o desenvolvimento variável.1.2 7.04 Cobertores de escadas com 3 cm de espessura. no assentamento de: Peitoris com 4 cm de espessura . CANTARIAS Fornecimento e assentamento de cantarias em granito amarelo macieira .Ibo "regulador de fundo completando-se com Argamassa de acabamento da ³ Webber ³ .em todas as paredes exteriores de cor a definir .

3 m2 41 .2 m2 9. incluindo aditivo hidrofobo. 4 m2 9. em instalações sanitárias .6 lavandaria até ao tecto.08 m2 8. devidamente desempenado para posterior revestimento com azulejo. cozinha .7 Espelhos de escadas com 2 cm de espessura. arrumos . incluindo betonilha de regularização .despensa e 217. cozinha . REVESTIMENTO DE PAVIMENTOS Fornecimento e assentamento de mosaico cerâmico em varanda e terraço da moradia .6 7.1 9.1.1 40. nas demãos necessárias a um perfeito acabamento em tectos exteriores .00 REVESTIMENTOS EXTERIORES REVESTIMENTO DE TECTOS Execução de chapisco. reboco e esboço com acabamento a areado fino em tectos exteriores .1 8. loja .5 7. betume e rodapé no mesmo material (mosaico até um limite de 10.3 8.3.9 arrumos .fornecimento e aplicação de impermeabilizante " Isolastic " da Wurth ou equivalente aplicado em duas demãos cruzadas .1.1.1. 5.1. Fachas de varandas com 3 cm de espessura. reboco e esboço com acabamento a areado fino nas paredes interiores da garagem . despensa e instalações sanitárias.2 8.1 85. incluindo aditivo hidrófobo.3 lavandaria .2.81 un 8 8. 517. 6 Fornecimento e aplicação de estuque projectado em todas as paredes . PINTURAS Fornecimento e aplicação de tinta plástica " Dynitt " da Dyrup ou similar . dobrando cerca de 0. cimento cola . de cor branca .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 7.77 m2 m2 Pilar de secção cicular com Ø 25 cm e com cerca de 2. 85.20 cm para a parede .1 m2 9 9. 5 Execução de chapisco .1. incluindo primeira demão com primário do tipo " Fix " da Dyrup ou similar. exceptuando garagem . 10. loja e 278.81 m2 8.94 4.00¼/m2).1 REVESTIMENTOS INTERIORES REVESTIMENTO DE PAREDES Execução de chapisco e reboco sarrafeado e talochado.50 ml de altura.1.

3 demão de primário do tipo " Seláqua " da Dyrup ou similar.00¼ / m2. 5 Nota: O azulejo e faixa decorativa serão à escolha.2 m2 10 CARPINTARIAS 42 . nas demãos necessárias a um perfeito acabamento . 4 m2 9. incluindo cola de assentamento e 388. 7 Fornecimento e assentamento de mosaico cerâmico e rodapé cerâmico em todos os pisos do r-chão e andar ( exceptuando quartos e correedor). betumamento.0 0 9.1. 1 m2 9.incluindo afagamento . incluindo sanca simples com cerca de 12cm. 0.3.1 em todos os tectos interiores .1 Seláqua " da Dyrup ou similar.2 9.1 REVESTIMENTO DE PAVIMENTOS / RODAPÉS Fornecimento e aplicação de betonilha de regularização em todos os pavimentos do r-chão e andar para receber mosaico 459.6 cerâmico.incluindo afagamento .2. incluindo aplicação de uma demão de primário 278.1. bem como 1 demão de primário do tipo " 466. para remate com a parede.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 9.2. 5 Fornecimento e aplicação de tinta em tectos de estuque com tinta plástica " Dynitt " da Dyrup ou similar .2 m2 9. nas demãos necessárias a um perfeito acabamento . não podendo no entanto.4 Fornecimento e assentamento de lambril de azulejo nas instalações sanitárias e cozinha ( até ao tecto ) .1 REVESTIMENTO DE TECTOS Fornecimento e aplicação de estuque projectado. betumamento e fornecimento e aplicação de 1 517.9 do tipo " Seláqua " da Dyrup ou similar. de cor branca .3 9.00 Fornecimento e aplicação de tinta em paredes da garagem em areado fino com tinta plástica " Dynitt " da Dyrup ou similar de cor branca nas demãos necessárias a um perfeito acabamento .1. faixa decorativa e todos os 217.5 m2 9. betumamento e fornecimento e aplicação de aditivo antifungos . 6 m2 0.00¼ o conjunto).6 trabalhos necessários. 5 m2 9.3.6 Fornecimento e aplicação de tinta em paredes em estuque com tinta plástica " Dynitt " da Dyrup ou similar de cor branca .6 betume (mosaico à escolha até 10. o seu valor conjunto ultrapassar os 10. 466. incluindo cimento cola.

1 Janelas de abrir .00 un 11 11. 18.1 Fornecimento e assentamento de portas interiores de uma folha de abrir. lavandaria .1. incluindo aros em contraplacado e alizares da mesma madeira ( faia ) e respectivas ferragens em inox.7 3. incluindo aros em contraplacado e alizares da mesma madeira ( faia ) e respectivas ferragens em inox. vestiário e corredor . " Portaro " (modelo simples ). " Portaro " (modelo simples ). envernizamento e remate com silicone ( caso necessário ). ml 10. opacas.04 m2 10.9 instalações sanitária . incluindo polimento .3 un 10. assente sobre manta de espuma ( jumbalon " .76 m2 43 . oscilobatentes . 1. folheadas a faia ou similar.1 14. constituidos por portas de correr até ao tecto .20 ml 10.4 20.respectivos alisares . folheadas a faia ou similar. sem quadrícula. 1 conjunto de gavetas maleiro e respectivas ferragens em inox . coloração faia . incluindo todas as ferragens de acordo com a série e respectivas afinações.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 10. cortes perfeitos e em todas as divisões . incluindo aros em contraplacado e alizares da mesma madeira ( faia ) e respectivas ferragens em inox. incluindo afagamentos e envernizamentos e todos os trabalhos e materiais achados necessários a um perfeito funcionamento.2 un 10. un 10. folheadas a faia ou similar. de acordo com o apresentado no projecto .1 11. com vidros. 0 Fornecimento e assentamento de roupeiros de acordo com o projecto . em todos os quartos . excepto toda a cave .1 11.1. 67.00 Fornecimento e assentamento de portas interiores de uma folha de abrir. 2.assente com prego liquido . cozinha .5 Fornecimento e aplicação de pavimento flutuante estratificado 8 mm AC 4 .6 Fornecimento e assentamento de rodapé em Contraplacado Hidrofogo folheado a faia com 7 cm de altura . " Portaro " (modelo simples ). CAIXILHARIAS / SERRALHARIAS CAIXILHARIAS Fornecimento e montagem de vãos exteriores em alumínio lacado à cor branco.00 Fornecimento e assentamento de portas interiores de duas folhas de abrir. com vidro duplo e corte térmico. despensa e 150. com vidros.00 Fornecimento e assentamento de réguas e tampas de estores em madeira de casquinha .

2. aplicado em escadas interiores . de acordo com o pormenor . com motor e comando à distância e de cor branca 3.60 m2 1.2 Fornecimento e aplicação de chapéu de chaminé .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 11. records . ferragens e os acessórios necessários a um perfeito funcionamento. válvulas clic-clac e todos os acessórios e trabalhos necessários a um perfeito funcionamento.00 un ml 3.1.5 em alumínio 5.80 11.1 Janelas de fixas .2.2 11. ml 2.00 x 2.70 m2 9. records . incluindo respectivas ferragens e fechadura. 11. SERRALHARIAS 1.2 Fornecimento e assentamento de porta de entrada em alumínio termolacado de cor branca com vidro .40 m2 24. 11.0 em chapa lacada da cor à escolha.2. Fornecimento e assentamento de sanita compacta e respectivo tanque da série " Alfa Plus " com mecanismo de dupla descarga da Indusa ou similar. incluindo misturadoras monocomando da série " Alfa " da Indusa S/ VDA ou similar .3 11. incluindo tampo de sanita ABS branco ou similar .00 un 11. metalizada e pintura com tinta de esmalte anti corrosiva e de alta temperatura .1 Fornecimento e aplicação de gradeamento em aço inox .1.1.2 4. nas demãos necessárias a um perfeito acabamento com a dimensão de: 1.1.4 Fornecimento e assentamento de estores termolacado com isolamento de poliuretano.3 Fornecimento e assentamento de caleiras e tubos de queda 171. incluindo respectivas ferragens e fechadura.1.torneiras de esquadria .30 x 0. alpendre e varandas exteriores 48.00 un 44 . devidamente decapada .1 LOUÇAS SANITÁRIAS Fornecimento e assentamento de lavatórios e respectiva coluna da série " Alfa " da Indusa ou similar em branco .20 11.1. torneiras de esquadria série " Arco " . 11.36 m2 Fornecimento e montagem de portão secçionado .00 un 12.80 m2 5.3 Fornecimento e assentamento de porta de entrada em alumínio termolacado de cor branca sem vidro .20 .1 Portas de Sacada ( 1 e 2 folhas ) .2 11. 0 12 12.

Fornecimento e assentamento de protecção acrilica Viena para base 90*90 . incluindo todos os remates necessarios. 13.misturadora monocomando da série " Alfa " da Indusa ou similar e todos os trabalhos necessários a um perfeito acabamento e funcionamento . 13. 1. ligações e trabalhos necessários a um perfeito acabamento . incluindo certificação da Certiel .abertura e fecho de roços . válvulas clic-clac e todos os acessórios e trabalhos necessários a um perfeito funcionamento .5 Execução da rede de águas.00 vg 13. incluindo ligação a caixa de contador a fornecer e instalar no muro divisório da propriedade. todas as ligações e trabalhos necessários a um perfeito acabamento .g .00 v.4 2. INSTALAÇÕES ESPECIAIS Execução da rede de instalações eléctricas de com as marcações a definir em obra .00 v.6 1.Indusa branca 160x70 . 1.00 un 12.5 2. válvula clic clac de banheira .00 un 12. considerando-se apenas a tubagem em "Pex " especifica para o efeito.incluindo quadros . 13. records .g .2 Execução da rede de ITED. incluindo certificação da Entidade Competente. de acordo com o projecto . 1.1 1.3 Execução da rede de gás. de acordo com o projecto e de maneira a proporcionar uma perfeita ligação de todos os elementos .incluindo quadros . 1. 3. de acordo com o projecto .abertura e fecho de roços .00 vg 45 . Fornecimento e assentamento de banheira Aveiro . incluindo misturadoras monocomando da série " Alfa " da Indusa ou similar . aparelhagem de uma série média .4 Execução da rede de aquecimento central .g . aparelhagem de uma série média .3 Fornecimento e assentamento de bidés da série " Alfa " da Indusa ou similar. todas as ligações e trabalhos necessários a um perfeito acabamento . Fornecimento e assentamento de Base de duche Julia com aba 80x80 branco ou similar.00 un 12.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 12. incluindo misturadoras monocomando Galaxy da JGS ou similar . válvulas clic-clac e todos os acessórios e trabalhos necessários a um perfeito funcionamento.torneiras de esquadria . incluindo certificação da Entidade Competente.00 v.00 un 13 13.

00 vg 13. constituido por 2 painéis solares . materiais e trabalhos necessários a um perfeito funcionamento.00 vg 14 14. incluindo caixas de visita e ligação ao colector publico ( não se inclui sistema de bombagem da cave ) . 1. AQUECIMENTO Fornecimento e instalação de sistema térmico de águas quentes sanitárias .1 1.00 vg 15 15.6 Execução da Rede de águas pluviais de acordo com o projecto apresentado . DIVERSOS Limpezas finais. de acordo com projecto e de maneira a proporcionar uma perfeita ligação de todos os elementos .00 vg 46 . regularização e limpeza do terreno exterior. rede de circulção forçada ( bombagem ) e termoacumulador de 300 lt .7 Execução da rede de esgotos.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 13. 1.1 1. bem como todos os acessórios . incluindo caixas de visita em PVC e tubo de PVC Ø 125 na interligação das caixas de visita.

do último mês com o comprovativo de pagamento. Fichas médias. trabalhadores independentes fornecedores de materiais e equipamentos de trabalho.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 8. Folhas comprovativas da distribuição EPI¶S (por trabalhador). Bilhete de Identificação (por trabalhador). que sejam comprovativas do exercício da medicina do trabalho (por cada trabalhador). Condicionantes á selecção de subempreiteiros. Folha da segurança social. No caso dos subempreiteiros e trabalhadores independentes A existência de um contrato que demon stre o modelo vinculativo entre as partes nesse mesmo documento deve estar referidas os seguintes parâmetros : Alvará. 47 . correspondente aos trabalhos a executar.

Mesmo após a chegada dos bombeiros. b. RECURSOS MATERIAIS As instalações de primeiros socorros encontram -se localizadas no estaleiro central. o Dir. Plano de Meios de Combate a Incêndio 48 . incluindo medidas de Socorro e evacuação a. nomeadamente prestando informações sobre a situação concreta e sobre o estaleiro. Assim. Sistema Operacional de Actuação Direcção das operações: Constitui responsabilidade do Dir. Obra. de onde dirigirá as operações. deve tomar conhecimento imediato da situação de emergência e manter -se permanentemente informado do evoluir da situação. Ao ser alertado da situação de emergência o elemento com responsabilidade de direcção das operações deve deslocar -se para a referida área. para poder dirigir as várias operações a desencadear e avaliar a sua eficácia. as suas funções serão assumidas pelo Técnico de Higiene e Segurança no Trabalho (THST). O estaleiro está dotado de meios de combate a incêndios. i. possibilitando a movimentação de macas e devidamente sinalizadas. em caso de acidente.. Na ausência do Dir. Na ausência do TSHT as suas funções serão assumidas pelo Encarregado.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 9.e. estrategicamente colocados extintores c. em local de fácil acesso. Essas instalações encontram-se equipadas com material esse ncial de primeiros socorros. Procedimentos de emergência. incêndio ou noutra emergência. Obra mantém -se activo dando apoio ao comandante das operações dos bombeiros. Existe ainda uma caixa de primeiros socorros na carrinha do encarregado. Obra a direcção de todas as operações desencadeadas pelo pessoal do estaleiro.

o memo deve ser comunidade a todos os presumíveis responsáveis. que devem estar de acordo com a planta de Estaleiro. o mais rápido possível. nomeadamente extintores de pó químico de 6 kg. d. Por meios fixos consideram-se os extintores dispostos em todas as Instalações Sociais. o acidentado será transportado. Plano de emergência No caso de se registar algum acidente. Deverão considerar-se meios fixos e meios móveis. o qual fará parte do relatório semanal de segurança. É obrigatório a existência de uma caixa de primeiros socorros para tratamentos de pequenos ferimentos do pes soal. Se ocorrer algum acidente grave. Acções a serem tomadas em caso de acidentes grave na obra No caso de graves ferimentos deverá ser chamada uma ambulância. Deverá ser mantido um registo de ferimentos. Por meios móveis consideram-se os extintores distribuídos pela Obra em função do tipo de trabalhos. Escritórios e quadros eléctricos. de modo a garantir as condições mínimas de Segurança. em ambulância para o hospital mais próximo com serviços de urgência permanente. informando as causas a as consequências do mesmo. dando -se as seguintes informações: 49 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde O Estaleiro está dotado de meios de combate a incêndios. que deverão existir em número suficiente.

Constituem excepção a esta última regra. Outros cuidados Deve ser mantido o acidentado em posição confortável. e indicar o caminho para o local do acidente. não se movendo antes da chegada da equipa médica. que conduzirá a investigação do acidente.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Localização do acidente. os casos em que seja necessário remover algo para se poder socorrer o acidentado ou para se tornar a área segura. 50 . A área do acidente deverá permanecer intacta até á chagada do Técnico de Segurança. Tipo de acidente: Tipo de suspeita do ferimento e. Se possível deverá alguém deslocar -se ao encontro da ambulância.

FLUXOGRAMA ACIDENTE Acidente grave Acidente semgravidade Com unicações Entidade com petente Protecção Civil se necessário Dir.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde f. Qualidade e Segurança IGT Seguradora Direcção Obra/ Fiscalização/ Dono de Obra Inquérito Reparação DP e DM M EDIDAS DE EM ERGÊNCIA 112 se necessário Acção Salvam ento/ Prim eiros Socorros Com unica a Dir. Qualidade e Segurança Evacuação Ínquérito Transporte Unidade de Saúde Isolam da ento Área Acom panham ento estado de saúde Análise do acidente de Trabalho Combaixa Participa à seguradora M edidas preventivas Estatística Sinistralidade Análise do Acidente de Trabalho Registo de ³baixa´ Elim e inar controlar os riscos da situação M edidas Preventivas Estatísticas de Sinistralidade Garantir o estado do local até ao inquérito do IGT FLUXOGRAMA RESPONSABILIDADE ESPECIFICAÇÕES DE GESTÃO 51 .

Assegurar a evacuação do local. com os meios próprios deve-se aguardar a chegada do 112 com o sinistrado em posição horizontal. sem alteração da posição.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde ACÇÕES Efectuar as seguintes comunicações: Encarregado y PRAZO 112. proceder à participação à seguradora. Não sendo possível. salvo nos acidentes com ferimentos ligeiros em que o sinistrado mantenha as suas capacidades. Protecção Civil quando a mobilização de meios implicar a coordenação de diversas entidades públicas e privadas Informar Direcção Qualidade e Segurança. salvo se a acção de salvamento o exigir. para prestar os primeiros socorros especializados e evacuar os sinistrados ou mobilizar meios externos de salvamento ou de combate às causas do acidente. O transporte do acidentado deve ser feito pelo 112. Procedimentos de Emergência 52 . De acordo com a participação para interna de acidente Director de Obra Os primeiros socorros devem ser prestados no local. em qualquer caso ACT quando o acidente for grave Imediatamente Director de Obra Comunicação y Conhecida a dimensão e as necessidades Imediatamente No prazo de 24 horas Director de Obra y Direcção de Qualidade e y Segurança Direcção de Qualidade e y Segurança Informar Direcção Recursos Humanos. o isolamento da área e as medidas para eliminar e controlar os riscos da situação. - Medidas de emergência Director de Obra - Director de Obra - g.

a qualquer hora do dia. Faculte toda a informação que lhe for solicitada. em qualquer ponto do país. etc. com indicação de pontos de referência. Caso necessário. acidente. Em determinado tipo de situações a chamada poderá ser transferida para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM. A existência de qualquer situação que exija outros meios para o local. os meios de socorro adequados. A chamada é acessível de qualquer rede telefónica. A chamada será atendida por um operador da Central de Emergência. Incêndios Florestais ou Agrícolas 53 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Doença súbita ou acidente Contacte imediatamente o Director de Obra ou o Técnico de Segurança. O número de telefone do qual está a ligar. são dadas todas as informações sobre a melhor forma de ser transportado para as unidades de saúde adequadas. electrocussão. onde as equipas de socorro possam ter acesso. libertação de gases. que enviará os meios de socorro apropriados. No caso de não ser necessário enviar uma ambulância. Acima de tudo. mantenha a calma e informe. por exemplo. perigo de incêndio. Depois de feita a triagem da situação. o sexo e a idade apare nte das pessoas a necessitar de socorro. O número. os operadores do 112 indicam a melhor forma de proceder. y y As queixas principais e as alterações que observa. Se o caso for visivelmente grave ligue 112. de forma simples e clara: y y y y Identificação da Obra O tipo de situação (doença. Desligue o telefone apenas quando o operador indicar. combine um ponto de encontro próximo. A localização exacta (ou localidade mais próxima) e sempre que possível. etc. enviando. se necessário. y y A gravidade aparente da situação. para permitir um rápido e eficaz socorro às vítimas.). Lembre-se que o serviço de ambulâncias deverá ser apenas utilizado em situação de risco de vida eminente.

Forças de Segurança (GNR ou PSP) utilizando para o efeito o número 117. O informador deverá transmitir de uma forma muito precisa e sintética as seguintes informações: y y y Localização aproximada do incêndio. queima de lixo. Forma de acesso mais rápido ao local. O informador deverá ser tão claro e preciso quanto possível nas informações que fornecer. Medidas de prevenção e protecção Se for surpreendido pelo início dum incêndio florestal contacte de imediato os Bombeiros. Deve-se respeitar a legislação vigente. O alerta poderá ser dado para o número 117. sempre que haja risco de incêndio e sobretudo durante os períodos mais quentes e secos. utilização de fósforos e cigarros. Quem detectar um incêndio deverá tentar salvaguardar o seu local de início para que posteriormente se possam desenvolver acções de investigação das suas causas. A realização de queimadas carece da necessária autorização do Governador Civil. Se pretender efectuar uma queimada ou fogueira deverá dirigir -se ao Governo Civil da sua área. Qualquer utilizador da floresta deverá efectuar todos os esforços para extinguir ou controlar qualquer foco de incêndio que detecte e alertar os bombeiros. medidas de simples bom senso. Estimativa da dimensão actual do incêndio (se possível). fogueiras e/ou máquinas ou equipamentos de motor de combustão. ao posto da GNR ou ao quartel de bombeiros mais próximos. O seu contributo para proteger a floresta do fogo baseia -se na adopção de algumas Acções Preventivas. nomeadamente o Decreto -Lei n. As Direcções Regionais de Agricultura 54 . de forma a que lhe seja concedida a respectiva licença.º 334/90 de 29 de Outubro e ter especial cuidado com queimadas. Queimadas É proibida a realização de queimadas a menos de 300 metros das áreas florestais.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde O alerta de um incêndio pode ser dado para o número 117. Detecção Uma rápida primeira intervenção é crucial para que um incêndio não se desenvolva para proporções incontroláveis.

Se a queima de lixos se resumir a uma pequena fogueira. devido aos problemas ambientais decorrentes. mas não só. a não ser que se tomem todas as providências adequadas à prevenção do potencial perigo de incêndio.º 36/88 de 17 de Outubro) e numa faixa limítrofe de 100 metros da s florestas. incluindo fumar. a não ser que se tomem todas as providências adequadas à prevenção do potencial perigo de incêndio.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde poderão também fornecer informações precisas sobre o modo e ocasião para realização de queimadas/fogueiras . no interior das mat as e nas vias que as atravessam. como a poluição do ar e a eventuali dade de provocar incêndios florestais. Evite fumar no interior das florestas e nunca deite fora beatas ou fósforos sem antes se certificar que estão completamente extintos. uma queimada mal conduzida poderá ocasionar incêndios florestais de área considerável. É de evitar a queima de lixos. 55 . Queima de lixos Está proibida por lei durante a chamada ³época normal de fogos´.º 55/81 de 18 de Dezembro e n. definida anualmente por despacho conjunto do Governo (decretos regulamentares n. então as normas referidas para realização de queimadas são aqui aplicáveis. como por exemplo os aterros. As queimadas constituem um perigo para a floresta durante o Verão. Nos Invernos secos e com temperaturas mais elevadas do que o normal para a época. Utilização de fósforos e cigarros É proibido fazer fogo de qualquer espécie. Devem -se utilizar os locais próprios e adequados ao depósito de resíduos. Existem indicações sobre o modo e ocasião correctos p ara realização de fogueiras. Fogueiras É proibido fazer fogo de qualquer espécie. incluindo a realização de fogueiras.

na fábrica Como ± em jejum. cogumelo Quanto ± quantidade de produto. sexo. y y Boa acessibilidade a extintores nos locais de trabalho Evitar o contacto entre combustíveis florestais finos e mortos e as componentes sobreaquecidas da maquinaria. deverão estar equipadas com dispositivos de retenção de faúlhas ou tapa chamas nos tubos de escape. Para cada situação serão aconselhadas as medidas que deverá tomar. com alimentos. Procure dar informações que possam ajudar o CIAV a identificar a situação. É necessário ter muito cuidado e estar constantemente vigilante quando se utilizam máquinas agrícolas. Indicam-se como medidas de segurança com vista a diminuir o potencial perigo de incêndio florestal pela utilização destas máquinas: y Utilização de dispositivos de segurança para evitar o risco de incêndio por projecção de faúlha s ou faíscas e por sobre-aquecimento de alguns componentes da máquina. máquinas florestais. Intoxicações Em caso de intoxicação. com bebidas alcoólicas A sua colaboração é fundamental. gravidez O quê ± produto. veículos todo o terreno em zonas florestais ou agrícolas de potencial perígo de incêndio. tempo de exposição Quando ± há quanto tempo Onde ± em casa. no campo. utilizadas em áreas florestais ou agrícolas de potencial perígo de incendio. Alguns conselhos para evitar intoxicações acidentais 56 . todos os dias do ano. por isso preste atenção às perguntas efe ctuadas e siga as instruções indicadas.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Máquinas ou equipamentos de motor de combustão De acordo com a legislação. telefone para o Centro de Informação Antivenenos (CIAV) do INEM: O número é o 808 250 143. as máquinas de combustão interna ou externa. em lugares isentos de fontes de ignição. y O abastecimento de combustível deverá ser feito a frio. designadamente: Quem ± idade. animal. plant a. Este serviço médico funciona 24 horas por dia.

Viseu. de modo a controlar o derrame . principalmente quando usar produtos corrosivos.Utilizar o material absorvente (absorvente de origem natural) mais próximo. não se precipite mas não perca tempo. Deve dirigir-se para o Ponto de Encontro mais próximo do local onde se encontra. A calma é muito importante. Tenha o número do CIAV perto de si. nos contentores identificados em obra para os resíduos contaminados. no prazo máximo de 24 horas.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Não tome nem dê medicamentos e não exceda as doses prescritas. através dos seguintes contactos: Tel 2 32 422 033. Derrames de substâncias p erigosas . Sismo Em caso de sismo. e caso o justifique providenciar as operações necessárias à sua limpeza . 57 .Em caso de derrame de grande dimensão conta ctar a CCDR ± Centro . Conheça o significado dos símbolos existentes nos rótulos. equipamentos. etc.Acondicionar todos os resíduos resultantes da limpeza do derrame. Leia as instruções de aplicação com cui dado e aplique os produtos dentro das regras de segurança. deve deslocar-se de zonas onde existam riscos de quedas de matérias. estruturas.Verificar as margens e cursos de água. qu e serão posteriormente enviados para empresas devidamente licenciadas para a sua correcta gestão . oleos minerais etc.

em folha de ³Registo de Acidentes´ de que se junta exemplar tipo: 58 . estes apresentarão à Direcção da Obra comprovativo da participação do acidente à IGT no prazo legalmente estabelecido. 13º do D. no prazo de 24 horas. prazos de comunicação e departamentos a notificar em caso de acidente na Obra (com pessoal da Empresa ou dos subempreiteiros) Os casos mais graves serão participados pela respectiva entidade empregadora à Delegação do IDICT/Inspecção de Trabalho. como determina o art. 155/95. No caso dos subempreiteiros.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 10.L. Todos os acidentes de trabalho devem ser objecto de registo. sem prejuízo da Empresa de enviar para a IG T os dados que possuir. Sistema de comunicação da ocorrência de acidentes e incidentes no estaleiro Serão divulgadas nas reuniões do Comité de Higiene e Segurança as normas a seguir.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde REGISTO DE ACIDENTE OBRA: ________________________________________________________________ Nº _________ ENTIDADE EMPREGADORA: ________________________________________________________ COMPANHIA DE SEGUROS: ____________________________________ Apólice Nº ___________ DADOS DO SINISTRADO: Nome: ____________________________________________ Nº_______ Morada:______________________________________________________________________________ Estado Civil: _____________ Categoria Profissional: _______________________ Idade: ____________ Sexo: _________________ Data de Admissão ao Serviço: ____/____/____ DADOS DO ACIDENTE: Data e hora do acidente: ____/____/____ às ______:______ h Quantos sinistrados no acidente: ______ Nºs: _______________________________________________ Testemunhas:_________________________________________________________________________ Local do acidente: Domicílio p Trabalho Trabalho p Domicílio Fora do estaleiro Dentro do estaleiro onde: _____________________________________________ Breve descrição do acidente: _____________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ _____________ Medidas de prevenção adoptadas: _________________________________________________________ DESTINO DO SINISTRADO: Data: ___/___/___ às ____:____ h Posto médico CAUSA DO ACIDENTE:  Atropelamento  Capotamento  Colisão de veículos  Compressão de um objecto ou entre objectos  Contacto com energia eléctrica           Hospital ___________________________ ___________________________________ Cont. inf./ cont. sup. nocivas ou radiações Choque c/ objectos Esforço físico exces. c/ subst. excepto pernas. tempera./ Inc./ mov. pés e dedos      Perna(s) Pé(s). excepto mãos e dedos Braço(s) Mão(s) excepto dedos Dedo(s) da mão Memb. extremas Intoxicação      Queda em altura Queda ao mesmo nível Queda de objectos Soterramento ____________________ TIPO DE LESÃO: Amputação Asfixia Concussão/ lesões internas Contusão Distensão PARTE DO CORPO ATINGIDA: Cabeça excepto olhos Olho(s) Tronco excepto coluna Coluna      Electrocussão Entorse Esmagamento Ferida/ golpe Fractura      Lesões múltiplas Luxação Queimadura Traumatismo ____________________          Memb. excepto dedos Dedo(s) pé Localizações múltiplas ____________________ 59 . falso Expl..

: __________________ DIRECTOR DA OBRA Data: ___/___/___ Ass.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde CONSEQUÊNCIAS DO ACIDENTE:  Sem incapacidade  Incapacidade temporária ± Regresso ao trabalho em ___/___/___  Incapacidade permanente: ___%  Morte OBSERVAÇÕES: ____________________________________________________________________ ___________________________________________________________ ________________________ ENCARREGADO Data: ___/___/___ Ass. Horas Trabalhadas ± As horas a utilizar nos índices serão as reais. o Empreiteiro Geral fornecerá os índices de sinistralidade laboral (frequência e gravidade). Domingos e Feriados até ao dia da alta. caso o Dono de Obra o solicite. etc. tipo de lesão e zonas do corpo.: __________________ a. mais os dos acidentes ocorridos em meses anteriores. as horas normais e suplementares. Os acidentes In Itinere não devem constar para a estatística embora se anote o seu registo. Dias Perdidos ± A contagem dos dias de baixa iniciar -se no dia a seguir ao acidente. Índice de Frequência (IF) < 10 Nível 1 Índice de Gravidade (IG) < 0.: __________________ RESPONSÁVEL PELA SEGURANÇA Data: ___/___/___ Ass. Plano de Registos de Acidentes e Índices Mensalmente e por acumulação. Dados a utilizar nos formulários Acidentes ± Contabilizar-se somente os acidentes comunicados às companhias de seguros (com ITA ± baixa e S/I ± sem incapacidade). também deverá enviar os resultados estatísticos avaliados por causas. contabilizando -se Sábados.25 60 . em que o falecimento ocorra em obra ou no hospital deverão utilizar -se 7500 dias para o apuramento do Índice de gravidade. Aquando da ocorrência de um acidente mortal. isto é. cujas baixas se prolonguem por um ou mais meses. Também se deverão contabilizar os dias de baixa por acidentes ocorridos no mês.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 10 a 25 25 a 50 50 a 75 > 75 2 3 4 5 0. Caso o Subempreiteiro não disponha de boletim de acidente de trabalho interno pode utilizar o modelo do adjudicatário. 61 . Higiene e Saúde no Trabalho.00 Fórmulas utilizadas: Índice de Frequência = a c .00 > 2. Em obra deverão existir e disponíveis para consulta as fichas de ap tidão médica referentes aos trabalhadores em actividade.00 1. e 118/99 que contém o regime de organização e funcionamento das actividades de Segurança.50 a 1. A Direcção de Obra atenderá aos resultados dos exames médicos enviados pela Medicina do Trabalho referentes a trabalhadores.25 a 0. enviados pela Medicina do Trabalho e procederá de acordo com as recomenda ções.00 a 2. 106 Índice de Gravidade = b .50 0. incluindo os Serviços de Medicina no Trabalho. MEDICINA DO TRABALHO Conforme a legislação em vigor. nomeadamente o Decreto Lei 109/2000 que alterou o Decreto Lei 26/94 rect ificado pela Lei 7/95. 103 c NOTA: Os índices do Empreiteiro e dos Subempreiteiros deverão ser calculadas em separado. b.

Aviso ± o sinal que adverte de um perigo ou de um risco. Sinalização Segundo o Decreto-Lei nº 141/95. nomeadamente em matéria de rastreios de saúde e acompanhamento dos trabalhadores que estejam afectos à Empresa.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Os médicos de trabalho da empresa devem dar continuidade às acções. a sinalização subdivide -se em cinco classes: . . para localmente se inteirarem das condições de Saúde e Higiene existentes. Estas visitas devem ser coordenadas pelo Director da Ob ra e pelo Técnico da Prevenção. 11. de 14 de Julho. 62 . Serão promovidas visitas periódicas dos médicos de trabalho aos estale iros.Proibição ± o sinal que proíbe um comportamento.

¥ £ ¢ ¤ ¡     ta s segui tes 63 . avi .I aí a ia i a i i . de Segurança e Saúde .Salva i .________________________________________ Pl i a t i al S alva i al i a f alva i t i al t . i a t a a . i a i ai FOR A G EO ÉTR CA E CORES DE SI A IZAÇÃO DE SEGURANÇA a. i i ta i a t . PRINCÍPIOS DA SINA IZAÇÃO TE PORÁRIA Na a li a ri í i s: a i ali a t ia ver se-á ter em - y y y y A a ta erência Valori a eitura e o oncentra o.

com /sem via de lentos A presença de guardas de segurança A presença de berma reduzida Ponto singulares Se a ocorrência é prevista ou inesperada Se a zona de trabalhos é fixa ou móvel (lenta) Importância dos trabalhos Os meios envolvidos para a realização dos trabalhos Se é durante o dia ou a noite Se é durante uma época de chuvas Se é em zonas de nevoeiros A velocidade de circulação na zona O volume do tráfego O tipo de tráfego (ligeiro/ pesado) A variação do tráfego durante o período de execução dos trabalhos y A natureza e duração da anomalia o o y A importância o o y A Visibilidade o o o y O tráfego o o o o O Princípios de Coerência y Verificar se sinalização permanente não contradiz a sinalização temporária O Princípio da valorização y y Se a sinalização temporária é credível Se se justifica O Princípio da Leitura e Concentração 64 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde O Princípio da Adaptação Dever-se-á ter em conta: y As características da a via o o o o 2x2 ou 2x3.

Prevenção de riscos profissionais 65 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde y y Se a sinalização é de fácil leitura Se não se encontra muito concentrada 12.

Em caso de dúvida deverão os condutores manobradores solicitar aos Seus Chefes os esclarecimentos que achem convenientes. Um Bom Condutor Manobrador não é aquele que corre Riscos Desnecessários . ¦ 66 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde a. AVALIA ÃO E PREVENÇÃO DE RISCOS NOS EQUIPAMENTOS i. CONDUTOR MANOBRADOR Estas instruções têm em vista a Utilização e a Conservação Correcta da grua. mas sim o que obtém Maiores Rendimentos dentro dos Limites de Segurança e com o Mínimo de Desgaste e Reparações da Grua. assim como a sua exploração sem Acidentes.

deverá o Adjudicatário ao elaborar os estudos parcelares adicionais que lhe são imputados estabelecer em conjunto com o Coordenador de Segurança as medidas de Prevenção e Protecção adequadas à garantia da segurança e de saúde dos trabalhadores e terceiros. a definir pelo Coordena dor de Segurança. LISTA DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Nesta lista.S. visando a adopção de medidas adequadas no P. 67 . Para obviar a estes riscos especiais e a outros que venham a ser identificados. pretende -se identificar e avaliar qualitativamente os riscos para a Segurança e Saúde dos trabalhadores..________________________________________ Plano de Segurança e Saúde ii.S.

º 1 Actividades Terraplanagem Riscos Potenciais B Acidentes rodoviários Atropelamento Choque de máquinas Desmoronamento Capotamento Soterramento Instalação de poeiras Ruído e vibrações Queda em altura Queda ao mesmo nível Electrocussão 2 Betão Armado Queda em Altura X X X X X M A X X X X X X X 68 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde REGISTO DE ACTIVIDADES COM RISCOS ESPECIAIS Avaliação N.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Queda de níveis diferentes Choque com objectos Desmoronamentos Pancadas e cortes por objectos ou ferramentas Queda de materiais e objectos Atropelamento ou colisão com veículos Contactos eléctricos Choque de máquinas 3 Cofragem Queda em Altura Queda ao mesmo nível Esmagamento e esmagamento Queda de equipamentos 3 Cofragem Contactos eléctricos Cortes / perfurações e amputações Fadiga 4 Descofragem Queda a nível superior Queda de igual nível Queda de materiais Entalamento ou esmagamento por entre objectos Projecção de fragmentos e ou partículas Sobe-esforço causado por postura inadequadas 5 Escoramento Queda de nível superior Queda ao mesmo nível Entalamento X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X 69 .

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Choque Esmagamento por ruptura dos elementos de suporte Posturas incorrectas 6 Montagem e Andaimes Queda de pessoas a nível diferente Queda de pessoas ao memo nível Queda do andaime e por falta de ápio. por sebcargas ou por força exteriores Entalamento 7 Alvenarias Queda de nível superior ou ao mesmo nível Queda de objectos Corte e perfuração Entalamento e esmagamento Contactos eléctricos Sobe esforços e posturas inadequadas Projecção de partículas Exposição a agentes químicos Exposição a ruído e vibrações 8 Revestimentos interiores/ Exteriores Queda ao mesmo nível X X X X X X X X X X X X X X X X X Queda de diferentes níveis Queda de objectos Queda de materiais Sobe esforço ou postura inadequadas Intoxicação Incêndios X X X X X X 70 .

Médio.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 9 Cobertura Queda em altura através de bordo de telhado. das aberturas no telhado incompleto. 71 . Queda aos materiais 10 Serrelharia Queda em altura e quedas ao mesmo nível Queda de materiais e equipamentos Queimaduras Incêndios / Explosões Projecção de partículas Cortes e perfurações Ruído e vibrações 11 Carpintaria de Limpos Queda em altura e queda ao mesmo nível Queda de material Corte e perfuração por contacto na zona operação de máquinas e ferramentas Contacto eléctrico Dermatose devido ao contacto com colas e verniz Irritações e irritações por inalação de poeiras Ruído Avaliação de riscos: Baixo. Alto X X X X X X X X X X X X X X X X iii. LISTA DE MATERIAIS COM RISCOS ESPECIAIS Na presente obra os riscos associados à manipulação de materiais perigosos pela sua natureza não são significativos. sendo no entanto necessário tomar medidas de prevenção relativas aos riscos potenciais que possam no entanto daí advir.

ou através do estabelecimento dos procedimentos adequados que se revelem necessários. como sejam os combustíveis. como na sua aplicação. pretende -se identificar e avaliar qual itativamente os riscos para a segurança e saúde dos trabalhadores. Registo de Materiais com Riscos Especiais IDENTIFICAÇÃO N. nomeadamente através da correcta escolha do equipamento individual de protecção a utilizar pelos trabalhadores. deverá o Coordenador de Segurança implementar as medidas de prevenção e de protecção necessárias. não previstos neste momento e que impliquem o emp rego de outros materiais que envolvam riscos de manipulação. a definir pelo Coordenador de Segurança.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Na lista que adiante se apresenta. Não pode ser descorada a atenção a produtos perigosos de utilização indirecta. Assim. estes devem ser convenientemente analisados e avaliados nos seus eventuais efeitos e riscos pelo Coordenador de Segurança. Deverá igualmente ter -se em atenção que aquando da eventual introdução de novos trabalhos na obra. visando a adopção das medidas. tanto no q ue se refere ao seu acondicionamento.º 1 2 Trabalhos Betão / Cimento Combustíveis Riscos Especiais Dermatoses Problemas Respiratórios Incêndio X X AVALIAÇÃO* B M A X 72 .

Instruções de Trabalho 73 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Explosão Intoxicação Incêndios 3 Pinturas Explosão InCêndios * Avaliação dos Riscos: Baixo. Médio ou Alto X X 13. Pormenor e especificação relativos a trabalhos que apresentem riscos especiais a.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde IT/OO1 INSTRUÇÃO DE TRABALHO Actividades: ESCAVAÇÃO MOVIMENTO DE TERRA 74 .

colocação de modo a conservar a pendente do talude. Meios a. - Balizar e delimitar a zona de obra como medida de Segurança e Higiene. Equipa Materiais: Terras. - Comprovar que não existem pedras ou stock de materiais sobre a margem dos taludes. comprovando periodicamente que se obtêm os rendimentos especificados. Meios auxiliares: Pás. enxadas. 75 . Neste ultimo caso haverá que prever os meios necessários que mantenham a escavação livre de água. margem da calçada e valetas. - Os materiais provenientes da escavação. 2. valetas e o transporte do material removido a vazadouro. Realização de desvios de caminhos devidamente sinalizados. Mão de Obra: Pedreiros. dando uma pendente mínima de 2% á sua superfície que garante uma evacuação rápida das águas quer sejam pluviais ou provenientes do terreno. serventes. incluindo a plataforma. taludes. cabeças de taludes. - Execução de valeta na crise do talude. Execução - Marcar topograficamente o eixo limites da escavação. Sinalização e protecção de linha eléctricas aéreas e/ou entradas assim como outras condicionantes.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 1. - Durante a escavação manter-se-á a zona em condições óptimas de drenagem. serão utilizados para terraplanagens ou depositados em vazadouro segundo as necessidades e qualidade dos mesmos. 3. Objectivo Execução de escavação e nivelação das zonas do projecto. saibro. com estacas a 20m ou menos. O director de obra definirá em conjunto com o subempreiteiro o sistema de execução e os meios necessários. Maquinaria: Retroescavadora. retirando-os para evitar a sua a sua queda.

Critérios de Aceitação - As cotas definidas no projecto. Aprovado: Data Assinatura: IT/OO6 INSTRUÇÃO DE TRABALHO 76 . N. 4. Erosão locais e encharcamentos devidos a uma drenagem defeituosa das obras de escavação. há que ficar rectificado e compactado. do terreno natural. Em especial adoptaram-se medidas para evitar os seguintes fenómenos: o o o Instabilidade de taludes. O grau de compactação será >= a 95% do P. tanto vai servir para base de apoio do terrapleno ou de assentamento das bases de firme.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde - Durante as operações de escavação tomar-se-ão as devidas preocupações para não diminuir a resistência do terreno escavado. - O fundo de escavação. serão as marcadas nos palcos com um erro máximo de 10 cm. Deslizamento produzido pela descalce da escavação.

tesoura de corte.005m. 3. devem ter-se em atenção o seguinte. - Entre dois ferros (Longitudinal e Transversal). serão as marcadas nos planos com um erro máximo de 0. Na realização dos estribos. - A estrutura de ferro têm que estar exactamente igual ao projecto de estabilidade aprovado. maquinistas. Meios auxiliares: Chave de moldagem de ferro. deixar mais 0. Maquinaria: Maquina de corte. Execução - Corte das barras com pelo menos 0. 4. arranhe recozido.30m para recobrimento em emendas. Meios a. Aprovado: Data Assinatura: 77 .10 m.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Actividades: Moldagem de ferro 1. deve ser atada pelo menos um sim um não com nó cruzado. Maquina de moldagem. Critérios de Aceitação - As cotas definidas no projecto. se houver alguma alteração e mesma só poder ser feita pelo projectista e estarem registadas - Ensaios conforme o caderno de encargos. Mão de Obra: Ferreiro.002 m. Nos casos de ser necessário uma emenda é necessário garantir um recobrimento de ferro dito pelo projectista da estrutura. Equipa Materiais: Ferro A 400 NR . serventes. Calçar a malha deforma a garantir a distância da malha ao piso de pelo menos 0.retroescavadora. Objectivo Moldagem de ferro A 400 Nr 2.

distânciadores. Antes de utilizar verificar que as madeiras ou os painéis se encontram em bom estado de conservação e devidamente limpos. Deve ser confirmado no fim os alinhamento bem como os aprumos a que a estrutura se encontra. Maquinaria: Serra de corte para madeira. Meios auxiliares: Martelo. Meios a. serventes. Equipa Materiais: Painéis ferro. No fim betonado o elemento a cofragem têm que ser rectificada deforma a não ceder e assim deformar a peças em questão Ensaios conforme o caderno de encargos. serão as marcadas nos planos com um erro máximo de 0. óleo desconfrante. Chapa do tipo Doka . Critérios de Aceitação - As cotas definidas no projecto. maquinistas. retroescavadora. Execução 3. prumo .002 m. pregos de solho. Mão de Obra: Cofrageiros. A utilização material de apoio a estabilidade quando necessários deforma a garantir a segurança do trabalho e das pessoas. Figas do tipo Doka . fazer a sua vaporização com óleo desconfrante. máquina de vaporização de óleo descofrante. 2. Na parte que se vai encontrar em contacto com o betão. Objectivo Moldagem para elementos de betão armado 1.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde IT/OO7 INSTRUÇÃO DE TRABALHO Actividades: Cofragem de elementos estruturas 5. Aprovado: Data Assinatura: 78 .

Organograma do estaleiro com definição de função. Deverá referenciar todas as chefias. entre os Dono de Obra Fiscalização 79 . tarefas e resp onsabilidades. incluindo a organização explicita sobre os meios humanos a afectar à segurança e saúde da obra. É um documento que deve ser apresentado pelo adjudicatário aquando da apresentação do Planeamento da Obra e passará a ser uma peça integrante do Plano de Segurança e Saúde.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 14. com a definição de funções. tarefas e responsabilidades O Organograma Funcional da Obra indica as relações funcionais principais intervenientes com a finalidade de gestão do empreendimento.

Registo das actividades inerentes à prevenção de riscos profissionais. H. tais como: a. H. Plano para Visitantes 80 . S.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Administração da Empresa Serviços Administrativos Director de Obra Topografia P. S. AprovisionamentoEControle Manutenção Equipas de Trabalho 15.

ser fornecido ao Visitante planta em formato reduzido do estaleiro com indicação dos pontos principais de referencia e zonas de maior perigo. dos Visitantes e dos trabalhadores em estaleiro.  Quando justificável o Visitante deverá possuir calçado adequado. estas devem ser previamente organizadas e devem decorrer em dias e horas compatíveis com a segurança. quando justificável. Os Visitantes ao estaleiro deverão por isso receber instruções sobre a forma de procederem a sua visita em total segurança. a. No caso de visitas em grupo. A autorização de entrada de visitantes no estaleiro deverá compreender as seguintes medidas de prevenção:  Acompanhamento por pessoa conhecedora do estaleiro.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde O plano para Visitantes destina -se a impedir o risco decorrente da entrada em estaleiros de pessoas não familiarizadas com o estaleiro e as suas normas de segurança. 81 . Fichas de controlo de equipamentos e instalações.  Cada Visitante deverá ter Capacete de Protecção com a indicação de Visitante.  Deverá.  Lista de nomes e pessoal dirigente do Empreendimento.

do Coordenador da Seg. Corrigir até NEC Efectuada em Assinatura __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ Ass. e Saúde: __/__/__ Data __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ Ass.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Dono da Obra : Obra: Empresa: Data do último controlo geral efectuado: Equipamento de Estaleiro ( código atribuído na ficha individual do equipamento) FICHA DE CONTROLO DE EQUIPAMENTOS DE ESTALEIRO Representante: Número: _____ Pág: __/__ Revisões Periódicas Última Dia revisão Sim __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ Data __/__/__ Inspecção Visual Geral ( se necesário anexar registos de não conformidade) Não conformidades detectadas Reverificação NECessário. Do Director da Obra: __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ __/__/__ Data __/__/__ Assinatura do responsável pelo controlo: 82 . Designação Dia Não Caso não efectuar até Conf. registar quando efectuada) ( se Cod.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 16. Registo das actividades de coordenação 83 .

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde
Data REGISTO ACTIVIDADES N.º

Descrição

Avaliação

84

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde

Aprovado por:

Realizado por:

Conhecido por:

Data

REGISTO ACTIVIDADES

N.º

Descrição

Avaliação

Aprovado por:

Realizado por:

Conhecido por:

85

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde

17.

Registo dos trabalhadores

86

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde REGISTO DE TRABALHADORES Data Entidade Empregadora Nome Categoria Profissional de entrada Data de saída 87 .

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 88 .

Fichas de aptidão médica 89 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 18.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 19. Fichas de entrega de EPI 90 .

: Data: ___/___/___ Ass.: Data: ___/___/___ Ass.: Data: ___/___/___ Ass.: Data: ___/___/___ Ass.: Data: ___/___/___ Ass.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde DISTRIBUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL DISTRIBUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL DONO DE OBRA: OBRA: EMPREITEIRO: NOME DO TRABALHADOR: Refª Designação do EPI Riscos (1) Recepção (2) Data: ___/___/___ Ass.: Data: ___/___/___ Ass.: Pág: 01/02 Devolução (3) Data: ___/___/___ Ass.: Data: ___/___/___ Ass.: (1) ² Indicar códigos de acordo com a tabela abaixo (2) ² Assinatura do trabalhador quem recebe (3) ² Assinatura de RISCOS A PROTEGER 1 ² Quedas em altura 2 ² Quedas ao mesmo nível 3 ² Queda de objectos 4 ² Queda por escorregamento 5 ² Objectos pontiagudos ou cortantes 11 Pancadas na cabeça 12 Cortes 13 Estilhaços 14 Entalamentos 15 Electrocussão 91 .: Data: ___/___/___ Ass.: Data: ___/___/___ Ass.: Data: ___/___/___ Ass.

_______________________________ 18 . a conservá-los e mantê-los em bom estado._______________________________ 20 .: __________________________________ ________ Empresa² Ass._______________________________ 17 . Data: ___/___/___ Responsável p/ segurança ² Ass. comprometendo -me a utiliza-los correctamente de acordo com as instruções recebidas._______________________________ DECLARAÇÃO Declaro que recebi os equipamentos de protecção individual acima mencionados.: 92 ._______________________________ 19 .: Ass.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 6 ² Esmagamento do pé 7 ² Torção do pé 8 ² Choque ao nível dos maléolos 9 ² Choque ao nível do metatarso 10 ² Choque ao nível da perna 16 . e a participar todas as avarias ou deficiências de que tenha conhecimento.

Os elementos dos seguros de Acidentes no Trabalho serão anotados em mapa próprio do tipo que a seguir se apresenta para confirmação da sua existência e controlo da validade. antes da entrada em Obra. Seguros Será exigido a todas as empresas ou trabalhadores independentes a apresentação dos seguros legal e contratualmente exigidos. junto ao adm inistrativo Seguro de Acidentes de Trabalho Nome da Empresa ou Trabalhador Independente Companhia de Seguros Número de Apólice Qualidade da Apólice Modalidade Legenda : Categoria(Cat): E S I = Empreiteiro = Subempreiteiro/Tarefeiro = Trabalhador Independente Modalidade(Mod): Pfc = Prémio Fixo com Nomes 93 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 20. O mapa ficará afixado em zona visível.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Pfs PV = Prémio Fixo sem Nomes = Prémio Variável 21. Fichas de procedimentos de segurança 94 .

Fichas de Segurança Ficha de Segurança n.º do Produto 95 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde a.

3. Medidas a tomar em caso de fuga acidental a. Em caso de inalação b. Nome da empresa de fornecimento 2. Informação adicional 6. Indicações: 9. Limitação de exposição e equipamento de protecção individua l a. Ponto 7 intervalo de ebulição 96 . Procedimentos de limpeza / eliminação 7. Manuseamento b. Medidas de protecção ambiental c. Meios de extinção adequados b. Medidas de prevenção para pessoas b. Primeiro Socorros a. Indicações adicionais para a configuração de instalações técnicas: b. Armazenagem e manuseamento a. Identificação da substância ou preparação b. Em caso de incêndios i. Identificação da Substânica / Preparação e da empresa a. Em caso de constacto com os olhos c. Armazenagem 8. Odor d.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 1. Em caso de ingestão 5.. Cor c.. Estado físico b. Medidas de combate a incêndios a. Em caso de contacto com a pele d. Meios de extinção inadequados por motivos de segurança c. Propriedades Físicas ² quimicas a. Designação quimica Teor em (%) . Perigos possíveis 4.. Composição / Informação sobre ingredientes a. Componentes com Valores limites controláveis no local de trabalho: c.

Temperatura de ignição i. Mínimo ii.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde e. Materiais a evitar 11. Informação relaticas ao transporte 15. Informação Toxicológica a. Pressão ao vapor Densidade k. Informação Ecológica 13. Recomendações para a eliminação 14. j. Limites de exposição i. Valor pH n. Ponto inflamação g. Temperatura de solificação f. Solubilidade noutros solventes m. Informação sobre regulamentação a. Viscosidade 10. Máximo h. Estabilidade e reactividade a. Toxicidade aguda 12. Sinalização 97 . Solubilidade em água: l. Condições a evitra b.

SEGURANÇA EM OBRA Caracterização da actividade: ___________________________________ 98 . b.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde b. Outras .. Check List CHECKLIST .

4. Contiguidade Física: Terreno livre Arvoredo Habitações Indústria 4.1. Coberta 1. Área de implantação: 1. 4.4.1.2. Descoberta ________________ m ________________ m 2 2 2.1. Mais de 10 Km C 5.2. Menos de 2 Km De 2 a5 Km De 5 a10 Km 4.3. Implantação 2.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Localização: _______________________________________________________ Data: _____/_____/________ Número de trabalhadores: ____________ 1.1. Distâncias dos meios de intervenção 4. 3. 99 .1. Portaria 5. Existem procedimentos de segurança para visitas NC NA Obs. Urbana Industrial Mista 3.

1.2.4.º suficiente 6. Balneários 6. Ventilação 6.3.3.5. Cabinas com chuveiro em n. Existe separação dos locais de trabalho 6.Serviços e equipamentos sociais 6. Existem instalações separadas por sexos 6. C 7. Redes mosquiteiras nas janelas 6.4.2.º suficiente 6.2.4.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde C 6.1.1. Existem instalações separadas por sexos 6. Instalações sanitárias 6.2.4. Cacifos em n.2. Vestiários 6. Urinóis.4.3.2. Possui ventilação 6. retretes e lavatórios em n.Mesas e cadeiras em material impermeável e em n. Possui paredes revestidas em material impermeável e em n.1. 100 . Refeitório 6.4.1.º suficiente 6.3. Acessos 7.1. Vias de acesso em boas condições e sinalizadas NC NA Obs.1.º suficiente 6.4.2.4.1.4.2. Paredes em material liso e lavável 6.º suficiente NC NA Obs. Possui antecâmaras 6.1.

A obra esta vedada 7.º suficiente 9.4.2.2. Existe material de extinção em n.4. 101 .2. Localizada 8.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 7.3.2. Vias de acesso com iluminação adequada 7.5. Existem meios de combate a incêndios 9. Iluminação 8. Existem protecções no final do dia C 8.4. Existe água potável 8. Existe escritório móvel NC NA Obs. A sinalização está bem visível 8. Organização do estaleiro 8.4.3.3.1. C 9. Materiais bem acondicionados 8.6. Geral 8.1. Protecção contra incêndios 9.5.3. Existe sinalização de segurança 8.1. Protecção contra a queda de materiais para a via Pública 7.4. Existe sinalização dos meios de combate a incêndios NC NA Obs. Nocturna 8.

4.2. Vãos 10.2. Estabilidade e fixação 10.5.1.1.5.2. Escoras e taludes adequadas NC NA Obs. Construções adequadas 10. Escadas 10.2. Guarda-corpos 10.2.1. Plataformas não escorregadias. Caixa de elevadores 10.2.6.3.4. C 10. 102 .6. Redes de segurança 10.5. Entivações 10. Caixa de esgotos 10.4. Andaimes metálicos 10. Pavimentos NC NA Obs.2.2. Protecção colectiva 10.5. Bordadura das lajes 10. uniformes e regulares 10. Plataformas de trabalho 10.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde C 10.2.2.4.1.3. Bordadura das valas 10. Limpeza e arrumação 10.3.5.

5.6.9.1. Obstrução dos locais de passagem C 11.4. Possui protecção colectiva colocadas 12. Existem EPI¶s em nº suficiente 11.6. Protecção das vais respiratórias 11.7.4.1. Sinalização de desníveis 10. Protecção das mãos e braços 11.2. Sinalização de segurança dos quadro eléctricos 12. Possui protecção em caso de ruptura NC NA Obs.3. Protecção da cabeça 11. Existência de vestuário adequado 11. Resguardos de protecção colocados 12.3.1.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 10.5. Protecção de máquinas e equipamentos 12. 103 .3.2. Resguardos dos desníveis e aberturas existentes 10.6. Protecção dos pés e pernas 11. Protecção dos olhos e da face 11. C 12. Protecção individual 11. Possui botão de paragem de emergência 12. Sinalização de utilização obrigatória de EPI¶s NC NA Obs. Sinalização genérica 11.2.6.8.

sinalizadas C 14. Existe meio de dar o alarme. Protecção das partes móveis 12.7.12.1. Existem saídas de emergência desimpedidas e C NC NA Obs.10. Os trabalhadores receberam formação em SHST NC NA Obs. Tubagens em bom estado de conservação 12.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 12.4.7. Possui planta de emergência 13.6. o alerta e funciona 13.9. Cartaz com telefones de emergência 13.8. Emergência 13.3. Os trabalhadores conhecem os procedimentos 13. Avaliações físicas NC NA Obs. Respeito das demarcações existentes 13. Protecção das partes eléctricas 12. Instruções de segurança claras e afixadas 12.6. Protecção contra projecções 12. 104 .11.1.1. Máquinas e equipamentos c/ sinalização CE 12. Formação em SHST 14. C 15. Estojo está bem sinalizado 13. Possui plano de emergência 13. Avaliação efectuadas 15.5.2.

2.1.1. Qualidade ambiental Legenda C NC NA Conforme Não conforme Não aplicável c.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 15.2. Vibrações 15. Fichas de Avaliação de Riscos 105 . Avaliações Químicas 15.3.1. Qualidade ambiental 15.1.1.2. Ruído 15.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 106 .

entre trabalhadores.  Sanear o talude sempre que tal seja necessário (optar se possível por meios mecânicos).  Não carregar os camiões com elementos que pela sua instabilidade possam rolar para além dos taipais.  Queda de nível superior.  Soterramento. e barreira de isolamento em todo o perímetro.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde FICHA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO / MEIOS DE PROTECÇÃO  Respeitar e delimitar o talude definido. ESCAVAÇÃO  Atropelamentos.25 m deve ter sua estabilidade garantida por meio de estruturas dimensionadas para este fim  Não permitir a aproximação de pessoas nas áreas de intervenção das máquinas.  Definir caminho de circulação quer de viaturas quer pedonais.  Esmagamento. Os taludes instáveis das escavações com profundidade superior a 1. com sinalização permanente inclusive nocturna.  Muros.  Manter uma distancia de segurança. edificações vizinhas e todas as estruturas que possam ser afectadas pela escavação deve ser escoradas  Não permitir a passagem ou permanência de pessoas junto aos camiões na operação de carga.  Capotamentos. na escavação manual 107 .

 Queda de nível superior.  Uso do equipamento de protecção individual definido. solidamente fixada no coroamento do talude.25 m .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO / MEIOS DE PROTECÇÃO  Se o saneamento for manual equipar os trabalhadores com cintos de segurança e espia  Soterramento.  Os materiais retirados da escavação devem ser depositados a uma distância superior a metade da profundidade.  Efectuar entivação ou contenção adequada.  Prever meios de acesso adequados.  Sinalização sonora/ luminosa de marcha atrás nos equipamentos. reduzir a ESCAVAÇÃO  Atropelamentos.  Esmagamento.  O tráfego próximo as escavações deve ser desviado e na sua impossibilidade.  Capotamentos. devem dispor de escadas ou rampas colocadas próxima aos postos de trabalho 108 . velocidade dos veículos. medida a partir da borda do talude  Quando a escavação atingir uma profundidade maior do que 1.

109 .  Soterramento.  Em caso de trabalho nocturno dever-se-á assegurar uma iluminação de pelo menos 50 lux s.  Atropelamentos.  Sinalização sonora e luminosa de marcha atrás nos equipamentos. ATERRO E COMPACTAÇÃO  Queda.  Definir previamente e ao pormenor a sequência de trabalhos de modo a evitar actividades sobrepostas e incompatíveis.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde FICHA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Esmagamento.  Capotamentos  Sempre que se utilize compactador com manobrador apeado dever-se-á Ter uma vigilância apertada sobre o comportamento do talude e trabalhar de frente para o talude.  Uso de equipamento de protecção individual.

 Elaborar um pano de betonagem que define os equipamentos a utilizar os modos operatórios mais adequados e os meios humanos necessários.  Queda de níveis diferentes.00 m abaixo da cota máxima da peça.  Verificar previamente a estabilidade. em caso de se efectuarem trabalhos nocturnos. costas e guarda cabeças) a cerca de 1. nos acessos verticais.  Utilizar. o fecho e o escoramento da cofragem.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde FICHA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Queda em altura.  Contactos eléctricos.  Garantir iluminação artificial adequada.  Choque de máquinas  Instalar rede eléctrica provisória protegida com diferencial de 30 mA. de materiais e  Utilizar um arnês de segurança amarrado superiormente a um ponto fixo. caso não seja possível a instalar o referido anteriormente. Betão Armado  Choque com objectos  Dessoramentos  Pancadas e cortes por objectos ou ferramentas.  Montar plataformas de trabalho (com guarda em pelo três lados.  Atropelamento ou colisão com veículos  Arrumar / limpar todas áreas de trabalho e organizar os materiais e equipamentos em função das tarefas a executar. e instaladas de tal modo que possam rodear os pilares  Queda objectos.00 m o ponto de apoio superior 110 . escadas-de-mão devidamente amarradas e que ultrapassem em 1.

de materiais  Verificar periodicamente a patilha de abertura do balde de betão.  Contactos eléctricos. interromper a betonagem e reparar. e  Queda objectos. adequada (mangueira flexível) .  Definir previamente quem irá dá orientar o gruísta e respeitar os sinais convencionais.  Atropelamento ou colisão  Repor sempre as guardas das plataformas de trabalho.  Respeitar os ritmos de betonagem pré-estabelecidos.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde FICHA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Queda em altura.  Vigiar atentamente os fechos dos taipais de cofragem e caso existam anomalias.  Mão permitir a circulação e permanências de pessoas na base de elementos a betonar.20 m do bordo do talude 111 .  Utilizar preferencialmente balde de descarga de fundo com comprimento de mangueira Betão Armado  Choque com objectos  Dessoramentos  Pancadas e cortes por objectos ou ferramentas.  Choque de máquinas  Numa depositar materiais de qualquer espécie a 1. se estas forem retiradas para com veículos depositar material.  Queda de níveis diferentes.

 Trabalhar sempre. que não sejam permitidos a existência de buracos entalamento  Queda de equipamentos  Contactos eléctricos  Cortes / para trás . MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Cumprir o plano de trabalho segundo as directrizes emanadas pela direcção de obra e pelo Cofragem  Queda ao mesmo nível.  Proteger sempre com guarda corpos ou redes todas as aberturas que ficam por cofrar.  Efectuar a cofragem numa sequência tal.  Esmagamento fabricante da cofragem.  Criara acessos às plataformas de trabalho através da colocação de escadas -de-mão:  Colocar à disposição dos trabalhadores um arnês de segurança devidamente ancorado. caso perfurações e amputações  Fadiga seja impossível instalar uma protecção colectiva contra quedas em altura. 112 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde FICHA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS  Queda em altura. e  Vedar e sinalizar adequadamente todas as zonas onde irão decorrer os trabalhos de cofragem.  Executar plataformas que irão servir para colocar os primeiros elementos horizontais. de frente para os vãos.

corpos. Guarda cabeças e tábuas de pé suficientes ma bordadura do elemento Cofragem    Dobrara. quando utilizar a grua. Assoalhar a zona da betonagem de modo a garantir uma plataforma de trabalho para a betonagem: Manter limpo e arrumada a zona da bordadura afim de facilitar os trabalhos de betonagem: Utilizar lingas e estropos que estejam em bom estado de conservação. Em caso de se utilizar ferramentas eléctricas portáteis nalguma tarefa específica assegurar que estas tenham dupla protecção.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde FICHA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS  Queda em altura. Colocara protecção guarda horizontais (laje). Queda ao mesmo nível. cortar ou proteger os ferros em espera. Esmagamento e entalamento Queda de equipamentos    Contactos eléctricos  Cortes / perfurações e   amputações  Fadiga   MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO Organizar a recepção dos materiais de acordo com o espaço disponível e a capacidade de resistência do escoramento. que sejam seguros e equilibrados. aquando da movimentação mecânica dos diversos conjuntos para formas (ex: sistemas de mesa).  Assegurar que a prestação de trabalho suplementar seja acompanhada pelo encarregado de forma que este possa programara algumas pausas ao detectar sintomas de cansaço. 113 .   Prever no mínimo 2 pontos de suspensão dos painéis.

 Projecção de fragmentos e ou partículas  Descofrar com arranca pregos ou p+pé-de-cabra .  Sobe-esforço causado por postura inadequadas  Numa retirar protecção colectiva existentes.80 m dotadas de guarda e guarda cabeça. costas entre  Usar arnês anti-queda amarrado a um ponto rígido. nos casos em que não seja possível manter a protecção colectiva. 114 .  Delimitar e sinalizar adequadamente toda a área onde se irá desenrolar os trabalhos de descofragem. antes do prosseguimento dos trabalhos. protegê-los imediatamente.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde FICHA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Quedas a nível superior  Queda a igual nível  Respeitar sempre os prazos estabelecidos para a retirada de elementos de escoramento. que sejam adequados para alavancar as tábuas e não originar esforços elevados aos trabalhadores. salvo as estritamente necessárias e no menor intervalo de tempo possível.  Se durante as operações de descofragem se gerarem vãos. ou Descofragem  Queda de materiais  Entalamento esmagamento por objectos  Utilizar plataformas de trabalho com largura mínima de 0.

 Não permitir a queda descontrolada.  Projecção de fragmentos e ou partículas  Sobe-esforço causado por postura inadequadas 115 .  Preceder periodicamente a tarefas de arrumação e limpeza. Descofragem  Queda de materiais  Entalamento esmagamento por objectos entre  Utilizar plataformas adequadas para retirar o material proveniente das descofragens. a existência de caminhos de circulação e de emergência perfeitamete definidos e desimpedidos. quer dos painéis. de modo a garantir de uma ou forma permanente.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde FICHA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Quedas a nível superior  Queda a igual nível  Retirar os painéis ordenadamente e sem que ninguém se possa colocar sob os mesmos. do nível onde se provede aos trabalhos. quer do respectivo escoramento.

 Posturas incorrectas  Definir.  Organizar eficazmente o transporte de materiais para a frente de trabalho. assegurando a sua limpeza e desempeno.  Garantir a geometria pré-estabelecida para a malha do escoramento:  Controlar a conservação e compatibilidade de todos os elementos do andaime de carga.  Preparar convenientemente a zona de assentamento. antes do inicio dos trabalhos.  Confirmar se os cálculos foram executados no material que se vai utilizar. Escoramento  Entalamento  Choque  Esmagamento por ruptura dos elementos de suporte  Confirmar a rigidez da zona de assentamento no sentido de garantir uma adequada ba se de arranque.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde FICHA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Queda de nível superior  Queda ao mesmo nível  Verificar previamente o estado de conservação de todo o material. evitando ao máximo as desarrumações. os diversos caminhos adequados de circulação. os enganos e as improvisações. 116 .

nomeadamente no que diga respeito ao contraventam. verificar pormenorizadamente todo o escoramento. Escoramento  Entalamento  Choque  Esmagamento por ruptura dos elementos de suporte  Utilizar apenas cavilhas originais dos prumos metálicos.  Posturas incorrectas  Cumprir rigorosamente as especificações do fabricante.  Antes da conclusão dos trabalhos. 117 . nomeadamente no que concerne ao alongamentos dos fusos e ao espaçamento de travamento horizontal. evitando improvisações com outros materiais não adequados. prumada e apoio. laterais.  Evitar cargas excêntricas nos suportes e toda a estrutura não deverá estar sujeita a esforços horizontais.  Apoiar as guias nos suportes e encunhá -la para evitar os deslocamentos.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Queda de nível superior  Queda ao mesmo nível  Apoiar as escorar metálicas em sapatas ajustáveis e adequadas à correcta degradação das cargas.

cavilhas e encaixe.  Certificar da existência de todas peças do andaime e a montar. bem como o respectivo pessoas ao estado de conservação.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Queda de pessoas a nível  Seguir rigorosamente as instruções do fabricante. na intersecção de longarinas exteriores. ) apertá-los e justapô-los.  Colocar longarinas no sentid o perpendicular aos prumos. quando dois andaimes se encontram no cunhal de um edifício.  Escorar e contraventar o andaime e através de diagonais longitudinais.  Escolher devidamente os elementos de união (braçadeiras.  Utilizar bases extensíveis como compensação de eventuais irregularidades do terreno. 118 .  Colocar mais um prumo. diferente. Montagem Andaimes de  Queda de mesmo nível  Efectuar a operação de montagem do andaime com pessoal credenciado e equipado com cintos de segurança: hábito. transversais e horizontais. etc. por  Queda de andaimes e por falta de sobcargas ou por força exterior  Assentar os prumos sobre bases sólidas.

hábito. Montagem Andaimes de  Queda de mesmo nível  Utilizar gruas na elevação das peças.  Não iniciar a montagem do tramo superior sem os níveis inferiores estarem devidamente pessoas ao estabilizados.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Queda de pessoas a nível  Fixar adequadamente as travessas às extremidades das plataformas. por  Queda de andaimes e por falta de sobcargas ou por força exterior 119 . diferente.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde

ACTIVIDADES

RISCOS PREVISÍVEIS

MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO 

Queda de nível superior ou  Antes de iniciar os trabalhos, colocar protecções nas aberturas das caixas dos elevadores,
ao mesmo nível nas courretes e em todos os negativos existentes nas placas;

Assentamento alvenarias

de 

Queda de objectos  Corte e perfurações  Entalamento
esmagamento e 

Não permitir que se inicie qualquer tipo de trabalho sem previamente ser colocada uma
rede protecção nos bordos das placas; 

Assegurar que os equipamentos de trabalho (betoneiras, misturadora, berbequ im e
máquina de corte) cumpram com o preceituado na legislação de segurança e saúde aplicável à utilização de equipamentos de trabalho (Decreto-Lei n.º 50/2005, de 25 de 

Contactos eléctricos  Sob- Esforços e posturas
inadequadas

Fevereiro); 

Utilizar meios mecânicos aquando da movimentação de paletes contendo tijol os, blocos de
betão, etc. 

Projecção de partículas  Exposição
químicos a agentes 

Tomar precauções para não romper o plástico protecção dos tijolos, entes de içar as
paletes: 

Colocar aquelas paletes perto dos locais de trabalho, evitando, assim, o sobre a ruído e carregamento das placas, bem como a sujeição dos trabalhadores a sobre-esforços; 

Exposição
vibrações

120

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde

ACTIVIDADES

RISCOS PREVISÍVEIS

MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO 

Queda de nível superior ou  Assegurar uma iluminação mínima de 100 Lux medida a 2,00 m do nível do solo;
ao mesmo nível 

Garantir o máximo de iluminação natural, organizando o trabalho de modo a construir
primeiramente as paredes interiores;

Assentamento alvenarias

de 

Queda de objectos  Corte e perfurações  Entalamento
esmagamento e 

Assegurara nos locais de trabalho com altura superior a 2,00 m, a presença de plataformas
auxiliares dotadas de guarda-corpos (colocados a 0,45 m e 0,90 m de tábua de pé) e de guarda-cabeça com 0,15 m de altura; 

Contactos eléctricos  Sob- Esforços e posturas
inadequadas 

Distribuir homogeneamente o material pela plataforma auxiliares, de forma a permitir que
a movimentação nela se faça com facilidade desejável e se evite também a sobrecargas nas suas estruturas; 

Projecção de partículas  Exposição
químicos a agentes 

Não permitir a improvisação de plataformas auxiliares através de recurso a bidões, caixas, escadotes, etc, nem vencer alturas superiores a 1,20 m com cavaletes; 

Manter operacional o sistema de humidificação do corte de serra dos blocos e dos
ladrilhos;

121

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde

ACTIVIDADES

RISCOS PREVISÍVEIS

MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO 

Queda de nível superior ou  Certificar que a betoneira, máquina de corte e berbequim estejam ligadas, a montante, a
ao mesmo nível disjuntor diferencial a 30 mA.

Assentamento alvenarias

de 

Queda de objectos  Corte e perfurações  Entalamento
esmagamento e 

Não retirar os resguardo da protecção da máquina de corte e somente usar berbequim
dotados de um dispositiv o de travamento impedidor da rotação sobre si próprio; 

Descarregar os entulhos através de condutas convenientemente vedadas e cujos troços
rectos não sejam superiores a 2,00 m; 

Contactos eléctricos  Sob- Esforços e posturas
inadequadas 

Não permitir que os trabalhadores retirem manualmente o entulho das condutas;  Descarregar os entulhos através de condutas convenientemente vedadas e cujos troços
rectos não sejam superiores a 2,00m. 

Projecção de partículas  Exposição
químicos a agentes 

Não permitir que os trabalhadores retirem manualmente o entulho das condutas;

122

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde ACTIVIDADES RISCOS PREVISÍVEIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO/ MEIOS DE PROTECÇÃO  Queda ao mesmo nível  Queda de diferentes níveis  Antes de iniciar os trabalhos.  Adoptar uma postura de trabalho que não permita a inalação dos vapores durante a manipulação dos dissolventes 123 . Revestimentos  Queda de objectos  Evitar intoxicações através de uma adequada renovação de ar durante a aplicação de tintas ou de vernizes.  Interditar a fumar e o foguear nos locais onde estejam a ser aplicados.  Intoxicação  Incêndios  Mão usar escadotes (escadas de mão) para pintar as escadas ou rampas referidas no parágrafo anterior.  Impedir o emprego de plataformas de trabalho em varandas ou terraços sem previamente estarem montadas redes anti-queda. tapar todas as aberturas das caixas dos elevadores com guarda-corpos que apresentem uma boa resistência e estabilidade. interiores / exteriores  Queda de materiais  Sob-esforço inadequadas ou postura  Munir as plataformas de trabalho destinadas a pintar escadas ou rampas de edificações com superfícies horizontais e guarda-copros adequados.

EM RECIPIENTES FECHADOS DESTINADOS EXCLUSIVAMENTE A ESSE FIM. SÓ PODERÁ SER FEITA A PARTIR DE TORNEIRAS OU JACTOS À REDE DE ABASTECIMENTO OU AOS DEPÓSITOS SERÃO EM NÚMERO SUFICIENTE E CONVENIENTEMENTE LOCALIZADOS. SERÁ FEITA POR FORMA HIGIÉNICA. REDE DE ABASTECIMENTO LOCAL SE EXISTIR SE NÃO EXISTIR ABASTECIMENTO PRÓPRIO COLHEITA DE ÁGUA ÁGUA POTÁVEL UTILIZAÇÃO DISPOSITIVOS LOCAIS PROIBIDO 124 . DE LAVAGEM DO PESSOAL. PARA FÁCIL UTILIZAÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL. SERÃO DEVIDAMENTE RESGUARDADOS DAS VISITAS.E MANTIDOS EM BOM ESTADO DE CONSERVAÇÃO E ASSEIO. SEMPRE QUE POSSIVEL PROVIR DIRECTAMENTE DESSA REDE DEVERÁ ADOPTAR-SE UM SISTEMA DE ABSTECIMENTO PRÓPRIO NÃO SE JUSTIFICADO. CANECAS OU QUALQUER OUTRA VASILHA NOS RECIPIENTES QUE CONTENHAM ÁGUA POTÁVEL. A ÁGUA POTÁVEL SERÁ OBTIDA EM ORIGEM CONVENIENTE E DISTRIBUÍDA EM DEPÓSITOS APROPRIADOS. QUER PARA BEBIDAS QUER PARA LAVAGEM DO PESSOAL. FECHADOS E MANTIDOS PERMANENTEMENTE EM BOM ESTADO DE CONSERVAÇÃO E ASSEIO. MERGULHAR COPOS.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde REGULAMENTO DAS INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS DESTINADAS AO PESSOAL EMPREGADO DAS OBRAS DECRETO Nº 46 427 ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM RETRETES E URINÓIS USO ÁGUA NÃO POTAVEL FICHA A CUIDADOS NOS RECEPIENTES E DEPÓSITO DEVERÁ SER POSTA A INSCRIÇÃO ÁGUA IMPRÓPRIA PARA BEBER QUANTIDADE SUFICIENTE PARA AS NECESSIDADES DO RESPECTIVO PESSOAL A ÁGUA DEVERÁ.

A manutenção periódica dos equipamentos será feita de duas formas:  Revisão Periódica de Manutenção. Somente os sinais standartizados servirão de referência para o operador. A Revisão Periódica de Manutenção é feita normalmente em obra.Ficha de controlo para aparelhos. O mesmo deverá conter a lista dos equipamentos que se prevê vir a ser utilizada na obra. . velocidade de operação recomendadas. bem como os respectivos tempos de permanência no estaleiro.  Inspecção Geral de cada Equipamento. nomeadamente fichas de controlo e inspecção (check lists) para cada equipamento em utilização.Ficha de manutenção para condutores manobradores de gruas a utomóvel. antes do início dos trabalhos.    Deverão ser implementados os procedimentos necessários à verificação da segurança dos diversos equipamentos em obra. 125 . Todos os equipamentos em estaleiro deverão ser inspeccionados e verificados periodicamente. . Em anexo apresentam -se as seguintes fichas de inspecção e verificação: . avisos específicos de perigo. e toda a informação essencial deverão ser rigorosamente colocadas em todos os equipamentos. que existe nos arquivos da obra. Os sistemas de segurança terão de estar em boas condições de funcionamento. Cada máquina tem a sua ficha das várias fases de m anutenção. Caso o plano não existir anexa -se um modelo para preenchimento. Estas revisões são controladas através de uma ficha de controlo de equipamento. Os operadores destes equipamentos devem ser especializados e competentes para trabalhar com o material sob sua responsabilidade. Deverão ser tidas em consideração as seguintes regras e medidas de segurança:  Todas as máquinas devem estar em boas condições mecânicas e eléctricas. Gráficos de capacidade de cargas.Ficha de manutenção para condutores manobradores de gruas torre. Máquinas e Equipamentos PLANO DE UTILIZAÇÃO E CONTROLO DE EQUIPAMENTOS Deverá ser elaborado um Plano de utilização e controlo dos equipamentos do estaleiro. a indicação do número e do tipo de eq uipamentos fixos e móveis. máquinas e instalações utilizadas. devem ser inspeccionados regularmente. Todos os equipamentos pesados. antes da sua entrada no estaleiro.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde d.

O Coordenador de Segurança / Dono de Obra. MÁQUINAS E INSTALAÇÕES UTILIZADAS Aparelho / Máquina / Equipamento Último Controlo Defeitos Corrigido em Próximo controlo Sim Não 126 .º: Empreitada: FICHA DE CONTROLO PARA APARELHOS. é normalmente feita nos estaleiros gerais. Director da Obra e o Técnico de Prevenção do Empreiteiro. Em termos de registo existirá um manual de cada máquina de todas as fases de manutenção. devem ser avisados das máquinas existentes e do seu estado de funcionamento. abastecimentos ou reparações nã o poderão ser efectuadas enquanto o equipamento estiver a ser utilizado. As manutenções. Caso ocorram avarias e que resulte perigo de acidente para os utilizadores e outros. deverão ser entregues sectorialmente aos respectivos utilizadores tendo como finalidade primordial.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde A Inspecção Geral de cada equipamento. devem as referidas máquinas/ equipamentos voltar a funcionar só depois de reparadas. reduzindo -se deste modo a sinistralidade laboral. MÁQUINAS E INSTALAÇÕES UTILIZADAS APARELHOS. devido à sua complexidade. Procedimentos: Todas as Máquinas e Equipamentos devem estar em bom esta do de conservação durante a sua laboração. As fichas de avaliação dos Riscos Profissionais dos Equipamentos contidosnoPlano. Sempre que possível. recorrerem os mesmos às Técnicas de Prevenção adequadas. devem as Empresas utilizadoras das máquinas apresentarem um documento de rev isão e de reparação das mesmas Obra n.

41821 de 11 de Agosto de 1958 (aprova o Regulamento de Segurança no Trabalho da Construção Civil RSTCC). 128/93 de 22 de Abril ( estabelece as exigências técnicas de segurança a observar pelos equipamentos de protecção individual. Controlo Coord. 86/188/CEE relativa à protecção dos trabalhadores contra riscos de exposição ao ruído durante o trabalho).º. 441/91 de 14 de Novembro ( transpõe a Directiva n. 127 .º. Decreto Regulamentar n.º.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Resp.º. Decreto Lei n. Genérica - Decreto Lei n. 89/391/CEE relativa à aplicação de medidas destinadas a promover a melhoria da segurança e da saúde dos trabalhadores no trabalho ). Segurança Director de Obra Data: Data: Data: / / / / / / Ass: Ass: Ass: 22. 72/92 de 28 de Abril (transpõe para o direito interno a Directiva n.º. Decreto Lei n. 72/92 de 28 de Abril).º.º.º 89/686/CEE de 21 de Dezembro). Decreto Lei n. Regulamentação Aplicável a.º. de acordo com a Directiva n. 9/92 de 28 de Abril (regulamenta o Decreto Lei n.

º7 do Decreto Lei n. de acordo com o art.º. 89/656/CEE de 30 de Novembro relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde na utilização de equipamentos de protecção individual ). 331/93 de 25 de Setembro ( transpõe para o direito interno a Directiva n. Portaria n. 273/03 de 29 de Outubro ( estabelece regras gerais de planeamento . 362/93 de 15 de Outubro (estabelece as regras relativas à informação estatística sobre acidentes de trabalho e doenças profissionais ). Decreto Lei n. 155/95 de 1 de Julho. relativa a prescrições mínimas de segurança e saúde a aplicar nos estaleiros temporários ou móveis).º. 348 /93 de 01 de Outubro ( transpõe para o direito interno a Directiva n.º 330/93 de 25 de Setembro (transpõe para o direito interno a Directiva n.º.Lei n. Portaria n. e saúde no trabalho em estaleiros da construção e transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n. organização e coordenação para promover a segurança. relativa às prescrições mínimas para a sinalização de segurança e saúde no trabalho).º.º. 1456 ± A/95 de 11 de Dezembro ( regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e saúde no trabalho ).º 348/93 de 1 de Outubro ) Decreto Lei n. NORMAS PORTUGUESAS Junta-se ainda uma lista não exaustiva de normas NP relacionadas com a segurança.º.º 347/93 de 1 de Outubro).º. 141/95 de 14 de Junho (transpõe para o direito interno a Directiva n.º. 347/93 de 1 de Outubro ( transpõe para o direito interno a Directiva n. referida no modelo de Plano de Segurança e Saúde. Portaria n. Decreto Lei n. aprovado pelo Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho (IDICT) LISTA .º. DE NORMAS NP RELACIONADAS COM A SEGURANÇA 128 . e saúde no trabalho a aplicar em estaleiros temporários ou móveis). relativa a prescrições mínimas de segurança. Decreto . b.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Decreto Lei n. 92/58/CEE de 24 de Junho. do Conselho. 988/93 de 06 de Outubro ( estabelece a descrição técnica do equipamento de protecção individual. Portaria 1131/93 de 4 de Novembro (estabelece as exigências essenciais relativas à saúde e segurança aplicáveis aos equipamentos de protecção individual. higiene.º. 101/96 de 3 de Abril (regulamenta o Decreto Lei n.º 92/57/CEE . 2º do Decreto lei n. Portaria n. de 24 de Junho. Decreto Lei n.º. NÃO EXAUSTIVA .º.º 89/654/CEE de 30 de Novembro relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde para os locais de trabalho). Decreto Lei n.º.º 90/269/CEE de 29 de Maio relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde na movimentação manual de cargas).º 89/655/CEE de 30 de Novembro relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde na utilização de equipamento de trabalho). 128/93 de 22 de Abril ).º.º. 987/93 de 6 de Outubro ( estabelece as normas técnicas de execução do Decreto Lei n. de acordo com o art.

Método por filtração. Máscaras completas. Determinação Qualitativa expedita pelo método reacção de gota (comparação visual). 1 NP 1563: 1978 Ed. 1 NP 1798: 1981 Ed. Instalações sanitárias. Higiene e segurança no trabalho. Técnicas de colheitas de ar para análise de gases e vapores nos ambientes dos locais de trabalho. Higiene e segurança no trabalho. 1 NP 1027: 1974 Ed. 1 129 . Segurança na utilização de equipamentos mecânicos de transmissão de força motriz. Valores limites de exposição para substâncias nocivas existentes no ar dos locais de trabalho. 1 NP 1837: 1986 Ed. 1 NP 1026: 1974 Ed. Características. 1 NP 1796: 1988 Ed. Poluição do meio ambiente. Equipamento de protecção individual. Higiene e segurança no trabalho. 1 NP 2419: 1986 Ed. Ferramentas portáteis manuais. Higiene e segurança no trabalho. Equipamento de protecção individual. Chumbo. Poluição do meio ambiente. 1 NP 1526: 1977 Ed. 1 Poluição do meio ambiente. Colheita de amostras nas emissões das chaminés. Determinação Quantitativa pelo método colori métrico de comparação visual. Equipamento de protecção individual. Requisitos de segurança. Luvas de protecção. Aparelhos de protecção individual das vias NP 1025: 1974 Ed. Definições. 1 NP 2199: 1986 Ed.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Número Descrição SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO NP EN 136: 1992 Aparelhos de protecção respiratória. Higiene e segurança nas operações de pintura por projecção. Higiene e segurança no trabalho. Aparelhos de protecção individual das vias respiratórias com fornecimento de ar comprimido. Segurança no trabalho. Tipos. Higiene e segurança nos estabelecimentos industriais. Higiene e segurança no trabalho. 1 NP 2036: 1986 Ed. Capacetes. Higiene e segurança no trabalho. 1 NP 2266: 1986 Ed. 1 NP 1562: 1978 Ed. Higiene e segurança no trabalho. NP 1024: 1974 Ed. 1 NP 1572: 1978 Ed. 1 NP 2198: 1986 Ed. Ensaios e marcação. Higiene e segurança no trabalho. 1 NP 2310: 1989 Ed. Colheitas de ar para análise das partículas sólidas e líquidas nos locais de trabalho. 1 NP 2291: 1986 Ed. Chumbo. Poluição do meio ambiente. Requisitos gerais de concepção e utilização. Higiene e segurança no trabalho. Chumbo. Segurança no trabalho. Higiene e segurança nas operações de metalização por projecção. Higiene e segurança no trabalho. Chumbo. Colheita das amostras na atmosfera dos locais de trabalho. Ferramentas portáteis. Terminologia e características. Capacetes.

1 NP 1589: 1984 Ed. Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. 1 NP 3505: 1987 Ed. Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. NÃO EXAUSTIVA . Extintores de incêndio portáteis. Classificação de líquidos quanto ao ponto de inflamação. Protecção individual dos olhos. Extintores de incêndio portáteis.7: 1990 Ed. Segurança contra incêndio. Detectores funcionando segundo o princípio da difusão da luz. Designação. 1 NP 3506: 1987 Ed. 2 NP 1618: 1979 Ed. Selecção segundo as classes de fogos. Detectores velocimétricos pontuais sem elemento estático. Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Terminologia. 1 Higiene e segurança no trabalho. Segurança contra incêndio. 1 130 . Parte 2: protecção estrutural contra incêndio (ISSO 8421 5:1987) Segurança contra incêndio. Segurança contra incêndio. NP 442: 1966 Ed.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde LISTA . Parte 6: Detectores térmicos. Extintores de incêndio portáteis. e ensaios complementares. Segurança contra incêndio. 1 NP EN 54. Parte 7: Detectores pontuais de fumo. 1 NP 3874. Características. 1 NP 1936: 1983 Ed. Parte 8: Detectores térmicos de funcionamento a temperatura elevada. 1 NP 3064: 1988 Ed. Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Símbolo de radiação ionizante. 1 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NP EN 2: 1993 Ed. Extintores de incêndio portáteis. Detectores pontuais contendo um elemento estático. Exigências mínimas. Ensaios de estanquidade. Sinalização de segurança.9: 1990 Ed. Aparelhos de protecção respiratória com ar fresco.8: 1990 Ed. Agentes extintores. NP EN 54. 1 NP 1800 1981 Ed. NP 3775: 1988 Ed. Segurança contra incêndio. 1 Classes de fogos NP EN 54. DE NORMAS NP RELACIONADAS COM A SEGURANÇA Número Descrição respiratórias.3: 1993 Ed. Parte 5: Detectores térmicos. Segurança contra incêndio. Parte 9: Ensaios de sensibilidade com fogos-tipo. 1 NP EN 54. Segurança contra incêndio. 1 NP EN 54.2: 1993 Ed. Espec. Utilização dos extintores de incêndios portáteis Segurança contra incêndio. 1 Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio.5: 1990 Ed. 1 NP 3874. Terminologia e definições. Parte 3: detecção e alarme de incêndio (ISSO 8421-3:1989).6: 1990 Ed. Cargas. Terminologia.

1: 1993 Ed. 1 Segurança contra incêndio. 1 Aparelhos de elevação e movimentação. metodologia (EN292-1:1991) Segurança de máquinas. Parte 1: Terminologia básica. DE NORMAS NP RELACIONADAS COM A SEGURANÇA Número NP 3874. 1 NP 3847: 1992 Ed.1:1985) APARELHOS DE ELEVAÇÃO E MOVIMENTAÇÃO NP 1748: 1985 Ed.2:1987) NP 3163.2: 1990 Ed. Aparelhos pesados. princípios gerais de concepção.5: 1994 Ed. Parte 7: meios de detecção e supressão de explosões (ISSO 8421-7:1987). Parte 2: Princípios técnicos e especificações (EN292-2:1991) NP EN 292.7: 1994 Ed. Parte 1: Ascensores eléctricos (Emenda 1 1993) (EN 81. Lista de termos equivalentes. 1 Descrição Segurança contra incêndio. Aparelhos de elevação de série. 1 NP 3846: 1992 Ed. princípios gerais de concepção. Terminologia ilustrada. NÃO EXAUSTIVA . 1 ASCENSORES E MONTA . Parte 6: meios de evacuação e salvamento (ISSO 8421-6: 1987) NP 3874.1: 1993 Ed. 1 NP EN 292. Tolerâncias dos aparelhos de elevação e dos caminhos de rolamento (ISO 8306:1985) NP 3460: 1990 Ed. Segurança contra incêndio. 1 Aparelhos de elevação e movimentação. 2 Regras de Segurança para a construção e instalação de ascensores e montacargas. Terminologia. Estimativa da exposição ao ruído durante o exercício de uma actividade profissional. Parte 5: desenfumagem (controlo de fumo) (ISSO 8421-5:1988) Segurança contra incêndio. Terminologia. Conceitos fundamentais.6: 1994 Ed.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde LISTA . Higiene e segurança no trabalho. 1 Aparelhos de elevação e movimentação. 1 Acústica. Aparelhos de elevação. Pontes rolantes e pórticos. 1 131 . 1 NP 3874. Terminologia.2: 1993 Ed. Regras de segurança. Sinais de segurança: (Errata-1994) (ISSO 6309:1987) NP 3992: 1994 Ed. Características técnicas de aceitação (ISO 7363:1986) NP 3848: 1992 Ed. NP 1939: 1988 Ed. Gama de cargas nominais para os modelos de base (ISO 2374:1983) Gruas e aparelhos de elevação. Conceitos fundamentais. Parte 2: Ascensores hidráulicos (EN 81. com vista à protecção da audição (ISSO 1999:1975) MÁQUINAS FERRAMENTAS Segurança de máquinas.CARGAS NP EN 81. 1 Regras de Segurança para a construção e instalação de ascensores e montacargas. Aparelhos de elevação e movimentação. 1 ACÚSTICA NP 1733: 1981 Ed. Verificação de ensaios.

L. de intervenções directas nos locais de trabalho ou através de folhetos específicos sob temas de Segurança e Higiene adequados às situações de 132 . Higiene e Saúde nos locais de Trabalho sob a forma de pequenas Palestras periódicas. Colectores solares. 23. Classificação. NÃO EXAUSTIVA . será desenvolvida junto de todo o pessoal em Obra. DE NORMAS NP RELACIONADAS COM A SEGURANÇA Número Descrição COLECTORES SOLARES NP 1801: 1988 Ed.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde LISTA . a sensibilização para as questões da Segurança. Informação e Formação a.L. Simbologia. 155/95 e Portaria 101/96. Formação De acordo com as exigências decorrentes do Código de Trabalho ( Lei 7/2009) do D. 1 Colectores solares. 1 NP 3001: 1985 Ed. Segurança nas instalações solares de aquecimento de água. incluindo o dos subempreiteiros. D. Instalações. Vocabulário. 441/91 e Lei 7/95. Colectores solares. 2 NP 1803: 1985 Ed.

sendo a preparação feita em colaboração com o Director de Obra.  Posicionamento da máquina relativamente às valas e escavações. sendo destacados:  Principais cuidados a ter na manobra e condução dos equipamentos. Acções de Formação Serão realizadas acções de formação e sensibilização para grupos específicos. prevendo-se desde já as destinadas a: j Encarregado. j Manobradores  Reunião em Obra. no final do primeiro período de trabalho. HIGI ENE E SAÚDE NOS LOCAIS DE TRABALHO e aspectos específicos sobre as medidas de Prevenção e Segurança a aplicar na Obra.  A proibição de dar boleias nos baldes e estribos dos mesmos. 133 . subempreiteiros e direcção de Obra  Reunião de uma hora.  Operacionalidade dos sistemas de sinalização sonora e luminosa da via pública e de marcha atrás. nomeadamente no uso regular das protecções. j Pessoal de Obra  Mini-palestras bimestrais de 15/20 minutos com todo o pessoal da Obra. sobre temas específicos relacionados com situações existentes na Obra ou sobre objectivos a atingir na colaboração e empenhamento do pessoal nas questões de Higiene e Segurança. Esta reunião terá lugar no primeiro Comité de Higiene e Segurança da Obra.  Presença de pessoal no raio de acção dos equipamentos.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde obra destinadas a alertar para os riscos existentes e a criar comportamentos seguros no trabal ho. As palestras e outros meios de sensibilização serão propostas pelo Técnico de Prevenção e Segurança. onde se destacarão as principais exigências legais internas sobre SEGURANÇA. b. promovendo igualmente a participação dos trabalhadores.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS CARACTERIZAÇÃO Por movimentação manual de cargas entende-se qualquer operação de transporte e de sustentação de uma carga. y Choque com objectos. a maior parte das vezes. RISCOS ESPECÍFICOS y Formação de hérnia discal. bem como de períodos insuficientes de repouso sem esquecer que estamos em presença. de cargas volumosas. y Lesões musculares. de grandes distâncias de elevação. a principal medida a adoptar é a utilização de meios mecânicos de modo a evitar a movimentação manual. em equilíbrio instável e que pelo seu formato podem causar lesões. do abaixamento e transporte. Por isso. 134 . por uma ou mais pessoas. y Ruptura de ligamentos. A frequência de acidentes na movimentação resulta de esforços físicos exagerados. y Lesões das articulações.

A colocação adequada das mãos. y Não transportar em carro de mão cargas longas ou que impeçam a visão. de acordo com a sua capacidade muscular. de modo a serem executadas de movimentação à tracção. y Utilizar Equipamentos de Protecção Individual (EPI) adequados. PREVENÇÃO y O trabalhador deve ser informado sobre a posição correcta de trabalho. y Entalamento. y Desabamento. Utilização da força das pernas. 135 . y Utilizar de preferência ³ Chariots ´. y Sinalizar as zonas perigosas. y Tomar precauções especiais na movimentação de cargas longas. y Trabalho adaptado ao homem. y Formação relativa à movimentação de cargas. y Utilizar acessórios que facilitem o manuseamento da carga.________________________________________ Plano de Segurança e Saúde y Quedas ao mesmo nível. y A execução do trabalho em equipa. y Manter as zonas de movimentação arrumadas. A afixação da coluna vertebral. A utilização do peso e do movimento dos objectos. tendo em atenção a sua capacidade muscular nos seguintes aspectos: A aproximação da carga e a sua O equilíbrio. forma adequada ao homem. Utilização do peso do corpo. A direcção de lançamento da carga. Orientação dos pés de acordo com a posição do corpo.

Lista de telefones úteis 136 .________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 24.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde TELEFONES DE EMERGÊNCIA Obra n. ± CAP V) Telefone: 137 .º Designação: CONSTRUÇÃO DE MORADIA UNIFAMILAR Endereço de estaleiro: Rua Afonso Albuquerque Amaral_ Santa Comba de Seia _ Seia Telefone: Fax: Director Técnico da Empreitada: Sílvia Miguel dos Santos (Eng.ª Téc.

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde Gestor de Segurança: Técnico de Segurança: Encarregado / Socorrista: Telefone: Telefone Telefone: Posto de Comando Local: Permanente de Infraestruturas: Em caso de acidente grave SOS / AM BOMBEIROS Voluntários de Seia 238 310 310 PROTECÇÃO CIVIL (tel.: 800 20 57 91 ) GNR de Seia 238 310 300 800 506 506   25. or rio d Trabal o  © ¨§ LÂNCIAS112 INTOXICAÇÕES808 250 143 CENTRO SAÚDE DELEGAÇÃOGuarda ÁGUAS 16208 CC  138 .

________________________________________ Plano de Segurança e Saúde 139 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful