Você está na página 1de 7

Magne Amade Camafunana

Síntese da historia da Educação em Moçambique

Licenciatura em Ensino Básico com Habilitação em Supervisão e Inspecção Pedagógica da


Escola Básica

Universidade Púnguè
Extensão de Tete
2021
Magne Amade Camafunana

Licenciatura em Ensino Básico com Habilitação em Supervisão e Inspecção Pedagógica da


Escola Básica
4º Ano

Trabalho a ser apresentado no departamento


de Ciências da Educação e Psicologia na
Cadeira de Politicas Publicas da Educação.

Docente: Dr: Malua Adany

Universidade Púnguè
Extensão de Tete
2021
A historia da Educação em Moçambique

A e d u c a ç ã o e m M o ç a m b i q u e n ã o t e v e s e m p r e a s
c o n s i d e r a n d o a i n d e p e n d ê n c i a n a c i o n a l e m 1 9 7 5 c
caracterização da educação em Moçambique, pode ser dividida em do
períodos:

 A educação antes da independência;


 A educação pôs-independência;

A educação antes da independência

A historia da educação em Moçambique, antes da independência, pode ser dividida


em duas etapas:

 A educação no período colonial (1845-1974);


 A educação no governo de transição;

A educação no período colonial (1845-1974)

A e d u c a ç ã o n e s t e p e r í o d o f o i c a r a c t e r i z a d
c r is ti a ni z a ç ão , fo i p er í od o em qu e s u rg i u a pr i me i r a re g ul a me n t aç ã o do e n s i no n as
colônias período da monarquia em Portugal, a 12 de abril de 1842, a 14 de agosto do
mesmo ano foi estabelecido um decreto que diferenciava, o ensino nas colônias na
metrópole, e criava as escolas publicas nas colônias em 194
primeira providencia legal para a organização da instrução primaria no ul
português, depois de 1854 foram criadas por decreto as primeiras escolas primarias
na Ilha de Moçambique, Quelimane, Sena, Tete, Inhambane e Lourenço marques, a
30 de novembro de 1869, foi formado no ensino um trabalho onde decr
ensino primário obrigatório dividido em dois graus com duas classes cada em que as
escolas sob tutela das missões católicas.

Em 1912, foi criada em Lourenço marques, a primeira e


Moçambique, com dois subsistemas de ensino do sistema de educação colonial. Um
dos maiores marcos da educação colonial é vigência de dois subsistemas de ensino
n o m e a d a m ee nn st ie n, o o fp i ac ri aa l o s f i l h o s d o s c o l o n o s o u a s s
e n s i n o r u d i m- e pn at ra ar o s c h a mi an dd oí sg e n oa ss , n a t i v o s . N e s t e s e n t i d o
sistema de ensino em Moçambique era de dois tipos, corr
concepções de educação uma para os indígenas e a outra para a educação da elit
p a r a o c o l o n i z a d o r e o a s s i m i l a d eon. sOi n o o f i c i adle s t i n a v a - s e a t r a n s m i s s ã o d e
valores e padrões aristocráticos o ensino para indígenas era para o povo colonizado
que praticamente estava reduzido apenas aprender a ler e escrever e a domesticação.

O ensino estava estruturado basicamente para acomodar os interesses do


preparar os indivíduos para desempenhar as funções sócias, distintas da sociedad
dai que se caracterizava, por:

Caracter discriminatório

 Estabelecimento de dois tipos de educação, um destinado a população negra e


d i r i g i d o p e l a s m i s s õ e s , e o u t r o r e s e r v a d o a s
assimilados, confiado ao estado e as instituições privadas.
 L i m i ta ç ã o de i n gr e s s o na es co l as p ri m ar i a o fi c ia l e no s n í ve i s s up er i or e s d e
escolarização.

Caráter urbano rede escolas

 A s e s c o l a s o f i c i a s l o c a l i z a v a m - s e n o s c e n t r o s u
equipadas, enquanto que os postos escolares eram constru
rurais para a maioria da população moçambicana,
 As escolas para indígenas eram mal equipadas.

Unidade entre a religião e o ensino

 A organização, a direção e controlo do ensino para


confiadas aos missionários,
 O processo de assimilação e aculturação dos moçambicanos era sob
feitos através da educação moral crista, católica.
 O ensino da religião e moral católicas eram obrigatório em quase
escolas e níveis de ensino
 A religião católica era religião oficial do estado.

Carácter fictício da escolarização obrigatória

 O u t r o s f a c t o r e s i n i b i d o r e s f o r a m : c a r ê n c i a s f a m i l
n a t u r e z a e c o n ó m i c a ; e l e v a d a s t a x a s d e e s c o l a r i z a
recenseamento escolar; proibição de inscrição e matrícula nas escolas oficiais
de crianças não recenseadas ou não inscritas.

Carácter paternalista

 Complexo de superioridade do branco em relação ao negro era bem patente em


alguns livros de leitura em uso nas escolas primárias para indígenas; A ideia
subjacente consistia em fazer crer que os brancos fizeram enorme bem a
negros e que, estes, por sua vez, eram ociosos, improdutiv
enormes recursos que a sua terra lhes oferece.
 C o m a a s s i n a t u r a d a C o n c o r d a t a e d o E s t a t u t o M i
transferiu para a igreja a sua responsabilidade sobre o ensino ru
c o mp ro m et e n do -s e a da r um a po io f i na nc e i ro à s m
católicas. (A concordata em 1940 e o Estatuto missionário em 1941)
 Enquanto nas zonas rurais os moçambicanos dispunha
m i s s õ e s , o s c e n t r o s a d m i n i s t r a t i v o s d i s p u
particulares para os brancos e assimilados. Era um ensin
evoluído em comparação com o ensino para indígenas.

A educação no governo de transição (1974-1975)

Este período é a consequência dos acontecimentos destacados nos anos anterio


por exemplo a fundação da FRELIMO, em 1962 permitiu o desencadeamento da luta
armada para a libertação nacional na sequencia da qual com os acordos de Lusaka em
1974, condicionaram o surgimento do governo de transição, assim uma das razões
que leva a consideração deste período prende-se com o facto de grande parte
transformações no campo educacional aplicadas a nível nacional teve como origem
as experiências levadas a cabo pela FRELIMO e resultam da visão deste movimento
sobre o modelo de sociedade pretendido e os princípios definid
armada.

A FRELIMO implementou um tipo de escola ligada ao povo, as su


interesses, a educação realizada nestas escolas é essencialmente politica e ideológica
uma vez que estavam condicionadas pelos, factores que têm a ver com a naturez
revolucionaria da luta conduzida pela FRELIMO.

A educação pós-independencia

Ao longo deste período o sistema educativo, sofreu varias formas que tinham
v i s t a a a de q ua r a f or ma ç ã o do s m o ça m b ic a no s ao s c o n
econômicos e culturais marcados pelo alcance da independência em 197
período destacam-se como principais marcos antes do sistema nacional de educação
o surgimento da lei 4/ 83, da lei 6/92, e até a actualidade.

Antes do sistema nacional de educação, em 1975 a 1982

Neste período registaram os seguintes factos: a nacionalização da educação a 24 de


julho em 1975 e a consequente suspensão de todas formas do sistema de
c olonial português , a proc lama ção do di reito à educaç ão para t odos m oçam bicanos
pela constituição da republica e a consequente massificação do acesso à educação em
todos níveis de ensino. A introdução de um currículo educacional tran
sistema colonial português para o nacional, a criação dos centros de formaçã
professores primários e consequente abolição dos institutos portugueses vocacionada
à formação dos professores. O Surgimento da lei 4/83, a 1983 a 1991.

Em 1983, procedeu-se a introdução de um sistema nacional de educação através da


lei 4/83, em 1990 é introduzida a constituição da republic
reabertura do ensino particular em 1991 e o reajustamento
nacional de educação do surgimento da lei Nº 6/92 até actualidade. A lei 6/92 surgiu
para reajustar a lei 4/83 em 2004 é introduzido um plano curricular do ensino básico
ora em vigor em consequência da reforma do currículo escolar anterior de acord
com o regulamento geral do ensino básico de 2008. Neste período n
educação democrática baseada na aplicação de métodos de aprendizagem centrados
no aluno em função da evolução das ciências da educação.

Você também pode gostar