DIAGNÓSTICO SOBRE PRAIAS ARENOSAS

Coordenadores: A. Cecília Z. Amaral1 Eloisa H. Morgado do Amaral1 Fosca P. Pereira Leite1 Norton M. Gianuca2
1

Departamento de Zoologia, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, CP 6109, 13083-970, Campinas, SP – Brasil. E-mail: ceamaral@unicamp.br 2 Departamento de Oceanografia, Fundação Universidade Federal do Rio Grande – FURG, CP 474, 96201-900, Rio Grande, RS – Brasil. E-mail: docngian@super.furg.br

INTRODUÇÃO As praias constituem sistemas dinâmicos, onde elementos básicos como ventos, água e areia interagem, resultando em processos hidrodinâmicos e deposicionais complexos (Brown & McLachlan, 1990), e compreendem uma porção subaérea (supra e mediolitoral) e outra subaquática que inclui a zona de arrebentação e se estende até a base orbital das ondas (Wright & Short, 1983). A dinâmica costeira, que condiciona a construção geomorfológica da linha da costa, é a principal responsável pelo desenvolvimento das praias arenosas e pelos processos de erosão e deposição que as mantêm em constante alteração. A morfologia dos perfis praiais em uma determinada região é função do nível energético das ondas, uma vez que essa energia é liberada nas zonas costeiras. Neste sentido, quanto ao grau de exposição, as praias podem ser identificadas desde muito expostas a muito protegidas, sendo a variabilidade física resultante da combinação de parâmetros básicos como característica das ondas e granulometria do sedimento (McLachlan, 1980). Destes dependem a morfologia do fundo, o padrão de circulação e a dinâmica de correntes (Villwock, 1987). De acordo com o grau de intensidade destes fatores, as praias podem ser classificadas quanto à morfodinâmica em dois estados extremos, dissipativos e refletivos, e quatro intermediários (Short & Wright, 1983). Conhecimentos complementares podem ser obtidos em Calliari & Klein (1993), Bentes et al. (1997) e Hoefel (1998). Vários motivos justificam o marcado interesse pelo conhecimento da fauna de praias. Muitas espécies têm importância econômica direta, como é o caso dos crustáceos e moluscos utilizados na alimentação humana ou como isca para pesca, a estes somados os poliquetas, que também constituem rica fonte de alimento para alguns organismos, principalmente peixes, crustáceos e aves (Amaral et al., 1994). Além disso, diversos estudos têm demonstrado a relevância da utilização de comunidades bentônicas na avaliação da qualidade ambiental. A heterogeneidade ambiental, responsável pela distribuição diferencial de populações bentônicas, possui um importante componente temporal, com padrões localizados de sucessão associados com as alterações provocadas pelas propriedades do sedimento e da água intersticial que, juntamente com a disponibilidade de alimento, são considerados determinantes da estrutura espaço-temporal da macrofauna (Probert, 1984). A diversidade ou abundância de espécies estão diretamente relacionadas com fatores associados à morfodinâmica, como inclinação da praia e tamanho das partículas do sedimento. Quase sempre, quanto maior o tamanho do grão, mais íngreme o perfil da praia (Villwock, 1994). Quanto maior o diâmetro do grão e a declividade, menor a diversidade e a abundância específica (McLachlan, 1983). A macrofauna da zona entremarés de praias pode ser caracterizada como uma comunidade com baixa diversidade, reduzida riqueza e elevada dominância numérica de poucas espécies, quando comparada com a de regiões submersas. A fauna de praias é composta por animais permanentes, normalmente com distribuição agregada que, conforme o modo de vida, compõem a epifauna (epipsamon ou epipsamose) e a infauna (endopsamon ou endopsamose) e, com relação ao tamanho, a macrofauna, meiofauna e microfauna. Além dessa categoria, devem ser incluídos organismos que visitam temporariamente a praia e/ou dela dependem como essencial fonte de alimento. A macrofauna está representada pela maioria dos grupos taxonômicos como Cnidaria, Turbellaria, Nemertinea, Nematoda, Annelida, Mollusca, Echiura, Sipuncula, Crustacea, Pycnogonida, Brachiopoda, Echinodermata e Hemichordata. Entre estes, os numericamente mais importantes são Polychaeta, Mollusca e Crustacea (Brown & McLachlan, 1990).

ESTADO DO CONHECIMENTO Após o trabalho pioneiro realizado por Dansereau (1947) sobre a macrofauna de praias do estado do Rio de Janeiro, alguns estudos foram efetuados entre as décadas de 60 e 70 em outros pontos do litoral brasileiro, e a partir de então vários trabalhos foram realizados. No entanto, o conhecimento atual da macrofauna bentônica de praias da costa brasileira é ainda insatisfatório. Desta forma, o propósito deste trabalho é fornecer uma caracterização geral das diferentes regiões e uma síntese sobre a fauna de invertebrados comumente encontrada em praias brasileiras. As informações e os dados aqui contidos foram obtidos da literatura pertinente relacionada na bibliografia, bem como nas coletâneas publicadas por Amaral et al., 1996; Lana et al., 1996; Amaral & Morgado, 1999. Importante ressaltar que, devido à escassez de dados e à dominância de estuários em algumas regiões, foram também incluídas informações sobre a fauna destes ambientes, embora suas características morfodinâmicas, sedimentológicas e outras, não permitam que sejam considerados como praias arenosas no sentido clássico do termo. CARACTERIZAÇÃO DA COSTA BRASILEIRA E DA FAUNA DE PRAIAS Os padrões biogeográficos básicos da costa brasileira referidos por Kempf (1970) reúnem: Zona Tropical delimitada ao norte pela influência terrígena do Rio Amazonas e ao Sul pela isoterma de 20oC, onde podem ocorrer corais hermatípicos e pradarias de fanerógamas; Zona Equatorial e uma Zona Subtropical ao sul. Silveira (1964), com base em critérios oceanográficos, climáticos e continentais dividiu a costa brasileira em cinco setores: norte, nordeste, leste, sudeste e sul. Devido às dificuldades para a obtenção de dados precisos sobre a ocorrência das espécies mencionadas na literatura consultada, optou-se por utilizar os limites estabelecidos por Silveira para os setores norte e, em parte, para o nordeste, mantendo-se para os demais as clássicas divisões regionais brasileiras: Norte - Amapá, Pará e Maranhão; Nordeste - do Maranhão à Bahia; Sudeste - Espirito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo; Sul - Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul (Tabela I - IV). A costa norte e nordeste recebe ondas geradas pelos ventos alísios de NE, enquanto que a costa leste, sudeste e sul é submetida à ação das ondas provenientes de SE geradas pelos ventos da tempestuosa zona subpolar do Atlântico Sul. Com relação às marés, a costa norte e parte da nordeste tem regime de macromarés (amplitude > 4 m), parte da nordeste e leste exibem mesomarés (entre 2-4 m) e a costa sudeste e sul possue micromarés (< 2 m) (Villwock, 1994). Como será apresentado a seguir, estes fatores são decisivos na caracterização das regiões e da biodiversidade faunística. Norte - Litoral Amazônico ou Equatorial O setor norte, que se estende do Cabo Orange (AP) até a Baía de São Marcos (MA) apresenta relevo suave, onde se desenvolvem extensas planícies de maré lamosas e arenolamosas dominadas por manguezais de grande envergadura. A ocorrência de cordões litorâneos arenosos sugere a ação eventual de grandes tempestades que erodem e retrabalham a parte mais interna dessas planícies, constituindo praias arenosas recobertas por deposição lamosa. O trecho mais próximo à Baía de São Marcos é extremamente afetado pela imensa contribuição do sistema Rio Amazonas e de outros rios de grande porte, responsáveis pelos inúmeros estuários controlados pelas altas marés e pelas numerosas reentrâncias maranhenses.

A fauna das praias dessa região é quase que totalmente desconhecida. Os poucos estudos encontrados constam de relatórios, resumos e tese (Ferreira, 1989) sobre estuários e de um artigo de Costa & Mello (1983) sobre moluscos. O poliqueta Namalycastis abiuma é uma das espécies conhecidas para essa região. Nordeste A região nordeste aqui considerada corresponde ao trecho Baía de São Marcos (MA) à Baía de Todos os Santos (BA) e aquela inserida no setor leste, que se estende da Baía de Todos os Santos a Cabo Frio (RJ). A plataforma continental estreita e rasa da costa nordeste, com largura variando de 15 a 75 km e profundidade máxima de 70m, é quase que totalmente recoberta por sedimentos biogênicos carbonáticos (areias e cascalhos, consistindo principalmente de algas calcárias). A parte semi-árida que se estende até o Cabo do Calcanhar (RN) é marcada pela presença de pequenos rios onde se desenvolvem planícies costeiras com sistemas de lagunas e estuários, e manguezais instalados em suas margens. As barreiras arenosas mostram cristas de praias quase sempre remobilizadas pelos fortes e persistentes ventos de NE, responsáveis pelos gigantescos campos de dunas. A costa Nordeste Oriental ou Barreiras caracteriza-se pela presença de falésias e franjas de recifes de arenitos de praia incrustados por algas calcárias, briozoários e corais. Por uma extensa região, estas construções recifais protegem a costa da elevada energia das ondas, criando praias abrigadas e piscinas naturais. As lagunas e estuários desse trecho do litoral também são ocupados por manguezais e cristas de praias remobilizadas por ventos SE com a formação de campos de dunas. As construções recifais são inibidas na região mais ao sul pelos sedimentos em suspensão, provenientes do Rio São Francisco. No setor Leste, persistem as mesmas condições descritas para a Costa Nordeste Oriental (Villwock, 1994). A região litorânea do nordeste foi estudada de forma bem menos abrangente que a da plataforma. Entre os poucos estudos efetuados, a grande maioria dos resultados sobre a fauna de regiões estuarinas e praias está reunida em relatórios, monografias e resumos, com exceção de um considerável número de informações contidas em Kempf (1970) e artigos publicados por Coelho e colaboradores, principalmente sobre crustáceos. Estudos recentes foram efetuados na região do Golfão Maranhense por Lopes (1997), em praia composta por areia fina, onde a diversidade é baixa. Nematoda foi o grupo mais abundante e os poliquetas Nephtys squamosa e Glycera longipines as espécies mais abundantes. Em áreas localizadas entre os recifes internos e a praia, o fundo é lamoso e a fauna de invertebrados pouco variada (Kempf, 1970), sendo marcante a presença de bivalves (Nuculana acuta, Anadara chemnitzi, Mactra janeiroensis e Mulinia guadelupensis), além de poliquetas, ofiuróides e gorgônias. A fauna vágil está melhor representada pelas espécies de camarões Xiphopenaeus kroyeri, Penaeus setiferus, P. aztecus e pelo siri Callinectes ornatus. As informações obtidas através de resumos e do trabalho de Coelho & Ramos-Porto (1980) sobre a fauna bentônica de fundos moles, incluindo praias e estuários de Sergipe até Rio Grande do Norte, permitem fazer uma melhor caracterização da região. A fauna adaptada à vida terrestre que ocupa o supralitoral é caracterizada por espécies de caranguejos Cardisoma guanhumi, Goniopsis cruentata, Ocypode quadrata, Sesarma angustipes, S. rectum, Uca maracoani, U. rapax e Ucides cordatus. A zona entremarés abriga uma fauna mais diversificada, que inclui antozoários Sphenotrochus auritus; poliquetas Capitella capitata, Diopatra cuprea, D. viridis, Eunice cariboea, Glycinde multidens, Laeonereis acuta, Owenia fusiformis e Sigambra grubei; moluscos como Anomalocardia brasiliana, Bulla striata, Cerithium atratum, Hastula cinerea, Iphigenia brasiliana, Laevicardium laevigatum, Lucina pectinata, Macoma constricta, Mytella falcata, Neritina virginea, Protothaca pectorina, Tagelus plebeius, Tellina lineata,

Tivela mactroides e Trachicardium muricatum; crustáceos Alpheus heterochaelis, Callichirus major, Callinectes danae, C. larvatus, Claripdopsis dubia, Clibanarius sp., Calappa ocellata, Excirolana braziliensis, Hexapanopeus angustifrons, H. schmitti, Orchestia platensis, Pachygrapsus transversus, Panopeus hartii, P. occidentalis, Petrolisthes armatus, Pinnixa patagoniensis e Upogebia omissa; e o equinodermata Mellita quinquiesperforata. Sudeste O litoral sudeste é marcado pela Serra do Mar, cujas escarpas rochosas do complexo cristalino granito-gnáissico frequentemente chegam até o mar, delimitando pequenas baías algumas das quais preenchidas por sedimentos marinhos quaternários de textura fina (Suguio & Martin, 1987). Nesse trecho da costa, promontórios rochosos se alternam com reentrâncias marcadas pelos principais vales fluviais, onde ocorrem pequenas planícies costeiras, praias arenosas, dunas e algumas barreiras arenosas que isolam lagoas costeiras de pequeno porte. A elevação da Serra do Mar é também responsável por outra importante característica da região sudeste, a maioria dos rios flui para o interior do continente e não para o mar (Villwock, 1987). As praias do litoral sul paulista constituem-se de extensas faixas arenosas paralelas à linha da costa, com sedimentos de granulação fina, homogênea e baixa declividade, o que as caracteriza como do tipo dissipativo. Ao norte de Santos, a proximidade da Serra do Mar à costa induz a presença de limitadas planícies e grande recorte da linha da costa, onde ocorrem inúmeras praias protegidas localizadas dentro de baías e canais. A maior parte do conhecimento taxonômico e ecológico da macrofauna de praias da região sudeste brasileira concentra-se nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. A taxonomia, distribuição e variabilidade sazonal do macrobentos da zona entremarés de praias do Canal de São Sebastião, litoral norte de São Paulo, são mais conhecidas (Amaral et al., 1990, 1994, 1995; Morgado et al., 1990, 1994; Shimizu, 1991; Lopes, 1993; Belúcio, 1995; Pardo, 1995; Reis, 1995; Salvador, 1995; Denadai, 1997; Omena & Amaral, 1997; Rodrigues e Shimizu, 1997; Nucci, 1998; Rizzo, 1998; Abrahão & Amaral, 1999; Denadai & Amaral, 1999; Arruda, 2000; Pardo, 2000; Rizzo & Amaral, 2000; Salvador, 2000; Steiner, 2000; Steiner & Amaral, 2000; Denadai et al., prelo; Nucci & Melo, prelo). Há também estudos isolados realizados na Baixada Santista (Monteiro, 1980; Rodrigues, 1983, Corbisier,1991), no sistema lagunar Iguape-Cananéia (Varoli, 1988; Varoli & Souza, 1990) e no litoral de Ubatuba (Amaral, 1979; Lopes, 1983; Amaral et al., 1987 entre outros). Mais recentemente, intensificaram-se estudos sobre biologia populacional, produção secundária de espécies dominantes e padrões de distribuição das associações faunísticas (Irving, 1991; Cardoso, 1993; Leite, 1995; Veloso et al., 1995, 1997a,b; Cardoso & Veloso, 1996; Leite & Leite, 1997; Shimizu, 1997; Omena, 1998; Omena & Amaral, 2000). Com base em informações contidas nestes trabalhos, destacam-se como espécies dominantes no supralitoral os caranguejos Ocypode quadrata, o anfípode Pseudorchestoidea brasiliensis e os coleópteros Bledius bonariensis, P. testacea (=Phaleria brasiliensis), além de espécies típicas de ambientes estuarinos, Aratus pisonii, Chasmagnathus granulata, Goniopsis cruentata, Panopeus herbstii, Sesarma angustipes, Uca maracoani, U. mordax, U. rapax e Ucides cordatus. O mediolitoral é ocupado principalmente pelos poliquetas Armandia agilis, Capitella capitata, Cirriformia tentaculata, Diopatra cuprea, Glycinde multidens, Hemipodus olivieri, Heteromastus filiformis, Isolda pulchella, Laeonereis acuta, Notomastus lobatus, Owenia fusiformis e Sigambra grubei; pelos moluscos Anomalocardia brasiliana, Cerithium atratum, Donax hanleyanus, Hastula cinerea, Lucina pectinata, Macoma constricta, Nassarius vibex, Neritina virginea, Olivella minuta, Tagelus plebeius e Tivela mactroides; pelos crustáceos Arenaeus cribarius, Callichirus major, Callinectes danae, Emerita brasiliensis, Excirolana armata, E.

por cerca de 90 km. 1997. onde um sistema de barreiras arenosas múltiplas aprisiona um gigantesco sistema lagunar (Laguna dos Patos e Lagoa Mirim) e uma série de outros corpos d’água isolados ou interligados com o mar por canais estreitos e rasos. entre outros. Barros. Fazem parte dos sistemas estuarinos extensas áreas cobertas principalmente por manguezais. é habitado principalmente por crustáceos Metasesarma rubripes.braziliensis. 1987. com praias expostas à ação de ondas de média a elevada energia. urceus. Souza. 1978. Pinheiros e Guaratuba. Souza & Gianuca. 1991. 1985. com largura entre 175 e 190 km. Do Cabo de Santa Marta a Tramandaí. Glycinde multidens. 1995. Borzone et al. retilínea e arenosa. hanleyenus. Orchestoidea brasiliensis e coleópteros Bledius bonariensis. Isolda pulchella. Os sedimentos costeiros pertencem a dois tipos de sistemas. Orchestoidea brasiliensis. além de dinâmica populacional e produção secundária de algumas espécies em especial nos estados do Rio Grande do Sul e Paraná. Laranjeiras. O. O. Borzone. D. Olivella formicacorsi. Euzonus furcifera. T. 1994. Terebra imitatris. Brazeiro & Defeo. os . Heteromastus similis. Há conhecimentos consistentes sobre a distribuição e a variabilidade natural das associações bentônicas de praias da região sul do País. 1996. 1987). Tivela ventricosa. O litoral entre Cabo de Santa Marta (SC) e Arroio Chuí se caracteriza por uma planície costeira com cerca de 750 km de comprimento. 1983. a planície costeira torna-se estreita e inclui um rosário de pequenas lagoas (Villwock. Penaeus subtillis e Pinnixa patagoniensis. Diopatra cuprea. No mediolitoral constituem os grupos dominantes os poliquetas Capitella capitata. os moluscos: Anomalocardia brasiliana.. Cerithium atratum. salleana. Loyola & Silva et al. Hemipodus olivieri. Gianuca. As praias do Paraná se estendem ao longo de todo o litoral oceânico aberto. Macoma constricta. Orchestia platensis. que se estende do sopé da serra até o oceano. A linha da costa sul brasileira apresenta-se como uma costa aberta. A planície costeira. Olivancillaria auricularia. o de planícies costeiras com cordões litorâneos e o estuarino. Scolelepis squamata. 1991. minuta. com grandes lagos e terrenos alagadiços. com promontórios rochosos em Torres e canais lagunares (Tramandaí. Orchestia platensis. se incluídas as praias dos estuários. Mediomastus californiensis. 1990. sem reentrâncias e irregularidades maiores. 1988. Donax gemmula. vesica. 1997. D. resultando em numerosas ilhas. Santos. B. como dissipativas. Tagelus plebeius. 1986. Ocypode quadrata. O trecho entre Torres e Chuí é constituído por terras baixas e arenosas. A costa do Rio Grande do Sul apresenta configuração praticamente retilínea. microcephalus e Phaleria testacea. O. Hastula cinerea. situadas na região entremarés. Pântanos salgados e grandes campos de dunas ocorrem sobre a barreira arenosa. na maior parte do tempo. Laeonereis acuta. Sul A plataforma continental ao longo da costa do Paraná é bem desenvolvida. Strigilla carnaria. Neocallichirus mirim. Peixe e Patos). e pelo equinodermata Mellita quinquiesperforata. associada à dominância de areias de granulação fina e a uma amplitude de marés insignificante. Esta exposição. Owenia fusiformis. Borzone & Souza. viridis. Lucina pectinata. 1987).. Neritina virginea. Borzone & Gianuca. denominadas planícies de maré que no litoral paranaense ocupam uma extensão de aproximadamente 310 km2. H. Mesodesma mactroides. é profundamente recortada pelos complexos estuarinos de Paranaguá. O supralitoral. faz com que as praias sejam caracterizadas. o que lhe confere um caráter aberto. carcellesi. O. Kalliapseudes schubarti. Sigambra grubei e Spio gaucha (=Scolelepis gaucha). Dispio remanei. 1996. e relevo de topografia suave (Villwock. riosi. onde se destacam os trabalhos de Loyola & Silva. algumas de grande extensão.

São escassas ou mesmo inexistentes para a costa norte e nordeste. sudeste e sul. Cerithium atratum. crustáceos: Callichirus major. Diopatra cuprea. Hastula cinerea. Apesar dos diferentes tipos de ambientes praiais existentes ao longo da costa brasileira. a análise dos dados levantados revela algumas tendências. contidos em relatórios técnicos. Hemipodus olivieri. Laeonereis acuta. referem-se a trabalhos efetivamente desenvolvidos em praias.crustáceos Bathyporeiapus ruffoi. os poliquetas Capitella capitata. onde foram estudadas predominam ambientes protegidos. grande parte dos estudos são restritos a áreas específicas. Kalliapseudes schubarti. característica própria de estuários de regiões tropicais (Carmo et al. Callinectes danae. resumos muitas vezes de eventos regionais. 1994). O mesmo pode ser dito com relação à macrofauna das praias do litoral paulista e paranaense. Neocallichirus mirim. Orchestia platensis. Uca uruguayensis. Lepidopa richmondi. monografias. Excirolana armata. os crustáceos decápodos excedem em muito a importância numérica dos demais grupos. e portanto ainda insuficientes para uma estimativa confiável das densidades populacionais ou mesmo para uma avaliação detalhada da real biodiversidade ao longo da costa brasileira. informações sobre a biologia ou produção da fauna desse ecossistema. Callichirus major. Nestas áreas. Ocypode quadrata. Namalycastes abiuma. já que na maioria estes constituem as únicas fontes de dados disponíveis. com dominância de crustáceos e moluscos. e em ambientes estuarinos. A composição faunística das praias do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul apresentam semelhança devido ao fato dos estudos terem sido desenvolvidos prioritariamente em áreas expostas à ação das ondas. Chasmagnatus granulata. Entretanto. Optou-se pela inclusão de resumos.. Considerando-se as regiões nordeste. As referências para a região nordeste e os estados acima citados são quase que integralmente resultados de estudos realizados em áreas estuarinas. e por vezes de conhecimentos próprios. Macoma constricta. N. CONSIDERAÇÕES GERAIS Um número significativo das informações aqui apresentadas não são dados efetivamente publicados ou são de difícil acesso. As regiões sul-sudeste são as melhores conhecidas. Emerita brasiliensis. moluscos: Anomalocardia brasiliana. Owenia fusiformis. entretanto. de baixa energia com consequente dominância de poliquetas e moluscos. teses ou artigos de divulgação limitada. Pholoxocephalopis zimmeri. Sigambra grubei. Kalliapseudes schubarti. Glycinde multidens. braziliensis. Neritina virginea. Kalliapseudes schubarti. Pinnixa patagoniensis. com exceção de Santa Catarina e Espírito Santo. tanto sob o ponto de vista taxonômico quanto ecológico. Heleobia australis. Nephtys fluvialis. Bowmaneilla brasiliensis. simoni e Nereis fluvialis. Os conhecimentos sobre a taxonomia e a distribuição das associações faunísticas de praias ao longo da costa brasileira são extremamente variáveis. Excirolana braziliensis. Neritina virginea e Tagelus plebeius. E. são citadas na literatura como importantes componentes das associações faunísticas das praias das 3 regiões. Grande parte dos dados disponíveis para a região sulsudeste. A escassez de informações sobre a biologia das espécies de praia deve-se principalmente às dificuldades de se efetuar um monitoramento populacional em um sistema tão dinâmico. A grande maioria destas pesquisas não fornecem. Tholozodium rhombofrontalis e o equinodermata Mellita quinquiesperforata. e o equinodermata Mellita quinquiesperforata. Emerita brasiliensis. em função das condições hidrodinâmicas e sedimentológicas locais. Pinnixa patagoniensis. Lucina pectinata. Metamysidopis elongata. .

o que torna absolutamente impossível realizar estudos e análises comparativas sobre a biodiversidade desses sistemas em diferentes pontos do litoral brasileiro. há aquele lançado ao mar pelos navios e o de origem exógena transportado pelos rios. 1997). associada à implantação de programas de educação ambiental. . O trabalho realizado por este grupo temático revelou que existem inúmeros sistemas de praias e de dunas costeiras para os quais não se dispõe de qualquer inventario faunístico. Não obstante. foi possível identificar e propor vários trechos de praias e dunas considerados de alto interesse para a preservação da integridade e biodiversidade dos ecossistemas litorâneos brasileiros. Com relação à biodiversidade existente no sistema de dunas frontais. Por conseqüência. constatou-se que o maior volume de informações concentra-se nas regiões sul e sudeste com destaque para os estados do Rio Grande do Sul. como por exemplo saneamento básico. pode-se constatar que os conhecimentos disponíveis são ainda mais limitados. a mineração com retirada de areia das praias e dunas. o que tem levado a um sério comprometimento da sua balneabilidade. sendo com freqüência delimitadas na sua parte superior por um sistema de dunas frontais ou costeiras. No que toca às praias propriamente ditas. A partir dai diminuem progressivamente em direção aos estados do nordeste e norte do País. Com exceção de alguns inventários faunísticos e observações ecológicas realizadas nas dunas costeiras do Rio Grande do Sul (Gianuca. torna-se inviável qualquer tentativa de demarcação de áreas nessas regiões de interesse para a preservação da biodiversidade. As informações recolhidas durante a realização do “workshop” revelaram que apesar de sua grande extensão.SÍNTESE As praias arenosas constituem um dos ambientes de maior extensão ao longo de todo o litoral brasileiro. para alguns pontos do litoral nordeste e norte e. e o crescimento explosivo e desordenado do turismo sem qualquer planejamento ambiental e investimentos em infra-estrutura. principalmente daquelas próximas a centros urbanos. 0 problema dos esgotos domésticos e do lixo são bastante sérios e exigem medidas imediatas. Paraná. principalmente. a partir dos estudos conhecidos para as regiões sul e sudeste. Também merecem destaque a crescente especulação imobiliária. Muito ainda falta para que se tenha um adequado conhecimento da fauna e flora de praias e dunas. AMEAÇAS E RECOMENDAÇÕES Praias As praias vem sofrendo uma crescente descaracterizarão em razão da ocupação desordenada e das diferentes formas de efluentes tanto de origem industrial quanto doméstica. Além do lixo de origem local. participantes do workshop. com base em informações pessoais obtidas junto aos pesquisadores dessas regiões. Como medida de proteção recomenda-se portanto o emprego de estratégias de conservação dos habitats. São Paulo e Rio de Janeiro. são poucas as informações existentes para outros estados. são escassos os dados publicados a respeito da biodiversidade desses ecossistemas.

E. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. 3: 237. F.J. (87): 181-190..M.A.J.S.S. LIRA.C. 19: 38-39. J. 18: 511. SP (município de São Sebastião) e a Ilha de São Sebastião (município de Ilhabela) e áreas adjacentes . ABRAHÃO.G. XIX Congresso Brasileiro de Zoologia e XII Congresso Latino-Americano de Zoologia.E..R.. Preliminary laboratorial studies of survival of Tiburonella viscana exposed to Santos sediment. SOUSA. ALBUQUERQUE.R.. & ALMEIDA. Densidade e tamanho de Tagelus plebeius (Bivalvia: Solecurtidae) da costa sul e sudeste do Brasil.F. & IVO.. & AMARAL. III Simpósio sobre Oceanografia ...P. & GENOFRE..N.O. Duas outras propostas de áreas de proteção incluem a Ilha de Itamaracá. 13: 250. Cuiabá. R.. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia.Z. A.C. 1996. B. Aspectos da população de Tagelus plebeius (Lightfoot. São Sebastião.X. São Paulo. J. DUARTE.R. ALBUQUERQUE. em razão do extrativismo desordenado e das crescentes alterações no ambiente. Tamanho. Caraguatatuba. R. Entre as principais justificativas para tal recomendação.Z.PE.T. A. A. Flutuação populacional das espécies de Microcerberus Karaman. compreendendo o Canal de São Sebastião.C. Rio de Janeiro. M.B.. BORBA. D.S. L.H.. XII Simpósio de Biologia Marinha. E. E.R. SP.M. SP. & AMARAL. COUTINHO. papel e alumínio) e o banco da Coroa do Avião área de grande importância para a alimentação de aves residentes e migratórias.. A. PE.. 1933 (Crustacea: Isopoda: Microcerberidea) da fauna intersticial da Praia Vermelha. E. G. ABRAHÃO. V.P. São Sebastião. P. 1986. & AMARAL. Zool.L. MEDEIROS. Atenção especial deve ser direcionada às áreas com maior adensamento demográfico.R. A primeira. ABRAHÃO. N. SP. 1992. podem ser incluídas a elevada diversidade faunística. XIII Simpósio de Biologia Marinha. São Sebastião.F. 1999. 3: 287.R.B.V.R. Diversidade específica de moluscos na região entremarés da Praia da Enseada. R.A. CHAVES. São Paulo. 1786) (Bivlavia) na região entremarés da Praia da Enseada.A. LIMA. 1818) no estuário do Rio Jaboatão . onde as descargas de poluentes podem estar gerando alterações ambientais severas. Psammobiidae) em uma praia arenosa.S. MASTROTI.C. J. 12: 7. MT. 13: 7.C. Sugere-se também a implantação de 4 unidades de proteção ambiental.S.C. ARRUDA. RACHID.M. Estudos preliminares da Ecologia de Iphigenia brasiliana (Lamarck.Z. densidade e distribuição de Tagelus plebeius (Venereide. T. MARTINS. BIBLIOGRAFIA ABESSA. a existência de várias espécies novas e outras ameaçadas de extinção. São Paulo. P. 1997. MANSO. 1996. com alta riqueza biológica devido à ocorrência de vários estuários e sob forte pressão turística e industrial (fábricas de cimento. Brasil. BA. A. & AMARAL..G. Caracterização morfodinâmica preliminar da . J. P. FERREIRA.. 1995. Brasil.Z.devido a inexistência de programas temáticos ou individuais que objetivem o conhecimento da biodiversidade destes ambientes. & DAVID. Moluscos da Baía da Ribeira (Angra dos Reis. TOLDO JR. SP. PEDROZA.. 1998. A.P. ALMEIDA. ABRAHÃO.S. III Simpósio sobre Oceanografia – IOUSP. RJ): Uma proposta para monitoramento dos efeitos do efluente líquido de Angra I.. E. Iheringia. A. 1991. Ser. ABSALÃO. C.A.C. R..IOUSP. Salvador. A.

ABRAHÃO. Baía de Guanabara.R.C. LIMA.P. P.H.M. Anelídeos poliquetos do infralitoral em duas enseadas da região de Ubatuba. 1791) (Mollusca.O. Bolm. Florianópolis.. Itamaracá. . E.Z. & RAMOS-PORTO. AMARAL. Bolm. Bivalvia) na Ilha do Catalão.H.. S. IX Congresso Brasileiro de Zoologia. AMARAL. ALMEIDA. CARVALHO.. A. S. Londrina. A. no litoral norte do Estado de São Paulo. 30(7): 408.H. RJ. SP. AMARAL. L.A. 1978. OMENA. SC. RIZZO. Anelídeos poliquetos do infralitoral em duas enseadas da região de Ubatuba. Paulo 29(1): 69-87. Diversidade e distribuição espacial do macrobentos na Foz da Gamboa do Maciel (Paranaguá . São Sebastião. & COUTO.C. L. São Paulo. A. 10: 3. A.. Mar Del Plata. X Mini-Simpósio de Biologia Marinha. M.V. 1994. RS.. AMARAL.C. PARDO.Ecossistemas Costeiros.Z. 1987. M. SP. 3a Reunião Especial da SBPC .C. SP. A. Ciênc. A. São Paulo. ALMEIDA. T. II. São Paulo.Recife (PE) . oceanogr. & REIS.C.C. 3: 127-128..V. in the north coast of the state of São Paulo. Paulo 29(1): 19-40. 1998.E. AMARAL. E.P. Ecologia e contribuição dos anelídeos poliquetos para a biomassa bêntica da zona das marés. ACIESP. 47(Supl): 141.C.PR)..C.. & COUTO..R. 1: 96-97.. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia. Cult. 1989. PR. SP.Z. NUCCI. II Congresso de Ecologia do Brasil. PE. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar.C. AMARAL. 1996. A. A. Anais Seminários de Biologia Marinha. Inst.Sergipe (Brasil). M. 2: 394. 1979. S. Inst. Bolm.S.W. Londrina..O. Porto Alegre. I Simpósio sobre Oceanografia. AMARAL. oceanogr. AMARAL. & TEIXEIRA.C.G.B. E. A.Z. 1995.C.G. STEINER.M. 19: 30.C. W. 6: 18. 1980. & MORGADO. N.P. E. J. LIMA.Z. S. Supl. SP. Monitoramento de praias arenosas do Canal de São Sebastião. VI Mini-Simpósio de Biologia Marinha. Afinidades da fauna de poliquetos bentônicos do litoral norte do Estado de São Paulo. SP).. HENRIQUES.Z.Brasil. 9: 225226.Z. M. Publ. Aspectos ecológicos.A.R. Monitoramento ambiental como subsídio para manejo em praias arenosas.B. E. M. Padrões de distribuição de anelídeos poliquetas na Praia do Araçá.Z. na região urbana da cidade de Aracajú . 6: 5. Características abióticas das enseadas. São Sebastião. São Sebastião. A.. 1980.V. M. Ecology of some Polychaeta Annelida and its contribution to the bentic biomass of the intertidal area. SP.Z. A. 1992. I. 18: 476. Ecologia de uma população de Anomalocardia brasiliana (Gmelin. Inst. XIX Congresso Brasileiro de Zoologia e XII Congresso Latino-Americano de Zoologia. AMARAL. oceanogr..O. Argentina. & MORGADO. AMARAL. 1982. ALVES.praia de Boa Viagem . Avaliação da composição e densidade dos anelídeos poliquetos da região entremarés do Araçá (São Sebastião. Variação sazonal da macrofauna bêntica de uma planície de maré organicamente enriquecida por dejetos domésticos. Crustáceos decápodos associados aos prados de Halodule wrightii da Praia de Jaguaribe.H. E. PR. 1976. em Novembro de 1988. ALVES.. E. Paulo 28(1): 1-52. SALVADOR.

Rev.P. 161-175. Anais IV Simpósio de Ecossistemas da Costa Brasileira. A.Z.H.H.C. Alteraciones en la fauna de anélidos poliquetos de Araçá.B. I Congreso Latino-americano de Administracion de la Zona Costera. A. OMENA. 1994. A.Z. João Pessoa. E.. C. Aspectos da zonação da macrofauna entremarés de praias do litoral norte do Estado de São Paulo.Z. E. AMARAL. Contribuição ao conhecimento dos poliquetos bênticos da zona entremarés do Canal de São Sebastião (SP). Macrofauna bêntica da zona entremarés em praias do litoral do Estado de São Paulo.P. Distribuição da macrofauna bêntica da zona entremarés em praias do litoral do Estado de São Paulo. E.C. & MORGADO. SP).. C. F. A.. II Congresso de Ecologia do Brasil. AMARAL. Paulo 5(104): 99-112.V.H. A.H. & Tiago. ACIESP.. Efeitos da poluição de origem doméstica sobre a macrofauna bêntica de praias do litoral paulista. E. & REIS..P. E.. E..P. C. A. & LEITE. L. P. In: Migotto. São Sebastião (SP . série: Biodiversidade do Estado de São Paulo. E.C. L... LIMA.Z. AMARAL. M.P. LOPES.P. SP.H.F. AMARAL. Mexico. AMARAL. & MORGADO. Brasil: síntese do conhecimento ao final do século XX.C. M. VII MiniSimpósio de Biologia Marinha. PR. Acad.M. BELÚCIO.V. & LOPES. ACIESP. 1991.. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. São Sebastião (SP . São Paulo.Brasil). E. FERREIRA.H. MORGADO.Z.R. AMARAL. SALVADOR.H. 1. Composition and distribution of the intertidal macrofauna of sandy beaches on São Paulo coast.H.. F. E.C.Z. 6: 21. Biodiversidade da macrofauna bentônica de praias da costa brasileira. 1988. 7: 8. Distribuição da macrofauna bêntica da zona entremarés em praias do litoral do Estado de São Paulo. SP. II Simpósio sobre Oceanografia. A.C.P. L.Z.P. 1991. Londrina.C. 18: 502.P. AMARAL. E. E.C. LEITE. 1998.Z. PARDO.P.. 1994.Z. 16: 233.Estrutura.P. 2: 170. VIII Mini-Simpósio de Biologia Marinha. (eds.). A. E. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. C. 8: 7. A. & MORGADO.. STEINER.AMARAL.. Cienc..H. PB. MORGADO. MORGADO.. MORGADO. AMARAL. PR. São Paulo. A.P. São Sebastião. 1989. AMARAL. MORGADO E. F.H. PARDO. REIS. AMARAL. A. São Sebastião.C. P. 3: Invertebrados Marinhos..G. Ensenada.C. 1989. 1995. SP.P. M. E. L.O. Mar Del Plata.. & DENADAI. Salvador. A. MORGADO. Colombia 19(72): 147-152. FERREIRA.. E.O. 1990.F.. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia.Brasil). A. Londrina. & MORGADO. & FERREIRA. LEITE.C. S. & MORGADO. E.P. & LOPES.C. Monitoramento de praias do Canal de São Sebastião (SP-Brasil): Programa Amostral. T.Z. 1990... . Estrutura da comunidade de poliquetos da zona entremarés na Praia Barra Velha (Ilha de São Sebastião.Z.P. Alteraciones en la fauna de anélidos poliquetos de Araçá. C. C.P.C.Z. & FERREIRA. MORGADO. F. Anais II Simpósio de Ecossistemas da Costa Sul e sudeste Brasileira .. Publ. 17: 363. BELÚCIO. 3(71): 258-279.C. P. 1999. Programa de Pesquisa e Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade de São Paulo (BIOTA/FAPESP). & LEITE. XVI Congresso Brasileiro de Zoologia.H. Filo Annelida – Classe Polychaeta. MORGADO.H. AMARAL. Colomb. Função e Manejo.H. FERREIRA.P. 1991. Argentina.H.Z. 2: 623. A. Publ. BA.. AMARAL.

Poliquetas bioindicadores em praias paulistas qualificadas como impróprias.. M. São Paulo. Variação sazonal de Hippolyte curacaoensis (Schimtt.Z. L. E.R. SALVADOR. STEINER. & LEITE.H..B.V.. F. A. oceanogr.V. SP.C. & STEINER.Z. Grafcenter Editora. SALVADOR.. Publção esp. AMARAL.C. SP.R. ACIESP.. 1995. SP). Ubatuba. S. Biol... CARBONARI.M. E. 1994.B. M.. PARDO. Seleção de conchas por ermitões do Araçá.. São Paulo (11): 229-237.Z.C. Importance of substrate on the distribution of sandy beaches macroinfauna.P. Coletânea Bibliográfica: Artigos. Brasil. Resumos e Relatórios Referentes ao Canal de São Sebastião (São Sebastião.C. E. ARANTES..C. AMARAL.Z. A. M. Estrutura da comunidade de poliquetos da zona entremarés em praias da Ilha de São Sebastião (SP). E. MORGADO.M. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. Belém. 1998. L. Paulo 3(54): 244-257. Anais III Simpósio de Ecossistemas da Costa Brasileira . S.H. RIZZO. 1991.H. AMARAL. AMARAL. L. Publ. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia. Os ermitões do Araçá. & LEITE. REIS. F. I. 19: 31.V. MORGADO. L. 58(2): 307-316. Alguns aspectos da zonação da macrofauna de poliquetos em praias arenosas..P. & MEDEIROS. Composição.R. 1992. & PARDO. XII Congresso Latino-americano de Zoologia e XIX Congresso Brasileiro de Zoologia. A. Dieta alimentar de duas espécies de ermitões da região do Araçá. São Sebastião (SP). Caridea. ACIESP.Síntese dos Conhecimentos.P. PARDO. Rev.Z.. T. Livros. E. REIS.. STEINER. 1995.. I. 9: 2.IOUSP. PA. litoral norte do Estado de São Paulo.. distribuição e utilização das conchas. A.O.C. 9: 54-55.. M. Anais I Simpósio sobre Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira . A. XIX Congresso Brasileiro de Zoologia e XII Congresso LatinoAmericano de Zoologia.E. 1994. & LEITE.... 1996. E. ARANTES. Land-Ocean Interactions in the Coastal Zone. 1924) (Crustacea..F. II Simpósio sobre Oceanografia . & SALVADOR.M.Z. IX Congresso Brasileiro de Zoologia. PARDO. F.. 1990. 1994. A. E. MORGADO. Sobre a macroinfauna bêntica entremarés de praias da Ilha de São Sebastião. IX Mini-Simpósio de Biologia Marinha. AMARAL.C.B. 9: 2-3. 2: 171. São Sebastião. & SALVADOR. AMARAL.Z.O. ANGELO.A. MORGADO. L..P. 19: 176.H. São Sebastião.C. A.H. A.H. DENADAI. & MORGADO. SP. SP. I. S. São Paulo. P. ARANTES. & LIMA. E. 1982. Porto Alegre.B. 1992. 21: 27..C. & REIS.P. LOICZ.O. MORGADO.C.Z. M. IX Mini-Simpósio de Biologia Marinha. . E. RS... MORGADO.P. E. São Sebastião. São Sebastião (SP). A.. Fauna de duas praias arenosas da Ilha Anchieta. T. & LEITE. RS. AMARAL. SP. L. REIS. OMENA. PR.C. NONATO. Macroinfauna de praias do Canal de São Sebastião.P. F. 56p.H. Paulo 3(87): 330-337. Campinas. MORGADO. T.P. E.B.O.H. E. Publ. Teses.Subsídios a um Gerenciamento Ambiental.. 1987. Hippolytidae) em praias de agitação diferente de Ubatuba (SP).C. E. 65.AMARAL. M.H. NUCCI. Alterações na fauna de anelídeos poliquetos da Praia do Saco da Ribeira. E. 18: 66. SP.H. SALVADOR. 1996. L. & MORGADO. Caracterização das praias da Ilha de São Sebastião. E.C.P. Porto Alegre.Z. Inst.V. ARANTES. AMARAL. A. I. Londrina.

SP. & LEITE. A macrofauna bentônica nas praias arenosas dos arredores da Baía de Guaratuba . RS.P. 5: 343. 100p. M. BARROS. F.M. VII Congresso Latino-americano sobre Ciências do Mar. J. 2: 162.M. II Simpósio sobre Oceanografia . & BELÚCIO.P.R.PR. 18: 124. Brasil). N. Universidade de São Paulo. BARROS. Fatores afetando a composição e distribuição específica. BAPTISTA. Soc. & MIYAGI.M. RJ. A.Z. 1996. Dissertação de Mestrado. 1996.C. 1991.P. Brasil.C. Rio Grande do Norte.R. new genus and species. CECO. 7: 33-37. Recife. 1998.M.N.IOUSP. & AMARAL. DENADAI. 3: 486. Proc. São Paulo.G. BAPTISTA. E.R. RS. São Paulo. Composição e distribuição de polychaeta na zona entremarés estuarina de Cananéia. Porto Alegre. Salvador. CALLIARI. ARRUDA. XII Encontro Brasileiro de Malacologia.. São Paulo. SP. 3a Reunião Especial da SPBC. ARRUDA. Argentina. 1988. H. Lagoa de Araruama. ARAÚJO. Brasil. Ipanemidae. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica . A. SALVADOR. Composição e distribuição dos crustáceos anfípodos da família Ampithoidae no litoral de Jaboatão . BARROS. & SOARES.. 1971). Instituto de Biociências. Mar Del Plata. UFRGS.L.F. F.V. . São Sebastião. TARARAM.. A. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. Análise inicial da macrofauna bêntica em ambientes com diferentes graus de umidade da Praia do Maçarico (Salinópolis.Pernambuco. & LAVRADO. new family. XXII Congresso Brasileiro de Zoologia. BA. Biol. Moluscos da região entremarés de praias arenosas do litoral norte do Estado de São Paulo (SP).B. Florianópolis. Comparação de comunidades de moluscos em diferentes ambientes entremarés de praias do Canal de São Sebastião (SP. M. Dissertação de Mestrado. ARRUDA. J. São Paulo.ARANTES. Donacidae) na Praia de Tibaú. F.M.R.P. 6: 22. & AMARAL.A. 22: 67. FLYNN. Wash. from the surf zone of Brazil (Amphipoda: Gammaridea: Haustorioidea).P.M. AZEVEDO. São Paulo.K. 1997. A. Estudo preliminar da macrofauna bentônica da praia dos Concheiros. Utilização e seleção de conchas por ermitões da zona entremarés na região do Araçá. E.F.J. & GIANUCA. A. A. E. PA). V.Z. 1997. C. Instituto de Biociências. SP.P. 1991. N. V Reunião Nacional de Ficologia. 1991. I.C.C. 1991. ATTOLINI. Grupos funcionais de alimentação. Ecossistemas Costeiros. F. PE. Variações sazonais de algas psâmicas no litoral norte do Rio Grande do Sul.. SC.. RJ. L.IOUSP. Densidade populacional de Donax striatus Linaeus. L. BARNARD. III Simpósio sobre Oceanografia . 2000.C.B. Ipanema talpa. 1978. 12: 40.S.. Teresópolis. L. M. SP. & THOMAS.D.C. Notas Técnicas. 80p. 1767 (Bivalvia. Composição e diversidade específica de moluscos entremarés de praias do Canal de São Sebastião (SP). 3: 210.C.S. 101(2): 366-374.S. 1994. Grossos. R. Maturação sexual de Lucina pectinata (Gmelin. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. 7(1): 52-53. Universidade de São Paulo. 1995. ASSIS.M. & GIANUCA. C.P. L.. 5: 97.IOUSP. BASTO. Distribuição espacial da macrofauna ao longo do Canal de Itajurú.

XII Encontro Brasileiro de Malacologia. VIII Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica. (Molusca-Bivalvia) na Ilha Rasa da Cotinga.. Publ. X Mini-Simpósio de Biologia Marinha. MORGADO. Mar Del Plata. C.F.Z. Fundação Universidade de Rio Grande. Rio Grande. BEMVENUTI. São Sebastião.. RS. BEMVENUTI.H. RS. E. E. Brasil. A.B.F.F. V. & ABSHER. BEMVENUTI.Z. SP. 1991. Brasil. Instituto de Biologia. Malacofauna associada a um banco de Anomalocardia brasiliana (Gemelin. BELÚCIO. BEMVENUTI. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. Padrões de distribuição e abundância de moluscos na região entremarés do Araçá (São Sebastião. 1989. Malacofauna da região entremarés de praias do Canal de São Sebastião (SP). 1990. .BELÚCIO. 12: 26. Brasil. 1997. Efeitos da predação sobre as características estruturais de uma comunidade macrozoobentônica numa enseada estuarina da Lagoa dos Patos. A. 1983. RS. C. MORGADO. Universidade Estadual de Campinas.B. SP.. Rio de Janeiro.Z. 1983. 17: 460. Efeitos da predação sobre uma comunidade macrozoobentônica numa enseada estuarina da Lagoa dos Patos.E. 1995. São Sebastião. SP.M. Brasil. Recolonização de fundos moles artificialmente defaunados numa enseada estuarina da Lagoa dos Patos. Anais I Simpósio sobre Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira . 21: 27.F. BELÚCIO. 1989. FERNANDEZ.C.Síntese dos Conhecimentos. BELÚCIO. 1996. Interações Biológicas da Macrofauna Bentônica numa Enseada Estuarina da Lagoa dos patos. Montevideo. São Paulo. 120p.Y. Porto Alegre. São Paulo (SP). SP. Distribuição da macrofauna bêntica da zona entremarés. A. Argentina. Londrina. A. L. C. L. RS. Brasil. Uruguay. 1: 94-95. Veneridae) na região do Araçá. Densidade de Anomalocardia brasiliana (Gmelin. Macrofauna bêntica de moluscos da região entremarés da Enseada de Caraguatatuba.Moluscos da Enseada de Caraguatatuba. E.P. Dissertação de Mestrado. A. 1995. em praias do litoral do Estado de são Paulo . I Simpósio sobre Oceanografia. 8: 156. L. 1791).C.H.E. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. & AMARAL. L. Brasil. ACIESP. SP). 1987. Macrofauna bentônica da região estuarial da Lagoa dos Patos. 1(54): 428-459. BENTES.M. SP. C. Dissertação de Mestrado em Oceanografia Biológica. G. & AMARAL. 3: 229-243.F. Paraná. & RIBEIRO. 1995.H. RS. 144p. Argentina. VIII Mini-Simpósio de Biologia Marinha. BELÚCIO. 10: 4-5.H. SP. C. MORGADO. 6: 31. São Paulo. I – Características estruturais da comunidade no ambiente natural.. E.L. São Paulo. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. PR. 8: 10. 1791) (Mollusca.B. Oecologia Brasiliensis.E. L. 6: 33. BELÚCIO. Comunidades bênticas de moluscos da zona entremarés da região do Araçá.E. RJ.E. T. SP. São Sebastião. BICUDO. & AMARAL.C.F. L. BEMVENUTI. 1995. Estudo da morfodinâmica de praias compreendidas entre Saquarema e Macaé. Mar Del Plata. & MORGADO. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia.

M.Rio de Janeiro.BLANKENSTEYN. P. 1987. N.A. 69: 565-577. PR. 18: 509. 1990. Argentina. C. Ecologia de los moluscos del infralitoral raso de una playa arenosa expuesta del sur del Brasil. M. SC. SOUZA. C.R.C. 1986. BA. II Congresso de Ecologia do Brasil. 3a Reunião Especial da SPBC. C. P. Padrões de dispersão espacial e distribuição vertical da infauna macrobêntica do manguezal da Gamboa Perequê (Pontal do Sul. 6: 37.C.B. São Paulo.D. MT.. 1791 (Veneridae) no Estuário do Rio Timbó . PR.A. C. Fauna bêntica de substrato móvel da Enseada do Catalão. A.. Universidade Federal do Paraná. 13: 253. Londrina. BORZONE.. Puerto Madryn. R. J. PR.. N. Pontal do Sul.. Baía de Guanabara. Salvador. A zonação infralitoral em praias arenosas expostas. C. A. A. & GIANUCA. II Simpósio sobre Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira. Estudo preliminar dos crustáceos decápodos das comunidades bentônicas da Praia Forno do Cal.R. Tese de Doutorado.V. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar.G. 3: 280-296. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. G. 19: 32-33. P.PE.AR.A.S. Adaptações morfológicas de Mellita quinquiesperforata (Leske. BORZONE.A. 221p. & ABRAHÃO. & GIANUCA. Chil. Publ. 2: 384.R. Profundidades críticas y zonación del bentos infralitoral de una playa arenosa expuesta. Dissertação de Mestrado.A. 1778) para explorar ambientes com alto hidrodinamismo. Morphodynamic influence on the structure of inter and subtidal macrofaunal communities of subtropical sandy beaches.V.R.E. BOUZAN. 18: 531. 14: 210.116p. . BLANKENSTEYN. M. & LANA. 1994. 1991. P.A. BOLIVAR. BLANKENSTEYN. BORZONE. 1995.A. 1989. Mar Del Plata.. 1987. Argentina. BRAGA. & GIANUCA.G. PR). meso e infralitoral de uma praia arenosa do Sul do Brasil. 3: 487.A. A. RJ. 14: 204. 1996. GRILLO. 1996. PE. Cuiabá. 1991.R.A. TAVARES. Distribuição espacial de Annelida Polychaeta nos fundos não consolidados do Saco do Céu Ilha Grande .P. 1991. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. S. Recolonização da macrofauna bentônica de manguezais em sedimentos defaunados: um estudo experimental na Gamboa Perequê. Oecologia Brasiliensis. & SOARES. Nat. BOTTER. Florianópolis. & LANA. C. BA. C. Y. Ecossistemas Costeiros.M. Pontal do Sul. Aspectos da macrofauna bentônica infralitoral na região costeira adjacente à desembocadura da Lagoa dos Patos.R. BORZONE. A. BORZONE. 1997. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia.B.L. Potencial pesqueiro de Anomalocardia brasiliana Gmelin.H.G. 3: 197-212. & SOUZA.C. & SOARES.M. Salvador. 12-13. 1992. Itamaracá.A. XIX Congresso Brasileiro de Zoologia e XII Congresso Latino-Americano de Zoologia. N.C. PR.G. SILVA. Macrofauna bêntica de um Manguezal da Gamboa Perequê. Juiz de Fora. Padrões de distribuição de Spionidae e Magelonidae (Annelida: Polychaeta) do litoral do Estado do Paraná.B. ACIESP. J. p. 1986. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia.G. BORZONE. J. BRASIL.C. Jornadas Nacionales de Ciencias del Mar. C. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia.C. VENTURA. BORZONE. Estrutura da macrofauna bentônica no supra. & CARVALHO. Rev. Hist. Universidade de Buenos-Aires . C.

& MCLACHLAN.C.S. São Paulo. Univ. RS. Trab. Isopoda).1982. & DEFEO.G.C. E. 1992.A. 1959. CALLIARI. SILVA. 5: 16. SILVA. M. & MENDES.C. 1988. Fed. Lumbrinerides. PE. M. Mini-Simpósio de Zoologia. CALADO.F.P. Diogenidae). CALADO.. 1993. BROWN.. & AIRES. M.L. 1990. & MENDES.P. Metabolismo respiratório de Excirolana armata (Dana. P. A. Universidade Federal do Paraná. Coast Shelf Sci. 152p.AL.J. Oceanogr. RS. I. Metabolismo respiratório de Excirolana armata (crustacea Isopoda).S..H. Curitiba.S. & LANA. Série Zoologia. T. 1979. Elsevier. A.M. A. G.C. P. E. Série Zoologia.BRASIL-LIMA.. Londrina. Recife.G. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia. CALADO. Oceanogr.F. T. Uma nova espécie de Lumbrineris (Annelida: Polychaeta: Lumbrineridae) da costa de Santa Catarina. Pesquisas. : 2. M. AIRES. Ecology of Sandy Shores. M. PA. L. 3: 233. 6: 407-411.G. 1995. Zonação e variação sazonal da carcinofauna (Decapoda) da Praia de Ponta de Mangue-Maragogi . Influência do tamanho e do sexo.C. & KLEIN.G. 1994. Malacostraca – Eucarinda. 79: 93-120. Porto Alegre. Lumbrineridae (Polychaeta: Eunicemorpha) da costa sul e sudeste do Brasil. BRAZEIRO. GENOFRE. P. 1990. Lysarete. Arabelloneris.A.M. & LANA. Catalogue of Crustacea of Brazil. Hippoidea. (ed. Campinas. SP. Paraninoe e Ninoe.. Fed. Trab. BRASIL-LIMA. T. Macroinfauna zonation in microtidal sandy beaches: is it possible to identify patterns in such variable environments? Estuar. XII Congresso Brasileiro de Zoologia. II.M. & HEBLING-BERALDO. Lumbrineridae (Polychaeta: Eunicemorpha) da costa sul e sudeste do Brasil. Crustaceos decápodos e estomatópodos de praias arenosas do litoral norte e centro do Estado de Alagoas. 12: 57. 1852) (Crustacea. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. Índice de condição do bivalve Donax hanleyanus. 26(1): 107-115. Lumbrineriopsis. Nerítica. . 15: 126. 42: 523-536. A. São Paulo.S.F.C. M. Iheringia. COELHO.G. 1998. 18: 130. PE. I. 1996. A.G. Lumbrineridae (Annelida: Polychaeta) da costa sul e sudeste do Brasil. Lumbrineridae (Annelida: Polychaeta) da costa sul e sudeste do Brasil. SP. V Semana Nacional de Oceanografia. Carcinofauna de Stomatopoda do litoral norte e centro de Alagoas – Brasil. CAMARGO. O. Recife.G.F. III. PR. P. M.C.C. CALADO. série Livros. CAMARGO. Univ. 8(1): 21-30. A. P. 26(2): 105-110. Padrões regionais e zoogeográficos de distribuição.S. M. São Paulo. & SILVA.P. 1996. M. I. III Simpósio sobre Oceanografia IOUSP.. M. & LANA. 9: 198-199. & LANA. T. Características morfodinâmicas e sedimentológicas das praias oceânicas entre Rio Grande e Chuí. Rio Grande. CAMARGO. 1993.S. Amsterdam. BROSSI-GARCIA. Crustáceos decápodos da superfamília Hippoidea na costa brasileira. IX Congresso Brasileiro de Zoologia. M. & RAMOS-PORTO. P. em duas praias da região de Ubatuba. Porto Alegre. Influência da tensão de oxigênio ambiente. GENOFRE.J. T. 1998.S. 1985. em laboratório (Crustacea. & AIRES.). RS.C. CALADO.F. Iheringia. 327p. CAMARGO. 1995. 1998. 79: 67-75. Lumbrineris.C. In: YOUNG. Rio de Janeiro: Museu Nacional. 20(1): 48-56 CAMARGO. Ação do dieldrin no desenvolvimento larval do ermitão Clibanarius antillensis Stimpson. A. CAMARGO.C. G. A. Dissertação de Mestrado.

V. R. Crustáceos decápodos do litoral de Jaboatão. Subsídios a um gerenciamento ambiental. Grapsidae do gênero Sesarma do Norte e Nordeste do Brasil (Crustacea. III Simpósio sobre Oceanografia . Bolm. D. Estructura poblacional y reproductiva de Orchestoidea brasiliensis en la Prainha. 1978. G..A. Mar Del Plata. Estudos de ecologia bentônica na região estuarial da Lagoa dos Patos. São Paulo. P. Paulo. Capitellidae) na Lagoa de Marapendi. A. Tese de Bacharelado. 1996. Sem.. Mar. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. RJ..C. CARVALHEIRA. & COUTO. RJ. M. Cont.. RS. 21: 23.S. R.A. COELHO-SANTOS.CAPITOLI. & RAMOS-PORTO. N. 1981. L.1980. Pernambuco. Espírito Santo. COELHO. Ser. P.S. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia. COELHO. Povoamentos dos substratos duros. 1990. T. Atlantico. 1996. Population biology and secondary production of the sandhopper Pseudorchestoidea brasiliensis (Amphipoda: Talitridae) at Prainha beach. BEMVENUTI. E.N. N. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica . 1979. Brasil (dados preliminares). FERNANDES. PR. CONTI. Bentos litorâneo do nordeste oriental do Brasil.IOUSP.M. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. Decápoda) com especial referência a Pernambuco. & ROCHA. 5: 115-116. P. Macrofauna de invertebrados do estuário do Rio Santa Maria da Vitória. Porto Alegre. Inst.C. M. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica . Povoamentos dos substratos móveis. 1978. Sur.S. C. São Paulo. CARMO. & COELHO. 1995. CARDOSO.. 18: 125. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica . CARDOSO. Sed.. R. Bentos litorâneo do nordeste oriental do Brasil. Estrutura espacial das associações macrobênticas em planícies entremarés da porção estuarina do Rio Piauí (Santa Luzia do Itanhy . Sinopse dos crustáceos decápodos brasileiros.S. 6: 45. P. 1987. 29: 129-131. Povoamentos de substratos móveis. Prog.V. COELHO.SE).S. II. Famílias Dorippidae e Leucosiidae.A. Comunidades Bentônicas.B. Montevideo. A. São Paulo. R. CARVALHO. Recife. P.G. UNESCO. São Paulo. 3: 212.G. III Encontro de Zoologia do Nordeste. CARMO. 142: 111-119. SC. 3: 176-184. Vitória..C. PE.M. 1993. & SANTOS. Argentina. Londrina. P. FUNDÃO. Mem.S. 5: 117-118. I. MELLO. 5: 161-162. CARDOSO. & VELOSO. VELOSO. Biologia populacional de Emerita brasiliensis (Decapoda: Hippidae) na Praia de Fora. R. 1996. R.C.M. E. São Paulo. I. I – Benthic Communities. Ecol. S.A.IOUSP. COELHO. Vitória. & GIANUCA. Urca.S. Plat. Studies on benthic ecology in the estuarine region of Lagoa dos Patos (RS – Brazil). R. 1996. Rio de Janeiro.IOUSP. & RAMOS-PORTO. 3a Reunião Especial da SPBC..IOUSP. Bentos litorâneo do nordeste oriental do Brasil. Universidade Federal do Rio de Janeiro. ACIESP. Publ. 1(87): 305-314.M. CAPITOLI. Anais III Simpósio de Ecossistemas da Costa Brasileira. 58p. & GIANUCA. 14: 44. M. M..G. T. III. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. 1978. COELHO. 195-199. PERRONE.E. V.M. 3: 493. S. Ecol. Ecossistemas Costeiros. & ZANOTTI-XAVIER. I. Brazil.A. ES.. . Florianópolis. C. ocenogr. Ocorrência de Capitella capitata e Laeonereis culveri (Polychaeta.A. 1994. BEMVENUTI.A. Bent. Aspectos ecológicos da fauna de anelídeos poliquetos do manguezal do Rio da Passagem.

CORBISIER.Outono de 1990.L.. Mar. 11: 42-43. Macrofauna bentônica associada a um banco de Halodule emarginata. Brasil). 7: 5. SP. São Sebastião. Distribuição espaço-temporal do gatrópode Cerithium atratum (Boen. A. M.M. Recife-Pernambuco (Mollusca. E. Lab.S. Brasil).R. 1991. 1947. 1998. Tese de Doutorado.C.N. Diversidade e distribuição da macrofauna bêntica da Praia Formosa (Aracajú .R. 88p. 39(1): 1-13. III Simpósio sobre Oceanografia IOUSP. Bol. D. 3: 213. Bivalvia). DENADAI. & FERNANDES. A. COSTA. Sci. TENÓRIO. 65(1): 91-103. COSTA. XI Congresso Brasileiro de Zoologia. O. Bull. P. São Paulo. Brasil. 1996.. SP.C. T. SP. Dissertação de Mestrado. Instituto Oceanográfico.O. ALMEIDA. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. BA. & MELLO. DANSEREAU.. & TURRA. COUTO. Sobre alguns prosobranchia (Mollusca: Gastropoda) pouco comuns do litoral brasileiro. & AMARAL. Caracterização da macrofauna bêntica do Saco do Limoeiro. M. SP.R.A. ocenogr. Rio Claro. Instituto de Biociências. 107p.. II Simpósio sobre Oceanografia IOUSP..M. T. 6(3): 448-477. 1984. VIII Mini-Simpósio de Biologia Marinha.. M. 13: 24. no sistema estuarino de Santos (Estado de São Paulo.Z.O.N. PR . Distribuição espacial do gastrópode Cerithium atratum (Born.R.C.G. Brazil. M. 2: 264. SP.B. Dissertação de Mestrado. (prelo). DENADAI. Universidade de São Paulo. F. Aspectos ecológicos da macrofauna bentônica da zona entremarés arenosa. T. 1989. & AMARAL.SE) .Z. Inst. Biol. 1997. SP). F. COUTO.C. & LANA. & AMARAL.C. 1999. AMARAL. 18: 522. V. DENADAI. Spatial distribution of molluscs on sandy intertidal substrates mixed with rocky fragments in southeastern Brazil. I. P. CORBISIER. DENADAI.N. 123p. E. 1778) na região entremarés da Praia do Engenho d’Água (Ilha de São Sebastião. Can. M.Rio Claro. São Luís. OLIVIERA Fo. São Sebastião.C. São Sebastião. DENADAI.R. Bolm. COUTO.G. Instituto Oceanográfico.L. Benthic macrofauna of sandy intertidal zone at Santos estuarine system. CORBISIER. ESTON. 1991. Estuar. 1778) na região entremarés da Praia do Engenho d’Água (Ilha de São Sebastião. 1989. E. Belém. .Z. São Paulo. SP).setembro de 1994. Paulo.. A. Estado do Maranhão.C. São Sebastião Channel. A comparative study of intertidal molluscan communities in sandy beaches. 1786) na Bacia do Pina. Salvador. Resumos VII Encontro de Pesquisa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas – Área de Zoologia. PA. Hidrobiol.R. 1999. 8: 11. T.N. & MORETZSOHN. Halosère. S. A. & SILVA.C. Universidade de São Paulo.R. Coast. M. CORBISIER.H. 1981..V. A. Rev. Universidade Estadual Paulista . M. 5/6(1): 30-33. A. 1983. Shelf Sci. Ilha do Mel. & CARO. Inventário dos moluscos estuarinos do sudoeste da Ilha de São Luís. Zonation et succession sur la restinga de Rio de Janeiro.C. M. 1991. A. Brasil.Z.. Estrutura de comunidades de moluscos entremarés de praias do Canal de São Sebastião (SP).. São Paulo. Aspectos ecológicos das associações de espécies da macrofauna bentônica e avaliação do efeito da predação sobre a sua estrutura na Praia do Codó (Ubatuba. XIII Simpósio de Biologia Marinha. R. Ecologia e biologia de Tagelus plebeius (Lightfoot.R.C.

MARAZZO. Salvador. SP. L.C.R. SP). O.M.DENADAI. 1990. & SCARABINO. F. Padrões de distribuição espacial de comunidades de moluscos entremarés do Canal de São Sebastião (SP)..J.C. Uruguay. DONATO.A.Z.L. & SILVA.A. K.C. C. Curitiba. L. M. SP. 18: 489. & COELHO. 1995. A. 1990. Londrina. GAMA. Playas arenosas del Atlántico Sudoccidental entre los 29º y 43º L.. Rathbum. Variação intra-alga em suscetibilidades das algas pardas Dyctiota menstrualis e D. M.P. BA. & MIGOTTO. M. R. 1997. Florianópolis. RUFFINO. São Sebastião. Mar Del Plata.S. Memorias del Seminario sobre Ecología Bentónica y Sedimentacion de la Plataforma Continental del Atlántico Sur. UNESCO.E. V. SALVADOR.C. 1979. DOMANESCHI. 245-258. A. FARRAPEIRA-ASSUNÇÃO. 1980. & VERÇOSA CARVALHEIRA. 1902). 3: 199.. M. 1898 e Uca uruguayensis Nobili. F.F.. São Paulo. julho de 1984.São Paulo.Ungulinidae). 1778) na região entremarés da Praia do Engenho d´Água (Ilha de São Sebastião.. SP. L. 1991. 3: 50..Z. . XV Encontro Brasileiro de Malacologia. São Sebastião. 14: D’INCAO. 3: 23. On the sipunculan Golfingia confusa (Sluiter. L. & RUFFINO. & ALBUQUERQUE. M. Guarujá . FELLOWS. 3a Semana de Seminários de Biologia Marinha. Brasil (24o30’S .46o05’W).B. E. Sobre a biologia de Diplodonta punctata (Say. Distribuição de Isopoda (Crustacea) na Praia Vermelha. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. III Simpósio sobre Oceanografia . 1901 (Crustacea .C. 14: 208.R.F. 3a Semana de Seminários de Biologia Marinha. DENADAI. Tolerância aos efeitos combinados de temperatura e salinidade em Uca leptodactyla. 1996. FANTINATO VAROLI. DOS SANTOS ALVES. & AMARAL. 11: 28.. GIANUCA. M. TURRA. Contribuição ao estudo das comunidades animais do substrato móvel marinho. & CALLIARI. XI Simpósio de Biologia Marinha. A. 1995. & AMARAL. 6: 70. & AMARAL A.IOUSP. PR.PE). 18:76. 1987. M. abundância e composição da macrofauna bentônica da Praia das Astúrias. SALVADOR.. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. RJ. Diversidade de moluscos em praias do Canal de São Sebastião. 18: 4. S. N. 1988.B. Notas preliminares sobre a ecologia de Chasmagnathus granulata Dana. 6: 77.Z. 1980. Mar Del Plata. P. B. 1822) (Bivalvia Lucinacea . Crescimento de Chasmagnathus granulata..: consideraciones generales y esquema biocenológico. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia. MAITIA. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia.R. R. XIV Simpósio de Biologia Marinha. A. PA.L. SP. DENADAI. DITADI. RAMOS-PORTO. 1851 no estuário da Lagoa dos Patos. 15: 92.Decapoda). 1996. A.M. RS (Decapoda: Grapsidae). São Paulo.P.A.S. L. PR. Os estágios morfodinâmicos e seus efeitos na macrofauna bentónica de praias arenosas no sul do Brasil. XIV. A. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. 1851. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. & SILVA. 15: 54. Argentina. E. & PEREIRA.L. ESCOFET. Argentina. Grapsidae). na Barra de Rio Grande. RS (Decapoda.G.M. Composição dos povoamentos do supralitoral no estuário do Rio Paripe (Itamaracá . A. FARIA. D’INCAO. Distribuição.. V. Distribuição espaço-temporal do gastrópode Cerithium atratum (Born. SP. mertensii frente a herbivoria pelo anfípodo Parhyale hawaiensis. F. 1999. São Paulo. Montevideo. Londrina.M.

SP. Brasil. Brasília. A fauna dos manguezais paraenses. 1989. & GIANUCA. ES region.Z. A. no manguezal do Rio Araciteua. & OLIVEIRA FILHO. Influência de perturbações antrópicas sobre a estrutura espaço-temporal de associações macrobênticas no estuário do Rio Sergipe (Sergipe .R.Z.G. São Paulo. Universidade Estadual de Campinas..P. C. N. 28a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. D. FERREIRA. FERREIRA. 1995. M.A. PR.E. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. 1989. C. Curitiba. RS. Rio Grande. & AMARAL. S. Porto Alegre.Brasil). Brasil. 1992.S. VIII Semana Nacional de Oceanografia. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia.N.C. 1976. C. 1986. DF. Zonação em praias arenosas.B. Tese de Doutorado. & SOARES-GOMES. 1980. A. FLYNN. C. PA). FILHO.C. & AMARAL. Mar Del Plata. Londrina. 8: 12. 3a Semana de Seminários de Biologia Marinha.IOUSP. Instituto de Biologia. C.L.O.C. ABSHER. Distribuição vertical de organismos bentônicos de substrato duro em Ubatuba (SP). PR. Salvador. P. FERNANDES.C. E. São Paulo. P. Argentina. RS. Brasil. Aspectos da biologia populacional de Excirolana braziliensis em uma praia do litoral do Rio de Janeiro. Macrofauna das galerias perfuradas por teredos em toras de Rhizophora. 1990. S. Biogeographic and biodiversity patterns of Gastropoda molluscs of Piúma. MT. manguezal do Rio Seco (Ilha do Mosqueiro. Fauna encontrada em galerias de Neoteredo reynei (Mollusca: Bivalvia) em toras de madeiras do mangue.M. 21: 13-14. III Simpósio sobre Oceanografia . Contribuição ao estudo das comunidades animais do substrato móvel marinho.C. S. 1988.B.G. FERREIRA.R. 1992. RS. Efeitos de uma ressaca sobre invertebrados bentônicos da praia dos Concheiros.Resultados preliminares sobre as populações de Echinodermata da Praia Vermelha . A. 28: 442-443. BA. A. & MASUNARI. & AMARAL. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia.O. LANA. A. 19: 175. 1995. A. A. M. FERREIRA. 1991.Z.A. S. FONSECA. (PA).RJ. & GROHMANN. Condições ecológicas da Família Olividae (Mollusca: Gastropoda). LOPES. T. & VELOSO.M. E. SP. VIII Mini-Simpósio de Biologia Marinha. 1996. FORNERIS. 15: 589. 18: 501.Z..C. FLOETER. São Caetano de Odivelas. FREIRE. SOUZA. PA. XII Congresso Latino-americano de Zoologia e XIX Congresso Brasileiro de Zoologia. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia. 162p. 3: 44. 6: 83. & AMARAL.C. no Complexo Estuarino de Suape. 13: 102.Z. Contribuição ao conhecimento da fauna de galerias perfuradas por teredos em toras de Rhizophora. & AMARAL. A. FERREIRA. Contribuição ao conhecimento da fauna dos manguezais do município de Vigia (PA). São Sebastião. Cuiabá. & COUTO. V.. VII .C. 3: 253. XV Congresso Brasileiro de Zoologia.. C. Fauna de galerias perfuradas por teredos em toras de Rhizophora.B.P.P.P.FERNANDES. J..M. L. Belém. MIGOTTO. FERREIRA. PE.M. Manguezais do Estado do Pará. 8: 59.C.P. C. 1996. 17: 473. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia.C. 19: 21. . XIX Congresso Brasileiro de Zoologia e XII Congresso Latino-Americano de Zoologia.P.

PhD Thesis.M. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. Soc. 1989. Juiz de Fora. Bivalvia). Montevideo.M. 1923). U. A. Geomorphology and Ecology of Desert and Coastal Sand Dunes. D. In: Sistemas Costeros Templados de América Latina. P. N.M. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar.M. 3: 485-486. 9: 10. NICOLAU. Berlin. Coleoptera) mais comuns nas praias do Rio Grande do Sul. GIANUCA. BELÚCIO. GELL.S.M. 1988. GIANUCA. & Castello. Odebrecht.M. p.M. Florianópolis. Cananéia.K. & BEMVENUTI. In: McLachlan. GENOFRE. IX Mini-Simpósio de Biologia Marinha.síntese dos conhecimentos. Inf. UNESCO Ciencias del Mar. C.B. Erasmus (eds. 18: 48. 1854 (Mollusca.). Swakopmund. N.. The beach and surfzone. G.M. N. Importância dos migradores mareais na alimentação de aves litorâneas no Rio Grande do Sul.F. 1991. SC. A preliminary account of the ecology of sandy beaches in southern Brazil. PA). 166-170.M. Hippidae) en las playas arenosas del extremo sur de Brasil. Sobre un record de tamaño para Mesodesma mactroides Deshayes. Simpósio de Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira .M. COELHO JUNIOR. Malac. 1791) (Mollusca. GIANUCA. Uruguay.M.N. GIANUCA. IX Congresso Brasileiro de Zoologia.. São Sebastião.E. N. R. Dunes’89. Ecology of Subtropical Convergence Regions. Recursos naturais das praias arenosas do sul do Brasil.P. GIANUCA. JUNK. 4 (28): 55-58 GIANUCA. B. GIANUCA. 1994.. GIANUCA. 9: 51-52. & GIANUCA.GABRIEL. & CARDOSO. 1996. Springer-Verlag. J. C. 1987. J. The ecology of coastal sand dunes in southern Brazil. Namíbia..M. Sandy beaches as ecosystems. 47: 89-94. The ecology of a sandy beach in southern Brazil. 1(1): 313-332. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. (Eds.. GIANUCA. 8:134.P. & EICHLER. 1975. BA..A. 1995. 1982. . Pelecypoda). EICHLER. Levantamento preliminar da macrofauna bêntica da Praia do Maçarico (Salinópolis.B. Mar Del Plata.B. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. Zonação e produção nas praias arenosas do litoral sul e sudeste do Brasil. GERALDI. SP. Juiz de Fora.B. J. 1983. 1987. 413420. N.A. Repovoamento de um trecho de Praia Arenosa afetado por deposição de lama no litoral do Rio Grande do Sul. SP. H.P.T. 1983. Salvador. GIANUCA. N. VIII Simpósio Latinoamericano de Oceanografia Biológica.C. L. 330p. N. V. 3a Reunião Especial da SPBC. Sobre os Staphylinidae (Insecta. Com. RS. N. 14: 243. Influência de hidrocarbonetos aromáticos na sobrevivência e comportamento do caranguejo ermitão Pagurus criniticornis (Crustacea). 1997. The Hague.). N. A colonização de bainhas de Ruppia maritima pelo polliqueta Laeonereis acuta (Treadwell. In: Seeliger. & T. Ecossistemas Costeiros. N. KAPUSTA. 14: 54. & MOREIRA. 1985. 1987. C. University of Southampton. SATÉRIO. S. 6: 90. Argentina. 45. Ciclo de vida de Emerita brasiliensis (Decapoda. GARCIA.B.M. C. G. Porto Alegre. N. O impacto do petróleo na sobrevivência de Anomalocardia brasiliana (Gmelin. Inglaterra.

M. 6: 94.). SP. & BICHO. 1988. COSTA. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. Curitiba. Dados preliminares sobre a relação ontogênica com o substrato. PR. Brasil. C. U. N.M. RS. XII Congresso Latinoamericano de Zoologia.L. II Congresso de Iniciação Científica. 1995. & GIANUCA.L. Encontro de Botânicos do Rio Grande do Sul. GONZALES.M.. Argentina. N. Berlin. MAYAL. 3: 121-133. E. Rio Grande. Principais predadores dos formicídeos nas dunas costeiras do Rio Grande do Sul. N. Rio Grande.B. Insects on the supratidal zone of sandy beaches: a brief review. C. In: Seeliger.P. PR. 2: 79. Odebrecht.M. Sandy Beaches’94: An International Symposium.M. Rio Grande. Ecology of Subtropical Convergence Regions.M. Curitiba. GIANUCA. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. Feeding behaviour of surf-zone gastropods in Cassino Beach. 15: 590. Oecologia Brasiliensis.M. Benthic beach invertebrates. & BICHO. (Eds. N. p. & GIANUCA. P.M. N. 102-104. GIANUCA. Argentina. 1997. XII Congresso Latinoamericano de Zoologia.S. GIANUCA. Belém. & Castello. São Paulo. 6: 92. 12: 117. 1992. 114-117. 1867 (Amphibia) nas dunas costeiras do Rio Grande do Sul. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. 1991. GOMES. III Congresso de Iniciação Científica CNPq UFPEL/FURG.Tamandaré . Insetos (exceto Coleoptera) das dunas costeiras do Rio Grande do Sul. A fauna das dunas costeiras do Rio Grande do Sul.S.. GIANUCA. Springer-Verlag. 35. & MAIDA. Rio de Janeiro. 32. M. p.B.R. GIANUCA. B. C. Odebrecht. 1997. & BICHO. Brazil. In: Seeliger. GIANUCA..L. C. J. GIANUCA. Chile. T. Iguanidae) nas dunas costeiras do Rio Grande do Sul. C. GONZALES. GIANUCA. N. 1885 (Sauria.M. Dados preliminares sobre atividades tróficas.. GIANUCA. Especial FUNDESPA/PETROBRAS. N. Praias arenosas.M. RS. 12: 72. SILVA. Aspectos ecológicos das actiniários encontrados em um beachrock na Praia dos Carneiros .GIANUCA. 1996. Belém. N.M. Ecology of Subtropical Convergence Regions. & SCHLENZ. São Paulo.). GIANUCA. Caracas. GIANUCA. Berlin. 1988. COSTA. 3: 37 GIANUCA.M.M.G. T. 1994. In: Diagnóstico Ambiental Oceânico e Costeiro das Regiões Sudeste e Sul do Brasil. (Eds. N. Hábitos alimentares de Bufo arenarum arenarum Hensel. N. I Congresso Latinoamericano de Malacologia. Observações sobre a fauna da Praia do Una. 15: 430. N. 1997. N. D. Rio Grande.R.PE. E. Pelotas. & PALUDO. Hábitos alimentares de Liolaemus occipitalis Boulenger. . Observações sobre formicídeos nas dunas costeiras do Rio Grande do Sul.M. Coastal foredune fauna. RS. 1992. 1995. C. 6: 127-147.S. Observações sobre Excirolana armata (Isopoda: Cirolanidae) nas praias oceânicas do Rio Grande do Sul. 11. M. 1993.M. Springer-Verlag. Mar Del Plata. Valdívia.L. 1996. CNPq FURG/UFPEL.P.. Juréia. C. RS. Brasil. 1994..M. N. J. N. 1: 61-62. Mar del Plata. Invertebrados terrestres e plantas de marismas do sul do Brasil: II.S. Encontro de Botânicos do Rio Grande do Sul. U. Invertebrados terrestres e plantas de marismas do sul do Brasil: I. & BENERI. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. 1994. Brasil. & Castello. Publ. Venezuela. p. N.

.A.J. 1996. Estudo das comunidades bentônicas de substrato consolidado do litoral norte do Estado de São Paulo: IV . LOPES. Supl... D. 1976. 2: 51. 1986. KAWAKAMI. 1980.P. M.B. J. JOHNSCHER-FORNASARO. G. 1989. 1998. 1980.Pagurus miamensis uncifer Forest & Saint Laurent. SP. 3a Semana de Seminários de Biologia Marinha. F. Metabolismo respiratório de Petrolisthes armatus. HEBLING.C.R. A. III Simpósio sobre Oceanografia IOUSP. Análise prévia de uma população de Anomalocardia brasiliana do litoral do Estado da Paraiba. Estrutura das comunidades de bivalvia (Mollusca) dos fundos não consolidados do Saco do Céu.Veneridae) do Estado da Paraíba. 18: 57. Angra dos Reis. A. J. Brasil. São Paulo. & PENTEADO. HOEFEL. GROTTA. C. 28(7): 420.. 1967.N. M. 5(3): 213-214.C. . 1996. XI Mini-Simpósio de Biologia Marinha. 16: 235. M. M. 13: 249. São Sebastião. Cult. E. BA. João Pessoa. 1933 (Crustacea. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. G.C. 3a Semana de Seminários de Biologia Marinha. J. 5: 95-96. E. Mar. 3: 228. C.R. 92p. K. & ABRAHÃO. K. Universidade de São Paulo. 1970. Estudo histofisiológico da glândula digestiva de Tivela mactroide (Mollusca .GREMPEL. S. Novas ocorrências de Paguristes tortugae Schimitt. Estrutura dos agrupamentos de ermitões (Decapoda Anomura) na região do Araçá. 179p. S. M.. M.R. Importância dos anelídeos poliquetos no regime alimentar de alguns Pleuronectiformes. Instituto Oceanográfico. Grupos funcionais de Amphipoda em substratos artificiais imersos na região entremarés do litoral norte do Estado de São Paulo. M.G. 29a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.C. & BARRETO. 11: 40. XVI Congresso Brasileiro de Zoologia. VENTURA. MT. GROTTA.H. São Paulo. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica .F. Argentina.L. & LEITE. & BRAGAGNOLI.. Seleção da concha em Paguridea intertidais. Ciênc. 1991. JACOBUCCI. Mar Del Plata. II Seminário Regional de Ecologia. SP. 29: 809. Cuiabá. 1995. I ..Brasil): aspectos descritivos e metodológicos.S. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. Zonação da malacofauna no mesolitoral do Pontal da Luz (Ilha de Santa Catarina. & LUNETTA. Estrutura da macrofauna bêntica da zona entremarés de Sepetiba (Rio de Janeiro .L. IRVING. São Paulo.SP. N. Tese de Doutorado.G. São Carlos.N. FRANSOZO. 1991. M. & QUARENTEI.C. GRILLO. & MENDES. JACOBI. N.. SC).J. F. FRANSOZO. RJ. SILVA.Fauna da Enseada de Caraguatatuba. G. Histofisiologia da reprodução do bivalve Anomalocardia brasiliana. Editora da Univali. São Paulo. MILANELLI. 1978. HIROKI.G. Biol. Itajaí. & GROTTA.H. R. do litoral do Estado da Paraíba. Salvador.M.IOUSP. SP.G. SP. HEBLING.Z. 3: 14. 6: 102. Paguridea). KEMPF. 1977. & AMARAL. São Paulo. Notes on the benthic bionomy of NE Brazilian shelfs. C. PB.E...N. C. HAUFF. KADEKARU. & SAALFELD. 3: 15. 1980.P. Morfodinâmica de praias arenosas oceânicas: uma revisão bibliográfica. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. N. M. São Sebastião . FRANSOZO.A. SP.

C. 1984.R. BROGIM. & ISAAC. Efeitos do derrame experimental de óleo diesel sobre o macrobentos da Ilha Rasa da Cotinga (Baía de Paranaguá). 1988.P. LANA.. VIII Mini-Simpósio de Biologia Marinha.KHATER.Z. AMARAL. SANTOS. T. 12: 31-32.C. & GUISS. P. RIZZO. KRAHENBUHL.G. P. Dissertação de Mestrado.. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. Rio de Janeiro: FEMAR. S. J. P. BA. 1987. 1989.A. P. M.L. Nephtyidae (Annelida.P. PR.C. & DISARÓ. I Simpósio Sobre Oceanografia. XII Congresso Brasileiro de Zoologia. Paraná. Terebellida e Sabellida (Annelida. 2: 265. 1850) Stimpson. 1985.G. L. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. 1991.A.P. PA. BROGIM. Universidade Federal do Paraná. F. Resumos IV Congresso Aberto aos Estudantes de Biologia.Z. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. 14: 24. 1: 190.H. 432 p. R. Ecossistemas Costeiros. SP. LANA.T. Campinas.G.C. P. & AMARAL. Campinas. 1973 na Ilha da Trindade. Polychaeta) do litoral do Estado do Paraná. LANA.C. KOWALCZUCK. 3: 462-463. Gastropoda. & BLANKENSTEYN. LANA. em praias do litoral do Estado de São Paulo. Florianópolis. Influência de Spartina sp na organização de associações macrobênticas na Baía de Paranaguá (PR).C. São Sebastião. Interações entre o macrobentos e a biomassa de Spartina alterniflora no setor euhalino da Baía de Paranaguá (PR). 1996. 14: 24. São Paulo.L.P. A. LANA. LEITE. 128p. PR. 1991. Salvador. CAMARGO.C. R. Juiz de Fora.C. V. Anelídeos poliquetas – programa REVIZEE/Bentos/Score Sul. LANA.Tanaidacea) do Araçá. LEITE. Composição da população de Petrolisthes armatus (Gibbes.. Brasil: Primeiro registro recente da família Neritopsidae no Oceano Sul (Mollusca. 15: 61. I. Neritoida).J. Anelideos poliquetas errantes do litoral do Estado do Paraná. & AMARAL. 1858 (Decapoda. A. 1989. STEINER. São Sebastião (SP).. .H.E. & MORGADO. 18: 90. Curitiba. P.S.N. Alterações da fauna de crustáceos na região do Araçá. E. SC. SP. Porcellanidae) da ilha do Farol.. 1987. 1949 (Crustacea . LANA. Anelídeos poliquetos que utilizam algas como substrato.C. LANA.C.L. Nerítica. P. SP. & MASUNARI. II Simpósio sobre Oceanografia IOUSP. São Sebastião (SP). A. A. KRAHENBUHL. & PAGLIOSA.C. Caiobá.. Distribuição da macrofauna bêntica da zona entremarés. F. DUBIASKI-SILVA. SP. 3a Reunião Especial da SPBC.Z. A.. MG. Resumos XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. Alterações na distribuição e densidade de Kalliapseudes schubarti MañeGarzon. 1999. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. 15: 597. M. Polychaeta) do litoral do Estado do Paraná (Brasil). 1: 135-154. V. 8: 17. M. LEAL. Padrões de distribuição geográfica dos poliquetas errantes (Annelida.M. C. A. Polychaeta) do litoral do Paraná. 4: 44..C. & COELHO. Ocorrência de Neritopsis atlantica Sarasua. Poliquetos de escama associados a algas bentônicas. Resumos XV Congresso Brasileiro de Zoologia. 1987. 1988. Curitiba. O Bentos da Costa Brasileira: avaliação crítica e levantamento bibliográfico (1858-1996). P. J. 1996.S. 1986. 14: 23. P. C.

Epifauna associada à Sargassum cymosum C. 38(2): 605-618. São Sebastião (SP). SP.P. 73p. Composição. 1949 (Tanaidacea. 6: 53.M. E. 18: 51.P. & ARANTES. Composição. Italy. & SILVA. Ubatuba. Macroendofauna bentônica de substratos móveis da Praia de Panaquatira. & MORGADO. 1996. Salvador.P. Biol. M. decorrentes da construção do complexo industrial portuário..IOUSP. 14(3): 675-683. 1949 (Crustacea. Distribuição e variação sazonal de Kalliapseudes schubarti Mañe-Garzon. Universidade Federal de Pernambuco. P. P. R. F. 106p. L.Tecnol. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. 1995. BA.P. III Simpósio sobre Oceanografia . Brasil. 2: 172. II Simpósio sobre Oceanografia . São Paulo.H. LINS. M. LEITE.H. VII Mini-Simpósio de Biologia Marinha. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia.T. TURRA. F. Zool. São Sebastião. 1988. Florence.C.F.P. A. 14: 204. 1991.P. G. F. Salvador. São Sebastião. Estrutura da comunidade de poliquetas da zona entremarés da região de Araçá. São Sebastião.H. & FERREIRA. Tanaidacea) na região do Araçá.P.M. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. Variação sazonal dos gastrópodes associados à Sargassum cymosum da Praia do Lamberto. M. TANAKA. Desenvolvimento morfológico e dos ovários de Kalliapseudes schubarti. SP. LEITE.P. em um manguezal (Rio Piauí SE). 1991.Distribuição de Ostracoda na Praia Vermelha .P. 18: 535.. 3: 197. Mañe-Garzon (Crustacea. 1991. Tese de Mestrado. XIX Congresso Brasileiro de Zoologia e XII Congresso Latino-Americano de Zoologia. SP. 7: 27.P.LEITE. Brasil. 19: 40-41. Distribuição temporal e espacial de Kalliapseudes schubarti Mañe-Garzon. V. 1991.. São Paulo.. 1996.P.P. BA. LOPES. LIMA. Hermit crabs. BA.F.IOUSP. 1791). Arq. F.P. M. São Sebastião. Veneridae. & LEITE. Centro de Ciências Biológicas.P. LIMA. A.G. LEITE. Análise Sumária. SP. LEITE. SP. Mollusca. Contribuição ao estudo das comunidades animais do substrato móvel marinho..P. LOPES.P. Crustacea) da região do Araçá.O.A. gastropod shells and environmental structure: their relationships in south-eastern Brazil. Revta. RAMOS. Impactos ambientais sobre a população de Anomalocardia brasiliana (Gmelin. Bras. LEITE. LEITE. Tanaidacea) do Canal de São Sebastião.C. LEITE. GANDOLFI. distribuição e estrutura populacional dos ermitões do Araçá. 18:527. C. Agardh nas praias do Lamberto (Ubatuba) e da Tabatinga (Caraguatatuba): situação atual. 3: 151. 6th Colloquium Crustacea Decapoda Mediterranea.L. 1987. São Sebastião (SP). Estrutura espaço-temporal da fauna bêntica associada à dinâmica de decomposição de Laguncularia racemosa Gaertm. 1997.. Maranhão. & MARTINS. & SOTO-ESPINOZA. F. .P. 1996. F. distribuição e densidade dos crustáceos do Araçá.P. Ilha de São Luís.RJ.P. Bivalvia. Estado de São Paulo. Instituto de Biologia. & NONAKA. Universidade Estadual de Campinas. Bentos entre-marés da periferia da salina “Amarra Negra”.C.P. F. RN. na região estuarina de SUAPE-PE. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia.T. S. 1996.IOUSP. D. E. LIMA. I. R. 1997. XIII .E. & COUTO. F. III Simpósio sobre Oceanografia .P. 1993. Salvador. Dissertação de Mestrado.

H. 1985. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. São Sebastião (SP). H. Resumos I Simpósio sobre Oceanografia.S. Isopoda (Crustacea) no mesopsamal da Praia de Leste. 14: 216. J. MARTINS. A subfamília Sanguinolarinae do nordeste brasileiro (Mollusca: Pelecypoda). 1995. Composição e distribuição de Caecum ryssotitum Folin. A. Distribuição dos anelídeos poliquetos da região entremarés da Praia de Barequeçaba. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia.(ed. PR. XI Congresso Brasileiro de Zoologia. Distribuição espacial e temporal da fauna na Praia de Leste. LOPES. Estado de São Paulo. Distribuição dos anelídeos poliquetos da região entremarés da Enseada de Caraguatatuba. 12: 352. S. Paraná. & MASUNARI. MT. 1978. Estado do Planejamento.P. SP. LOYOLA E SILVA. P.. MACEDO. & MORGADO. E. MASUNARI. 1989. Bras.C. 13: 39. Rio Grande. 18: 41.G. P. Paraná. 8: 18. LOYOLA E SILVA. Brachyura). Aspectos faunísticos do litoral paranaense. Brasil (Decapoda.). P. LUCA JR.. & MORGADO. Cuiabá. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. H. SP. SP. Anelídeos poliquetos da Enseada de Caraguatatuba (SP). MATTHEWS-CASCON. & MARTINS. LOYOLA E SILVA. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia. Rev. PR. Calyptraeidae e Xenophoridae (Mollusca: Gastropoda).. SP. MT.S. J. XII Congresso Brasileiro de Zoologia. 1867 (Mollusca.. 18: 459. em praias do litoral do Estado de São Paulo. 1990. LOPES. 1990.I. F. 63-68. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia.H.. & MASUNARI. J. PA. 1983. . Distribuição da fauna na Praia de Leste. 1986.X. IV Congresso de Iniciação Científica CNPq FURG/UFPEL/UCPEL.R. J.M.T. N. FORNERIS. São Sebastião. & D’INCAO. L. MASUNARI. Ubatuba. Universidade de São Paulo. São Paulo. Gastropoda. Sec. Os Pinnotheridae de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Principais coleópteros das dunas costeiras do Rio Grande do Sul. 1989.Z..J. J. S. Paraná. F. AMARAL. A.Z. 4: 53. 1984. A superfamília Calyptraeacea no norte e nordeste do Brasil. Londrina. AMARAL. Cuiabá. 1987. I. 161p. Instituto oceanográfico. S. A. FORNERIS.. MATTEWS..H. Zool. LOYOLA E SILVA.. S. 1991. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. MATTHEWS. S. Belém. & FORNERIS. PR. Padrão de distribuição da macrofauna mesopsâmica da Praia de Leste.Z. 1996.C. A. RS. AMARAL.C. & GIANUCA. SP. L. L. J. BA. 1987. Salvador. & MORGADO. 17: 483.B. LOYOLA E SILVA.. Paraná. 1: 100-101. E.P. Gov. 13(1): 1-26. Dissertação de Mestrado. A. LOPES.H. 11: 444-445.LOPES. Levantamento das espécies de gastrópoda e bivalvia do Saco da Ribeira e estudo de taxocenose dos bivalvia da Praia do Saco da Ribeira. & DUBIASKI-SILVA. Famílias Capulidae. Caecidae) nos fitais de Caiobá. Londrina. In: Bigarella. Campinas. Paraná. Resumos VIII Mini-Simpósio de Biologia Marinha. . J. SICURO. 1986. Resumos XVII Congresso Brasileiro de Zoologia.G. A Serra do Mar e a Porção Oriental do Estado do Paraná.C. E. Distribuição da macrofauna bêntica da zona entremarés. 13: 246. H.R.P. S. Ocorrrência e distribuição espacial de Cirripedia no Complexo EstuarinoLagunar de Iguape-Cananéia. 14: 20.

Neritica. MEDEIROS.S. VELOSO.L.O. SP. MELO.MAYAL. 12: 26-27. SP. Moluscos comestíveis do manguezal do Canal de Santa Cruz. J. 1985.M. N. Moluscos de interesse comercial do Litoral Sul de Pernambuco. & FREITAS. 15: 95.M. MIGOTTO. Dissertação de Mestrado.IOUSP. Agardh.Polychaeta). Brasília. Florianópolis. 1996. Sistemática e Ecologia. 3: 150. XII Congresso Brasileiro de Zoologia. Afr. Sandy Beaches as Ecosystems. & LOPES.. SP.Anaspidea). São Paulo.PE. G. & OLIVEIRA. 1921.. TIAGO. Polyplacophora e Scaphopoda.M. MONTEIRO. Bacia do Pina (Recife) e Barra das Jangadas (Jaboatão). P. at Ubatuba.. MENDONÇA.S. S. 14: 79. 1989. Bivalvia) Nausitora fusticula . 1996. função e manejo. oceanogr. Curitiba. Águas de Lindóia. Fortaleza.estrutura.P.Opisthobranchia . MONTEIRO. 1983. MELO.M..A.L. W. JUNK.S. & SÁ.C. SC. 8o18’30”S. Malacofauna marinha da região costeira do Canal de São Sebastião. R. 1976. Ocorrência de Ophiuroidea (Echinodermata) em colônias de Phragmatopoma lapidosa Kinberg. A. A fauna de Brachyura (Crustacea: Decapoda) do litoral do estado do Paraná. III Simpósio sobre Oceanografia .C. L. In: McLachlan A. MELLO. & GIANUCA. A fauna de Brachiura (Crustacea: Decapoda) no litoral do Paraná: Estudo Preliminar. na região de Pontas de Pedras Pretas. A. 3: 84-89. 3: 570-571. C. CE. 34o56’15”W (litoral sul do Estado de Pernambuco). PA. 2(4): 160-196. 1981.G. Recife. 76: 137-138. A. III Congresso de Ecologia do Brasil. 1996. Influência do ambiente em populações do mediolitoral. PE.M. Campinas.M.C. Bivalvia.R. MORAES.G. SP. & CARDOSO. 1990. Ecossistemas Costeiros.T. MAYR. FRANKLIN. PE.E. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia.A. D. M. C. Resultados preliminares do estudo quali-quantitativo da macrofauna bentônica da Praia do Futuro. Contribuição ao inventário da malacofauna do litoral alagoano (Gastropoda . 3: 05. SP. 1980. 4(1/2): 1-31. The definition of sandy beaches in relation to exposure: a simple rating system.G. ROCHA. Lista preliminar. G. D. Ilha de Itamaracá . Instituto Oceanográfico.C. McLACHLAN. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. The Hague. Seminários de Biologia Marinha.R. 1987. R.. C.B. MONTOUCHET.A. Ultraestrutura dos receptores sensoriais ciliados dos sifões de duas espécies de Teredinidae (Mollusca. 1996. Manutenção de Anomalocardia brasiliana em laboratório. Populations and diurnal migrations of inahabitants of the seaweed Sargassum symosum C. II Simpósio de Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira .G & MAGALHÃES. 1981. 1988. V.. 1980. A macrofauna do infralitoral superior das praias de Santos e São Vicente. Brasil: Gastropoda. 47: 149. A.C. MONTEIRO. VELOSO.S. III Encontro de Zoologia do Nordeste. W. Bolm. & OLIVEIRA.a review.A. DF. V. A. Sci. 3a Reunião Especial da SPBC.G. A. MELO. Meiofauna de praias arenosas marinhas. M. & Erasmus T. R. Inst. M. Brasil. (eds).F. São Paulo. 1967 (Annelida . NARCHI. S. Universidade de São Paulo. 321-380.. McLACHLAN. III Encontro de Zoologia do Nordeste. L. 1993.G. L. E. 41(1/2): 13-27. Sandy beach ecology .

Função e Manejo. MORGADO. Southern Brazil. E. . A. & AMARAL. & AMARAL. AMARAL. Resumos XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia.H.P. LOPES. Belém. 1989. 1860) e Neoteredo reynei (Bartsch. 162: 485-492.H. Resumos XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. MORGADO. & SALVADOR.H. 1920). Intertidal sandy beaches polychaetes of São Sebastião Island. & LEITE. Londrina.C. E. RS. Composição da macrofauna bêntica de anelídeos poliquetos de praias da Ilha de São Sebastião (SP). Resumos VII Mini-Simpósio de Biologia Marinha. 1996.Z. ACIESP. 1987. E. Sobre a conservação do nome específico Donax hanleyanus Philippi. W. NARCHI.. SP. Intertidal sandy beaches polychaetes of São Sebastião Island. LOPES. L. A. Salvador. BA.. MORIYA.F. Macrofauna da zona entremarés nas praias Grande e do Barro. São Paulo.. nat..C.C. A. C. SP. AMARAL. 1988.B. Paulo 3(71): 314-325. 18: 499.. III Simpósio sobre Oceanografia IOUSP. A. P.. Estrutura trófica de poliquetos da região entremarés.C. Anais II Simpósio de Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira . MORGADO. Resumos III Simpósio sobre Oceanografia .C.H. Resumos XII Congresso Latinoamericano de Zoologia e XIX Congresso Brasileiro de Zoologia.. 21: 21. IOUSP.B.Z. E.Z.F.Z. Resumos II Simpósio sobre Oceanografia. 11: 431-432. MORGADO.P. NONATO..C... L. São Sebastião (SP). SP). Belém. & BELÚCIO. Sobre Sanguinolariinae (Bivalvia: Psammobiidae).Estrutura. MORGADO. A.H.C. 1991. São Paulo. E. 4: 107. A. 1992.H. AMARAL. L. The intertidal macrofauna of São Francisco complex beaches (São Sebastião. Composição da fauna de anelídeos poliquetos da região entremarés do Pontal da Cruz. E.H. 1994. E.C. Angers. 1990. 1996. C. MORGADO. 2: 174. A. Mar. L.Z. & FERREIRA. P. AMARAL... Caracterização da fauna da região entremarés de algumas praias do Canal de São Sebastião. AMARAL. France. São Sebastião. A. NONATO.. São Sebastião (SP). & NARCHI.Z. & FERREIRA. nas praias do Perequê e Engenho D’água (Ilha de São Sebastião. S. A. & AMARAL.. & SALVADOR. 1847. PA. A. São Sebastião (SP). W.Z. E.(Jeffreys. MORGADO. E.. AMARAL. Resumos XVII Congresso Brasileiro de Zoologia. BELÚCIO.C. PR.F. A. & BELÚCIO.C. Distribuição dos anelídeos poliquetos na região do Araçá. São Paulo. 1984.C. 1990.C. MORGADO.P. MORGADO. L. Salvador. SP. SP. E. 8: 23. 1991. AMARAL. 3: 244.Z. A. Resumos XI Congresso Brasileiro de Zoologia. & SALVADOR.H.H. 1991. C.H.Alterações na fauna de anelídeos poliquetos do Araçá. 17: 362.R. PA.F. BA. E. 19: 18. SP. MORGADO. 18: 500. M.Z.P. Resumos VIII Mini-Simp. 3: 242. F. Mus. natn.Z. Southern Brazil. Hist. SP). MORGADO.Z. SP. Porto Alegre.IOUSP. São Sebastião. Distribuição da macrofauna bêntica da zona entremarés em praias do litoral do Estado de São Paulo . Mém..F. 1992. Anelídeos poliquetos sedentários associados ao briozoário Schizoporella unicornis (Johnston).B.P.P. Paris. Publ. AMARAL.H. FERREIRA.P. & AMARAL. E. MORGADO.Z. Resumos XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. Composição da fauna de poliquetos da zona entremarés. 7: 30. E. 14: 18.H. L. de Biol. São Sebastião.. Résumès 4th International Polychaeta Conference. E.

E. NARCHI. NONATO. Adaptações à vida sedentária em Lucina pectinata (Gmelin.A.. 14: 39.F. E.C. NONATO. 21: 40. Efeito de perturbações do sedimento na estrutura de associações macrobênticas de um banco de meandro da Gamboa Pequena (Baía de Paranaguá. 1987.B. I. Paraíba. 3a Semana de Seminários de Biologia Marinha.IOUSP. Porto Alegre. & AMARAL. 1852 (Crustacea. & PEREIRA. & DÁRIO. NEGREIROS-FRANSOZO.F. M. Efeitos do caranguejo Pinnotheres ostreum em ostras Crassostrea rhizophorae. 1842) e Tagelus plebeius (Lightfoot. entre Cabo Frio e Arroio Chuí. São Paulo. & MAUTARI. 1978. 3: 243.L. R.K. São Paulo.F.M.Zoologia de Animais Marinhos. A. 1991. Ciênc. Sobre Tivela ventricosa (Gray. São Paulo. & FRANSOZO. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. A. Universidade de São Paulo. Paraná).L.A.L. W.A. RS.M. Aspectos da biologia de Epialtus brasiliensis Dana. Distribuição dos anelídeos poliquetas na Costa do Brasil. & LEITE. NONATO. 7(2): 219-220.C. 1979. E. W. R.C. 3. The identity of Arenicola brasiliensis Nonato. SP. 12: 42. Cult. Instituto Oceanográfico. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica . Paraíba. R.C.N. 2: 269. 1981. 1996. Resumos III Simpósio Latino-americano sobre Oceanografia Biológica. S. A.K.Z. A. E. III Simpósio sobre Oceanografia . 1976. 29(7): 535-536. 1786) num banco arenolodoso do estuário do Rio Paraíba do Norte. Resumos Mini-Simpósio de Zoologia . A. J. Santos. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica . Biomassa e conteúdo calórico de alguns poliquetas bentônicos da região de Ubatuba. São Paulo. SP.A. Dinâmica da população e índice de condição de Mytella charruana (Orbigny. & AMARAL. A. 1977. & LANA. NONATO. NOGUEIRA.M. E. F. NONATO.IOUSP. 2: 266. p. Resumos expandidos VII Congresso Latino-americano sobre Ciências do Mar..B. & LEITE. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia.F. San Salvador.IOUSP.Análise preliminar. II Simpósio sobre Oceanografia IOUSP. SANTOS. NISHIDA. P.M. 1978. W. 5: 312.C. Fauna bentônica das enseadas do litoral norte de São Paulo.C.Z. F. 1997.Z.A.NARCHI. 1991. El Salvador. São Paulo.Z. NARCHI. São Paulo. 1991. Anelídeos poliquetas associados ao coral Mussismilia hispida (Verrill) na Laje de Santos (SP . & AMARAL. Influência do substrato na distribuição de Mytella charruana (Orbigny.L. SP. Bivalvia) do estuário do Rio Paraíba do Norte. 1838) do litoral do Estado de São Paulo (Bivalvia Veneridae). Sobre Psammobiidae (Bivalvia) do litoral paulista. 5: 345. 1842) (Mollusca. F..IOUSP. XII Encontro Brasileiro de Malacologia. Contribuição ao conhecimento dos anelideos poliquetas bentônicos da plataforma continental brasileira. SP. 1791). SP. NASCIMENTO. 1980. & FARANI ASSIS.F. 3: 47. II Simpósio sobre Oceanografia .Brasil) . NISHIDA. .C. São Paulo. SP. NETTO. 8(A). S.D. Tese de Livre Docência. & AMARAL. 246p. 1996. A. Najidae). Supl. K. SANTOS. Mollusca-Bivalvia.

Universidade Estadual de Campinas. Moluscos do estuário do Rio da Estiva.B. Instituto de Biociências. & MASUNARI. Poliquetas da região entremarés do litoral norte do Estado de São Paulo – Distribuição ao longo de um gradiente hidrodinâmico. SP.C. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica . nov. & AMARAL. 1998. (prelo). NOVELLI. Brasília. & AMARAL. A. Rio de Janeiro 3: 183-196. Instituto de Biologia. São Paulo. 1879).Brasil).P. E.C. V. 6: 68. & MASUNARI.SP. Tanaidacea) na região do Araçá. OMENA.NONATO. DF. 1994. Zonação vertical da fauna de raízes do mangue ao longo de “transects” (Rio Jacuruna. 28: 217-218. São Paulo. Dinâmica populacional e produção secundária de Laeonereis acuta (Webster. São Sebastião (SP . Distribuição espacial de Polychaeta (Annelida) em diferentes ambientes entremarés de praias de São Sebastião (SP). Campinas. II Congresso de Ecologia do Brasil. Life history relationship between the bopyrid isopod Aporobopyrus curtatus (Richardson.R. 5: 5-6. O ambiente da região entremarés da praia do Saco da Ribeira. 1982. 1997. SP. OLIVEIRA. 1983. Oecologia Brasiliensis: Ecologia de Praias Arenosas do Litoral Brasileiro. Resumos X Congresso Brasileiro de Zoologia.Z. 6th Colloquium Crustacea Decapoda Mediterranea.P.S.Z.S.Z. São Sebastião .O. 1850) Stimpson. OISHI.P.C. MG. OLIVEIRA. 1949 (Crustacea. 7(2): 223-224. 1998. S. IX Congresso Brasileiro de Zoologia. J. P. & DUBE. 1976. 18: 91.M. 1904) and its porcelain crab host Petrolisthes armatus (Gibbes. E. E. NUCCI. P. Sobre a família Iphitimidae (Annelida: Polychaeta) e descrição de Iphitime sartori sp. Italy. P. Tese de Doutorado. OLIVEIRA.C.. Paraíba. Atlântica.M.R. MORGADO. E. 1987. 1850) from Farol Island in Southern Brazil. Universidade Estadual Paulista. F. BA. Rio Claro. Distribuição estacional de Petrolisthes armatus (Gibbes. LEITE. 1996. & MELO. Composição e distribuição da carcinofauna da região entremarés de praias do Canal de São Sebastião. Ocupação de conchas por Pagurus criniticornis (Decapoda: Anomura) na praia do Araçá.G.Paraná). E.F. 14: 22. 28a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. .F. 2(2): 119-132. OLIVEIRA. M. Biodiversidade de crustáceos da região entremarés em praias do Canal de São Sebastião (SP). NUCCI. G. A.H. 60p.. OMENA. A. P. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. PR. NONATO.A. Estado da Bahia). E. Belo Horizonte. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. NUNES. Resumos expandidos VII Congresso Latino-americano sobre Ciências do Mar. 1978. V. Rio Grande NUCCI. 10: 214-216. & PAIVA. Brasil. SP. 9: 270-271.A. Distribuição da fauna de peixes demersais em uma área do litoral norte do Estado de São Paulo. 1991.C. Salvador. SP.P. Dissertação de Mestrado. Ubatuba. V-VI Encontro de Zoologia do Nordeste. C. Aspectos da distribuição de Kalliapseudes schubarti Mañe-Garzon. & AMARAL. RS. 1858 (Decapoda anomura Porcellanidae) da Ilha do Farol (Caiobá . Londrina. 1997. M. T. Porto Alegre. Y. Florence. 2: 361. E.IOUSP. Moluscos de praias da Ilha Anchieta. 1987. S. ALMEIDA. SP.R.. BRANCO.

Venezuela. OMENA.P.S.H. RS. Gastropoda. E. A.Z. Efeito da predação sobre a endofauna da zona entremarés da região do Araçá.M. OMENA. A.P. E. Sci. E.Z. Porto Alegre. 1971 (Mollusca. 9: 24. LIMA. E.. E. 1974. 77p.C. Observações sobre a macrofauna da Praia do Saco da Ribeira . E. Lista preliminar e descrição de três novas espécies.P. 3: 223.C. Mar. & GIANUCA.M.V.Z. OMENA. S. 1984. SP).R.H. Caracas. E. Composição e distribuição de anelídeos poliquetos em praias do Canal de São Sebastião . Santos. Ecologia de Donax gemmula Morrison. 6th International Polychaete Conference.S. E. Resumos IX Mini-Simpósio de Biologia Marinha.. 1994. & GIANUCA.S. Prosobranchia) para deslocamento em substrato arenoso.Z. F.A.. 21: 21. R.H..C. Bull. & ABRAHÃO. Population dynamics and secondary production of Laeonereis acuta (Treadwell. 1995. RS. T.. E. ALONSO..F. Rio Claro. E.Enseada do Flamengo . N. PR. Resumos XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. 2000. OMENA.M. & AMARAL. A. OMENA. S. 67.. & AMARAL. Brasil. STEINER. MAGRO. São Sebastião. Porto Alegre. São Paulo. ORENZANS. A. Ciências PUCRS. 4: 1-47. SANTOS. S. & LIMA. Mus. 1: 89-90. N. PAPALEO. N. XI MiniSimpósio de Biologia Marinha. J.B. Donacidae) na zona de arrebentação da Praia do Cassino.Ubatuba.T. SP. L.C. Observações sobre Donax gemmula Morrison.OMENA. E. Universidade Estadual Paulista. Curitiba. HENRIQUES.M. S. & RAMOS. Instituto de Biociências.G. SP. 6: 109. PEREIRA. SP.Resultados Preliminares. A. Contribuição ao conhecimento dos anelídeos poliquetas do Rio Grande do Sul. Donacidae) na zona de arrebentação da Praia do Cassino. III Simpósio sobre Oceanografia . Padrões de distribuição e estrutura trófica de poliquetos da região entremarés de praias da Ilha de São Sebastião (SP). Brazil). 1996. I.L.. Análise morfométrica do poliqueta Laeonereis acuta (Webster. A.J. AMARAL. M. E.F. 7(2): 245-247.M.. BADIN. OIGMAN.. 1923) (Polychaeta: Nereidae). Distribuição temporal do polychaeta Nereidae Laeonereis acuta (Webster. GOBBI. Alterações na locomoção de Stramonita haemastoma (L. H.R. 11: 52.P.. Dissertação de Mestrado. São Sebastião. & STEINER. OIGMAN. .L. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. Population dinamics of Laeonereis acuta (Treadwell. 21: 21. 1996.Z.. A. 1971 (Bivalvia. 1923) (Polychaeta: Nereidae) from the Enseada Beach (São Sebastião. & GIANUCA. OMENA. & DUARTE.H.Resultados Preliminares.M.C. Com. L.Z. J. PARDO.. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. & MORGADO. E.. 14: 18 PAES.C. & AMARAL.C. 1987. 1998. 36a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. C. M. MORGADO. Resumos expandidos VII Congresso Latino-americano sobre Ciências do Mar. PAPP. PAES.IOUSP. 1991.P.. AMARAL. Rio Grande..) (Mollusca. Composição e distribuição de anelideos poliquetos em praias do Canal de São sebastião . São Sebastião (SP).D. 1879) na Praia da Enseada (São Sebastião. T.T. 1996. I Congresso Latinoamericano de Malacologia. RS.Z.P. K. 1880) em uma planície de maré (São Sebastião. SP. BRENNER. L.G. SP Brasil). AMARAL..M. 36: 685. 1997.M. AMARAL. M. 1996. Juiz de Fora.P.

Instituto de Biociências. SP. . Olividae) na praia do Cassino. 12: 232-233. PR.Bahia. Resumos XX Congresso Brasileiro de Zoologia.. 1995. MORGADO. & AMARAL. 1996. Composição e distribuição de anelídeos poliquetas nas praias São Francisco e Engenho D’água (Canal de São Sebastião. RS.C. RJ. A. A.. PASSOS. Análise do conteúdo do trato digestivo de Cirriformia tentaculata e Naineris setosa (Annelida: Polychaeta).C.V. E.C. E. III Encontro de Zoologia do Nordeste.. RS.V. XI MiniSimpósio de Biologia Marinha. 1995.S. PARDO.A. RJ.E. & AMARAL. 3: 104 a 112. SP. 1994. Argentina. Neogastropoda. L. & DOMANESCHI. Tese de Doutorado. Levantamento preliminar de moluscos de Tramandaí.Z. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar.RS. São Sebastião.. E. N. Argentina.Brasil). Rio Grande. 9: 277.. PE.Z.C. 6: 150. F. Resumos III Simpósio sobre Oceanografia. SANTANA.D.Z. E..D. & ANDRADE.B. & AMARAL. Comportamento. M.O. Resumos IX Mini-Simpósio de Biologia Marinha. & LIMA.Z. E. 1982.R. P.H. PEZZUTO. A. Recife.H. PEDROSO. Grupos tróficos de poliquetos da região entremarés de praias da ilha de São Sebastião (SP).V. Rio Claro. 1810) (Mollusca. Estimativas das curvas de crescimento em comprimento e em peso para Trachycardium muricatum (Bivalvia. PESO-AGUIAR. 1971 (Bivalvia. PARDO. Estrutura trófica dos poliquetos de praias arenosas da Ilha de São Sebastião (SP . UERJ. 2000. PASSOS. Porto Alegre. PERRIER. PARDO. RS. SALVADOR. E.. L. Porto Alegre. 15: 38. Donacidae). E.C. A. São Paulo. São Sebastião. 7(2): 267.. RIZZO. 1982. 6: 157. C. SP.M. XII Semana Nacional de Oceanografia. O. 11: 53. PARDO. M. E. Universidade Estadual Paulista. 1998. 6: 114. REIS. A. 1996. Cardiidae) da Baía de Todos os Santos . Donacidae): Histologia e anatomia funcional dos órgãos e estruturas associadas à cavidade palial. E. SP). E. Descrição das fases de desenvolvimento embrionário de Olivancillaria vesica auricularia (Lamarck.V. 1778) Mollusca Bivalvia do litoral norte de Pernambuco. Curitiba. 1981.PARDO. 20: 175.A. MORGADO.Z..H.V.L.V. 1994. Rio de Janeiro. 1971 (Bivalvia. L. PA. PEIXOTO. 1988. IX Congresso Brasileiro de Zoologia. A. Cirriformia filigera (Delle Chiaje. & AMARAL. PARDO. Curitiba.C. 1997. SP. A. AMARAL. & AMARAL. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. 1996. Donax gemmula Morrison. RS. A morfodinâmica como fator controlador da distribuição e abundância de Neocallichius mirim (Decapoda: Callianassidae) no mediolitoral da Praia do Cassino . São Paulo. F.D. 6th International Polychaete Conference. dieta e grupos funcionais de alimentação de anelídeos poliquetas da região entremarés de praias arenosas do Canal de São Sebastião (SP). L. Mar Del Plata. Resumos expandidos VII Congresso Latino-americano sobre Ciências do Mar.C. O.C.R. Rio de Janeiro.Z.V. São Sebastião. PARDO. Anatomia funcional de Donax gemmula Morrison. Heterogeneidade ambiental e distribuição da macrofauna bêntica de praias da Ilha de São Sebastião (SP). XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. MORGADO. Mar Del Plata. & DOMANESCHI. 1825). 9: 24-25.V. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. ROCHA. Feeding behavior and diet of the Cirratulid. & GIANUCA. 1999. E. SP. 21: 35. J. Tivela mactroides (Born. 3: 221.H.

42: 893-921. A agressividade e suas modificações em fêmeas de Neanthes succinea (Frey e Leuckart. Y. A.R. 6: 166. F.Z. REBELO.. I Desembocadura do Rio Itimirim. Sobre a fauna acompanhante das galerias de Callichirus mirim (Rodrigues. XII Simpósio de Biologia Marinha. REIS. Baía de Sepetiba. SANTOS. 1984. B. 1995. REBELO. 1986.C. SOARES-GOMES. 1995.C.B. REBELO. A.M. 1847) em laboratório. Argentina. Belém. 1986 Primeira ocorrência de Polydora ligni Webster.. 1935 (Decapoda . São Sebastião (SP.C. M. sudeste do Brasil. M. Ilha da Marambaia.C. 1987. F. D. Brasil). H. João Pessoa. Spionidae). 1879 e Polydora socialis (Schamarda. S. GIANUCA. Estrutura da comunidade de poliquetas da zona entremarés na região do Araçá. F.R. & SILVA. 1998.O. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. PA. 6th International Polychaete Conference. S. and trophic structure of soft-bottom communities.. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. RECHINHO. P. Belém.C.C. Morfologia das peças bucais de Emerita brasiliensis Schimidt. REBELO.N.. 1971) (Decapoda.C. Mar del Plata. D. & MARINHO. & SILVA.PEZZUTO. F. PA. sediment stability..C. XVI Congresso Brasileiro de Zoologia.C. F. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. & CUNHA. AMARAL. 1987. & PRAZERES. 11: 430. Callianassidae) na praia do Cassino. MT. REIS. PITOMBO.O. 1836) no Canal da Praia de Canasvieiras. J. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. . MT. VI COLACMAR .B. 14: 32. PR. REIS. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. REBELO. XI Congresso Brasileiro de Zoologia. Parâmetros físicos-químicos e sedimentológicos na distribuição da fauna. Nota preliminar sobre os anelídeos poliquetos no manguezal da Coroa Grande.G. São Sebastião. Mar Del Plata. Cuiabá.. 14: 23.. & MORGADO. Comparative study of polychaete composition from Araçá intertidal region. 1997. III. V. MT. Cuiabá. M.C. 6: 120.O. 1989. RS. N. Considerações sobre aspectos biológicos de Macrobrachium acanthurus (Wiegmann. A. RJ.Z. E. A.H. SILVA. & ALVARES. 6: 160. Brazil). 13: 250. 12: 38.A.C.Z. & AMARAL. 1861) na costa brasileira (Polychaeta. PUGA. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. & AMARAL. 13: 51.H. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. Zonação da macrofauna bêntica de poliquetos de praias da Ilha de São Sebastião (SP. São Sebastião (SP).M. F. 13: 23. 1984. P.G. F. Nota preliminar sobre a macrofauna bentônica da Baía de Guanabara. PROBERT.C. Argentina. REBELO. XI Congresso Brasileiro de Zoologia.Anomura) do Rio de Janeiro.Congreso Latinoamericano de Ciencias del Mar. Mar. Cuiabá. A. 1984. RJ.B. 1986. 11: 429-439. 1987. Alguns anelideos poliquetas do Arquipélago de Fernando de Noronha. PB. F.O. Macrofauna bêntica de substratos móveis do manguezal de Coroa Grande. 16: 223. 14: 204.M. SP. RAUH-MULLER. S.K. Baia de Sepetiba. Disturbance. Res. Curitiba. Distribuição especial dos moluscos macrobênticos de substratos inconsolidados da Praia Suja.

XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. Composição da fauna de poliquetos da zona entremarés. RIZZO. A. A. Comunidades bênticas de praias da Ilha de São Sebastião. São Sebastião (SP). RODRIGUES.S. CARMO.C. ROCHA... L. AMARAL. J. AMARAL. São Paulo. U. A. 1986. Universidade Estadual Paulista. 3: 565. PARDO.V. & AMARAL.J. Composição e distribuição de anelídeos na região entremarés das praias São Francisco e Engenho D’água. A. southern Brazil.C. 1996. Temporal variation of annelids in the intertidal zone of beaches of the São Sebastião Channel.H. & AMARAL. Distribuição e variação temporal da macrofauna bêntica de poliquetas de praias da Ilha de São Sebastião (SP). T. 3ª Reunião Especial da SBPC Ecossistemas Costeiros. Composition and distribution of polychaetes in the beach intertidal region of the São Sebastião Channel (São Paulo. São Sebastião. P. M. 6th International Polychaete Conference.Z.Z.C. R.E. E.Brasil). & AMARAL. A. 1996. 1996. & LIMA. PARDO.E.Z. AMARAL. 6: 121.C. Decapoda) para o litoral do Rio Grande do Sul. 21: 66. Análise parcial da composição de anelídeos poliquetas em praias do Canal de São Sebastião (São Sebastião. & LIMA. A.E. A. E. & CONTI. A. Aspectos ecológicos da malacofauna do manguezal do Rio da Passagem. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia.Z. 3a Reunião Especial da SPBC. & BROSSI-GARCIA. Desnvolvimento juvenil de Uca (Minuca) burgersi Holthuis.. A. RIZZO. Vitória. PARDO. 1998. São Sebastião (SP).H. SP).. 1994. 2: 371. L.. São Paulo. & MORGADO.Z.. Rio Claro. XI Simpósio de Biologia Marinha.E.C.R.V. SP). Variação espaço-temporal de anelídeos poliquetas de um setor da Praia Engenho D’água. RIZZO.C. São Sebastião. RIEGER.REIS.L. Porto Alegre. A. REIS.H. E. III Simpósio sobre Oceanografia IOUSP.B. 7(2): 347-349.Z. Rio Claro.R. MORGADO. M. Florianópolis. São Sebastião. Biol.O.. RIZZO.O. & MORGADO. Ass. RIZZO.Z.J. SP. REIS.L. 1997. VIEIRA.L. 1998. Cuiabá.O. A. 1858) (Crustacea. 72p. RIZZO. SALVADOR.Z..D. XI Simpósio de Biologia Marinha. 79. A. E. A. AMARAL. 11: 57. Mar..H. Dissertação de Mestrado. Canal de São Sebastião (SP . Brazil). 5: 15.H.M. MORGADO. Londrina. M. 3: 202. A. RIZZO. SC. E. M. G. A. SC. SP. & AMARAL.C. 1996. V Encontro de Pesquisa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas . 2000. SP. Instituto de Biociências. Curitiba.C. A. K. 1997.Área de Zoologia.C. ES. 9: 28. . Ocorrência de Pachygrapsus gracilis (Saussure. Ecossistemas Costeiros. PR.C. SP.V. Comunidades bênticas de anelídeos poliquetas na região entremarés das praias São Francisco e Engenho D’água (São Sebastião. 3: 477-478. MT. G. 1967 Crustacea Decapoda Ocypodidae em laboratório.B..Z. & SANTOS. II Congresso de Ecologia do Brasil. R. RS. 1994. 1996.. & AMARAL. P. IX Mini-Simpósio de Biologia Marinha. VII Congresso Latinoamericano sobre Ciências do Mar. RIEGER.E. Grapsidae) no litoral do Estado de São Paulo. SP.H. L..E.. PR. A. Brasil. SP. Florianópolis. 11: 56. E. 1996.E. Composição específica de anelídeos poliquetos no Canal de São Sebastião. & PINHO. 13: 54. S. na região do Araçá. E. Nota sobre novo registro de Brachiura (Crustacea.

Distribuição temporal de moluscos da região entremarés de praias do Canal de São Sebastião (São Sebastião. Distribuição espaço-temporal das populações de moluscos da região entremarés de praias da Ilha de São Sebastião (SP). & SHIMIZU.Área de Zoologia.C. R. J.A.A. Tese de Livre Docência.S. II Congresso Latino-americano de Malacologia. SP. 6: 16 RODRIGUES. 1983. R.C. & SHIMIZU. 1996.B. S. M. Londrina. SP. Biosistemáttica das areias da Praia de Barequeçaba. 6: 176. A.M. Decapoda. 3: 1555-170.. Mar del Plata. S. 1991.B. E.Brasil). & MORGADO. Argentina.A.A.RODRIGUES. XI Congresso Brasileiro de Zoologia. Universidade de São Paulo. da Baía de Santos.B. AMARAL.. SP (Crustacea. SP. RESGALLA JR. Rio Claro. S.Z. & MORGADO.H. P. DENADAI. SP). Tese de Doutorado. E. & AMARAL. Ecossistemas Costeiros.M. 1987. & AMARAL. V.Z. SALVADOR.C. Densidade e distribuição espacial de Callichirus major (Say. SALVADOR. Cuiabá.H.C. Universidade Estadual Paulista. ALVES. Rio Claro.F. FERREIRA. 1818) (Crustacea.. S.. A.B. PEZZUTO. 12: 44.. Belém. biomassa e zooplâncton associado). & MORELLI. SC. Thalassinidea) .M. Porto Alegre. XII Encontro Brasileiro de Malacologia. Zonação da malacofauna em praias da Ilha de São Sebastião (SP .. L.VI Congreso Latino Americano de Ciencias del Mar. G.Brasil). L. 1997. A. Florianópolis. 1995.. 174p.B.Z. 1997. SP. 5: 16. Dissertação de Mestrado. XIV Encontro Brasileiro de Malacologia. 1995. Distribuição zoogeográfica de moluscos da Ilha de São Sebastião (SP .B. Rio Claro. 3: 473-474.A. Instituto de Biociências. L.Z. H. 1818). SP. SALVADOR. PA. São Sebastião. 13: 50. III Simpósio sobre Oceanografia. MT. SALVADOR. S. SALVADOR. C. . RODRIGUES. & SHIMIZU. Estrutura de comunidades de moluscos de duas praias do Canal de São Sebastião (São Sebastião/SP). Instituto de Biociências. RÖRIG. Rio de Janeiro.. Análise ecológica de um processo de acumulação massiva da diatomácea Anaulus australis na zona de arrebentação da Praia de Navegantes . SHIMIZU. A. L. Aspectos da biologia de Thalassanidea do Atlântico Tropical Americano.. L. RODRIGUES.C. 1996. RS. 2: 367. Decapoda. 1818).R. Oecologia Brasiliensis.R.SC (fatores causais. S. Thalassinidea) no litoral de São Paulo. VI Mini-Simpósio de Biologia Marinha. 1986. RODRIGUES. Autoecologia de Callichirus major (Say. PR. R. GEBARA. & AMARAL. Universidade Estadual Paulista. SP). RODRIGUES. 1995.A. São Paulo. Malacofauna da região entremarés de praias de areia com fragmentos de rocha do Canal de São Sebastião (SP). 14: 48. F.Y.B. & SHIMIZU. Instituto de Biociências. II Congresso de Ecologia do Brasil.M. São Sebastião.R. 11: 94-95.M. 1994. SALVADOR. 140p. 2000. sujeita à exploração predatória (Crustácea: Decapoda: Thalassinidea)..Z.R. AMARAL. 1818) na Baía de Santos. & COELHO. L. São Paulo. E. L. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. 3a Reunião Especial da SPBC. R. Moluscos das praias do Perequê e Engenho D'água (São Sebastião. SP. L. Estrutura temporal da população de Callichirus major (Say. Monitoramento de uma população de Callichirus major (Say. SP. SALVADOR. A. 1984. V Encontro de Pesquisa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas . 3: 239.

O.Z. Porto Alegre.H. Macrofauna bentônica das regiões supra e médio-litoral dos manguezais dos rios Pomonga e Parnamirim.P. R. São Carlos. 21: 21-22. AMARAL. Porto Alegre. & MORGADO. FREIRE. PB. L.B. SP.B. 21: 60.. L. Prog. SC. 1998. & AMARAL. O. Londrina. L.M. 1874) na região nordeste do Brasil.A. & LANA. Revta. & ALVES... Zool. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica IOUSP. Ophionereididae) e Malmgreniella variegata (Treadwell) (Polychaeta.H. Polynoidae) das praias de Salvador.C. SALVADOR. II Simpósio sobre Oceanografia. 3: 564.A. A.. SANTOS. L. A. 1996. P. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia.Z.. 1996. MORGADO. Florianópolis. & LIMA. 18: 451. E. DOMANESCHI.H. .C. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. RS. G. bras. SANTOS. CARDOSO. SP.. I Simpósio Latino-americano de Saúde de Ecossistemas Aquáticos e Significados Ecológicos de Bioensaios. II Encontro de Zoologia do Nordeste. SANTIN. SP. SP. & HENRIQUES. REIS. 1994. Padrão de distribuição espacial de Orchestoidea brasiliensis (Amphipoda: Talitridae) em diferentes formas de agregação.J. O. SALVADOR. P. Population dynamics and production of Scolelepis gaucha (Polychaeta: Spionidae) on a sandy beach in southern Brazil.P. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia.. SANTOS.S. Malacofauna de praias do Canal de São Sebastião. SALVADOR. L.F. João Pessoa. C. 1991. A note on the taxonomy and distribution of Callinectes spp. SANTOS.Z. A. SANTOS.. Nova ocorrência do poliqueta Ceratonereis excisa (Grube. MORGADO. M.. V.C.RJ. São Paulo.V. A.M. 1996. 1994. MORGADO.. & VELOSO. DENADAI. 1980.S. Anelídeos poliquetos do Estuário do Rio Sergipe. São Paulo.R.C. Associação entre Ophionereis reticulata (Say) (Ophiuroidea. Brasil). SALVADOR. IX Mini-Simpósio de Biologia Marinha. 14: 208. M.G. 1987.P.. Contribuição ao conhecimento da malacofauna da região entremarés do litoral de Santa Catarina.C. 1978.Ecossistemas Costeiros. A. 18: 127. 1996. AMARAL. L.SALVADOR.C. P. A. M. CERQUEIRA.. E. 2: 175. AMARAL. BA. C. Salvador. L.Z.A. Abundância e distribuição de moluscos em duas praias da Ilha de São Sebastião (SP). 3a Reunião Especial da SBPC . Malacofauna da região entremarés de praias da Ilha de São Sebastião (São Paulo..G. SANTOS. & SANTIAGO.Z.M. E. Ecol. 2. 1991. Brasil.S. Mar. 1994. Interferência da poluição de origem doméstica em praias da Ilha de São Sebastião (SP). MORGADO. XI . XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia..R.J. SANKARANKUTTY. RS.. PR.P.. in the State of Rio Grande do Norte. 1990.H. W.G. Estrutura de comunidades de moluscos da região entremarés de praias de ilha de São Sebastião (SP). São Sebastião.C. 9: 29-30.Distribuição espacial de Archiannelida na Praia Vermelha . E. 15(4): 1013-1035.B. & AMARAL. 5: 41-42. PARDO. S.Z..B. E. M. 110: 159-165.A. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. Revta bras. A.B. & SILVA.C. SANTA-ISABEL.H. E. Contribuição ao estudo das comunidades animais do substrato móvel marinho. & AMARAL. Zool. L.H. A. 13(1): 137-142. V.S. Bahia.

5: 193-194. Contribuição ao estudo das comunidades animais do substrato móvel marinho. Espécies do gênero Callinectes do “Complexo Estuarino” de Maceió. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. & PEREIRA BARROS.M.IOUSP. R. VI Mini-Simpósio de Biologia Marinha. SHIMIZU. 1991. SP). MT. SILVA-BRUM.S. São Paulo. S. Ubatuba. I . 1984. Inventário da malacofauna de Alagoas . V. SCHAEFFER-NOVELLI. MT. . E. Fisioecologia de hemicordados. Cuiabá. 14: 209.. Universidade de São Paulo. Estado de São Paulo. I.N. Inter-relações entre sedimento e bivalves de uma praia arenolodosa do litoral norte do Estado de São Paulo. J.RJ: julho de 1984. 11: 52-53. 30a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Universidade de São Paulo. V. 1986. V. C. P. 13: 20. I. & PEREIRA BARROS. XI Congresso Brasileiro de Zoologia. 1977. 30: 406. J. XV .M. 1978. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia.SANTOS. Y.Macrofauna da Praia Vermelha .Y. P. Revisão da metodologia de determinação do peso seco em bivalves marinhos.B. 1987. XI Congresso Brasileiro de Zoologia. Salvador. SP. 1984. RJ. MT. Belém.IOUSP. 5: 141-142. Rio de Janeiro. Brasil. C. PA. 29: 533. & COSTA. SCHAEFFER-NOVELLI.S. C. 1990. Distribuição da subordem Balanomorpha (Crustacea: Cirripedia) da região entremarés. & MARTINS. J. Acari (Arachnida) da Praia Vermelha. SILVA.C. BA. 1986. & PEREIRA BARROS. Regeneração de Balanoglossus gigas. Comunidade de fauna vágil do substrato aarenoso sob pedras do Istmo do Baleeiro. São Paulo. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica . Dissertação de Mestrado. Y. SILVA. Londrina. Y. 1978. SP. SHIMIZU. A comunidade de macroinvertebrados da região entremarés da Praia de Barequeçaba.M. 29a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. XVII Congresso Brasileiro de Zoologia.Brasil. & RODRIGUES. J.A. SILVA. RJ.Primeiros Resultados. Cuiabá. F.P.R.B. 13: 19. SCHAEFFER-NOVELLI. Ecologia populacional de Scolelepis squamata (Múller. Belém. na Baía de Guanabara. 18: 101.A. Análise populacional de Anomalocardia brasiliana (Gmelin. 11: 51-52. 1818) (Crustacea: Decapoda: Thalassinidea) da Praia de Barequeçaba (São Sebastião. 49p.P. SAWAYA. C.S. 144p. SILVA. São Sebastião. SILVA.B. PR. 1806) (Polychaeta: Spionidae) e Callichirus major (Say. Inventário da malacofauna das regiões estuarinas de Maceió-Alagoas.M. & PEREIRA BARROS. Instituto de Biociências. Cuiabá.R.A. 1791). 13: 103. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. São Sebastião. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia.C. 1978.M. Tese de Doutorado. GROHMANN. na praia do Saco da Ribeira. & SILVA. J. & NOGUEIRA. 1986.Técnicas de tratamento para montagem de lâminas e identificação das espécies. 18: 115. 1991.J. 1987. Inventário da malacofauna do complexo lagunar Mundaú/Manguaba Alagoas . SILVA.O. SHIMIZU.B. R. C. PA.P. G. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia.A. Inventário da malacofauna do litoral de Alagoas Brasil. Instituto de Biociências.R. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica .S.B. 1997.S. 6: 19.

Ubatuba. Distribuição da macrofauna bentônica do médiolitoral da praia arenosa de Barrancos. 1964.R. 1995. Antípodos das famílias Talitridae e Ampithoidae.A.R. E. SOUSA. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. Cuiabá. Salvador. SOARES. E.P. VI Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. Curitiba. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. Produção primária bêntica e poluição no médio litoral de Santos. Estudo ecológico da região de Itamaracá.C.P. L. SOUSA. 59 (2):103-111.C. J. Macrofauna da zona de arrebentação da praia arenosa de Barrancos. PA. Curitiba.B.M.. Zonation and seasonal variation of the intertidal macrofauna on a sandy beach of Paraná State.D. 1818) no intermareal de uma praia arenosa do sul do Brasil. Cia Ed. XVI Congresso Brasileiro de Zoologia. 6: 190. 30a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. C. SOARES. São Sebastião (SP). J. São Paulo. SOUZA. BONETTI. 1988. G.SILVEIRA. S. 18: 30.C. 29: 808. XVI . S. B.R. 1998. In: Azevedo. A. C. Dissertação de Mestrado.J. N. N. Observações ecoetológicas da faunula de invertebrados das marismas da Lagoa da Conceição.A. 29a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. F.R. MT.H. FRANCO. 1994. AMARAL.. & BORZONE. & GIANUCA. 1987. SOUZA.M. João Pessoa. 1989..M.A. SOUZA. Nacional. III Simpósio de Ecossistemas da Costa Brasileira . 30: 406.M. Levantamento da fauna dos crustáceos anfípodos da família Talitridae. SC. A. SOUZA. Universidade Federal do Paraná. J.C. 15:610.D..R. Morfologia do litoral.D.B. C.F.N.B.M. A. 253-305. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. & GIANUCA. 16: 233-234. 1986.P. 1991. 1791) e em águas de manguezais do Estado do rio de Janeiro. Argentina. V. Impacto da pesca dobre Callichirus major (Say. Brasil: a terra e o homem. Serra Negra. EICHLER. SOUZA. 1949) da região do Araçá. 1995. SORIANO-SIERRA. 1988.A. 13: 37. & HEITOR. & GIANUCA.G. SOARES. II. SOUZA. 3(2): 315-323.Experimentos em cativeiro com Polygordius eschaturus (Polychaeta: Polygordiidae). J. BA.Pernambuco. C. Paranaguá. Brazil. . Paranaguá.. ARAUJO. PE. C.M. 1991.Z..subsídios a um gerenciamento ambiental. & OLIVEIRA. N.M.M. Pernambuco. Brasil. CORBISIER. Microfitobentos e meiobentos da região da Enseada do Flamengo. Barcelona. 15: 611. na Praia de Piedade .M. XXII Congresso Brasileiro de Zoologia. J. Recife. F. PR. & LEITE.P. GALLERANI. (ed. E.V. Scientia Marina.P. Níveis de indicadores microbianos de poluição no Molusca Bivalvia Anomalocardia brasiliana (Gmelin.B.B.P. 1978. J. Brasil. Zonação e variação temporal da macrofauna bentônica da praia arenosa de Barrancos – PR. Ecologia populacional de Kalliapseudes schubarti (Mañe-Garzon. Mar Del Plata. SOUZA. PR. T. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. 22: 97.N. E. Contribuição ao estudo das comunidades animais do substrato móvel marinho. & HAGLER.R. Instituto de Biologia.R. SP.). 1977. 14: 260.A. & SILVA.B. G. PB.. PR.V.

Resumos III Simpósio sobre Oceanografia. Macrofauna bentônica da região entremarés das praias de Maceió.R. 1996.M. C. Dissertação de Mestrado. S. Y.. H.. RJ.S. Portunidae) no litoral do Estado do Rio de Janeiro. D.Z. 3: 255.O. & MARTIN. 1989. BA.. H. RS. 1865 (Polychaeta: Eunicidae) from intertidal sandy beach of the São Sebastião Channel. F. VIII Mini-Simpósio de Biologia Marinha.M. 1996. VENTURA. 2000.V. Two new species of Marphysa Quatrefages.. C.L. TANAKA.. M. São Sebastião. TURRA.G. 1996. T. 8: 32. K. Levantamento preliminar dos organismos macrobentônicos do ecossistema estuarino-lagunar de Jequiá.C. São Paulo. Porto Alegre. STEINER.H. Tese de Livre Docência. Biologia populacional e hábito alimentar de Leucozonia nassa (Mollusca: Gastropoda) em habitat de gramíneas marinhas. & AMARAL. A. Eunicida e Phyllodocida (Annelida: Polychaeta) de praias do litoral norte do Estado de São Paulo. 3: 222. 1994.C. TARARAM. M. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. & SANTOS. SP. & SILVA.M. & AMARAL. Distribuição espacial e temporal da macrofauna bentopelágica em marisma da região de Cananéia (SP.K. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. A.. BA. WAKABARA. Publ.O.. 160p. 1992. III Simpósio sobre Oceanografia . TAKEDA. & MIYAGI.S. A. BA. . M. FERNANDES. 19: 178. E. OMENA.H. SOVIERZOSKI. TAVARES. Influência de perturbações antrópicas sobre a estrutura espaço-temporal de associações macrobênticas no estuário do Rio Piauí (Sergipe . Brasil).P. Universidade de São Paulo. . SOVIERZOSKI. XIX Congresso Brasileiro de Zoologia e XII Congresso Latino-Americano de Zoologia.SOUZA.C. TARARAM. Salvador.P.P.P. A. STEINER. SP.M. São Paulo. SP.G.Z. Salvador. 1987.M.B. & COUTO.O. 67. LAVRADO. T. JUNQUEIRA. A. 1991. & ALBUQUERQUE. & VIEIRA. BARRETO. Instituto de Biociências.S.H. Niteroi. V.G. 1987.R. 18: 61.. A. E. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia. AL. A. TAVARES. STEINER. 14: 42.. Brasil. Classificação de costas e evolução geológica das planícies litorâneas quaternárias do sudeste e sul do Brasil. São Paulo. 2000.T. 1833) (Decapoda.M. São Paulo. Mar. Nota sobre a ocorrência de Ovalipes trimaculatus (de Haan. & CORREIA.. Y. BAUMGARTEN. Bull.M. XVIII Congresso Brasileiro de Zoologia. E. S. Salvador. 21: 14. 3: 196. ACIESP. J.. SUGUIO. L. A.. LEITE.H. A. Eunicidae (Annelida: Polychaeta) da zona entremarés de praias do litoral do Estado de São Paulo. 1(54): 1-28. Alagoas. VALÉRIO-BERARDO. M. III Simpósio sobre Oceanografia . M. T.F.A.Brasil).IOUSP.. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia. 1996. H. Anais I Simpósio da Costa Sul e Sudeste Brasileira . H. Comunidades macrobênticas de substrato inconsolidado da região entremarés do Complexo Estuarino Mundaú/Manguaba. Colonização de Sargassum defaunado por anfípodos. FARIA. São Paulo. FREITAS.D.IOUSP. 1991 Variação espaço-temporal da malacofauna (dados preliminares) da Laguna de Itaipú. Sci. 18: 506. AL. E. State of São Paulo.C. SOVIERZOSKI. S. Universidade de São Paulo. SOUZA. 1991.Síntese dos Conhecimentos.M. 18: 503..

Niteroi. Instituto Oceanográfico. & SANTOS.C. 11: 50-51.O. Nassariidae) na zona de arrebentação da Praia do Cassino. IV Congresso Latinoamericano de Ciencias del Mar. RS.. Niterói.P. Zoologia. XI Congresso Brasileiro de Zoologia. 1984. C.A. Porto Alegre. Estratégias de ocupação de habitat por 3 espécies simpátricas de Clibanarius (Decapoda. 11: 442. Macrofauna bêntica da Bacia do Pina. TENÓRIO. TIAGO. & LEITE. SP. & GIANUCA. . Iheringia S. MT. III Simpósio sobre Oceanografia .P. 1991. VALDOZENDE. Belém. 3: 231. Bivalvia) na costa brasileira. VAROLI. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia.L. & SILVA.G.C.B. 1984.O. Moluscos marinhos perfuradores de madeira do Canal de São Sebastião. SP. Description of immatures and ecology of Efflagitatus freudei Pacheco. COUTO. TREMEL. 205p. TURRA. 1819 (Mollusca. D.O. Diogenidae) na Ilha de Pernambuco.M. Parte II Bivalvia. LUNA.A. 1986. L. 14: 42. S. A. 1996. RS. A ocorrência do poliqueto Scolelepis squamata (Spionidae) em tres praias do Guarujá (SP). 1991. Universidade de São Paulo. São Sebastião. F. 1896 no estuário da Lagoa dos Patos. Estado do Rio de Janeiro.M. A. SP. Larvae of neotropical Coleoptera XXI. São Paulo. & DIBLASI-FILHO.C.IOUSP. 5: 12. 13: 250. TOLEDO. & GIANUCA. D. V Mini-Simpósio de biologia Marinha. 1984. 4: 153. A. PA. F. 1988. & SANTOS. TORNEROS. RJ. Tese de Doutorado. D. SP.C. F. A influência da concha na fecundidade dos ermitões da Praia Grande de São Sebastião.. III Simpósio sobre Oceanografia . TOPIN.R. I. Anomura. 1987. & FERNANDES. XXI Congresso Brasileiro de Zoologia.B.F. E. 1994.Pernambuco. M.P. L. 12: 48. São Paulo. Cuiabá.1986. TENÓRIO. 1991. São Sebastião. Considerações sobre o gênero Macoma Leach. SP.. XI Congresso Brasileiro de Zoologia. C.F. C. 1973 (Dryopoidea. XII Encontro Brasileiro de Malacologia. Efeito do benzeno e da mudança de salinidade no consumo de oxigênio em Ucides cordatus. IX Mini-Simpósio de Biologia Marinha. Resultados preliminares do estudo sobre a explotação racional de Anomalocardia brasiliana (Gmelin. 9: 35. Reprodução e crescimento de Callinectes sapidus Rathbun.O. Moluscos do complexo estuarino-lagunar de Suape-Pernambuco.M. Araçá.A. RS.M. Belém. N. Y. São Sebastião. Ecologia de Buccinanops duartei (Gastropoda. Heteroceridae). Associações bentônicas da zona entremarés do sistema estuarinolagunar de Iguape-Cananéia. N. COSTA. 21: 23. 3: 280. O. Coquimbo. Chile. Belém. Brasil. 1995. 1996. XII Encontro Brasileiro de Malacologia. PA. Estudo da composição e distribuição da malacofauna da Laguna de Itaipú. & LEITE. M.M. 1791) nas baías da Ilha de Santa Catarina. RS. XI Congresso Brasileiro de Zoologia. VANIN. F. TENÓRIO.M.IOUSP. Recife . SP. Porto Alegre.TAVARES. S.M. São Paulo. 78: 99-112.A.G. VAROLI. São Paulo. 1996. 11: 46-47. 12: 51. L.F. São Paulo. TURRA.C. XIII Congresso Brasileiro de Zoologia. J.P. Notas sobre a malacofauna da Praia de Itaipuaçu. PA.

1997. Valdívia.L.Síntese dos Conhecimentos. oceanogr. 1990. Os paleoambientes da Província Costeira do Rio Grande do Sul e a possível ocorrência de antigos manguezais na costa sul do Brasil. M. Variação sazonal e distribuição da macrofauna em uma praia exposta do Rio de Janeiro. esp..Ceará . 2(71): 95-107.G. MONTEIRO. 12: 357. São Paulo. C. 3: 213-225. II Simpósio sobre Oceanografia . F.48o00’W) São Paulo.M. VELOSO. A Costa Brasileira: Geologia e Evolução. 1988. V. 1987. Adaptações e biologia da macrofauna de praias arenosas expostas com ênfase nas espécies da região entremarés do litoral fluminense. P. 3: 135-154. VII Mini-Simpósio de Biologia Marinha. VIEITAS. P. . Paulo. MIRANDA. VILLWOCK. T. Contribuição para o conhecimento da ecologia do estuário do Rio Ceará . & FRANÇA. II Congresso Internacional de Gestión de Recursos Naturales.Levantamento de crustacea . N.G. VERGARA Fo. 3: 478-479. TAKEDA. VILLWOCK..T. São Sebastião.. VELOSO.C. 1991. VOOREN. São Sebastião. VELOSO.F. Características morfológicas e modo de vida de anfípodes bentônicos que vivem em diferentes substratos.A. Anais III Simpósio de Ecossistemas da Costa Brasileira . Publ. ARRUDA. 1994.C. Reprodução contínua de Emerita brasiliensis (Decapoda: Hippidae) no litoral do Rio de Janeiro. ACIESP.IOUSP. SP. S. LEITE. Função e Manejo. RJ. XIV Congresso Brasileiro de Zoologia.M. GUTERRES. SP. 9: 35. P. Oecologia Brasiliensis. F. & TARARAM. 1995. VILANOVA. 1(54): 132-137. Macrofauna e biomassa microfitobentônica da região estuarina-lagunar de Iguape-Cananéia (25o00’S . WAKABARA... RJ. E. 3a Reunião Especial da SPBC. L.P. & FONSECA.Amphipoda (Caprellidea e Gasmmaridea) da costa do Brasil. & VILLAS BOAS.G. Oecologia Brasiliensis. & TARARAM. V...V. M. Brasil. & CARDOSO. A.R. SP. Y.G.Estrutura.A. & GUTERRE. Publ. 14: 39. 7: 40. RJ. V. & GIANUCA. CARDOSO.S.R. CARDOSO.M. SP.. Publção..S. ACIESP. Anomura) no litoral catarinense. XII Congresso Brasileiro de Zoologia.S. C.B. D. Campinas.VAROLI. 11: 217-222. VI Mini-Simpósio de Biologia Marinha. LEITE.M. São Paulo.T. Anais I Simpósio sobre Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira .G.M.P. WAKABARA.M.L. V.. Ecossistemas Costeiros. R. J. J. 3(87): 1-15. Chile.S. 1985. CASTRO. Hippidae) no litoral do Rio de Janeiro. 1991. A. M. Rio de Janeiro. R. São Paulo.F. Ciclo reprodutivo de Emerita brasiliensis (Decapoda.M.Brasil. VELOSO. CARDOSO. 1996. 1987.P. L.P.P. F.V. 1997.Subsídios a um Gerenciamento Ambiental.V. M. Nota preliminar sobre a constituição da família Diogenidae (Decapoda.S. M. Y. F.. 1994. A. 1987.T.. Rio de Janeiro. R.A. D. Florianópolis. Inst.S. IX Mini-Simpósio de Biologia Marinha. VELOSO. 6: 22. & SOUZA. G.F. CASTRO.F.B. & CARDOSO. Publ. W. ACIESP. A importância do litoral do Rio Grande do Sul nas migrações de aves costeiras.R. BERARDO.B. & FONSECA. R. & SILVEIRA. SC. 2: 57.. BERARDO.C. V. Spatio-temporal characterization of intertidal macrofauna at Prainha Beach (Rio de Janeiro State).. Habitantes da região entremarés do Estado de São Paulo.S. Anais II Simpósio de Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira .L. 2: 150..M.F. São Sebastião. R.

SP. WEGNER. 1982.B. & WEGNER. 1982.M.A. Handbook of Coastal Process and Erosion. WRIGHT. M.Z.C. P. SC. 1994. SP.C. XII Congresso Brasileiro de Zoologia.Z. Contribuição ao conhecimento da fauna bentônica da praia de Camboriú. Y.IOUSP. SC.F.M.Z. Polychaeta) encontrados em Sargassum cymosum C. Itajaí. & AMARAL. A. TARARAM. & AMARAL. Agardh. (ed. Vitória. SP. Morphodynamics of beaches and surf zones in Australia. 7:108. 1978. A. A.B. Cult.). WUTKE.C. 1985. A. SP.G.M. Campinas. Syllidae (Annelida. O consumo de oxigênio no ermitão Pagurus criniticornis (Crustacea. Metabolismo respiratório de três espécies de pagurídeos brasileiros (Decapoda.C. WUTKE.C. WERNICK. PA. M. 1986.D. Agardh da região de Ubatuba (SP). WERNICK. litoral sul do Estado de São Paulo. Cult. 5: 87-88. 1983. N. V Simpósio Latinoamericano sobre Oceanografia Biológica . Supl. & TAKEDA. São Paulo. & SILVA. 3566. VII Semana Nacional de Oceanografia. XII Congresso Brasileiro de Zoologia. M. A. Predação e abundância dos anelídeos poliquetos na zona entremarés da Praia de Manguinhos.. & AMARAL. M. A.F. São Paulo. E. João Pessoa.D. 34(7): 858. RS. São Paulo.. WUTKE. V. Curitiba. GIANUCA. & ZAMPROGNO.C. WUTKE. Anelídeos poliquetos da zona entremarés da Praia de Manguinhos. Anelídeos poliquetos de Sargassum cymosum C.S. 29: 807. Amphipoda de Sargassum cymosum da região de Itanhaém. .Z. A.M. Agardh como substrato de fixação para os anelídeos poliquetos. 16: 164. 9:199-200. Ciênc.G. Ciênc. Porto Alegre. 5: 12. Anomura) em relação à temperatura e ao tamanho. 1984. Paguridae). A. PB. SP. ZAMPROGNO. Supl. 15: 64. 1988.S. P.D. ZAMPROGNO. 1985. & AMARAL.Z. C. IX Congresso Brasileiro de Zoologia.C. & SHORT.B. M. CRC Press.C. L.. ES. 1977. São Sebastião. XV Congresso Brasileiro de Zoologia. XVI Congresso Brasileiro de Zoologia. A. Sargassum cymosum C. 29a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. A.Z. Boca Raton.P. 36(7): 930-931. 12:42. In: Komar. Agardh como substrato de fixação para os anelídeos poliquetos. V Mini-Simpósio de Biologia Marinha. RJ. Distribuição das famílias Acrocirridae.M. da região de Ubatuba (SP). 1989. & AMARAL. Campinas. ES. M. Dorvilleidae e Onuphidae (Annelida: Polychaeta) na Praia Vermelha.B. ZANATA..WAKABARA. A. Sargassum cymosum C.C. 12: 43.

foram estudadas praias compostas por areia e fragmentos de rocha. ALE) Tellina lineta (PB/E.CE/E. BA) Turbinella laevigata (AL) Abra lioica (SP) Acteocina candei (SP) Agaronia trevassosi (SP) Alvania auberiana (SP) Anachis catenata (SP) Anachis lyrata (SP) Anachis obesa (SP/H) Anachis sertulariarum (SP) Anadara brasiliana (SP) Anadara notabilis (SP) SUDESTE (SE) Anadara ovalis (SP) Anatina anatina (SP) Anomalocardia brasiliana (RJ/M-I-E. PE/E. AL/E-M) Cardium edule (PB/M) Cerithium atratum (PB/E. PE/M-E. AL/M-E) Tivela mactroides (RN/M. PB/M. PE/E-M) Trachycardium muricatum (PB/E. Anadara brasiliana (AL/I-M) Anadara notabilis (AL) Anomalocardia brasiliana (CERN-PE/E. AL/M-E. Infralitoral (I). MA-ALSE/E-M) Barbatia candida (AL) Bulla striata (PB/E. SP/M-E) Anonia ephippium (SP) Antalis disparile (SP) Antiopella mucloc (SP) Aplysia brasiliana (SP) Aplysia juliana (SP) Arca imbricata (SP) Arcopsis adamsi (SP) Astraea phoebia (SP) Astraea tecta (SP) Atrina seminuda (SP) Barbatia candida (SP) Bittium varium (SP/H) Brachidontes darwinianus (SP) Brachidontes solisianus (SP) Bulla striata (SP/M) . SE/M) Neritina zebra (AL/E) Olivella floralia (PE/E) Olivella minuta (PE/E) Olivella mutica (PE/E) Olivella petiolita (PE/E) Phyllonotus pomum (AL) Protothaca pectinata (AL) Protothaca pectorina (PB/E. PB/M. AL/M. AL/E) Pugilina morio (PB) Sanguinolaria cruenta (PE) Sanguinolaria sanguinolenta (PE) Tagelus divisus (PE) Tagelus plebeius (MA. Nesta lista podem estar incluídas espécies de costão. Estuários (E). uma vez que no litoral do Estado de São Paulo. Médiolitoral (M). PB/M. RN. MA-AL-SE/E-M) Mactrellona alata (AL/M-E) Melampus coffeus (PE/E) Mytella charruana (AL/E. AL/M) Chione pubera (MA) Chione subrostrata (AL/M) Ctena orbicularis (MA) Codakia orbiculata (AL/M) Cyrtopleura costata (AL) Divaricella quadrissulcata (PB. RN/E.Registro das espécies de Mollusca para as regiões Norte (N).Tabela I . abreviaturas usadas: Estados. AL/E-M) Chione cancellata (PB/E. PE/E. Sudeste (SE) e Sul (S) do Brasil. AL) Donax striatus (RN/M) Dosinia concentrica (AL/M) Hastula cinerea (AL/E) NORDESTE (NE) Iphigenia brasiliana (CE-RNPB-AL-PE/E) Lucina pectinata (AL. PB/M-E. PE) Mytella guyanensis (SE) Nassarius vibex (PB/E) Natica (RN/M) Neritina meleagris (PB) Neritina virginea (CE/M-I. PE/E. PE/E. Nordeste (NE). AL/M) Lunarca ovalis (AL/M-I) Macoma balthica (PB/M) Macoma constricta (PB-PE/E.

SP/M) Natica cayennensis (SP) Natica pusilla (SP) Neoteredo (ES-E) Neritina virginea (SP/M) Nodilittorina lineolata (SP) Nucula semiornata (SP/M-A) Odostomia laevigata (SP) Odostomia seminuda (SP) Oliva sayana (SP) Olivella minuta (SP/M) Onchidella indolens (SP) Pedipes mirabilis (SP) Periploma ovalis (SP) Periploma ovata (SP) Petaloconchus varians (SP) Phalium granulatum (SP) Phenacolepas hamillei (SP) Phlyctiderma semiaspera (SP) Phlyctiderma semiaspera (SP) Pisania auritula (SP) Pisania pusio (SP) Pitar circinatus (SP) Pitar fulminatus (SP) Pitar palmeri (SP) Polinices hepaticus (SP) Polinices lacteus (SP) Protothaca granulata (SP/M) Protothaca pectorina (SP) Pteria hirundo (SP) Rissoina catesbyana (SP) Sanguinolaria sanguinolenta (SP) Seila adamsi (SP) Semele proficua (SP. SP/M-I) Doris bovena (SP) Doris verrucosa (SP) Dosinia concentrica (SP) Engina turbinella (SP) Epitonium albidum (SP) Epitonium angulatum (SP) Ervilia concentrica (SP) Ervilia nitens (SP/M) Eulima mulata (RJ) Finella dubia (SP) Fissurella clenchi (SP) Fissurella rosea (SP) Goniodoris mimula (SP) Gouldia cerina (SP) Gregariella coralliophila (SP) Haminoea elegans (SP) Hastula cinerea (SP/M-I) Heleobia australis (ES-E) Heterodonax bimaculata (SP) Hiatella solida (RJ) Iphigenia brasiliana (SP/M) Ischnochiton striolatus (SP) Ithycythara lanceolata (SP) Laevicardium brasilianum (SP) Laevicardium laevigatum (SP) Leptopecten bavayi (SP) Leucozonia nassa (SP) Limaria pellucida (SP) Lioberus castaneus (SP) Litiopa melanostroma (SP) Littoraria angulifera (SP) Littoraria flava (SP) Lucapinella henseli (SP) Lucina pectinata (ES/E. SP) Lunarca ovalis (SP) Macoma cleryana (SP) Macoma constricta (SP/M) Macoma uruguayensis (SP) Mactra fragilis (SP/H) Mangelia quadrilineata (SP) Mesodesma mactroides (SP/M) Mitrella argus (SP) Mitrella lunata (SP) Mitrella lunulata (SP) Modiolus carvalhoi (SP) Modulus modulus (SP) Morula nodulosa (SP) Mulinia cleryana (SP) Mytella charruana (ES-E) Nassarius vibex (RJ/E.Bursatella leachi (SP) Cadlina rumia (SP) Caecum pulchellum (SP) Caecum ryssotitum (SP) Caliphylla mediterranea (SP) Calliostoma adspersum (SP) Calliostoma euglyptum (SP) Calliostoma jujubinum (SP) Calliostoma pulchrum (SP) Callista maculata (SP) Calloplax janeirensis (SP) Cerithiopsis emersoni (SP) Cerithiopsis greenii (SP) Cerithium atratum (RJ-SP/M. SP/H) Cerithium eburneum (SP) Chaetopleura angulata (SP) Chicoreus senegalensis (SP) Chione cancellata (SP/M) Chione intapurpurea (SP) Chione paphia (SP) Chione subrostrata (SP/H) Chromodoris neona (SP) Codakia costata (SP/H-M) Codakia orbicularis (SP/M) Collisella subrugosa (SP) Columbella mercatoria (SP) Compsomyax subdiaphana (SP) Cooperella atlantica (SP) Corbula caribaea (SP/M) Corbula cubaniana (SP/M) Crassostrea rhizophorae (SP) Crepidula aculeata (SP) Crepidula plana (SP) Ctena orbiculata (SP) Ctena pectinella (SP) Cyclinella tenuis (SP) Cylichnella bidentata (SP) Cypraea zebra (SP) Diodora jaumei (SP) Diodora patagonica (SP) Diplodonta portesiana (SP) Diplodonta punctata (SP/M-H) Divaricella quadrisulcata (SP) Donax gemmula (SP/M) Donax hanleyanus (RJ/M. SP/M) Semele purpurascens (SP) Siphonaria hispida (SP) .

RJ/E. SC/M) Noetia bisulcata (RS) Odostomia jadisi (RS) Olivancillaria carcellesi (RS/I) Olivancillaria deshayesiana (RS/I) Olivancillaria urceus (RS/I) Olivancillaria uretai (RS/I) Olivancillaria vesica (PR. SC) Bittium varium (PR/E) Buccinanops duartei (RS/I) Buccinanops moniliferus (RS/I) Bulla striata (RS) Cerithium atratum (SC/M) Corbula caribaea (RS) Cosmioconcha nitens (PR) Cryoturris adamsi (RS) Cylindriscala acus (RS) Cymatium parthenopeum (RS) Cyrtopleura lanceolata (RS) Divaricella quadrisulcata (PR) Donax gemmula (PR/M.Solen tehuelchus (SP) Sphenia antillensis (SP/M) Spurilla neapolitana (SP) Stramonita haemastoma (SP) Strigilla carnaria (SP/M) Strigilla pisiformis (SP) Strigilla producta (SP) Strombus pugilis (SP) Tagelus divisus (SP/M-H) Tagelus plebeius (ES/E. RS/I) Anachis isabellei (RS/I) Anachis sertularium (RS) Anadara brasiliana (SC) Anomalocardia brasiliana (PR/M-E. RS) Strigilla carnaria (PR. RS-I) Donax hanleyanus (PR-RS/M) SUL (S) Dorsanum moniliferum (RS/I) Epitonium angulatum (RS) Epitonium candeanum (RS) Epitonium georgettina (RS) Erodona mactroides (RS/E) Eulimastoma engonium (RS) Hastula cinerea (PR. SP/M) Tegula viridula (SP/M) Tellina exerythra (SP) Tellina lineata (SP/M-H) Tellina petitiana (SP) Tellina punicea (SP) Tellina radiata (SP) Tellina versicolor (SP/M-H) Terebra dislocata (SP) Thracia similis (SP) Tivela mactroides (SP/M) Tivela ventricosa (SP/M) Tonna galea (SP) Trachycardium auricatum (SP/H) Trachycardium muricatum (SP) Trachypollia nodulosa (SP) Transenella stimpsoni (SP) Tricolia affinis (SP) Turbonilla americana (SP) Ventricolaria rigida (SP) Abra lioica (RS/I) Adelomelon brasiliana (RS/I) Adrana patagonica (RS/I) Amiantis purpuratus (PR. SC/M-I) Hastula salleana (PR) Heleobia australis (PR-RS/E) Kurtziella dorvillae (RS/I) Lucina pectinata (PR/M-E) Lunarca ovallis (PR) Macoma constricta (PR/M-E) Mactra isabelleana (RS/I) Mactra marplatensis (RS) Mactra patagonica (RS) Mactra petiti (RS) Mesodesma mactroides (RS/M) Mitrella ocellata (PR) Natica limbata (RS/I) Natica livida (PR) Neritina virginea (PR/E. RS/I) Olivancillaria auricularia (RS/I) Olivella formicacorsi (RS/M-I) Olivella minuta (PR) Olivella plata (RS) Parvanachis isabellei (RS/I) Periploma compressa (RS) Phalium granulatum (RS) Pholas campechiensis (RS) Raeta plicatella (RS) Solen tehuelchus (PR. RS) Tagelus plebeius (RS/I-E) Tellina petitiana (RS) Tellina sandix (RS/I) Terebra gemmulata (RS) Tivella ventricosa (RS/I) Tivella mactroides (PR) Turbonilla uruguayensis (RS) .

Nesta lista podem estar incluídas espécies de costão. NORTE (N) Perinereis cultrifera (PA) Namalycastis abiuma (PA. africanus (BA) Cirratulus cirratus (AL) Diopatra cuprea (MA/M) Diopatra viridis (PE/E. SE/M-E) Ceratonereis excisa (PB/M) Cirratulus cf. AL) Nepthys squamosa (MA/M) Nereis zonata (AL/M) Odontosyllis hetrofalchata (AL) Owenia fusiformis (CE) Perinereis ponteni (AL. lucullana (SP) Branchiomma nigromaculata (SP/M) Brania clavata (SP) Brania furcelligera (SP) Brania limbata (SP) Brania pusilla (SP) Cabira incerta (SP) Capitella capitata (RJ/I. SE/M) Goniada littorea (AL) Grubeulepsis fimbriata (MA) Hemipodus olivieri (AL/M) Heteromastus (SE/M) Laeonereis acuta (MA. SE/ME) Loimia medusa (AL) Lumbrineris tetraura (MA. ALSE/M) Eteone heteropoda (MA) Eunice cariboea (AL/M) Eurithoe complanata (FN) NORDESTE (NE) Filograna implexa (BA) Glycera longipinnis (MA) Glycinde multidens (AL/M. Nordeste (NE). AM/E) Armandia (SE/M) Capitella capitata (AL/M. AL/M) Perinereis vancaurida (SE) Scolelepis squamata (MA) Scoloplos dubia (CE) Sigambra grubei (AL-SE/M) Spiophanes bombyx (AL) Thelepus setosus (AL) Typosyllis armallaris (BA) Amphinome rostrata (RJ) Anaitides madeirenses (SP) Ancistrocyllis bassi (SP) Ansistrosyllis jonesi (SP) Ansistrosyllis pinesi (SP) Aonides paucibranchiata (SP) Arenicola brasiliensis (SP/M) Arenicola glasselli (SP) Aricidea (acmira) simplex (SP) Aricidea (suecuca) simplex (SP) Aricidea fauveli (SP) Aricidea fragilis (SP) Aricidea pseudoarticulata (SP) Aricidea suecica (SP) Armandia agilis (SP/M) Armandia hosstel (SP) tabreg02. foram estudadas praias compostas por areia e fragmentos de rocha. Médiolitoral (M). Estuários (E). Sudeste (SE) e Sul (S) do Brasil. SP/M) Capitella jonesi (SP) Capitella perarmata (RJ) Capitomastus minimus (SP) Capitomastus minimus (SP/M) Capitomastus minutus (SP) Ceratonereis mirabilis (SP) Chaetocanthus magnificus (SP) Chaetopterus variopedatus (SP) Chrysopetalum occidentale (SP) Cirriformia tentaculata (SP) Cirriformia filigera (SP) Cirriformia oculata (SP) Cirriformia tentaculata (SP/M) Clymenella brasiliensis (SP) Cossura delta (SP) Dasybranchus rectus (SP) 46 . abreviaturas usadas: Estados. Infralitoral (I).Registro das espécies de Polychaeta para as regiões Norte (N).doc SUDESTE (SE) Australonuphis casamiquelorum (SP) Autolytus (Regulatus) convolutus (SP) Autolytus (Regulatus) cornutus (SP) Boccardia redeki (SP) Branchiomma cf. uma vez que no litoral do Estado de São Paulo.TABELA II .

doc Hemipodus olivieri (RJ/I. SP) Nerine agilis (SP) Ninoe brasiliensis (SP) Nonatus longilineus (SP) Notomastus hemipodus (SP) Notomastus lobatus (ES/E. SP/M) Isolda pulchella (ES/E. SP/M) Langerhansia cornuta (SP) Laonice branchiata (SP) Leitoscoloplos fragilis (SP) Lepdonotus caeruleus (SP) Leptonereis maculata (SP) Linopherus ambigua (SP) Lisydice ninetta (SP) Loandalia americana (SP) Loimia medusa (SP) Lumbrinerides gesae (ES) Lumbrineriopsis mucronata (SP) Lumbrineris albifrons (SP) Lumbrineris coccinea (ES) Lumbrineris cruzensis (ES) Lumbrineris hebes (SP) Lumbrineris inflata (SP) Lumbrineris latreilli (SP) Lumbrineris magalhaensis (ES) Lumbrineris paradoxa (SP) Lumbrineris tetraura (SP/M) Macrochaeta multipapillata (RJ) Magelona nonatoi (SP) Magelona papillicornis (SP) Magelona posterelongata (SP) Magelona riojai (SP) Magelona variolamellata (SP) Malmgreniella variegata (SP) Manayunkia brasiliensis (SP/E) Marphysa formosa (SP) Marphysa regalis (ES/M) Marphysa sanguinea (SP/M) Marphysa sebastiana (SP) Marphysa splendidissima (SP) Mediomastus californiensis (SP/M) Megalomma bioculatum (SP) Mooreonuphis intermedia (RJ) Mooreonuphis nebulosa (SP) Naineris setosa (SP) Namalycastis abiuma (ES/E) Neanthes bruaca (SP) Neanthes palpata (SP) Neanthes succinea (RJ-SP/M) Nematonereis hebes (SP) Nematonereis unicornis (SP) Nephthys simoni (SP) Nephtys caeca (SP) Nephtys squamosa (SP) Nereis brevicirrata (SP) Nereis decora (SP) Nereis disparsetosa (SP) Nereis oligohalina (ES-SP/E) Nereis riisei (ES/M. SP/M) Odontosyllis cf. fulgurans (SP) Oenone diphyllidia (SP) Onuphis dorsalis (SP) Onuphis litoralis (ES) Onuphis nebulosa (SP) Onuphis vexillaria (SP) Ophiodromus pugettensis (SP) Ophyotrocha puerilis (RJ) Orbinia latreilli (SP) Owenia fusiformis (SP/M-E) Parandalia americana (SP/M) Parandalia tricuspis (SP) Paraprionospio pinnata (SP) 47 . SP/M) Kinbergonuphis nonatoi (SP) Laeonereis acuta (RJ/I. RJ/M-I.Dasychone ponce (SP) Diopatra chilensis (SP) Diopatra cuprea (SP/M-E) Diopatra ornata (SP) Diopatra splendidissima (SP) Diopatra tridentata (RJ) Dispio remanei (SP/M) Dispio uncinata (SP) Dorvillea rudolphii (SP) Eteone heteropoda (SP) Eunice atlantica (SP) Eunice cariboea (SP/M) Eunice filamentosa (SP) Eunice rubra (RJ) Eunice sebastiani (SP) Eunice tubifex (SP) Eunice vitata (SP) Eurithoe complanata (ESSP/M) Euzonus falcigerus (SP) Euzonus furciferus (SP/M) Exogone dispar (SP) Exogone gemmifera (SP) Exogone occidentalis (SP) Filograma implexa (RJ) Glycera americana (SP/M) Glycera dibranchiata (SP) Glycera oxycephala (SP) Glycinde multidens (ES/E. SP/M) Hemipodus rotundus (SP/M) Hemipodus simplex (SP) Hesione picta (SP) Hesione protochona (SP) Heteromastus filiformis (ES-E. SP/M) Goniada brunnea (SP) Goniada littorea (SP/M) Goniada maculata (SP) Goniadides uncata (SP) Gypthys brevipalpa (SP) Gyptis capensis (SP) Halla parthenopeia (SP) Halosydna glabra (SP) Halosydnella brasiliensis (SP) Haploscoloplos fragilis (SP) Haplosyllis spongicola (SP) Harmothoe aculeata (SP) Hemipodus californiensis (SP) tabreg02.

SP) Polydora socialis (RJ/M-I) Polydora websteri (SP) Polygordius eschaturus (RJ) Potamilla reniformis (SP) Potamilla torelli (RJ) Prionospio dayi (SP) Prionospio ehlersi (SP) Prionospio heterobranchia (SP) Prionospio malmgreni (SP) Prionospio steenstrupi (SP) Protodorvillea kfersteini (RJ) Pseudoeurythoe ambigua (SP) Psionides indica (SP) Schistocomus hiltoni (RJ) Scolaricia capensis (SP) Scolaricia papillifera (SP) Scolelepis squamata (SP/M-E) Scoloplos (Leodamas) (SP/ME) Scoloplos (Leodamas) dubia (SP) Scoloplos (Leodamas) gracilis (SP) Scoloplos (Leodamas) johnstonei (SP) Scoloplos (Leodamas) ohlini (SP) Scoloplos (Leodamas) rubra (SP) Scoloplos texana (SP) Scoloplos treadwelli (SP) Scyphoproctus djiboutiensis (SP) Sigalion cirriferum (SP) Sigambra bassi (SP) Sigambra constricta (SP) Sigambra grubei (ES/E. RS/I) Lycastopsis pontica (PR) Magelona riojai (PR. carolinae (PR) Grubeulepis bracteata (PR. RS/M) Heteromastus filiformis (RS/E) Heteromastus similis (PR. RS/I) Namalycastis (PR/E) Neanthes bruaca (RS/I) Neanthes succinea (RS/E-I) Nephtys fluviatilis (RS/E) Nephtys simoni (PR. RS) Capitella capitata (PR/M-E) Diopatra viridis (PR. RS) Goniada littorea (RS/I) Goniadides cf.Pectinaria (Pectinaria) laelia (SP) Pectinaria laelia (SP) Perinereis anderssoni (SP) Perinereis cultrifera (ES) Perinereis melanocephala (SP) Perinereis ponteri (SP) Perinereis vancaurina (SP) Phylo felix (RJ.doc SUL (S) Glycinde multidens (PR/M-E. SP/M) Sphaerosyllis hystrix (SP) Sphaerosyllis longicauda (SP) Sphaerosyllis piriferopsis (SP) Spio (Spio) pettiboneae (SP) Spiochaetopterus costarum (SP) Spiophanes missionensis (SP) Spirographis braziliensis (SP) Stauronereis rudolphi (SP) Sternaspia capillata (SP/M) Sthenelais boa (SP) Sthenelais caerulea (SP) Sthenelais limicola (SP) Sthenolepis grubei (SP) Syllis gracilis (SP) Telepsaurus costarum (SP) Terebellides anguicomus (SP) Thalenessa lewissii (SP) Tharix filibranchia (SP) Typosyllis hyalina (SP) Typosyllis prolifera (SP) Americonuphis casamiquelorum (RS) Apoprionospio pygmaea (RS) Arabella iricolor (PR) Australonuphis casamiquelorum (PR. RS/M-E) Lamelleulepethus orensanzi (RS) Leitoscoloplos robustus (PR) Lumbrineris janeirensis (RS) Lumbrineris mainae (SC) Lumbrineris tetraura (PR. RS/I) Nereis oligohalina (PR/E) 48 . SP) Pisionidens indica (SP) Pista corrientis (SP) Platynereis dumerilli (SP) Podarke agilis (RJ) Podarke obscura (SP) Podarke pallida (SP) Poecilochaetus australis (SP) Polycirrus plumosus (SP) Polydora ligni (RJ/M-I.RS/E) Isolda pulchella (PR/M-E) Kinbergonuphis difficilis (RS/I) Laeonereis acuta (PR/M-E. RS/M-I) Heliobia australis (PR) Hemipodus olivieri (PR. RS/M-I) Dispio remanei (PR) Drilonereis filum (PR) Eunice rudis (RS) Euzonus furciferus (PR:RS/M) Euzonus jurcigerdis (PR) Glycera americana (RS) tabreg02.

doc 49 . RS/I) Parandalia americana (RS/I) Paraonis pygoenigmatica (PR) Paraprionospio pinnata (RS/I) Platynereis dumerilii (PR) Polydora socialis (PR) Pseudonereis gallapagnesis (PR) Psionidens indica (PR) Sabellaria bella (RS) Scolelepis squamata (PR) Scoloplos (Leodomas) ohlini (RS) Scoloplos (Scoloplos) (PR) Sigalion cirriferum (PR.Ninoe brasiliensis (RS) Notomastus lobatus (RS) Odontosyllis hetero-falcheata (RS/I) Onuphis eremita oculata (RS/I) Owenia fusiformis (PR. RS/I) Sthenelopis oculata (RS/I) Toracophelia furcifera (PR/M) Typosyllis ehlersioides (RS) tabreg02. RS) Spio gaucha (RS/M) Sthenelais limicola (PR. RS/MI) Sigambra grubei (PR/M-E.

Infralitoral (I). uma vez que no litoral do Estado de São Paulo. PE/S-M-I) Callinectes exasperatus (RN) Callinectes larvatus (AL. FN) Clibanarius vittatus (MA. Médiolitoral (M). Rocas. Sudeste (SE) e Sul (S) do Brasil. RN) Callinectes sapidus (AL) Cardisoma guanhumi (PE/E) tabreg02. PE/S-M-I) Excirolana braziliensis (RN/M) Gammaropsis atlantica (NE) Goniopsis cruentata (CE-RNPE/E) Hexapanopeus angustifrons (RN/M. CE/E.Registro das espécies de Crustacea para as regiões Norte (N). PE/S-M-I) Hippa testudinaria (AL) Hippolyte curacaoensis (PE/H) Hyale grimaldi (PE/H) Iridopagurus dispar (AL) Isocheles sawayai (NE) Latreutes parvulus (PE/H) Leander paulensis (PE/H) Lepidopa distincta (AL) Lepidopa richmondi (AL) Lepidopa venusta (AL) Lepidophthalmus siriboia (AL) Leucothoe dissimilis (PE/H) Leucothoe spinicarpa (PE/H) Maera hirondelei (PE/H) Maera quadrimana (PE/H) Malacoota subcarinata (PE/H) Menippe nodifrons (RN/M. foram estudadas praias compostas por areia e fragmentos de rocha. RN/M. PE/H. Rocas) Clibanarius sclopetarius (NE. PE/S-M-I-H) Neocallichirus rathbunae (AL) 50 . PE/S-M-I) Hexapanopeus schmitti (RN/M. Nesta lista podem estar incluídas espécies de costão. abreviaturas usadas: Estados. NORTE (N) Grandidierella bonnieroides (N) Herterophlias seclusus (N) Lembos smithi (N) Lembos unicornis (N) Maera grossimana (N) Maera quadrimana (N) Mallacoota subcarinata (N) Ampelisca brevisimulata (N) Ceradocus paucidentatus (N) Chevalia aviculae (N) Clibanarius vittatus (PA) Dardanus venosus (PA) Dulichiella appendiculata (N) Elasmopus brasiliensis (N) Elasmopus rapax (N) Orchestia darwini (N) Paguristes tortugae (N) Pagurus longimanus (AP) Petrochirus diogenes (N) Phimochirus holthuisi (N) Pinnixa cristata (AP) Quadrivisio lutzi (N) Acanthosquilla floridensis (AL) Albunea paretii (AL) Alpheus armillatus (PE/H) Alpheus normanni (PE/H) Ampithoe ramondi (PE/H) Ampithoe simulans (PE/H) Aranaeus cribanius (AL) Armases angustipes (AL) Atylus talpo (MA. Estuários (E). FN) Calianassa grandimana (PE/M) Calianassa guassutinga (PE/M) Calianassa jamaicense (PE/M) Callichirus major (AL.Tabela III .doc NORDESTE (NE) Cataleptodius floridanus (RN/M. PE/M) Callinectes bocourti (CERN/E) Callinectes danae (AL. PE/H) Blepharipoda doelloi (AL) Calcinus tibicen (NE. PE/S-M-I-H. PE/S-M-I) Clibanarius tricolor (Rocas. RN/M. Nordeste (NE). FN) Dulichiella spinosa (PE/H) Elasmopus rapax (PE/H) Emerita portoricensis (AL) Epialtus bituberculatus (PE/H) Ericthonius brasiliensis (PE/H) Eriphia gonagra (RN/M. PE/S-M-I) Microphrys bicornutus (RN/M. PE/SM-I) Eurypanopeus abbreviatus (RN/M. MA. PE/S-M-I) Charybdis hellerii (AL) Clibanarius antillensis (NE. RN/M. NE/E) Cloridopsis dubia (AL) Cronius tumidulus (PE/H) Cymadusa filosa (PE/H Dardanus venosus (NE. PE/S-M-I) Callinectes ornatus (AL. RN/M.

BA) Pagurus leptonyx (NE) Pagurus limatulus (CE. PE/E) Upogebia omissa (RN/M.AL. PE/S-M-I) Paguristes erythrops (NE. SE) Axiopsis serratiformis (SP) Batea catharinensis (SE. CERN-PE/S) Orchestia gammarella (PE/E) Orchestia montagui (PE/E) Orchestia platensis (PE/S-E) Pachygrapsus transversus (CE/M-S. SP/M) Coronis scolopendra (SP) Corophium acherusicum (SP/H) Cymadusa filosa (SP/H) Cyrtoplax spinidentata (SP) Dardanus insignis (RJ. SP/H) Eucratopsis crassimanus (SP) Eurypanopeus abbreviatus (SP) Excirolana armata (RJ-SP/M) Excirolana braziliensis (RJ/MS) Gammaropsis chelifera (SE) Gammaropsis togoensis (SE) Gibberosus myersi (SE. SP) Grandidierella bonnieroides (SE. PE/SM-I) Panopeus occidentalis (RN/M. SP) Bathyporeiapus bisetous (SE) Bathyporeiapus copacabana (SP) Bathyporeiapus ruffoi (SE) Bowmaniella brasiliensis (SP) Calcinus tibicen (SP/M) Callianidea laevicaudan (SP) Callichirus major (SP/M) Callinectes danae (SP/M) Callinectes ornatus (SP) Caprella scaura (SP/H) Ceradocus paucidentatus (SE) Cerapus tubuloris (SE) Charybdis helleri (SP) Chevalia aviculae (SE) Cleantis planicula (SP) tabreg02.AL) Panopeus harttii (RN/M. PE) Pinnixa patagoniensis (RN/M. SP/M) Clibanarius vittatus (SE. SP) Elasmopus brasiliensis (SE) Elasmopus pectenicrus (SP) Elasmopus ropax (SE) Emerita brasiliensis (RJ/M-I.AL. PE/S-M-I) Panulirus argus (PE/H) Panulirus laevicauda (PE/H) Parapinnixa hendersoni (AL) Pelia rotunda (PE/H) Periclimenes americanus (PE/H) Periclimenes longicaudatus (PE/H) Petrochirus diogenes (NE) Petrolisthes armatus (RN/M.RN. SP) Heterophlias seclusus (SE) Hexapanopeus paulensis (SP) Hexapanopeus schmitti (SP/M) Hippolyte curacaoensis (SP/H) Hyale media (SP) Ipanema talpa (SP) Isocheles sawayai (SE) Kalliapseudes schubarti (SP/M) Latreutes parvulus (SP/H) Lembos hypacantus Lembos smithi (SE) Lembos unicornis (SE) Lepidopa benedicti (SP) Lepidopa richmondi (SP/M) Lepidopa venusta (SP) Lepidopa websteri (SP) Lepton cena (SP/M) Leucothoe denticulata (SE) 51 .doc SUDESTE (SE) Clibanarius antillensis (SP/M) Clibanarius sclopetarius (SE. PE/S-M-I) Phimochirus holthuisi (NE) Pinnixa aidae (AL) Pinnixa brevipolex (MA. SP/E) Emerita talpoida (SP) Ericthonius brasiliensis (SE. PE/M) Psidia brasiliensis (PE/H) Synalpheus minos (PE/H) Talitrus saltator (PE/S) Uca leptodactyla (AL) Uca maracoani (CE-SE/S) Uca rapax (CE/S.Ocypode quadrata (AL.SE.BA/FN) Pagurus criniticornis (PE. SE. MA) Paguristes tortugae (NE) Pagurus brevidactylus (PE. PE/S-M-I) Pinnixa sayana (AL. PE) Pinnixa floridana (MA. PE/S-M-I) Acanthosquilla digueti (SP) Alarconia guinotae (SP) Albunea paretii (SP) Alpheus heterochaelis (SP/H) Amphilocus neapolitanus (SE) Aora spinicornis (SE) Atylus minikoi (SP. RN/M.

RS/I) Artemesia longinaris (RS/I) Atylus minikoi (PR. SP/S) Ogyrides alphaerostrum (SP) Orchestia darwini (SE) Orchestia platensis (SP/S) Orchestoidea brasiliensis (RJ. (SP) Panopeus rugosus (SP) Paracerceis sculpta (SP) Paraphoxus cornutus (SP) Parapinnixa bouvieri (SP) Parhyale hawaiensis (SP) Parhyatella whelpleyi (SP) Penaeus brasiliensis (SP) Penaeus schmitti (SP) Petrochirus diogenes (SE) Petrolisthes armatus (SP) Petrolisthes galathinus (SP) Photis longicaudata (SE) Phoxocephalopis zimmeri (SP/M) Pilumnus dasypodus (SP) Pinnixa angeloi (SP/M) Pinnixa chaetopterana (SP/H) Pinnixa patagoniensis (SP/M) Pinnixa rapax (SP) Pinnixa sayana (SP/H) Podocerus brasiliensis (RJ) Podocerus fulanus (SE) Processa hemphilli (SP/H) Pseudorchestoidea brasiliensis (RJ/M-S) Quadrivisio lutzi (SE) Resupinus coloni (SE) Sesarma (Holometopus) cinereum (SP) Stenothoe valida (SE) Tiburonella viscana (SE) Tiron tropakis (SE) Uca burgesi (SP/E) Uca burguesi (SP) Uca cumulanta (SP) Uca leptodactyla (SP) Uca maracoani (SP) Uca thayeri (SP) Uca thayeri (SP) Uca uruguayensis (SP) Uca vocator (SP) Upogebia brasiliensis (SP) Upogebia careospina (SP) Upogebia inomissa (SP) Upogebia marina (SP) Upogebia noronhensis (SP) Upogebia omissa (SP/H-M) Upogebia vasquezi (SP/M) Xiphopenaeus kroyeri (SP) SUL (S) Albunea paretii (PR/M-I) Ampelisca brevisimulata (S) Ancinus gaucho (PR. SP) Pagurus leptonyx (ES. SP) Paguristes pauciparus (SP) Paguristes tortugae (SP/M) Pagurus brevidactylus (SP/M) Pagurus criniticornis (SP/H-M) Pagurus exilis (RJ.Listriella titinga (SE) Litopenaeus schmitti (SP) Lysiosquilla scabricauda (SP) Mallacoota subcarinata (SE) Melita apendiculata (SP. RS/I) Caprella dilatata (PR) Caprella scaura (PR) Cerapus tubularis (PR) Cheiriphotys megacheles (PR) Cheus micros (RS/M-I) 52 . PR) Bathyporeiapus ruffoi (PR. RS/I) Calcinus tibicen (SC) Callichirus major (RS/I) Callichirus mirim (RS/M-I) Callinectes danae (SC/M. RJ.doc RS/M-I) Bowmaniella (Coifmanniella) brasilieneis (PR. RJ. SP) Pagurus miamensis uncifer (SP) Panopeus americanus (SP/M) Panopeus austrobesus (SP) Panopeus occidentalis. tabreg02. SP/M) Ovalipes trimaculata (RJ) Pachygrapsus transversus (SP) Paguristes erythrops (ES. RS/I) Callinectes larvatus (PR) Callinectes ornatus (SC/M. RS/I) Callinectes sapidus (SC/M. RS) Bathyporeiapus bisetosus (RS/M-I. RS/I) Bowmaniella brasiliensis (PR. SP/H) Melita mangrovi Melita orgasmos (SE) Menippe nodifrons (SP) Metamysidopsis elongata atlantica (SP) Microcerberus brasiliensis (RJ) Microcerberus magnus (RJ) Microcerberus parvulus (RJ) Microcerberus ramosae (RJ) Micropanope urinator (SP) Microphrys bicornutus (SP) Monoculodes nyei (SE) Mysidopsis tortoneri (SP) Ocypode quadrata (RJ. RS/I) Ancymus brasiliensis (PR) Arenaeus cribarius (PR.

doc 53 . americana (RS) Notolopas brasiliensis (PR) Ocypode quadrata (PR. RS/M-I) Leptochela serratorbita (RS) Leptocuma linbergi (RS) Leuroleberis poulseni (PR. RS/E/M-S) Upogebia brasiliensis (PR/E) tabreg02. RS/M) Fabia emiliai (PR) Gammaropsis chelifera (S) Gammaropsis togoensis (PR. SC. RS/I) Libinia spinosa (RS/I) Loxopagurus loxochelis (PR. SC/S. RS/M-I) Pinnixa brevipolex (RS) Pinnixa chaetopterana (PR. RS) Pagurus exilis (PR. RS) Pagurus gaudichaudi (RS) Pagurus leptonyx (PR. PR) Coronis scolopendra (PR) Corophium acherusicum (PR) Corystoides chilensis (RS) Cyrtograpsus affinis (RS) Dardanus insignis (SC. RS/ES) Orchestoidea brasiliensis (PR. RS/S) Ogyrides hayii (PR) Orchestia platensis (PR. (RS) Neocallichirus mirim (RS/M-I) Neomysis aff. PR) Clibanarius vittatus (SC. RS/M-I) Pinnixa sayana (PR. RS/I) Lucifer jaseoni (RS) Macrochiridotea giambiagiae (PR. RS/I) Macrochiridotea lilianae (RS/I) Macrochiridotea robusta (RS/I) Maera grossimana (S) Maera quadrimana (S) Melita orgasmos (PR. RS/I) Serolis marplatensis (RS/I) Stenothoe valida (PR) Synidotea marplatensis (PR. RS) Pinnixa patagoniensis (PR. RS) Tiron tropakis (S) Uca maraconi (PR) Uca uruguayensis (SC/S. PR) Pagurus brevidactylus (SC) Pagurus criniticornis (PR. RS/E-I) Lepidopa richmondi (PR. RS/S) Paguristes pauciparus (SC) Paguristes tortugae (SC. SC. S) Metamysidopsis elongata atlantica (RS/I) Metamysidopsis neritica (PR) Metasesarma rubripes (RS/EM-S) Metharpinia longirostris (PR) Minyocerus angustus (PR) Monoculodes nyei (S) Musidopsis tortonesi (RS) Mysidopsis coelhoi (RS) Mysinae indet. S) Geograpsis lividus (PR) Hemicyclops subadhaerens (RS/M-I) Hepatus pudibundus (RS) Heterocrypta tommasii (PR) Hexapanopeus caribbaeus (RS) Hexapanopeus paulensis (RS) Hippolysmata oplophoroides (RS) Huarpe aff. RS) Platorchestia platensis (PR) Pleoticus mulleri (RS) Puelche orensanzi (RS/M-I) Resupinus coloni (S) Serolis bonariensis (PR. RS/I) Talorchestia longicornis (RS) Tholozodium rhombofrontalis (PR/M) Tiburonella viscana (PR. escofeti (RS/I) Idotea balthica (RS) Isocheles sawayai (SC.Clibanarius antillensis (SC) Clibanarius sclopetarius (SC. RS/M) Ericthonius togoensis (PR) Eurydice litoralis (PR) Excirolana armata (PR-RS/M) Excirolana brasiliensis (PR/MI. RS) Dardanus venosus (SC) Diastylis sympterigiae (RS/I) Dissodactylus crinitichelis (RS) Dulichiella appendiculata (S) Elasmopus pectenicrus (PR) Emerita brasiliensis (PR. PR) Jassa marmorata (PR) Kalliapseudes schubarti (PR/M-E. SC) Parhyalella whelpleyi (PR/E) Penaeus paulensis (RS) Petrochirus diogenes (S) Petrolistes armatus (PR) Photis brevipes (PR) Phoxocephalopsis spinosus (RS/M-I) Phoxocephalopsis zimmeri (PR/M.

abreviaturas usadas: Estados. Infralitoral (I).Registro de outras espécies para as regiões Norte (N). foram estudadas praias compostas por areia e fragmentos de rocha. (SP) CEPHALOCHORDATA Branchistoma sp. Estuários (E). Nesta lista podem estar incluídas espécies de costão. uma vez que no litoral do Estado de São Paulo. Nordeste (NE). RS/M) tabreg02.Tabela IV . Médiolitoral (M). RS/I) 54 . H*) Diamphiodia riisei (SP/I) Ophiactys lymani (SP) Microphiopholis atra (H) SIPUNCULIDEO Golfingia (Thysanocardia) catharinae (SP/I) Golfingia confusa (SP/M) Nephasoma contusum (SP) Themiste alutaea (SP)* Ophiophagmus lutkeni (H) PYCNOGONIDA Anoplodactylus stictus (SP) CUMACEA Cyclaspis sp.(MA) INSECTA Staphylinidae (RN) ECHINODERMATA: Mellita quinquiosperforata (RN/M) Ophionereis reticulata (BA/M) Diamphiodia riisei (MA) Encope emarginata (MA) SUDESTE (SE) ANTHOZOA: Renilla reniformis (SP/M) COLEOPTERA Bledius bonariensis (SP/S) Phaleria brasiliensis (RJ/S) Phaleria testacea (RJ/S-M. (SP) SUL (S) ANTHOZOA Renilla reniformis (RS/I) TURBELARIA Stylochoplana sp.doc OLIGOCHAETA Rhyacodrillus (PR/E) Pontodrilus bermudensis (PR) ECHINODERMATA Hemipolis elongata (PR) Mellita (Mellita) quinquiesperforata (PR. Sudeste (SE) e Sul (S) do Brasil . (RS. NORTE (N) ECHINODERMATA: Diophiodia riisei Encope emarginata NORDESTE (NE) Ophiuroidea sp1. SP/S) ECHINODERMATA Encope emarginata (SP) Mellita quinquiesperforata (SP/I) Ophionereis reticulata HEMICHORDATA Balanoglossus clavigerus (SP/M) Balanoglossus gigas (SP/M) HOLOTHUROIDEA Psammosynapta brasiliensis (RJ/M) OPHIUROIDEA: Amphiplis januarii (SP/I.

doc 55 . RS/S) Lygirus gianucai (PR. RS/I) OPHIUROIDEA Amphioplus lucyae (RS/I) Amphiopodia riisei (RS/I) Amphiura complanata (RS/I) Ophiocnida loveni (RS/I) Hemipholis elongata (RS/I) Diamphiodia planispina (RS/I) INSECTA Labidura riparia (RS/S) Clorotettix fratercullus (PR) Scapteriscus acletus (PR. RS/S) Scapteriscus riograndensis (RS/S) COLEOPTERA Bledius bonaariensis (PR.Mellita quinquiesperforata (PR/M-I. RS/S) ARACNIDA Moenchausiana halophila (RS/S) PISCES Gobiesox strumosus (RS/I) Menticirrhus littoralis (RS/I) Netuma barba (RS/I) Oncopterus darwini (RS/I) Porichthys porosissimus (RS/I) Prionotus punctatus (RS/I) Trachinotus marginatus (RS/I) tabreg02. RS/S) Bledius microcephalus (RS/S) Bledius fernandezi (RS/S) Cicindela patagonica (RS/S) Cicindela nivea (RS/S) Phaleria testacea (PR.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful