Você está na página 1de 43

Estrutura da Matéria

Dados do Professor
Professor : Marcelo Pires
Formação: Bacharelado em Física
Área de Pesquisa: Física Teórica
E-mail: marcelo.pires@ufabc.edu.br
Sala: Bloco B; 1050
Fone: 4996 0198
Estrutura da Matéria

Conteúdo da Disciplina
1) Forças fundamentais e macro/micro
2) Hipótese Atômica
3) Evidência do elétron
4) Modelos Atômicos
5) Dualidade Onda-Partícula
6) Átomo de hidrogênio
7) Tabela Periódica
8) Ligações Química
9) Formação de Estrutura e Materiais
Estrutura da Matéria

Site do Curso

As informações sobre a disciplina estarão no site:

https://sites.google.com/site/bc01022011/
Estrutura da Matéria

Bibliografia
Na primeira parte do curso indicarei a bibliografia
do tema, além de estarem nas notas de aula
dos diversos professores.

Na segunda adotaremos o livro do Atkins,


Pricípios de Química
Estrutura da Matéria

Avaliação

Os alunos serão avaliados pela média de duas


provas, uma contendo os temas de 1 – 5 e a
segunda de 1 – 9

A sub será permitida somente para quem se


ausentou das datas das prova com justificação
Estrutura da Matéria

O conceito será dado pela média das provas


seguindo a tabela
Conceito Intervalo de notas
A 10,0-8,5
B 8,4-7,0
C 6,9-5,0
D 4,9-4,0
F 3,9-0,0
Estrutura da Matéria

Datas importantes
Turmas C G
Prova 1
Prova 2
Prova Sub
Estrutura da Matéria

O que é matéria?

Tudo que pertence ao mundo material.


E o que não pertence não é matéria

Exemplo:
Mundo Material Não material
Exemplos Mesa, giz, o Amor, alma,
professor anjos
Matéria

Como diferenciar o mundo material do mundo


não material?

Vamos dizer, por enquanto, que o mundo material


é tudo que passa pelos nossos sentidos.
Matéria

Sendo assim, a pedra


no outro lado da lua
não pode pertencer
ao mundo material
pois jamais a
tocaremos.

A pedra no
Lado escuro
Da Lua
Matéria

Necessitamos de uma definição mais geral e


precisa sobre o que é matéria, que tal:

Matéria é tudo aquilo que compõe os objetos

E objetos é tudo aquilo que tem uma extensão no


espaço e, portanto, um volume no espaço
Matéria

Dessa forma colocamos a pedra na Lua na


condição de objeto pois ocupa uma extensão e
seu conteúdo é bem definido como matéria.
Quantificação da extensão
Podemos quantificar a extensão da matéria
associando o volume a uma grandeza
mensurável proporcional a uma medida padrão
de volume.
Aceita-se, como padrão de medida de extensão o
metro como sendo o comprimento do trajeto
percorrido pela luz no vácuo, durante um
intervalo de tempo de 1/299 792 458 de
segundo.
Um padrão para o volume é um cubo com 1
metro de lado, seu volume é de 1m³.
Outros padrões

O metro foi definido como padrão em quase todos


o países (exceto EUA, Libéria e Mianmar) e faz
parte do Sistema Internacional de Medidas.

Existem outros padrões de medida de


comprimento que não o metro, segue
exemplos:
Jarda Pés Côvado
Metro 0,9144 0,3048 0,3333
Sistema Internacional de Medidas
Outros padrões de volume

Existe outros padrões ou unidades de volume:

litro galão sho


m³ 0,001 0,0038 0,0018
Dificuldades de expressar

Vemos na tabela de padrões de volume, uma


certa dificuldade de representar certos volumes
em m³, ex. Escreva 0,0034l em m³

Por razões práticas, mútiplos e submútiplos das


unidades fundamentais e suas derivadas têm
sido introduzido na forma de potências inteiras
de dez.
Prefixação das unidades
Mútiplos do metro:
yottametro (Ym): 1024 metros
zettametro (Zm): 1021 metros
exametro (Em): 1018 metros
petametro (Pm): 1015 metros
terametro (Tm): 1012 metros
gigametro (Gm): 109 metros
megametro (Mm): 106 metros
quilômetro (km): 103 metros
hectômetro (hm): 102 metros
decâmetro (dam): 10 metros
Prefixação das unidades
Submúltiplos do metro:
decímetro (dm): 10-1 metros.
centímetro (cm): 10-2 metros.
milímetro (mm): 10-3 metros.
micrômetro (µm): 10-6 metros.
nanômetro (nm): 10-9 metros.
picômetro (pm): 10-12 metros.
femtômetro (fm): 10-15 metros.
attômetro (am): 10-18 metros.
zeptômetro (zm): 10-21 metros.
yoctômetro (ym): 10-24 metros.
Interações

Observamos que todos os objetos interagem com


outros objetos.

As interações age como:

1) contato (ex. A mão interage com a mesa


quando colocamos ela sobre a mesa)
2) ação à longas distâncias (ex. Ao soltarmos
uma chave ela cai ao chão devido a interação
dela com a Terra)
Interações

Observamos a interação através da força que


outros objetos agem sobre o objeto em
questão.

Caso não haja interação de outros objetos, pela


1ª lei de Newton esse objeto seguiria em
velocidade constante.
Interações

Newton mostrou com a 2ª lei que o objeto altera


sua velocidade caso um outro objeto esteja
exercendo uma força sobre ele.

Essa variação de velocidade com o tempo,


também conhecida por aceleração do objeto.
A 2ª lei diz que a força que o objeto sofre é
proporcional à aceleração,
Massa inercial

Essa constante de proporcionalidade chamamos


de massa inercial, ou simplesmente, massa do
objeto.

Dessa forma, a matéria que compõe o objeto tem


volume e tem massa.
Medida de massa

A observação mais direta da massa de um objeto


é a interação dele com a Terra.

Essa interação, como veremos, faz com que o


objeto caia com uma aceleração devido a força
que a Terra exerce no objeto.
Balança
Podemos conter a queda
do objeto utilizando de
um objeto que exerce
uma força contrária
para cessar o
movimento acelerado.
Chamamos esse
objeto de balança.

Eventualmente esse
objeto pode ter sua
extensão alterada
devido a essa
interação.
Medida da balança
Ao medir essa
deformação podemos
inferir uma
proporcionalidade da
massa do objeto que
provocou a
deformação.

Se dois objetos
deformarem do
mesmo modo a
balança, diremos que
eles tem massas
iguais.
Unidade de massa
Define-se no sistema internacional o padrão de
medida de massa o kilograma.

Esse padrão é um cilindro eqüilátero de 0,039m


de altura por 0,039m de diâmetro composto por
irídio e platina que está localizado no Escritório
Internacional de Pesos e Medidas na cidade de
Sèvres, França desde 1889.
Outros padrões de massa

Existe outros padrões ou unidades de massa:

libra arroba kinn


kg 0,4535924 15 0,6
Interações Fundamentais

Existe três tipos de interações fundamentais:


1) interação gravitaciomal
2) interação eletromagnética
3) interação nuclear
Interação gravitacional

A interação gravitacional de
dois objetos com suas
respectivas massas
inerciais, se dá por uma
força atrativa, chamada de
gravitacional, proporcional
ao produto das massas
inerciais uma constante
gravitacional universal,G e
inversamente proporcional
ao quadrado da distância
entre os dois objetos.
Interação gravitacional
Esta força é de longo alcance
sendo seus efeitos observado em
objetos distantes a milhares de
milhares de quilômetros.
Interação eletromagnética
Desde os tempos bíblicos
notaram-se que dois objetos,
quando friccionados, podem
produzir uma interação
atrativa ou repulsiva. No
século XVII, Coloumb
determinou que essa força é
inversamente proporcional
ao quadrado da distância,
proporcional a uma
constante universal, k , e ao
produto da chamada carga
elétrica que caracteriza a
matéria de cada um dos
objetos.
Interação eltromagnética

Alguns objetos metálicos apresentavam uma


interação atrativa ou repulsiva de natureza
diferente da força elétrica determinada por
Coloumb, a essa interação chamou-se de
magnética por se tratar de magnetos (ímã em
grego). Foi com a astúcia de Michael Faraday e
o espírito analítico de James Clark Maxwell,
que pudemos afirmar a igualdade da natureza
dessas duas forças.
Interações eletromagnéticas
Essa força é de curto alcance e pode ser
observada no dia-a-dia como força de atrito,
força normal, além de está presente a nossa
volta. É devido a ela que o caderno é um
caderno, a cadeira é uma cadeira e nós somos
o que somos.
Interações nucleares
Não podemos explicar alguns fenômenos
utilizando tão somente as forças gravitacionais
e eletromagnéticas que atuam em alguns
objetos como exemplo nossa estrela, o Sol,
bem como não há explicação possível partindo
das forças gravitacionais e eletromagnéticas a
transmutação de alguns materiais.
Interações nucleares

Essas interações de curtíssimo alcance ocorrem


dentro da menor parte da matéria, o núcleo, e é
responsável pela existência de diferentes
substâncias.
Análise dimensional

Existem grandezas de natureza muito variada,


como, por exemplo, força, pressão, carga
elétrica, energia, potência etc.
Análise dimensional

A natureza de uma grandeza é também


denominada de dimensão, e há uma simbologia
para expressar a dimensão de uma grandeza.
Para dimensões de:
Comprimento = [L]
Tempo = [T]
Massa = [M]
Análise dimensional

A análise dimensional consiste na averiguação de


que uma dada equação seja dimensionalmente
homogênea

Como exemplo temos a força

F=m.a
Análise dimensional

Como exemplo temos a força cuja unidade é o


newton (N). Qual a dimensão da força?

Da 2ª lei temos

F=m.a
Análise dimensional
Como a dimensão da aceleração é a de
velocidade por tempo

a=[v]/[T]
E como velocidade é
v=[L]/[T]
Temos
a=[L]/[T]²
E
F=[M][L]/[T]²
Unidade para a força

Dado que a unidade de massa é kg, a de tempo é


s e a de comprimento é de m, temos

1N=1kg.m/s²
Atividades para próxima aula

1) Faça para o trabalho o que foi feito para a


força

2) Determine as unidades da constante G

3) Ler as sessões 1.1 e 1.2 postadas no site