Você está na página 1de 6

Manual do Contador - Seu site de consultas rápidas

Page 1 of 6

do Contador - Seu site de consultas rápidas Page 1 of 6 Olá lucianamonsores, seja bem
do Contador - Seu site de consultas rápidas Page 1 of 6 Olá lucianamonsores, seja bem
do Contador - Seu site de consultas rápidas Page 1 of 6 Olá lucianamonsores, seja bem

Olá lucianamonsores, seja bem vindo

-

Sair

Comprar Créditos

Cadastro Liberado até: 05/03/2011

Principal | Técnico Responsável | Honrarias Oficiais | CRC fala ao GAB | Orientações | Legislações | Indique este site | Fale Conosco

http://www.manualdocontador.com.br/Conteudo/2635/2739

font_colorblueBaixa_de_Bens

A

02/03/2011

Manual do Contador - Seu site de consultas rápidas

Page 2 of 6

h) baixar na contabilidade e no controle do Ativo Imobilizado adotado o valor

apurado na letra ?g?, bem como os acréscimos posteriores a 01-01-1996.

BENS OU DIREITOS ADQUIRIDOS DE 01-02-1989 A 31-01-1991

O custo a ser baixado corresponderá ao resultado das seguintes operações:

a) identificar o valor original e a época de aquisição do bem a ser baixado,

inclusive os acréscimos ao custo e reavaliações posteriores;

b) converter o valor para BTN Fiscal através de sua divisão pelo valor do BTN

Fiscal do dia de aquisição ou acréscimo;

c) multiplicar a quantidade de BTNF determinada na letra ?b? pelo BTNF de

01-02-1991 (Cr$ 126,8621);

d) converter o valor apurado na letra ?c? em quantidade de FAP, mediante a

sua divisão pelo FAP de janeiro/1991 (Cr$ 126,8621);

e) multiplicar a quantidade de FAP obtida na letra ?d? pelo FAP de Cr$ 597,06

(FAP de dezembro/1991);

f) converter em UFIR DIÁRIA o valor apurado na letra ?e?, dividindo-o pela

UFIR do dia 2-1-1992 (Cr$ 597,06);

g) multiplicar a quantidade de UFIR apurada na letra ?f? pelo valor de R$

0,8287 (UFIR vigente em 1-1-1996);

h) baixar, na contabilidade e no controle do Ativo Imobilizado adotado, o valor

apurado na letra ?g? bem como os acréscimos posteriores a 1-1-1996.

CORREÇÃO COMPLEMENTAR PELO IPC/90

No caso de bens e direitos adquiridos até 31-12-1990, também deve ser baixado o valor da correção complementar pela diferença entre o IPC e o BTNF em 1990, procedida de acordo com o artigo 3º da Lei 8.200/91.

Nesse caso, para determinar o valor a ser baixado, procede-se do seguinte modo:

a) determina-se o valor que serviu de base à correção complementar, que

corresponderá:

? ao valor corrigido até 31-12-1989, no caso de bens adquiridos até aquela data. A quantidade de BTNF correspondente ao bem baixado deve ser multiplicada por NCz$ 10,9518 (BTNF de 31-12-1989);

? ao valor original em cruzeiros do custo de aquisição, no caso de bens adquiridos no período de apuração de 1990;

b) multiplica-se o valor obtido em ?a? pelo índice do IPC correspondente:

? a 31-12-1989, ou seja, 18,9472, se o bem foi adquirido até 31-12-1989;

? ao mês da aquisição ou acréscimo, no caso de bens adquiridos ou acrescidos em 1990. Os coeficientes do IPC são os seguintes:

MÊS Coeficiente

dezembro-89

18,9472

janeiro-90

18,9472

fevereiro-90

12,1371

março-90

7,0246

abril-90

3,8111

maio-90

2,6320

junho-90

2,4400

julho-90

2,2273

agosto-90

1,9725

setembro-90

1,7607

outubro-90

1,5615

novembro-90

1,3673

dezembro-90

1,1830

c) multiplica-se a quantidade de BTNF do bem a ser baixado, bem como dos

respectivos acréscimos ou reavaliações, pelo BTNF de 31-12-1990 (Cr$

103,5081);

d) o valor determinado na forma da letra ?b? deve ser diminuído do valor

corrigido até 31-12-1990 (letra ?c?);

http://www.manualdocontador.com.br/Conteudo/2635/2739

font_colorblueBaixa_de_Bens

A

02/03/2011

Manual do Contador - Seu site de consultas rápidas

Page 3 of 6

f) a quantidade de BTNF obtida em ?e? deve ser multiplicada por Cr$ 126,8621

(BTNF de 1-2-91) e convertida em quantidade de Fator de Atualização Patrimonial - FAP, com base no valor de Cr$ 126,8621 (FAP de 1-2-1991);

g) o

dezembro/1991 (Cr$ 597,06);

?f?

valor

obtido

em

deve

ser

multiplicado

pelo

FAP

do

mês

de

h) o valor obtido em ?g? deve ser convertido pela UFIR de 02-01-1992 (Cr$

597,06);

i) o valor em quantidade de UFIR apurado na letra ?h? será multiplicado por

R$ 0,8287 (UFIR vigente em 1-1-1996), obtendo-se assim o valor da correção complementar pelo IPC/90, a ser acrescido ao custo de aquisição, para efeito de apuração do ganho ou perda de capital.

BENS OU DIREITOS ADQUIRIDOS A PARTIR DE 01-01-1992 ATÉ 31-08-1994

Os valores adquiridos a partir de 01-01-1992 e até 31-08-1994 devem ser baixados do seguinte modo:

a) converter o valor adquirido ou acrescido pela UFIR do dia da aquisição ou

do acréscimo;

b) multiplicar a quantidade de UFIR apurada na letra ?a? pelo valor de R$

0,8287 (UFIR vigente em 1-1-1996);

c) baixar, na contabilidade e no controle do Ativo Imobilizado adotado, o valor

apurado na letra ?b?, bem como os acréscimos posteriores a 01-01-1996.

BENS OU DIREITOS ADQUIRIDOS A PARTIR DE 01-09-1994 ATÉ 31-12-1994

Os valores adquiridos a partir de 01-09-1994 até 31-12-1994 devem ser baixados do seguinte modo:

a) converter o valor adquirido ou acrescido pela UFIR do mês da aquisição ou

acréscimo;

b) multiplicar a quantidade de UFIR apurada na letra ?a? pelo valor de R$

0,8287 (UFIR vigente em 1-1-1996);

c) baixar, na contabilidade e no controle do Ativo Imobilizado adotado, o valor

apurado na letra ?b?, bem como os acréscimos posteriores a 01-01-1996.

BENS OU DIREITOS ADQUIRIDOS DE 01-01-1995 A 31-12-1995

Os

maneira:

valores

adquiridos

nesse

período

devem

ser

baixados

da

seguinte

a) converter o valor adquirido ou acrescido pela UFIR do trimestre da

aquisição ou do acréscimo;

b) multiplicar a quantidade de UFIR apurada na letra ?a? pelo valor de R$

0,8287 (UFIR vigente em 1-1-1996);

c) baixar, na contabilidade e no controle do Ativo Imobilizado adotado, o valor

apurado na letra ?b?, bem como os acréscimos posteriores a 1-1-1996.

CORREÇÃO ESPECIAL DO ATIVO PERMANENTE

A Lei 8.200/91, em seu artigo 2º, facultou às empresas corrigir monetariamente

os bens do seu Ativo Permanente, com base em índice à sua escolha, que refletisse, em nível nacional, variação geral de preços.

Se a empresa efetuou a correção especial do artigo 2º da Lei 8.200/91 sobre o bem a ser baixado, deve determinar o valor dessa correção, a fim de proceder

à sua baixa.

A dificuldade para baixa dessa correção especial somente existirá se houve

correção de diversos bens e não se procedeu ao registro individualizado.

Nesse caso, deve proceder do seguinte modo:

a) determinar o valor que serviu de base à correção especial;

b) aplicar sobre o valor da letra ?a? o índice de variação escolhido pela

empresa;

c) dividir o valor determinado em ?b? por Cr$ 126,8621, convertendo-o em

quantidade de FAP;

d) multiplicar a quantidade de FAP por Cr$ 597,06 (FAP de dezembro/1991);

e) converter, em quantidade de UFIR, o valor obtido na letra ?d?, mediante a

sua divisão por Cr$ 597,06 (UFIR de 2-1-1992);

f) multiplicar a quantidade de UFIR obtida em ?e? pelo valor de R$ 0,8287

(UFIR vigente em 1-1-1996);

g) baixar na contabilidade e no controle do Ativo Imobilizado adotado, o valor

apurado na letra ?f?;

h) o valor corrigido até 31-12-1995 será acrescido ao custo de aquisição do

bem a ser baixado para apuração do ganho ou perda de capital.

http://www.manualdocontador.com.br/Conteudo/2635/2739

font_colorblueBaixa_de_Bens

A

02/03/2011

Manual do Contador - Seu site de consultas rápidas

Page 4 of 6

ocorreu a baixa.

No entanto, cabe observar que a baixa de bens do Ativo Permanente, que foram objeto da correção especial do Art. 2º da Lei 8.200/91, implica a realização da Reserva Especial constituída em 31-1-91, ainda que ela já tenha sido incorporada ao Capital Social.

BAIXA DOS ENCARGOS DE DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO

ACUMULADOS

BENS OU DIREITOS ADQUIRIDOS ATÉ 31-12-1995

O valor da depreciação, amortização ou exaustão acumulada, a ser baixado no

Razão Auxiliar e na contabilidade, deve ser determinado do seguinte modo:

a) determinar a percentagem total do encargo acumulado até o último

balanço. Para tanto, devem ser tomadas por base a taxa do encargo e a época da aquisição e dos acréscimos ao custo, assim como as reavaliações do bem

a ser baixado;

b) aplicar a percentagem mencionada sobre o valor em UFIR do bem a ser

baixado;

c) proceder à baixa do encargo na escrituração e no controle do Ativo

Imobilizado adotado, do valor correspondente à multiplicação do valor em UFIR, determinado de acordo com a letra ?b? deste subitem, pelo valor de R$ 0,8287 (UFIR vigente em 1-1-1996), bem como do valor dos encargos apropriados a partir de 1-1-1996.

CORREÇÃO COMPLEMENTAR PELO IPC/90 ? LEI 8.200/91, Art. 3º

No caso de bens adquiridos até 1990, também será necessário baixar a correção complementar pela diferença entre o BTNF e o IPC em 1990, referente ao encargo de depreciação, amortização ou exaustão porventura registrado.

O valor da correção complementar do encargo, corrigido até 31-12-1995, será

determinado como segue:

a) determinar o valor em quantidade de UFIR da correção complementar do

IPC/90, relativa ao bem a ser baixado.

b) a percentagem total do encargo acumulado, deve ser aplicada sobre o valor

em UFIR da correção complementar do bem a ser baixado;

c) proceder à baixa do encargo na escrituração e no controle do Ativo

Imobilizado adotado.

CORREÇÃO ESPECIAL DO ATIVO PERMANENTE

Se houve contabilização da correção especial prevista no 2º da Lei 8.200/91 sobre o bem do Ativo Permanente que está sendo baixado, deve realizar as seguintes operações:

a) determinar o valor, em quantidade de UFIR, da correção especial relativa ao

bem a ser baixado;

b) a percentagem total do encargo acumulado deve ser aplicada sobre o valor

em UFIR da correção especial relativa ao bem a ser baixado;

c) multiplicar a quantidade de UFIR obtida na forma da letra ?b? pelo valor de

R$ 0,8287 (UFIR vigente em 1-1-1996);

d) proceder à baixa do encargo na escrituração e no controle do Ativo

Imobilizado adotado, no valor correspondente ao apurado na letra ?c?, bem como aos encargos apropriados a partir de 1-1-1996;

e) realizar a Reserva Especial constituída no Patrimônio Líquido na mesma

proporção dos encargos baixados.

BENS ADQUIRIDOS A PARTIR DE 01-01-1996

Para a baixa dos encargos acumulados referentes aos bens adquiridos a partir de 01-01-1996 serão observados os seguintes procedimentos:

a) determinar a percentagem total do encargo acumulado até o balanço

anterior;

b) aplicar a percentagem mencionada na letra ?a? sobre o custo de aquisição

do bem a ser baixado;

c) proceder à baixa do encargo acumulado na escrituração contábil.

Exemplo 1:

Empresa enquadrada no lucro real anual em 2003 aliena um bem de seu ativo permanente, contabilizado em móveis e utensílios.

? Valor original de aquisição: CR$ 4.000.000,00;

? Data da aquisição: 18-04-1994;

? Valor da venda: R$ 1.000,00;

? Data da venda: 10-09-2003;

? Data do último balanço: 31-12-2002;

http://www.manualdocontador.com.br/Conteudo/2635/2739

font_colorblueBaixa_de_Bens

A

02/03/2011

Manual do Contador - Seu site de consultas rápidas

Page 5 of 6

Passo 1 ? DETERMINAÇÃO DO CUSTO CORRIGIDO DO BEM

Custo corrigido:

Valor da aquisição: CR$ 4.000.000,00 UFIR da data de aquisição: CR$ 633,23 Valor original convertido em UFIR:

CR$ 4.000.000,00 dividido por CR$ 633,23 = 6.316,8201 UFIR Valor corrigido em 31-12-1995: 6.316,8201 UFIR x R$ 0,8287 = R$ 5.234,75

Passo 2 ? DETERMINAÇÃO DOS ENCARGOS DE DEPRECIAÇÃO ACUMULADOS ATÉ 31-12-2002:

Ano e Taxa de Depreciação do Período (%)

1994

7,500

1995

10,00

1996

10,00

1997

10,00

1998

10,00

1999

10,00

2000

10,00

2001

10,00

2002

10,00

Total

87,50

Percentagem total da depreciação sobre o custo de aquisição: 6.316,8201 UFIR x 87,50% = 5.527,2176 UFIR Valor dos encargos de depreciação acumulados, corrigidos até 31-12-1995:

5.527,2176 UFIR x R$ 0,8287 = R$ 4.580,41

Passo 3 ? RESUMO DOS SALDOS DO BEM EM 31-12-2002:

MÓVEIS E UTENSÍLIOS R$ 5.234,75

DEPRECIAÇÃO ACUMULADA/MÓVEIS E UTENSÍLIOS R$ 4.580,41

Passo 4 ? CONTABILIZAÇÃO DA BAIXA:

Pelo recebimento do valor da venda:

D

? Caixa/Bancos Conta Movimento (Disponibilidades)

C

? Ganhos ou Perdas de Capital (Resultado Não Operacional)

R$ 1.000,00

Pela baixa do valor contábil do bem:

D

? Ganhos ou Perdas de Capital (Resultado Não Operacional)

C

? Móveis e Utensílios (Imobilizado ? Ativo Permanente)

R$ 5.234,75

Pela baixa da depreciação acumulada do bem:

D ? Depreciação Acumulada de Móveis e Utensílios (Imobilizado - Ativo

Permanente)

C ? Ganhos ou Perdas de Capital (Resultado Não Operacional)

R$ 4.580,41

Resumo para fins de apuração do ganho/perda de capital:

Valor da Venda R$ 1.000,00 Menos: custo corrigido do bem R$ 5.234,75 Mais: depreciação do bem R$ 4.580,41 Igual a: ganho ou perda de capital: R$ 345,66 (ganho de capital).

Exemplo 2:

Empresa enquadrada no lucro real que apura balancetes mensais de suspensão e redução do imposto em 2003 que aliena o seguinte equipamento:

? Valor original de aquisição: R$ 15.000,00;

? Data de aquisição: 05-11-1996;

? Valor da venda: R$ 2.000,00;

? Data da venda: 15-04-2003;

? Apropriação dos encargos: mensal

? Taxa anual de depreciação: 10%;

? Não houve acréscimos ao custo original do equipamento.

Passo 1 ? DETERMINAÇÃO DOS ENCARGOS ACUMULADOS SOBRE O VALOR DO BEM EM 31-03-2003 (último balancete levantado antes da baixa):

Ano e Taxa de Depreciação do Período (%)

Ano 1996

1,67

Ano 1997

10,00

Ano 1998

10,00

Ano 1999

10,00

Ano 2000

10,00

Ano 2001

10,00

Ano 2002

10,00

Janeiro a Março/2003

2,50

Total

64,17

Valor dos encargos de depreciação acumulados: R$ 15.000,00 x 64,17% = R$

http://www.manualdocontador.com.br/Conteudo/2635/2739

font_colorblueBaixa_de_Bens

A

02/03/2011

Manual do Contador - Seu site de consultas rápidas

Page 6 of 6

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS R$ 15.000,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA/ MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS R$ 9.625,50

Passo 3 - CONTABILIZAÇÃO DA BAIXA:

Pelo recebimento do valor da venda:

D

? Caixa/Bancos Conta Movimento (Disponibilidades)

C

? Ganhos ou Perdas de Capital (Resultado Não Operacional)

R$ 2.000,00

Pela baixa do valor contábil do bem:

D

? Ganhos ou Perdas de Capital (Resultado Não Operacional)

C

? Máquinas e Equipamentos (Imobilizado ? Ativo Permanente)

R$ 15.000,00

Pela baixa da depreciação acumulada do bem:

D ?

Permanente)

C ? Ganhos ou Perdas de Capital (Resultado Não Operacional)

R$ 9.625,50

Depreciação

Acumulada

-

Móveis

e

Utensílios

(Imobilizado

-

Ativo

Resumo para fins de apuração do ganho/perda de capital:

Valor da Venda R$ 2.000,00 Menos: custo do bem R$ 15.000,00 Mais: depreciação do bem R$ 9.625,50 Igual a: ganho ou perda de capital: R$ 3.374,50 (perda de capital).

Data de postagem:

Barreto

Seu amigo contabilista

 

Voltar ao topo

Mapa do Site

Orientações Legislações Calcule seu I.R.

Doutrinas Lei do Cheque Banco Central

Links Sugeridos Códigos Diversos Marcas / Patentes

Consulta Telefone

Assuntos Contábeis Eventos / Fotos Notícias

Modelos de Contratos Junta Comercial

Cursos e Palestras Cadastre-se agora

Visitas desde 12/2002

Seja Solidário

3122668

Vídeos

 

Principal | Técnico Responsável | Downloads | Honrarias Oficiais | CRC fala ao GAB | Indique este site | Fale Conosco

http://www.manualdocontador.com.br/Conteudo/2635/2739

font_colorblueBaixa_de_Bens

A

este site | Fale Conosco http://www.manualdocontador.com.br/Conteudo/2635/2739 font_colorblueBaixa_de_Bens A 02/03/2011

02/03/2011