Você está na página 1de 7

Universidade Licungo

Delegação de Quelimane
Departamento de Ciências da Educação e Psicologia
Licenciatura em Administração e Gestão da Educação
Cadeira: Prática Pedagógica Geral
Estudante:

Docente:

FICHA DE CONTEÚDO OU DE RESUMO


Referências:
LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da escola pública: a pedagogia crítica-social dos Observação
conteúdos. 8. ed. São Paulo: Loyola, 1990.
Nº de
pág. TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS
Breve Descrição sobre as Tendências Pedagógicas
A prática escolar tem atrás de si condicionantes sociopolíticos que configuram
diferentes concepções de homem e de sociedade e, consequentemente, diferentes
3 pressupostos sobre o papel da escola, aprendizagem, relações professor-aluno,
técnicas pedagógicas etc, (LIBÂNEO, 1990).
Portanto, é evidente de que o modo como os professores realizam sou trabalho,
selecionam e organizam o conteúdo das matérias, ou escolhem técnicas de ensino e
avaliação tem a ver com pressupostos teórico-metodológicos, explícita ou
implicitamente.

4 Convém realçar que muitos professores, baseiam sua prática em prescrições


pedagógicas que viraram senso comum, incorporadasquando de sua passagem pela
escola ou transmitidas pelos colegas mais velhos; entretanto, essa prática contém
pressupostos teóricos implícitos. Por outro lado, há professores interessados num
trabalho docente mais conseqüente, professores capazes de perceber o sentido mais
amplo de sua prática e de explicitar suas convicções. Inclusive há aqueles que se
apegam à última tendência da moda, sem maiores cuidados em refletir se essa
escolha trará, de fato, as respostas que procuram.

4 Segundo LIBÂNEO (1990) as tendências pedagógicas foram classificadas em


liberais e progressistas, a saber:
1.Tendência Pedagógica Liberal
Assim, para ele, a pedagogia liberal acredita que a escola tem a função de preparar
5 os indivíduos para desempenhar papéis sociais, baseadas nas aptidões individuais.
Dessa forma, o indivíduo deve adaptar-se aos valores e normas da sociedade de
classe, desenvolvendo sua cultura individual.
Neste sentido, as diferenças entre as classes sociais não são consideradas, já que, a
escola não leva em consideração as desigualdades sociais.
LIBÂNEO (1990) afirma que existem quatro tendências pedagógicas liberais:
-
1- Tradicional
2- Renovada progressivista
3- Renovada não-diretiva
4- Tecnicista

1.1.Tendência Pedagógica Liberal Tradicional


Esta tendência caracteriza-se por acentuar o ensino humanístico, de cultura geral.

6 De acordo com essa escola tradicional, o aluno é educado para atingir sua plena
realização através de seu próprio esforço. Sendo assim, as diferenças de classe
social não são consideradas e toda a prática escolar não tem nenhuma relação com
o quotidiano do aluno. Ou seja, tem como objetivo a transmissão dos padrões,
normas e modelos dominantes.
7 Portanto, os conteúdos escolares são separados da realidade social e da capacidade
cognitiva dos alunos, sendo impostos como verdade absoluta em que apenas o
professor tem razão. Sua metodologia é baseada na memorização, o que contribui
para uma aprendizagem mecânica, passiva e repetitiva.
Quanto aos pressupostos de aprendizagem, a idéia de que o ensino consiste em
repassar os conhecimentos para o espírito da criança é acompanhada de outra: a de
que a capacidade de assimilação  da criança é idêntica à do adulto, sem levar em
conta as características próprias de cada idade. A criança é vista, assim, como um
11 adulto em miniatura, apenas menos desenvolvida, (LIBÂNEO, 1990).

1.2.Tendência Pedagógica Liberal Renovada


Segundo essa perspectiva teórica de LIBÂNEO (1990), a tendência liberal
- renovada (ou pragmatista) acentua o sentido da cultura como desenvolvimento das
aptidões individuais. A educação escolar assume o propósito de levar o aluno a
aprender e construir conhecimento, considerando as fases do seu desenvolvimento.
No entanto, a escola continua, dessa forma, a preparar o aluno para assumir seu
papel na sociedade, adaptando as necessidades do educando ao meio social, por
isso ela deve imitar a vida. Porém, esta escola defende-se a idéia de “aprender
fazendo”, portanto centrada no aluno, valorizando as tentativas experimentais, a
pesquisa, a descoberta, o estudo do meio natural e social, etc, levando em conta os
interesses do aluno.
Como pressupostos de aprendizagem, aprender se torna uma atividade de
descoberta, é uma auto-aprendizagem, sendo o ambiente apenas um meio
estimulador. Só é retido aquilo que se incorpora à atividade do aluno, através da
13 descoberta pessoal; o que é incorporado passa a compor a estrutura cognitiva para
ser empregado em novas situações, LIBÂNEO (1990).
No que se refere aos conteúdos escolares passam a adequar-se aos interesses,
ritmos e fases de raciocínio do aluno. Sua proposta metodológica tem como
característica os experimentos e as pesquisas. O professor deixa de ser um mero
expositor e assume o papel de elaborar situações desafiadoras da aprendizagem. A
aprendizagem é construida através de planejamentos e testes. O professor passa a
13- 15 respeitar e a atender as necessidades individuais dos alunos.

1.3.Tendência Pedagógica Liberal Renovada não-diretiva


Na visão de LIBÂNEO (1990) esta tendência preocupa-se mais com o
desenvolvimento da personalidade do aluno, com o autoconhecimento e com a
realização pessoal.
No que concerne aos conteúdos escolares a ênfase que esta tendência põe nos
processos de desenvolvimento das relações e da comunicação torna secundária a
transmissão de conteúdos. Quanto aos métodos, os processos de ensino visam mais
facilitar aos estudantes os meios para buscarem por si mesmos os conhecimentos
que, no entanto, são dispensáveis. Portanto, são incluídas actividades de
sensibilidade, expressão e comunicação interpessoal, acentuando-se a importância
dos trabalhos em grupos, (LIBÂNEO, 1990).
Diferentemente de outras, nesta aprender torna-se um acto interno e intransferível.
A relação professor-aluno passa a ser marcada pela acfetividade.
1.4.Tendência Pedagógica Liberal Tecnicista
Num sistema social harmônico, orgânico e funcional, a escola funciona como
modeladora do comportamento humano, através de técnicas específicas,
(LIBÂNEO, 1990).
Esta tendência enfatiza a profissionalização e modela o individuo para integrá-lo
ao modelo social vigente, tecnicista. Desta forma, LIBÂNEO (1990) afirma que à
educação escolar compete organizar o processo de aquisição de habilidades,
atitudes e conhecimentos específicos, úteis e necessários para que os indivíduos se
integrem na maquina do sistema social global.
Os conteúdos que ganham destaque são os objetivos e neutros, isto é, conteúdos de
ensino - São as informações, princípios científicos, leis etc., estabelecidos e
ordenados numa seqüência lógica e psicológica por especialistas. É matéria de
ensino apenas o que é redutível ao conhecimento observável e mensurável; os
conteúdos decorrem, assim, da ciência objetiva, eliminando-se qualquer sinal de
subjetividade. O material instrucional encontra-se sistematizado nos manuais, nos
livros didáticos, nos módulos de ensino, nos dispositivos audiovisuais etc.
Conforme MATUI (1988), a escola tecnicista, baseada na teoria de aprendizagem
S-R, vê o aluno como depositário passivo dos conhecimentos, que devem ser
acumulados na mente através de associações. Skinner foi o expoente principal
dessa corrente psicológica, também conhecida como behaviorista. Segundo
RICHTER (2000), a visão behaviorista acredita que adquirimos uma língua por
meio de imitação e formação de hábitos, por isso a ênfase na repetição, nos drills,
na instrução programada, para que o aluno for me “hábitos” do uso correto da
linguagem.
Esta tendência consiste nos procedimentos e técnicas necessárias ao arranjo e
controle das condições ambientais que assegurem a transmissão/recepção de
informações.o professor administra os procedimentos didácticos, enquanto o aluno
recebe as informações. O educador tem uma relação profissional e interpessoal
com o aluno.
Para esta tendência, as etapas, básica de processo ensino aprendizagem são:
a) estabelecimento de comportamentos terminais, através de objetivos
instrucionais;
b) análise da tarefa de aprendizagem, a fim de ordenar sequencialmente os
passos da instrução;
c) executar o programa, reforçando gradualmente as respostas corretas
correspondentes aos objetivos.

2.Tendências Pedagógicas Progressistas


Segundo LIBÂNEO (1990) o termo "progressista", é usado aqui para designar as
tendências que, partindo de uma análise crítica das realidades sociais, sustentam
implicitamente as finalidades sociopolíticas da educação. No entanto, as
tendências pedagógicas progressistas analisam de forma critica as realidades
sociais, cuja educação possibilita a compreensão da realidade histórico-social,
explicando o papel do sujeito como um ser que constrói sua realidade. Ela assume
um caráter pedagógico e político ao mesmo tempo. Assim, LIBÂNEO (1990)
divide as progressistas em três tendências:

2.1.Tendência Pedagógica Progressista Libertadora


Nesta tendência o papel da educação é conscientizar para transformar a realidade e
os conteúdos são extraídos da pratica social e quotidiana dos alunos. Os conteúdos
pré-selecionados são vistos como uma invasão cultural.
Portanto, a tendência progressista libertadora defende a autogestão pedagógica e o
antiautoritarismo. A escola libertadora, também conhecida como a pedagogia de
Paulo Freire, vincula a educação à luta e organização de classe do oprimido.
Segundo GADOTTI (1988), Paulo Freire não considera o papel informativo, o ato
de conhecimento na relação educativa, mas insiste que o conhecimento não é
suficiente se, ao lado e junto deste, não se elabora uma nova teoria do
conhecimento e se os oprimidos não podem adquirir uma nova estrutura do
conhecimento que lhes permita reelaborar e reordenar seus próprios conhecimentos
e apropriar-se de outros.
Como pressuposto de aprendizagem, a força motivadora deve decorrer da
codificação de uma situação-problema que será analisada criticamente, envolvendo
o exercício da abstração, pelo qual se procura alcançar, por meio de representações
da realidade concreta,  a razão de ser dos fatos.
Assim, como afirma LIBÂNEO (1990) aprender é um acto de conhecimento da
realidade concreta, isto é, da situação real vivida pelo educando, e só tem sentido
se resulta de uma aproximação crítica dessa realidade. Portanto o conhecimento
que o educando transfere representa uma resposta à situação de opressão a que se
chega pelo processo de compreensão, reflexão e crítica. Ou seja, a metodologia
desta tendência é caracterizada pela problematizarão da experiência social em
grupos de discussão. A relação do professor com o aluno é tida como horizontal
em que ambos passam a fazer parte do acto de educar.
Assim, os passos da aprendizagem são codificação-decodificação, e
problematização da situação - permitirão aos educandos um esforço de
compreensão do "vivido", até chegar a um nível mais crítico de conhecimento da
sua realidade, sempre através da troca de experiência em torno da prática social,
(LIBÂNEO,1990).

2.2.Tendência Pedagógica Progressista Libertaria


Seundo LIBÂNEO (1990) a escola progressista libertária parte do pressuposto de
que somente o vivido pelo educando é incorporado e utilizado em situações novas,
por isso o saber sistematizado só terá relevância se for possível seu uso prático. A
ênfase na aprendizagem informal, via grupo,  e a negação de toda forma de
repressão, visam a favorecer o desenvolvimento de pessoas mais livres.
Portanto, pode se afirmar que para esta tendência a escola propicia praticas
democráticas, pois acredita que a consciência política resulta em conquistas sócias.
Os conteúdos dão ênfase nas lutas sociais, cuja metodologia está relacionada com a
vivência grupal. O professor torna-se um orientador do grupo sem impor suas
idéias e convicções.
Neste sentido, os conteúdos de ensino - As matérias são colocadas à disposição do
aluno, mas não são exigidas. São um instrumento a mais, porque importante é o
conhecimento que resulta das experiências vividas pelo grupo, especialmente a
vivência de mecanismos de participação crítica, (LIBÂNEO, 1990).
"Conhecimento" aqui não é a investigação cognitiva do real, para extrair dele um
sistema de representações mentais, mas a descoberta de respostas às necessidades e
às exigências da vida social.

2.3.Tendência Pedagógica Progressista Crítico-social dos conteúdos


Para esta tendência a escola tem a tarefa de garantir a apropriação critica do
conhecimento cientifico e universal, tornando-se uma arma de luta importante. A
classe trabalhadora deve apropriar-se do saber. Pois segundo LIBÂNEO (1990) a
difusão de conteúdos é a tarefa primordial. Não conteúdos abstratos, mas vivos,
concretos e, portanto, indissociáveis das realidades sociais. A valorização da escola
como instrumento de apropriação do saber é o melhor serviço que se presta aos
interesses populares, já que a própria escola pode contribuir para eliminar a
seletividade social e torná-la democrática. Se a escola é parte integrante do todo
social, agir dentro dela é também agir no rumo da transformação da sociedade.
Diferentemente da tendência libertadora e libertária a progressista crítico-social
dos conteúdos, acentua a primazia dos conteúdos no seu confronto com as
realidades sociais. A actuação da escola consiste na preparação do aluno para o
mundo adulto e suas contradições, fornecendo-lhe um instrumental, por meio da
aquisição de conteúdos e da socialização, para uma participação organizada e ativa
na democratização da sociedade.
Na visão da pedagogia dos conteúdos, admite-se o princípio da aprendizagem
significativa, partindo do que o aluno já sabe. A transferência da aprendizagem só
se realiza no momento da síntese, isto é, quando o aluno supera sua visão parcial e
confusa e adquire uma visão mais clara e unificadora, (LIBÂNEO, 1990).
Adota o método dialético, esse que é visto como o responsável pelo confronto
entre as experiências pessoais e o conteúdo transmitido na escola. O educando
participa com suas experiências e o professor com sua visão da realidade.

Você também pode gostar