Você está na página 1de 4

Igreja Primitiva: Discipulado, sinagogas e casas.

A Igreja de Jesus começou como? Jesus tomou 12 homens e com aqueles


homens andou de um lado para o outro. Era uma célula itinerante. Com o passar do
tempo, Jesus começou a utilizar de um método interessante. Ele pregava para as
multidões, porém, na hora de repartir o pão pedia que sentassem em grupos. E ainda
mais, depois de pregar para multidões, se reunião com seus 12 discípulos e lhes dava a
conhecer os detalhes daquilo que havia pregado. Vemos isso por exemplo na famosa
parábola do semeador (Mc 4.10).

Quando Jesus voltou ao céu, a obra continuou. De que maneira? Quando os


discípulos conseguiam, reuniam-se nas sinagogas. Porém, nem sempre os judeus
permitiam isso. Além do que, muitos lugares não possuíam sinagogas. Então, eles se
reuniam de casa em casa.

“... de casa em casa , ...” Atos 2. 46


“... a igreja que se reúne na casa ...” Romanos 16. 5
“... os da casa de Aristóbulo ...” Romanos 16. 10
“... os da casa de Narciso, ...” Romanos 16. 11
“... e aos irmãos que se reúnem com eles.” Romanos 16.14
“... os santos que se reúnem com eles.” Romanos 16. 15
“... , a igreja que está na casa deles.” I Coríntios 16. 19
“... a igreja que ela hospeda em sua casa.” Colossenses 4. 15
“... e à igreja que está em tua casa:” Filemom v. 2
Escavações arqueológicas mostram que muitas casas nos locais onde existiam
seguidores de Jesus, foram ampliadas e nelas existiam peças para realizar as reuniões da
Igreja. Os primeiros templos cristãos, como conhecemos hoje surgiram apenas 391 anos
depois de Cristo! Por quase 400 anos a Igreja se mante fiel ao discipulado e as reuniões
nas casas!

Como a igreja era baseada em discipulado e reunião nas casas, diferia muito do
modelo judeu. No modelo judeu o sacerdote fazia quase tudo sozinho. Na Igreja de
Jesus, todos exerciam o ministério. Cada pessoa era um ministro de Deus, pregando,
evangelizando, orando pelos enfermos, discipulado...

A Igreja praticamente abandonou as reuniões nas casas e criou clérigos por vota
de 380 d.C. quando Teodósio I constituiu o cristianismo como religião oficial do
Império. Só então a Igreja saiu das casas e foi para os templos e o povo foi
gradativamente deixando de exercer o ministério, ficando tudo centralizado em um
grupo criado pelos homens, o clero.

A Reforma Protestante.

Foi em 1517 que Lutero se revoltou contra os desvios do cristianismo e foi um


dos pais da Reforma Protestante. Uma das lutas de Lutero era “o sacerdócio universal”.
Os reformadores não aceitavam a ideia de que o povo não exercesse o ministério e que a
Bíblia não estivesse acessível à todos. Além disso, Lutero ansiava por ver a Igreja
baseada em duas reuniões, uma grande no templo e uma pequena nas casas.

O cristianismo havia sido centralizado nos padres e papas por causa dos egoístas
desejos de poder e riquezas dos governantes e clérigos. Lógico que sempre existiu
hierarquia e submissão no cristianismo, porém, percebemos na palavra de Deus que os
cristãos primitivos eram TODOS desafiados a servir ao Senhor, ganhando almas e as
discipulado.

A segunda Reforma.

A reforma foi um marco muito importante para o cristianismo, pois levou a


Igreja para mais perto do que Jesus havia ensinado. Agora os cristãos tinham acesso a
palavra de Deus. Porém, as reuniões continuaram centralizadas nos templos e o
ministério nos pastores.

Com a chegada dos avivamentos, a Igreja tornou-se um pouco mais parecida


com seu começo, voltando a se reunir nas casas para oração, ensino... Porém, os
avivamentos que começaram em pequenos grupos nas casas acabaram dando origem à
mega-igrejas. As grandes igrejas acabam tomando um estilo de vida empresarial e os
membros acabam sendo mais “administrados” do que pastoreados.

Os pastores começam a ver que embora muitas pessoas estejam entregando suas
vidas para Jesus, um numero muito grande o estava deixando de seguir. O número de
ateus começou a crescer e as feitiçarias foram deixando de ser algo desprezado pela
sociedade. Um número enorme de desviados, ex-evangélicos e (pseudo)-crentes sem
igreja aparecem aos milhares. O que fazer?

Em diversos lugares do mundo, lideres cristãos começaram a perceber a


necessidade de voltar ao modelo Bíblico de discipulado, pequenos grupos e grandes
reuniões. Assim, hoje a maior congregação do mundo, na Coréia do Sul, conta com
mais de 800 mil membros, é uma igreja que tem sua base nos pequenos grupos que se
reúnem nas casas. Pastores tem se dado por conta que a hora é essa de fazermos uma
segunda reforma e voltarmos a priorizar o discipulado e as reuniões nas casas.

Efetivo Sacerdócio Universal

Jesus deixou uma ordem: “Ide e fazei discípulos de todas as nações, ensinando-
os as guardar todas as coisas que voz tenho ensinado”. Ora é evidente que não sabemos
todas as coisas e por isso precisamos estar sempre aprendendo para chegar cada dia
mais perto da perfeição. Por isso, cremos que precisamos estar sempre em discipulado,
pois é no discipulado que seremos ensinados, pastoreados e treinados.

Também estaremos sempre fazendo discípulos em obediência a Jesus. Jesus não


disse “construam grandes templos” e nem “reúnam-se em enormes grupos”, mas, “fazei
discípulos”! Ser discipulado e fazer discípulos é a maneira Bíblica de obedecer Jesus e
exercer o ministério que ele tem para nossas vidas.
A célula proporciona uma estrutura onde todos os cristãos podem exercer seu
ministério sendo discipulados e discipulado. Os grupos caseiros, na Igreja Primitiva,
eram o centro da vida da Igreja. É nas casas que tudo acontece: Salvação, libertação,
batismo no Espírito, curas... A célula é o coração da Igreja. Por isso, os pastores
comprometidos com a palavra ao redor de todo o mundo, especialmente no Brasil, tem
se voltado para este princípio.

Onde você poderá evangelizar? Na sua célula. Podem convidar, distribuir


convites, fazer banners, GE’s. Onde ensinar? Na célula! Ali os assuntos poderão ser
esmiuçados. Onde adorar? Na célula!

Assim, obedecendo Jesus faremos discípulos. Discípulos reunidos formam uma


célula. Quanto mais discípulos mais células teremos. Quanto mais células tivermos
maior e mais sadia será a congregação.

Discipulado, mais que um curso.

Parte Prática

Discipulado, células, culto, CTL, TADEL. Nossas prioridades.

A princípio, a intensão é organizar todos em discipulado, preferencialmente


dentro das células. Então, começar um treinamento uma vez por semana (CTL) e uma
reunião de líderes uma vez ao mês (TADEL). Depois que a primeira turma concluir o
CTL, poderemos ter o TADEL semanalmente.

O que é o CTL: Um curso de preparação para o ministério cristão: Módulo I –


Princípios Básicos da Fé. Módulo II – Discipulado e Células. Posteriormente poderemos
organizar outros módulos.

O que é o TADEL: Reunião de líderes, líderes em treinamento e interessados


para um ministério sólido, poderoso e em constante reciclagem pessoal.

Sobre o discipulado: Discípulo corra atrás de seu discipulador! Como diz o


ditado: “Quem não chora não mama”. Perceba que Jesus tinha seus queridinhos, Pedro,
Tiago e João. Por quê? Porque eles o acompanhavam o tempo todo! Corriam atrás dele
muito mais do que os outros! Novos convertidos e ovelhas machucadas nós até demos
um desconto, mas ovelhas sadias devem andas atrás do pastor! Discípulos devem buscar
se colocar debaixo dos cuidados de seus discipuladores. Devem buscar estar com eles.
Bois são tocados, ovelhas são conduzidas.

Agora é hora de uma decisão: Contentarmos em vir aos cultos na


esperança de talvez sermos salvos ou obedecer a palavra e trabalhar arduamente na obra
na certeza de que o Senhor é fiel e o que nos ensinou é o melhor para nós?

Cristal-RS, meados de 2011.