Você está na página 1de 8

UNIMEP • Universidade Metodista de Piracicaba

EFICIÊNCIA DE UM PROGRAMA PARA


A EDUCAÇÃO E A MOTIVAÇÃO DA
HIGIENE BUCO-DENTAL DIRECIONADO
A EXCEPCIONAIS COM DEFICIÊNCIA
MENTAL E DISFUNÇÕES MOTORAS
THE EFFICACY OF AN EDUCATIONAL ORAL HYGIENE PROGRAM FOR
MENTALLY AND PHYSICALLY HANDCAPPED PATIENTS
Sandra M. H. C. Ávila de Aguiar Professora assistente doutora de Odontopediatria da Faculdade de
Odontologia de Araçatuba, Unesp

Cíntia Megid Barbieri Cirurgiã-dentista do Centro de Assistência Odontológica a Excepcio-


nais da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp

Liliane P. Almeida Louzada Cirurgiã-dentista do Centro de Assistência Odontológica a Excepcio-


nais da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp

Tathiana Eyko Saito Aluna de graduação em Odontologia da Faculdade de Odontologia de


Araçatuba, Unesp

RESUMO
No presente trabalho, avalia-se a eficiência de um programa
para promover a educação e a motivação da higiene buco-dental
direcionado a excepcionais portadores de disfunções motoras e
deficiência mental internados e assistidos em uma entidade
assistencial. Infelizmente, por não possuírem habilidades motoras
para a realização de suas atividades da vida diária, esses SUMMARY
indivíduos são totalmente dependentes dos enfermeiros responsá- This study evaluates the efficacy of an oral hygiene program
veis por eles. Portanto, não são capazes de realizar suas based on education and motivation of institutionalized
escovações dentais, atividade a cargo destes profissionais. mentally and physically handcapped subjects. Due to their
A partir desta observação, optou-se pela instituição de um total dependency on aids assistance for developing daily
vol. 12 nos 1 e 2 jan./dez. 2000

programa para a “Educação e Motivação” dos enfermeiros. living activities, the oral hygiene program was targeted to
Os resultados obtidos foram altamente satisfatórios: houve uma the caretakers.
marcante redução dos índices de placa dental nos pacientes, After a few months a significant reduction on the dental
em virtude da assimilação de técnicas mais adequadas para plaque index was verified. This result shows that programs
a realização de suas higienes buco-dentais, e, consequentemente, involving caretakers can be very useful to increase the oral
a aquisição desse hábito como uma rotina saudável e necessária hygiene and promote oral health of institutionalized mentally
para o bem-estar desses indivíduos especiais. and physically handcapped subjects.
UNITERMOS: motivação – assistência odontológica UNITERMS: motivation – dental care for special

16 para excepcionais – deficientes – odontologia pre-


ventiva.
patients – handcapped patients – preventive
dentistry.
FOL • Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP

INTRODUÇÃO rativas avançadas no tratamento de proble-


6
Segundo Grünspun, “excepcional é mas bucais, como a cárie dental e a doença
todo indivíduo, adulto ou criança, que se gengival. No entanto, a maioria da popula-
desvia física, intelectual, social e emocional- ção ainda não percebeu que esses problemas
mente daquilo que é considerado normal podem e devem ser evitados.11 O tratamento
em relação aos padrões de crescimento e preventivo, por meio de informação e de
desenvolvimento, e, por isso, não pode motivação a respeito da importância e da
receber educação regular padronizada, re- necessidade da higiene buco-dental, raspa-
querendo educação especial e instrução gem e polimento dentário, aplicação de
suplementar em serviços adequados para o fluoretos e orientação sobre a dieta alimen-
resto de sua vida”. tar, é uma atitude inteligente, eminentemen-
A incidência de cárie dental e de gengivite te compensadora e muito gratificante, além
é, geralmente, muito elevada neste grupo de de ser mais acessível para as famílias, do
indivíduos. A incapacidade de manter uma ponto de vista financeiro.
higiene bucal adequada e suficiente explica As ações de saúde, tanto educativas quan-
o elevado índice dessas ocorrências. No en- to curativas, visam proporcionar aos grupos
tanto, a esse fator etiológico pode-se acres- humanos o mais elevado grau de saúde,
centar outros, como respiração bucal, ano- permitindo uma melhor qualidade de vida.12
malias de oclusão, dieta cariogênica e efeitos A educação é um instrumento de transforma-
medicamentosos.17 Associado a esses fatores, ção social – e não apenas a educação formal,
o nível socioeconômico e cultural desses mas toda ação educativa que propicie a
indivíduos, geralmente baixo, agrava ainda reformulação de hábitos, a aceitação de no-
mais a situação. vos valores e conceitos, e que estimule a
A saúde bucal dos pacientes especi- criatividade.13 Torna-se necessária, portanto,
ais, inclusive no Brasil, é ainda muito uma mudança no sistema de saúde pública
precária. Vários são os motivos para isso: não apenas para os indivíduos excepcionais,
há poucos centros especializados na assis- mas para toda a população, pois a possibili-
tência desses pacientes; poucos e raros dade de prevenção deve ser considerada como
são os dentistas que se habilitam a fazer o melhor e mais eficaz tratamento que a
o tratamento desses pacientes em seus Odontologia pode oferecer.
consultórios particulares; muitas vezes, as
famílias não possuem condições financei- PROPOSIÇÃO
ras para pagar o tratamento odontológico, É propósito do presente trabalho ava-
visto que uma intervenção curativa/res- liar a eficiência de um programa para a
tauradora ou cirúrgica é bastante onerosa; educação e a motivação para a higiene
e, principalmente, falta de educação, bucal, direcionado a excepcionais com
motivação e interesse das famílias em re- disfunções motoras e deficiência mental,
lação à saúde bucal dessas crianças. Esse internos e assistidos na “Associação de
fato é agravado pela baixa situação Amparo ao Excepcional Ritinha Prates” da
socioeconômica e cultural familiar, que cidade de Araçatuba, São Paulo. Para a
mal consegue comprar alimentos, e, me- realização deste trabalho, contamos inte-
nos ainda, escovas e cremes dentais. gralmente com a boa vontade e a partici-
As necessidades básicas de saúde, soci- pação ativa dos enfermeiros da entidade, e
ais, psicológicas e educacionais das crianças com o apoio e o incentivo da Diretoria e
excepcionais são idênticas às de todas as dos demais profissionais de diversas áreas
crianças e podem ser satisfeitas praticamente que lá trabalham.
vol. 12 nos 1 e 2 jan./dez. 2000

da mesma maneira.16 O cirurgião-dentista,


em seu trabalho diário, deverá ter sensibili-
dade para compreender os problemas psi- MATERIAL E MÉTODOS
cossociais que envolvem o paciente portador Este trabalho teve início em 1996,
de deficiência mental.15 quando havia apenas 40 pacientes inter-
A Odontologia, atualmente, tem dirigi- nos. Inicialmente, foram utilizados 35 pa-
do grande parte dos seus esforços no sentido
de aprimorar técnicas restauradoras e/ou cu-
cientes, já que cinco apresentavam
exodontia total. Durante a realização do 17
UNIMEP • Universidade Metodista de Piracicaba
estudo, dois pacientes vieram a óbito. seguida, pelo ensino das técnicas de
Portanto, dos 40 pacientes da entidade, foi higienização.
possível trabalhar com apenas 33, sem A escovação dental nesses pacientes é
distinção de sexo ou idade. extremamente difícil em virtude da sua in-
Todos os pacientes da “Ritinha Prates” capacidade motora, tanto em relação à aber-
recebem assistência odontológica no Centro tura bucal quanto por apresentarem movi-
de Assistência Odontológica a Excepcionais mentos involuntários. Para ajudá-los a
(CAOE) da Faculdade de Odontologia do realizar uma adequada higienização bucal,
Campus de Araçatuba da Unesp, onde são foi necessário fornecer-lhes alguns recursos
matriculados e assistidos rotineiramente. O auxiliares, como abridores de boca para
“Centrinho”, como é carinhosamente co- manter a abertura bucal, borrifador d’água
nhecido, é pioneiro na assistência a pacientes – que nada mais era que um recipiente de
especiais, e atende atualmente a 4 mil paci- plástico de “spray”, normalmente usado
entes portadores de deficiências mentais, para borrifar água nas plantas ou para
associadas ou não a deficiência física. Essa auxiliar a passar roupas –, um aparelho
assistência é feita gratuitamente por uma sugador portátil elétrico, da Nevoni, e su-
equipe multiprofissional, constituída por mé- gadores plásticos descartáveis. Dentifrícios
dicos, enfermeiros, cirurgiões-dentistas, as- e escovas dentais, a entidade possuía em
sistente social, psicóloga, terapeuta grande quantidade, pois havia recebido uma
ocupacional, fonoaudiólogas, auxiliares recente doação. Esses recursos auxiliares
odontológicos e de enfermagem, o que ga- foram necessários porque os pacientes não
rante aos pacientes um tratamento global e conseguem colaborar, executando gestos
integrado. simples como cuspir e promover a limpeza
No entanto, apesar de os pacientes da cavidade bucal para a remoção da pasta
realizarem rotineiramente tratamentos dental e da saliva do interior da boca. Daí
odontológicos, a cada retorno era observa- a necessidade do borrifador de água e do
da uma inadequada preservação desses cui- sugador portátil.
dados, já que apresentavam elevados índi- No intuito de auxiliar ainda mais a
ces de placa e de cálculo dentais devido à limpeza, instituiu-se a adição de uma solu-
má realização de suas higienes buco-den- ção anti-séptica bucal na água colocada no
tais. Como eles não possuem habilidades borrifador. No caso específico, usou-se uma
motoras para a realização das escovações tampa-medida de Listerine, já que a institui-
dentais, pois são totalmente dependentes, ção havia recebido uma doação de grande
os pacientes necessitam que alguém faça quantidade dessa solução.
por eles essa tarefa tão importante. No caso De acordo com os estudos de De
específico, essa responsabilidade fica a car- Paola,2 o enxágüe bucal com Listerine re-
go dos enfermeiros. A partir dessa observa- duz bastante as bactérias contidas na sa-
ção, optou-se pela instituição de um pro- liva. O Listerine tem como substâncias
grama que visasse a “Educação e Motivação” ativas timol, mentol, eucaliptol e salicilato
desses profissionais. de metila. Essas substâncias possuem acen-
Os trabalhos foram iniciados com pa- tuada ação anti-séptica e antimicrobiana,
lestras educativas, auxiliadas por recursos com amplo espectro de ação sobre as
audiovisuais. Numa segunda etapa, colo- bactérias da placa dental. Estudos clínicos
cou-se em prática os ensinamentos teóri- demonstraram que o uso de Listerine duas
cos e, por meio da evidenciação de placas vezes ao dia, como complemento da higi-
nos dentes dos próprios enfermeiros, foi- ene bucal, foi altamente eficaz na inibição
lhes ensinada a técnica de Bass1 para e na redução da placa dental e de gengi-
vol. 12 nos 1 e 2 jan./dez. 2000

escovação dental e uso do fio dental, pro- vites.2; 9 Nas regiões dentais mais propensas
curando motivá-los para a necessidade, a a um elevado acúmulo de placa, Listerine
oportunidade e a importância da higiene mostrou ser altamente eficaz na redução
buco-dental. do índice de gengivites.3
Numa terceira fase, todos os passos Para a coleta dos dados referentes aos
acima foram executados nos pacientes, ini- pacientes, foi elaborada uma ficha clínica
18 ciando-se pela evidenciação de placas e, em (fig. 1).
Figura 1.
FOL • Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP

NOME: ....................................................................................................................................
IDADE: ............... SEXO(M/F): .......... PRONTUÁRIO: ..............................................
INSTITUIÇÃO: .......................................................................................................................
DEFICIÊNCIA: INTELECTUAL(S/N): ............
MOTORA(S/N): ...........
ESCOVAÇÃO: .......... 1. Dependente; 2. Independente; 3. Com auxílio.
NECESSITA DE ABRIDOR DE BOCA: ........... (S/N)
REFLEXO DE VÔMITO: ........... (S/N)
MEDICAMENTOS: ................................................................................................................
.................................................................................................................................................
ALIMENTAÇÃO: ..... 1. Líquida; 2. Pastosa; 3. Normal.
NÍVEIS DE PLACA ...... Inicial ...... 1 ano

1 2 3 4
Dentes Ant. Sup. ......... .........
Dentes Ant. Inf. ......... .........
Dentes Post. Sup. Esq. ......... .........
Dentes Post. Sup. Dir. ......... .........
Dentes Post. Inf. Esq. ......... .........
Dentes Post. Inf. Dir. ......... .........

Os dados referentes aos níveis de placa CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E


foram anotados de acordo com o Índice de CÓDIGOS USADOS NO IHOS:
Higiene Oral Simplificado (IHOS) criado por CRITÉRIOS PARA PLACA CÓDIGO
Greene & Vermillion.5 Este índice foi adotado
por ser de fácil utilização, principalmente em Inexistência de placa 0
se tratando de pacientes excepcionais. E, ainda, Placa cobrindo não mais de
por permitir que, na ausência de algum ele- 1/3 da superfície dental 1
mento dental, ele ser substituído por um
Placa cobrindo mais de 1/3 da
adjacente segundo Saliba et al.,14 que fizeram superfície dental, mas não mais
algumas adaptações no índice para facilitar de 2/3 da superfície dental 2
ainda mais a sua utilização. Placa cobrindo mais de 2/3
O Índice de Higiene Oral Simplificado da superfície dental 3
(IHOS) tem larga aplicação em vários luga-
res do mundo por ser relativamente prático
e de rápida execução. O índice tem por Para facilitar a coleta de dados, os den-
objetivo expressar quantitativamente a lim- tes dos 33 pacientes foram agrupados em
peza bucal, baseada em critério claramente seis grupos dentais de cada paciente,
definido, simples e objetivo. É considerado totalizando 198 grupos dentais, como se
vol. 12 nos 1 e 2 jan./dez. 2000

útil quando estuda-se a epidemiologia das segue:


doenças periodontais e do cálculo dentário, 1. Grupo dos dentes anteriores superiores
pretende-se determinar a eficiência da (de canino a canino);
escovação dos dentes, avaliar as práticas de 2. Grupo dos dentes anteriores inferiores
higiene dentária de uma população e os (de canino a canino);
efeitos imediatos ou mediatos dos programas 3. Grupo dos dentes posteriores superio-
de educação sanitária odontológica utiliza-
dos para esta finalidade.4
res esquerdos (do 1.o pré-molar ao 2.o
molar); 19
UNIMEP • Universidade Metodista de Piracicaba
4. Grupo dos dentes posteriores superiores da higiene bucal. Inicialmente, 30 dias de-
direitos l (do 1.o pré- molar ao 2.o molar); pois do começo do trabalho. Em seguida,
5. Grupo dos dentes posteriores inferiores com intervalos de 60 e 90 dias, e, finalmente,
esquerdos (do 1.o pré-molar ao 2.o molar); um ano após.
6. Grupo dos dentes posteriores inferiores Completado um ano, foi realizada uma
direitos (do 1.o pré-molar ao 2.o molar). nova evidenciação de placa nos dentes dos
A primeira evidenciação de placa nos pacientes, seguindo o mesmo padrão anteri-
pacientes foi feita em junho de 1997, com ormente descrito para tornar possível a aná-
fucsina básica a 2% aplicada com auxílio de lise comparativa dos resultados e averiguar a
cotonetes embebidos nesta solução e eficiência ou não do programa. Os resultados
esfregada sobre toda a superfície dos dentes. foram surpreendentes: os níveis de placa di-
Durante todo o ano foi realizado, periodica- minuíram sensivelmente, como mostram as
mente, o trabalho de orientação e motivação tabelas 1, 2, 3 e 4 e os gráficos 1, 2, 3 e 4.

RESULTADOS
TABELA 1. GRUPOS DENTAIS E RESPECTIVOS ÍNDICES DE PLACA – TABELA 3. GRUPOS DENTAIS E RESPECTIVOS ÍNDICES DE PLACA – 1
INICIAL. ANO APÓS.

GRUPOS DENTAIS ÍNDICES DE PLACA – INICIAL GRUPOS DENTAIS ÍNDICES DE PLACA – 1 ANO APÓS
0 1 2 3 0 1 2 3 Eixo Total
Ant. Sup. 0 5 19 9 Ant. Sup. 14 12 6 0 1
Ant. Inf. 0 3 10 20 Ant. Inf. 10 14 8 0 1
Post. Sup. Esq. 0 0 9 24 Post. Sup. Esq. 7 19 6 0 1
Post. Sup. Dir. 0 1 10 22 Post. Sup. Dir. 7 19 6 0 1
Post. Inf. Esq. 0 0 12 21 Post. Inf. Esq. 8 20 4 0 1
Post. Inf. Dir. 0 0 11 22 Post. Inf. Dir. 7 20 5 0 1
TOTAL 0 9 71 118 TOTAL 53 104 35 0 6

TABELA 2. PERCENTUAL DOS GRUPOS DENTAIS E RESPECTIVOS ÍNDICES TABELA 4. PERCENTUAL DOS GRUPOS DENTAIS E RESPECTIVOS ÍNDICES
DE PLACA – INICIAL. DE PLACA – 1 ANO APÓS.

GRUPOS DENTAIS % ÍNDICES DE PLACA INICIAL GRUPOS DENTAIS % ÍNDICES DE PLACA – 1 ANO APÓS
0 1 2 3 0 1 2 3 Eixo Total
Ant. Sup. 0 2,5 9,6 4,5 Ant. Sup. 7 6,1 3 0 0,5
Ant. Inf. 0 1,5 5,1 10,1 Ant. Inf. 5,5 7 4 0 0,5
Post. Sup. Esq. 0 0 4,5 12,2 Post. Sup. Esq. 3,5 9,6 3 0 0,5
Post. Sup. Dir. 0 0,5 5,1 11,1 Post. Sup. Dir. 3,5 9,6 3 0 0,5
Post. Inf. Esq. 0 0 6,1 10,6 Post. Inf. Esq. 4 10,1 2 0 0,5
vol. 12 nos 1 e 2 jan./dez. 2000

Post. Inf. Dir. 0 0 5,5 11,1 Post. Inf. Dir. 3,5 10,1 2,5 0 0,5
TOTAL 0 4,5 35,9 59,6 TOTAL 27 52,5 17,5 0 3

20
FOL • Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP

GRÁFICO 1.GRUPOS DENTAIS E RESPECTIVOS ÍNDICES DE GRÁFICO 2.P ERCENTUAL DOS GRUPOS DENTAIS E
PLACA – INICIAL. RESPECTIVOS ÍNDICES DE PLACA – INICIAL.

GRÁFICO 3.GRUPOS DENTAIS E RESPECTIVOS ÍNDICES DE GRÁFICO 4.PERCENTUAL DOS GRUPOS DENTAIS E RESPECTIVOS
PLACA – 1 ANO APÓS. ÍNDICES DE PLACA – 1 ANO APÓS.

20 10
18 9
16 8
14 7
12 6
10 5
8 4
6 3
4 2
2 1
0 0
ant. sup ant. inf. post. sup. post. sup. post. inf. post. inf. ant. sup ant. inf. post. sup. post. sup. post. inf. post. inf.
esq. dir. esq. dir. esq. dir. esq. dir.
Índice 0 Índice 1 Índice 2 Índice 3 exo total Índice 0 Índice 1 Índice 2 Índice 3 exo total

DISCUSSÃO na cama e/ou possuem distúrbios motores


De acordo com os dados colhidos e os que dificultam a deglutição e os movimentos
resultados obtidos, na evidenciação inicial de normais da língua e músculos peribucais,
placas observou-se um predomínio do índice deve-se manter constante vigilância e limpe-
3 nos grupos dentais. A única exceção foi o za, pois pode haver um acúmulo maior de
grupo dos dentes anteriores superiores, cujo alimentos na cavidade bucal, que deve ser
índice predominante foi o 2 (tab. 1 e 2; gráf. removido pelos responsáveis.
1 e 2). No grupo dos dentes anteriores superi-
Esses resultados, muito provavelmente, ores, houve uma predominância do índice 2.
devem-se às condições dos pacientes. Por Isso provavelmente se deve ao fato de esta
apresentarem deficiência mental e disfunção região ser a de mais fácil acesso para a
vol. 12 nos 1 e 2 jan./dez. 2000

motora, eles se tornam dependentes para a higienização dos pacientes. Como eles apre-
realização de atividades da vida diária, como sentam dificuldade de abertura bucal, o
a escovação dental e a alimentação. Na acesso às demais áreas é bastante complica-
maioria das vezes, a consistência de sua do, o que justificou a introdução de recursos
alimentação é pastosa ou líquida, o que auxiliares para a manutenção da abertura.
contribui para o acúmulo de placas nas Após a coleta inicial de dados, foram
superfícies dentais. Portanto, no caso dos
pacientes que permanecem constantemente
intensificados os trabalhos de educação e de
motivação para a higienização bucal dos 21
UNIMEP • Universidade Metodista de Piracicaba
pacientes. Durante o ano, os cirurgiões-den- Evidentemente, o trabalho de educa-
tistas do CAOE que realizam tratamentos ção e motivação para a higienização buco-
odontológicos nos pacientes observaram re- dental é árduo, mas deve ser realizado de
sultados positivos e animadores. uma maneira efetiva e contínua. Principal-
Um ano após a implantação do progra- mente como um reforço positivo aos hábi-
ma, os resultados foram surpreendentes e tos de higiene e à aceitação de novos con-
muito gratificantes. De acordo com as tabe- ceitos para a aquisição e a manutenção da
las 3 e 4 e os gráficos 3 e 4, pode-se observar saúde bucal, que proporciona ao indivíduo
que, feita a evidenciação de placas, houve bem-estar físico, mental e social, tornando-
um predomínio do índice de placa 1 nos o mais saudável.
grupos dos dentes posteriores superiores e Trabalhos similares a este devem ser
inferiores. Alguns chegaram até mesmo a incentivados pelos órgãos oficiais e apoiados
apresentar o índice 0, seguidos de outros, em pelo empresariado e pela sociedade civil
menor proporção, com o índice 2. Em ne- organizada. O investimento é relativamente
nhum caso houve o índice de placa 3. pequeno e o retorno altamente satisfatório,
Infelizmente, obteve-se um insucesso: beneficiando uma clientela carente que não
foi necessária a realização da exodontia total é capaz de expressar o seu desconforto e
em um dos pacientes, que apresentava ele- sofre calada com esta situação. Boa vontade
mentos dentais em péssimas condições, in- e idealismo sempre existiram e existirão, mas
clusive com várias fraturas coronárias. Como fazem-se necessárias ferramentas para torná-
o paciente era muito nervoso e agitado, los exeqüíveis.
dificultando a realização de seu tratamento
odontológico, optou-se pela exodontia total.
No grupo dos dentes anteriores inferi-
CONCLUSÕES
ores também houve predominância do índi- Em concordância com os resultados
ce 1, seguido pelo índice 0, e, em alguns obtidos neste trabalho, podemos concluir que:
casos, o índice 2. Já no grupo dos dentes 1. O programa de educação e motivação da
anteriores superiores, ocorreu predomínio higiene buco-dental para os excepcionais
do índice 0, seguido do índice 1, e, em foi efetivo, mas deve ser contínuo, bus-
menor proporção, do índice 2 (tab. 3 e 4; cando resultados ainda melhores;
gráf. 3 e 4). 2. A remoção mecânica da placa dentária por
Esses resultados foram considerados po- meio da escovação dental associada ao
sitivos, pois os índices de placas dos vários anti-séptico bucal Listerine foi eficaz.
grupos dentais diminuíram visivelmente,
embora a placa dental não tenha sido total- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
mente eliminada. Mas, segundo Johnson e 1. BASS, C.C. An effective method of personal oral hygiene,
London,7 o objetivo principal da higiene bu- part. II. J. Louisiana St. Med. Soc., v. 106, p. 100, 1954.
cal é saber controlar a placa, e não eliminá- In: CARRANZA, F.A. Periodontia Clínica de Glickman.
la, uma vez que é uma forma de defesa 5.a ed. Rio de Janeiro: Interamericana, cap. 43, pp. 651-
681, 1983.
natural contra microorganismos exógenos 2. DE PAOLA, L.G. Chemoterapeutic inhibition of
que podem ser perigosos. No entanto, supragingival plaque and gingivitis development. J. Dent.
Loesche8 afirmava que a remoção mecânica Res., v. 65, p. 274 (abstract 941), 1986.
da placa é um procedimento antimicrobiano 3. GORDON, J.M.; LAMSTER, I.B. & SEIGER, M.C.
Efficacy of Listerine antiseptic in inhibiting the
bem sucedido e conceitualmente válido development of plaque and gingivitis. J. Clin. Perio., v.
quando praticado com rigor. 12, pp. 697-704, 1985.
Embora a higienização bucal consiga 4. GREENE, J.C. & VERMILLION, J.R. The oral hygiene
reduzir a placa dentária, geralmente ela não index: a method for classifying oral hygiene status. J.
vol. 12 nos 1 e 2 jan./dez. 2000

Amer. Dent. Assoc., v. 61, pp. 172-179, 1960.


é suficiente para eliminar a fermentação de 5. GREENE, J.C. & VERMILLION, J.R. The simplified
restos de placa localizados em lugares ina- oral hygiene index. J. Am. Dent. Assoc., v. 68, pp.
cessíveis à escovação ou à limpeza do fio 7-13, 1964.
dental. Portanto, a associação de soluções 6. GRÜNSPUN, H. Distúrbios Psiquiátricos da Criança. 3.a ed.
Rio de Janeiro: Ateneu, 625p., 1985.
anti-sépticas é de grande valia como 7. JOHNSON, N.W. & LONDON, U.K. Hygiene and health:
complementação da higiene buco-dental,
22
the value of antiplaque agents in promoting oral health.
principalmente sob a forma de bochechos.10 Int. Dent. Jour. v. 43, pp. 375-386, 1993.
FOL • Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP

8. LOESCHE, W.J. Chemotherapy of dental plaque infeccions. 13. RESENDE, A.L.M. Saúde Dialética do Pensar e do Fazer.
Oral Sciences Review, v. 9, pp. 65-107, 1976. São Paulo: Cortez Editora, 159p. 1986.
9. LAMSTER, I.B. Inovation non-traditional approaches to 14. SALIBA, N.A.; TUMANG, A.J. & SALIBA, O. Estudio
the support of research activities in dental schools: comparado del índice de higiene oral simplificado. Bol.
commentary and discussion summary. J. Dent. Educ., v. de la Oficina Sanitária Panamericana, pp. 115-120, ago.
45, pp. 286-288, 1983. 1974.
10. PINHEIRO, C.E. Efeito da associação cloreto de 15. SEDLACEK, P.; LUCIANO, R.R.; AGUIAR, S.A.;
cetilpiridínio-fluoreto de sódio na fermentação e na TEFI-MARCONDES, W.A. & MELO, L.M. Aspectos
síntese de polissacarídeos extracelulares insolúveis da psicossociais na assistência odontológica ambulatorial ao
placa dentária “in vitro”. R. B. O., v. 48, n. 1, pp. portador de deficiência mental. Rev. Inst. Ciênc. Saúde,
18-20, 1991. v. 14, n. 2, pp. 65-70, jul./dez. 1996.
11. PINTO, V.G. Saúde Bucal. Odontologia Social e Preventiva. 16. TELFORD, C.W. & SAWREY, J.M. O Indivíduo Excep-
3.a ed. São Paulo: Santos Editora, 415p., 1992. cional. 5.a ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 658p., 1988.
12. PRETY, P.C. & PRETTO, S.M. Educação e motivação 17. TOLEDO, O.A . Odontopediatria: Fundamentos para a
em saúde pública. In: Promoção de saúde bucal prática clínica. Atendimento odontológico para pacientes
(ABOPREV). Artes Médicas, cap. 15, pp. 365-370, especiais. Médica Panamericana, cap. 13. pp. 221-240,
1997. 1986.

Recebimento: 09/jun./00
Aprovação: 3/out./00

vol. 12 nos 1 e 2 jan./dez. 2000

23

Você também pode gostar