Você está na página 1de 4

Apresentação ERER - Conceitos

Para tratarmos da temática dos Quilombos e Demarcações de Terra Indígenas,


primeiramente faz-se necessário a compreensão dos principais conceitos que
norteiam essa discussão. Entre os conceitos a serem elencados no que concerne a
temática indígena destacamos as concepções de “Povos Originários” e de “Terras
Indígenas”.
O termo "índio” foi, por muitos anos, utilizado para nomear os povos que viviam no
Brasil pré-colonização européia, no entanto este termo reduz a pluralidade de povos
e comunidades indígenas além de remeter a um local folclórico em que os indígenas
foram postos desde o século XV.
Nesse sentido adota-se o termo “Povos originários ou Povos indígenas” uma vez
que esses termos se referem aos diferentes grupos étnicos que habitavam o país
muitos anos antes da colonização portuguesa. Da mesma forma, os povos indígenas
que atualmente ocupam o território brasileiro também recebem essa denominação
visto que o termo “povos originários” se refere também às populações que
descendem dos povos que já habitavam o território em um período pré-exploração
européia.
Tratar dessa denominação em sala de aula faz-se importante uma vez que o estudo
dos povos indígenas é feito geralmente no final do ensino fundamental I e início do
fundamental II, momento em que os estudantes já teriam alguns conceitos e
opiniões formada. É nesse ponto que apontar esses povos originários como agentes
sociais do Brasil atual também se faz importante, principalmente porque essa
temática aparece nos livros didáticos apenas quando relacionado a História do Brasil
Colonial, não apresentando a participação indígena nos períodos posteriores,
mantendo–os desconectados da história recente do país.
Já para tratarmos do conceito de “Terras Indígenas” devemos nos voltar para o
âmbito jurídico. De acordo com a Constituição Federal de 1988, as Terras Indígenas
são “territórios de ocupação tradicional”, em seu artigo de número 231, as terras
indígenas são aquelas "por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas
para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos
ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias a sua reprodução física e
cultural, segundo seu usos, costumes e tradições".
Apresentação ERER - Recorte Regional
Trazendo a temática indígena para um recorte mais regional, podemos destacar que
aqui no estado de Pernambuco temos a presença de em média 10 comunidades
indígenas em que cada uma delas possui sua própria configuração social, costumes
e culturas, sendo essas a Atikum, Fulni-ô, Kambiwá, Kapinawá, Pankará, Pankararu,
Pipipã, Truká, Tuxá e Xucuru.
O processo de demarcação das terras da comunidade Atikum, atualmente localizada
nos limites do município de Carnaubeira da Penha só foi finalizado em 1984.
Embora as primeiras visitas de representantes do Serviço de Proteção ao Índio
tenham ocorrido entre 1943 e 1945, a FUNAI não procedeu com o reconhecimento
dos limites da terra Atikum até 1984.
Os indígenas da etnia Fulni-ô ocupam a região do município de Águas Belas,
Pernambuco, desde pelo menos o século XVIII, quando receberam terras, para
aldeamento, do Governo Imperial em 1705. Seu processo de demarcação iniciou-se
na década de 1970, mas o processo não avançou no interior da Fundação Nacional

do Índio (FUNAI). No mesmo período, se deu a construção da rodovia BR-423, de


responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) e
que corta a área indígena, sem que os mesmos fossem consultados ou recebessem
qualquer tipo de indenização pelo uso de suas terras.
A demarcação de terras da comunidade Truká - localizada no município de Cabrobó
- só foi confirmada em 1992 pela Comissão Especial de Análise da FUNAI.
A comunidade Kambiwá - localizada nas cidades de Floresta, Ibimirim e Inajá - foi
demarcada somente no ano de 1978.
Sobre os Kapinawá, a questão da demarcação foi realizada no decorrer da década
de 1980, quando a Funai identificou e delimitou as terras Kapinawá em 14 mil
hectares.
A comunidade Pankararu teve suas primeiras terras delimitadas ainda pelo SPI em
em 1940, no entanto essas só foram homologadas em 1987.
Sobre os Pipipã, os estudos para a demarcação de terras se iniciaram apenas em
2005 pois o território dos Pipipã adentra a reserva biológica de Serra Negra, que
também é uma área federal.
Por sua vez, o processo demarcatório da Terra Indígena Xucuru, localizada em
Pesqueiras (PE), iniciou-se em 1989, pouco após a promulgação da Constituição de
1988, que garante aos indígenas a posse das terras tradicionalmente ocupadas. A
demarcação, que transcorreu de forma lenta, somente foi finalizada 16 anos depois,
em 2005.
A comunidade Pankará - localizada no município de Carnaubeira da Penha -
somente teve sua etnia reconhecida pela FUNAI em 2003 ainda lutando pela
demarcação de terras.
Por fim, os indígenas Tuxá - localizados no município de Inajá, não possuem
qualquer reconhecimento formal de “terra indígena”.
Uma maneira de trabalhar essas temáticas indígenas em sala de aula na educação
básica e ainda sim trazer esse recorte regional para provocar uma aproximação dos
estudantes com os povos indígenas que fazem parte do Brasil Contemporâneo é
utilizar recursos didáticos como documentários, por exemplo o “Vale dos
Esquecidos” e “O povo brasileiro Matriz Tupi”, fugir de imagens generalizadas no
que concerne aos povos indígenas, trazendo o olhar deles sobre eles mesmo e
buscar trabalhar as temáticas indígenas em associação às demais temáticas.

Referências:
CAVALHEIRO, Rosa Maria; COSTA, Flamarion Laba da. A temática indígena no livro
didático. 2012.
CAVALCANTE, Thiago Leandro Vieira. " Terra indígena": aspectos históricos da
construção e aplicação de um conceito jurídico. História (São Paulo), v. 35, 2016.
BADIN, Luiz Armando. Sobre o conceito constitucional de terra indígena. Arquivos
do Ministério da Justiça, Brasília, v. 51, p. 127-141, 2006.
PALITOT, Estevão Martins & ALBUQUERQUE, Marcos Alexandre dos Santos.
Relatório de viagem – Índios do Nordeste (AL, PE, PB). LACED/UFRJ. 2002.
VIEIRA, Antônio Fernandes de Jesus. Os índios Tuxá na rota do
desenvolvimento: violações de direitos. 2017.

Slide:
As TIs a serem regularizadas pelo Poder Público devem ser:
1) habitadas de forma permanente;
2) importantes para suas atividades produtivas;
3) imprescindíveis à preservação dos recursos necessários ao seu bem-estar; e
4) necessárias à sua reprodução física e cultural.
Conceitos:

O termo “índio” foi inicialmente utilizado pelos colonizadores europeus para designar
os povos que viviam no território que atualmente compreende o Brasil. No entanto,
Dessa forma, o melhor termo a ser utilizado para designar esses povos é Indígenas
ou Povos Originários, pois ambos se referem aos povos que .

Povos Originários
Os povos indígenas do Brasil compreendem um grande número de diferentes
grupos étnicos que habitam o país desde milênios antes do início da colonização
portuguesa, que principiou no século XVI, fazendo parte do grupo maior dos povos
ameríndios
Povos indígenas são aqueles que, tendo continuidade histórica com grupos
pré-colombianos, se consideram distintos da sociedade nacional. Indígenas são
aqueles que se reconhecem como pertencentes a uma dessas comunidades e que
por elas são reconhecidos como um de seus membros.
Em sua conceituação mais simples, os povos Originários são as populações que
descendem dos primeiros habitantes de um local. Também se refere aos povos que
já habitavam o território brasileiro em um período pré-exploração europeia.

Vale lembrar que a escolha deve-se ao fato de que o estudo dos povos indígenas é
feito geralmente na 5ª e 6ª séries, portanto os alunos já teriam alguns conceitos e
opiniões formadas, e conseqüentemente melhores condições de debater sobre tal
assunto.
os povos indígenas não fazem parte da sociedade atual, e que estas relações só se
deram na época da chegada dos europeus ao Brasil, principalmente porque esse
assunto aparece nos livros somente quando abordado este período específico da
História do Brasil, não apresentando a participação indígena nos períodos
posteriores, denominados ainda como Império e República, mantendo–os
desconectados da história recente do país.
CAVALHEIRO, Rosa Maria; COSTA, Flamarion Laba da. A temática indígena no livro
didático. 2012.

Você também pode gostar