Você está na página 1de 40

Física

Prof. Me. Luis A S Simões

luis.simoes@icen.ufpa.br
Dilatação
Térmica
Prof. Me. Luis A S Simões

luis.simoes@icen.ufpa.br
Ponte JK
em Brasília

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação
Térmica
Líquidos
Linear
Sólidos Superficial
Volumétrica

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Sólidos

Com a variação na temperatura de um sólido, as


partículas que o constituem vibram, menos ou mais, em
torno de sua posição de equilíbrio.
Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br
Dilatação Linear
L

L0 L

T0

L =  .L0 .T
L = L0 (1 +  .T )
Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br
Dilatação Linear
Material A (10-6°C-1)
Chumbo 29
Zinco 26
Alumínio 23
Prata 19
Cobre 17
Ouro 15
Concreto 12
Aço 11
Vidro comum 9
Granito 8
Vidro pirex 3,2
Porcelana 3
Diamante 0,9

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Linear
L

L
L
tg =
T

L0
tg = L0 .
T
T0 T

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Linear

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Linear

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Linear
Uma barra de certo material (𝛼 = 25. 10−6 °𝐶 −1 ) tem 30 cm de
comprimento a temperatura de 0°C.

1. Se a barra for aquecida até atingir 100°C, qual será a variação de


seu comprimento?
∆𝐿 = 𝐿0 . 𝛼. ∆𝑇
∆𝐿 = 30.25. 10−6 . 100
∆𝐿 = 7,5. 10−2 𝑐𝑚

2. Qual é o comprimento final da barra?


∆𝐿 = 𝐿 − 𝐿0
𝐿 = 𝐿0 + ∆𝐿
𝐿 = 30 + 0,075 = 30,075 𝑐𝑚

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Linear

Um fio de alumínio mede 100 cm de comprimento a temperatura de


0°C. Sabendo que o coeficiente de dilatação linear do alumínio é
22. 10−6 °𝐶 −1 , determine a dilatação sofrida pelo fio ao se aquecê-lo
até 100°C.
∆𝐿 = 𝐿0 . 𝛼. ∆𝑇
∆𝐿 = 100.22. 10−6 . 100
∆𝐿 = 22. 10−2 𝑐𝑚
∆𝐿 = 0,22 𝑐𝑚

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Superficial
L
L0

L L0 T0
A0 T
A
A =  . A0 .T  = 2
A = A0 (1 +  .T ) A = A0 (1 + 2 .T )
Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br
Dilatação Superficial

Já sabe responder?
O tamanho do vazio
também se altera
quando a
temperatura varia?

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Superficial
Objetos com orifícios, tais como CDs, rodas de veículos, espelhos de
tomadas, anéis e raladores de queijo são alguns exemplos de corpos
que apresentam superfícies nas quais há áreas vazias. Quando esses
corpos são submetidos a variação de temperatura, todas as suas
superfícies ficam sujeitas a dilatação ou contração. Em caso de
aumento de temperatura, o orifício aumenta de perímetro (e de
diâmetro, caso seja circular), como se estivesse totalmente
preenchido. Com a elevação de temperatura, as partículas ao longo do
perímetro se afastam de suas posições de equilíbrio, expandindo esse
perímetro (ou diâmetro). O fenômeno inverso ocorre quando a
temperatura diminui. Todas as dimensões do corpo, incluindo suas
áreas vazias, contraem-se.

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Superficial

Uma lâmina quadrada de ferro (𝛼 = 13. 10−6 °𝐶 −1 ) tem lados de 10


m em temperatura ambiente. Ao ser aquecida e ter sua temperatura
variada em 500°C, qual será a área de sua superfície?

𝐴0 = 102 = 100 𝑚2
∆𝑇 = 500 °𝐶
𝛽 = 2𝛼 = 26. 10−6 °𝐶 −1
Assim, 𝐴 = 𝐴0 𝛽. ∆𝑇 + 1
𝐴 = 100 26. 10−6 . 500 + 1 = 101,3 𝑚2

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Volumétrica
L
L0

V =  .V0 .T L0
L
T0
V = V0 (1 +  .T ) V0 L0
V = V0 (1 + 3 .T ) T V L

 = 3
Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br
Dilatação Volumétrica

E a “DENSIDADE”???

m
d=
V

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Volumétrica
Um cilindro circular de aço (𝛼 = 11. 10−6 °𝐶 −1 ), com as dimensões
apresentadas na figura a seguir, usado em um experimento de
dilatação, está inicialmente à temperatura de -100 °C. Quando este
voltar à temperatura ambiente (20 °C), quanto ele terá dilatado?
30cm
10cm

Dados: Diâmetro: D = 30 𝑐𝑚; Altura: h = 10cm.


2 2
𝐷 30
𝑉0 = Á𝑟𝑒𝑎𝑏𝑎𝑠𝑒 . ℎ = 𝜋 .ℎ = 𝜋 . 10 = 2250𝜋 𝑐𝑚3
2 2
Assim, ∆𝑉 = 𝛾. 𝑉0 . ∆𝑇 = 3𝛼. 𝑉0 . ∆𝑇 = 3. 11. 10−6 . 2250𝜋. ൫20 −
−100 ൯
∴ ∆V = 27,98 𝑐𝑚3

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Volumétrica
Um cubo de ferro (𝛼𝐹𝑒 = 12. 10−6 °𝐶 −1 ) tem aresta igual a 20 cm a
10°C. Se a temperatura for elevada para 350°C, determine:
a) A variação do comprimento da aresta;
b) A variação da superfície de qualquer uma de suas faces;
c) A variação de seu volume.
a) ∆𝐿 = 𝐿0 . 𝛼. ∆𝑇
∆𝐿 = 20.12. 10−6 . 340
∆𝐿 = 8,16. 10−2 𝑐𝑚
∴ ∆𝐿 ≅ 0,08 𝑐𝑚
b) ∆𝐴 = 𝐴0 . 𝛽. ∆𝑇
∆𝐴 = 4. 102 . 24. 10−6 . 340
∴ ∆𝐴 = 3,26𝑐𝑚2
c) ∆𝑉 = 𝑉0 . 𝛾. ∆𝑇
∆𝑉 = 8. 103 . 36. 10−6 . 340
∴ ∆V = 98 𝑐𝑚3

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Sólidos
Já sabe responder?
Por que não convém construir uma casa grudada à do
vizinho?

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Sólidos
Os materiais utilizados nas edificações de casas e
apartamentos estão sujeitos a variações de temperatura
e, consequentemente, dilatam-se ou se contraem em
resposta a elas. Assim, se uma casa for construída sem
nenhum distanciamento da edificação vizinha, ao se
dilatar, ela não disporá de espaço para acomodar essa
variação de volume. As forças de compressão assim
produzidas poderão ocasionar rachaduras e até ruptura
em paredes, lajes e nos pilares. Da mesma forma, na
construção de pontes e na colocação de azulejos e pisos
de madeira, devem ser previstas folgas entre as
edificações para evitar danos decorrentes de dilatações e
contrações térmicas.

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Sólidos
O espelho de um telescópio como o Keck, no Havaí,
apresenta espaços entre os espelhos que o compõem,
para prevenir os efeitos da dilatação térmica.

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Sólidos
O quanto um corpo se dilata ou se contrai depende do
estado físico do corpo e do material de que ele é feito.

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Sólidos
Como o metal se expande mais que o vidro, é correto dizer que, se
jogarmos água quente sobre a tampa e o bocal de um recipiente de
vidro fechado, conseguiremos abri-lo mais facilmente.

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Sólidos
Todos os corpos se expandem ou se contraem em função do aumento
ou da redução da temperatura. A substância da qual o corpo é feito
influi na variação de volume – os objetos metálicos variam de volume
mais facilmente. Engenheiros, projetistas, escultores e joalheiros
escolhem com cuidado seus materiais de trabalho, levando em conta
os efeitos da dilatação térmica. As pontes precisam de vãos entre as
placas de concreto (juntas de dilatação), para evitar rachaduras em
sua estrutura. Os trilhos de algumas ferrovias também apresentam
espaçamentos para que não surjam rupturas nas linhas férreas. Mas
o controle de tal fenômeno natural também proporciona aplicações
práticas interessantes, como na fixação de chapas em navios, na
fabricação de termômetros e na vedação eficiente de blocos de
motores de automóveis.

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Sólidos

  
= =
1 2 3

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Líquidos

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Líquidos

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Líquidos

V = V0 (1 +  .T )
 líq   sól
Vreal = V frasco + Vaparente

 real =  frasco +  aparente

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Líquidos

Um caminhão-tanque, com capacidade para 10.000L, está cheio de


gasolina, a uma temperatura de 10°C. Qual o aumento de volume
sofrido pela gasolina ao ser retirada a temperatura de 30°C?
(𝛾𝐺𝑎𝑠𝑜𝑙𝑖𝑛𝑎 = 9,6. 10−4 °𝐶 −1 )
∆𝑉 = 𝑉0 . 𝛾. ∆𝑇
∆𝑉 = 10000.9,6. 10−4 . 20
∆𝑉 = 192 𝐿

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Térmica dos Líquidos

Um béquer de vidro, cujo volume é 1.000𝑐𝑚3 , esta completamente


cheio de mercúrio, a 20°C. Determine o volume de mercúrio que irá
transbordar quando o sistema for aquecido a 120°C. Dados: 𝛾𝐻𝑔 =
180. 10−6 °𝐶 −1 e 𝛾𝑉𝑖𝑑𝑟𝑜 = 27. 10−6 °𝐶 −1 .
∆𝑉𝑎𝑝. = 𝑉0𝐿 . 𝛾𝑎𝑝. . ∆𝑇
∆𝑉𝑎𝑝. = 𝑉0𝐿 . (𝛾𝐻𝑔 − 𝛾𝑣𝑖𝑑𝑟𝑜 ). ∆𝑇
∆𝑉𝑎𝑝. = 1000. (180. 10−6 − 27. 10−6 ). (120 − 20)
∆𝑉𝑎𝑝. = 15,3 𝑐𝑚3

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Anômala da Água

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Anômala da Água
Porque a água sofreu uma contração com o aumento da
temperatura ?

Causa: a estrutura molecular de água (H2O) e o modo


como as moléculas se agrupam na fase sólida, formando
ligações chamadas pontes de hidrogênio entre os átomos
de oxigênio e os átomos de hidrogênio das moléculas
vizinhas.
Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br
Dilatação Anômala da Água
Porque a água sofreu uma contração com o aumento da
temperatura ?

A elevação da temperatura da água provoca um aumento


na agitação molecular que tende a romper as pontes de
hidrogênio , aproximando as moléculas .
Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br
Dilatação Anômala da Água
Isso explica porque em invernos rigorosos os lagos se
congelam na superfície. Quando a temperatura do ar
diminui, atingindo valores um pouco menores do que 4ºC,
a densidade da água superficial fica menor do que a da
água mais quente do fundo e, assim, a água "fria" fica por
cima da água "quente". Desse modo quando a
temperatura da água superficial atinge 0ºC, a água
superficial se congela enquanto a água do fundo continua
líquida. Esse efeito é ajudado pelo fato de o gelo ser um
mau condutor de calor.

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Anômala da Água

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Anômala da Água

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Dilatação Anômala da Água

Prof. Me. Luis Antonio luis.simoes@icen.ufpa.br


Obrigado!
Prof. Me. Luis A. S. Simões

luis.simoes@icen.ufpa.br

Você também pode gostar