Você está na página 1de 14

LUCIMARA MARIA SANCHEZ – RA: 0000000

PROJETO DE INTERVENÇÃO

SENHOR DO BONFIM – BA
2016
LUCIMARA MARIA SANCHEZ – RA: 000000

PROJETO DE INTERVENÇÃO

Projeto de intervenção apresentado ao Curso


de Serviço Social, do Centro de Educação a
Distância – CEAD da Universidade Anhanguera
UNIDERP como requisito obrigatório para
cumprimento da disciplina de Estágio
Supervisionado II.

SENHOR DO BONFIM – BA
2016
Dados da Instituição:

Local de Estágio: Centro de Referência de Assistência Social Quilombola de... -


CRAS
Endereço:
Nome do (a) Supervisor (a) Acadêmico (a):
Nome do (a) Supervisor (a) de Campo: Carga horária: 150 horas Início: 01/08/2016
Término: 19/09/2016
Título do Projeto:

“Viver bem na Terceira Idade”

SENHOR DO BONFIM
2016
Local e desenvolvimento das atividades:

A realização desse projeto se dará através da interação entre as equipes de


profissionais do CRAS e as idosas do Serviço de Convivência e Fortalecimento de
Vínculos (SCFV) fazendo com que os mesmos possam participar das atividades
desenvolvidas através deste projeto, e através dele instigar o interesse dos idosos a
participarem das atividades e programações desenvolvidas no CRAS. O Projeto será
apresentado na sede do CRAS durante duas tardes, sendo que os trabalhos serão
divididos da seguinte maneira:
Primeiro Dia – Dinâmicas de grupo; Palestra com o tema Auto Estima; músicas.

Segundo Dia – Mesa redonda com o tema Alimentação Saudável na Terceira Idade;
A importância de Atividades físicas na Terceira Idade – Alongamentos; Atividades
com movimento, danças.

Área de Abrangência:

O projeto será desenvolvido na (Local), Distrito do Município de Senhor do


Bonfim, Estado da Bahia, com o apoio do CRAS (Local) e da Equipe de trabalho da
Instituição.
Problema Diagnosticado:
 As idosas reclamam dos horários dos encontros do grupo.

Objetivo Geral:
Promover atividades que contribuam para a melhoria da qualidade de vida
dos idosos. Promover a qualidade de vida é a soma de todos os fatores que
trabalhamos, mas, principalmente a preservação do prazer em todos os seus
aspectos. O prazer de ter a aceitação de todos os seus limites, o prazer de interagir
com os moradores e funcionários, o prazer da satisfação dos desejos na medida do
possível e o prazer de compartilhar e aprender.

Objetivos Específicos:
- Desenvolver novas habilidades e interesses;
- Contribuir para o desenvolvimento do sentimento de valorização dos idosos
atendidos;
- Treinar capacidades funcionais, cognitivas e a coordenação motora;
- Estimular autoimagem e autoestima;
- Promover uma alimentação saudável
- Estimular socialização e lazer

Justificativas:
O idoso é parte integrante e imprescindível da dinâmica social, é sujeito de
direitos, autonomia e identidade.
A questão social se reflete no idoso justamente no ponto da exclusão social,
do não convívio familiar, da falta de acesso a direitos e serviços voltados para sua
idade, assim como da falta de recursos das famílias, pela situação de pobreza e
miséria enfrentada e que são impedidas de garantir a qualidade de vida dos seus
idosos.
O Serviço Social está diretamente ligado à forma como são desenvolvidas as
relações em sociedade e o desempenho da prática profissional se faz pelas
demandas postas na atualidade, onde é necessário acompanhar as transformações
ocorridas no passar dos tempos. Portanto, cabe ao profissional estimular a
autoestima da pessoa idosa e a garantir seus direitos junto ao Estado via políticas
públicas.
É evidente, que a política para valorização do idoso está ainda muito longe de
ser efetivada. A velhice é uma fase da vida que possui necessidades físicas e
psicológicas: alimentação, sono, amor, segurança, aceitação, auto aceitação,
realização e agregação.
Diante do prévio conhecimento da demanda em realizar um trabalho com a
sociedade local e com as famílias, com o intuito de atender o Estatuto do Idoso,
conforme o art. 49 que atribui as entidades de atendimento aos idosos de restaurar a
participação dos idosos nas atividades comunitárias e também da dificuldade deste
mediante a própria cultura da sociedade local em deixar os idosos se divertirem, se
preocupar com eles. A solidão e o abandono constituem pesados fardos para os
idosos, pois as famílias tendem, muitas vezes, a excluir aqueles tidos como
incômodos demais. Ser deixado de lado, ser ignorado provoca o sentimento de
abandono. Esse sentimento pode se revelar no meio da família e no meio social, e
ser provocado pela fragilidade das relações, negligência, perdas afetivas, doença ou
ausência de trabalho.
Sabemos que muitas vezes não é possível oferecer ao idoso os cuidados que
eles necessitam em tempo integral, principalmente quando é necessário o
acompanhamento de alguém para realizar atividades simples como tomar banho,
trocar de roupa, tomar uma medicação. Por isso entendemos a necessidade da
institucionalização, porém, não é necessário abandoná-lo, fazer visitas periódicas
faz muita diferença para quem se sente tão só e abandonado.
A velhice vem acompanhada de várias fragilidades, como doenças, a perca dos
sentidos, a agilidade, a falta de atenção dos mais jovens por achar que um idoso
não tem serventia, porém o resgate por vínculos afetivos vai devolver a este idoso a
força de viver, melhorar a sua qualidade de vida e elevar a sua autoestima.

Público alvo/ beneficiário:

Idosos que participam do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos


(SCFV) do Distrito de...

Descrição do espaço:
A área da execução do projeto “Viver bem na Terceira Idade” fica localizada
na zona rural do Município de Senhor do Bonfim, no Distrito (...) onde dispõe de
saneamento básico, água potável, área arejada, com acessibilidade e higienização.
Possuindo material didático, eletrodomésticos e eletrônicos e móveis.

Relação de atividades e datas de execução:


O Projeto “Viver bem na Terceira Idade” foi desenvolvido no período de 1º de
Agosto à 19 de Setembro no CRAS Quilombola de.... Tivemos reuniões com a
coordenação do CRAS, com a Assistente Social e com os idosos.

Parceiros Técnicos/financeiros:
- Centro de Referência de Assistência Social Quilombola de... – CRAS
- Secretaria de Ação e Desenvolvimento Social de Senhor do Bonfim (SADES)
- Prefeitura Municipal de Senhor do Bonfim
Produto do Projeto.
Proporcionou a sensibilização das famílias dos idosos e da sociedade local
de (...), resgatando suas vivencias e fortalecendo seus vínculos com a comunidade e
familiares. A partir de então foi despertado a consciência do grupo de idosos para os
benefícios gerados pela interação dos mesmas dentro do CRAS desenvolvendo e
proporcionado aos idosos a interação com familiares e comunidade local e trazendo
assim para cada um deles a sua dignidade assistida e a valorização dos mesmos.
As avaliações das ações propostas neste projeto deverão ocorrer durante
todo o processo de execução do mesmo. Será avaliado através de observação
durante o período de 25 dias pela Assistente social (Supervisor de campo) através
de relato das vivências do dia a dia. Durante as reuniões de grupo do CRAS haverá
uma escuta avaliativa sobre o trabalho desenvolvido pelo estagiário. Após a
conclusão do projeto, o mesmo será avaliado pelos idosos usuários do CRAS.

Impactos esperados:

Resgatar os direitos do idoso, fazendo com que eles se vejam como alguém
que possui uma grande soma e riqueza de experiências que estão armazenadas,
desde seu nascimento, ou seja, valorizando suas vivências deixando resultados
positivos diante do trabalho executado. Com a implementação das atividades
desenvolvidas no decorrer do Projeto, espera-se que os idosos participantes
demonstrem muita satisfação e apresentem uma boa interação com outros familiares
envolvidos. Trazendo assim uma comunicação impar uns com os outros partilhando
ideias, experiências e etc.
Cronograma:

Cronograma de Desenvolvimento do Projeto


Desenvolvimento das atividades Agosto Setembro Outubro
Elaboração do Projeto X
Desenvolvimento do Projeto X

Apresentação X

Investimentos/Orçamento Simplificado

Produtos/Serviços Valor
Convites R$ 20,00
Lembranças R$ 40,00
Balões R$ 12,00
Lanche (Pão de forma) R$ 14,00
Patê R$ 15,00
Frutas para suco R$ 35,00
Torta salgada R$ 60,00

Meta de Público Alvo:

Participantes Quantidade
Idosos do CRAS 20 participantes
Metodologia:

Os objetivos propostos pelo presente Projeto serão operacionalizados


mediante a efetiva participação dos idosos que demonstrarem interesse em
participar das atividades, bem como através da contribuição da Assistente Social
Supervisora de Campo (Nome da supervisora de Capo) e da estagiária Acadêmica
do Curso de Serviço Social da Universidade Anhanguera – Uniderp – Lucimara
Maria Sanchez, sob orientação da Supervisora de Campo. É realizado
semanalmente atividades com os idosos no espaço físico do CRAS (Centro de
Referência de Assistência Social).

Serão utilizados filmes, músicas, brincadeiras, dinâmicas de grupo, dança e


lanche, desenvolvendo a coordenação motora, a autoestima e orientação para uma
alimentação saudável de acordo com a condição financeira de cada idoso.

Indicadores:
Desempenho Meios de Verificação Periodicidade
Encontro/Execução do Entrevista de Campo 7º semestre de 2016
projeto de intervenção
Coordenação do Projeto:

Nome da supervisora de campo (Assistente Social).

Equipe Responsável:

Nome Área de Atuação Fone/email


Assistente Social 74
Palestrante 87
Palestrante 74

Assinaturas:

Nome Assinatura
Coordenador do projeto
Nome da supervisora de campo
Nome membros da equipe...
Lucimara Maria Sanchez
Considerações Finais:

O Estatuto do Idoso assume um papel fundamental na maneira como a


velhice é vista e tratada na sociedade brasileira e tenta diferenciar os idosos como
cidadãos de direitos, marcados por características próprias que demandam
proteções, serviços e benefícios especiais. Além disso, o Estatuto do idoso é a
expressão da maneira como a sociedade e a cultura brasileira concebem e
representam a velhice e define as práticas de tratamento aos idosos. Se antes a
velhice era ignorada, com o Estatuto passou a ser tratada como assunto de
importância nacional. Com isso, destacamos a importância da prática no CRAS
(Centro de Referencia de Assistência Social) a que nos permitiu um contato com
pessoas mais velhas e com maior experiência de vida e nos deu a oportunidade de
vivenciar um pouco suas realidades ao ouvirmos os relatos de seus cotidianos.
Futuramente, também seremos idosos e também precisaremos da proteção jurídica
oferecida a eles, portanto faz-se necessário que cuidemos dos direitos dos idosos
hoje, pois é esse o nosso amanhã.
A velhice é um processo natural pelo qual pessoas passam em seu ciclo de vida.
É diante desta afirmativa que cabe apresentar a visão do Serviço Social
perante a família, pois esta não é apenas considerada como quem cuida, mas
principalmente, como merecedora de cuidados para que possa desenvolver sua
função. São constantes as críticas acerca da família, tida como a principal
responsável, quando em sua volta, algo se desvia do que já foi previamente
estabelecido pela sociedade como correto. Evidentemente, o objetivo não está em
isentar à família de seus compromissos junto a seus membros, mas compreendê-la
a partir da totalidade, sendo assim, ressaltando suas potencialidades, mas também
as fragilidades, essas últimas, não raramente, acabam por se sobressaírem quando
a família encontra-se desamparada material e/ou emocionalmente, refletindo
intensamente em suas relações juntamente com o idoso.
Referências:

 WINNICOTT, D. W. A Família e o Desenvolvimento Individual. Trad. Marcelo


Brandão Cipolla. São Paulo, Martins Fontes, 1965.
 O Brincar & a Realidade. Trad. José Octávio de Aguiar Abreu e Vanede
Nobre. Rio de Janeiro Imago, 1975.
 SALGADO M. A. Velhice uma questão social. São Paulo: SESC, 1980. 121p.
 ESTATUTO DO ISOSO
 POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO
 BRASIL Código de Ética do Assistente Social. In: Legislação Brasileira para o
Serviço Social. 2 ed. São Paulo, 2006.
 Lei n. 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do
Idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências [texto na
Internet]. Brasília; 1994. [citado 2005 Maio 18]. Disponível em:
http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/Leis/L8842.htm.
 Estatuto do Idoso. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.741.htm Acesso em 01 de
set. de 2012.

Você também pode gostar