Você está na página 1de 10

Índice

CAPÍTULO I..............................................................................................................................1
Introdução..............................................................................................................................1
Problematização.....................................................................................................................2
Objectivos...............................................................................................................................3
Objectivo Geral..................................................................................................................3
Objectivos Específicos........................................................................................................3
Questões de pesquisa..............................................................................................................3
Justificativa.............................................................................................................................3
CAPÍTULO II............................................................................................................................4
CAPÍTULO III.........................................................................................................................12
Metodologia..........................................................................................................................12
Tipo de pesquisa...................................................................................................................12
Quanto à natureza............................................................................................................12
Quanto aos objectivos......................................................................................................12
Quanto aos procedimentos...............................................................................................12
Quanto à abordagem........................................................................................................13
Método de abordagem..........................................................................................................13
População ou universo.....................................................................................................13
Amostra / Participantes da pesquisa...............................................................................14
Técnicas e instrumentos de colecta de dados......................................................................14
Observação.......................................................................................................................14
Entrevista..........................................................................................................................14
Questionário......................................................................................................................14
Procedimentos para análise de dados.................................................................................15
Referências bibliográficas....................................................................................................16
1

CAPÍTULO I
Introdução
No presente trabalho, pretende-se fazer uma reflexão sobre como os professores de
Educação Visual do ensino secundário lidam com os Meios e Técnicas de
Representação Gráfica na 8ª classe, na mesma sequência analisando as consequências
que a não exploração dos mesmos podem causar na aprendizagem e no
desenvolvimento das capacidades cognitivas, motoras e criativas do aluno.

Para fazer este estudo, baseou-se no Plano Curricular do Ensino Secundário Geral com
enfoque na disciplina de Educação Visual, cujos objetivos são o desenvolvimento da
destreza manual do aluno através de diferentes técnicas, da comunicação visual, do
gosto pelo belo entre outros, com a finalidade de responder as necessidades do seu meio
cultural, político e social.

O trabalho está dividido em três capítulos. No primeiro capítulo apresenta-se o tema e


introduz-se o assunto que será abordado durante a pesquisa, explicando a razão da
escolha do tema, contexto em que surgiu o problema, relevância e como pretende-se
solucionar.

No segundo capítulo, desenvolve-se o tema, apresenta-se de forma clara e breve alguns


conceitos e teorias relacionados ao tema explicando detalhadamente o assunto de modo
a esclarecer e elucidar o leitor.

No terceiro e último capítulo, aparentamos a metodologia que foi usada para efectivar o
nosso estudo e deixamos ficar a nossa percepção e considerações finais em relação ao
estudo.

Problematização

O Programa de Ensino Secundário Geral (PESG) tem como premissa na formação dos
jovens o alargamento do universo de escolhas e capacitação para o mercado do trabalho
e de auto-emprego. O PESG aponta que um dos grandes desafios ainda é o
desenvolvimento de habilidades e copetencias suficientemente necessarios e úteis que
permitam aos jovens integrarem-se na sociedade participando activamente na vida
politica, economica e social do país. Contudo, isto pode ser alcançado através de
combinação e desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e comportamentos
2

multidisciplinares que visam estimular a criatividade, autonomia pessoal e a auto-


estima. (PESG)

A arte é um elemento indispensavel nesta preparação de jovens, para uma sociedade


culta, consciente de si, criativa e com alto senso de autonomia e auto-estima. Segundo
GESTEIRO (2013), a arte é o meio que os educadores se dispõem para introduzir novos
conhecimentos e competências (GESTEIRO 2013, pp. 23). Esses saberes são obtidos na
escola e no meio social do homem, mas a forma especificada e sistematizada de acordo
com o corriculo corriculo nacional é adquirida na disciplina de Educação Visual.

A disciplina de Ed. Visual é o veiculo pelo qual o aluno é levado a conhecer o mundo
visual e artístico de modo a desenvolver uma sensibilidade estética e artística. Nesse
processo ensina-se a comunicar visualmente, estimulando a capacidade de observação e
criadora, análise e representação do meio envolvente, uso de ferramentas/ instrumentos
nas experimentações plasticas assim como o uso e exploração de vários meios e
materiais de representação grafica.

O domínio dos meios e técnicas para esses efeitos, permite ao aluno desenvolver a
criatividade, autonomia e resolução de questões recorrentes no seu dia-a-dia em relação
ao meio em que se esncontra inserido. Contudo, uma observação feita em diversas
escolas secundárias da cidade de matola, verificou-se pouco uso e exploração desses
meios e técnicas na II Unidadade da 8ª classe, Unidade tematica que tem como foco o
uso e exploracão de vários Meios e Tecnicas de Expressão Gráfica. E uma análise
minusciosa mostrou que os conhecimentos adquiridos nesta II Unidade poderão ser
determinantes nas Unidades subsequentes. Perante esta a situação apresentada e dada a
importância desta Unidade Temática na formação do repertório do aluno surge a
seguinte questão: Quais são as consequências de não uso e exploração dos Meios e
Técnicas de Expressão Gráfica na II Unidade da 8ª classe?

Objectivos
Objectivo Geral
Ø Reflectir em tornos das consequências de não uso e exploração dos meios e
técnicas de expressão Gráfica;

Objectivos Específicos
3

Ø Identificar os fictores que levam a não uso e exploração dos meios e técnicas de
expressão Gráfica;
Ø Mencionar a importância dos meios e técnicas de expressão Gráfica no
desenvolvimento das competências do aluno;
Ø Analisar a relação desta temática com as unidades subsequentes da 8ª classe.

Questões de pesquisa
De acordo com os nossos objectivos, como forma de definir as diretrizes da pesquisa,
formam formuladas as seguintes questões:
a) Quais são os factores que levam a não exploração dos meios e técnicas de
expressão Gráfica?
b) Qual a importância dos meios e tecnicas de expressão grafica?
c) Qual a relação desta tematica com as unidades subsequentes?

Justificativa
A presente pesquisa surge da emergência de tomada de novas atitudes em relação à
abordagem da tematica em causa, pois verifica-se situações de ignorância por parte
dos professores quanto a selecção dos meios e técnicas a serem ensinados, deixando
um número considerável desses meios sem serem explorados.

Preocupados com o desenvovimento das capacidades cognitivas e criativas do aluno


nesta fase etária, petendemos mostrar de acordo com as pesquisas em acção a
importancia desta temática na formação da autonomia e da personalidade do aluno
frentes às ocorrencias do sei ciclo social.
4

CAPÍTULO II
2. Revisão da Literatura

2.1.
5

CAPÍTULO III
Metodologia
Faz-se necessários especificar a metodologias que serão usadas pois elas vão orientar a
efetivação do estudo que se pretnde efectuar. “Metodo é o caminho para se relalizar
alguma coisa e quando se tem o caminho, torna-se mais fácil realizar viagens sabendo
onde se está e onde se quer chegar e como fazê-lo” (PEREIRA, et all, 2018. pag.67).
Desta forma entedemos que metodologias são o conjuntos de ferramentas necessárias
que precisamos nos dispor e apropriar-se para delinear a nossa pesquisa. Segundo
LAKATOS & MARCONI (2003), não existe um método para conduzir uma pesquisa,
de acordo com a natureza do problema, dos fenómenos em estudo e dos recursos, pode-
se muito bem usar os métodos que melhor resolvam o problema e alcancem os
objectivos do estudo.

Tipo de pesquisa
São várias as formas de classificar as pesquisas, segundo o mesmo autor a pesquisas

Quanto à natureza
A pesquisa em curso é de natureza básica. No entender de PRODANOV & DE
FREITAS, a pesquisa quanto a natureza pode ser básica e aplicada. A pesquisa básica
consiste na realização de trabalhos teóricos com vista a gerar novos conhecimentos. Não
tem finalidades imediatas ou prática, é uma pesquisa meramente conhecida pela
aplicação de conhecimento pelo conhecimento, ou seja, preocupa-se apenas na
ampliação de novos saberes científicos.

Quanto aos objectivos


Quanto aos objectivos a pesquisa pode ser explicativa, descritiva e exploratória. A
presente pesquisa é descritiva. Segundo PRODONOV & DE FREITAS (2013), esta
técnica consiste em apenas descrever os factos observados sem interferir neles. O
pesquisador procura perceber a ocorrência, natureza ou características do facto ou
fenómeno através da observação. Para a sua efectivação propõe-se o usos de técnicas
auxiliares como entrevista, formulário, questionário, observação e testes.

Quanto aos procedimentos


6

Quanto aos procedimentos pode ser bibliográfica, documental e experimental.

A pesquisa em curso quanto aos procedimentos é bibliografica. Segundo Gil (2008) este
tipo de pesquisa é feita recorrendo-se à material já elaborado. Este consiste em livros,
artigos científicos, revistas, jornais entre outros.

Quanto à abordagem
Quanto a aboradagem tomamos ZANELA (2013) que apoia-se ao RICHARDSON et
all.(2007) que classifica a pesquisa em quantitativa e qualitativa. A pesquisa segue a
abordagem quantitativa que tem com principal característica mo uso e empregue de
instrumentos estatísticos na análise dos dados aplicando fórmulas mensuráveis entre as
variáveis. Tal como referenciamos no início deste capítulo, o uso de um método ou
técnica não impede ou não exclui a possibilidade de usar o outro. Pelo que poderá
verificar-se o uso do método qualitativa de forma sutil durante o processo. Não
pretendemos usar os dois métodos de forma separada, o qualitativo aparece apenas para
completamentar para melhor entendimento dos fenómenos.

Método de abordagem
“É conjunto de processos ou operaçoes mentais empregados na pesquisa” (SEVERINO,
2013). São conjunto de procedimentos, regras e operaçoes determinados a organizar os
pensamentos racionalmente para solucionar o problema que conduz a pesquisa.

Será usado o método hipotético-dedutivo conhecido como método de tentativa e erro. É


um metodo que consiste na identificação de um problema num fenómeno depois segue a
formulação de conjecturas que serão testados. É um método apaplicado na insuficiência
de conhecimento de um assunto para explicação de um determinado fenómeno.

População ou universo
Segundo LAKATOS & MARCINI, é o conjunto de seres animados e inanimados que
apresentam pelo menos uma caracteristica em comum. Segundo EDWARDS, existem
individuos considerados adultos quanto a capacidade de analise e solução de
problemas, mas quanto ao desenho, ela desenha como uma criança. Selecionaremos um
conjuto de jovens estudantes da Universidade Pedagógica cursantes Licenciatura em
Educação Visual.
7

Amostra / Participantes da pesquisa


Como representaação do universo que se pretende estudar, selcinaremos os estudante da
Universidade Pedagógica do primeiro ao quarto ano que estão frequentando o curo de
Licenciatura em Educação Visual. Sabendo que os mitos são transmitidos de geração
em geração e a crença em desenho como dom é um mito que perpetua em todas as
sosociedade, espera-se que com esta seleção encontremos joves de diferente contextos
sociais de culturas e crenças distintas. Faremos levatamento de informações sobre sua
jornada ao curso e sua percepção sobre a habilidade de desenho que é um factor
fundamental e determinante para fazer o curso.

Técnicas e instrumentos de colecta de dados


São os processos que servem para selecionar os dados. LAKATOS & MARCINI
consideraram técnicas ao conjunto de processos ou preceitos que servem a uma ciência
e divide-se em documentação directa e indirecta.

Observação
“É o uso dos sentidos com vista a adquirir os conhecimentos necessarios para o
cotidiano” (GIL, 2008, p. 100). E o mesmo autor continua afirmando que a observação
constitui o elemento fundamental para uma pesquisa pois através dela pode-se registrar
informações e comportamentos de desde a formulação do problema até à interpretação
dos dados. Ela torna-se vantajosa no nosso estudo porque permitir-nos-á colher os dados
e perceber os factos directamente sem nenhuma intermediação.

Entrevista
“É a tecnica em o investigador se apresenta frente ao investigado e lhe formula
perguntas” (...) é uma técnica “bastante adequada para a obtenção de informações
acercamdo que as pessoas sabem, crêem, esperam, sentem desejam” GIL, 2008. p.109).
Dada que a nossa pesquisa gira em torno desses precedentes, acreditando que esta
técnica leva a caracterizar os nossos objectivos. É também uma técnica de investigação
social por excelência, utilizado (aceite) em diversos campos de investigação científica
nas últimas decadas.

Questionário
É uma técnica de investigação que consiste em fazer levantamento de dados ou
informações por meio de questões propostas por escrito(na maioria das vezes). Mesmo
com uso da entrevista, podemos nos servir desta técnica de diversas formas artaves de
questões abertas ou fechadas. O sejeito pesquidor pode estar no anonimato podedendo
8

evitar influências de qualquer natureza aos participantes, deixando-lhes mais à vontade


para colocar seus pensamentos, crenças e perspectivas.

Procedimentos para análise de dados


Para a o estudo prático usaremos a observação diecta onde faremos observação,
questionários, entrvistas, formulários, testes e análise dos progressos.

A observação será indispensável, numa primeira fase, faremos um teste para saber em
que estágio encontram-se os participantes. Depois através de entrevistas, faremos um
depoimento, dos seus posicionamentos e crenças realativamente ao assunto. Poderemos
ainda enfatizar o estudo elaborando formulários d e modo a proporcionar maior
liberdade aos participantes.
9

Referências bibliográficas

EDWARDS, Betty. Desenhando com o lado direito do cérebro. 4. ed. Rio de Janeiro:
Editora Ediouro, 2004.

FERREIRA, Debora Pazetto, Investigações acerca do conceito de Arte, 2014.


Gil, Antonio Carlos, Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas,
2008.

MIRANDA, Catarina Fernandes Do Carmo. A expressão Plástica.2013.

LAKATOS, Eva Maria & MAARCONI, Marina De Andrade. Fundamentos de


Metodologis Cientifica, 5ª ed. São Paulo, Atlas 2003.

LAKATOS, Eva Maria & MAARCONI, Marina De Andrade. Metodologis de trabalho


Cientifico.

LOWENFELD, V & BRITTAN, W.L. Desenvolvimento da capacidade Criadora, São


Paulo, 1970.

MOREIRA, Ana Angelica Albano, O espaço do desenho, a educação do educador, 8ª


ed. São Paulo, 1991.

OLIVEIRA, Maxwell Ferreira de. Metodologia científica: um manual para a realização


de pesquisas em Administração.Catalão: UFG, 2011.
PEIXOTO, Simone. Pensar o Desenho:Linguagem, História e Prática, Guarapuava:
UNICENTRO, 2013.
TAVARES, Paula, Desenho como Ferramenta Universal. Portugal
VAZ1, Adiana & PEREIRA, Alberto Garcia de Andrade. Desenho de observação e seu
ensino: método perceptivo versus analítico, 2017.
SEVERINO, António Joaquim, Metodologia do Trabalho Científico, 1ª ed. São Paulo,
Cortez, 2013.
ZANELLA, Liane Carly Hermes, Metodologia de Pesquisa, 2ª ed. Florianópolis, UFSC,
2013.

Você também pode gostar