Você está na página 1de 3

A arte barroca nasce em meio ao fogo cruzado de eventos históricos que promovem a fé, por um lado, e

movimentos que estimulam a razão, por outro.

A arte barroco surge em que contexto histórico?

Período de produção: século XVII

Eventos históricos que antecedem e influenciam a arte barroca:

- 1450:Invenção dos tipos móveis, Gutenberg.

- 1517: Reforma Protestante. Sacerdócio universal (contestação dos privilégios em meios aos quais o clero
vivia, já que, de acordo com a bíblia, todos os cristãos eram iguais); Autoridade da palavra revelada ((rejeição
de qualquer autoridade intermediária para interpretação da palavra divina contida na Bíblia).

- 1543: “Das revoluções das esferas celestes”, publicado postumamente.

- 1545: Contrarreforma.

- “Acerca do Infinito Universo e Mundos” (1584), introduzir a ideia de que o universo era infinito e sem
centro. Como represália, Bruno foi perseguido pela inquisição e queimado na fogueira em 1600.

- 1615: Galileu Galilei comprova empiricamente a legitimidade do heliocentrismo copernicano.

Barroco: tensão entre os opostos

Por um lado, o homem barroco se vê como um herdeiro do Renascimento, pois convivia com a visão de
mundo antropocêntrica, que celebra a vida humana e a superação de seus limites; por outro, este mesmo
homem convivia com a Contrarreforma e o resgate da visão teocêntrica, que explora o lado frágil e
imperfeito do ser humano em face da suprema perfeição e magnitude de Deus. A estética barroca, desse
modo, procura espelhar essas visões antagônicas — medieval e renascentista —, por meio da fusão de
opostos. Barroco, não por caso, significa 'pérola de formato irregular, desproporcional'. Tal desarmonia, aliás,
se manifesta tematicamente na produção artística do movimento Barroco, cuja principal marca distintiva, em
relação a outras estéticas, consistiu em aproximar valores antagônicos, tais como razão e a fé, materialidade e
o espírito, profano e o sagrado, a vida e a morte.

A efemeridade do tempo e o carpe diem

O homem barroco tem consciência de que a vida terrena é efêmera, passageira, e, por isso, é preciso pensar
na salvação espiritual. Mas, já que a vida é passageira, sente, ao mesmo tempo, desejo de desfrutá-la antes
que acabe, o que resulta em um sentimento contraditório, já que desfrutar da vida implica pecar, e, se há
pecado, não há salvação.

O exagero como técnica de convencimento: a arte como exaltação visual da fé.

A fim de reabilitar a credibilidade do catolicismo e reconquistar fiéis dissidentes, a Contrarreforma utiliza


amplamente a expressão artística. Uma das estratégias que empregou nesse esforço foi a transformação dos
cultos em espetáculos de beleza, de maneira a estimular os sentidos e despertar o sentimento de devoção dos
fiéis. Foi nesse período que as igrejas ganharam mais suntuosidade/luxuosidade, com decorações
requintadas em detalhes e pinturas e esculturas em que se expressavam as emoções da fé e do êxtase
religioso. Em oposição à racionalidade do Renascimento, a arte barroca celebrava os sentimentos, a
dramaticidade, criando expressões carregadas de emoção. Ver Caravaggio, Aleijadinho.
O que se entende por Cultismo e Conceptismo? Conceptismo e cultismo foram os dois princípios
estilísticos em torno dos quais se desenvolveu a produção literária barroca.

Cultismo: Caracteriza-se pela utilização de uma linguagem rebuscada, bastante ornamentada, em que
predomina o jogo de palavras (como os trocadilhos), o uso abundante de figuras de linguagem (comparação,
metáfora, metonímia, antítese, paradoxo, etc.) e a exploração de efeitos sensoriais, como o som, a imagem, a
cor. Gôngora (1561-1627), poeta e dramaturgo espanhol, desenvolveu com maestria esse estilo de linguagem,
razão pela qual o cultismo é também chamado gongorismo.

SONETO
Corrente, que do peito destilada
Sois por dois belos olhos despedida;
E por carmim correndo dividida
Deixais o ser, levais a cor mudada.

Não sei, quando caís precipitada,


Às flores que regais tão parecida,
Se sois neves por rosa derretida,
Ou se rosa por neve desfolhada.

Essa enchente gentil de prata fina,


Que de rubi por conchas se dilata,
Faz troca tão diversa e peregrina,

Que no objeto, que mostra, ou que retrata,


Mesclando a cor purpúrea, à cristalina,
Não sei quando é rubi, ou quando é prata.

Conceptismo: Define-se pela valorização da lógica, do raciocínio, da construção intelectual de uma ideia.
Nos textos conceptistas, a argumentação é apurada, amplamente fundamentada em citações e
exemplificações, analogias, silogismos, comparações, metáforas, hipérboles e silogismos. O escritor espanhol
Quevedo (1580-1645) se distinguiu pelo manejo desse estilo em suas obras, de modo que, em sua
homenagem, o conceito de conceptismo é também chamado quevedismo.

EX:

SERMÃO DE QUARTA-FEIRA DE CINZAS, PARA A CAPELA REAL QUE SE NÃO PREGOU POR
ENFERMIDADE DO AUTOR (1674)

O pó que somos é o de que se compõem os vivos; o pó que havemos de ser é o em que se resolvem os
mortos. E sendo estes dois extremos tão opostos como o ser e não-ser, não é muito que os efeitos e afetos que
produzem em nós sejam também muito diversos: por isso amamos a vida e tememos a morte. Mas porque
eu, depois de larga experiência, tenho conhecido que estes dois efeitos no nosso entendimento, e estes dois
afetos na nossa vontade andam trocados, o meu intento é pô-los hoje em seu lugar.

(…)

Lançando os olhos por todo este mundo, e considerando bem a vida dos que vivem sobre a terra e a morte
dos que jazem debaixo dela, resolvi – diz Salomão – que muito melhor é a sorte dos mortos que a dos
vivos:

De tudo o dito até aqui se segue que melhor é a morte que a vida, e que o maior bem da vida é a morte.

...
Quais são os gêneros literários nos quais predominam o Cultismo e o Conceptismo?

O cultismo é mais frequente na poesia; e o conceptismo, na prosa. Seja como for, tais tendências estilísticas
não são excludentes, podendo conviver em um mesmo texto.

Você também pode gostar