Você está na página 1de 15

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE

Instituto de Educação à Distância

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA & A PESSOA HUMANA

Discente: Ana Maria Elisa, Código: 708208493

Nampula, Maio

2021
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE

Instituto de Educação à Distância

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA & A PESSOA HUMANA

Discente: Ana Maria Elisa, Código: 708208493

CURSO: Licenciatura em Ensino de


Administração Pública

CADEIRA: Introdução à Filosofia

DOCENTE: dr: Belito Eugénio Sinoia

ANO DE FREQUÊNCIA: 2º ano

Nampula, Maio

2021

2
FOLHA DE FEEDBACK

Classificação
Categorias Indicadores Padrões Pontuação Nota /
Máxima tutor Subtotal

 Capa 0.5

 Índice 0.5
Estrutura Aspectos
 Introdução 0.5
organizacionais
 Discussão 0.5

 Conclusão 0.5

 Bibliografia 0.5

Contextualização (indicação
clara do problema)
1.0
Introdução Descrição dos objectivos 1.0

Metodologia adequada ao 2.0


objecto do trabalho

Articulação e domínio do
Conteúdo
discurso académico (expressão
Análise 2.0
escrita cuidada, coerência/coesão
discussão
textual).

Revisão bibliográfica nacional e


internacional revelantes na área
2.0
de estudo.

Exploração dos dados 2.0

Conclusão Contributos teóricos práticos 2.0

Aspectos Formatação Paginação, tipo e tamanho de 1.0


gerais letra, paragrafo, espaçamento
entre linhas

Normas APA
6a ed. e citações
Rigor e coerência das citações/ 4.0
e bibliografia
referências bibliográficas

3
Folha para recomendações de melhoria: A ser preenchido pelo tutor
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

4
Índice
I. INTRODUÇÃO À FILOSOFIA....................................................................................7

1.Aspectos Universais e Particulares da Filosofia.............................................................7

1.1.Aspectos Particulares da Filosofia...............................................................................8

2.A Diferença entre a Filosofia com outras Ciências........................................................8

2.1.A filosofia distingue-se de outras ciências pelas seguintes Razoes:...........................9

3.Caracterização das questões da Filosofia.......................................................................9

4. As Etapas da Filosofia Grega......................................................................................10

5.Percurso da Filosofia da Fase Mítica a Fase Racional.................................................11

II. A PESSOA HUMANA...............................................................................................11

6.Diferenças entre a Ética e Moral..................................................................................11

7.Aspectos da Consciência Moral...................................................................................12

8. Os Valores na vertente Subjectiva e Objectiva...........................................................12

9. Identificação da Hierarquia dos Valores.....................................................................12

10. O conceito da Bioética e seus impactos no Conhecimento para vida humana..........13

10.1.Impactos da Bioética no Conhecimento para vida Humana....................................13

Conclusão........................................................................................................................14

Referências Bibliográficas...............................................................................................15

5
Introdução

O presente trabalho é de carácter avaliativo da Cadeira de Introdução á Filosofia, e visa


abordar vários conteúdos organizados em unidades, sendo assim, trata-se dos conteúdos
das Unidades e 1 e 2, na Primeira parte cingira na descrição dos repesctivos aspectos:
Aspectos Universais e Particulares da Filosofia, as diferenças entre filosofia e outras
ciências, as características da natureza das questões da Filosofia, as etapas da Filosofia
Grega, e os percursos da Filosofia da fase Mítica à fase racional. Além disso, tratando-
se da Unidade 2, esta desenvolve-se os seguintes conteúdos: Diferenças entre a Ética e
Moral, Aspectos da Consciência Moral, os Valores na Vertente Subjectiva e Objectiva,
Identificação da hierarquia dos Valores e para terminar fala do conceito da Bioética e os
seus impactos no conhecimento para a vida humana.

6
I. INTRODUÇÃO À FILOSOFIA
Segundo ROSA (p: 12), “O termo “Filosofia” é composto de dois termos gregos: philos,
que significa amigo de, amante de, afeiçoado a, que gosta de, que tem gosto em, que se
compraz em, que busca com afã, que anseia, e sophia, que significa sabedoria, saber,
ciência, conhecimento. Assim pois, etimologicamente, o termo filosofia significa: amor
à sabedoria, gosto pelo saber”.

1.Aspectos Universais e Particulares da Filosofia


Segundo ROSA (p: 15), “A universidade da filosofia pode ser entendida em diferentes
sentidos:

a) Universidade da filosofia quer dizer, que todos os homens são filósofos, este
sentido radica no facto de todo homem ter razão. Tal universidade conduziu à
distinção entre um filosofar espontâneo, presente, em todo homem, e um
filosofar sistemático, especifico dos filósofos.
b) A universidade da filosofia significa: a ciência do universal e do ser. Como
afirma Santo Tomas de Aquino, “a filosofia é sabedoria no sentido em que,
conhecendo o universal, ela conhece, através dele, todos os singulares que
revelam desse universal”.
c) A universidade da filosofia, pode ser entendida como a construção de um
sistema de verdades universais. Foi este o projecto de Descartes que procurou
encontrar um fundamento, evidente e indubitável, a partir do qual dedutivamente
construiu um sistema filosófico.
d) Pode se falar da universidade da universidade da filosofia, porque alguns de
seus problemas são universais, isto é, referem-se à existência do homem. Tais
problemas, apesar de serem formulados por filósofo exprimem inquietações e
esperanças que são próprias da humanidade. O filósofo ao pôr universalmente
em forma à questão é o problema, exprime dificuldades que lhe é própria.

Trata-se de aspectos universais da Filosofia, se nos questionarmos acerca do amor, da


amizade, da beleza ou a justiça, porque estes são problemas sempre presentes em
qualquer tempo de qualquer cultura ou civilização.

7
1.1.Aspectos Particulares da Filosofia
Para ROSA (p: 15), “O particular é um ente distinto de um universal. São consideradas
coisas múltiplas que possuem propriedades e cujas existências estão em relacção
dependentes a uma única substância primária”.

Em geral, os particulares são definidos como entidades espaços-temporais concretas, em


oposição a entidades abstratas, como propriedades ou números.

Por exemplo, Malangatana é um particular (existe apenas um Malangatana, e não se


pode fazer cópias dele, por exemplo, ao cloná-lo, sem introduzir novos e distintos
detalhes). A vermelhidão, por outro lado, não é particular, porque é uma qualidade
abstrata e multiplicada pela instanciação (por exemplo, uma bicicleta, uma maçã e o
cabelo de uma dada mulher podem ser todos vermelhos particulares, mas não a
qualidade da vermelhidão em si).

Segundo ROSA (p: 15), “Os particulares incluem apenas indivíduos de um certo tipo:
como primeira aproximação, indivíduos com um lugar definido no espaço e tempo,
como pessoas e objectos ou eventos materiais, ou aquilo que deve ser identificado
através desses indivíduos, como sorrisos ou pensamentos”.

2.A Diferença entre a Filosofia com outras Ciências


Conforme ROSA (p: 28), “No seu começo a ciência estava ligada à Filosofia, sendo o
filósofo, o sábio que reflicta sobre todos os sectores da indagação humana. Neste
sentido os filósofos como Tales, Pitágoras, eram também geómetras, e Aristóteles
escreveu sobre física e astronomia”.

A partir do seculo XVII, a revolução metodológica iniciada por Galileu promove a


autonomia da ciência e o seu desligamento da filosofia. Desse período até o seculo XX,
aparecem as chamadas ciências Particulares: física, astronomia, biologia, química,
psicologia, delimitando assim um campo especifico de pesquisa.

Este desligamento ocorreu devido o nascimento da ciência. Com a fragmentação do


saber, cada ciência se ocupa de um objecto específico, como:

 A Física cabe investigar os movimentos dos corpos;


 À Bilogia é a ciência que se ocupa ao estudo da natureza dos seres vivos;
 À Química se ocupa ao estudo da Matéria, suas transformações e as leis que
regem as taus transformações;
8
Assim, por diante, além da delimitação do objecto da ciencia, se acrescenta o
aperfeiçoamento do método científico, sobre tudo na experimentação e matematização.

2.1.A filosofia distingue-se de outras ciências pelas seguintes Razoes:


 A profundidade da Investigação, Reflexão Critica, Grau de generalidade e síntese,
humanidade e valorização.

Apesar da ciência ter herdado a argumentação racional que surgiu com os primeiros
filósofos, a diferença entre ciência e filosofia reside no facto da ciência estar
comprometida com demonstrações empíricas, enquanto que a filosofia se permite
trabalhar com conceitos que estão além de qualquer demonstração física.

A Filosofia é um conhecimento, um saber e, como tal, em sua esfera de particular


competência na qual busca adquirir informações validas, precisas e ordenadas.

3.Caracterização das questões da Filosofia


Os problemas filosóficos surgem no interior de qualquer actividade humana. Qualquer
questão de natureza científica, política, moral, artística, ou outra, pode ter manifestações
e desenvolvimentos filosóficos. Com efeito não é pelo seu conteúdo e formulação
imediata que um problema se torna filosófico ou não filosófico, mas pela forma como
ele é abordado e desenvolvido, ou seja, é assumindo uma atitude filosófica que um
problema se torna filosófico.

Portanto, o que faz com que uma pergunta seja considerada filosófica não é apenas o
modo (como é colocada a questão) mas também o conteúdo, que compreende quatro
aspectos fundamentais que a seguir se enunciam:

 Universalidade – A Filosofia coloca questões e problemas que são filosóficos na


medida em que são universais, interessam a toda a humanidade, dizem respeito a
todos os homens em todas as épocas, em todas as culturas e em todas as localizações
geográficas. 
 Radicalidade – Procura a raiz e a origem dos problemas; o que caracteriza as
questões filosóficas é o aprofundamento do problema e não a busca de soluções
imediatas.
 Autonomia – É a capacidade do filósofo de ter a liberdade de raciocinar na busca da
verdade e de fundamentos, distanciando-se muitas vezes do que a História terá
definido.

9
 Historicidade – Diz respeito ao enquadramento histórico das questões filosóficas.

4. As Etapas da Filosofia Grega


No decorrer dos seculos, a filosofia teve um conjunto de preocupações, perguntas e
interesses que lhe vieram de nascimento na Grécia. A filosofia Grega, que definiram o
campo de investigação filosófica na Antiguidade dividem-se pelos historiadores em
quatro fases ou épocas:

a) A da Grécia Homérica, corresponde aos 400 anos narrados pelo poeta Homero,
em seus dois grandes poemas, Ilada e Odisseia;
b) A da Grécia arcaica ou dos sete sábios, do seculo VII ao seculo V a. C, quando
os gregos criam cidades como Atenas, Esparta, Tebas, Mégara. Samos, e
predomina a economia urbana, baseado no artesanato e comercio.
c) A Grécia Clássica, nos seculos V e IV a. C, quando a democracia se desenvolve,
a vida intelectual e artística no apogeu e Atenas domina a Grécia com seu
império comercial Militar;
d) A helenística, a partir do seculo IV a. C, quando a Grécia passa para o poderio
do império de Alexandre da Macedónia e, depois, para as mãos do Imperio
Romano, terminando a história de existência independente.

Os períodos da filosofia não correspondem as épocas, já que ela não existe na Grécia
Homérica, e só aparece nos meados na Grécia arcaica. O apogeu da Filosofia acontece
durante o apogeu da cultura e da sociedade gregas; portanto, durante a Grécia Clássica.
Os quatro grandes períodos da Filosofia grega, nos quais seu conteúdo muda e se
enriquece são:

 Período Pré-socrático ou Cosmológico, do final do século VII ao final do século V


a. C., quando a Filosofia se ocupa fundamentalmente com a origem do mundo e as
causas das transformações na natureza.
 Período Socrático ou antropológico, do final do seculo V e todo o seculo IV a. C.,
quando a Filosofia investiga as questões humanas, isto é, a ética, a politica e as
técnicas (em grego, antropos quer dizer homem, por isso o período recebeu o nome
de antropológico).
 Período Sistemático, do final do seculo IV ao final do seculo III. a. C., quando a
Filosofia busca reunir e sistematizar tudo quanto foi pensado sobre a cosmologia e a
antropologia, interessando-se sobretudo em mostrar que tudo pode ser objecto de

10
conhecimento fisiológico, desde que as leis do pensamento e de suas demostrações
estejam firmemente estabelecidas para oferecer os critérios da verdade e da ciência.
 Período Helenístico ou Grego-Romano, do final do seculo II a. C., até o seculo VI
depois de Cristo. Nesse longo período, que já alcança Roma e o pensamento dos
Padres da Igreja, a Filosofia se ocupa sobretudo com as questões da ética, do
conhecimento humanos e das relações entre o homem e a Natureza e de ambos com
Deus.

5.Percurso da Filosofia da Fase Mítica a Fase Racional


No período arcaico surgiram os primeiros filósofos gregos, por volta de fins do seculo
VII a. C e durante o seculo VI a. C., alguns autores costumam chamar de “Milagre” a
passagem do pensamento mítico para o pensamento racional e filosófico.

O surgimento da racionalidade crítica foi o resultado de um processo lento, cujas


características não desapareceram na nova abordagem filosófica do mundo, ou seja, a
passagem da concepção mútica para racionalidade não é o resultado de um salto, um
“milagre”, realizado por um povo privilegiado, mas a culminação de um processo que
se fez através dos tempos e tem sua divida com o passado mítico.

Algumas novidades surgidas no período arcaico ajudaram a transformar a visão que o


homem mítico tinha do mundo e de si mesmo. São elas as:

 A invenção da escrita;
 O surgimento da moeda;
 A lei escrita;
 O nascimento da polis (cidades-estado), todas elas contribuem para o
surgimento da Filosofia.

II. A PESSOA HUMANA

6.Diferenças entre a Ética e Moral


De acordo com MOREIRA, (2004), “Os termos são de origem etimológica distinta: a
palavra “ética” vem do Grego “ethos” que significa “modo de ser” ou “carácter”. Já a
palavra “moral” tem origem no termo latino “morales” que significa “relactivo aos
costumes”.

11
A Ética se fundamenta nos valores morais que orientam o comportamento humano na
sociedade, enquanto, a Moral são os costumes, regras, tabus e convicções estabelecidas
por cada sociedade. Ética são os conhecimentos obtidos da investigação do
comportamento humano em relacção às regras morais, explicadas de forma racional,
fundamentada, científica e teórica, ou seja, ética é uma reflexão sobre a moral.

7.Aspectos da Consciência Moral


Segundo ROSA (p: 12), “A consciência pode ser definida na perspectiva psicológica,
ético e moral, politica e da teoria de conhecimento”.

 A consciência moral (pessoa) e a consciência política (o cidadão) formam-se


pelas relacções entre as vivências do eu e os valores e as instituições de sua
sociedade ou de sociedade ou de cultura.

8. Os Valores na vertente Subjectiva e Objectiva


De acordo com ROSA (p: 53), “Os valores podem ter uma vertente Subjectiva ou
Objectiva”.

 Subjectica, quando designam, um padrão de comportamentos a que alguém dá


importância, ou relevo (por exemplo, a honestidade, a parcimónia no uso dos
prazeres, a preocupação com questões espirituais).
 Objectividade, refere-se aos padrões de comportamentos reconhecidos e
adpotados por um grupo ou comunidade mais ou menos vasta (a moda de um
abraço, uma determinada estação, a indumentaria tradicional de uma região ou
os valores de uma mercadoria).

9. Identificação da Hierarquia dos Valores


Para ROSA (p: 57), “A hierarquia dos valores, foi proposta pela primeira vez por Max
Scheler, que forneceu cinco critérios pra determinar a altura dos Valores. A hierarquia
dos valores propostas Scheler é, no seu entender, objectiva, universal e eterna porque é
constituída a priori pela sensibilidade”.

9.1.É constituída por quatro grupos fundamentais de valores:

 Valores do agradável e do desagradável, correspondentes à função do gozo e


sofrimento;
 Valores vitais (como saúde e doença);

12
 Valores espirituais, isto é, estéticos e cognitivos;
 Valores religiosos.

10. O conceito da Bioética e seus impactos no Conhecimento para vida humana


Bioética

Para ROSA (p: 59), “O termo Bioética, vem da palavra ética e de bios que significa
Vida do grego. Pode designar, então, ou uma reflexão sobre os valores subordinada a
bios, a vida, ou então uma metamoral que se interessa pelos desafios e as repercussões
da Biologia e Medicina.

Para DESCHAMPS citado por ROSA (p: 59), “A Bioética é a ciência normativa do
comportamento humano aceitável no campo da vida e da morte.

A bioética é, pois a expressão da responsabilidade em face da humanidade futura e


distante que está confiada à nossa guarda e busca das formas de respeito dividas à
pessoas, busca que se efectua particularmente considerado o sector biológico e suas
aplicações.

10.1.Impactos da Bioética no Conhecimento para vida Humana


SEGRE, (2003), “A bioética tem se ocupado de questões fundamentais da humanidade
que, seguramente, modificaram nossa sociedade e o seu futuro, e que influenciam o
comportamento do indivíduo”.

 Por exemplo, como lidar eticamente com as novas definições de início e de fim
da vida humana ou da qualidade de vida humana, o que pode ser realizado do
ponto de vista ético em experimentos científicos, como lidar eticamente com o
meio ambiente. Porém, entendo que a bioética dá pouca atenção ao cotidiano da
vida.

A psicanálise, por sua vez, também lida com questões fundamentais da humanidade só
que desde o vértice do indivíduo, mas que seguramente modificaram a sociedade. Por
exemplo, a definição de inconsciente, do conceito de pulsões diferenciando-as dos
instintos ou do conceito de pulsão de morte. Considero, no entanto, que a psicanálise
dedicou pouca atenção a questões sociais.

13
Conclusão
Após a leitura minuciosa dos manuais e obras que abordam os assuntos relacionados
com os conteúdos desenvolvidos no trabalho compreendeu-se a palavra Filosofia é
composta de dois termos gregos: philos, que significa amigo de, amante de, afeiçoado a,
que gosta de, que tem gosto em, que se compraz em, que busca com afã, que anseia, e
sophia, que significa sabedoria, saber, ciência, conhecimento. Assim pois,
etimologicamente, o termo filosofia significa: amor à sabedoria, gosto pelo saber.
Obviamente quando trata-se dos problemas filosóficos surgem no interior de qualquer
actividade humana. Qualquer questão de natureza científica, política, moral, artística, ou
outra, pode ter manifestações e desenvolvimentos filosóficos. Com efeito não é pelo seu
conteúdo e formulação imediata que um problema se torna filosófico ou não filosófico,
mas pela forma como ele é abordado e desenvolvido, ou seja, é assumindo uma atitude
filosófica que um problema se torna filosófico.

14
Referências Bibliográficas
MOREIRA, João Manuel, Questionários: Teoria e Prática, Almedina, 2004.

ROSA, António Luís, Introdução à Filosofia, Manual de Licenciatura em Ensino de


Administração Publica, 2º ano, UCM, s/d. Beira, Moçambique.

SEGRE, M.; Cohen, C. Bioética. São Paulo, Edusp 3ª edição. 2003.

15

Você também pode gostar