Você está na página 1de 12

c  c




  

Introdução
O que é o movimento High Tech
Principais características
Seus principais nomes
Mídias utilizadas pelo movimento High Tech
Exemplos de imagens estilo High Tech
Vídeos
Conclusão
Bibliografia
Links

1.p Introdução
Durante o último quarto do século XX, a tecnologia, a eletrônica e a informática
avançaram a um ritmo extraordinário, revolucionando muitas áreas.
O design gráfico foi irrevogavelmente transformado pelo hardware e software
dos microcomputadores e pelo crescimento explosivo da internet. A revolução
chegou à mesa de trabalho dos designers, arquitetos, projetistas, entre muitos
outros profissionais.
2.p O que é o movimento High Tech
O high tech é uma estetização da dimensão tecnológica da arquitetura. Desde
meados do século XIX a arquitetura se desenvolveu sobre a base das
possibilidades formais da utilização de novos materiais e do suporte das
tecnologias. Referência clássica: Palácio de Cristal e Torre Eiffel. Nos anos 60
do século XX apareceram as utopias tecnológicas (Metabolistas e Archigram), e
nos anos 80, retorna uma confiança racionalista na tecnologia. Nas sociedades
avançadas, a tecnologia é a ideologia universal, a "única saída". O modelo
assume uma rejeição aos jogos formais decorativos e arbitrários, admite a
vigência dos princípios básicos das vanguardas do início do século: tecnologia
como fonte de inspiração, e busca resolver o máximo de questões com o mínimo
de forma.Os arquitetos que aderiram a essa corrente conseguem gerar as
aparências de suas obras a partir dos elementos da estrutura portante, das
tubulações de infraestrutura, dos componentes da cobertura e dos equipamentos
mecânicos para circulação. Adotam os mesmos princípios teóricos e conceituais
dos seus colegas modernistas, só que desta feita adaptados ao potencial
tecnológico do mundo contemporâneo.
3.p Continuação...
Tais arquitetos acreditam que as respostas às demandas contemporâneas só serão
encontradas através de edifícios extremamente adaptáveis, inteligentes, que
tenham vãos livres e instalações de alto desempenho, e que possam ser
industrializados. Por isso sua preocupação reside na inovação tecnológica e no
emprego de materiais sofisticados. Os edifícios do estilo se transformaram em
uma demonstração cada vez mais ostensiva de estruturas com formas mais
complexas e, como dito anteriormente, tecnológicas. Essas obras se diferenciam
pois apresentam muitas vezes detalhes construtivos altamente avançados e
industrializados, fazendo do estilo ou movimento um capítulo a parte. Muitas
vezes o aço é eleito como material de destaque. A arquitetura high tech as vezes
lembra alguns cenários de filmes de ficção científica, mas no fundo não são
cenas de ficção, e sim a mais pura realidade de um movimento arquitetônico
totalmente inovador.
4.p Principais características
Em muitas obras high tech, mostra-se que a arquitetura, projeto e construção não
só fazem parte de uma só unidade, mas que o projeto gira em torno da função
estrita de sua realização, da forma de construção e do momento épico de sua
elevação.
A maior parte apresenta elementos mais agressivos, duros e anti-humanos
derivados das utopias dos anos 60 e 70. É evidente um grande papel cenográfico
deste tipo de arquitetura, definir uma linguagem comercial, um logotipo
empresarial, ser símbolo da expressão do poder.
5.p Lilypad, projeto de cidade flutuante criada pelo arquiteto Vincent Callebaut.
6.p Seus principais nomes
Norman Foster
Barão do Tâmisa OM (Stockport, 1 de Junho de 1935) é um renomado arquiteto
inglês que possui um cuidadoso desenho, isento de brutalismo arquitetônico.
Ex: arranha-céus Hong Kong ShangaiCorporation. Expressão máxima do poder
da tecnologia. Evidencia o processo de montagem. As fachadas mostram os
núcleos de serviço, instalações, elevadores, escadas. Protetores solares
horizontais com forma aerodinâmica. Acredita que arquitetura de alta tecnologia
"resolvesse de forma integrada os diversos condicionantes e elementos".
Conceitos de flexibilidade e participação dos usuários. Trata-se definitivamente
de mais uma ocasião em que a arquitetura mostre claramente como chegar a ser
um contundente símbolo de poder econômico. Modelo de perfeição e síntese.
Ênfase na poética de montagem das peças.
7.p Renzo Piano
É um arquiteto italianoque opta pela tecnologia e se desembaraça das
preocupações teóricas típicas de seus compatriotas e da busca da qualidade em
formas herdadas da tradição. Projeto de ampliação do IRCAM em Paris,
apresenta ressonâncias evidentes da transparência e composição da Maison
duVerre de Pierre Chareaux.
Arquitetura rigorosa e sobriamente tecnológica, paixão pelo desenho de
componentes individuais que se articulam em um todo coerente, seguindo uma
idéia global. Evidência das partes ativas. Influências de BuckminsterFuller e Z.
S. Mackowski, Waschsmann, Le Ricolais
8.p Jean Nouvel
É um arquiteto francês. Nouvel estudou na ÉcoledesBeaux-Arts em Paris e foi
um membro fundador da Mars 1976 e Syndicat de l'Architecture. Seus projetos
possuem container envidraçado. Um edifício homogêneo que abriga atividades
diversas implicando em evidentes disfunções: cruzamentos de circulação,
confusões entre espaços públicos e semi-privados. Tendência que conduz a
edifícios gigantes com uma grande multiplicidade de funções dentro de um
mesmo ambiente. Ex: RemKoolhaas.
9.p Santiago Calatrava
É um arquiteto e engenheiro espanhol cujo trabalho tem se tornado bastante
popular. As formas de cada construção são o resultado da expressividade formal
do prórpio caminho das forças. Paradigma de dois opostos: a máquina e a obra
de arte. Influências de Gaudi, Félix Candela, Eero Sarinem, Kenzo Tange, Pier
Luigi Nervi e Jorn Utzon.
Segundo o autor, ele rompe as fronteiras tradicionais entre escultura, arquitetura
e engenharia, mas depois cai num maneirismo e arbitrariedade.
10.pConclusão
Desde o nascimento do design ele vem sofrendo várias mudanças, adaptações,
revoluções, sempre na busca de evoluir cada vez mais. Contudo nunca se afastou
do seu objetivo que é criar soluções através de formas criativas e inovadoras, se
apropriando de meios e processos ao seu redor.
Porém, como no principio hoje é buscado que o designer retorne as suas raízes,
que não dependa completamente de softwares e hardwares para projetar ou para
dominar o seu processo criativo. A tecnologia é apenas mais uma ferramenta que
um excelente designer saberá utilizar na hora certa e da forma correta para lhe
auxiliar em seus projetos.

R
  
O à ààé uma estetização da dimensão tecnológica da arquitetura. Os arquitetos
que
aderiram a essa corrente conseguem gerar as aparências de suas obras a partir dos
elementos
da estrutura portante, das tubulações de infraestrutura, dos componentes da cobertura e
dos
equipamentos mecânicos para circulação. Adotam os mesmos princípios teóricos e
conceituais dos seus colegas modernistas, só que desta feita adaptados ao potencial
tecnológico do mundo contemporâneo. Tais arquitetos acreditam que as respostas às
demandas contemporâneas só serão encontradas através de edifícios extremamente
adaptáveis, inteligentes, que tenham vãos livres e instalações de alto desempenho, e que
possam ser industrializados. Por isso sua preocupação reside na inovação tecnológica e
no
emprego de materiais sofisticados. Os arquitetos que têm produzido os trabalhos mais
interessantes nessa direção são Sir Norman Foster, Sir Richard Rogers, Maichael
Hopkins e
Nicholas Grimshaw, dentre outros.

Mais ou menos a partir de meados dos anos 1960, a arquitetura modernista começou a
ser criticada, debatida e começa a perder força. Surge então o chamado pós-
modernismo. A arquitetura high-tech (também conhecida como de Alta Tecnologia,
emergiu nos anos 1970), e pode-se dizer que seria um sub-estilo do movimento pós-
modernista, mas caracterizado no emprego de materiais de tecnologia avançada nas
construções.

Os edifícios do estilo se transformaram em uma demonstração cada vez mais ostensiva


de estruturas com formas mais complexas e, como dito anteriormente, tecnológicas.
Essas obras se diferenciam pois apresentam muitas vezes detalhes construtivos
altamente avançados e industrializados, fazendo do estilo ou movimento um capítulo a
parte. Muitas vezes o aço é eleito como material de destaque.
A arquitetura high-tech as vezes lembra alguns cenários de filmes de ficção científica,
mas no fundo não são cenas de ficção, e sim a mais pura realidade de um movimento
arquitetônico totalmente inovador. Assim como as outras escolas arquitetônicas, o
movimento high-tech teve também seus grandes mestres: Richard Rogers, Renzo Piano,
Michael Hopkins, Norman Foster e são desses alguns exemplos que darei a seguir.

2 
 2    2 


c
 
  
Dubai é uma cidade famosa mundialmente por suas construções de arquitetura high
tech, requintada e arrojada. Uma grande atração para os turistas do mundo inteiro.
Dubai figura como o segundo maior emirado do conjunto de sete emirados que formam
os Emirados Árabes Unidos.
O forte de sua economia são as atividades oriundas do turismo que em breve vai contar
com um imenso Centro de Comércio e Turismo. Possuí hoje um PIB de dar inveja aos
chineses.
A cidade de Dubai é um imenso canteiro de obras, são os dirigentes dos Emirados
Árabes Unidos, que sabendo dos poucos anos de vida do petróleo, investem no futuro.
A população é formada em sua maioria por emigrantes, vindos do Sul da Ásia de das
Filipinas.
Dubai é uma cidade sinônimo de Arquitetura moderna e hospitalidade para quem têm
muita grana, o paraíso para os bens sucedidos do mundo.
Conheça as principais atrações turísticas

Dubailândia- Sua área é o dobro da Disney World, destinada ao lazer e o


entretenimento, ficará pronta até 2015.

Dubai Mall- Em construção, vai ser o maior centro comercial do planeta, está localizado
no complexo Burj Dubai, será inaugurado em 2009.
Ski Dubai- É um dos maiores Resort de ski indoor do mundo com 22,500 metros
quadrados de área de patinação interna. Faz parte do Shopping dos Emirados, um dos
maiores shoppings do mundo. O Ski Dubai foi criticado pela grande quantidade de
energia que utiliza para manter a neve congelada, e os efeitos que isso possa ter sobre o
ambiente.
Obras arquitetônicas de Dubai

Palm Island- um arquipélago artificial no formato de uma palmeira. Uma segunda ilha
artificial com formato de palmeira está em construção, já em estágio avançado. É
prevista a construção de uma terceira ilha artificial no formato de palmeira. Em cada
braço desta palmeira, estão sendo construídos elegantes hotéis e grandes residências.

The Word- é um arquipélago artificial, ainda em construção, que forma o desenho do


mapa-múndi. Estas ilhas estão sendo vendidas com valores entre 6,2 a 36,7 milhões de
dólares. A maior parte das ilhas já foi comprada por investidores de todo o mundo.
Burj Al Arab- é um dos hotéis mais luxuosos de Dubai. Foi construído sobre uma ilha
artificial, com 321 metros de altura, sendo a 2ª estrutura mais alta usada como hotel,
após perder o título para a Rose Tower, edificada também em Dubai. O edifício imita a
vela de um barco, e hoje é um dos principais cartões postais da cidade e do país.
Burj Dubai- é o arranha-céu mais alto do mundo, embora ainda esteja em construção. O
término de sua construção está previsto para 2009, e o seu custo estimado é de US$ 8
bilhões.

O Burj Dubai foi desenhado por Skidmore, Owings, Merrill, que também desenharam
as Sears Tower em Chicago e a Freedom Tower em Nova Iorque, entre outros famosos
edifícios. O interior será decorado por Giorgio Armani. Um Hotel Armani (o primeiro
deste tipo) vai ocupar os primeiros 37 andares. Do 45º ao 108º andar haverá cerca de
700 apartamentos privados em 64 andares (que, segundo o responsável, foram vendidos
em oito horas). As corporações e as suítes completarão a maior parte dos andares
restantes. Também deverá ter o elevador mais rápido, a 18 m/s (65 km/h, 40 mph).
Atualmente, o elevador mais rápido do mundo encontra-se no Taipei 101, Taipei,
Taiwan, a 16,83 m/s (60,6 km/h, 37,5 mph).
O Burj Dubai deverá incluir 30 mil residências, nove hotéis, dezenove torres
residenciais e doze hectares ao redor. Quando completa, a torre vai cobrir uma área total
de dois milhões de m² de desenvolvimento.

Um novo projeto feito por arquitetos em Dubai, surpreende mais uma vez. Agora eles
querem construir nos próximos anos uma cidade ecológica e auto-sustentável no país ,
batizada de Ziggurat. O design, em forma de pirâmide High Tech, prevê a instalação de
turbinas eólicas e painéis solares para produção de energia, e sensores biométricos -
como leitores de impressão digital e da íris - para controlar a segurança dos moradores.
De acordo com arquitetos, prédio significaria economia de 90% de espaço para
habitação, que poderia ser usado para agricultura.

Fonte e Foto - Leia mais


O 2  2 

A c
 
  , ou de Alta Tecnologia, é uma corrente da arquitetura,
emergente nos anos 70, muito centrada no emprego de materiais de tecnologia avançada
nas construções, como o próprio nome indica. No Design, também, teve forte marcação.
Historiadores classificam-na dentro de um chamado 2  2 
 , juntamente
com outras atitudes estéticas, como o

  , numa alusão aos valores contrapostos


às atitudes pós-modernas associadas a este tipo de intervenção que caracteriza a High
Tech. Um exemplo famoso deste tipo de arquitetura é o Centro Pompidou em Paris,
projetado por Richard Rogers e Renzo Piano.

High Tech

O termo High Tech foi usado, desde os inícios da década de 70, para identificar um
movimento cultural então em desenvolvimento que procurava utilizar tecnologias
alternativas, sendo frequentemente imbuída de conotações negativas. Mais tarde foi
utilizado, no campo da arquitetura, para designar uma corrente (erradamente confundida
com um estilo) que teve expressão particularmente significativa em Inglaterra e nos
Estados Unidos da América.
Caracteriza-se pela utilização em grande escala de superfícies em vidro e de estruturas
metálicas (de ferro, aço inox ou alumínio), pelo recurso à tecnologia industrial mais
desenvolvida, pela flexibilidade funcional e pelo pragmatismo construtivo e
simplicidade formal, e encontra as suas raízes no trabalho do francês Jean Prouvé, na
Arquitetura do Ferro de oitocentos, nos grupos metabolista e Archigram. Um dos
arquitetos pioneiros desta corrente foi o inglês James Stirling, com o projeto para o
edifício de engenharia da Universidade de Leicester (1959-1963).
A arquitetura High Tech traduz uma visão otimista do mundo capitalista e industrial, faz
referência às conquistas da tecnologia e à máquina, não enquanto metáfora mas
enquanto imagem que enforma as novas arquiteturas. O edifício High Tech pretende
reduzir a carga formalista para representar, de forma aparentemente neutra, o mundo da
alta tecnologia. Para além da imagem da máquina, que já Le Corbusier referira na
década de vinte, simboliza a ideia de rede e de conexões, de transportes.
Dentro desta corrente é possível diferenciar várias orientações estéticas. Uma delas
explora a estrutura portante enquanto fundamento do trabalho criativo e da génese
formal dos edifícios. Dentro desta tendência salienta-se os trabalhos de Norman Foster,
como o pioneiro r 
   à 
 , o     
 

  em Ipswich (1975) ou o emblemático Hongkong and Shanghai Banking,
projetado e construído entre 1979 e 1986. Richard Rogers procura expor os sistemas de
circulação e as instalações técnicas dos edifícios, tendo no edifício Lloyds de Londres
(1978-1986) um dos seus trabalhos mais interessantes.
Entre estas duas possibilidades conceptuais, o Centro National de Arte George
Pompidou, construído em Paris entre 1971 e 1977 por Richard Rogers e Renzo Piano
exibe no exterior, de forma radical, a pujante estrutura em ferro assim como as tubagens
das instalações, pintadas com cores fortes.
De entre os arquitetos que integraram esta corrente salientaram-se igualmente Nicholas
Grimshaw, Michael Hopkins, David Chiperfield e Allsop & Störmer.